A ÚLTIMA GUERRA QUE O BRASIL PARTICIPOU FOI A MAIS DE 70 ANOS. MAS OS BRASILEIROS TEMEM A AGRESSÃO DE UMA POTÊNCIA ESTRANGEIRA

50% temem que Brasil seja atacado por causa da Amazônia, diz Ipea

A primeira edição sobre Defesa Nacional do Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) foi divulgada nesta quinta-feira, 15, durante coletiva pública na sede do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em Brasília. O SIPS ouviu 3.796 pessoas, em 212 municípios brasileiros, sobre quatro temas: percepção de ameaças; percepção sobre a Defesa Nacional e as Forças Armadas; poder militar do Brasil e inserção internacional; e Forças Armadas e Sociedade.

O mais importante caça da Força Aérea Brasileira (FAB) é o Mirage 2000. Mas já se encontra obsoleto, é de 2ª mão, são poucas aeronaves na FAB e a sua hora de voo é bastante elevada em termos de valores. Foto – Rostand Medeiros

A margem de erro é de 5%, informou o Ipea, instituto vinculado à Presidência da República.

Os dados compilados nesta primeira parte da pesquisa são relativos à percepção sobre ameaças e revelam, entre outros pontos, quais são as principais ameaças identificadas pela população brasileira (crime organizado, guerra, terrorismo, etc.) e a opinião da sociedade sobre a possibilidade de agressão militar estrangeira por interesses na Amazônia e no Pré-Sal.

Outro importante caça da FAB é o F-5, fabricado nos Estados Unidos. Apesar deste tipo de aeronave ter sido modernizado, apesar da FAB possuir um certo número destes aviões, o seu projeto é da década de 1960 e os primeiros que chegaram ao Brasil foram trazidos em 1973. Em outras forças aéreas ele é utilizado na segunda linha de combate – Foto – Rostand Medeiros

Guerra e crime organizado

De acordo com o estudo, a maior ameaça percebida pelos entrevistados é o crime organizado, apontado por 54,2%. Chama a atenção, no entanto, o número de brasileiros que avaliam como possível uma guerra com potência estrangeira ou país vizinho, com percentuais de 34,7% e 33%, respectivamente. Desastres ambientais e climáticos foram indicados por 38,6%, enquanto terrorismo e epidemias são temidos por cerca de 30% da amostra.

“A natureza das ameaças elencadas na pesquisa são distintas, mas a ideia era colocar o maior número possível entre aquelas que pudessem atentar contra a integridade das pessoas”, afirmou Edison Benedito da Silva, técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea.

Achamos que o número de apontamentos sobre conflitos com outros países seria menor. Foi surpreendente essa percepção da população, pois o último conflito em que o Brasil se envolveu foi a Segunda Guerra Mundial e a última guerra com ampla mobilização de recursos foi contra o Paraguai, há mais de 140 anos”, analisou Rodrigo Fracalossi de Moraes, também técnico do Instituto.

O último conflito na qual o Brasil esteve envolvido foi na Segunda Guerra Mundial. A atriz Carmem Miranda foi uma das celebridades que incentivaram a defesa nacional.

Para a chefe da assessoria técnica da presidência do Ipea, Luciana Acioly, as pessoas tem percebido a maior importância do Brasil no cenário internacional.

“Esse protagonismo brasileiro, essa importância que o Brasil está ganhando no mundo leva a população a perceber quais as encruzilhadas em que nos encontramos”, afirmou.

A pesquisa mostrou também que 34% dos entrevistados temem que o Brasil entre em guerra com outro país. Quando indagado sobre os países que representam ameaça, a maioria (37%) citou os Estados Unidos. O país, porém, foi também o mais citado (32%) como possível aliado.

Hidroavião de patrulha modelo Martin PBM-3 Mariner, da Marinha dos Estados Unidos, protegendo o litoral carioca durante a Segunda Guerra Mundial . Afinal os americanos são nossos aliados ou cobiçam o que temos?

“As pessoas ainda se veem ameaçadas com pais que tem capacidade militar sem paralelo. Ao mesmo tempo, as empresas americanas exportam, investem e a possibilidade de parceria é muito elevada. Essa ambiguidade decorre da variedade e da versatilidade do poder dos EUA”, disse o técnico de pesquisa e planejamento, Rodrigo Fracalossi.
Além do temor de guerra, os entrevistados responderam que têm medo do crime organizado (54%), como tráfico de drogas e armas, de desastres ambientais ou climáticos (38%), de epidemias (30%) e terrorismo (29%).

Amazônia e Pré-Sal

De acordo com Fracalossi, outra revelação importante do SIPS é a noção disseminada entre os entrevistados de que é real o risco de alguma agressão estrangeira nas próximas duas décadas, provocada por interesses em áreas estratégicas como a Amazônia e o Pré-Sal. 50,2% acreditam muito ou totalmente em uma ameaça estrangeira à Amazônia. Em relação ao Pré-Sal, 45,5% acreditam muito ou totalmente e 17,6% razoavelmente.

Fragata da classe Niterói da Marinha do Brasil. Apesar de modernizadas, estas naves não seriam páreo em um conflito contra uma força naval mais poderosa. Além do mais, a frota de guerra brasileira se concentra basicamente no Rio de Janeiro e bastaria uma boa esquadrilha de bombardeiros para deixar nossas águas territoriais desprotegidas.

“Estas duas regiões são apontadas como estratégicas em todos os documentos de defesa brasileiros e essa percepção está presente entre a população brasileira, mesmo que não seja algo do seu cotidiano”, afirmou Edison Benedito.

Outros pontos analisados pela pesquisa foram a avaliação da população brasileira sobre a atuação de ONGs estrangeiras na Amazônia e a análise do impacto, para o Brasil, de conflitos no entorno sul-americano. A grande maioria (61,1%) vê positivamente o trabalho das ONGs. Em relação aos conflitos na América do Sul (confrontos com guerrilhas na Colômbia, Paraguai e Peru; tensões sociais na Bolívia; entre outros), 63,3% entendem que eles impactam o Brasil.

Os pesquisadores destacaram também o fato de que na região Norte o percentual dos que temem “muito” os conflitos na Amazônia é de 66%.

Apesar da disciplina e capacidade de luta do militar brasileiro no cenário amazônico, a verdade é que quem quiser vai entrar nesta vastidão verde, pois nossas fronteiras não são devidamente protegidas devido ao sucateamento das nossas forças armadas.

“O percentual dos que estão na Amazônia, na região Norte, é muito alto. Ainda que isso [conflitos militares] não esteja no cotidiano, há uma mensagem clara de que essa preocupação já existe e fica maior ainda para o futuro”, disse o técnico de planejamento e pesquisa do Ipea Edison Benedito.

Para a chefe da assessoria técnica da presidência do Ipea, Luciana Acioly, os números mostram que a população está mais atenta a temas ligados ás riquezas do país, especialmente por causa da discussão sobre a divisão das receitas do petróleos, os royalties, que acontece no Congresso.

FONTES – http://www.defesanet.com.br/defesa/noticia/4005/IPEA—Brasileiros-temem-acoes–estrangeiras-na-Amazonia-e-no-Pre-Sal-

http://www.forte.jor.br/2011/12/15/50-temem-que-brasil-seja-atacado-por-causa-da-amazonia-diz-ipea/#comments

Junto aos jornalistas durante os exercícios militares da CRUZEX – Foto – Leonardo Dantas

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

About these ads

6 opiniões sobre “A ÚLTIMA GUERRA QUE O BRASIL PARTICIPOU FOI A MAIS DE 70 ANOS. MAS OS BRASILEIROS TEMEM A AGRESSÃO DE UMA POTÊNCIA ESTRANGEIRA

  1. Na verdade o nosso pais já vive uma guerra civil não declarada, no que diz respeito as nossas forças armadas é nitida a deficiência das mesmas,o nosso exército está totalmente sucateado, a FAB depende de algumas aeronaves na qual se encontram ultrapassadas, a verdade é que já estamos perdendo a amazônia para os americanos e para as madereiras asiáticas, sem falar no tráfico de animais que acontece livremente, aos poucos poderemos perder o nosso território, voltando assim, a ser uma colônia de uma dessas potências mundiais, isso sem que haja a necessidade de ser disparado um único tiro pelos mesmos.

    Henrique Oliveira- Natal-rn

    • Henrique,
      Muito obrigado pela sua participação.
      Muito positiva a sua opinião e concordo totalmente com ela.
      Não sou um militarista e nem militar, mas acredito que a atual condição de sucateamento de nossas Forças Armadas vai nos trazer muitos problemas no futuro.
      Um país com tantas riquezas naturais como o Brasil, tão desarmado como se encontra, é uma tentação para um país belicista e com melhor potencial militar. A história possui vários exemplos de situações semelhantes.
      Não acredito que o nosso maior problemas seriam nossos vizinhos sul americanos, mas fora do nosso subcontinente.
      Imagino se amanhã houver uma forte ecasses de água em uma destas potências com melhor situação militar, aí amigo, adeus Amazônia.
      A nossa diplomacia até que consegue ser representativa e atuante, mas a diplomacia não tem como ser totalmente eficiente diante da inoperância do nosso meio militar.
      Tudo isso é preocupante e a pesquisa apresentada mostra que muita gente no Brasil pensa a mesma coisa.
      Mais uma vez obrigado.
      Rostand

  2. Caro Amigo,

    Concordo plenamente com seu artigo, apesar de discordar em relação ao título.
    Na verdade, o país lutou mais tarde na República Dominicana e no Conflito Fronteiriço envolvendo Bolívia e Peru (Durante os Anos de Chumbo), além das missões de paz Perigosíssimas MARMINAS e MARMINCA, que vitimou quase 50 soldados.

    • Amigo Guilhermo,
      Obrigado pela sua participação.
      Você tem razão, eu não esclareci corretamente que a minha ideia no texto apontava para conflitos com declarações formais e não podemos olvidar estas ações que contaram com a ajuda e até mesmo o sangue dos brasileiros.
      Valeu e obrigado.
      Rostand

    • pelo que pude entender o BRASIL SENDO TÃO GRANDE NÃO PODE NEM SE DEFENDER DE UM PAIZ MENOR É UMA VERGONHA , ISSO MOSTRA O DESENTERECE DE NOSSO GOVERNANTES PORQUE NÃO SE PREOCULPAM EM ATUALIZAR OS AVIÕES E SEUS ARMAMENTOS , ABRAÇO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s