ANTÔNIO SILVINO E A POLÍTICA POTIGUAR

QUANDO UMA VISITA DESTE CANGACEIRO A

CIDADE DE JARDIM DO SERIDÓ MOVIMENTOU NOSSOS POLÍTICOS

Autor – Rostand Medeiros

Há exatamente um século, em um ano de muita seca, na cidade de Jardim do Seridó, na região do Seridó Potiguar, em uma noite comum de terça-feira, por volta das sete do dia 15 de agosto de 1911, entrou na pequena localidade um grupo de homens armados, trazendo chapéus de aba quebrada, com punhais atravessados na cintura e carregando rifles Winchester.

Desenho com a figura de Antônio Silvino

A frente da tropa vinha um homem bigodudo, natural da região do Pajeú pernambucano e que era conhecido em todo o sertão como Antônio Silvino.

Em 28 de agosto de 1911, uma segunda feira, Ttreze dias depois do fato, circulava na capital potiguar a edição matutina do jornal “A Republica” com uma grande notícia publicada na primeira página, informando detalhadamente o ocorrido.

Consta que o afamado bandoleiro das caatingas, alcunhado “Rifle de Ouro”, se dirigiu sem maiores delongas para a casa de um maioral do lugar, o major João Alves de Oliveira. Com era do seu feitio, Antônio Silvino chegou tranquilo, se apresentou e “solicitou” ao major que buscasse arrecadar com os abonados da pequena cidade a quantia de seiscentos mil réis para ele e seu bando. Descaradamente Silvino afirmava que não podia trabalhar devido às perseguições do governo e então solicitava um “apoio” dos amigos.

Nota sobre a "visita" de Antônio Silvino e seu bando a Jardim do Seridó

Evidentemente que embutido no pedido de dinheiro, estava uma discreta ameaça. Caso não houvesse o devido retorno, Jardim do Seridó sofreria as consequências. Mas não era isso que Antônio Silvino queria, pois afinal esta era a sua segunda “visita” naquela urbe seridoense, abençoada por Nossa Senhora da Conceição.

Sem condições de reação, o major João Alves saiu a solicitar as pessoas do lugar, que estavam entre assombradas com o que poderia acontecer e curiosas com a presença daquela gente no seu pacato lugar, o que pudesse ser arrecadado para evitar problemas. Ele foi ao encontro do fiscal de rendas do governo estadual lotado na cidade, Sidronyo Pio da Silveira Vidal, para que este retirasse o dinheiro da repartição para ajudar na cota de Silvino. Pio afirmou, inclusive temendo represálias, que o caixa da repartição só possuía meros cinquenta mil réis.

Enquanto acompanhava o major João Alves, o cangaceiro Silvino solicitou a presença de uma banda de música local e de jovens da comunidade para, no retorno da arrecadação, todos tocarem para ele e seus homens “modinhas e lundus alegres”.

Algum tempo depois, sem maiores alterações, Antônio Silvino deixou Jardim do Seridó.

No final da reportagem de “A Republica”, informava que o governo do estado estava preparando uma tropa da polícia para seguir ao Seridó e dar combate aos cangaceiros.

Evidentemente que casos como este, para quem já se debruçou sobre a vida de Antônio Silvino, são contados as centenas. Especificamente em relação a este caso, seus biógrafos dedicaram pouquíssimas linhas nos livros que trataram da vida do bandoleiro.

Mas o que importa foi o que ocorreu depois.

Silvino Movimenta o Meio Político

Nesta época o Rio Grande do Norte era governado por Alberto Frederico de Albuquerque Maranhão, membro da então poderosa oligarquia Maranhão, que utilizava o jornal “A Republica” como seu principal meio de divulgação das atividades do seu governo e do seu grupo político.

No outro lado estava uma oposição que utilizava o periódico “Diário de Natal” como principal meio de comunicação e possuía nomes como Almeida Castro, Érico Souto, Homem de Siqueira, Virgílio Bandeira, João Gurgel e outros. Neste período cabia a Augusto Leopoldo Raposo da Câmara atacar e responder ao governo nas páginas do “Diário de Natal”.

Augusto Leopoldo era natural de Ceará Mirim-RN, nasceu em 22 de agosto de 1856. Ingressou no curso de Ciências Jurídicas e Sociais da Faculdade de Direito do Recife em 1876, bacharelando-se em 1880. Apos seu regresso a Natal, trabalhou como advogado, jornalista e na militância política. Ocupou os cargos de secretário e de líder de seu partido, destacando-se pelo espírito combativo com que defendia os interesses públicos e os direitos das minorias.

O clima político era pesado, com acusações de ambas as partes fazendo parte do dia a dia dos periódicos de Natal.

Após a publicação da notícia da “visita” de Antônio Silvino a Jardim do Seridó, a pena de Augusto Leopoldo entrou em ação. No “Diário de Natal” de 29 de agosto, ele veementemente que a notícia era inverídica. Passou a acusar o governo de utilizar a desculpa da passagem de Antônio Silvino para enviar uma força policial a região, para realizar pressão eleitoral junto às populações sertanejas. Para corroborar sua tese, Augusto Leopoldo afirmava que Antônio Silvino “apesar de cangaceiro”, não era um “homem mau” e, “afora solicitar algum dinheiro”, praticamente “não fazia desatinos contra a população potiguar”.

Leopoldo sabia que em 30 de janeiro de 1912, em menos de seis meses, seriam realizadas as eleições para a escolha de deputados federais, onde ele era um dos candidatos. O envio de uma força policial com muitos homens ao Seridó, com as práticas típicas da oligarquia dominante no Rio Grande do Norte, poderia ser um problema.

Antônio Silvino

No outro dia, na reportagem intitulada “Começou cedo!”, o jornal do governo contra atacava.

Na época a redação de “A Republica” era capitaneada pelo deputado federal Sergio Barreto, que começava declarando que “a oposição buscava desculpas para a futura derrota do mês de janeiro”. A nota dizia que os membros do jornal governista se declaravam “estupefatos” diante da opinião do bacharel em direito, que desprezava o furo jornalístico, conseguido pelos repórteres junto aos membros do Tesouro do Estado sobre a passagem de Antônio Silvino por Jardim do Seridó.

Briga Pelos Jornais

Augusto Leopoldo continuou através do jornal “Diário de Natal” a atacar o envio de tropas.

Mas o jornal governista, em nota intitulada “Pela Verdade-Leopoldo e Antônio Silvino”, em meio a pesadas respostas as acusações do advogado nascido em Ceará-Mirim, enaltecimentos a ação governamental de Alberto Maranhão, o jornal do redator chefe Sergio Barreto criticava a posição de Augusto Leopoldo, afirmando a necessidade da ida e permanência das tropas policiais no sertão potiguar, pois Antônio Silvino “ainda gravitava pelo interior” do Rio Grande do Norte e “poderia ser perigoso como havia sido no passado”.

A imprensa potiguar não esquecia que no ano de 1901, quando Antônio Silvino estava sendo caçado pela polícia paraibana desde a região da cidade de Santa Luzia, acabou adentrando o Rio Grande do Norte pelo atual território da cidade seridoense de Ouro Branco e seguiu para a Fazenda Pedreira, a certa distância de Caicó, onde ocorria uma festa de casamento. Mesmo a contragosto, o cangaceiro e sua gente foram recebidos pelos proprietários. Mas a polícia paraibana vinha no encalço e ocorreu um combate que ficou conhecido como “Fogo da Pedreira”, de grande repercussão em todo estado.

Antônio Silvino, que certamente não tinha ideia de como seu nome estava sendo tão comentado nos dois principais jornais natalenses da época, continuava seu trajeto em terras potiguares e novos fatos eram estampados em “A Republica”.

Através de carta recebida de “pessoa fidedigna”, afirmava que Antônio Silvino estivera na fazenda de Joaquim das Virgens Pereira, onde as informações apontavam que ele havia sido bem recebido, tinha tratado todos bem, mas para o jornal não era por isso que o governo de Alberto Maranhão deveria dar trégua ao cangaceiro pernambucano.

Apesar de toda a reclamação e toda a polêmica nos jornais, em 30 de janeiro de 1912 ocorreram as eleições e Augusto Leopoldo Raposo da Câmara foi eleito com 2.462 votos apurados em todo o estado. No futuro Leopoldo seria vice-governador do estado entre 1924 e 1927, durante a gestão de José Augusto Bezerra de Medeiros. Veio a falecer no Rio de Janeiro, a 11 de dezembro de 1941.

Segundo Tarcizio Dinoá de Medeiros, autor de um ótimo site sobre genealogia do Seridó Potiguar (http://tarciziomedeiros.com.br), João Alves de Oliveira era paraibano de Picuí, onde nasceu a 11 de fevereiro de 1860. Mudou-se para Jardim do Seridó onde foi fazendeiro, comerciante, comprador de algodão e chefe político, tendo desempenhado nos anos de 1899 a 1901 os cargos de Delegado de Polícia e Prefeito Municipal e foi major da Guarda Nacional. Faleceu naquela cidade, de problema cardíaco, a 28 de abril de 1912, aos cinquenta e dois anos de idade. Era casado com Francisca Paulina de Oliveira.

João Alves foi contemporâneo e amigo do meu bisavô, Joaquim Paulino de Medeiros, dono da Fazenda Rajada, em Acari.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

Anúncios

Uma opinião sobre “ANTÔNIO SILVINO E A POLÍTICA POTIGUAR”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s