NAS “REBARBAS” DA FAZENDA TAPERA – CONHECENDO O MAIOR MASSACRE DA HISTÓRIA DO CANGAÇO

13332844_10153615168846935_9103971137831627242_n
Entrada do cemitério da Fazenda Gilo – Foto – Sérgio Azol

Autor – Sálvio Siqueira – São José do Egito, Pernambuco.

No tempo do cangaço, muitas mentiras foram ditas a fim de livrarem-se da morte ou, pior, para provocarem a de alguém. Interessante é que mais mentiras foram e são contadas em muito, das entrelinhas de autores que não estavam, nem estão comprometidos com a real história. Eles elaboraram suas obras, talvez pensando em que nunca surgissem pesquisadores descentes e de responsabilidades. Coisa que, felizmente, de um tempo para cá, apareceram.

O Covarde

Horácio Cavalcanti de Albuquerque, nascidos aos 23 dias do mês de agosto de 1891, que, ao longo da sua vida passa a ser conhecido por duas alcunhas: ‘Horácio Grande’, devido sua estatura, e ‘Horácio Novaes’. Seu casamento foi com a senhora Alice Cavalcanti Novaes. Horácio era de uma família grande e bem sucedida, porém, seguiu pelo caminho tortuoso do banditismo. Devido ao seu temperamento, ninguém nas redondezas de onde morava, e praticava seus crimes, tinha peito de denuncia-lo nem tão pouco enfrenta-lo num combate. Talvez pela força que a família nas redondezas demonstrava.

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 1 - Copy

Alguns familiares de Horácio, na tentativa de fazê-lo enveredar pelo caminho do bem, da honestidade, fizeram de tudo. Quando o mesmo vai ao Estado vizinho do Ceará, na cidade de Porteiras, eles conseguiram um cargo de Delegado, devido à influência que tinham naquela região. No entanto, em vez de exercer o ofício dignamente, ele passa a fazer pior, e dessa vez, acobertado pelo cargo. Não podendo mais ficar por lá, pois até em homicídio se envolve, retorna para o Pajeú das Flores.

Chegando às terras em que nascera, continua praticando vários delitos e, um deles, é roubar vários animais de uma propriedade rural no município de Floresta, PE, denominada de ‘Tapera’, pertencente a uma família por todos conhecido como ‘Os Gilo’, e vende-los em terras cearenses para o trabalho de carregar cana de açúcar. O proprietário sai em busca de seus animais e termina por achar e traze-los de volta. Ao retornar, comunica as autoridades locais o ocorrido. Horácio é condenado “In Absentia”. Depois disso, ele em vez de procurar corrigir-se, junta alguns companheiros bandidos, cangaceiros, e vão tentar matar o dono dos animais que o denunciou. Leva tromba, não consegue seu intento e, pior, perde alguns amigos na bala, outro foge e ele mesmo é baleado no “saco escrotal”, tendo que ir para a Capital pernambucana fazer o tratamento.

A (108)
Natureza árida da região da propriedade Tapera, zona rural do município de Floresta, Pernambuco – Foto – Rostand Medeiros

Ciente da disposição daquela família que ele tinha roubado os animais e que teve a coragem, não só de denunciá-lo, mas de trocar tiros com ele e os seus capangas, não abrindo de jeito nenhum, ele planeja um macabro plano para acabar com eles junto ao “Rei do Cangaço”, pois depois que retorna da viagem para o tratamento, passa a fazer parte do bando dele.

Sabedor do temperamento de Lampião, Horácio manda sua esposa escrever uma missiva como sendo o dono da fazenda Tapera endereçada ao chefe, e nela, além de o desaviar, coloca em dúvida sua coragem. Naquele tempo, homens da têmpera de Lampião não aguentavam certas provocações, e iriam tirar satisfações com a pessoa que as fizera, e isso, Horácio sabia de cor e salteado. Viu aí, uma forma, maneira, de colocar em prática uma vingança usando um artifício nefasto, mesquinha e covarde, que só os covardes usam, a mentira.

Carta Assassina

“(…) A carta foi endereçada a Lampião e seu conteúdo não só insultava como também colocava em dúvida a coragem do cangaceiro (…).” (“AS CRUZES DO CANGAÇO” – SÁ, Marcos Antonio de. E FERRAZ, Cristiano Luiz Feitosa. (nossos amigos Marcos de Carmelita e Cristiano Ferraz). Floresta, 2016)

4-Lampião gostava de mostrar-se um homeme inteligente perante as câmeras
Lampião

Esse ‘desaforo’ fora aceito pelo “Rei Vesgo” como planejara antecipadamente Horácio Novaes. A preparação, ao ataque à sede da fazenda, nós já contamos em outra matéria, e tornaremos a conta-la em outra oportunidade, pois sempre surgem detalhes que passam despercebidos. Nesse texto, nos limitaremos a tentar levar para os amigos os acontecimentos, não no local da principal batalha, luta, enfrentada pelos valorosos ‘Gilos’ contra a caterva sanguinária de Lampião, onde foram vítimas de uma chacina, no terreiro da sede da fazenda.

Como sempre, vemos as estratégias arquitetadas por Virgolino Ferreira em ação. O ‘Cego’ escolhe para o dia do ataque, um dia de ‘feira’ na sede do município, Floresta, PE, um sábado, 28 de agosto de 1926. Sabia que sendo o dia da ‘feira’, a maioria das pessoas que moravam na zuna rural iriam para a ‘rua’, cidade, venderem, trocarem e/ou comprarem mercadorias. Ficando assim, menos gente nas redondezas. Se os vizinhos dos ‘Gilo” estivessem na ‘rua’, não poderiam ajuda-los.

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 4 - Copy

Em toda estrada que levava a sede do município, Lampião distribuiu seus homens, e em cada vereda, estrada ou rodagem ficou um pequeno grupo de cangaceiros dando proteção. Aquelas pessoas que viriam à feira, ordenou que os ‘cabras’ as prendessem.
É costume das pessoas que moram nos sítios, nas propriedades rurais, nas fazendas, levantarem-se cedo, no quebrar da barra, ou mesmo antes, diariamente. No dia da ‘feira’, esse horário é antecipado para que, além de fazerem os costumeiros serviços como tirar leite, cortar ração, moer milho e etc., pegarem seus animais, darem um bornal de milho seco pra eles se alimentarem, os selarem, partirem e chegarem cedinho na ‘rua’, pegando a feira no começo.

 

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 3 - Copy

Nas últimas horas da madruga, já os galos cantando, dando suas bem vindas a claridade e despedindo-se da noite, prevendo o raiar de um novo dia, todo aquele roceiro que se dirigia para Floresta, para a feira, era aprisionado pelos cangaceiros dispostos nos ‘piquetes’ das estradas.

Em determinada estrada vinham alguns tropeiros com suas mercadorias nos lombos da burrarada. Esses foram pegos e seus animais amarrados por perto. Nada de ter começado, ainda, o fogaréu de balas na fazenda dos ‘Gilo’. Os tropeiros foram ‘detidos’ debaixo de uma quixabeira e um deles foi amarrado pelo pé. A ‘prisão’ desses tropeiros chama atenção por ter ocorrido com membros de uma família só. Muitos eram irmãos, primos e/ou amigos.

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 2 - Copy

“(…), um, a um, os viajantes iam ficando presos e embaixo de ordem no córrego do Arcanjo, em uma quixabeira, como é o caso dos irmãos “João do Monte” (João Pereira Lima), “Mestre Orcino do Monte” (Orcino Pereira Lima – era carpinteiro e pedreiro) e o amigo deles “Manoel Maria do Monte” ( Manoel Vicente de Sá), que percorreram cerca de vinte quilômetros tangendo uma tropa de animais (…).” (Ob. Ct.)

Desgraça

Após esse acontecido. Surge, de repente, um cavaleiros tangendo alguns jegues, e nos lombos desses, amarrados nas cangalhas, costais de rapaduras. Tudo fora apreendido pelos cangaceiros e a carga divida entre eles. Rapadura, alimento que eles levavam em seus bornais para as longas caminhas dentro da caatinga. Depois disso, um senhor, “Pedro Alexandre Gonçalves Torres”, que morava num povoado próximo, “Barra do Silva”, trazia uma carga de aguardente, cachaça, ‘cana de cabeça’, no lombo de um burro, que também fora parado pelos homens de Lampião…

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 9 - Copy

Assim, nas cercanias dos limites da fazenda Tapera, foram ocorrendo fatos, mesmo antes da deflagração do tiroteio ter início no terreiro da sua sede.

O clarão do dia vem surgindo, espantando para longe o manto escuro da noite, quando de repente, duas pessoas saem de dentro da casa da fazenda Tapera, e, tomando rumos diferentes, vão para o mato defecar e/ou urinarem. Um deles, aquele que segue para o riacho que passa ali perto, é avistado e feito alvo pelos cangaceiros, que estavam espalhados em volta da casa, e um dos lugares era a barreira do riacho, e é o primeiro a tombar sem vida. O outro, quando o tiro ecoou, fez finca pé e danou-se em direção uma cerca que tinha na frente. Na velocidade que ia, salta e agarra nas varas da cerca, porém, cai na besteira de olhar para trás, perdendo segundos preciosos, segundos que valeram sua vida. Também é atingido e cai por terra, morrendo em seguida.

Numa propriedade próxima, onde seus habitantes não tinham ido à feira, em determinado momento, alguns notam a aproximação dos cangaceiros. Essa propriedade também era denominada Tapera. Pois bem, procurando salvarem a ‘pele’, a vida, dois cidadãos procuram refúgio entre os porcos que estavam num chiqueiro. Perda de tempo, foram vistos e mortos.

A (114)
Marcas de bala em uma árvore no local do combate – Foto – Rostand Medeiros

“(…) vizinho da Tapera, em outra propriedade que tinha esse mesmo nome e pertencente a Ezequiel Damião(…) os sertanejos João Gabriel de barros (Janjão) e Francisco Damião de Souza ( Chico de Rufina)(…), ao verem os cangaceiros cercando a casa onde eles estavam, resolvem se esconder dentro de um chiqueiro de porcos, onde foram localizados e mortos (…).” Ob. Ct.)

Entre o pessoal que estava aprisionado debaixo da quixabeira, um que estava amarrado pelo pé, faz menção de querer fazer alguma necessidade fisiológica. Os cangaceiros não querem soltar ele. Dizem para ele fazer ‘as coisas’ mesmo amarrado. Nisso, um outro prisioneiro intercede e pede para que ele seja solto afim de ir fazer suas necessidades no mato. Os ‘cabras’ o soltam. Ele, se estava necessitado ou não, deu foi no pé, fugindo numa carreira danada. Não teve xique xique, mandacaru, favela, jurema, catingueira ou outra árvore do bioma caatinga que o fizesse parar, nem as balas dos cangaceiros conseguiram detê-lo. Pior para o senhor que pediu por ele. Quando os cangaceiros retornaram para a quixabeira, ele é executado friamente.

Fogo Cerrado

No terreiro da fazenda Tapera, dos “Gilo”, a coisa estava pegando fogo. O tiroteio estava cerrado. O som dos disparos era levado pelo vento, como um pedido de socorro a quem os escutassem… Num sítio próximo, na fazenda Lagoinha, morava Alexandre Ciríaco, que era amigo de Manoel Gilo, e tinha lhe prometido de que, se algum tiroteio começasse, ele iria em seu socorro. Quando escutou o som dos disparos, avexou-se, pegou as armas e um bisaco de balas, foi até junto de sua amada esposa, que estava grávida, e após fazer suas orações, despediu-se dela dizendo:

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 13 - Copy

 

“- Muié, eu tô indo mais num volto; os Gilo estão sendo atacados, mas eu dei minha palavra que ia e eu vô.”

A mulher ainda suplicou:

– Num vá não.” (Ob. Ct.)

Juntaram-se a Alexandre, seu irmão “Manoel Rosa” e um primo chamado ‘Antônio Inês’, pegaram as armas e os bisacos, bornais, com balas e desceram rumo à fazenda na esperança de salvar, socorrer, o amigo Manoel Gilo. Como dissemos antes, Lampião colocou um cerco nas redondezas da fazenda Tapera, quase que intransponível. Os três homens vão ligeiro por uma vereda que dava acesso a sede da fazenda Tapera dos Gilo, onde o que se escutava a todo o momento era estampidos de arma de fogo, quando, de repente, uns homens começam a fazer-lhes sinais para que se aproximassem. Essas pessoas que acenavam, estavam dentro de uma espécie de cercado, embaixo de um umbuzeiro, e a sombra nela impedia de Alexandre, seu irmão e o primo, visualizassem quem era. Para entrar no cercado, havia um passador, coisa que Alexandre logo transpôs. Nesse momento recebeu uma saraivada de balas que o mataram. O irmão e o primo, vendo o que aconteceu, não contaram conversa, deram meia volta, e bateram em retirada.

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 8 - Copy

Na cidade de Floresta, onde se realizava a feira, todos escutavam o som dos disparos. Não vendo atitude alguma tomada pelo comandante do Batalhão, capitão Antônio Muniz de Farias, que tinha prometido ao Patriarca dos “Gilo” ir a seu socorro se por acaso fossem atacados pelos cangaceiros e não se mexia do canto, várias pessoas vão pedir para que ele leve a tropa e salve os daquela família. O comandante ainda ordenou entrar em formação a tropa, porém, em seguida, ordena saírem de forma… E assim procedeu mais de uma vez. E os da fazenda Gilo vão perdendo suas vidas, um a um.

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 12 - Copy

Vendo que o comandante não tomaria a atitude de, pelo menos ordenar para eles irem em defesa daquela pobre gente, coisa que o capitão Muniz tinha prometido, Manoel Neto, que estava baleado num braço, inclusive usando tipoia, chega junto dele e pede para que dê a ordem aos soldados. Nada, o capitão não ordena. Acovarda-se. Toma então uma decisão maluca e diz que querendo ou não o comandante, ele iria tentar salvar as pessoas daquela fazenda.

Um Bravo e o Resultado

“(…) Diante do empecilho criado, surge um bravo. Um componente da afamada Volante dos Nazarenos, Manoel de Souza Neto, o “Mané Neto” (…).” (Ob. Ct.)

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 7 - Copy

Vendo a decisão tomada por Manoel Neto, dez soldados se determinam e dizem segui-lo, naquela empreitada. Os bravos soldados pegam suas armas e saem na direção da fazenda Tapera. No caminho, nas terras da fazenda Barra, encontram-se com alguns homens, e esses cedem ao bravo nazareno cinco homens que trabalhavam para eles. Já o outro, agrega-se a eles com seus jagunços. Formaram uma pequena tropa, mas, pelo som dos disparos, Manoel Neto sabia que seu contingente era muito inferior ao dos ‘cabras’ de Lampião. Seguiram com cautela a partir dali. “Mané Fumaça”, como era chamado por Lampião Manoel Neto, divide seus homens e vai em direção a casa.

Ao longe os disparos vão diminuindo e isso não era um bom sinal. Ao chegarem próximo à casa da fazenda, um corneteiro começa a cornetá. Os bandidos escutam e, alguns saem em retirada, outros pegam suas armas e começam a atirar em direção a volante que chega. Um dos soldados cai nos pés do comandante já sem vida. Cassimiro Gilo, ao aproximar-se da casa com seus homens, uma bala passa muito próximo ao seu ouvido. Ele cai desacordado. Manoel Neto o pega e o carrega nas costas, retirando-o da zona de tiro. A munição dos soldados e dos homens que estavam a darem combate à turba de cangaceiros vai diminuindo. Vendo que logo ficariam sem munição e seriam todos mortos pelos inimigos, resolvem bater em retirada e voltarem ao QG do comando, ao Batalhão em Floresta.

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 6 - Copy

 

O saldo das vidas ceifadas nessa brigada foram de muitas pessoas, dentre essas três eram cangaceiros, que além dos mortos, levavam três companheiros feridos. Dos mortos na sede da fazenda e em seu derredor, um era um soldado, os outros eram civis, roceiros, sertanejos que perderam a vida tentando defende-la, ou tentando defender a de amigos, fora os feridos, inclusive da Força Militar comandada por Manoel de Souza Neto.

Nomes daqueles que perderam a vida na chacina da fazenda Tapera:

“(…) Aos pés da quixabeira que ficava no terreiro, uma cena macabra, sete corpos espalhados pelo chão, entre eles: Gilo Donato e seus filho Manoel de Gilo, Evaristo Gilo, Joaquim Gilo, Henrique Damião ( genro), Permínio (parente), e José Pedro de Barros ( vizinho e parente). (…) perto dali, estavam os corpos de Chico de Rufina e Ezequiel Damião (Janjão). (…) na estrada que ligava Floresta ao povoado Barra do Silva, embaixo ( da sombra) de uma quixabeira estava (o corpo de) Pedro Alexandre.(…) (o corpo de ) Alexandre Ciríaco fora deixado no local onde morreu, a cerca de duzentos metros do epicentro da tragédia.(…) o soldado Volante João Ferreira de Paula tombou crivado de balas (…).” (Ob.Ct.)

A FOTO DA REBARBA DA TAPERA 10 - Copy

Outras obras literárias não trazem os nomes daqueles que tombaram na citada chacina. Outras até cita alguns, inclusive o nome de uma pessoa que não morreu na brigada… Porém, com o esforço, a perseverança de nossos amigos, a história vai se desvendando verdadeiramente. Depois de muito suar, os dois amigos conseguem trazer para nós, através de seu livro acima citado, a coisa como realmente ocorreu, nas terras rurais do município de Floresta, PE, na chacina da fazenda Tapera.

Fonte “AS CRUZES DO CANGAÇO” – SÁ, Marcos Antonio de. E FERRAZ, Cristiano Luiz Feitosa. (nossos amigos Marcos De Carmelita Carmelita e Cristiano Ferraz). Floresta, 2016
Foto Ob. Ct.
Revista O Malho

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s