A MISSA PELOS 90 ANOS DO MAIOR MASSACRE DA HISTÓRIA DO CANGAÇO

13327393_10153615168931935_3341022468254899348_n
Cemitério onde descansam eternamente os membros da família Gilo massacrados por Lampião em 1926.

Por Rostand Medeiros 

No próximo sábado, dia 27 de agosto de 2016, ás 15:30 será celebrada no local histórico dos acontecimentos uma missa na propriedade Tapera dos Gilo, Na zona rural do município de Floresta, Pernambuco.

É antes de tudo uma missa para honrar os que tombaram diante dos cangaceiros de Lampião no maior massacre da história do Cangaço

Mas como ocorreu este episódio?

Próximo a cidade pernambucana de Floresta existe uma antiga propriedade rural conhecida como Tapera dos Gilo. Uma fazenda normal, até mesmo comum diante das muitas existentes na região sertaneja nordestina. Mas coube ao destino que neste local ocorresse em 1926 um dos mais cruéis ataques de cangaceiros a famílias na história deste movimento.

Gilo
Jornal da época comentado o episódio

Segundo nós conta o nobre escritor João de Souza Lima, em dezembro de 1925 o senhor Gilo Donato do Nascimento descobriu que doze burros de sua propriedade tinham desaparecido. Então Manoel Gilo, filho mais velho de Gilo Donato, junto com outras pessoas, seguiu a pista dos animais até encontrá-los a quase 400 quilômetros de distância, em Lavras de Mangabeira, no Ceará.

Os animais, valiosos nas propriedades rurais do sertão do passado, estavam na posse do coronel Raimundo Augusto, que havia comprado as alimárias de Horácio Grande.

Angicoss (7)
Lampião, o Rei do Cangaço.

Horácio Grande foi processado e preso por esse roubo e em consequência disso jurou matar Gilo Donato e seu filho.

E não ficou só na promessa. Tempos depois Horácio realizou um frustrado ataque a residência de Gilo, onde saiu baleado e perdeu o comparsa apelidado de Brasa Viva. Diante da situação, do poder de fogo e valentia da família Gilo, Horácio Grande entrou no bando de Lampião desejoso de perpetrar sua vingança.

A (329)
O escritor Marcos Antonio de Sá explica com o se deu o atque da Tapera dos Gilo.

Através de sua irmã e de sua esposa, Horácio as orientou para que produzissem cartas falsas, aparentemente escritas por Gilo Donato, afrontando severamente o “Rei do Cangaço”. Quem já leu qualquer texto sobre a vida de Lampião sabe que ele era muito rancoroso com aqueles que lhe traiam e lhe difamavam. Onde sempre o castigo para estes faltosos era a morte, normalmente das formas mais cruéis.

No dia 28 de agosto de 1926, um sábado, às quatro horas da manhã, Lampião com um grupo em torno de 120 cangaceiros, atacou a fazenda Tapera.

A (344)
Marcos Antonio de Sá mostra uma antigas estaca de uma das casas atacadas e destruidas pelos cangaceiros no ataque a Tapera dos Gilo.

Um longo tiroteio rompeu o silêncio do local. Por horas as pessoas da vizinha Floresta ouviram os tiros ecoando. O capitão Antônio Muniz de Farias, comandante das forças volantes que estavam na cidade, não mostrou coragem pra ir lutar contra os cangaceiros e defender a desesperada família Gilo. 

Quando a casa da sede se encontrava quase totalmente destruída devido aos milhares de balaços recebidos e vários mortos banhavam de sangue seus compartimentos, Lampião comandou a invasão da residência.

17
Região da Tapera dos Gilo.

Manoel Gilo foi capturado ainda vivo, estando morto seu pai Gilo Donato, o irmão Evaristo, o cunhado Joaquim Damião e Francisco de Rufina. Na estrada ficaram mortos Permino, Henrique (casado com uma irmã de Gilo), Zé Pedro, Ernesto (da fazenda São Pedro), Janjão, Alexandre Ciríaco (morto quando tentava defender os Gilos e que tinha vindo da fazenda São Pedro), Pedro Alexandre (na Barra do Silva).

A volante do sargento Manoel Neto, um dos mais ferozes perseguidores de Lampião, foi tentar salvar a família Gilo daquele massacre. Mesmo este militar estando baleado e com poucos homens sob seu comando, Neto contrariou as ordens do capitão Muniz e foi se bater com os cangaceiros de Lampião no Campo da Honra.

14040126_1727229720871693_6145386117733994807_n
Djanilson Pedro, neto de Cassimiro Gilo, no local onde tombou o soldado João Ferreira de Paula, da volante de Manoel Neto (A quixabeira do soldado ).

Como resultado a volante perdeu o soldado João Ferreira de Paula, que tombou morto embaixo de uma quixabeira, hoje conhecida como “Quixabeira do soldado”. Já tendo perdido um dos seus comandados e como a quantidade de cangaceiros era muito superior ao grupo de policiais, o valente e famoso “Mané Neto” não teve alternativa se não comandar uma retirada. 

Ao final do tiroteio, Lampião então extremamente enfurecido, pegou o sobrevivente Manoel Gilo e perguntou o porquê dos seus familiares enviarem as cartas ofensivas e este então respondeu que eles eram analfabetos e não sabiam escrever. Neste momento, diante da surpresa geral, Horácio Grande pegou a sua pistola e atirou na cabeça do inimigo, matando Manoel Gilo. Só ai Lampião percebeu a trama que Horácio o havia colocado.

A (343)
Percorrendo as trilhas do combate.

O Rei do Cangaço o expulsou na hora do seu bando e consta que lamentou a perda de tantos valentes sertanejos a troco de uma mentira. O escritor João de Souza Lima aponta corretamente em sua publicação na Internet que este foi um “arrependimento tardio” (Ver – http://cariricangaco.blogspot.com.br/2015/04/fazenda-tapera-de-manel-gilo-por-joao.html).

Daquele cruel morticínio pereceram entre familiares dos Gilo e seus amigos, além do soldado da volante de Manoel Neto, um total de treze pessoas. Consta que os cangaceiros perderam quatro de seus homens.

Afirmou-se durante anos que da família Gilo só escapou o jovem Cassimiro Gilo, então com 15 anos de idade, que havia ido comprar açúcar e rapadura no Ceará. Entretanto, segundo Marcos Antonio de Sá, Cassimiro não estava no Ceará, ele dormiu na casa de Zé de Anjo, a uns 800 metros da sua morada. Ele tinha ido à cidade de Floresta, na companhia de Zé de Anjo, entregar uma carga desse senhor, na mercearia do comerciante João de Araújo.

Em Floresta estivemos juntos dos maravilhosos amigos (da esq. para dir.) Cristiano Luiz Feitosa Ferraz, Djanilson Pedro e Marcos Antonio de Sá, o conhecido como “Marcos De Carmelita”.

Recentemente, junto com o artista plástico Sérgio Azol, e através do bondoso acolhimento na cidade de Floresta dos amigos escritores Marcos Antonio de Sá, conhecido como “Marcos De Carmelita”, e Cristiano Luiz Feitosa Ferraz, tive a grata oportunidade de conhecer a propriedade Tapera dos Gilo. Além de percorrer os locais do combate, tive a oportunidade de apertar a mão da Senhora Djalmira Maria de Sá, a Dona Dejinha, e seu filho Djanilson Pedro, o “Pané”. Em nossos diálogos fiquei impressionado como eles narram com extrema clareza e emoção os fatos transmitidos por Cassimiro Gilo, mantendo viva a memória daquele dia extremamente cruel para sua família.

A (97)
Os autores do interessante livro “As cruzes do Cangaço – Os fatos e personagens de Floresta – PE”, entregando um exemplar do seu trabalho aos descendentes da família Gilo, na fazenda Tapera dos Gilo, local do maior massacre da história do cangaço, fato extensamente narrado no livro.

Marcos Antonio de Sá e Cristiano Luiz Feitosa Ferraz lançaram recentemente o interessante livro “As cruzes do Cangaço – Os fatos e personagens de Floresta – PE”, onde esta trágica história é narrada com extrema grande riqueza de detalhes. Marcos e Cristiano são dois dos organizadores desta missa.

IMG_20160615_105231712

É inegável que a História do cangaço é uma das grandes referências da identidade dos nordestinos e constitui um elemento formador das formas de representação cultural da região, sendo atualmente extensamente utilizado como verdadeira marca do Nordeste.

Apesar de toda importância histórica deste movimento, alguns dos seus principais episódios se encontram praticamente esquecidos. Neste sentido eu acredito que este evento é uma maravilhosa ferramenta que muito vai ajudar a difundir em âmbito local, regional e nacional a verdadeira dimensão do Massacre da Tapera dos Gilo.

Além de homenagear e destacar os membros desta família que tombaram neste combate, esta missa certamente vai estimular a população da região a conhecer com maior profundidade os episódios envolvendo os fatos históricos ocorridos No dia 26 de agosto de 1926.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s