O BELO PREFÁCIO DE ZÉ GAUDÊNCIO TORQUATO, NO LIVRO “JOÃO RUFINO-UM VISIONÁRIO DE FÉ”

Contar com o apoio do amigo Zé Gaudêncio Torquato no nosso livro “João Rufino-Um Visionário de Fé” não é um privilégio, mas uma honra.

Este orgulhoso micaelense é um competente arquiteto e trabalha nesta área na Caixa Econômica Federal em Natal. Mas eu acredito que Zé Gaudêncio gosta mesmo é de trabalhar com música, de ter nascido em São Miguel, de sua família e de mais outras coisas boas. Zé possui músicas maravilhosas, escreve letras e poesias desde muito tempo e algumas de suas obras eu tive o privilégio de ouvir. Elas me deixando realmente encantado.

Zé Gaudêncio Torquato lendo seu prefácio para a multidão de 15.000 pessoas presentes ao evento

Ele é um grande incentivador da grande “Banda Independente da Ribeira”, que desde 1999 está na luta pelo espaço na nossa muitas vezes combalida cultura potiguar.

Aqui apresento o seu prefácio.

Valeu micaelense arretado.

Um Cheiro de Café 

Nas aulas de catecismo do Grupo Escolar Padre Cosme, ministradas pela professora Branca de Castro, além dos ensinamentos básicos dos princípios da religião católica, as pregações centravam no sentido e aplicação dos dez mandamentos (amar ao próximo, não roubar, não matar, não desejar a mulher alheia, etc. Para os pequenos alunos, com suas mentes infantis, que tinham como divertimento no horário do recreio roubar cajus do sítio de Nucha Augusto, do outro lado da cerca e caçar ovos de passarinhos, saqueando os ninhos nas copas das canafístulas, nada era pecado mesmo porque, menino, passarinho, frutinhas do mato era tudo brincadeira no mundinho restrito daquelas  inocentes crianças.

Somente encontrávamos um sentido para aquelas intermináveis repreensões da aguerrida mestra, quando toda manhã, ao sairmos de casa encontrávamos Seu João de joelhos, mãos postas, olhos semi cerrados fitando uma pequena imagem posta no nicho do frontão superior do prédio da torrefação Nossa Senhora de Fátima, a balbuciar o que imaginávamos serem orações debulhadas no terço diário, antes de escancarar as portas do seu estabelecimento comercial e oferecer “um cafezinho” às mulheres freguesas dos pacotezinhos de 200 gramas, distribuídos como em comunhão àquelas pobres Marias, Teresas, Dos Anjos, Antonias, Ritas, Das Dores, peregrinas matinais do santuário do Café Nossa Senhora de Fátima no centro da cidade quase acordada.

São Miguel sempre foi pródiga em cafés, pequenos estabelecimentos que alimentavam as conversas, os encontros, as notícias, as refeições e obviamente, serviam fumegantes xícaras de cafés ao sabor das palestras conduzidas por seus assíduos freqüentadores. O café de Maria Angélica defronte ao Estúdio e Hotel Municipal, o café de Bastião Preto próximo ao posto de gasolina de Gualter, o café de Chico Lero pertinho da Tarimba, o café de Creuza e Nêgo Rico ao lado do Mercado e o café de seu Dito que findou no próprio mercado e que era o mais madrugador da cidade, serviram todos para configurar e consolidar em São Miguel o gosto pelo convívio regado ao sabor das variedades que essa agradável bebida propicia.

Da esquerda para direita vemos Zé Gaudêncio, Seu João, Fagner e o autor

A nossa casa, no cento da cidade, na praça sete de setembro – Praça do Mercado – não tão longe de todos esses cafés, era bem próxima à torrefação Nossa Senhora de Fátima, o café de seu João Rufino, em sua evoluída versão  semi industrial. A esquina da torrefação era habitualmente local de encontro e parada obrigatória de tantos e quantos transeuntes que por ali transitavam em torno do mercado em dias de feira. Ponto garantido de Meu Tinhô, o engraxate “oficial” do lugar, sempre a polir não somente os sapatos da freguesia, como a escovar a poeira dos passos mal dados por alguns e tentar limpar a sujeira de uns tantos outros.

Era dali daquela esquina que uma chaminé incensava as manhãs enevoadas de inverno e despejava o cheiro matinal do café torrado que impregnava o ar e a fumaça se encarregava de espalhar por toda a cidade.

Esse cheiro ficou pregado definitivamente em mim e carrego comigo como um bálsamo depositado nos recônditos das minhas melhores memórias e tanto que ao longo de todos esses anos, em todas as cidades que morei, quando os primeiros ruídos despertam os dias, quando fiapos de luzes clareiam as manhãs e quase nítida se esboça a vida entre as frestas da memória, um cheiro gostoso de café me toma e acende em mim a lembrança viva e quase palpável de São Miguel, da praça do mercado, do sino da igreja a repicar, dos burburinhos da rua, do barulho dos cilindros das padarias de Zé Augusto, Nonato e Zé Rocha a desdobrarem as massas para fabricação dos pães e bolachas comuns de cada dia e claro, do café Nossa Senhora de Fátima que da cozinha de casa minha mulher prepara toda manhã, sem perceber.

Obrigado Seu João pelo sabor do café de todos esses dias.

Seu João era especialista em tirar carro do prego. De quem quer que fosse ou viesse de qualquer canto do município, pois possuía uma rara aptidão nata  para por em funcionamento engrenagens, máquinas e motores os mais diversos, como se eles lhes obedecessem aos mais simples gestos de mãos, pequenos acenos, cadenciados afagos e ligeiros mas precisos toques aqui, apertos ali, ajustes acolá e pronto, o motor obedecia e danava-se a funcionar, movimentando-se num sincronismo explosivo de velas, pistões, polias, rodas, enfim, de engrenagens em revolução, numa batucada  exuberante das engrenagens mecânicas que as juntas e tampões patrocinavam. Esse era seu João que sempre sereno, punha a vida, sem sobressaltos da cidadezinha serrana, a tocar no ritmo de suas destrezas, desprendimento e habilidades.

Seu João é um homem singular, simpático, singelo e simples, mas de gestos largos e uma generosidade imensurável, sem medida mesmo. Sempre que nos encontramos, seja onde for, trocamos um afetuoso e apertado abraço, como aqueles que dava o meu avô em seus amigos diletos e compadres, e ele, aquele graveto de aroeira, aquele garrancho de goiabeira, esbelto mas firme, flexível mas inquebrável, após as brandas tapas nas costas, tentava levantar-me do chão e eu a ele suspendendo-o uns pouco centímetros, confesso sem tanto esforço, não por ele ser magro, muito menos por eu ser forte ou ter tanta força, mas, simplesmente por ele não ter peso nenhum na consciência e possuir uma alma leve, levíssima tenho certeza, daquelas que só os santos possuem e carregam sem o mínimo esforço.

Assim é seu João, uma das melhores essências de gente que habita esse velho mundo de Deus, um santo homem.

José Gaudêncio Torquato

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de

comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s