MARYSE BASTIÉ – A PIONEIRA DA AVIAÇÃO QUE PASSOU POR NATAL

MARYSE BASTIÉ – A PIONEIRA DA AVIAÇÃO QUE PASSOU POR NATAL Como uma Antiga Operária de uma Fábrica de Sapatos se Tornou a Mais Importante Aviadora da História da França – Voos Entre Glórias e Tristezas – Como Ela Conquistou o Atlântico Sul em Um Pequeno Avião – Quando Esteve em Natal? – Em Paris Junto ao Deputado Dioclécio Duarte e as Memórias de Natal – Nome de Rua na Capital Potiguar

Como uma Antiga Operária de uma Fábrica de Sapatos se Tornou a Mais Importante Aviadora da História da França – Voos Entre Glórias e Tristezas – Como Ela Conquistou o Atlântico Sul em Um Pequeno Avião – Quando Esteve em Natal? – Em Paris Junto ao Deputado Dioclécio Duarte e as Memórias de Natal – Nome de Rua na Capital Potiguar

Rostand Medeiros – Escritor e Pesquisador.

Na noite de segunda-feira, 23 de dezembro de 1935, rugiu sobre Natal e amerissou no Rio Potengi um grande hidroavião de desenho incomum. Tinha quatro motores colocados em uma asa que era sustentada por uma grossa estrutura onde ficava a cabine de comando, com três motores voltados para a dianteira da aeronave e um para a parte traseira. Aquele estranho pássaro metálico tinha sido construído pela empresa francesa Bleriot para transportar correio aéreo até a América do Sul e era batizado como Santos Dumont. A tripulação conseguiu atravessar o Atlântico Sul sem problemas, depois de partirem pela manhã da cidade de Dakar, a antiga capital da África Ocidental Francesa e hoje capital do Senegal.

A primeira vez que Maryse Bastié veio a Natal foi no Hidroavião Bleriot 5190 Santos Dumont.

Naquela semana de comemorações natalinas, a passagem dessas aeronaves já não era nenhuma novidade no Rio Grande do Norte, que desde 1927 recebia com crescente frequência variados tipos de aviões e hidroaviões. No começo a maioria delas se destinava a bater recordes, superar limites aéreos e transformar seus pilotos em figuras de destaque na mídia internacional, mas nos últimos anos Natal vinha assistindo um intenso tráfego de aeronaves que transportavam passageiros e, principalmente, o rentável transporte de cartas e encomendas. Na época esse era o principal negócio do avião comercial, pois vivia-se em um mundo que nem sequer imaginava algo como a internet e os e-mails.

Quem pilotava o Santos Dumont era o francês Jean Mermoz, um homem de 34 anos, alto, forte, com pinta de ator de cinema e que em 1935 era muito famoso pelos seus feitos no meio aéreo. Seguramente sua maior realização foi a primeira travessia comercial do Atlântico Sul, fato ocorrido entre os dias 12 e 13 de maio de 1930, quando Mermoz, acompanhado do copiloto Jean Dabry e do navegador Léopold Gimié, voaram os 3.200 km de distância entre Saint-Louis-du-Senegal e Natal, com 130 quilos de correspondência, em 21 horas e 30 minutos. Realizaram a proeza em um hidroavião monomotor Latécoère 28-3, pintado de vermelho, com a matrícula F-AJNQ.

Mesmo com todo esse movimento aéreo sobre os céus de Natal, que naquela época repercutia em todo o meio aeronáutico mundial, a verdade é que a chegada do hidroavião Santos Dumont, mesmo com seu piloto famoso, pouco chamou a atenção dos natalenses. A razão foi uma convulsão política que se iniciou na capital potiguar e mexeu com todo o Brasil.

Quartel da Força Policial, conhecido como “Quartel de Salgadeira”, em Natal, após ser metralhado durante a Intentona Comunista – Foto – toxina1.blogspot.com

Deflagrada exatamente um mês do Santos Dumont chegar a Natal, a chamada Intentona Comunista foi iniciada por militares do 21º Batalhão de Caçadores e deixou a comunidade local extremamente chocada com os saques, ataques, tiroteios e mortes. Depois de iniciada em Natal, os comunistas deflagraram outras ações no Recife e no Rio de Janeiro, mas todas foram controladas por forças federais legalistas em pouco tempo. Apesar da derrota dos comunistas, um mês depois as movimentações em decorrência dessa crise ainda ocorriam na cidade. No sábado e no domingo antes da chegada do hidroavião Santos Dumont, respectivamente deixaram Natal os militares do 20º Batalhão de Caçadores do Exército Brasileiro e os membros do Regimento Policial da Paraíba (A República, Natal, 22/12/1935).

Apesar de toda essa situação, uma das pessoas transportadas pelo Santos Dumont chamou atenção da imprensa natalense e nacional quando desembarcou. Era uma mulher de baixa estatura, com 37 anos de idade, esbelta, de olhos vívidos e claros, com um sorriso franco e aberto. Era a aviadora francesa Maryse Bastié, que tal como Mermoz já era famosa no final de 1935 pelos seus inúmeros feitos aeronáuticos.

Notícia da primeira chegada de Maryse Bastié a Natal.

Mas o que Mademoiselle Bastié veio ver na pequena Natal, então com cerca de 40.000 habitantes, viajando com um dos pilotos mais famosos do mundo, através de uma rota longa e perigosa?

E o mais importante, quem era Maryse Bastié?

Outra nota da primeira chegada de Maryse Bastié a Natal.

A Operária Que se Tornou Aviadora

Atualmente Maryse Bastié é seguramente a mulher mais importante e famosa na história aeronáutica francesa, sendo muito lembrada como uma das mulheres mais arrojadas e destemidas pioneiras na área da aviação. Mas o início de sua vida não foi nada fácil e sua chegada ao comando de um avião foi uma luta constante e dura, principalmente quando compreendemos a situação das mulheres nas primeiras décadas do século XX.

Nascida Marie-Louise Bombec, no dia 27 de fevereiro de 1898, na cidade de Limoges, no centro-oeste da França, a jovem era oriunda de uma família muito humilde, mas que conseguiam sobreviver com algum conforto, pois seu pai, Joseph Bombec, era um operário especializado com a função de ferreiro (outros apontam que ele seria um moleiro). Já sua mãe, Céline Filholaud, era uma mulher amorosa, dona de casa e mãe de oito filhos.

Limoges cidade natal de Maryse Bastié no início do Século XX.

Infelizmente Marie-Louise ficou órfã de seu pai em 1908, que faleceu de tuberculose, sendo sua família obrigada a deixar casa paterna para viver em um pequeno ambiente na periferia de Limoges. A menina deixou a escola e começou a trabalhar aos 13 anos como uma modesta costureira de couro, em uma fábrica de calçados.

Ela detestava o trabalho repetitivo e realizado em condições complicadas. Buscou então refúgio nos livros, lendo tudo que aparecia na sua frente, principalmente clássicos e romances. Existe a informação que em 1914 Marie-Louise passou a trabalhar como costureira em uma fábrica de roupas militares. Ainda durante a Primeira Guerra houve outra perda para a jovem operária – em 1916 seu irmão Pierre Bombec é morto nas trincheiras.

Operárias francesas no início do Século XX.

Talvez em meio a todos esses momentos extremos foi que Marie-Louise, com apenas 16 ou 17 anos, mesmo contra os conselhos de sua mãe, casou-se com o pintor de porcelanas Jean Baptiste Gourinchas, de 18 anos. Dessa união nasce um filho chamado Germain. Em meio a muitas crises, em pouco tempo ela pediu o divórcio de Gourinchas.

A partir de 1919 Marie-Louise Gourinchas trabalhou como datilografa na Companhia de Eletricidade de Limoges. É provável que nesse ponto de sua vida, aquela jovem mãe divorciada poderia ter continuado sua existência marcada unicamente pela dura luta pela sobrevivência, em meio a fortes preconceitos pela sua situação, em uma França que se recuperava dos flagelos da Primeira Guerra Mundial. Mas a mudança em sua vida ocorreu quando Marie-Louise se uniu ao ex-piloto militar Louis Bastié, um amigo que ela conseguiu através de troca de correspondências no final da Primeira Guerra Mundial.

Foi ao lado desse veterano que ela descobriu a paixão pela aviação. Mas antes de alçar voo, Marie-Louise administrou uma loja de sapatos na cidade de Cognac, certamente utilizando a experiência adquirida na fábrica de sapatos. Mais tarde, seu marido retornou ao exército francês na função de instrutor de voo em Bordeaux-Mérignac, um dos mais antigos aeroportos em atividade na França. A convivência com Louis e o meio aéreo proporcionaram à jovem Marie-Louise Bastié vários voos como passageira em pequenos biplanos de instrução.

O ambiente de hangar, com aeronaves, mecânicos e pilotos, se tornou normal para Maryse Bastié na década de 1920.

O movimento aéreo de Bordeaux-Mérignac encantou Marie-Louise e a área se torna o seu “playground”, onde passeia entre os hangares, aviões em manutenção e motores sendo consertados pelos mecânicos. Não demorou e aprendeu a voar com o instrutor Guy Bart, amigo do seu marido, obtendo sua licença de voo em 29 de setembro de 1925.

Apenas uma semana depois de conseguir esse documento, ela elabora um plano para realizar sua primeira proeza aérea e assim mostrar suas habilidades, atrair a atenção de um possível empregador nessa área e também da mídia. Nos comandos de um frágil biplano Caudron G3, Marie-Louise conseguiu passar com essa aeronave abaixo dos cabos que ligavam as duas enormes pilastras de ferro de uma ponte inacabada em Bordeaux e chamada Pont Transbordeur de Bordeaux. A jovem aviadora realizou esse voo diante de uma multidão de curiosos, sobre o Rio Garonne.

O frágil biplano Caudron G3, Marie-Louise abaixo dos cabos que ligavam as duas enormes pilastras de ferro sobre o Rio Garonne.

Bem, quem olhar a foto acima pode até pensar que esse voo não foi lá essas proezas todas em termos de dificuldades. Mas não podemos esquecer que no comando da pequena aeronave estava uma mulher, que então vivia na moderna e tão decantada França, um país onde em 1925 as mulheres nem sequer votavam e só podiam abrir um negócio com o consentimento do marido. Logo, no dia 13 de novembro, essa mesma mulher voou de Bordeaux a Paris em seis etapas. Essa foi sua primeira viagem aérea.

No ano seguinte uma nova e trágica reviravolta ocorre na vida de Marie-Louise, pois seu companheiro Louis morreu diante de seus olhos no dia 15 de outubro de 1926, durante um voo de teste.

Longe de desanimar e para ganhar dinheiro ela realizou vários voos de publicidade, participou de um rally aéreo e realizou ousadas acrobacias diante de multidões em variados eventos. É nessa época, talvez motivada por questões comerciais, que ela deixou de lado seu nome de batismo e passou a assinar Maryse Bastié.

Voos Entre Glórias e Tristezas

Com o dinheiro arrecadado em seus trabalhos aéreos, mesmo em meio a muitos sacrifícios, Maryse conseguiu adquirir em 1929, por empréstimo, um Caudron C.109 de dois lugares. Era um avião utilitário leve, com pequeno motor Salmson de 40 hp, que ela batizou de “Trotinette” (Patinete).

O Caudron C.109 que Maryse Basté batizou de “Trotinette” (Patinete).

Apesar desse avião não ser mais que um simples “teco-teco”, Maryse conseguiu realizar um recorde de voo de larga duração para mulheres em 27 de julho de 1929. Em parceria e com o apoio financeiro fornecido pelo piloto Maurice Drouhin, ela decolou de Paris e chegou até a cidade alemã de Treptow-sur-Rega, na região da Pomerânia Ocidental, cobrindo a distância de 1.058 km em 26 horas e 47 minutos. Por esta conquista, Maryse e Drouhin receberam um total de 25.000 francos. Drouhin e um mecânico morreram pouco depois, em agosto de 1928, durante um voo de teste com um avião Couzinet 27, em Paris-Le Bourget.

Ainda em 1929, Maryse Bastié realizou um voo onde circulou o Aeroporto Le Bourget de Paris por longas 26 horas e 48 minutos, quebrando o recorde de duração de voo solo para mulheres.

Pouco tempo depois Lena Bernstein, uma descendente de russos nascida em Leipzig, Alemanha, e morando na França, ficou mais tempo voando em circuito fechado que Maryse. Em 30 de setembro de 1930 a francesa deu o troco, quando voou o seu avião leve Klemm L 25, de fabricação alemã, por 37 horas e 55 minutos, estabelecendo um novo recorde de duração de voo solo feminino. Ela lutou contra o frio, a falta de sono, fumaça do escapamento do motor e quase caiu exausta. Consta que nesse voo, para ficar desperta após mais de 24 horas no ar, ela borrifou água de colônia nos olhos, que arderam enormemente, mas o sono passou na hora. Uma multidão de parisienses lhe acolheu após o pouso.

Logo Maryse retorna as primeiras páginas dos jornais em todo mundo com um voo sensacional de longa distância, estabelecendo um novo recorde internacional de voo em linha reta para aviões monopostos, pilotado de forma solitária e por uma mulher. Entre os dias 28 e 29 de junho de 1931 Maryse decolou de Paris e seguiu até o centro da antiga União Soviética, mais precisamente na localidade de Yurino, perto da cidade de Nizhny Novgorod, onde percorreu 2.976 km, em mais de 30 horas de voo, a uma velocidade média de 97 km/h.

Por esse feito Maryse Bastié recebeu do governo francês a Cruz de Cavaleiro da Legião de Honra, foi agraciada pela International League of Airmen com o International Harmon Trophy como “a melhor aviadora do mundo” (atribuído pela primeira vez a uma francesa) e foi condecorada pelo governo soviético com a Ordem da Estrela Vermelha. 

Nada mal para uma mulher nascida em um lar humilde, que foi uma operária em uma fábrica de calçados, com várias perdas pessoais ao longo de sua vida, sem títulos acadêmicos, mas com muita coragem e determinação para seguir adiante.

A partir de então, ela conseguiu viver da renda que ganhava pilotando seu próprio avião e da publicidade.

Em 1934, seu compromisso tomou um rumo mais político e militante: Maryse uniu forças com as aviadoras Hélène Boucher e Adrienne Bolland e apoiaram a associação “La femme nouvelle” (A nova mulher). Fundada em 1934 pela política, feminista, escritora e jornalista Louise Weiss, essa entidade visava o sufrágio feminino e o fortalecimento do papel da mulher na vida pública francesa. Vale lembrar que a França foi um dos primeiros países no mundo a instaurar o sufrágio universal masculino, mas um dos últimos da Europa onde as mulheres puderam escolher livremente seus representantes políticos, fato que só aconteceu em outubro de 1945, após o fim da ocupação alemã.

O ano de 1935 para Maryse Bastié se iniciou promissor e com muitos planos. Ela e o amigo piloto Guy Bart fundaram uma escola de voo na área do Aeroporto de Orly, ao sul de Paris. É quando um duro golpe do destino lhe atingiu novamente – Em 6 de junho de 1935 faleceu no hospital de Bizerte, Tunísia, seu filho Germain, que estava a serviço da marinha francesa. Tinha apenas 20 anos de idade e morreu de febre tifóide. 

Provavelmente devido a toda essa situação, o desenvolvimento da escola durou pouco. Mas foi nessa ocasião, talvez buscando dar uma nova guinada em sua vida e fugir das tristezas, que Maryse Bastié começou a planejar seu voo que a traria a Natal e ao Brasil, superando para isso o temido Atlântico Sul.

Atravessando o Vasto Oceano

Outra imagem do hidroavião Santos Dumont.

Com a ajuda do amigo Jean Mermoz, a aviadora conseguiu em 23 de dezembro de 1935 uma vaga a bordo do hidroavião Bleriot 5190 Santos Dumont, onde realizou o voo completo e aprendeu todos os detalhes existentes sobre a rota do Atlântico Sul. Mermoz já havia realizado dezenas de vezes esse mesmo trajeto e disse a Maryse que naquela viagem ela era “o terceiro piloto” da aeronave. A aviadora permaneceu em Natal até os primeiros dias de 1936 e retornou a Paris pela Air France.

O interessante sobre esse voo preliminar de Maryse Bastié a Natal é que entre os vários aviadores famosos que utilizaram a capital potiguar durante o período clássico da aviação mundial, homens e mulheres de quase duas dezenas de nações, Bastié é um dos poucos aviadores que realizou um voo preliminar atravessando o Atlântico Sul, para só então realizar seu trajeto com maior segurança.

Avião Caudron Simoun, nesse caso um modelo C630, preservado na França.

Durante o ano de 1936 Maryse Bastié vai preparando detalhadamente o seu voo que a traria novamente a Natal. O avião escolhido foi o Caudron Simoun C635, uma aeronave monomotor para quatro passageiros, trem de pouso fixo, sendo o primeiro avião de sua categoria a voar a mais de 300 km/h. Foi um sucesso instantâneo de vendas e só a Força Aérea Francesa encomendou 490 aeronaves.

Foi o Governo da França, através do Ministério do Ar, cujo titular era Pierre Cot, quem lhe cedeu a aeronave, em meio a muita papelada e burocracia. No entanto, o ministro Cot nem sempre apreciou os serviços de Maryse Bastié. Quando essa aviadora, no auge de sua fama, pediu um emprego na aviação civil, Cot lhe disse que era muito cedo para “ver em larga escala conquistas iguais na aviação para homens e mulheres!”.

O avião Caudron Simoun C635 tinha basicamente 8,70 metros de comprimento, 10,40 m. de envergadura e 2,25 m. de altura. Em termos de extensão, era mais ou menos do tamanho de um micro-ônibus comum. Possuía um motor Renault Bengali 6Q de seis cilindros em linha, refrigerado a ar, com cerca de 160 kW (220 hp) de potência contínua. Maryse ainda realizou alguns voos de testes e tudo funcionou normalmente.

A aeronave não recebeu maiores alterações para o voo sobre o Atlântico Sul. A mais significativa foi buscar internamente mais espaço para acomodar um tanque de gasolina de 890 litros e ampliar a autonomia de voo. Aí foram retirados dois assentos cobertos de couro vermelho, dos quatro normalmente existentes. 

Quando os preparativos para o seu voo estavam na reta final, Maryse Bastié e a França foram atingidos por uma nova tragédia – Jean Mermoz desapareceu no Atlântico Sul.

Hidroavião quadrimotor Latécoère 300 que desapareceu com Jean Mermoz e toda tripulação em dezembro de 1936.

Em 7 de dezembro de 1936 Mermoz partiu de Dakar para Natal com outros quatro tripulantes em um hidroavião quadrimotor Latécoère 300, que possuía o registro F-AKGF, era batizado como Croix-du-Sud (Cruzeiro do Sul) e realizava seu 25º voo cruzando o Atlântico. Sabe-se que menos de uma hora depois de sair de Dakar, a tripulação confirmou por rádio que estavam enfrentando um problema técnico com o motor traseiro direito e que retornavam, onde amerissaram sem alterações. Vários controles foram feitos nesse motor, sendo detectado um vazamento de óleo e se concluiu que aquela máquina deveria ser trocada. Como não havia um motor sobressalente disponível, a tripulação fez uma limpeza completa e decolou novamente de Dakar.

Outra imagem do Latécoère 300 que desapareceu com Jean Mermoz.

Quatro horas depois a estação de rádio recebeu uma mensagem curta em código Morse, onde foi informado que Mermoz teve de cortar a energia do motor traseiro esquerdo da aeronave. A mensagem foi interrompida abruptamente e nada mais foi recebido. Apesar das buscas realizadas, o hidroavião e os tripulantes desapareceram e nenhum vestígio foi encontrado!

O desaparecimento de Jean Mermoz é vivido na França como um desastre nacional. Certamente chocada com toda situação, Maryse decidiu batizar de Jean Mermoz seu pequeno Caudron Simoun, como uma homenagem ao seu amigo e grande aviador. Um jornal carioca informou que ela só batizou a aeronave após pedir permissão à mãe de Mermoz e a pintura com o nome do finado aviador teria ocorrido em Natal (Correio da Manhã, Rio, 13/01/1937, P. 3).

Pintura do nome de Jean Mermoz no avião de Maryse Bastié, que teria sido feito em Natal.

Apesar de toda expectativa, Maryse avança no seu intento. Em 19 de dezembro de 1936 ela chegou a Dakar e começou a preparar sua travessia.

Existe uma informação, proveniente de um documentário francês sobre Maryse Bastié, afirmando que quando estava tudo pronto para o voo, a aviadora ficou aguardando em Dakar a chegada de um hidroavião da Air France proveniente de Natal, cuja tripulação lhe transmitiu informações de última hora sobre as condições do tempo ao longo do grande trajeto. Qual foi esse hidroavião e quem eram seus tripulantes?

Bem, olhando os jornais da época, sabemos que naquela última semana de 1936 estiveram entre Natal e Dakar duas aeronaves. Uma foi o avião Farman F 2200, matrícula francesa F-AOXE, batizado como Ville de Montevideo e pilotado por Henri Guillaumet, sendo ele o único tripulante informado pelos jornais. Guillaumet foi um grande amigo de Jean Mermoz e com esse mesmo avião realizou várias buscas quando o famoso piloto sumiu no Atlântico Sul (Jornal Pequeno, Recife, 22/12/1936, P. 2). A segunda aeronave foi outro Farman F 2200, com a matrícula francesa F-AOXF, batizado como Ville de Mendoza, sendo pilotado por Fernand Rouchon, tendo como copiloto Henri Delaunay, navegador Léopold Gimié, radiotelegrafista Paul Comet e o mecânico Pichard (A Ordem, Natal, 23/12/1936, P. 3).

Não sabemos qual desses aviões chegou a Dakar, mas certamente os tripulantes transmitiram à aviadora francesa que o Atlântico Sul estava tranquilo, calmo e que ela iria ter uma travessia exitosa. Pois foi exatamente isso que aconteceu!

O Caudron Simoun C635, a simples e prática aeronave utilizada pela aviadora Maryse Bastié no seu trajeto entre Dakar a Natal.

Voo Tranquilo, Onde Comeu Alguns Damascos

Na manhã de 31 de dezembro de 1936 ela decolou o Caudron Simoun C635 prateado e com detalhes em vermelho. Afora a partida de Dakar, quando voou através de neblina e nuvens de tempestade, e na chegada ao Brasil, quando ventos fortes provocaram uma pequena alteração de rumo, o voo foi uma tranquilidade só.

Mesmo com esse desvio no final, Maryse completou o trajeto através do Atlântico Sul em doze horas e cinco minutos, tendo percorrido 3.173 quilômetros, a uma velocidade média de 264 quilômetros por hora. Para navegar no seu minúsculo avião Maryse Bastié contava apenas com uma bússola e ela foi uma hora mais rápida que o voo da bela aviadora Jean Batten, da Nova Zelândia, recordista anterior nessa travessia.

O avião original de Maryse Bastié.

Eram depois das quatro da tarde quando o Caudron Simoun C635 chegou em Natal, vindo do litoral norte e não da direção leste, do meio do Atlântico.

Ao sobrevoar a capital dos potiguares Maryse realizou algumas evoluções durante vários minutos (Correio da Manhã. Rio, 31/12/1936, P1). Mas ela não estava interessada em proporcionar aos natalenses um pequeno espetáculo das capacidades de sua aeronave. Provavelmente Maryse se apresentava para seus amigos da Air France, que tinham escritório no Bairro da Ribeira, na Avenida Tavares de Lira, número 32, mostrando que a travessia havia sido um sucesso.

Propaganda com o endereço da Air France em Natal.

Outra possibilidade para essas evoluções seria a busca visual da linha ferroviária da Great Western, que seguia em direção sul. Aquela referência era crucial para a localização do Campo dos Franceses, também conhecido como Campo de Parnamirim, e local do pouso. Vale lembrar que na primeira ocasião que Maryse veio a Natal ela desembarcou em um hidroavião no Rio Potengi e não em Parnamirim.

Situação similar já havia acontecido em 5 de julho de 1928, quando os italianos Arturo Ferrarin e Carlo Del Prete pretendiam realizar um voo direto de Roma até o Rio de Janeiro, mas só deu para chegar ao Rio Grande do Norte. Ao sobrevoarem Natal, os dois italianos viram as pessoas acenando nas ruas, mas devido ao tempo nublado eles não conseguiram localizar a linha do trem para o sul. Com o combustível acabando e o céu fechado, a dupla decidiu procurar um local para aterrissar seu belo avião Savoia-Marchetti S-64. Só encontraram um ponto adequado perto da então vila de pescadores de Touros, a 70 km ao norte de Natal, bem onde o litoral do Brasil faz uma curva de quase 90º.

Mas provavelmente para Maryse Bastié os círculos realizados com sua aeronave sobre Natal deram certo, pois ela viu o que precisava ver e desapareceu rumo ao sul.

Segundo um jornal recifense (Jornal Pequeno, 05/01/1937, P. 1), que tinha na pista do Campo de Parnamirim um correspondente chamado Dória Correia, a primeira coisa que Marysé Bastié fez após pousar foi perguntar se teria “batido o recorde de Jean Batten? “. Ao ser informada que sim, as pessoas presentes gritaram “vivas” a ela e a França. Ela estava eufórica e comentaram o extremo carinho que Maryse demonstrava pela sua aeronave. Pouco tempo depois, ainda no campo de pouso, foi aberta uma champagne para comemorar seu voo, o novo recorde e antecipar a festa de comemoração da passagem de ano. Lhe perguntaram se durante o grande trajeto ela se alimentou e a sua resposta foi “Seulement Quelques abricots” (Apenas alguns damascos).

Ao correspondente Dória ela afirmou que durante a finalização do voo, devido aos fortes ventos, ela desviou a rota entre 96 a 100 milhas para o norte, visualizando o primeiro ponto do litoral potiguar na altura do Cabo de São Roque, atualmente parte do município de Maxaranguape, 40 km ao norte de Natal. Essa situação causada pelo vento deve ter relação com as chuvas que caiam nos estados nordestinos naquele fim de 1936, pronunciando que o novo ano seria de boas chuvas. Por essa razão ela chegou à cidade vindo do litoral norte.

Maryse Bastié então passou onze dias na capital potiguar, aguardando novas ordens do Ministério do Ar da França e saber os desdobramentos sobre a sua viagem. Nessa espera, sabemos, mesmo sem maiores detalhes, que Maryse Bastié foi extremamente bem recebida e chegou a ir até as praias da cidade, onde se encantou com os coqueirais que existiam.  

Outra notícia que foi divulgada enquanto a aviadora se encontrava em terras potiguares foi que ela teria recebido ordens de “retornar a França” e que um “alto commerciante” de Natal compraria o avião.

Mas quem seria esse abonado natalense?

Bem, Manoel Machado e Fernando Pedroza (um grande amante da aviação), já tinham falecido anos antes e foram os homens daquele tempo que tinham muito dinheiro no Rio Grande do Norte. Não foi esclarecido pelos jornais quem poderia ser o nababo que pretensamente iria adquirir o Caudron Simoun C635. Pessoalmente acredito que no final das contas essa notícia era falsa. Nota especulativa para vender jornal. Um “fake”, como se diz hoje em dia.

Uma outra notícia, veiculada em um jornal carioca, mostra algo curioso e um tanto inusitado durante o período que Maryse Bastié ficou em Natal.

Quando alguns dias depois que ela desembarcou no Rio, os jornalistas notaram que seu capacete branco, no tradicional estilo colonial francês e muito utilizado naquela época pelos gauleses na África e na Ásia, se encontrava faltando um botão de metal grosso e estava cheio de buracos de balas de pequeno calibre, acompanhados de assinaturas e setas desenhadas marcando esses buracos. Evidentemente que essa situação chamou a atenção dos jornalistas cariocas, que lhe cobriram de perguntas. A resposta da aviadora foi que um dia os seus amigos da Air France em Natal resolveram utilizar seu capacete como alvo para “tiros de carabina”. Quem abria um buraco no chapéu fazia uma seta e assinava o nome, mostrando quem realizou o disparo. Como o chefe da Air France não acertou o alvo, arrancou o grosso botão que ficava no alto do capacete.

Apesar da ida às praias, da falsa notícia da venda do avião e do “tiro ao alvo no capacete”, olhando os jornais natalenses não encontramos maiores informações sobre a presença de Maryse Bastié na cidade. Isso pode caracterizar um extremo isolamento quando ela aqui esteve, talvez preocupada em se expor enquanto o governo de sua nação decidia o que fazer com ela e com o avião, em meio a um Brasil cheio de problemas políticos.

Não podemos esquecer que em 21 de março de 1936 o Presidente Getúlio Vargas havia assinado o Decreto nº 702, que colocou todo o país em “Estado de Guerra”, que conferia ao chefe de Estado poderes extraordinários, só concedidos em tempo de guerra, e que normalmente seriam prerrogativas do Legislativo. Inicialmente essa situação tinha vigência inicial de 90 dias, mas se estendeu até meados de junho de 1937.   

Autorização para o voo de Maryse Bastié, mas sem máquina fotográfica.

Certamente após acertos entre os diplomatas do seu país e o governo brasileiro, Maryse Bastié foi autorizada a seguir viagem. O governo tupiniquim liberou para que a aviadora francesa pudesse voar sobre nosso litoral, entre Natal e o Rio de Janeiro, realizando uma parada para reabastecimento e descanso em Caravelas, na Bahia, mas exigiu que ela não levasse nenhum “apparelho photographico”. E essa ordem veio diretamente do poderoso Ministério da Guerra, cujo ministro era o general Eurico Gaspar Dutra, futuro Presidente do Brasil.

Maryse Bastié no Rio.

Maryse Bastié deixou Natal em direção ao Rio no dia 11 de janeiro de 1937, decolando por volta das cinco e meia da manhã. As oito e quinze estava sobrevoando Recife e as onze e meia se encontrava sobre a cidade baiana de Caravelas, onde aterrissou e pernoitou. No dia 12, pelas seis da manhã ela decolou e seguiu direto para o Rio de Janeiro, pousando no mítico Campo dos Afonsos às nove e meia, onde foi festivamente recebida e passou vários dias na então Capital Federal.

O voo de Maryse Bastié no pequeno Caudron Simoun C635 foi um sucesso!

Maryse no Rio.

Memórias de Natal Junto Com o Deputado Dioclécio Duarte

Maryse Bastié retornou à França a bordo de uma aeronave da Air France, sendo triunfantemente recebida em casa. Ainda em 1937 ela recebeu do governo do seu país o grau de “Oficial da Legião de Honra”. Pelo governo brasileiro a aviadora recebeu a Ordem do Cruzeiro do Sul, a maior honraria concedida pelo nosso país. Maryse recebeu a medalha brasileira na antiga sede da Embaixada do Brasil na França, na Avenue Montaigne, 45, das mãos do embaixador Luiz Martins de Souza Dantas. O mesmo Souza Dantas que se notabilizaria tempos depois, durante a Segunda Guerra, por ter concedido centenas de vistos diplomáticos que salvaram a vida de inúmeros fugitivos dos nazistas, principalmente judeus, mesmo contrariando ordens do Governo Brasileiro.   

O colar que Maryse Bastie utiliza, com uma grande estrela, é a Ordem do Cruzeiro do Sul, que essa aviadora fazia questão de utilizar.

Mas voltando a Maryse Bastié, a simpática piloto não se acomodou no seu retorno à França. Logo conseguiu do governo do seu país o apoio para realizar, entre novembro de 1937 até março de 1938, uma turnê de palestras em vários países da América do Sul, utilizando um avião como meio de transporte.

Existe a informação que ela quis realizar esses voos com o mesmo avião com que conseguiu atravessar o Atlântico Sul, mas apuramos que esse valente aviãozinho deixou Natal em uma data indeterminada e seguiu provavelmente para o Rio de Janeiro, onde ficava a sede da Air France no Brasil e a Embaixada da França. De lá, por razões desconhecidas, seguiu para Montevidéu, capital do Uruguai. Consta que Maryse Bastié foi atrás da aeronave em um aeroporto uruguaio, mas o encontrou bastante deteriorado, sem condições de utilização e daí fez uso de outro avião. 

Após o seu retorno à França, as nuvens negras da Segunda Guerra Mundial surgiram no horizonte e em 1 de setembro de 1939 o conflito teve início.

Nazistas em Paris.

Maryse e outras três mulheres pilotos foram voluntárias da Força Aérea Francesa, realizando voos para levar aviões para a frente de combate, mas sem reconhecimento oficial. Somente oito meses depois, em 27 de maio de 1940, foi quando surgiu um decreto que autorizou a criação de um corpo feminino de pilotos auxiliares e Maryse recebeu a patente de segundo tenente. Mas a sua designação hierárquica na força aérea do seu país teve vida muito efêmera, pois menos de um mês depois, em 22 de junho, a França se rendeu oficialmente a Alemanha Nazista.

Na sequência Maryse ofereceu seus serviços à Cruz Vermelha, em particular aos prisioneiros franceses agrupados no Campo de Deportação de Drancy, um infame campo de concentração temporário a poucos quilômetros ao norte de Paris. Junto com suas atividades na Cruz Vermelha, ela coletava informações das atividades dos inimigos para a Resistência Francesa que lutava contra a ocupação nazista. Ainda em Drancy, em uma ocasião que um trem partiu para a Alemanha, ela é brutalmente empurrada por uma sentinela inimiga e fratura o cotovelo direito, que lhe deixou com uma deficiência permanente e Maryse não conseguiu mais pilotar.

Libertação de Paris pelas forças Aliadas.

Após a libertação de Paris em 1944, ela se juntou ao Corpo Auxiliar Feminino da Força Aérea e voltou a ocupar o posto de tenente. Em 1947 tornou-se a primeira mulher a receber o posto de Comandante da Legião de Honra e a partir de 1951, ela trabalhou para o departamento de relações públicas de um centro de voo de testes.

No sábado, 28 de junho de 1952, Maryse Bastié se reencontrou com o Brasil e, através da presença de um natalense ilustre, certamente com as memórias da sua visita a Natal e ao Rio Grande do Norte.

Nessa data, segundo uma reportagem publicada na revista O Cruzeiro (edição 09/08/1954, P. 61 a 63) ocorreram em Paris vários eventos que celebravam a figura do brasileiro Alberto Santos Dumont. Entre os eventos houve um jantar no restaurante La Coupole, no bairro de Montparnasse, um local fundado em 1927, muito popular na capital francesa e até hoje em funcionamento. O jantar foi organizado pelo governo francês e contou com a ilustre presença de Vicent Auriol, então Presidente da França, além de vários ministros, muitas autoridades e celebridades, entre elas a aviadora Maryse Bastié.

Da parte do Brasil muitas autoridades estavam presentes, entre eles o brigadeiro Nero Moura, então Ministro da Aeronáutica. Outro que estava lá era o deputado federal pelo Rio Grande do Norte Dioclécio Dantas Duarte, do Partido Social Democrático (PSD), que inclusive foi condecorado pelo Presidente Vicent Auriol com a Ordem Nacional da Legião de Honra da França.

Então, entre as fotos publicadas pela revista O Cruzeiro, vemos Maryse Bastié em um animado papo com o deputado Dioclécio Duarte, que era fluente em francês (além de inglês, alemão e italiano). A aviadora trazia ao pescoço a sua Medalha da Ordem do Cruzeiro do Sul.

Sobre o que falaram? Não sei! Mas provavelmente lembraram a passagem de Maryse por Natal entre o final de 1936 e o início de 1937, quando aqui ficou onze dias. Talvez o deputado tenha comentado como Natal havia mudado depois da presença das tropas americanas durante a Segunda Guerra, ou outros temas quaisquer. Talvez tenha sido uma noite com ótimos e interessantes momentos de memórias e recordações!

Apenas oito dias depois desse encontro, Maryse Bastié morreu carbonizada em um trágico acidente aéreo.

Ela que já havia voado milhares de quilômetros sem acidentes graves, perdeu a vida em 6 de julho de 1952, aos 54 anos, em voo no aeroporto de Lyon-Bron. Ela morreu após a queda de uma aeronave de transporte de dois motores Nord 2501 Noratlas, da Força Aérea Francesa. O avião caiu de uma altura de cerca de 200 metros e toda a tripulação de cinco pessoas também pereceu.

A famosa aviadora foi enterrada em Paris, no Cemitério de Montparnasse, onde seu túmulo permanece até hoje. Na França, muitas escolas – por exemplo, em sua cidade natal Limoges, levam o nome de Maryse Bastié. Em 1955 ela foi homenageada com seu retrato em um selo postal francês.

Natal não esqueceu de Maryse Bastié. Em janeiro de 1972 o engenheiro Ubiratan Pereira Galvão, então Prefeito de Natal, acatando um pedido do vereador Antônio Félix, que na época era o Presidente da Câmara de Vereadores de Natal, solicitou que uma rua ainda pouco habitada do bairro de Lagoa Nova se chamasse Maryse Bastié. E assim foi feito. Atualmente essa é uma das principais artérias desse bairro, um dos mais valorizados da capital potiguar.

CLAUS VON STAUFFENBERG – O HOMEM QUE TENTOU MATAR HITLER

Enfurecido com o atentado contra sua vida, Hitler insistiu que o próprio nome ‘Stauffenberg’ fosse apagado da história.

Autor – Nigel Jones – https://www.historynet.com/claus-von-stauffenberg-the-man-who-tried-to-kill-hitler/

Em 20 de julho de 1944, a família Stauffenberg estava reunida, como havia feito tantos verões antes, em sua casa de campo, conhecido como Schloss Stauffenberg (Castelo Stauffenberg), na aldeia de Lautlingen, nos ondulantes Alpes Suábios do sul da Alemanha, a nordeste da cidade de Bamberg. 

Com a Segunda Guerra Mundial em seu quinto ano e tomando um rumo cada vez mais ameaçador para a Alemanha Nazista, a maioria dos membros adultos do sexo masculino do clã católico aristocrático dos Stauffenbergs — os gêmeos Alexander e Berthold, e seu brilhante irmão mais novo Claus — estavam ausentes. 

Presidindo a casa de seis crianças turbulentas estavam a esposa de Claus, Nina; a avó das crianças, Caroline, e sua tia-avó Alexandrine; e seu tio-avô Nikolaus Üxküll, conhecido por todos como “Tio Nux”. Só ele sabia que suas vidas estavam prestes a ser destruídas.

“A essa altura, a guerra estava se aproximando desconfortavelmente”, lembrou o filho mais velho de Claus, Berthold, em uma entrevista recente – o que tornou a fuga de sua casa, a cerca de 130 milhas (210 quilômetros) de Bamberg, especialmente bem-vinda. 

“Mesmo naquele remanso provincial havia constantes ataques aéreos e alarmes de ataque, e eu tive que fazer meus exames escolares em um abrigo subterrâneo. Os contínuos serviços memoriais para aqueles que haviam caído no front – no qual muitas vezes servi como coroinha católico – foram outra lembrança sombria da guerra. No entanto, o controle nazista ainda era absoluto. Fomos alimentados com uma dieta constante de propaganda prometendo-nos Endsieg, ou ‘vitória final’, na imprensa e rádio controladas pelo Estado, que eu naturalmente acreditei.”

Trompetistas da fanfarra da Deutsches Jungvolk em um comício nazista na cidade de Worms em 1933 – Fonte – https://en.wikipedia.org/wiki/Deutsches_Jungvolk#/media/File:Bundesarchiv_Bild_133-151,_Worms,_Fanfarenkorps_des_Jungvolkes.jpg.

Nessa época Berthold era um entusiasmado jovem nazista de 10 anos de idade, que ficou amargamente desapontado por ser apenas três dias mais jovem para se juntar naquele ano aos Deutsches Jungvolk, o ramo júnior da patética Juventude Hitlerista, ou Hitlerjugend. “Meu maior desejo era marchar por Bamberg carregando uma bandeira nazista à frente de um desfile de jovens”, disse. “Felizmente, minha mãe, que, sem que eu soubesse, compartilhava as opiniões antinazistas de meu pai, impediu isso.”

O pai de Berthold, Claus Philipp Maria Schenk Graf von Stauffenberg, Conde von Stauffenberg — um homem religioso com inclinação filosófica, um cavaleiro talentoso e um amante da poesia — estava prestes a se tornar mundialmente famoso por essas visões antinazistas. 

Foto do Coronel Claus von Stauffenberg, conspirador do atentado a Hitler, em 20 julho 1944 – Fonte – https://www.defesanet.com.br/ghbr/noticia/26076/EDITORIAL—Sindrome-von-Stauffenberg/

Mais ou menos ao mesmo tempo em que sua família estava sentada para almoçar em Lautlingen naquele sufocante dia de julho, Stauffenberg estava colocando uma bomba, escondida dentro de sua maleta, sob uma mesa de conferência em Wolfschanze (“Covil do Lobo”), o quartel-general de Hitler na Prússia Oriental, em uma tentativa de assassinar o Führer (líder) e derrubar seu regime. 

Stauffenberg estava a um passo de atingir seu objetivo quando a bomba explodiu aproximadamente às 12h40, demolindo a sala e matando três oficiais e um secretário. Mas Hitler foi apenas ferido – e foi a família Stauffenberg que foi dilacerada após a tentativa de golpe.

CRIANÇA DO NAZISMO

Foto de von Stauffenberg antes dos seus ferimentos – Fonte – dw.com

O jovem Berthold não via muito seu pai desde o início da guerra. O coronel von Stauffenberg, de 36 anos, era um soldado de carreira popular e capaz, escolhido por seus superiores para um futuro brilhante. Ele havia servido como oficial de estado-maior na conquista da Polônia em 1939, na invasão da França em 1940 e na campanha contra a Rússia em 1941.

Inicialmente Stauffenberg deu ao regime de Hitler do pré-guerra o benefício da dúvida. Mas de 1942 em diante, isso mudou drasticamente. Enjoado pelo assassinato em massa de judeus e o tratamento de populações civis na frente oriental, e pelo apetite insaciável de Hitler pela guerra e sua incompetência militar imprudente, Stauffenberg juntou-se a outros oficiais na conspiração ativa contra o domínio nazista.

No início de 1943, Stauffenberg foi enviado para a Tunísia como oficial sênior da 10ª Divisão Panzer para os últimos dias da campanha norte-africana. O outrora alardeado Afrika Korps do general Erwin Rommel estava agora encurralado contra o mar pelos americanos e britânicos. 

A luta foi intensa e em abril Stauffenberg foi gravemente ferido quando um avião americano metralhou seu carro-chefe do tipo Horch 108. Um oficial no banco de trás foi morto e Stauffenberg, cujo corpo foi atingido por estilhaços, perdeu o olho esquerdo, a mão direita e dois dedos da mão esquerda. 

Evacuado para Munique, surpreendeu os médicos com a rapidez de sua recuperação. Em semanas ele aprendeu a se vestir usando os dentes e os três dedos restantes.

No verão de 1943, Stauffenberg se juntou à família em Lautlingen para uma convalescença prolongada. Assim que ele voltou às suas funções naquele outono, a conspiração ganhou impulso quando seus colegas de complô o colocaram em um cargo de estado-maior no Ersatzheer, ou Exército de Substituição, com sede em Berlim. Lá, ele dirigiu revisões às ordens de mobilização do Exército de Substituição, codinome “Valquíria”, como cobertura para um golpe militar que usaria suas tropas para derrubar o regime na confusão após o assassinato bem-sucedido de Hitler.

DECIDI MATAR HITLER

A decisão de derrubar Hitler pesou muito sobre Stauffenberg. Ele comentou a um parente em meados de 1943 se “era certo sacrificar a salvação da própria alma se assim pudesse salvar milhares de vidas?”

Hitler no juramento da SS no Congresso do Partido do Reich – Fonte – http://www.jornalciencia.com/fascinio-e-terror-colorem-fotos-raras-da-alemanha-nazista/

Ele concluiu que não era apenas certo, mas imperativo. Na mesma época, ele disse a várias pessoas, incluindo Margarethe von Oven, uma secretária do Exército de Substituição que digitou as ordens que redigiu, que estava conscientemente “cometendo alta traição”. Ele acrescentou que, diante de um regime tão perverso, ele teve que escolher entre ação e inação, e como um cristão ativo só poderia haver uma decisão.

Em junho de 1944, Stauffenberg foi nomeado chefe do Estado-Maior do Exército de Substituição. Este era um posto-chave, dando-lhe acesso regular a Hitler nas conferências militares. 

Um exemplo da derrota dos alemães na Segunda Guerra – Militar alemão detido por brasileiros da FEB na Itália – Fonte Arquivo Nacional.

À medida que a situação militar da Alemanha piorava constantemente, Stauffenberg trabalhou para aperfeiçoar a trama e derrubar o regime a tempo de impedir uma invasão soviética da Alemanha. Capaz, enérgico e carismático, ele se tornou a cabeça, o coração e a mão orientadora da conspiração.

Berthold viu seu pai apenas três vezes depois que ele se juntou ao Exército de Substituição: por dois dias no Natal de 1943; em janeiro, no funeral do avô materno de Berthold; e por uma semana de licença em junho de 1944, que coincidiu com a invasão aliada da Normandia.

Apesar da posição cada vez mais precária da Alemanha, Berthold manteve sua crença infantil na vitória final – depositando sua fé nas bombas voadoras V-1 e nos foguetes V-2 projetados por Wernher von Braun e chovendo sobre a Grã-Bretanha mesmo quando os exércitos aliados se aproximavam da Alemanha.

Nina e Claus, a Condessa e o Conde von Stauffenberg – Fonte – https://www3.livrariacultura.com.br/claus-und-nina-von-stauffenberg-2012374110/p

“Naturalmente”, Berthold lembrou recentemente, “eu não tinha a menor ideia do que meu pai estava planejando e preparando, nem sabia o quanto minha mãe sabia de seus pontos de vista”. Por razões de segurança, nem ela nem ninguém da família, exceto o tio Nux e um irmão de Stauffenberg que participava da trama — estavam cientes dos planos precisos de Stauffenberg para matar Hitler. 

Mas a Condessa Nina von Stauffenberg sabia e compartilhava o desgosto de seu marido com o regime nazista cada vez mais criminoso, e teve que esconder cuidadosamente suas opiniões. “Os jornais estavam cheios do terrível destino daqueles que ouviam estações de rádio estrangeiras, negociavam no mercado negro ou espalhavam rumores derrotistas”, disse Berthold. “Esses casos geralmente terminavam em sentença de morte.”

LOTE DE BOMBA

Em meados de 1944, a situação parecia cada vez mais sombria e, em meados de julho, Stauffenberg estava a caminho de Wolfschanze. Em sua maleta ele carregava uma bomba composta de alto explosivo de plástico, que ele havia decidido – apesar de seus ferimentos incapacitantes – preparar e detonar na primeira oportunidade. 

Stauffenberg (à esquerda) em Rastenburg em 15 de julho de 1944. No centro Adolf Hitler. Stauffenberg já levava as bombas consigo. Mas decidiu não detoná-las naquele momento. Fonte – https://pt.wikipedia.org/wiki/Claus_Schenk_Graf_von_Stauffenberg#/media/Ficheiro:Bundesarchiv_Bild_146-1984-079-02,_F%C3%BChrerhauptquartier,_Stauffenberg,_Hitler,_Keitel.jpg.

Apenas seus confederados mais próximos na conspiração sabiam disso. Ele havia pedido a Nina que atrasasse sua partida para Lautlingen para que ele pudesse falar com ela primeiro, provavelmente pela última vez. Mas ele não pôde revelar o motivo, e ela já havia providenciado a viagem, então, em 18 de julho, ela e as crianças partiram de Bamberg para Lautlingen.

Houve uma grande reunião naquele verão na antiga sede da família, onde Claus e seus irmãos passaram férias idílicas na infância antes da Primeira Guerra Mundial. Em 1944 foi a vez dos quatro filhos de Claus — Berthold e seus três irmãos mais novos: os irmãos Heimaren e Franz-Ludwig, de oito e seis anos, e a irmã Valerie, de três anos — aproveitavam o espaço do Schloss Stauffenberg, junto com seus primos e tios.

O filho mais velho de Claus recordou, com clareza precisa, como soube do evento que destruiu a vida de sua família. “Em 21 de julho, ouvi uma reportagem de rádio sobre um ataque criminoso ao Führer”, disse Berthold. “Mas minhas perguntas sobre isso foram evitadas, e os adultos tentaram manter eu e meu próximo irmão mais novo, Heimaren, longe do rádio.

“Em vez disso, nós, crianças, fomos levados para uma longa caminhada pelo campo por nosso tio-avô Nux – um ex-oficial do Estado-Maior do Exército Imperial Austríaco – que nos manteve entretidos com histórias de suas aventuras juvenis como caçador de grandes animais na África”, disse Berthold. 

“Naturalmente, nenhum de nós sabia que ele também era membro da conspiração contra Hitler. Hoje, ainda me pergunto quais pensamentos passaram pela cabeça dele durante aquela caminhada”. Tio Nux seria julgado e enforcado algumas semanas depois por sua participação na trama.

Local do atentado contra Hitler em 20 de julho de 1944, onde estiveram no local Martin Bormann e Hermann Göring, grandes líderes nazistas – Fonte – Bundesarchiv Bild

No dia seguinte Nina chamou seus dois filhos mais velhos de lado e gentilmente disse a eles que era o pai deles que havia tentado assassinar Hitler. Ela também revelou que Claus havia sido executado por um pelotão de fuzilamento no final do mesmo dia, após o fracasso de suas tentativas desesperadas de lançar o golpe Valkyrie na sequência do atentado. 

Por fim, como se tudo isso não bastasse, ela disse aos meninos que estava esperando seu quinto filho.

“Nosso mundo se separou de uma vez”, disse Berthold. “Quando perguntei perplexo por que meu pai queria matar o Führer, minha mãe respondeu que ele acreditava que tinha que fazer isso pelo bem da Alemanha.

“A notícia do ataque a bomba veio como um raio. Não apenas amávamos nosso pai sempre alegre acima de todas as coisas; ele também era a autoridade absoluta sobre nossas vidas — mesmo que muitas vezes estivesse ausente como soldado. O choque foi tão profundo que acredito ter sido incapaz de pensar com clareza em qualquer coisa desde aquele momento até o fim da guerra. Na verdade, não havia tempo para pensar, porque a partir de então os golpes começaram a cair sobre nós com força e rapidez.”

PUNINDO A FAMÍLIA STAUFFENBERG

Naquela noite a Gestapo, abreviatura de Geheime Staatspolizei (Polícia Secreta do Estado), prendeu Nina e tio Nux e os levou para Berlim. Na noite seguinte, a mãe idosa de Claus e a tia Alexandrine, uma funcionária da Cruz Vermelha Alemã, foram presas. 

Os nazistas estavam executando o brutal decreto Sippenhaft (“detenção de parentes”), segundo o qual não apenas os conspiradores, mas toda a sua família, crianças e idosos incluídos, deveriam ser presos e punidos. No momento, as crianças, confusas e com medo, permaneceram em Lautlingen sob os cuidados de uma babá e da governanta de sua avó – e sob o olhar atento de dois funcionários da Gestapo alojados na casa.

Outra visão do local do atentado – Fonte – https://www.dw.com/en/remembering-the-german-resistance/a-49630374

“Isolados como estávamos – até mesmo de nossos companheiros na aldeia – nos sentíamos como párias da sociedade”, lembrou Berthold. “Nunca vou esquecer esse sentimento. A única pessoa que pudemos ver foi o padre da aldeia, que nos deu sua bênção e nos avisou que tempos difíceis poderiam vir para nós. No entanto, ele nos disse acima de tudo para nunca esquecermos a razão da morte do nosso pai. Só hoje percebo como foi corajoso da parte dele dizer isso.”

Em 17 de agosto de 1944, os quatro filhos de Claus von Stauffenberg e dois sobrinhos foram retirados de sua casa e colocados em um trem. O destino deles era Bad Sachsa, um orfanato nazista perto de Nordhausen, situado entre as montanhas Harz, na parte central da Alemanha. Aqui eles foram separados de acordo com sua idade e sexo e alojados em chalés. Nas semanas seguintes, os filhos de outros conspiradores se juntaram a eles. 

Uma das casas do orfanato de Bad Sachsa na época da Segunda Guerra – Fonte – https://de.wikipedia.org/wiki/Kinderheim_im_Borntal#/media/Datei:Kinderheim_Borntal_Bad_Sachsa-1003047_cropped.jpg

Berthold foi mantido em um chalé com cerca de nove outros meninos mais ou menos de sua idade. Seu confinamento não foi rigoroso. Apesar da diretora da casa, Fraulein Kohler, fosse uma nazista rígida e autoritária que ostentava orgulhosamente seu distintivo do partido, sua vice, Fraulein Verch, e os outros funcionários tratavam os filhos dos “traidores” com gentileza. Ao contrário de muitos outros alemães nos dias finais da guerra, eles foram bem alimentados, embora esparsamente,

“Nossa maior privação foi não ter notícias do mundo exterior”, disse Berthold. “Não havia rádio nem jornais e até o Natal de 1944 não tínhamos ideia se nossa mãe estava viva ou morta”. Durante o Natal, no entanto, um presente surpresa surgiu de forma inesperada e que eles não ousaram esperar: uma visita inesperada de sua tia Melitta, a esposa do irmão de Claus, Alexandre, que – em parte porque ele foi enviado para a Grécia ocupada e em parte por causa de sua natureza sonhadora e não mundana — não tinha sido informado da trama por seus dois irmãos.

QUEBRANDO AS REGRAS

Melitta Schenk Gräfin von Stauffenberg forjou uma carreira de sucesso como projetista de aeronaves e piloto de testes na Luftwaffe, alcançando o posto de Flugkapitän (capitão de voo) e recebendo a Cruz de Ferro. Seus talentos eram tão extraordinários – ela se especializou em bombardeiros de mergulho e fez mais de 2.000 voos de teste – que os nazistas ignoraram voluntariamente tanto seu gênero quanto sua herança judaica. 

Embora tivesse sido presa junto com Alexander sob o decreto de Sippenhaft, Melitta, com incrível ousadia, não apenas persuadiu os nazistas a libertá-la, mas também insistiu, como o preço de seu trabalho contínuo como piloto de testes, que ela fosse autorizada a visitar o marido, a cunhada Nina e os filhos. Surpreendentemente, os nazistas concordam com esses termos.

Melitta von Stauffenberg na cabine de um bombardeio de mergulho Junkers Ju 87 Stuka – Fonte – https://www.passionmilitaria.com/t40416-melitta-comptesse-von-stauffenberg-arien-d-honneur-et-ekii

Como resultado, ela chegou em Bad Sachsa no Natal com muitos presentes e a notícia de que Nina, embora detida, ainda estava viva. “Esse foi o melhor presente de Natal que poderíamos ter desejado”, lembrou Berthold. 

Um mês depois, a simpática Fräulein Verch disse às crianças que sua mãe havia dado à luz uma filha. Ela nasceu no mesmo dia, 27 de janeiro de 1945, em que o Exército Vermelho ocupou tanto Auschwitz quanto o quartel-general de Hitler em Wolfschanze — a cena do bombardeio abortado de Stauffenberg.

VINDO PARA BUCHENWALD

Mesmo quando a guerra se aproximava do fim, no entanto, as perspectivas para as crianças eram sombrias. 

Enfurecido com o atentado contra sua vida, Hitler insistiu que o próprio nome “Stauffenberg” fosse apagado da história. A decisão foi tomada para renomear as crianças “Meister” e adotá-las por uma família nazista leal – possivelmente até mesmo pertencentes as temidas SS – abreviatura de Schutzstaffel (tropas de assalto) – para serem criadas de acordo com o regime nazista. 

O primeiro passo foi removê-los de seus alojamentos relativamente confortáveis ​​em Bad Sachsa e enviá-los para o notório campo de concentração de Buchenwald, no leste da Alemanha. Apenas uma reviravolta milagrosa do destino impediu isso.

As crianças Stauffenberg partiram para Buchenwald na Páscoa de 1945, viajando em um caminhão do exército para a estação ferroviária da cidade de Nordhausen para embarcar em um trem para o campo. Eles estavam nos subúrbios da cidade quando um ataque aéreo aliado atingiu a cidade. “Destruiu todo o bairro ao redor da estação, incluindo a própria estação”, lembrou Berthold. “Os nazistas não tiveram outra opção a não ser nos levar de volta a Bad Sachsa, para nosso alívio.”

Poucos dias depois, em 11 de abril, a 104ª Divisão de Infantaria americana, conhecida como “Divisão Timberwolf”, chegou a Nordhausen. Mas a resistência alemã nas colinas e bosques ao redor da cidade era teimosa, e o Exército dos Estados Unidos teve que ameaçar destruir as partes da cidade que ainda estavam de pé antes que seus moradores se rendessem. “Tínhamos uma visão de arquibancada dos combates, com aviões P-51 Mustangs e P-38 Lightnings dos americanos rugindo no céu”, lembrou Berthold. 

Um tanque americano M-4 Sherman passa ao lado de um Panzer  tanque Tiger I na cidade alemã de Nordhausen em 1945 – Fonte – https://warfarehistorynetwork.com/article/the-liberation-of-nordhausen-concentration-camp/

“A vez que a guerra chegou perto demais para o nosso conforto foi quando o canteiro de morangos do jardim do chalé foi atingido por balas”. Soldados americanos revistaram o chalé e depois o prefeito de Nordhausen chegou para dizer a seus ocupantes que eles estavam livres. Embora duas enfermeiras tenham ficado para trás para cuidar das crianças, elas foram deixadas em grande parte sozinhas, por conta própria, e passaram o tempo vagando pela floresta local em busca de munição gasta e outros despojos de guerra.

REUNIDOS

Então, como num passe de mágica, outra tia veio em socorro dos pequenos Stauffenbergs. 

Em 11 de junho, a tia-avó das crianças, Alexandrine, chegou em um ônibus da Cruz Vermelha. Ela tinha vindo para levá-los para casa em Lautlingen, onde seu mundo havia desmoronado quase um ano antes. 

De volta a Lautlingen, Berthold e seus irmãos lamentaram a morte de seu pai, seu tio Berthold e seu tio-avô Nux – todos executados pelos nazistas – e de sua avó materna, que sucumbiu ao tifo em um campo de prisioneiros da SS. 

Avião Bücker Bü 181 Bestmann – Fonte – https://es.wikipedia.org/

Sua corajosa tia Melitta também havia morrido. Nos últimos dias da guerra, quando pilotava um avião Bücker Bü 181 Bestmann, uma aeronave de treinamento desarmada, foi metralhado por um caça americano. Embora ela tenha conseguido pousar, sua perna foi cortada e ela sangrou até a morte. Pior ainda para as crianças, sua mãe estava desaparecida.

Dentro de alguns dias, no entanto, a Condessa Nina também chegou milagrosamente a Lautlingen – embalando sua nova filha Konstanze. Ela preencheu a história dos meses perdidos: após sua prisão, ela foi levada para a sede da Gestapo em Berlim e intensamente interrogada sobre seu marido. De lá, ela foi transferida para o campo de concentração feminino em Ravensbrück e, mais tarde, para uma maternidade para dar à luz; então mãe e bebê foram evacuados às pressas de trem à frente do avanço do Exército Vermelho. Eles pegaram uma infecção no trem superlotado e foram tratados em um hospital em Potsdam antes de serem confiados a um único policial. “Ele deveria levá-los para Schonberg, onde outros prisioneiros de Sippenhaft foram mantidos, mas a guerra estava quase acabando e seu único desejo era voltar para casa”, disse Berthold. “Antes de abandoná-los ao seu destino, ele pediu para minha mãe escrever um certificado dizendo que ele havia cumprido seu dever na medida do possível – tão alemão!” 

Deixados perto da cidade de Hof, Nina e o bebê Konstanze se tornaram os primeiros prisioneiros de Sippenhaft a serem libertados pelo Exército dos Estados Unidos.

Nina Schenk, Condessa von Staufenberg e seus filhos – Fonte – http://prosimetron.blogspot.com/2008/08/nina-schenk-condessa-de-stauffenberg.html

“Não que alguém se sentisse muito livre no estado devastado que era a Alemanha”, disse Berthold. A casa em Lautlingen tornou-se um santuário para os aldeões assustados depois que as tropas marroquinas francesas que ocupavam a aldeia enlouqueceram, saquearam e estupraram. Os refugiados na casa também incluíam brevemente as famílias dos funcionários da Gestapo que haviam sido alojados lá. 

Na estação ferroviária, Berthold assistiu aos infelizes remanescentes do Exército Vlasov – uma força de renegados russos que havia lutado ao lado dos alemães contra seus compatriotas comunistas e que, ironicamente, seu pai havia ajudado a criar e equipar – sendo arrebanhados em trens para repatriação forçada “às ternas misericórdias de Stalin”.

JUNTANDO AS PEÇAS

Finalmente, porém, os Stauffenbergs sobreviventes começaram a juntar os cacos de suas vidas. 

O processo de recuperação foi longo. Sua casa em Bamberg, por exemplo – que havia sido usada pelo Corpo de Inteligência dos Estados Unidos e estava muito danificada – não foi devolvida a eles até 1953, e eles tiveram que travar uma longa batalha legal para recuperar grande parte da propriedade da família.

Cerimônia em memória ao coronel Claus von Stauffenberg no local do seu fuzilamento em Berlin em 2019, com a presença da então chanceler alemã Angela Merkel. Stauffenberg é o único militar alemão que atuou na Segunda Guerra a receber homenagens oficiais do governo da República Federal da Alemanha – Fonte – https://www.dw.com/en/germany-merkel-commemorates-hitler-assassination-plot-75-years-after-operation-valkyrie/a-49660510

Berthold eventualmente escolheu seguir os passos de seu pai, tornando-se um soldado na Bundeswehr, o novo exército da Alemanha Ocidental. Mas as circunstâncias ditaram uma carreira militar muito diferente da de seu pai. O major-general Berthold Schenk, atual Conde von Stauffenberg, agora com 74 anos, passou a maior parte de seus anos de serviço na Guerra Fria, preparando-se para outra guerra contra a União Soviética que nunca aconteceu, e nunca ouviu um tiro disparado de raiva. Berthold foi para a reserva em 1994.

Inevitavelmente, porém, ele viveu sua vida sob a longa sombra de seu pai. “Nos meus primeiros dias no exército, quando havia muitos oficiais superiores que conheciam meu pai, sempre me perguntavam: “Você é filho do Conde von Stauffenberg?”

“O que, afinal, se pode responder a essa pergunta? Estou orgulhoso dele, é claro, pois o que ele fez foi um dever moral. Gosto de pensar que eu, e toda a minha família também, teríamos feito o mesmo”.

QUANDO OS PODEROSOS BOMBARDEIROS B-29 PASSARAM POR NATAL

Grupo de nove bombardeiros B-29 em Parnamirim Field em 1944. Provavelmente Natal foi o único local da América do sul a receber esse tipo de aeronave.

O Mais Revolucionário e Caro Avião Produzido Durante o Conflito  – As Razões da Passagem dos B-29 Por Natal – Código UJAW – Um Trágico Acidente Próximo a Parnamirim Field – Um Sobrevivente – Uma B-29 Desaparece no Mar Após Partir de Natal – A Ofensiva Aérea Contra O Japão.

Autor – Rostand Medeiros – Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte.

– Agradecimento especial ao amigo João Baptista Rosa Filho, pela ajuda nas informações complementares para esse artigo.

Em 1942, entre as altas autoridades políticas e militares dos Estados Unidos nunca houve dúvidas que o Império Japonês, a nação inimiga que efetuou o ataque a Pearl Harbor em 7 de dezembro de 1941, deveria ser implacavelmente bombardeado. Essa situação sempre foi vista de maneira natural, apenas os meios para isso é que estavam em questão[1].

Não é que houvesse falta de modelos de bombardeiros pesados sendo produzidos pelos Estados Unidos. O problema era que nessa época a Alemanha Nazista e os territórios ocupados por essa nação também precisavam ser atingidos e, no caso do Japão, o seu coração politico e econômico estavam localizados bem mais distantes do alcance bélico dos calejados bombardeiros quadrimotores Boeing B-17 Flying Fortress e Consolidated B-24 Liberator.

A Solução que Veio de Seattle e os Alvos Prioritários

Mas em 21 de setembro de 1942, o grande poder industrial dos Estados Unidos apresentou uma solução para o caso. Nesse dia decolou na cidade de Seattle, noroeste dos Estados Unidos, o protótipo XB-29.

Fábrica da Boeing, em Wichita, Kansas e a planta de fabricação dos B-19.

Logo aquele grande quadrimotor recebeu a denominação B-29 Superfortress. Era até então o maior bombardeiro que o mundo já tinha visto. Seu tamanho e sofisticação, na verdade a arrogância de sua própria criação, representavam monumentos à riqueza e engenhosidade americana. Cada aeronave custava mais de meio milhão de dólares, cinco vezes o preço de um bombardeiro quadrimotor inglês Avro Lancaster. O projeto do B-29 foi considerado o mais caro de toda Segunda Guerra Mundial, orçando em torno de três bilhões de dólares.

A construção de cada quadrimotor exigiu cerca de 12.250 quilos de chapas de alumínio (27.000 libras), mais de 454 quilos de cobre (1.000 libras), 600.000 rebites, 15.290 metros de fiação (9,5 milhas) e 3.218 metros de tubulação (2 milhas). Foi o primeiro bombardeiro pressurizado do mundo, contava com uma tripulação de doze homens e tinha um raio de operação de 5.500 km (3.250 milhas). Bem mais que os cerca de 3.300 km (2.050 milhas) que o B-17 e o B-24 poderiam realizar[2]. Tinha uma forte bateria de armamento defensivo, composta de doze metralhadoras calibre 12,7 mm. em torres remotas, um canhão de 20 mm. na cauda e ​controle central de tiros. Totalmente carregado um B-29 pesava bem mais de sessenta toneladas[3].

A Força Aérea do Exército dos Estados Unidos (USAAF – United States Army Air Force) exigiu do novo avião uma velocidade superior a 550 km/h, razão pelo qual o B-29 foi fabricado com uma asa muito alongada, montada centralmente na fuselagem de seção circular.[4] A aeronave era impulsionada por quatro motores Wright R-3350 Duplex Cyclone, de 2.200 a 3.700 cv (1.640 a 2.760 kW), dependendo do modelo[5]. Era abastecido com gasolina de 100 octanas e possuía dois turbos compressores para cada motor, com a finalidade de aumentar as capacidades desse bombardeiro em alta altitude[6].

Enquanto o projeto B-29 seguia adiante, quem fosse visitar o Campo de Provas de Dugway, a cerca de 145 quilômetros a sudoeste da cidade de Salt Lake City, no estado de Utah, oeste dos Estados Unidos, teria a surpresa de ali encontrar uma autêntica vila japonesa.

O lugar contava com duas dúzias de casas fielmente reproduzidas em madeira, cada uma delas com móveis e seu tradicional tatame – esteiras de palha estendidas no chão. Em 1943 essa comunidade fantasma foi arrasada pela primeira vez por bombardeiros, demonstrando a facilidade e os efeitos da destruição que atingiria as cidades do Japão, onde as moradias eram de construção muito frágil[7].

Quase ao mesmo tempo, o pessoal da aeronáutica identificou oito alvos industriais prioritários no Japão, na Manchúria (China) e Coréia. Um estudo de outubro de 1943 observou que apenas vinte cidades japonesas continham 22% da população de todo país. Posteriormente se identificou que se apenas 30% desses locais fossem destruídos, 20% da produção japonesa seria perdida e o número de vítimas poderia chegar a 560.000 pessoas em curto espaço de tempo[8].

Os americanos tinham seus alvos, mas a necessidade de um amplo desenvolvimento atrasou a entrada em serviço do B-29 para meados de 1943. Uma vez o projeto concluído, quatro fábricas de montagem principal foram construídas, de três empresas distintas, amplamente dispersas pelo país [9].

Para realizar essa façanha houve a maior subcontratação do mundo na época. Foram criados uma gigantesca rede para fornecer materiais, equipamentos e programas de treinamento civil e militar[10].

O Boeing B-29 Superfortress, poderia realmente ser chamado de um avião excepcional. Nenhum outro grande modelo de combate da Segunda Guerra Mundial, independentemente do tamanho, teve um curto intervalo entre primeiro voo e a primeira aparição em território inimigo – 20 meses[11].

Mas antes disso alguém teria de deixar aqueles aviões o mais perto possível do Japão. Mas por onde?

Uma Mentira no Caminho da Guerra

No dia 1º de junho de 1943 foi criado e ativado na cidade de Marietta, Geórgia, o 58th Bombardment Wing (58th BW). Uma grande unidade que albergava cinco grupos de bombardeios, os Bombardment Group , ou BG. Essas cinco unidades eram o 40th BG, 444th BG, 462th BG, o 468th BG e o 472th BG, que primeiramente tinham bases de treinamento na região do estado do Kansas. Por sua vez cada um desses grupos de bombardeios possuía três esquadrilhas, cada uma delas tendo uma dotação média de 20 a 30 aeronaves B-29.

Na sequência outros Bombardment Wing (BW) foram criados, com seus respectivos Bombardment Group (BG). A ideia inicial era colocar todas essas máquinas e seus operadores em direção ao Oriente, na área do teatro de guerra chamado pelos americanos de CBI, ou China-Burma-Índia. Para organizar essa crescente força foi criado em 28 de março de 1944 o XX Bomber Command, sendo implantado na cidade de Kharagpur, Índia e tendo à frente o major-general Kenneth B. Wolfe[12]. Os B-29 utilizavam os aeródromos existentes em Chakulia, Piardoba, Dudkhundi e na própria Kharagpur. Todas essas bases estavam localizadas no sul de Bengala e não estavam longe das instalações portuárias de Calcutá[13]. Já as bases dos B-29 na China ficavam em quatro locais na área de Chengtu, especificamente em Kwanghan, Kuinglai, Hsinching e Pengshan[14]

Mapa que mostra a área de atuação das B-29 para atacar o Japão a partir de bases chineses

A ofensiva dos B-29 contra o Japão recebeu o nome de Operação Matterhorn. Essa operação abrangeu desde o planejamento das rotas para o envio dos B-29 para a Índia e a China, bem como a utilização de bases de apoio nesses dois países, até os alvos a serem atacados no Japão[15].

Enquanto os B-29 e sua estrutura de apoio e comando eram criados, os chefes de Estado-Maior decidiram não enviar essa aeronave para lutar na Europa. Para o alto comando, utilizar a B-29 contra a Alemanha privaria os Estados Unidos do elemento surpresa contra o Japão[16].

Americanos e ingleses apreciando uma B-29 na Inglaterra.

Para corroborar esse plano, no começo de março de 1944 uma B-29, de número 41-36963, uma das primeiras a serem construídas, saiu de Salina, Kansas e voou até a Flórida. Decolou à noite sob ordens secretas, onde primeiramente voou por uma hora sobre o Oceano Atlântico em direção sul, então o piloto mudou o curso e voou para o norte, até Gander Lake, na ilha de Newfoundland, onde pousou na Base Aérea de Gander, da Real Força Aérea Canadense (RCAF Station Gander) [17]. De lá o “963” voou sem parar até uma base no Reino Unido. A ideia era que o pessoal técnico e tático da Força Aérea do Exército dos Estados Unidos na Europa avaliassem a máquina. Pelas próximas duas semanas, mil cidadãos, pessoas com papéis vitais na guerra, inspecionaram o B-29 “963” em duas bases aéreas. Na realidade tudo isso foi um embuste, uma tentativa de induzir a inteligência alemã a acreditar que o B-29 seria baseado no Reino Unido e atacaria o império de Hitler[18].

O primeiro B-29 que chegou a Índia tinha como piloto o coronel Leonard “Jake” Harmon, comandante do 58th BW, que decolou da base de Smoky Hill, no Kansas, no dia 26 de março de 1944. Essa B-29, de número 42-6331, só chegou sete dias depois em Chakulia, no leste da Índia, sendo entregue ao 40th BG.

O primeiro B-29 a chegar a Índia.

O autor desse texto imaginava então que esta primeira B-29 utilizou a rota passando por Natal, atravessando o Atlântico Sul e seguindo em direção ao Oriente. Mas parece que nos primeiros momentos dessa operação, a rota por Natal não foi utilizada.

Segundo o escritor norte-americano Robert A. Mann, autor do livro B-29 Superfortress-Cronology-1934-1960, a partir de 1º de abril de 1944 onze B-29 partiram da Base Aérea de Pratt, no Kansas. Depois aterrissaram na base de Presque Island, no estado do Maine, na fronteira dos Estados Unidos com o Canadá, onde seguiram para Newfoundland e pousaram na base de Gander[19]. Após o abastecimento e suas tripulações estarem prontas, os B-29 voaram através

do Oceano Atlântico em direção a Estação 10 da USAAF, no aeroporto de Menara, na ensolarada Marrakesh, Marrocos. Na sequência a viagem seguiu com um pouso no Cairo, Egito, para finalmente realizarem o último trecho até Chakulia, Índia.

Outras aeronaves continuaram utilizando essa rota, mas não demorou e uma B-29, a de número 42-6350, do 462th BG, sofreu um acidente em Marrakesh. Foi sem vítimas, mas com perda total do avião[20].

A B-29 Que Iluminou a Noite de Natal e Seu Sobrevivente

Talvez pelo desgaste das tripulações com a longa travessia Atlântica, ou das máquinas, ou pelo tempo de voo, ou por condições climáticas, em algum momento as B-29 começaram a partir do Kansas em direção a Natal.

Não consegui encontrar maiores informações que apontasse o início exato dessa passagem, a rota correta utilizada e nem a quantidade de aeronaves que por aqui estiveram. Mas através

Não consegui encontrar maiores informações que apontasse o início exato dessa passagem, a rota correta utilizada e nem a quantidade de aeronaves que por aqui estiveram. Mas através do relato do médico militar George A. Johannessen, concedido em 23 de agosto de 2007 a pesquisadores da Rutgers School of Arts and Sciences, da Rutgers University, em New Brunswick, New Jersey, Estados Unidos, temos a informação que “os primeiros B-29 vieram por Natal”. O Dr. Johannessen se perguntava “Por que eles viriam por Natal?”[21]

Ficha do 1º Tenente Austin J. Peek, piloto da B-29 que caiu em Natal em 10 de agosto de 1944.

Causa até surpresa essa dúvida do Dr. Johannessen, pois nesse mesmo relato ele afirma que Natal era a rota principal para aeronaves que saíam dos Estados Unidos e, no inverno, era a rota aérea utilizada pelas aeronaves da Oitava Força Aérea, baseada na Inglaterra. Também comentou que no início do conflito, passaram por Natal as aeronaves destinadas à África Ocidental, Sicília, Itália, China, Birmânia (atual Myanmar) e Índia.

Foto creditada como sendo do 1º Tenente Austin J. Peek,.

O médico informou que os B-29 não pousavam em Belém e vinha direto para Natal. Só não comentou de onde elas vinham. Se esses aviões pousavam em Miami, ou realizavam uma parada na Base Aérea de Waller, na ilha de Trinidad (atual Trinidad e Tobago)? Fico devendo!

Mas eles continuaram chegando a Natal, a única cidade da América do Sul a receber os B-29 a caminho do Japão. O código que Natal recebeu como ponto de destinação foi UJAW – UNIFORM, JULIET, ALFA, WHISKIE. Certamente um código criado para constar em documentações e ser utilizado através do rádio[22].

O copiloto 2º Tenente Willard R. Heintzelman, no seu casamento.

Em 10 de agosto de 1944 uma B-29 caiu após decolar de Parnamirim Field. Novamente através do relato do Dr. Johannessen, temos alguns detalhes desse terrível acidente, onde houve um sobrevivente.

O que sabemos sobre essa aeronave é que era um modelo Boeing B-29-30-BW Superfortress, número 42-24482, tendo sido entregue a USAAF em 24 de maio de 1944, na fábrica da Boeing, em Wichita, Kansas[23]. Sua tripulação era formada por dez pessoas. Eram eles o 1º Tenente Austin J. Peek, piloto, 2º Tenente Willard R. Heintzelman, copiloto, 2º Tenente John F. O’Neill, navegador, 2º Tenente Leroy Judson, bombardeador, 2º Tenente Dale E. Shillinger, engenheiro de vôo, Terceiro sargento Harold R. Brown, operador de rádio, Sargento Kurt F. Seeler, operador de radar, cabo Anthony A. Cobbino, artilheiro do lado esquerdo, Cabo Walter Roy Newcomb, artilheiro do lado direito e o Cabo David C. Prendiz, artilheiro de cauda.

O 2º Tenente Willard R. Heintzelman em traje de voo contra o frio.

Segundo o Dr. Johannessen o acidente ocorreu por volta de dez da noite de 10 de agosto, uma quinta-feira. Sabemos que a B-29 decolou para atravessar o Atlântico, mas a aeronave caiu cerca de 5,5 quilômetros (3,5 milhas) da pista de Parnamirim Field, apenas alguns quilômetros da praia de Ponta Negra. Como essa B-29 realizaria o voo de travessia oceânica, a sua queda provocou uma grande explosão, alimentada pelos quase 31.000 litros de combustível de 100 octanas que transportava. Esse fato foi testemunhado pelo Dr. Johannessen, que afirmou “o céu todo se iluminou“[24].

Segundo o médico, o navegador John F. O’Neill saiu de alguma maneira da aeronave e caiu sobre alguns arbustos, quebrando apenas o dedo mínimo. Em seu relato o Dr. Johannessen nada comentou sobre o uso de paraquedas pelo navegador.

Cabo David C. Prendiz, artilheiro de cauda da B-29 sinistrada.

Mesmo sem ter todos os dados disponíveis, ao comentar o caso via telefone com o nosso amigo João Baptista Rosa Filho, conhecido como J. B. Rosa Filho, ele acredita que a queda da aeronave ocorreu devido a existência de fogo em um dos motores da B-29, o que pode explicar o fato da B-29 perder potência e cair.

Esse nosso amigo é da bela cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, há 33 anos é da área da aviação civil, é piloto privado, foi piloto de testes da empresa gaúcha Aeromot Aeronaves e Motores, atuou como mecânico da extinta empresa aérea Varig e também escreve livros sobre a Segunda Guerra Mundial. Para esse calejado e experiente profissional, o que aconteceu de negativo na B-29 deve ter sido tudo muito grave e muito rápido, pois apenas deu tempo para o navegador O’Neill se salvar.

Esquema mostrando as posições dos tripulantes de uma B-29.

J. B. Rosa Filho acredita que o piloto Austin J. Peek e o copiloto Willard R. Heintzelman tentaram controlar a aeronave para realizar um pouso de emergência, ou buscar proporcionar uma boa condição de altitude para todos saltarem. Mas a aeronave provavelmente colapsou rapidamente, pois apenas o navegador O´Neill conseguiu se salvar. O amigo não tem dúvidas que esse sobrevivente utilizou um paraquedas, pois como as velocidades mais baixas de uma B-29, sem haver perda de sustentação, giravam em torno de 150 km/h, o impacto de uma pessoa contra arbustos a essa velocidade certamente não afetaria apenas o dedo mínimo.

Já o fato da saída do navegador da aeronave ter tido um sucesso, pode ser explicado por ele sentar-se na cabine frontal, com sua estação de trabalho localizada exatamente atrás do piloto, com sua visualização voltada para a parte de trás da aeronave e a sua esquerda existir uma portinhola de acesso e escape.

Configurações de escape de uma B-29.

Seguindo as indicações do nosso amigo J. B. Rosa Filho, provavelmente John F. O’Neill, ao visualizar um dos motores em chamas, percebeu que a B-29 estava perdida. Na sequência, tendo recebido, ou não, ordem para isso, tirou o cinto de segurança, abriu a portinhola e se meteu rapidamente por essa passagem para salvar a sua vida. O Grande Arquiteto do Universo completou o quadro para aliviar seu salto, providenciando algum pé de mangaba no local de sua aterrisagem[25].

Mesmo contando com a inestimável ajuda de um experiente profissional da aviação, como é o caso de J. B. Rosa Filho, logicamente que isso tudo que escrevo sobre esse acidente são especulações. Mas o certo é que naquela noite sobre os céus de Natal, John F. O’Neill foi um homem de muita sorte!

B-29 em Chamas.

Sabemos que houve relatos de muitas pessoas em Natal que observaram um forte clarão no céu, à noite. Mas é bom ressaltar que ocorreram outros casos de quedas e destruição de aeronaves na região de Parnamirim Field.

Paulo Pinheiro de Viveiros comentou em seu livro História da Aviação no Rio Grande do Norte que “Toda cidade ficou surpreendida quando, às 21 horas do dia 6 de fevereiro de 1942, um grande clarão vermelho iluminou subitamente o céu, partindo do lado sul, das proximidades do Atlântico”[26].

Acidente da B-17 em Parnamirim Field em 1942.

A aeronave em questão era uma B-17 que, tal como a B-29 de agosto de 1944, caiu logo após decolagem. Era uma B-17E, numeração 41-2482. O avião estava totalmente abastecido com gasolina e foi completamente destruído. Faleceram nove tripulantes e todos foram enterrados no Cemitério do Alecrim.

Desaparecimento no Atlântico

Exatamente um mês e oito dias após esse acidente, outra B-29 foi perdida. Ela partiu de Natal e simplesmente sumiu no Oceano Atlântico.

A aeronave era uma Martin-Omaha B-29-1-MO Superfortress, de numeração 42-65203, construída sob licença pela empresa Glenn L. Martin Company, de Omaha, Nebraska, e entregue a USAAF em 2 de junho de 1944. Partiu dos Estados Unidos em 24 de agosto e seu desaparecimento se deu em 18 de setembro de 1944, quando esse avião decolou de Natal em direção ao aeroporto de Acra, capital da então colônia britânica da Costa do Ouro (atual República de Gana), na África Ocidental.

Documento oficial da Força Aérea do Exército dos Estados Unidos (MACR 8525), sobre o desaparecimento da B-29 que decolou de Natal em setembro de 1944.

Segundo o relato oficial essa B-29 teria caído no mar a 2.250 quilômetros (1.400 milhas) de distância de Natal e toda a tripulação de dez homens desapareceu. Eram eles o 1º Tenente Hugh T. Roberts, piloto, 2º Tenente John T. Kirby, copiloto, 2º Tenente LaVerne Bebermeyer, navegador, 2º Tenente Paul Clyde Oberg, engenheiro de voo, 2º Tenente Roxy D. Menta, bombardeador, 2º Tenente David Maas, oprador de Central Fire Control – CFC, Sargento Conrad I. Bruflat, artilheiro, Cabo James Husser, artilheiro esquerdo, Cabo James Woodie Day Jr., operador de rádio, Cabo John G. Giannios, artilheiro direito.[27].

Ao me debruçar sobre o documento referente a esse desastre (MACR 8525) encontro as seguintes indicações sobre o tempo naquele dia e naquela área. “Geralmente cúmulos dispersos ou quebrados, com topos a 8.000 pés, com ventos em nível de voo variando de 50° a 100°, de 14 a 25 nós, com média de 16 nós”.

B-29 na água e seus tripulantes em botes salva-vidas.

Recorro novamente a experiência do amigo J. B. Rosa Filho, que me informou que as condições climáticas apresentadas aparentemente não seriam problemáticas para um avião como a B-29 realizar uma tentativa de pouso na água. Era um avião com 30,18 metros de comprimento, 43,05 metros de envergadura, 8,46 metros de altura e uma área de asa de 161,3 metros quadrados. 

O amigo João Baptista Rosa Filho, que muito ajudou na elaboração desse artigo, com os seus conhecimentos sobre aviação, fruto de 33 anos de bons trabalhos nessa área.

Existem vários relatos e fotos que mostram aeronaves B-29 que desceram no mar e mantiveram alguma capacidade de flutuação, proporcionaram um tempo precioso para que suas tripulações escapassem em botes salva-vidas. Mas para que isso ocorresse seus pilotos teriam de colocar o grande avião na água sem capotamentos e buscando manter a integridade da máquina. Entretanto J. B. Rosa Filho lembra que pousar na água requer determinado nível de experiência e capacitação da tripulação. No caso da B-29 de numeração 42-65203 não sabemos se os conhecimentos do piloto e do copiloto conseguiriam ajudar nessa situação.

2º Tenente LaVerne Bebermeyer, navegador da B-29 que desapareceu no mar.

No caso dessa aeronave, o mais provável foi que houve uma pane muito séria ainda no ar, que causou tal nível de destruição que não deu tempo de nada ser feito. Outra ideia é que a tripulação errou na hora de colocar a máquina na água.

Afora isso, a quantidade de informações que as autoridades americanas tinham sobre esse acidente era tão limitadas, que, aparentemente, não houve condições de ser realizada alguma operação de busca e salvamento. Se por acaso aconteceram essas buscas, não existe uma vírgula sequer comentando o início e finalização das mesmas, muito menos seus resultados.

2º Tenente Paul Clyde Oberg, engenheiro de voo.

Enquanto outros relatórios do tipo MACR apresentam uma enorme quantidade de informação dos aviões sinistrados ou desaparecidos, no caso do B-29 42-65203 chama atenção exatamente o contrário. Não se informa se houve, ou não, algum contato de rádio, pedido de socorro, ou se algum navio ou avião na área reportou a visualização de coletes salva-vidas, pedaços da aeronave e corpos. Absolutamente nada!

Cabo James Husser, artilheiro esquerdo da B-29.

Essa B-29 pertencia ao 462th BG e seus dez tripulantes foram declarados mortos em 27 de outubro de 1948.

Problemas

Pode parecer que esses dois acidentes relatados apontassem que a rota que atravessava o Oceano Atlântico em direção a Índia e a China era problemática para as aeronaves B-29. Mas ao realizar a pesquisa para esse texto, descobri que a utilização por essas aeronaves das já tradicionais rotas de transporte para o Oriente foi sim um grande sucesso!

No seu interessante livro B-29 Superfortress-Cronology-1934-1960, Robert A. Mann aponta que entre os dias 2 de abril (a chegada da primeira B-29 na Índia) e 18 de setembro de 1944, (quando a B-29 que saiu de Natal sumiu no Atlântico), ocorreram apenas sete acidentes no trajeto desde os Estados Unidos até a Índia. Nada menos que 163 dessas pesadas aeronaves de bombardeio conseguiram pousar com segurança em solo indiano[28].

Trabalho de abastecimento de uma B-29.

Nessa informativa listagem o autor aponta a numeração dos aviões envolvidos, os esquadrões a que pertenciam e até o nome que as tripulações batizavam essas aeronaves[29]. Infelizmente o autor não comentou as rotas seguidas por essas B-29, mas informou que nesse período ocorreram muitos problemas quando essas aeronaves já estavam na Índia, ou utilizando bases na China para atacar o Japão! O autor aponta que nesse período 52 aeronaves B-29 foram perdidas, seriamente danificadas e ocorreram várias mortes.

Diferentemente dos bombardeiros pesados ​​americanos que atuavam na Europa, cujas bases se localizavam na Grã-Bretanha e na Itália, portanto próximas ao território inimigo, as B-29 baseadas na Índia e na China estavam mais distantes do Japão. Além disso, os bombardeiros na Europa tinham uma infraestrutura de apoio mais organizada e próxima. No Oriente a situação era muito mais complicada. Um exemplo – vários B-29 foram transformados em aviões de transporte, pois para utilizar as bases chinesas para atacar o Japão, os americanos eram obrigados a trazerem da Índia combustível, bombas e tudo mais que necessitassem. E os gastos eram estratosféricos.

Chineses nivelando uma das pistas de pouso e decolagem dos B-29.

Na China os B-29 voavam a partir de quatro bases novas, recém-criadas por milhares de trabalhadores chineses, que montaram tudo basicamente à mão. Pistas de decolagem foram construídas com rochas esmagadas e transportadas praticamente sem máquinas. O nivelamento das pistas era realizado por rolos de pedra gigantes, cada um sendo arrastado por vários homens e mulheres e centenas de chineses morreram em acidentes. Eram locais onde as estruturas não ajudavam as manutenções, decolagens e pousos das aeronaves. Some a este pesadelo o fato das rotas aéreas que ligavam a Índia e a China passarem sobre as montanhas do Himalaia, as mais altas do mundo, muitas vezes em meio a um clima terrível[30].

Max Hastings aponta em Retribution: The Battle for Japan, 1944-45, que o transporte aéreo para Kunming, a capital e maior cidade da província de Yunnan, no norte da China, foi considerado uma das mais perigosas e impopulares missões da Segunda Guerra, envolvendo uma perda cumulativa de 450 aeronaves. Eficiência e o moral das tripulações eram notoriamente baixos. Os aviadores que sobreviviam as quedas de aeronaves tinham de enfrentar algumas das áreas mais selvagens do mundo, povoado por nativos que às vezes poupavam suas vidas, mas invariavelmente confiscavam seus bens.

Hastings opina que os primeiros ataques dos B-29 no Oriente foram uma “farsa”. Para ele “não eram os caças e armas de fogo antiaéreo do inimigo que representavam a maior ameaça à sobrevivência das tripulações, mas suas próprias aeronaves”. Nas palavras de um comandante, o seu B-29 “tinha tantos insetos quanto o departamento entomológico do Smithsonian Institution, em Washington”. Hidráulica, elétrica, torres de metralhadoras e do canhão e, acima de tudo, usinas de energia, provaram ser terrivelmente falíveis.

Motor Curtis Wright R-3350 preservado em um museu nos Estados Unidos.

Os quatro motores Curtis Wright R-3350 eram “o pesadelo de um mecânico”. Devido a uma tendência alarmante de superaquecimento dos cilindros traseiros, parcialmente devido à folga mínima entre os defletores do cilindro e o capô, os motores estavam sempre propensos a explodir em chamas durante o voo. Foi constatado também que esses motores tinham uma tendência adicional de engolir suas próprias válvulas. Além disso, as peças de magnésio estavam sujeitas a queimar e fundir. 

Um dos motores da famosa Cabine da B-29 “Enola Gay”, que em 6 de agosto de 1945 lançou uma bomba atômica sobre a cidade japonesa de Hiroshima. Foto realizada nos Estados Unidos pelo amigo Ricardo Argm, de Recife.

Por causa de um alto conteúdo de magnésio na liga do cárter, podiam ocorrer incêndios no motor – às vezes queimando a uma temperatura de aproximadamente 5.600° F (3.100° C). Os motores permaneceram temperamentais e os problemas de superaquecimento, que não foram completamente resolvidos, eram frequentemente tão intensos que a longarina principal poderia queimar em segundos, resultando em falha catastrófica da asa[31].

O piloto Jack Caldwell registrou que “O avião sempre parecia que estava forçando cada rebite a mais de 25.000 pés”. Somados a todos os problemas dos B-29, havia a inexperiência e deficiências de suas tripulações. A USAAF reconheceu que os problemas nos treinamentos das tripulações para voarem este “navio de guerra dos céus” eram “monumentais”.

Foto do ataque a Yawata.

E as missões se tornavam difíceis. Exemplo – Em 19 de agosto de 1944, 71 aeronaves B-29 partiram para bombardear a siderúrgica de Yawata, na ilha de Kyushu, Japão. 61 aeronaves voaram durante o dia e 10 à noite. Cinco B-29 foram destruídos pela ação inimiga, duas caíram antes ou durante a decolagem, mais oito foram perdidos devido a falhas técnicas. Apenas 112 toneladas de bombas foram entregues, com a perda de US$ 7,5 milhões em aeronaves, junto com suas preciosas tripulações[32].

A B-29 Enola Gay, fotografada nos Estados Unidos pelo amigo Ricardo Argm, de Recife.

Este esforço hercúleo permitiu que os B-29 atacassem o Japão fora da China, mas com risco mortal e resultados insignificantes. A USAAF ficou embaraçada com o dilúvio de publicidade favorável concedida nos Estados Unidos aos novos bombardeiros gigantes, que capturou a imaginação do público. Comandantes sabiam o quão pouco, na realidade, os aviões estavam realizando[33].

Mais Próximo Para o Final

Mesmo com as rotas que cruzavam o Oceano Atlântico, fosse por Natal ou por Newfoundland, sendo seguras, as distâncias desde o Kansas até a Índia eram enormes – entre 16.000 e 17.000 quilômetros. A isso se juntava as perigosas rotas aéreas entre a Índia e a China, com as montanhas do Himalaia no meio, afora os perigos de se atacar os fanáticos japoneses em sua nação. O preço era muito alto em combustíveis, aeronaves e principalmente em vidas humanas. Logo o comando americano ordenou que entre junho e julho de 1944 seus fuzileiros navais, os famosos “Marines”, desembarcassem nas ilhas Saipan, Guan e Tinian, que eram parte das do conjunto de ilhas denominado Marianas.

Várias B-29 em uma base aérea nas Ilhas Marianas.

A um preço de mais de 5.400 fuzileiros mortos e 18.000 feridos, os americanos conquistaram essas valiosas ilhas e logo começaram a construir pistas de pouso para as B-29.

A distância do Kansas para as Ilhas Marianas era de 11.300 quilômetros, mas a distância de Tinian, por exemplo, para o Japão era em torno de 2.400 quilômetros. Grandes bases foram construídas e toda uma estrutura foi estabelecida.

Cabine da B-29 Enola Gay, fotografada nos Estados Unidos pelo amigo Ricardo Argm, de Recife.

Com isso os americanos não necessitavam mais enviar seus poderosos bombardeiros para a luta através do Oceano Atlântico. Partiam da Califórnia, sobrevoando o imenso Oceano Pacífico e chegando as novas bases via as ilhas havaianas[34].

Logo outras bases foram construídas em novas ilhas conquistadas, como Iwo Jima. Ataques contra o Japão se tornaram ocorrências diárias, com centenas de B-29 envolvidas. Essas aeronaves foram constantemente aperfeiçoadas, suas falhas sanadas e ela tiveram melhor aproveitamento.

Em agosto de 1945, os B-29 tinham devastado a indústria do Japão e suas instalações militares e navais. Mesmo com o país se encontrar sem maiores recursos bélicos, os americanos empreenderam os polêmicos ataques com bombas atômicas contra as cidades de Hiroshima e Nagasaki. A B-29 que lançou a bomba de Hiroshima, batizada “Enola Gay”, partiu de Tinian[35].

NOTAS————————————————————————————————————————————————————–


[1] Ver Hastings, Max. Retribution: The Battle for Japan, 1944-45, Alfred A. Knopf, New York, 2008, Pág. 333.

[2] Ver Hastings, Max. Retribution: The Battle for Japan, 1944-45 Alfred A. Knopf. New York, 2008, Pág. 333 e 334.

[3] Haulman, Daniel L. Hitting Home – The Air Offensive Against Japan, Air Force History and Museums Program, 1999, pág. 6.

[4] http://delprado.com.br/blog/2012/05/22/b-29-superfortress/

[5] Bowers, Peter M.  Warbird Tech Series – B-29 Superfortress. Speciality Press Publishers and Wholesalers, Minnesota, 1999. Pág. 14.

[6] Haulman, Daniel L. Hitting Home – The Air Offensive Against Japan, Air Force History and Museums Program, 1999, pág. 7.

[7] Além da vila japonesa, os militares americanos reproduziram fielmente uma vila alemã. Durante a Segunda Guerra Mundial os dois locais foram bombardeados pelo menos 27 vezes e reconstruídas a fim de testar o uso de artefatos bélicos incendiários contra cidades populosas. Ver The Asia-Pacific Journal-Japan Focus, de 15 de abril de 2018, Volume 16, Edição 8, Número 3, Artigo ID 5136. Disponível em  https://apjjf.org/2018/08/Plung.html

[8] Hastings, Max. Retribution: The Battle for Japan, 1944-45 Alfred A. Knopf. New York, 2008, Pág. 333.

[9] Duas fábricas eram operadas pela Boeing, sendo uma na cidade de Renton, estado de Washington, e outra em Wichita, estado do Kansas. Havia uma fábrica controlada pela empresa Bell, na cidade de Marietta, estado da Geórgia e uma planta da empresa de Martin na cidade de Omaha, capital do estado de Nebraska. Ver Bowers, Peter M. Boeing B-29 Superfortress . Stillwater, Minnesota: Voyageur Press, 1999. Págs. 319 e 322.

[10] Bowers, Peter M.  Warbird Tech Series – B-29 Superfortress. Speciality Press Publishers and Wholesalers, Minnesota, 1999. Pág. 100.

[11] Bowers, Peter M.  Warbird Tech Series – B-29 Superfortress. Speciality Press Publishers and Wholesalers, Minnesota, 1999. Pág. 4.

[12] Haulman, Daniel L. Hitting Home – The Air Offensive Against Japan, Air Force History and Museums Program, 1999, pág. 9.

[13] Ver https://www.456fis.org/HISTORY_OF_THE_B-29.htm

[14] Ver https://www.456fis.org/HISTORY_OF_THE_B-29.htm

[15] Graham, Simmons M.  B-29 Superfortress – Giant bomber of Wolrd War Two and Korea, Pen & Sword Aviation, Barnsley, South Yorkshire, England. Pags 97 e 98.

[16] Haulman, Daniel L. Hitting Home – The Air Offensive Against Japan, Air Force History and Museums Program, 1999, pág. 7. E Pace, Steve. Boeing B-29 Superfortress The Crowood Prees, Berkshire, England, 2003. Pág. 94.

[17] Para os canadenses a base de Gander tem o mesmo aspecto histórico que Natal possui para os brasileiros, como um local situado em um proveitoso ponto estratégico, que na Segunda Guerra Mundial serviu a aviação Aliada, onde foram construídas imensas instalações para receber milhares de profissionais e suas aeronaves de transporte e patrulha contra submarinos. Os canadenses de Newfoundland afirmam que Gander foi “O maior aeroporto do mundo na Segunda Guerra”. Sobre a RCAF Station Gander ver  https://www.heritage.nf.ca/articles/politics/gander-base.php

[18] Graham, Simmons M.  B-29 Superfortress – Giant bomber of Wolrd War Two and Korea, Pen & Sword Aviation, Barnsley, South Yorkshire, England. Pags 84 a 86.

[19] Mann, Robert A, B-29 Superfortress-Cronology-1934-1960, McFarland & Company, Inc., Publishers, Jefferson, North Carolina, and London.  Pág. 31.

[20] Sobre esse acidente ver https://aviation-safety.net/wikibase/98390

[21] O Dr. Johannessen era natural de Seattle, Washington, e nasceu em 10 de Janeiro de 1919. Durante a Segunda Guerra Mundial ele serviu como oficial do Corpo de Administração Médica do Exército dos Estados Unidos (US Army) em vários hospitais nos Estados Unidos e na região do Atlântico Sul, incluindo hospitais de Belém e em Natal. Em seu rico relato comentou que tratou até de prisioneiros alemães que foram trazidos ao seu hospital, capturados pelo afundamento de algum submarino. Ver https://oralhistory.rutgers.edu/interviewees/1011-johannessen-george-a

[22] Mann, Robert A, B-29 Superfortress-Cronology-1934-1960, McFarland & Company, Inc., Publishers, Jefferson, North Carolina, and London. Pág. 15.

[23] Mais detalhe sobre o acidente ver https://aviation-safety.net/wikibase/98432

[24] Não sabemos se esse avião acidentado em Natal estava com toda sua capacidade de combustível, mas sabemos que o combustível nos B-29 eram transportados em quatorze tanques de asa externa, oito de asa interna e quatro tanques na área de bombardeio, dando uma capacidade máxima de quase 31.000 litros, ou 8.168 galões americanos. Uma modificação adicionou quatro tanques na seção central da asa, elevando a capacidade total de combustível para quase 36.000 litros, ou 9.438 galões americanos. Ver https://www.456fis.org/HISTORY_OF_THE_B-29.htm

[25] O relato do médico militar Dr. George A. Johannessen não garante que o sobrevivente da queda do B-29 em 10 de agosto de 1944 era o navegador John F. O’Neill. Mas no site https://pt.findagrave.com/memorial/52036385/walter-roy-newcomb existe a confirmação dessa informação.

[26] Viveiros, Paulo P. História da Aviação no Rio Grande do Norte, Editora Universitária, Natal-RN, Brasil, 1974. Págs. 158 e 159.

[27] Mias sobre esse acidente ver – https://aviation-safety.net/wikibase/98447 e https://www.newspapers.com/clip/6331827/2nd-lt-laverne-bebermeyer-still/

[28] Mann, Robert A, B-29 Superfortress-Cronology-1934-1960, McFarland & Company, Inc., Publishers, Jefferson, North Carolina, and London.  Págs. 32 a 34. O primeiro desses acidentes foi em Marrakesh (anteriormente comentado no texto), o segundo foi com o avião B-29 número 42-6249, aconteceu em 18 de abril, em Payne Field, Cairo, Egito, devido a uma tempestade de areia e não houve mortos. Os três outros acidentes ocorreram todos em 21 de abril, na região de Karachi, Paquistão, por problemas de motor e consequências de uma tempestade de areia. Os envolvidos foram os aviões B-29 números 42-6345, 42-6369 e 42-63357. Nesse último acidente houve cinco mortos. Mais detalhes sobre alguns desses acidentes ver https://aviation-safety.net/wikibase/98393 e https://pt.findagrave.com/memorial/90940187/christopher-d-montagno

[29]  Mann, Robert A, B-29 Superfortress-Cronology-1934-1960, McFarland & Company, Inc., Publishers, Jefferson, North Carolina, and London.  Págs. 31 a 37.

[30] Ver https://warfarehistorynetwork.com/2016/09/07/operation-matterhorn/

[31] Ver https://www.fighter-planes.com/info/b29.htm

[32] Hastings, Max. Retribution: The Battle for Japan, 1944-45 Alfred A. Knopf. New York, 2008, Pág. 334.

[33] Hastings, Max. Retribution: The Battle for Japan, 1944-45 Alfred A. Knopf. New York, 2008, Pág. 335.

[34] Pace, Steve. Boeing B-29 Superfortress The Crowood Prees, Berkshire, England, 2003. Pág 88.

[35] Pace, Steve. Boeing B-29 Superfortress The Crowood Prees, Berkshire, England, 2003. Págs 97 a 102.

ELEANOR ROOSEVELT E PARNAMIRIM FIELD COMO A MAIOR BASE AÉREA DOS AMERICANOS NA II GUERRA MUNDIAL

Eleanor Roosevelt

Eleanor Roosevelt era a esposa do presidente dos Estados Unidos Franklin Delano Roosevelt (1882 – 1945).  Conhecida pela sua ação em ajudar os mais necessitados através da caridade, foi também autora e uma defensora incansável das causas sociais.

Em 1944 esta brilhante mulher esteve em Natal, visitando Parnamirim Field e autoridades locais.

Anna Eleanor Roosevelt nasceu em New York, em 11 de outubro de 1884. Sua família era financeiramente estável, mas perturbada. Seu pai era Elliott Roosevelt, o irmão mais novo do ex-presidente americano Theodore Roosevelt (1858-1919). Apesar de bonito e charmoso, Elliott sofria de depressão mental e alcoolismo. Já a mãe de Eleanor estava preocupada com a imagem da família na alta sociedade e transmitia extrema vergonha pela aparência física de Eleanor, que não foi considerada bonita.

Na época da escola

Embora o pai de Eleanor fosse considerado ausente, ela o considerava um pai maravilhoso e fascinante. Quando Eleanor era uma criança, seu pai entrou uma instituição para alcoólatras. Foi uma das muitas perdas iniciais para a jovem, cuja mãe morreu quando ela tinha apenas oito anos de idade. Após a morte de sua mãe, Eleanor e seus dois irmãos mais novos foram viver com sua avó materna, em Nova York. Pouco tempo depois o irmão mais velho morreu. Quando Eleanor ainda não havia completado 10 anos, ela soube que seu pai havia morrido. Sua avó abrigou-a de todo o contato exterior, exceto para os amigos da família.

Eleanor Roosevelt começou a descobrir um mundo além de sua família depois de frequentar uma escola para mulheres jovens na, Inglaterra, quando tinha 15 anos de idade. Para ela a sua escola lhe ensinou um sentido maior de responsabilidade com a sociedade. Eleanor começou a agir de acordo com este ensinamento depois de seu retorno a Nova York. Mergulhou no trabalho em pról dos mais carentes. Ao mesmo tempo, seu primo, alto e bonito, Franklin Delano Roosevelt, começou a cortejá-la. Eles se casaram em março de 1905. Eleanor tinha agora de lidar com uma avó controladora e com um marido que gostava de estar em público e que realmente não entendia a luta de Eleanor para superar sua timidez e insegurança.

Os Rosevelt. Uma relação bem longe da perfeição.

Entre 1906 e 1916, os Roosevelt tiveram seis filhos, um dos quais morreu quando criança. A família viveu em Hyde Park, Nova York, enquanto Franklin focava em suas ambições políticas para se tornar uma figura importante no Partido Democrata. Ele exerceu um mandato de Senador pelo estado de Nova York no senado americano, antes do presidente Woodrow Wilson  nomeá-lo como secretário assistente da Marinha em 1913. Embora Eleanor tenha realizado muitos trabalhos voluntários pela Cruz Vermelha durante a I Guerra Mundial (1914-18), ela permaneceu fora do olho público.

Um importante ponto de mudança na vida de Eleanor veio em 1921, quando Franklin contraiu poliomielite e sofreu de paralisia e perdeu a mobilidade das pernas. Eleanor fez tudo para o marido volta à atividade política. Dentro de poucos anos havia recuperado sua força e ambições políticas. Enquanto isso, Eleanor tinha-se tornado uma importante figura pública, trabalhando para um maior envolvimento ativo das mulheres em vários setores do governo. Ela começou a agir como se fosse as “pernas e ouvidos” do depois que Franklin tornou-se governador de Nova York em 1928, Ela se manteve muito ocupada inspecionando hospitais estaduais, casas e prisões.

No final de 1930 os tambores de guerra ecoavam e mostravam que os Estados Unidos seguia para a luta.

Eleanor Roosevelt falou vigorosamente em favor da política externa de seu marido.  Depois que os Estados Unidos entraram formalmente a Segunda Guerra Mundial em dezembro de 1941, ela fez várias viagens ao exterior para impulsionar os espíritos de soldados e de inspecionar as instalações da Cruz Vermelha.

Eleanor em diálogo com o Brigadeiro Eduardo Gomes e o Bispo de Natal, Dom Marcolino Dantas

Eleanor Roosevelt visitou o Brasil entre 14 e 17 de março de 1944, onde visitou Belém, Natal e Recife. Na capital potiguar ela visitou a Base de Parnamirim, esteve com autoridades locais. Esteve na sede do USO, o clube de recreio dos militares americanos, que ficava na praça Augusto Severo, por trás da antiga Rodoviária, no bairro da Ribeira. Ali ela foi reconhecida e ovacionada por muitos natalenses. Esteve também na Base Naval de Natal, onde elogiou as instalações.

Condecorando oficiais da US Navy em Parnamirim Field

Um fato interessante foi que para os jornalistas a Sra. Eleanor Roosevelt afirmou (e assim foi reproduzido) que a base aérea de Parnamirim era “A mais bem equipada do Mundo”. Mesmo reproduzindo o que ela disse, os jornalistas locais claramente se empolgaram e lascaram em letras destacadas “A maior base do Mundo”. E parece que a coisa pegou.

Eu entendi que aparentemente na época ninguém leu o conteúdo e ficaram nas letras destacadas.

Muita gente fala até hoje sobre isso, mas eu pessoalmente nunca vi nenhum documento de lá, informando, ou corroborando a informação que Parnamirim Field foi a maior base aérea norte-americana em atividade na Segunda Guerra.

Maior base?

A escritora Clarice Lispector, em uma carta endereçada a Elisa Lispector e a Tania Kaufman, em Belém, no dia 18 de março de 1944, fez os seguintes comentários sobre Eleanor Roosevelt, que está reproduzida no  livro “Clarice Fotobiografia”,  de autoria Nádia Battella GOTLIB e publicado pela Editora da USP.

“… A senhora Eleanor Roosevelt passou por aqui. Fomos convidados para recebê-la no aeroporto e para ir à recepção dada a ela. Fui com meu vestido preto. Ela é simpaticíssima, muito simples, vestida com muita modéstia, bem mais bonita pessoalmente do que nas fotografias e no cinema. No dia seguinte, ela deu entrevista coletiva à imprensa, eu fui, mandei noticiário telefônico para A NOITE, mesmo estando de licença porque não queria perder a chance”.

Depois de Franklin Roosevelt morreu no cargo em abril de 1945, esperavam que Eleanor se retirasse para uma vida privada e tranquila. No entanto, até o final do ano, ela estava de volta em público. O novo presidente dos Estados Unidos, Harry S. Truman a indicou co0mo representante americano para a Comissão das Nações Unidas sobre Direitos Humanos. Ela permaneceu no cargo até 1952. Mais tarde, ela continuou a trabalhar para a compreensão e cooperação internacional, atuando como um representante da Associação Americana para as Nações Unidas.

Durante a última década de sua vida Eleanor Roosevelt viajou para vários países estrangeiros, incluindo a temida União Soviética. Ela completou sua Autobiografia em 1961.

Ela morreu em Nova York, em 06 de novembro de 1962.

Apesar de sua infância tímida e solitária, Eleanor Roosevelt tornou-se uma das mulheres mais importantes do século XX e sua ação inspirou milhares de mulheres.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

1944 – THE TRAGEDY OF THE B-24 IN FORTALEZA, BRAZIL

EVENTS OF THE SECOND WORLD WAR IN NORTHEASTERN BRAZIL 

Rostand Medeiros – Writer and member of the Historical and Geographic Institute of the State of Rio Grande do Norte

No one disputes the importance of Natal in the context of Brazil’s participation in World War II. The existence of an intense traffic of transport planes and bombers, between the air bases on the island of Ascension, Dakar and Accra, was a contributing factor in the Allied victory in this conflict. In addition to support point for air, do not forget that Natal aircraft patrolling the Brazilian coast were destroyed and also some submarines.

But Natal was not just the only Brazilian city that participated in this effort by the Allied victory. Even to a limited extent, other cities also had air bases and helped Brazil in its war effort. Fortaleza, capital of Ceará state, was one of them.

The city of Fortaleza in 1937

The First Air Bases and the Americans arrived

In this city the first airfield was the “Alto da Balança”, which became a point of support of the Brazilian National Air Mail planes.

The site was maintained by a unit of the Brazilian Army since September 21, 1936 and also served for the Brazilian and foreign airlines. In the history of the “Alto da Balança” Field, was stopping point for various foreign aviators who carried out air flights. One of these was the famous American aviatrix Amelia Mary Earhart, that landed in Fortaleza on June 4, 1937.

The researchers Augusto Oliveira and Ivonildo Lavor, authors of “The history of aviation in Ceara”, when the Americans were deploying their bases in the Northeast of Brazil, even before the Brazilian declaration of war against Germany and Italy, they decided that Fortress on the air base site would be built on old farm called “Sítio Pécy”, which became known as “Pici Field”, and construction has started in July 1941.

When the track was still in its final construction phase, it was opened prematurely when a B-17 landed, when lost in relation to its original route. According to the two authors of “The history of aviation in Ceará,” the big four-engine plane caused some panic in Fortaleza.

Also according to Augusto Oliveira and Ivonildo Lavor, with the growth of air traffic for Natal, and the fact landing strip in “Pici Field” had completed a limited size, the command of the USAAF in the region decided to build a second landing strip at Fortaleza.

The “Pici Field” was then under the responsibility of the U.S. Navy and the new site was given the name “Adjacent Field” and this was near the “Pici Field”.

Weapons being transported to Lockheed PV-1 Ventura U. S. Navy in “Pici Field”

Inaugurated on December 10, 1943, “Adjacent Field” served a great purpose for five months until May 14, 1944, in order to vent the air traffic in Natal, the site was the starting point of large four-engine aircraft, most of them belonging to the 15th Air Force which had bases in southern Italy and moved non-stop directly to Dakar.
The American detachment that operated the base was known as 1155th Army Air Force Base AAFBU Unit – Fortaleza, which was part of the South Atlantic Division, all subordinate to ATC – Air Transport Command.

Fortaleza before the Second World War. Source – Book “Ah Fortaleza!”, Gilmar Chaves, Patricia Veloso, Peregrina Capelo, organizers. Fortaleza: Terra da Luz Editora, 2006, pg. 49

During this period the use of “Adjacent Field” was very intense. 1.778 crossings were made from this base. From May 15, 1944, this type of operation, received only passing airliners or some aircraft that had an emergency.

Taking the “Land of the Sun”

Yet despite this apparent limited use between 1942 and 1945, there was always the presence of U.S. military personnel in the city of Fortaleza. There was even a local branch of the USO.

The USO headquarters in Fortaleza, actually known as the notorious “Estoril Restaurant” in Iracema Beach. Source – Book “Ah Fortaleza!”, Gilmar Chaves, Patricia Veloso, Peregrina Capelo, organizers. Fortaleza: Terra da Luz Editora, 2006, pg. 62

Its USO headquarters in Fortaleza was a sumptuous residence on the seaside on Iracema Beach. The old Fish Beach was a place still so little used by local people, where there were few vacation homes. The residence used by the Americans, a real palace, was built in 1920 by a wealthy city dweller who first called initially “Vila Morena”.
My friends in Fortaleza have commented, that information from their grandparents and parents who lived those days of North American presence in the city, it was thought that these foreign military headquarters USO was a nice place with an inviting breeze, a great swimming place in deliciously warm water under a blazing sun. And then enjoy delicious coconut water.

The U.S. military in a moment of relaxation

Apart from exploring the nature seaside, the U.S. military took advantage of other good things of Ceará. They maintained cordial relations with the girls in town. These were traditional families, usually beautiful, elegant, educated and did not care for criticism of local society. Soon these young men were derisively dubbed the “Coca-Colas.” It is said that the name in a derogatory way, they appeared to have the privilege of drinking the famous American soft drink, which at the time, was only seen on the big screen. They probably drank Coca-Cola plant from “The Coca-Cola Company” in Natal.

This is B24H, No. 41-28750, named as “The Thunder Mug”, belonging to 789 Squadron, the 467th Bomb Group, commanded by Lieutenant Charles Kagy on the transatlantic route across South America At the bottom of the control tower “Adjacent Field”- http://moraisvinna.blogspot.com

Memoirs 

Despite this positive climate, the passage of aircraft by the Northeast of Brazil toward Africa was not without its problems.

In archives of the United States Army Air Force – USAAF, there are three unpublished reports of accidents with aircraft B-24, “Adjacent Field” which has as its point of departure or arrival.

The legendary B-24

Manufactured by Consolidated Aircraft, the legendary B-24, known as the “Liberator,” was a strategic bomber, with ten machine guns 12.7 mm Browning M2 model defense. He airplane had a total weight of 29,500 kg, could take nearly six tons of high-explosive bombs, at a maximum speed of 470 km / h, at a maximum altitude of 8,500 meters, with a range of 6,000 kilometers. The crew usually consisted of 10 militaries. This was the model airplane seen more in Fortaleza during the busiest time of the aircraft toward Africa.

Group B-24 bombers in the Pacific Island before takeoff

The Problems with the B-24

The first accident occurred in the region on January 22, 1944, when the B-24 registered with the numeral 42-100307, led by second lieutenant Henry A. Daum, around one o’clock in the afternoon amid heavy rain, crashed into a mountain 25 miles southwest of Fortaleza. All six people on board died.

Details of the briefing paper from falling B-24 No. 42-100307, ​​commanded by second lieutenant Henry A. Daum in collision with a mountain in Ceará – Source – National Archives, Washington, D. C., United States

Limited information and few details, the report of the destruction of the B-24 pilot by second lieutenant Daum shows that the accident probably occurred in the mountains between the towns of Caucaia and São Goncalo do Amarante.
The second accident occurred on the morning of February 8, 1944, when the B-24H, 41-29293 belonging to 758 Squadron, the 459th Bomb Group, commanded under the second lieutenant Daniel B. MacMillin, of Stephenville, Texas, left for Dakar, Senegal’s capital today.

Details of the report on the disappearance of the B-24H, No. 41-29293 – Source – National Archives, Washington, D. C., United States.

At that time, according to the documentation, each plane that took off from Fortaleza was obliged to send a coded message, in periods of pre-determined time, for they knew they were flying and their position. In the first three hours the message arrived, then nothing. The B-24 and his ten crewmen were lost. The documents show that for ten days were accomplished visual search tasks, but never heard what happened to this aircraft, with the lieutenant Daum and his crew.

Group B-24 over the sea. Source -Archive Life Magazine

But the best documented case was the crash of a B-24 bomber in Fortaleza.

The Tragedy of the B-24 of Lt. Brock 

At around midnight and fifty minutes on February 28, 1944, the B-24H, numeral 42-52645, commanded by second lieutenant William M. Brock Jr., took off toward Dakar, but due to problems in one of the engines, made a turn to land and fell.

Part of the report by Major Ernest E. Dryer, classified as “SECRET” – Source – National Archives, Washington, D. C., United States

The operations officer “Adjacent Field”, major Ernest E. Dryer prepared a brief report about the tragic fact.
Major was called shortly after one o’clock, where he was informed by the officer of the day on 1155th AAFBU who had a major fire southwest of the “Adjacent Field” and that a Brazilian had said that a plane had crashed.
For major Dryer this fire was too strong to be just a housing problem in any one local residence, and one of the planes to fly took off from the base site. But the fire covered a large area, the operations officer and a group of men did not even wait the return of the plane and left in car to investigate.

B-24 bombers of the 15th Air Force, attacking the refinery in Ploesti, Romania

Upon arriving at the scene of the fire, major Dryer found that it actually was an accident with a B-24 model airplane, with the number 42-52645. At the site were already members of the police and fire department of the city of Fortaleza to keep the fire under control.
The operations officer, took command and sent a messenger back to base to inform the medical officer to bring ambulances and military police. Immediately work was started to report the details of the accident. They soon found that all ten crew members had died.
Airplane parts, broken bodies and personal belongings were scattered over a distance of 1000 feet. The body of one crew member was hanging from a tree. American guards were placed to guard the wreck and waited for the medical officer of the base to take over the charge of the bodies.
Checking the number of the plane with the boot record, it was discovered that one B-24 was the last to leave the base that night and crashed three minutes after takeoff.

B-24 burning

The plane was so damaged that a check of the controls was not possible.
It was noted that the right wing had hit a tree and was broken. For this reason the path of the plane was close to the ground and had shifted about 90 degrees to the right. Then hit the ground, and was dragged in a straight line for about 1000 feet, disintegrating along the way.
Finally, the B-24 hit a tree, stopped in a ditch and exploded, throwing debris over a wide area. In the fall the aircraft destroyed an empty shack and an oil tank was thrown through the roof of another hut, but no one on the ground died.

Highlights of the testimony of the Brazilian woman about the fall of the B-24

The documentation by the main witness, the Brazilian, Laura Ramos Barreto, who lived about a mile away from the base, which today is probably in the neighborhood of Montese.
In her report delivered at the premises of the 1155th AAFBU, Laura said she always listened at night the planes taking off from “Adjacent Field” and heard that on this occasion an aircraft whose engines stopped suddenly near her residence. She was surprised, when looking at the plane she saw three explosions on the ground, followed by heavy fire.

An accident of an unusual B-24 in Italy

To Major Ernest E. Dryer, examination of the propellers showed that at least three of the engines had operational capacity, but that could not be given a conclusive opinion, due to the extent of damage.
The investigations showed that the cause of the accident was a failure in one engine, which was certainly the most destroyed immediately after takeoff. Probably the pilot retracted the flaps at a very low altitude, thus making the B-24 fly too close to the ground, hitting a tree, tearing the plane’s right wing and causing the explosion.
The bodies were buried in Fortaleza and transferred to the United States in 1947.

They were part of the following crew of the B-24H, 42-52645;

-Second Lieutenant William M. Brock Jr., pilot
-Second Lieutenant Robert D. Wear, co-pilot
-Second Lieutenant James H. Beatty, navigator
-Second Lieutenant William D. Davies, bomber
-Sergeant Kelley L. Epley, flight engineer
-Sergeant Homer E. Hill, radio operator
-Sergeant William C. Ship, gunner
-Sergeant Thomas M. Bassett, gunner
-Sergeant Leo P. Desjardins, gunner
-Sergeant Jack Z. Roby, gunner

The participation of air bases in Brazil was not only restricted to Natal, these reports show that there are certainly many stories to be told.

P.S. – I would like to thank the researcher  Ângelo Osmiro, for your support in this work.

Rostand Medeiros

DPP_0119

Rostand Medeiros was born in Natal, Rio Grande do Norte. He is a 45 years old writer, researcher and expert in producing biographical works. Also does researches in history of aviation, participation of Brazil in World War II and in regionalist aspects of Northeast Brazil.

He studied History at UFRN – Federal University of Rio Grande do Norte and is member of Genealogy Institute of Rio Grande do Norte – IGRN and SBEC – Brazilian Society for the Study of Cangaço.

In 2009, he was co-author of “Os Cavaleiros dos Céus – A Saga do Voo de Ferrarin e Del Prete” (in free translation, “The Knights of the Sky: The Saga of Ferrarin and Del Prete Flight”), a book that tells a story from 1928, of the first nonstop flight between Europe and Latin America. This book was supported by the Italian Embassy in Brazil, Brazilian Air Force (FAB) and Potiguar University (UNP).

In 2010, Rostand was a consultant of SEBRAE – Brazil’s Micro and Small Business Support Service, participating of the project “Território do Apodi – nas pegadas de Lampião” (in free translation, “Apodi Territory – In the footsteps of Lampião”), which deals with historical and cultural aspects of rural areas in Northeast Brazil.

In 2011, Rostand Medeiros launched the book “João Rufino – Um Visionário de Fé” (“João Rufino – A visionary of Faith”), a biography of the founder of industrial group Santa Clara / 3 Corações, a large coffee roasting company in Latin America. The book shows how a simple man, with a lot of hard work, was able to develop, in Rio Grande do Norte state, a large industry that currently has seven units and 6,000 employees in Brazil.

Also in 2011, he wrote, with other authors, a book of short stories entitled “Travessa da Alfândega” (in free translation, “Customs Cross Street”).

In 2012, Medeiros produced the following books: “Fernando Leitão de Moraes – Da Serra dos Canaviais à Cidade do Sol” (“Fernando Leitão de Moraes – From Sugarcane Mountains to Sun City”) and “Eu Não Sou Herói – A História de Emil Petr” (“I’m not a hero – The Story of Emil Petr”). This latest book is a biography of Emil Anthony Petr, a farmer who was born in Nebraska, United States. During World War II, he was an aviator in a B-24 bombing and became a prisoner of the Germans. This work shows the relationship of Emil with Brazilian people, whose with he decided to live from 1963, when he started to work for Catholic Church.

He also published articles in “Tribuna do Norte”, newspaper of the city of Natal, and in “Preá”, cultural magazine published by Rio Grande do Norte State Government.

He founded SEPARN – Society for Research and Environmental, Historical and Cultural Development of Rio Grande do Norte.

Currently, is working as a Parliamentary Assistant in Rio Grande do Norte Legislative Assembly and develops other books.

Rostand Medeiros is married, has a nine years old daughter and lives in Natal, Rio Grande do Norte, Brazil.

Phones: 0051 84 9904-3153 (TIM) / 0051 84 9140-6202 (CLARO) / 0051 84 8724-9692 (Oi)

E-mail: rostandmedeiros@gmail.com

Blog: https://tokdehistoria.wordpress.com/

© 2011 Copyright Tok de História