A B-17 DO AERO CLUBE DO RN – AQUELA QUE NUNCA FOI, MAS QUE NUNCA DEVERIA TER IDO!

B-17 do Aero de Natal, em foto recuperada digitalmente pelo amigo Vicente Vazquez, da Associação Brasileira de Preservação Aeronáutica - ABRAPAER

B-17 do Aero de Natal, em foto recuperada digitalmente pelo amigo Vicente Vazquez, da Associação Brasileira de Preservação Aeronáutica – ABRAPAER

Autor – Rostand Medeiros – rostandmedeiros@gmail.com

Sabemos que durante a Segunda Guerra Mundial a cidade da América do Sul mais engajada na luta dos Aliados contra a dominação dos países do Eixo foi Natal. Tínhamos aqui a grande base aérea de Parnamirim Field, controlada pelos americanos e que entrou para história como “Trampoline to Victory”. Como um verdadeiro gargalo aéreo, pela capital potiguar passaram milhares de aeronaves de transporte, de bombardeiro, que cruzaram o Oceano Atlântico seguindo para o combate. Os fatos deste período são bem conhecidos por aqueles que gostam de aviação, sendo um dos principais momentos na história da cidade.

Atualmente Natal é uma cidade com quase um milhão de habitantes e grande parte do nosso povo desconhece a história de sua terra e dos fatos relativos ao envolvimento potiguar na Segunda Guerra Mundial. Quando sabe de algo, é quase sempre muito superficial. Acredito que uma das razões é porque pouco existe para mostrar.

B-17 em ação sobre a Alemanha em 1944

B-17 em ação sobre a Alemanha em 1944

Interessante que uma localidade que tinha nos aviões a sua maior referência no mais intenso conflito da história da humanidade, atualmente não possuí em sua área territorial, em permanente exposição, uma única aeronave dos variados modelos que por aqui passaram durante a Segunda Guerra Mundial.

O triste é que no passado, no nosso tradicional Aero Clube do Rio Grande do Norte, no bairro do Tirol, aqui tivemos um genuíno exemplar de um grande quadrimotor B-17.

Mas um dia ele se foi!

MOSTRANDO AS ASAS E AS ESTRELAS

O quadrimotor Boeing B-17 foi um dos ícones da aviação militar durante a Segunda Guerra Mundial, mas sua  história tem início antes do conflito. Em 1934 o então Corpo Aéreo do Exército dos Estados Unidos (USAAC – United States Army Air Corps) emitiu as normas para a criação de um bombardeiro multimotores. Com grande clarividência a empresa Boeing Airplane Company projetou o seu Model 299 em junho daquele ano. Era um bombardeiro pesado completo, que voaria mais rápido, mais alto e com longo alcance. O Model 299 realizou seu primeiro voo em 28 de julho de 1935 em Boeing Field, chamando a atenção da imprensa na época. Mas em outubro o protótipo do 299 caiu desastrosamente no seu voo de avaliação para os militares da USAAC. O acidente foi atribuído a erro humano, mas o Air Corps reconheceu o potencial do modelo e mandou a Boeing produzir treze exemplares para avaliação.

Model 299

Model 299

Quando em uso na USAAC e por tudo aquilo que o grande avião quadrimotor trazia na sua capacidade operacional, ele foi logo batizado por um jornalista de Seattle como Fortaleza Voadora (Flying Fortress).

O 2º Grupo de Bombardeio, de Langley Field, em Hampton, estado da Virginia, foi equipado com as primeiras B-17 em 1937.

B-17 do 2º Grupo de Bombardeio, de Langley Field.

B-17 do 2º Grupo de Bombardeio, de Langley Field.

Como forma de treinar suas tripulações para voos de longa distância, navegação aérea, técnicas de voo de alta altitude, os comandantes americanos decidiram realizar alguns voos do tipo “Good Will Fligth” para a América do Sul, onde estes aviões estiveram primeiramente na Colômbia e depois na Argentina. Além de melhor capacitar seus aviadores, estes voos serviam para “mostrar as asas e as estrelas” do pode aéreo dos Estados Unidos aos países localizados ao sul do Rio Grande.

Bruno Mussolini

Bruno Mussolini

Outros fatores ajudaram nesta decisão, sendo o principal a grande e forte presença da aviação comercial alemã e italiana na América do Sul. Os americanos ficaram particularmente impressionados com o voo entre a Itália e o Brasil, de três aviões trimotores Savoia-Marchetti SM-79T. Comandados por Bruno Mussolini, o segundo filho do ditador italiano, o voo foi realmente um acontecimento para a época. Após partirem de Roma realizaram uma escala em Dakar e então cruzaram o Oceano Atlântico, a etapa mais longa e exigente para chegar ao Rio de Janeiro. Dois dos aviões atingiram a meta regularmente, enquanto um outro, com a matrícula I-MONI, sofreu uma falha no motor e teve que pousar em Natal. Os italianos percorreram aproximadamente 9.800 km, em pouco mais de 24 horas, a uma média de 400 Km / h.

Trajeto do "Good Will Fligth”, das B-17 em 1939 para o Brasil

Trajeto do “Good Will Fligth”, das B-17 em 1939 para o Brasil

As autoridades em Washington logo aprovaram um novo “Good Will Fligth”, desta vez para o Brasil.

B-17 NO BRASIL E VISITANDO NATAL EM 1939

Oficialmente seus aviadores participariam das comemorações do 50º aniversário da nossa Proclamação da República.

B-17 Brazil 1939 (12)

A esquadrilha de sete aeronaves Flying Fortress partiu em novembro de 1939, comandada pelo tenente-coronel Robert Olds, acompanhado de 27 oficiais e 20 sargentos, entre estes o próprio comandante do USAAC, o major general Delos C. Emmons. Este voo realizou seu trajeto passando por Miami, depois Panamá, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e finalmente entrou em território brasileiro.

B-17 Brazil 1939 (3)

Provavelmente com a ideia de “mostrar as asas e as estelas” na área de maior concentração de alemães no Brasil, o avião do próprio comandante Robert Olds realizou uma visita a Porto Alegre. No Rio de Janeiro o ditador Getúlio Vargas fez um voo em uma das B-17 sobre a então Capital Federal.

B-17 Brazil 1939 (4)

Depois dos festejos, no voo de retorno aos Estados Unidos, a esquadrilha passou por Natal no dia 23 de novembro.

Para o então acanhado, mas estratégico, campo de aviação de Parnamirim seguiu uma grande comitiva de autoridades potiguares, tendo a frente Rafael Fernandes, então interventor federal. Nos exemplares do jornal “A República” e no livro “Asas sobre Natal – Pioneiros da aviação no Rio Grande do Norte’’ (Natal-RN, Fund. José Augusto, 2012, Págs. 404 a 410), temos a informação que a ultima aeronave pousou as 13:45, depois de sete horas de voo sem escalas desde o Rio.

B-17 Brazil 1939 (7)

Além dos americanos, vieram nas B-17 nove oficiais brasileiros que seguiam para estagiar nos Estados Unidos e em Natal ajudavam na função de intérpretes. Um trem especial transportou todos para a capital, onde no desembarque foram recebidos pela banda da Força Policial ao som dos hinos do Brasil e dos Estados Unidos. Os visitantes ficaram hospedados no recentemente inaugurado Grande Hotel, no bairro da Ribeira. Após o desembarque da composição, o major general Delos C. Emmons conheceu a cidade em carro aberto, na companhia do Secretário Geral Aldo Fernandes. Foi oferecido a eles um cocktail no Aero Clube e um suntuoso jantar no Grande Hotel. Muitos militares saíram para conhecer a bucólica Natal, que nem 50.000 habitantes possuía na época.

O coronel Robert Olds

O coronel Robert Olds

Chamou atenção dos natalenses o alto cargo que o general Emmons, então com 51 anos, ocupava, além do fato dele participar daquele voo. Já o comandante Olds, com 43 anos, chamou atenção por possuir a expressiva marca de 4.000 horas de voo.

A visita foi rápida, chamou atenção de alguns, mas não de muitos e as seis da manhã do outro dia os aviões da esquadrilha partiram.

O voo de regresso para os Estados Unidos foi através da Guiana Holandesa, Venezuela e Porto Rico, As Flying Fortress completaram o trajeto sem escalas até Paramaribo em nove horas.

B-17 Brazil 1939 (6)

Este voo estratégico demonstrou a utilidade de aeronaves de longo alcance e chamou atenção da imprensa especializada. Pois enquanto a rota marítima entre Nova York ao Rio levava 15 dias para ser completada e os grandes hidroaviões Clippers de empresa Pan-American realizavam este trajeto em cinco dias, os B-17 de Olds fizeram o percurso em 34 horas.

EM COMBATE

Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial a doutrina no Air Corps mudou, bem como a própria instituição, que passaria a se chamar Força Aérea do Exército dos Estados Unidos (USAAF – United States Army Air Force). As B-17 passaram a voar em grandes formações rápidas, em alta altitude, largando suas bombas contra alvos estratégicos e defendendo-se contra combatentes inimigos com as suas próprias metralhadoras. Para isso as B-17 mudaram, sendo criadas outras versões mais modernas e com melhor armamento defensivo.

Page 1

Durante a Guerra a aeronave foi empregada principalmente na campanha de bombardeios estratégicos contra a Europa ocupada. A 8º Air Force da USAAF, com base em muitos aeroportos no sul da Inglaterra, bem como a 15º Air Force, com sede na Itália, mantinham a superioridade aérea sobre as cidades, fábricas e campos de batalha da Europa Ocidental, com ataques de precisão a luz do dia. Trabalhavam combinados com o Comando de Bombardeiros da Royal Air Force – RAF, que operavam a noite. O B-17 Flying Fortress também participou da Guerra do Pacífico, mas em menor escala.

Page 17

A B-17 era potente como bombardeiro de longo alcance, capaz de se defender e voltar para casa, apesar dos danos de batalha. Rapidamente tomou proporções míticas entre os aviadores, com notáveis histórias dos B-17 que sobreviviam com enormes danos. Até o fim da guerra, em 1945, o B-17 foi um dos bombardeiros americanos mais ativos durante o conflito, com 290.000 missões realizadas, tendo lançado mais de um terço (640.000) dos 1,5 milhões de toneladas de bombas americanas na Europa e no Pacífico. Mais de 12.731 exemplares da Flying Fortress foram fabricados.

Milhares deles, a caminhos dos teatros de operações, passaram por Natal e posaram em Parnamirim Field.

VOANDO NA FAB

Com o final do conflito a grande maioria das B-17 Flying Fortress foram desativadas e muitas se transformaram em sucata. Outras foram convertidas para uso em reconhecimento aéreo, transporte de carga e busca e salvamento (SAR- Search and Rescue), tendo a voado ainda por muitos anos.

SB-17G de busca e salvamento. Reparem que este avião transportava um pequeno barco que podia ser lançado ao mar no socorro aos náufragos

SB-17G de busca e salvamento. Reparem que este avião possuía radar de busca e transportava um pequeno barco que podia ser lançado ao mar no socorro aos náufragos

No início da década de 1950 a Força Aérea Brasileira precisava formar uma unidade de busca e salvamento marítimo e outras especialidades. Para isso foram adquiridos 13 B-17 entre 1951 e 1968 (uma delas foi perdida na fase de treinamento e não entrou no inventário da FAB). Estas aeronaves ficaram lotadas no 6º Grupo de Aviação (6º GAV), com base em Recife, Pernambuco. O 6º GAV por sua vez possuía dois esquadrões de B-17: o 1º Esquadrão/6º Grupo de Aviação (1º/6º GAV), que operou as aeronaves de busca e salvamento e o 2º Esquadrão/6º Grupo de Aviação (2º/6º GAV), que operou os B-17 no reconhecimento, meteorologia e aerofotogrametria.

A B-17 que ficou exposta no Aero Clube do RN, quando em atividade na FAB possuía numeração "FAB 5408" e a aeronave serviu de modelo para um belo quadro que se encontra no MUSAL, Rio de Janeiro.

A B-17 que ficou exposta no Aero Clube do RN, quando em atividade na FAB, possuía numeração “5408”. Esta aeronave serviu de modelo para um belo quadro que se encontra no MUSAL, Rio de Janeiro.

Os vetustos quadrimotores serviram condignamente a FAB, que foi a última operadora militar a retirar estas aeronaves de serviço. Foram utilizados para apoiar uma unidade militar brasileira a serviço da ONU na Faixa de Gaza em 1956. Realizaram voos de transporte na Amazônia e as aeronaves de reconhecimento e fotogrametria fizeram os primeiros levantamentos topográficos da região amazônica. Mas os anos de voo começaram a cobrar um alto preço. Além de acidentes, muitas aeronaves passaram a não mais voar, servindo como fornecedora de peças para manter outras voando. Em 1968 foi o fim das atividades do B-17 na FAB.

Segundo o site http://culturaaeronautica.blogspot.com.br/ uma destas aeronaves foi doada para um museu aeronáutico nos Estados Unidos e duas outras ficaram no Brasil. Uma delas é o Boeing B-17 G-95-VE, que nos Estados Unidos utilizou a numeração 44-8558. Até nossos dias este belo avião está em exposição na entrada da Base Aérea de Recife, nas cores e configuração originais da FAB. Segundo informação do site culturaaeronautica, embora este B-17 esteja ao ar livre, é cuidadosamente conservada pelo pessoal da base, sendo a única aeronave do seu tipo preservada e exposta no Brasil. Talvez em toda América do Sul.

Já a outra aeronave veio para Natal.

A B-17 DO AERO CLUBE DO RIO GRANDE DO NORTE

A B-17 natalense era um Boeing B-17G-95-DL, que nos Estados Unidos tinha o número 44-83718. Após ser desativada esta aeronave ficou estocada por três anos em Recife e depois foi transferida para a Base Aérea de Natal. Com grande festa, por ocasião do dia do Aviador, 23 de outubro de 1972, os militares colocaram a B-17 em exposição estática no Aeroclube do Rio Grande do Norte e durante a década de 1970 este avião foi a maior referência na memória dos natalenses sobre o período da Segunda Guerra Mundial.

Brigado Everaldo Breves

Brigado Everaldo Breves

Consta que o homem que trouxe esta B-17 para Natal, e depois para o Aero Clube, foi o brigadeiro Everaldo Breves. Este militar, hoje nome de avenida na cidade de Parnamirim, já naquela época possuía a ideia de ser construído um museu que guardasse a memória do envolvimento de Natal durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1973, durante uma visita de jornalistas americanos a Natal, eles foram aparentemente levados pelo brigadeiro Breves a conhecer a B-17 e a história da nossa participação no conflito.

Imagem1

Quem vinha de carro para aquela tranquila Natal dos anos 70, com pouco menos de 300.000 habitantes, e desejava seguir em direção ao centro da cidade, normalmente se deslocaria pela Avenida Hermes da Fonseca. Em dado momento surgia à sua esquerda, dominando o cenário, um grande quadrimotor prateado, com listas amarelas e hélices negras. O B-17 ficava em um ponto mais elevado do terreno, nas dependências do Aero Clube, no bairro do Tirol.

Em 1977 a família do autor deste artigo foi morar no bairro do Tirol.

Um verdadeiro sonho ter uma B-17 vizinho a sua casa.

Um verdadeiro sonho ter uma B-17 pertinho de sua casa.

Passei a fazer parte da escolinha de natação do clube e sempre estava perto da B-17. Muitas vezes fui bater bola no Aero e sempre contemplava a B-17. Meus pais já tinha me dado a satisfação de ter comprado alguns poucos livros com desenhos de veteranas B-17 da época da Guerra e passei horas embaixo da sombra de suas asas, comparando os desenhos e a “minha” B-17.

ScanYYY

Um Senhor que trabalhava no Aero Clube, certamente com pena, algumas vezes abriu a pequena porta próximo a deriva da aeronave e eu percorria a sua fuselagem. Sentei na cabine de comando, toquei no manche, contemplei a infinidade de “reloginhos” que havia no painel, visualizei da cabine a dimensão daquelas asas e disposição dos motores. Curti muito aquela aeronave!

A B-17 DO AERO NUNCA FOI A PRIMEIRA A POUSAR EM PARNAMIRIM FIELD EM 1942  

No “bico” do avião havia uma placa com os seguintes dizeres;

FORTALEZA VOADORA-B-17-PRIMEIRO AVIÃO MILITAR USA QUE POUSOU NA BASE AÉREA DE NATAL-“TRAMPOLIM DA VITÓRIA”, EM 6-1-1942

Apesar de toda pompa e circunstância dos dizeres, a B-17 do Aero Clube do Rio Grande do Norte nunca foi o avião homenageado.

Segundo o site http://darozhistoriamilitar.blogspot.com.br/2009/11/missao-pernambuco-b-17-fortaleza.html as B-17 destinadas a serem utilizadas para o serviço de busca e salvamento (SAR), foram adaptadas a partir de aeronaves B-17 do modelo G, onde 180 delas foram modificadas para esse padrão. As B-17 destinadas ao serviço de busca e salvamento (SAR) possuíam a denominação SB-17G e as aeronaves destinadas a função de reconhecimento aero fotográfico e meteorológico tinha a denominação RB-17G.

Uma SB-17G operada pelos americanos na Ásia

Uma SB-17G operada pelos americanos na Ásia

Ademais a B-17G só decolou pela primeira vez em 21 de maio de 1943, e as aeronaves de produção começaram a aparecer em julho daquele ano. Esta versão do Flying Fortress  foi a produzida em maior número do que qualquer outra versão. Um total de 8.680 B-17G saíram das fábricas – 4.035 pela Boeing, 2.395 pela Douglas e 2.250 pela Vega. (Ver – http://www.historyofwar.org/articles/weapons_B-17G.html)

Um grupo de B-17G

Um grupo de B-17G

E finalmente, para corroborar esta informação, sabemos que o número original deste avião nos Estados Unidos era 44-83718. Quem olhar as fotos de aviões americanos na Segunda Guerra Mundial, normalmente vai encontrar uma série de sete números na deriva da aeronave. Geralmente os dois primeiros números correspondem ao ano que o contrato de fabricação foi firmado entre os militares e a indústria produtora. (Ver – http://www.joebaugher.com/)

Mas realmente, no dia 6 de janeiro de 1942, menos de um mês após o ataque japonês a base naval de Pearl Harbor, nas ilhas Havaí, aviões B-17, e também os B-24 Liberators, passaram por Parnamirim Field em direção ao Extremo Oriente.

Page 1g

Com a entrada dos Estados Unidos na guerra foi necessária a transferência de aeronaves de bombardeio para apoiar a luta contra os japoneses nas Filipinas. Mas devido ao surpreendente avanço nipônico, os americanos decidiram seguir por outra rota, passando pelo Brasil e Natal. Até fevereiro de 1942 a Rota do Atlântico Sul, serviu como a principal linha de comunicações aéreas entre os Estados Unidos e o sudoeste do Pacífico. A transferência destes bombardeiros passando por Natal ficou conhecida como “Project X” e se tornou o primeiro grande esforço de transferência de grandes unidades de bombardeiros americanos durante a Segunda Guerra Mundial. Apesar de muitos atrasos, 44 ​ bombardeiros do tipo B-24 e B-17 foram entregues as forças combatentes no Sudoeste do Pacífico.

Uma das B-17 do Project X que comprovadamente passaram por Natal no primeiro mês de 1942 foi a B-17E, número 41-2471, do 7Th Bomb Group e pilotado pelo tenente Donald R. Strother. Foi metralhada no solo pelos caças Zeros japoneses em 8 de fevereiro em Java e ficou inoperante. Após sua captura, foi colocada em condição de voo e levada ao Japão como troféu de guerra, onde depois foi destruída.

Uma das B-17 do Project X que comprovadamente passaram por Natal no primeiro mês de 1942, foi a B-17E, número 41-2471, do 7Th Bomb Group e pilotado pelo tenente Donald R. Strother. Foi metralhada no solo pelos caças Zeros japoneses em 8 de fevereiro em Java e ficou inoperante. Após sua captura, foi colocada em condição de voo e levada ao Japão como troféu de guerra, onde depois foi destruída.

Quatro dos B-17 se perderam completamente sobre o Oceano Atlântico depois de passarem por Natal. Outro caiu próximo a Belém, um foi forçado a retornar para os Estados Unidos para reparos e um ficou esperando por socorro mecânico na África até maio 1942. Apesar dos problemas, para a natureza pioneira do trabalho foi um bom começo, pois se deve considerar que enquanto o movimento de aviões estava em andamento, com equipes inexperientes e mal treinadas, os americanos se desdobravam em organizar uma grande rota aérea de transporte através do Atlântico Sul, África e Índia. Rota onde Natal teve um papel destacado. (Ver – http://en.wikipedia.org/wiki/South_Atlantic_air_ferry_route_in_World_War_II)

A SAÍDA DA B-17 DE NATAL E O QUE SOBROU DESTA MEMÓRIA

Apesar de sua importância histórica, infelizmente, sem conservação adequada, a aeronave deteriorou-se muito, e acabou transferida em 1980 para o Museu Aeroespacial – MUSAL. A aeronave foi desmontada e transportada para o Rio de Janeiro, sendo as partes maiores, fuselagem e asas, levadas pelo navio Soares Dutra, e as menores, como partes da empenagem e motores, por caminhão. As partes que vieram por navio ficaram bastante danificadas no transporte, e chegaram ao MUSAL em 29 de dezembro de 1980.

Como se encontrava a velha B-17 do Aero no MUSAL, no Rio de Janeiro

Como se encontrava a velha B-17 do Aero no MUSAL, no Rio de Janeiro

Foram estocadas no hangar de restauração do MUSAL por muitos anos, e alguns trabalhos de recuperação chegaram a ser feitos nesse tempo, até meados da década de 2000. Com a reorganização e remodelação do hangar de restauração do MUSAL, o avião foi retirado de seu interior e armazenado ao ar livre, protegido das intempéries por lonas plásticas, e assim se encontra até hoje, dezembro de 2010. Não existe previsão para a conclusão dos serviços de restauração desse avião, por falta de recursos financeiros. Foi uma grande perda para Natal. (Ver – site http://culturaaeronautica.blogspot.com.br/)

Para finalizar sei que no município de Parnamirim, dentro da Base Aérea de Natal-BANT, existem as aeronaves de bombardeio B-25 Mitchell e B-26 Invader, na chamada Praça “Ninho das Águias”, reinaugurada em 20 de outubro de 2009, depois que as aeronaves passaram por reformas desde 2006. Entre os anos de 1942 e 1975, essas aeronaves integraram o 1º Grupo de Bombardeio Médio, o 5º Grupo de Aviação (5º GAV) e a Esquadrilha de Adestramento da Base. O B-25 Mitchell começou a operar em 1942 durante a 2ª Guerra Mundial até 1957, e o B-26 Invader entre 1957 e 1975, sendo o último avião de bombardeio utilizado pela FAB. Ao todo, as aeronaves somam 86 mil horas de voo em Natal.

O autor deste artigo em uma visita a BANT, junto a B-25 preservada Praça “Ninho das Águias”

O autor deste artigo em uma visita a BANT, junto a B-25 preservada Praça “Ninho das Águias”

Isso tudo é muito louvável. Mas a BANT é uma unidade militar e não um centro de memória. Apesar de haver uma política dos militares destinada a visitação destas aeronaves, algumas vezes o acesso é mais limitado e a burocracia de fiscalização, necessárias para a integridade da unidade, é muitas vezes falha. E nem todo mundo tem algum amigo lá dentro que facilite o acesso mais rapidamente. Melhor seria se estas aeronaves estivessem como a B-17 em Recife; colocadas no portão de acesso, mas pelo lado de fora. A vigilância militar manteria a integridade das aeronaves, em uma área onde seria possível estacionar um veículo e comtemplar as velhas águias.

Acredito que assim poderíamos ter como mostrar a nossa gente, uma parte muito interessante de nossa história.

NOTA  – Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

ÔXENTE HITLER: ARQUIVOS E DOCUMENTOS MOSTRAM QUE OS NAZISTAS ESTIVERAM NA PARAÍBA

Estátua de João Ftrederico Lundgren, fundador da Companhia de Tecidos Rio Tinto, no cetro da cidade paraibana de Rio Tinto. Ao fundo a Igreja Matriz de Santa Rita de Cassia.

Estátua de Frederico João Lundgren, fundador da Companhia de Tecidos Rio Tinto, no cetro da cidade paraibana de Rio Tinto. Ao fundo a Igreja Matriz de Santa Rita de Cassia.

Autor – Hilton Gouvêa – Especial para o ClickPB

Fonte – http://www.clickpb.com.br/noticias/paraiba/oxente-hitler-arquivos-e-documentos-mostram-que-os-nazistas-estiveram/

A presença de espiões nazistas na Paraíba foi tão corriqueira durante a Segunda Guerra Mundial, que um certo Ernest Hans ensinava às crianças de Rio Tinto (45 Km ao Norte de João Pessoa), a marchar com a cadência do passo-de-ganso do Exército Prussiano. A fim de melhor popularizar a saudação marcial ao Führer, nesta parte nordestina do Brasil, ele mandava meninos e meninas colocar a mão direita em riste, juntar os calcanhares e gritar Ôxente Hitler! Este alemão, que sumiu misteriosamente quando sentiu a polícia nos calcanhares, criou a versão paraibana da Juventude Hitlerista. E teria deixado aqui um legado tristemente célebre, se o Exército não tomasse providências, colocando sob vigilância os operários teutônicos da Fábrica de Tecidos da família Lundgreen, hoje desativada.

Tudo isto acontecia no crepúsculo da Segunda Grande Guerra. Em João Pessoa, a Delegacia Especial de Segurança e Política Social da Paraíba –DESPS – destacou-se como zeloso órgão da contraespionagem, através do investigador policial Antônio Pereira Filho que, segundo os depoimentos da época, “sabia enxergar um súdito do Eixo a milhas de distância”. Se o suspeito possuísse sotaque estrangeiro, olhos azuis ou apertados, Pereira o encarava como um espião em potencial e o conduzia para o DESPS, para as chamadas averiguações.

Frederico João Lundgren

Frederico João Lundgren

Entre oito suspeitos conduzidos, três se aproximaram da verdade. O primeiro foi o alemão Gunter Heinzel, 28 anos. O policial pernambucano que o deteve na tarde de 24 de novembro de 1943, pedia aos peritos do Instituto de Medicina Legal da Paraíba que o identificasse. Gunther havia chegado clandestinamente a João Pessoa, no auge da guerra. Era acusado de ser um dos emissários de Hitler. E como tal, deveria ser confinado no Mosteiro de São Bento, em João Pessoa, ou em Camaratuba, no Litoral Norte. Em síntese, o policial trazia de Recife uma mensagem de rádio decodificada, que dizia ser Gunther “um súdito do Eixo Alemanha – Itália – Japão, contra as Forças Aliadas”.

A Paraíba era considerada pelos aliados o calcanhar de Aquiles da América. Motivo: muito próxima da Costa da África, poderia sofrer uma invasão de tropas conduzidas por submarinos ou navios. Ou seria porto apropriado para desembarque de espiões em suas praias ermas. Por causa desses fatores, era grande a pressão de ingleses e americanos – estes últimos já instalados na base aérea de Parnamirim Field, em Natal -, no sentido de obrigar as autoridades a exercer severa vigilância sobre as famílias alemãs, japonesas e italianas que residiam em João Pessoa e cidades próximas.

CABEDELO, RIO TINTO, JOÃO PESSOA E PITIMBU

A população nativa de Cabedelo, Rio Tinto, João Pessoa e Pitimbu, segundo os Aliados, seriam as mais potencialmente visadas pelos inimigos. As residências locais e casas de comércio eram submetidas a ocasionais exercícios de black-out. Os militares justificavam que este seria o melhor meio de reagir a um eventual bombardeio sobre as povoações costeiras (que nunca veio). Em Rio Tinto, onde havia famílias alemãs, surgia o boato de que os nazistas teriam instalado “um ninho de metralhadoras antiaéreas” no Palácio dos Lundgreens de Vila Regina”.

Palácio dos Lundgreens, Rio Tinto

Palácio dos Lundgreens, Rio Tinto

Outras falácias insistiam na existência de rádios-transmissores nas casas dos operários alemães que trabalhavam para os Lündgreen, em Rio Tinto e Pitimbu. Nesta última cidade, uma barcaça da família Lündgreen foi vistoriada por patrulhas do Exército, sob a suspeita de que conduzia armas e equipamentos alemães. Fantasia? O que deixava a população com a mosca na orelha era a simpatia aberta que os operários alemães da Fábrica de Tecidos nutriam pelos patrícios nazistas.

Numa manifestação maior de apoio ao regime Hitlerista, os pedreiros alemães desenharam uma águia e o símbolo dos continentes na cinta do meio da Igreja de Rio Tinto. Dizia-se, então, que era a águia do Terceiro Reich e o cetro dos continentes que Hitler pretendia conquistar. Outro fato que aconteceu em 1943, trouxe maior clima de suspeitas sobre a presença de espiões nazistas na Paraíba.

A polícia de João Pessoa prendeu Horst Baron Von Strick, operário de nível da Fábrica de Tecidos Rio Tinto. Rastreado desde quando apanhou um navio no Rio de Janeiro, ele foi preso em Cabedelo, durante o desembarque. Passaram a suspeitar de Strick por causa das estranhas perguntas que ele fazia aos passageiros do navio, interessando-se em apurar o número de soldados colocados de plantão na costa da Paraíba e qual o tipo de armamento que era utilizado. Até hoje permanece a dúvida sobre a nacionalidade de Strick: a polícia não conseguiu descobrir se ele era alemão ou lituano.

A vigilância sobre Rio Tinto e os Lundgren era tanta na época da Segunda Guerra, que em uma ocasião sobrou até para o cientista e escritor pernambucano Gilberto Freyre dar um depoimento as autoridades

A vigilância sobre Rio Tinto e os Lundgren era tanta na época da Segunda Guerra, que em uma ocasião sobrou até para o cientista e escritor pernambucano Gilberto Freyre dar um depoimento as autoridades

Apurou-se que Strick fazia frequentes viagens a Europa. E que quase não conduzia bagagem. Para obter um álibi de legalidade nesta prisão, a polícia anunciava que “prendia os cidadãos alemães para protegê-los contra os exaltados”. Depois da prisão de Strick, gerentes, capatazes e encarregados da indústria de tecidos de Rio Tinto foram vigiados com mais rigor.

A operária alemã Helena Glacher foi presa e fichada com o prontuário de número 1304. Alegou que estava sem emprego e que aquele era o motivo de andar perambulando por cidades brasileiras. Afinal, procurava ocupação. A polícia estranhou. Não acreditou que uma simples operária pudesse dar-se ao luxo de viajar assim. Mas acabou pondo Glaucher em liberdade.

Diante das desconfianças, os Lundgrens publicaram um anúncio na imprensa carioca em 1942, para mostrar a condição de brasileiros e contra as forças do Eixo

Diante das desconfianças, os Lundgrens publicaram um anúncio na imprensa carioca em 1942, para mostrar a condição de brasileiros e contra as forças do Eixo

Hans Ernst, o misterioso alemão de Rio Tinto, não sentia o menor constrangimento em ensinar o passo de ganso às crianças. Também fazia abertamente a continência ao estilo “Heil Hitler”, quando cruzava com superiores ou conhecidos. Ameaçado de prisão e linchamento, acabou fugindo para Campina Grande. De lá, sumiu misteriosamente. Estas e outras coisas motivaram a intervenção do Exército em Rio Tinto.

SAQUES E SENTIMENTOS ANTI-NAZISTAS

O Comando do então 15º Regimento de Infantaria (atual 15º Batalhão de Infantaria Motorizada, no bairro de Cruz das Armas, João Pessoa) enviou duas companhias para Rio Tinto, comandadas pelos capitães Demétrius e Meirelles. Os contingentes militares permaneceram na área até 8 de maio de 1945, para controlar o sentimento antinazista propagado nessas regiões.

DSC04492

No dia 18 do mesmo mês ainda permanecia um pequeno contingente do Exército na área, o que impediu que famílias alemãs fossem mortas e seus bens saqueados. Tudo por causa da exaltação de José Mousinho e Frederico Baltar, que bebiam com outros, digamos, nacionalistas. O estopim da bomba foi aceso justamente quando a sirene da fábrica de tecidos anunciava a saída vespertina de 600 operários.

De dentro de um bar próximo, alguém gritou: “Vencemos a guerra. Agora, vamos expulsar os alemães”. As casas mais próximas não escaparam à fúria da multidão. Uma turma tentou incendiar a fábrica de tecidos, mas foi repelida pela guarnição do Exército. A multidão rumou para Vila Regina e vingou-se no acervo do Palácio dos Lündgreen, de onde roubou tapeçarias, quadros, móveis e baixelas de prata.

Nota sobre o ataque em Rio Tinto no ano de 1945

Nota sobre o ataque em Rio Tinto no ano de 1945

Poucos dias antes, uma aeronave americana decolou de Parnamirim Field, em Natal, para fazer uma patrulha sobre o Litoral Norte da Paraíba. Sofreu uma pane e amerissou em Baía da Traição, a 74 Km ao norte de João Pessoa, diante da Praia do Tambá. O boato espalhado em Rio Tinto dizia que a nave fora vítima das “baterias antiaéreas instaladas no Palácio dos Lündgreen”. Não foi. Até o ano de 1984 os restos da aeronave ainda eram vistos no mar, a nove metros de profundidade. Caçadores de tesouros subaquáticos deram fim às relíquias históricas.

SUÁSTICAS NAZASTAS NO PALÁCIO DA REDENÇÃO

Em João Pessoa, um órgão do Governo do Estado da Paraíba, guarda em seu depósito uma porção de ladrilhos ilustrados com a Suástica Nazista. Este piso foi retirado de uma sala do Palácio da Redenção, em João Pessoa, em 1995, por ordem do governador Antônio Mariz. Historiadores de renome afirmam que as pedras foram importadas da Europa, na década de 1930, em pleno curso da expansão do nazismo.

download

O economista Ronald Queiroz tentou convencer Mariz a não retirar o piso de suásticas do Palácio da Redenção, alegando que faziam parte da história e que não representavam, hoje em dia, um culto ao nazismo. Mariz se manteve irredutível e ordenou ao seu principal assessor, Cláudio de Paiva Leite, a retirada imediata das pedras. O historiador José Octávio de Arruda Melo, garante que “os ladrilhos tinham sentido ideológico”.

Arruda adiantou: “Argemiro de Figueiredo governou a Paraíba entre 1935 e 1940. E ele era simpatizante do nazi-fascismo”. A empresa Shell, que adotou uma suástica como logomarca, acabou substituindo o símbolo pelo outro que ainda está em vigor, para não lembrar a marca nazista. “A retirada dos ladrilhos foi só um ato de reforma, porque a história não pode ser mudada”, repetiu Arruda. Corre outra versão de que o piso de suásticas foi implantado no Palácio da Redenção pelo artista plástico italiano Giovanni Gióia, durante a reforma do prédio, em 1916.

UM ALGOZ BRASILEIRO EM AUSCHWITZ

O carioca Perry (ou Peri) Broad e sua farda da SS

O carioca Pery (ou Perí) Broad e sua farda da SS

Nascido em 1921, era natural do Rio de Janeiro, filho de pai brasileiro e mãe alemã. Seguiu cedo para o país natal de sua genitora, onde foi voluntário da terrível SS nazista e participou da administração do infame campo de concentração de Auschwitz.

Autor – Rostand Medeiros

Estamos falando de Pery (ou Perí) Broad, nascido 25 de abril de 1921 no Rio de Janeiro, sua mãe era a alemã Joanna Mary Broad, naturalizada brasileira em março de 1922 e filha de um industrial alemão de Dusseldorf e seu pai era o comerciante brasileiro Napoleão Goulart Broad, representante no Brasil da empresa alemã A. Lohmann, de Hamburgo, e proprietário da firma importação e exportação Broad & Cia.

I0000351-08PX=000000PY=000000

Localizada na antiga Rua São Pedro, nº 39, Centro do Rio, esta firma era conduzida por Napoleão em sociedade com o jornalista Ivo Arruda. [1]

Logo, após completar cinco anos de idade, a criança Broad ficou residindo com a sua mãe na Alemanha. Ele passou sua juventude na pequena comunidade de Freiburg im Breisgau e mais tarde em Berlim. Entre os anos de 1931 e 36, foi membro da Juventude Hitlerista, aonde chegou a ser agraciado com uma insígnia de ouro desta organização. Continuou seus estudos na Escola Técnica de Berlim até dezembro 1941.

Detalhe da página 2, do suplemento do Diário Oficial da União, do dia 1 de junho de 1939, onde na coluna da esquerda, no 18º nome cotando do alto da coluna para baixo, vemos o nome de “Perí, filho de Napoleão Goulart Aroud (está com a grafia original errada) e Mary Broad”. Esta era a lista de convocados da classe de 1921, para o Serviço Militar nas Forças Armadas do Brasil. Mas nesta época Perí, ou Perry Broad, já estava a anos na Alemanha e participando da Juventude Hitlerista - Fonte - Coleção do autor.

Detalhe da página 2, do suplemento do Diário Oficial da União, do dia 1 de junho de 1939, onde na coluna da esquerda, no 18º nome cotando do alto da coluna para baixo, vemos o nome de “Perí, filho de Napoleão Goulart Aroud (está com a grafia original errada) e Mary Broad”. Esta era a lista de convocados da classe de 1921, para o Serviço Militar nas Forças Armadas do Brasil. Mas nesta época Perí, ou Pery Broad, já estava a anos na Alemanha e participando da Juventude Hitlerista – Coleção do autor.

Mesmo sendo tecnicamente um estrangeiro, Broad entrou em 1942 nas famigeradas tropas especiais Waffen SS, onde passou por um rápido período de treinamento. Naquele mesmo ano seu batalhão foi enviado para frente de combate, Mas devido a sua forte miopia, ele foi transferido para outras atividades.

Logo chega uma ordem para seguir a um local chamado Auschwitz.

Vivendo e Fazendo Parte do Inferno

Em junho de 1942 Broad está neste campo de extermínio, lembrado pela humanidade como um verdadeiro moedor de carne humana.

O Untersturmführer Maximilian Grabner foi preso pelos Aliados em 1945 e entregue aos poloneses em 1947. Foi considerado culpado das acusações de assassinato e crimes contra a humanidade. Foi condenado à morte e enforcado no dia 28 de janeiro de 1948 - Fonte - www.actionsoldier.it

O Untersturmführer Maximilian Grabner foi preso pelos Aliados em 1945 e entregue aos poloneses em 1947. Foi considerado culpado das acusações de assassinato e crimes contra a humanidade. Foi condenado à morte e enforcado no dia 28 de janeiro de 1948 – Fonte – http://www.actionsoldier.it

Inicialmente assumiu a função de guarda, mas logo passou a trabalhar no “Politische Abteilung”, ou Departamento Político do campo, cujo comandante da seção era o Untersturmführer Maximilian Grabner[2]. Este era um austríaco que logo ganhou a reputação de ser uma das pessoas mais temidas em Auschwitz.

Como chefe da Gestapo no local, Grabner foi responsável pela luta contra o valente movimento de resistência que existia no interior do campo, atuou evitando fugas e trabalhou para evitar todo e qualquer contato dos prisioneiros com o mundo exterior. Estas tarefas foram realizadas mediante crueldades terríveis. Muitos dos prisioneiros, após sumários interrogatórios, foram enviados diretamente para o pátio interno entre os blocos 10 e 11 e fuzilados. Sua equipe, entre eles Wilhelm Boger, realizou os chamados “interrogatórios afiados”, durante os quais as vítimas foram sistematicamente torturadas. O Bloco 11 era o próprio império de Grabner naquele inferno. Já em relação ao teuto-brasileiro Pery Broad, sabe-se que, permaneceu em serviço ativo em Auschwitz.[3]

Nesta cena de uma aquarela de Wladyslaw Siwek, um homem está sendo interrogado no Bloco 11, usado para julgar os processos contra prisioneiros. O homem retratado sentado, com o braço na cadeira, é o Untersturmführer Maximilian Grabner, Diretor do Departamento Político. A quem o teuto-brasileiro Perry Broad estava subordinado. Quase todos os que passavam por este interrogatório foram logo levados para uma sala de espera e, em seguida, para o pátio do Bloco 11. Ali eles eram fuzilados contra a parede da morte, normalmente com um tiro na parte de trás da cabeça ou no pescoço. As pessoas às vezes eram executadas por infrações menores, como roubar pão, ou roupa - Fonte - tejiendoelmundo.wordpress.com

Nesta cena de uma aquarela de Wladyslaw Siwek, um homem está sendo interrogado no Bloco 11, usado para julgar os processos contra prisioneiros. O homem retratado sentado, com o braço na cadeira, é o Untersturmführer Maximilian Grabner, Diretor do Departamento Político. A quem o teuto-brasileiro Pery Broad estava subordinado. Quase todos os que passavam por este interrogatório foram logo levados para uma sala de espera e, em seguida, para o pátio do Bloco 11. Ali eles eram fuzilados contra a parede da morte, normalmente com um tiro na parte de trás da cabeça ou no pescoço. As pessoas às vezes eram executadas por infrações menores, como roubar pão, ou roupa – Fonte – tejiendoelmundo.wordpress.com

Foi descrito que o Broad participou regularmente de interrogatórios, de execuções da área do Bloco 11, no local que ficou conhecido como “parede negra”. Como um membro do serviço político ele participou de seleção de judeus que chegaram ao campo em vários comboios.

Consta que ele só deixou Auschwitz quando veio a ordem de evacuação em janeiro de 1945. Saiu da área junto com outros membros da SS e em um caminhão com muitas pastas do Departamento Político. Tinha então a patente de Rottenführer[4].

Entrada ferroviária de Auschwitz - Fonte - en.auschwitz.org

Entrada ferroviária de Auschwitz – Fonte – en.auschwitz.org

Em 6 de maio de 1945 ele foi capturado pelos ingleses perto de Ravensbruck.

Contando Tudo

Em 14 de dezembro de 1945, na cidade alemã de Minden, ele começou a escrever um relatório sobre suas experiências em Auschwitz, onde deu um amplo testemunho em relação à matança dos prisioneiros. O seu relato foi tão interessante que passou a ser conhecido como “Relatório Broad”.

Como um informante do exército britânico, Broad foi tido como um traidor pelos nazistas e teve de ser alojado separadamente dos outros prisioneiros alemães. Gostava do tratamento diferenciado.

Chegada de prisioneiros ao campo - Fonte - en.auschwitz.org

Chegada de prisioneiros ao campo – Fonte – en.auschwitz.org

Na verdade este nazista teuto-brasileiro relatou tudo em troca de sua vida. Além de ser um membro do destacamento da SS em Auschwitz, ele ainda era tecnicamente um cidadão brasileiro, que passou a guerra servindo como um voluntário da SS e poderia ter sido executado por traição ao nosso país, uma das nações que ombrearam junto aos exércitos Aliados. Além disso, ele era um excelente candidato a seguir para um campo de trabalho forçado soviético, por um número indeterminado de anos, já que a área de Auschwitz estava na região de dominação do Exército Vermelho.

Os ingleses devem ter utilizados de métodos extremante eficazes, pondo estes argumentos diante de Broad e assim fazê-lo abrir o jogo de maneira clara sobre o inferno que foi Auschwitz.

Perry Broad após a guerra - Fonte - collections.yadvashem.org

Pery Broad após a guerra – collections.yadvashem.org

Pelo material produzido foram concedidas a Broad reduções substanciais do seu tempo de cativeiro. Ele chegou a atuar como intérprete em interrogatórios e nos julgamentos ocorridos contra os líderes nazistas em Nuremberg. Foi libertado em 1947.

Negando o Passado

Casou-se no ano seguinte, mas divorciou-se em 1955 e voltou a se casar em 1958.

Já sua vida profissional na Alemanha Ocidental foi medíocre. Até 1953 foi balconista em uma serraria em Munster, contínuo em um fabricante de equipamentos elétricos localizados em Brunswick e um pequeno funcionário em um escritório na cidade de Dusseldorf.

Perry Broad fichado pela polícia da Alemanha Ocidental - Fonte - collections.yadvashem.org

Pery Broad fichado pela polícia da Alemanha Ocidental – Fonte – collections.yadvashem.org

Logo o seu passado em Auschwitz voltou a lhe perturbar.

Treze anos depois, em 30 de Abril de 1959, Broad foi interrogado por autoridades alemãs ocidentais por conta do seu passado nazista. Só foi libertado em dezembro de 1960, após o pagamento de 50.000 Deutsche Marks como garantia.

Foi novamente preso em novembro de 1964 e logo estava no banco dos réus. Desta vez o nazista empedernido e radical que vivia dentro de Pery Broad voltou a emergir com força. Ele não colaborou com a justiça alemã ocidental e deu uma guinada radical quando comparado ao relatório produzido para os ingleses. Ele se comportou como os demais antigos nazistas acusados de inúmeros crimes praticados em Auschwitz; negou todos os seus crimes. Dizia não ser capaz de se lembrar de nada e não emitiu uma palavra de arrependimento.

A grande obra de Perry Broad - Fonte - collections.yadvashem.org

A grande obra de Pery Broad – Fonte – collections.yadvashem.org

Mas quando foi confrontado com seus próprios registros feito aos seus captores, ocasionou um choque a sua defesa e foi condenado. Por tudo que Pery Broad fez e participou em Auschwitz passou meros quatro anos de trabalhos forçados. Em fevereiro de 1966 ele foi libertado e no mesmo ano foi publicado, na íntegra, o “Relatório Broad”.

O carioca Pery Broad nunca teve filhos e jamais retornou ao Brasil. Viveu os últimos anos de vida com uma pensão concedida pela nova, unida e democrática Alemanha, que certamente desprezava. Faleceu em Dusseldorf, no dia 28 de novembro de 1993.


[1] Sobre a vida de Pery Broad no Brasil, ver os jornais cariocas “A Rua”, 18 de abril de 1920, pág. 4, “O Imparcial”, de 10 de abril de 1921, pág. 5, “A Noite”, de 25 de março de 1922, pág. 1. Temos sobre os negócio do pai de Perry Broad no Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro de 1924, vol. 1, pág. 1849.

[2] Patente equivalente a segundo-tenente.

[3]Exceto entre os meses de junho e julho de 1944, quando Broad seguiu para um treinamento.

[4] Patente equivalente no exército alemão de Hitler, a Wehrmarch, a Obergefreiter, ou Primeiro Cabo.


Fontes – http://de.wikipedia.org/wiki/Pery_Broad

http://www.holocaustresearchproject.org/othercamps/perybroad.html

http://holocaustcontroversies.blogspot.com.br/2011/10/how-reliable-and-authentic-is-broad.html

http://www.ihr.org/jhr/v02/v02p103_Faurisson.html

http://en.auschwitz.org/m/index.php?option=com_content&task=view&id=23&Itemid=8

http://memoria.bn.br/

NOTA  – Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

BENTO XVI E O NAZISMO: O QUE ESSA FOTO NOS REVELA?

bento

Já faz um certo tempo que essa imagem vem circulando na web, muitos questionadores da Igreja Católica a consideram como uma prova que o Papa Emérito Bento XVI é nazista. Será mesmo?

Não é preciso estudar muito a fundo o nazismo para saber que o ingresso à Juventude Hitlerista e o serviço militar eram obrigatórios no tempo que o futuro papa serviu. Essa imagem nada mais é do que uma foto dele usando um uniforme obrigatório. Na Alemanha Nazista, o simples ato de não fazer a tradicional saudação “Heil Hitler!” poderia significar um passaporte direto para um campo de concentração. Antes de ser uma manifestação de ódio, fazer parte da Juventude Hitlerista era uma boa maneira de evitar grandes problemas. 

Se, de fato, Beto XVI tiver qualquer pensamento semelhante ao nazismo, ele também não tem tanta culpa disso, pois sua infância foi regada por extrema propaganda e alienação profunda dentro do Terceiro Reich.

A Igreja Católica ao longo de vários séculos cometeu muitas atrocidades. Até mesmo na Segunda Guerra Mundial, se omitiu à causa judaica e chegou a ajudar nazistas a fugir dos tribunais.Entretanto, a mesma História que pode ser usada para criticar a sua igreja, também deve ser usada para evitar reducionismos por causa de uma simples foto. Quem se interessar pela história pessoal de Joseph Ratzinger vai descobrir que a própria família dele não simpatizava com o nazismo.

A artilharia anti aérea alemã na Segunda Guerra Mundial utilizou muitos jovens como estes na foto

A artilharia anti aérea alemã na Segunda Guerra Mundial utilizou muitos jovens como estes na foto

Se você é criado numa família cristã, tende a ser cristão, e mesmo que não seja, seus pais te obrigarão a fazer eucaristia e afins. E se você tem uma foto de criança com um crucifixo, não significa que você é católico. Foi assim na Alemanha, a “pátria mãe” obrigou seus filhos a seguir a doutrina nazista. E se um papa tem uma foto infantil com uma farda nazista, não significa que ele é nazista.

Fonte – http://www.historiailustrada.com.br/2014/03/bento-xvi-e-o-nazismo-o-que-essa-foto.html#.U0W5DfldV5J

UM LEGÍTIMO PILOTO BRASILEIRO NA RAF – FATO OU MITO?

f (1)

SERIA REAL A HISTÓRIA DE UM MARANHENSE VOLUNTÁRIO NA FORÇA AÉREA DE SUA MAJESTADE DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL?

Autor – Rostand Medeiros

Os leitores que acompanham nosso blog, sabem que não é raro a publicação de temas que envolvem os fatos relativos a Segunda Guerra Mundial. Para aqueles que gostam deste assunto e frequentam nosso espaço, certamente já tiveram a oportunidade de conhecer algumas histórias sobre combatentes de países aliados que viveram, ou nasceram no Brasil.

Ver – http://tokdehistoria.wordpress.com/2012/12/07/4574/

http://tokdehistoria.wordpress.com/2013/12/08/um-heroi-da-raf-em-malta-que-cresceu-em-recife/

Estes eram filhos de pais estrangeiros que aqui trabalhavam e outros tinham mães brasileiras. O certo é que diante do conflito que a terra de seus antepassados estava envolvida eles não titubeavam em trocar a segurança proporcionado pela distância geográfica do nosso país em relação aos locais de combate e partiam para a guerra. Se eles não eram brasileiros legítimos, na concepção legal a situação, certamente em suas mentes e corações possuíam muito do que é proporcionado àqueles que vivem neste belo e intrigante país tropical.

Apesar do prazer de trazer ao conhecimento dos nossos leitores estes interessantes fatos, pessoalmente sempre busquei alguma história que envolvesse brasileiros natos, que não fossem descendentes de pessoas oriundas dos países beligerantes e serviram voluntariamente a outras nações contra o totalitarismo durante a Segunda Guerra Mundial.

Símbolo, ou badge, oficial da RAF - Royal Air Force

Símbolo, ou badge, oficial da RAF – Royal Air Force

Pouco sucesso tive, até que recentemente me deparei com uma história realmente diferente; as aventuras de um jovem brasileiro, um maranhense, que teria combatido na famosa RAF, a Royal Air Force, a Força Aérea Real da Inglaterra.

Mas seria esta história verdadeira?

TAMBORES DE GUERRA

Em fevereiro de 1942 os ecos da guerra estavam cada vez mais fazendo parte do imaginário e do dia a dia do brasileiro comum.

O Brasil já havia rompido relações diplomáticas com a Alemanha e a Itália, os norte-americanos construíam várias bases aéreas ao longo do nosso litoral e a presença militar estadunidense se fazia mais forte a cada dia. Até o final daquele mês quatro navios civis brasileiros haviam sido atacados por submarinos do chamado Eixo. Destes três haviam sido afundados, com a morte de 56 pessoas.

O navio brasileiro Buarque foi um dos afundados em fevereiro de 1942

O navio brasileiro Buarque foi um dos afundados em fevereiro de 1942

Se os tambores de guerra já não estavam mudos, também ainda não tocavam com toda força, pois apesar da gravidade destes afundamentos ele aconteceram longe do Brasil e, para completar o quadro, ainda não havíamos declarado oficialmente guerra contra alemães e italianos.

Mas isso não impediu que um maranhense de 22 anos estivesse naquele ano voando em um veloz caça Spitfire da RAF. Que ele houvesse participado de combates aéreos e derrubado de cinco caças Messerschmitts alemães, sendo ele próprio derrubado duas vezes e sido salvo em ambas.

A inusitada história foi publicada na primeira página do periódico carioca “Diário da Noite”, edição do dia 13 de fevereiro de 1942, sendo a reprodução de uma reportagem realizada pelo jornalista Thomas de Sancha, da “The Atlantic-Pacific Press Agency”, com sede em Londres.[1]

Foto original do The Embassy Club, na Bond Street, Londres, no período da II Guerra

Foto original do The Embassy Club, na Bond Street, Londres, no período da II Guerra

Sancha informou que o maranhense se chamava Luiz de Souza Pereira e o encontrou para realizar a sua entrevista em um “nitgh club” londrino chamado “Embassy”, sendo apresentado ao mesmo por um outro piloto brasileiro.[2]

Em meio ao ambiente lotado, com predominância de muitos uniformes, onde a orquestra de Henry Roy se apresentava tocando uma rumba, o jornalista foi apresentado ao maranhense Luiz de Souza Pereira. Consta que para o orgulho masculino nacional, o aviador brasileiro estava com uma bela loira e atendeu o jornalista meio que a contragosto, pois a platinada inglesa já lhe havia prometido a próxima dança. Sancha não se mostrou chateado com o brasileiro, pois sabia que nas horas de folga o pessoal da RAF queria mesmo era muita diversão.[3]

Sentado à mesa do jornalista, sorvendo um copo de whisky, Luiz de Souza Pereira narrou que havia nascido em 1920, em uma fazenda dedicada a cultura do algodão, próxima a São Luiz, capital do Estado do Maranhão. Era de estatura mediana, moreno e no passado havia perdido o pai. Com a parte que lhe cabia na divisão de bens o maranhense seguiu para Montevideo, capital do Uruguai, onde primeiramente trabalhou no escritório de uma firma brasileira de seguros. Consta que devido a negócios sem o devido planejamento Luiz perdeu muito dinheiro e decidiu não retornar ao Brasil para ser chamado de fracassado e ter de pedir ajuda a parentes.

A capital uruguaia na década de 1940

A capital uruguaia na década de 1940

Para sobreviver o maranhense arranjou um trabalho em um bar elegante na capital uruguaia, mas logo se aborreceu deste serviço. Ele igualmente não gostou de trabalhar em uma revendedora de automóveis de fabricação americana e na representação de máquinas de venda de bebidas.

Sem muitas perspectivas, mesmo com a guerra arrebentando com meio mundo, para não passar a vergonha de voltar para casa com uma mão na frente e a outra atrás o maranhense Luiz decidiu radicalizar. Partiu para trabalhar em uma atividade extremamente arriscada naqueles dias conturbados; ele se incorporou a tripulação de um mercante inglês que estava no porto de Montevideo.

PILOTO DA RAF

Sem declinar o nome do vapor que trabalhou, Luiz narrou que a sua primeira viagem foi difícil, tendo a nave de carga levado quatro semanas para chegar as Ilhas Canárias. Antes de entrar em águas espanholas o navio cargueiro foi torpedeado por um submarino do Eixo e Luiz conseguiu embarcar em uma baleeira com mais sete companheiros de infortúnio. Três dias depois foram resgatados por um pescador espanhol.

O barco onde o maranhense Luiz seguia foi afundado por um submarini, talvez alemão, como o U-103 da foto - Fonte - Bundesarchiv

O barco onde o maranhense Luiz seguia foi afundado por um submarino, talvez alemão, como o U-103 da foto – Fonte – Bundesarchiv

Nas Ilhas Canárias foram presos por falta de documentos, tendo a barra ficado mais leve com o apoio de diplomatas britânicos lotados naquelas ilhas. O próximo destino foi a Grã-Bretanha, onde, mesmo sem nunca ter tido anteriormente a possibilidade de pôr os pés em um avião, Luiz alistou-se na RAF através do apoio do Comité do Rio de La Plata.[4]

Não foi comentado maiores detalhes de como se deu a entrada do maranhense em uma das forças aéreas mais profissionais, modernas e atuantes da época e nem como foi sua ascensão naquela organização. Mas na época da entrevista a Sancha o brasileiro já era piloto da RAF desde maio de 1941, o que não o colocaria no palco da Batalha da Inglaterra, ocorrida em 1940.

Um caça britânico Supermarine Spitfire - Fonte - BBC

Um caça britânico Supermarine Spitfire – Fonte – BBC

Mesmo assim ele narrou um confronto que teve com um caça alemão Messerschmitt, que o derrubou no Canal da Mancha. Luiz se salvou milagrosamente, mas o inimigo também caiu em chamas na contenda aérea. O maranhense passou então 14 horas flutuando em uma balsa salva-vidas, até ser avistado por um bimotor Lockheed Hudson da RAF. Foi recolhido por um barco caça minas da Royal Navy (Marinha Real Britânica), onde foi muito bem tratado pelos marujos. Ao chegar ao camarote tomou sozinho uma garrafa de conhaque, adormeceu e só acordou no porto. O maranhense Luiz de Souza Pereira narrou ainda um episódio em que foi perseguido por três caças alemães e outro em que atacou um grupo de caças que escoltavam bombardeiros.

Factoide Criado Para Vender Jornal

Gostaria de estar errado, mas em minha opinião o maranhense Luiz de Souza Pereira foi uma criação da redação do periódico “Diário da Noite”. Este era um periódico muito ativo, que possuía nos seus quadros grandes repórteres e chegou a ter uma tiragem de 200 mil exemplares. Este jornal carioca foi fundado em 1929 pelo controverso Assis Chateaubriand, dono da rede de jornais Diários Associados.[5]

Assis Chateaubriand (1892-1968) - Fonte - escola.britannica.com.br

Assis Chateaubriand (1892-1968) – Fonte – escola.britannica.com.br

Ao longo de sua vida Chateaubriand se caracterizou pela polêmica e controvérsia, não obstante fosse um gênio para ganhar dinheiro e amealhar poder. Não podemos esquecer que a época de Chateaubriand era uma época de verdadeiros absurdos da imprensa brasileira. Jornais invadidos para que matérias não fossem publicadas, reportagens falsas, tráfico de influências e polêmicas que atualmente dariam cadeia, e que antes eram consideradas simples provocações.

E fevereiro de 1942 era um momento bem propício para a publicação de uma reportagem sobre um pretenso maranhense na RAF. Como a guerra vinha cada vez mais chegando perto do Brasil, nada melhor do que apresentar um pseudo herói brazuca lutando nos céus europeus e isso tudo vendia jornais. Acredito que “Chatô”, como era conhecido Assis Chateaubriand, na verdade comprou uma matéria feita pela “The Atlantic-Pacific Press Agency”, sobre algum outro piloto voluntário lutando pela RAF, colocou como sendo o maranhense Luiz de Souza Pereira e foi “dourando a pílula” desta incrível história.

Aviões britânicos Spitfire e Hurricane sobreviventes da II Guerra, sobrevoando os rochedos brancos de Dover, as margens do Canal da Mancha

Aviões britânicos Spitfire e Hurricane sobreviventes da II Guerra, sobrevoando os rochedos brancos de Dover, as margens do Canal da Mancha

Apesar de interessante o relato ele é extremamente falho, principalmente na ordem cronológica referente a idade do maranhense, sobre a morte do seu pai, a ida para as Ilhas Britânicas e outras informações. Para corroborar o que digo, veja a extensa lista de pilotos que se tornaram ases sob as cores britânicas. Não esqueçam que nos registros históricos os britânicos são Mestres – http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_World_War_II_aces_from_the_United_Kingdom

Infelizmente nesta lista não temos nenhum Luiz de Souza Pereira, mas temos nomes de alguns estrangeiros. Como o grego Basilios Michael Vassiliades (10 vitórias confirmadas), ou do malaio Cyril Talalla (5 vitórias). Ou seja, se um brasileiro nato fosse voluntário da RAF e tivesse abatido 5 aviões inimigos, certamente os britânicos não criariam caso algum para colocar seu nome nesta lista e ele seria ovacionado na terra de Sua Majestade.

Mas porque ninguém foi atrás da verdade e reclamou aqui no Brasil?

Bem naquela época Chateaubriand era poderoso demais e o Maranhão longe demais para alguém ir lá conferir.


[1]Nada encontrei sobre o jornalista Thomas de Sancha. Mas aparentemente este era um pseudônimo utilizado pelo jornalista espanhol Manuel Chaves Nogales. Este nasceu em uma família de classe média Sevilha em 1897, foi autor de 14 livros, militante da causa republica espanhola,cujos ideais eram muito firmes e claros, como demonstrado em vários de seus editoriais. Ficou na Espanha até a derrota republicana para os franquistas, seguindo para o exílio na França. Democrata convicto, trabalhou incansavelmente contra o fascismo que ameaçava a Europa durante o seu exílio em Paris. Diante do avanço das tropas nazistas, Nogales seguiu para Londres, onde ele logo retomou sua atividade jornalística. Dirigiu a The Atlantic-Pacific Press Agency, tinha sua própria coluna no periódico “Evening Standard” e trabalhou na rádio BBC, nos serviços radiofônicos estrangeiros. Morreu de peritonite em 1944, em Londres. Ver – http://es.wikipedia.org/wiki/Manuel_Chaves_Nogales

[2] Em nenhum outro momento da reportagem é comentado quem seria este outro piloto brasileiro amigo de Thomas de Sancha, que vivia na Inglaterra. Já sobre este “Club”, realmente existia na época da Segunda Guerra um estabelecimento com este nome. Era o “The Embassy Club”, localizado na Bond Street, na região londrina do West End e sua maior frequência era de oficiais. Ver – http://www.formerdays.com/2011/07/nightlife-in-london-blackout.html

[3] O londrino Henry Roy, ou Henry Lipman, foi o líder do grupo musical Harry Roy’s Tiger Ragamuffins e conhecido clarinetista. Na sua biografia existente no site Wikipédia, temos a informação que ele tocava no “The Embassy Club” em 1942. Ver –  http://en.wikipedia.org/wiki/Harry_Roy

[4] Este comité foi uma instituição criada para apoiar filhos de famílias britânicas nascidos na Argentina, que decidiram seguir para as Ilhas Britânicas e lutar contra alemães e italianos. Cerca de 500 a 600 destas pessoas decidiram se juntar à RAF como voluntários, ou via Canadá, na RCAF – Royal Canadian Air Force e alguns eram argentinos que não descendiam de ingleses. Estes voaram com britânicos, canadenses, poloneses, tcheco-eslovacos, franceses e outros aviadores de muitas outras nações sob a bandeira do Reino Unido. Eram tentas pessoas vindos da Argentina que os britânicos criaram uma esquadrilha só deles. Este foi o 164 Squadron, cujo lema oficial era “Firmes Volamos” (escrito em castelhano). Para melhor entender a questão não podemos esquecer que durante o período de 1939 – 1945, a República da Argentina manteve uma política de oposição aos interesses de os Estados Unidos e seus aliados, tendo declarado simpatia para com a Alemanha e Itália. No entanto, desde o início do conflito, por causa do bloqueio de todo o comércio marítimo para os países do Eixo, a Argentina foi incapaz de manter seus laços comerciais com Roma e Berlim. Nestas circunstâncias continuou com negociações comerciais com os Estados Unidos e seus aliados, especialmente a Grã-Bretanha, que dependia de suprimentos de carne que partiam da Argentina para alimentar sua população. Mais sobre o tema veja a reportagem televisiva “Fuimos Heroes” (em castelhano) https://www.youtube.com/watch?v=pJVxzgfHiBs

[5] Foi no “Diário da Noite” que o dramaturgo Nelson Rodrigues escreveu folhetins usando o pseudônimo de Susana Flag. O jornal funcionava no famoso Edifício da Noite, construído pelo próprio jornal, na Praça Mauá, nº 7, onde sempre funcionaram, no último andar, os estúdios da Rádio Nacional do Rio de Janeiro.

NOTA  – Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

 

 

O TOQUE DA SEGUNDA GUERRA

1012542_497893066986990_1239625766_n-640x480

85 ANOS, A PIANISTA NALVA NÓBREGA CONTA COMO SE INSPIROU NO CLIMA QUE NATAL VIVEU COM A PRESENÇA DOS AMERICANOS PARA PRODUZIR SEU TRABALHO MUSICAL

Autor – Henrique Arruda – NOVO JORNAL

O ano era 1942 e o mundo estava em guerra pela segunda vez. Enquanto lá fora a batalha entre países aliados e os do eixo seguia firme, Nalva Nóbrega, 85, adorava conhecer os soldados estrangeiros que chegavam em Natal. Por causa da sua timidez, que só desaparecia quando ela estava acompanhada de sua grande paixão, o piano, a caicoense deixava as tentativas de comunicação com os homens para as amigas desinibidas.

E se hoje em dia a moderna Natal não fala em outra coisa senão na Copa do Mundo e na quantidade de estrangeiros que vai passar pela cidade no período dos jogos, imagine para aquela cidadezinha pacata da época, perdida entre dunas, mar e rio, que de repente é tida como a principal base para as tropas norte-americanas durante o confronto de proporções globais!

Diante da efervescência registrada no recém-inaugurado Grande Hotel, na Ribeira, e em toda extensão da Rua Dr. Barata, Nalva e suas amigas observavam os bonitões que circulavam pela cidade. “What time is it (que horas são)?”, perguntava em voz alta a mais animada do grupo quando algum deles se aproximava, até mesmo para testar o aprendizado da língua estrangeira que estudavam no Colégio Santa Terezinha, em Caicó.

Exatamente 72 anos depois, Nalva está na sala de seu apartamento, em Petrópolis, sentada ao lado do seu piano branco, enquanto relembra esses e outros episódios da época em que Natal foi invadida pelo país da Coca Cola, chicletes e outras maravilhas, em plena II Guerra Mundial.

Foram essas mesmas memórias que lhe fizeram gravar o sexto CD da carreira como pianista. No repertório, o foco foi para as canções que costumavam tocar nos bailes e rádios de Natal naquela época. O trabalho foi lançado há pouco mais de duas semanas em sessão solene no Teatro Alberto Maranhão.

Scan_Pic0045A pianista tira da memória 20 canções, incluindo a icônica valsa “Royal Cinema” de Tonheca Dantas, que no ano passado completou 100 anos e é tida como uma das composições mais importantes para a história da música no Rio Grande do Norte.

“A BBC vivia tocando a Royal Cinema, mas dizendo que era de autor desconhecido”, recorda Nalva, carregando o mesmo brilho no olhar da caicoense que aprendeu a tocar piano aos 4 anos com sua tia. “Minha tia foi uma excelente pianista e Tonheca Dantas, inclusive, chegou a fazer uma música para ela, mas eu não tenho mais a partitura”, lamenta, apontando para o teto do escritório, onde se pode observar na prateleira uma pasta com partituras e documentos relacionados ao seu universo particular da música.

“Se for lhe contar tudo pode sentar que vai demorar. Minha vida é um romance”, adverte sem se decidir entre ficar em pé ou sentada, empolgação que carrega desde os tempos de sala de aula. Além de ser aposentada pelo Tribunal de Contas da União, Nalva também é aposentada pela UFRN, onde foi professora de contabilidade no curso de Administração.

Fonte http://www.potiguarte.blogspot.com.br/

FILME CAÇADORES DE OBRAS-PRIMAS COM GEORGE CLOONEY

Atores principais de The Monuments Men - Os Caçadores de Tesouros

Atores principais de The Monuments Men – Os Caçadores de Tesouros

Está lá nos livros de história que Hitler roubou milhões em peças de arte na Europa e as colocou em túneis, escondidas. O que poucos sabem é que um grupo de homens, velhos demais para as atividades de soldados, se alistou e foi em busca das maravilhosas obras de arte europeias, exibidas até então em museus e em coleções particulares de famílias judias e resgataram muitas delas da voracidade de Hitler.

Essa é a história de heróis anônimos da Segunda Guerra Mundial, que o ator e diretor George Clooney escolheu para nortear “Caçadores de Obras-Primas”, seu mais novo filme. É uma interessante história baseado no livro “Monuments Men”, escrito por Robert M. Edsel e Bret Witter.

General Dwight D. Eisenhower visitando mina de sal onde os nazistas guardavam obras de arte roubadas

General Dwight D. Eisenhower visitando mina de sal onde os nazistas guardavam obras de arte roubadas

Com um elenco de luxo, composto por Matt Damon, John Goodman, Bill Murray e Jean Dujardin, Cate Blanchett, além do próprio Clooney, a película promete. Mas, não espere deste “Caçadores de Obras-Primas” mais um drama sobre a Segunda Guerra, o longa-metragem não aborda o tema sem humor.

Durante a guerra um grupo de especialistas, curadores, galeristas e artistas que foram enviados à Europa pelo presidente Franklin D. Roosevelt para recuperar centenas de milhares de obras de arte roubadas pelos nazistas, além de proteger milhares de peças ameaçadas pelos bombardeios aliados.

Obra do francês Édouard Manet recuperada próximo a Frankfurt

Obra do francês Édouard Manet recuperada próximo a Frankfurt

“Não estamos muito familiarizados com esta história, o que é estranho vindo de um filme sobre a Segunda Guerra Mundial. Geralmente, você acredita que já viu tudo sobre esta época”, disse Clooney em uma entrevista coletiva em Beverly Hills.

Os mais de 100 homens que percorreram a Europa durante a operação tinham a tarefa de localizar e recuperar as obras que Adolf Hitler havia roubado de famílias judias e dos grandes museus europeus para criar seu megalômano museu de arte de Linz.

Quadro do pintor Rubens recuperado de uma mina na Prússia

Quadro do pintor Rubens recuperado de uma mina na Prússia

“Era um grupo de homens que alguém jamais imaginaria em uma zona de guerra”, disse Grant Heslov, produtor e um dos roteiristas do filme, grande colaborador de Clooney no projeto. “Não eram jovens nem estavam aptos para a batalha ou atos de heroísmo”.

Para criar uma consciência

A seriedade do tema não impede que o filme adote um tom leve e divertido, reivindicado pelos autores. “É o tom que George e eu queríamos”, disse Heslov. “Queríamos fazer um filme que nos recordasse o tipo de fitas de guerra que assistíamos em nossa juventude. Havia algo de humor nelas”. “Sabíamos que não faríamos “A Lista de Schindler” ou “O Resgate do Soldado Ryan”. Estes são filmes excelentes, mas com uma perspectiva totalmente distinta sobre a guerra”, completou.

Os nazistas eram tão caras de pau, que chegaram a se fotografarem retirando obras de arte. Como mostrado aqui na Itália, colocando em um caminhão quadros do pintor Piero del Pollaiolo

Os nazistas eram tão caras de pau, que chegaram a se fotografarem retirando obras de arte. Como mostrado aqui na Itália, colocando em um caminhão quadros do pintor Piero del Pollaiolo

Muitas obras saqueadas por Hitler foram encontradas e entregues a seus proprietários, mas foi um “processo longo, que continua hoje em dia”, observou Clooney. “Não é tão simples, porque é difícil sentir empatia por alguém como Rothschild, que tinha a maior coleção privada do mundo. As pessoas pensam que, como eram ricos, o dano não era tão grave. Mas, obviamente, as obras tinham que ser devolvidas”.

Em “Caçadores de Obras-Primas”, Clooney aborda o lugar da arte na sociedade, assim como sua importância e proteção. “Basta ver o desaparecimento das obras de arte que está acontecendo neste momento na Síria”, recordou.

O tenente James R. Rorimer, na vida civil um curador de arte medieval do Metropolitan Museum of Art, de Nova York, examina uma coleção de joias italianas do século XVI, da coleção Rothschild

O tenente James R. Rorimer, na vida civil um curador de arte medieval do Metropolitan Museum of Art, de Nova York, examina uma coleção de joias italianas do século XVI, da coleção Rothschild

O ator e diretor espera que o filme ajude “a criar consciência sobre até que ponto é importante proteger a cultura de cada país e buscar a maneira de recuperar” estas obras. “Se o filme conseguir chamar a atenção para o tema e provocar um debate, terá sido útil”.

Ao ser questionado sobre seu método, Clooney não deixa de fazer piada. “Trabalhei com os irmãos Coen, com Steven Soderbergh, com Alexander Payne. Trabalhei com cineastas formidáveis ao longo dos anos. Você tenta observar o que eles fazem e depois simplesmente rouba deles”, concluiu, com seu famoso sorriso sedutor.

Espadas de Frederico, O Grande, ricamente trabalhadas e recuperadas do saque nazista

Espadas de Frederico, O Grande, ricamente trabalhadas e recuperadas do saque nazista

George Clooney, 52 anos, sempre atua ao lado de amigos. É uma de suas premissas. Como diretor não faz diferente. Ele reuniu gente a quem conhece há anos para contar uma história inusitada e provar que o amor à arte vale, sim, uma vida. Este é o quinto filme dirigido por Clooney, após “Confissões de uma Mente Perigosa” (2002), “Boa Noite e Boa Sorte” (2005), “O Amor não tem Regras” (2008) e “Tudo pelo Poder” (2011). “Eu gosto muito, me diverte. Atualmente, prefiro dirigir a atuar. Não sei se estou melhorando ou não, mas evoluo com as novas direções”.

AINDA SOBRE ESTE TEMA, VEJA NO TOK DE HISTÓRIA – http://tokdehistoria.wordpress.com/2013/11/03/a-incrivel-descoberta-de-1-500-valiosas-obras-de-arte-roubadas-pelos-nazistas-durante-a-segunda-guerra-mundial/