Arquivo da tag: Nazareno

FALECIMENTO DE UM DOS ÚLTIMOS HOMENS QUE COMBATERAM LAMPIÃO

Autor – Rostand Medeiros

Quando eu li “Lampião – Memórias de um Soldado de Volante”, de João Gomes de Lira, um experiente combatente, tenente aposentado da Polícia Militar do Estado de Pernambuco, fiquei maravilhado com aquela interessante narrativa, produzida por um homem nascido na terra de onde surgiram os mais incansáveis perseguidores de Lampião.

João Gomes de Lira era natural do distrito de Nazaré, mais precisamente na Fazenda Jenipapo, município de Floresta, Pernambuco. Nasceu no dia 3 de julho de 1913 sendo filho de Antônio Gomes Jurubeba e Luciana Maria da Conceição.

Os filhos de Nazaré formaram uma verdadeira tropa de elite contra Lampião e seus cabras, sendo conhecidos como “Nazarenos”. João Gomes de Lira foi membro deste grupo na década de 1930, mais precisamente em 16 de julho de 1931, quando entrou com 18 anos na carreira militar e travou vários combates contra cangaceiros, principalmente na Bahia. Seu comandante era o parente e compadre Manoel Neto.

Segundo o amigo Kiko Monteiro, em uma visita feita ao velho combatente, ele falava com detalhes da chegada a Nazaré de Lampião e seus irmãos Antônio e Livino, de como eles se distribuíram estrategicamente na vila, resultando no começo da questão entre Lampião e o povo de Nazaré, isso em 1917.

Já nosso amigo José Mendes informa que o tenente João Gomes de Lira foi também ex-vereador na cidade de Carnaíba e delegado em Afogados da Ingazeira, Flores entre outras cidades da Região do Pajeú. Onde prestou relevantes serviços ao Estado de Pernambuco. Neste trabalho em prol da comunidade, desmembrou a Câmara de Vereadores de Carnaíba, tornando a edilidade independente. Equipou-a com os meios necessários para seu funcionamento e moralizou as reuniões, proibindo a entrada de qualquer cidadão armado, inclusive os vereadores, que tinham este triste costume.

O que posso falar é que ele recebia a todos em sua casa de braços abertos, sempre atencioso, solícito e tranquilo. Tive oportunidade de conhecê-lo em 2006, onde almoçamos em sua residência e tivemos oportunidade de bater um maravilhoso papo sobre cangaço.

Mas o que João Gomes de Lira deixou de melhor para todos nós, e isso muito lhe orgulhava, foi sua obra “Lampião – Memórias de um Soldado de Volante”. Quisera Deus que outras pessoas que viveram naquela época, tivessem deixado suas memórias escritas em tão primoroso trabalho quanto é o caso de “Lampião – Memórias de um Soldado de Volante”. Certamente se saberia muito mais sobre este movimento de banditismo rural na sua forma real, sem a mística e toda sorte de mentiras que se criou ao redor do tema. O O tenente Lira, além de ter imprimido suas experiências e vivências neste livro, conversou com meio mundo de gente que combateu, conviveu, apoiou e matou cangaceiros.

E olhe que este fantástico livro quase não sai!

Ele narrou a mim (e está gravado), que após concluir o calhamaço de papéis que iria gerar “Lampião – Memórias de um Soldado de Volante”, Lira foi a Recife procurar uma instituição pública, onde um iluminar, um sábio, que possui todas as titularidades acadêmicas, todo o conhecimento sobre o cangaço, havia anteriormente lhe oferecido apoio na publicação de sua obra.

Ocorre que o gênio, o mestre do cangaço, ficou com o material e simplesmente se “esqueceu” de devolver e nem satisfação deu.

Mas Lira, “Que não tinha medo de cara feia e nem de perna cabeluda”, como dizia o saudoso Chico Science, foi procurar ninguém menos que Roberto Magalhães, o governador do estado de Pernambuco na época. No palácio do governo foi bem recebido e tratado com todo respeito e honra que merecia.

Daí a ordem veio de cima para baixo (no caso bem lá embaixo) e o “Dotô” botou o rabinho no meio das pernas e devolveu tudo. Então “Lampião – Memórias de um Soldado de Volante” surgiu para deleite da massa.

Quando lá estivemos, me recordo que o velho combatente estava diante de sua casa, descansando em uma cadeira, numa sombra agradável, com um gravador de fita K7 na mão. Ele ouvia uma canção que afirmou ser a preferida do seu grande amigo Aureliano de Souza Nogueira (Lero), que a solfejava em uma barca que havia nas travessias do Velho Chico, em caça aos cangaceiros.

Dava para perceber o respeito que ele tinha por Lampião e muito mais o orgulho de ter participado dos Nazarenos, de quem ele falava com intensa emoção.

Sua querida Nazaré fica a pouca distância da região onde nasceu Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. Podemos até dizer que a forja que moldou Lampião e João Gomes de Lira é a mesma, visto ambos virem do mesmo Pajeú. Mas o aço utilizado para criar Lira, era de muito melhor qualidade do que o utilizado para criar Lampião. Pois o tenente João Gomes de Lira era um homem do bem, de caráter, puro, reto, sério e um batalhador.

Ele faleceu aos 98 anos, na capital pernambucana, às 22 horas da última quarta-feira.

Descanse em paz na graça de Deus.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.