Arquivo da tag: Cangaceiro Lampião

LEMBRANÇAS DE DOIS HOMENS SOBRE O BANDO DE LAMPIÃO

Lampião

Moradores mais antigos de sítios, na velha estrada entre Umarizal a Apodi, relembram fatos da passagem do bando liderado por Lampião a caminho do ataque frustrado à cidade de Mossoró

Autor – Dudé Viana – Cantor e compositor

Publicado originalmente no jornal natalense Tribuna do Norte – edição de domingo, 20 de junho de 2010, página 7.

José Daniel Carneiro, o Zé Daniel, ex-vaqueiro, nasceu no Sítio Língua de Vaca, no município de Caraúbas-RN, em 14 de maio de 1922, e desde os dois anos de idade é morador do Sítio Poço Redondo, a 32 km do centro urbano. José Sena de Lima, o Zé Sena, ex-combatente da Segunda Guerra Mundial, nasceu em 28 de novembro de 1922, na Fazenda Sabe Muito, também em Caraúbas, onde o seu pai era vaqueiro, e desde 1930 mora no Sítio Xique-xique, a 30 km do centro da cidade. Os dois contam como foi a passagem aterrorizante do cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, e seu bando, pela velha estrada de Umarizal a Apodi.

Cooptado com Massilon Benevides Leite, potiguar da cidade de Luís Gomes, para invadir Mossoró e se beneficiar do impressionante capital acumulado, graças a dinâmica econômica da maior cidade da Região Oeste potiguar, em 10 de maio de 1927, depois de ter atacado a cidade de Belém do Rio do Peixe, na Paraíba, Lampião e cerca de 57 homens entram no Rio Grande do Norte, pela cidade de Luís Gomes, invadem sítios, espalhando medo e terror por onde passam, destruindo tudo que encontram à sua frente, cometendo os piores atos de violência como sequestrar, saquear, incendiar casas, estuprar e matar.

Nos sítios Aroeira e Bom Jardim roubam dinheiro e joias, prendem dona Maria José, de 70 anos de idade, esposa do proprietário do sítio Aroeira, exigindo resgate de 30 contos, e cangaceiro Graúna mata José Silva, um morador do sítio. No Sítio Bom Jardim, de Cassiano Benício, o susto do cangaceiro mata Moisés Boa Água, avô materno de Antônia Ayres Viana, a futura esposa do então menino Zé Daniel. O seu Zé Sena conta que quando Lampião passou por aqui, ele morava no sítio vizinho de nome A Volta do Juazeiro, e se lembra de tudo, da correria das pessoas deixando suas casas para se esconderem nas caatingas…

De atrocidades em atrocidades, por todos os recantos, sítios e povoados por onde passaram, os cangaceiros chegaram a Mossoró em 13 de junho de 1927. Oito moradores da Passagem das Oiticicas são aprisionados como reféns. Mas Lampião foi surpreendido por cerca de trezentos bravos defensores, que atiravam de todos os cantos da cidade; então, a partir da derrota em Mossoró, Lampião começou a perder forças e acabou fugindo para a Bahia com poucos homens. Sua saga completou-se em 28 de julho de 1938, em Angicos, no Estado de Sergipe.

Zé Daniel cresceu cuidando de gado e outros animais no Sítio Poço Redondo, de Hermano Fernandes, onde foi o principal vaqueiro. Casou-se com dona Antônia Ayres Viana e tiveram nove filhos. Este que vos escreve é um deles. Zé Sena foi convocado para a Segunda Guerra Mundial, em outubro de 1943, aos 21 anos de idade. Como oficialista do Batalhão, trabalhava como sapateiro, profissão que aprendeu com seu pai. Conta que foi a cavalo do Sítio Xique-xique até a cidade de Caraúbas, de lá foi de trem até Mossoró e de caminhão pau-de-arara até Natal.

Tanques do 2º BCC – Batalhão de Carros de Combate em Natal, na região onde atualmente se localiza a Base de Lançamento de Foguetes da Barreira do Inferno – Fonte – “O FORNOVO” – Informativo do IHGGS e da AHIMTB/SP – ANO: III (2015), JANEIRO, N.º 12

Lembra que ainda não existia a ponte do Rio Assú, então atravessaram o pau-de-arara num pontal de madeira, uma balsa grande, e todos empurrando. Ele ficou nove meses no 2º Batalhão de Carros de Combate, em Natal, quando chegou o chamado para o Rio de Janeiro. Todo o batalhão viajou de navio durante oito dias e oito noites até Cabo Frio-RJ. Eram 10 navios de carga levando as armas e dois navios com o batalhão inteiro de três mil soldados.

De Cabo Frio foram de trem para o 6º RI – Regimento de Infantaria, em Caçapava, no Estado de São Paulo, e de lá, enviados para o centro de batalha. Mas foi em Cabo Frio que o seu Zé Sena teve muito medo de morrer, porque os alemães enviavam submarinos na tentativa de matar a todos.

José Sena, sentado na cajarana centenária, no pátio do sítio Xique-xique. Neste local os cangaceiros saquearam uma mercearia – Fonte – Tribuna do Norte.

Com o fim da segunda guerra em 1945, ele voltou para o Sítio Xique-xique, onde serve como fonte de pesquisa para estudantes etc. Casou-se com dona Maria Auxiliadora Praxedes, com quem teve uma filha; e em segundo casamento, com dona Eliete Martins da Fonseca, teve oito filhos.

O Zé Daniel que nunca fez mal a ninguém, mas por ser da família Carneiro, quase sempre que acontece um crime na Região Oeste potiguar, a polícia bate a sua porta a procura de possíveis criminosos, mas nunca encontra um sequer em sua casa. São dois amigos, de 88 anos, dois homens unidos numa história: “o susto de Lampião”, na estrada velha do Apodi.

Anúncios

A TRISTE SITUAÇÃO DA CASA DO SABE MUITO

A Casa do Sabe Muito, Caraúbas, Rio Grande do Norte
A Casa do Sabe Muito, Caraúbas, Rio Grande do Norte

Autor – Rostand Medeiros

Quando fiz pela primeira vez uma viagem para a região Oeste do Rio Grande do Norte foi no ano de 1985. Fui montado em uma valente e resistente moto Yamaha DT-180, com a carteira de motorista/motociclista recém-saída do DETRAN e com muita vontade de conhecer algo mais da minha terra.

Segui para casa de amigos na cidade de Janduí. Em meio a um momento de fantástica receptividade sertaneja, ao chegar o momento de retornar para Natal, decidi seguir mais adiante e acabei dando uma longa volta até Apodi, depois passei por Mossoró e finalmente voltei para casa.

O caminho me levou pela rodovia estadual RN 223, que liga os municípios de Caraúbas e Apodi e na época ainda uma estrada de barro. A paisagem era muito interessante. Mesmo sendo árida, seca, possuía visuais amplos, com cores contrastantes, maravilhosos cenários e muita luz. De longe era possível avistar o contorno da Bacia Potiguar, onde embaixo fica a cidade de Apodi e na parte superior o conhecido Lajedo de Soledade, com seus interessantes painéis com antigas pinturas rupestres. Naquele momento eu não sabia que em 1992 viria a participar, como membro do CERN-Clube de Espeleologia do Rio Grande do Norte, de um trabalho de catalogação e mapeamento das cavidades naturais desta futura área preservação. Este trabalho foi na época financiado pela PETROBRÁS, sob o comando do falecido geólogo Eduardo Bagnolli e com a participação dos amigos amigo Francisco Willian da Cruz Junior (o grande Chico Bill), também geólogo, Lisandro Juno e Vladir Quintilhiano, ambos biólogos. Época boa!

1743719_507440462709888_888716263_n

Mas naquele 1985, ao chegar a um ponto mas elevado na estrada, vislumbrei na direção oeste uma casa muito ampla, que se destacava na paisagem e que chamava a minha atenção conforme me aproximava dela. Era um casarão diferente do que havia visto ao longo do trajeto de 300 quilômetros que realizava desde Natal. Era a casa do sítio Sabe Muito, ou Casa do Sabe Muito, na zona rural do município de Caraúbas.

Localizada a 13 quilômetros da área urbana de Caraúbas, consta que foi construída em 1868. A sua estrutura possui 27 portas, 16 cômodos, 11 janelas e nas medidas da época possuía “11 palmos de frente, 133 de fundo e 52 de altura”. É considerada a maior casa de Caraúbas, já possuiu em seu interior uma casa de farinha e ainda tem em suas terras uma fonte de água potável, ou como dizemos por aqui, um olho d’água.

Imagem6

Imagem8

Imagem5

Conforme podemos ver acima, nas páginas do Censo Agrícola de 1920, temos na cidade de Caraúbas, duas indicações de propriedades com o denominativo Sabe Muito
Conforme podemos ver acima, nas páginas do Censo Agrícola de 1920, temos na cidade de Caraúbas duas indicações de propriedades com o denominativo Sabe Muito

Esta casa pertenceu ao casal Antônio Fernandes Pimenta (Capitão) e Francisca Romana do Sacramento, casal que fez a união das famílias Fernandes e Carneiro em Caraúbas e adjacências. Contam também que a construção do casarão do Sabe Muito foi uma disputa entre dois irmãos que tinham muitos escravos e decidiram ver quem faria a maior casa. Um construiu a sua moradia no sítio São Vicente e o outro nas terras do Sabe Muito, próximo ao olho d’água comentado anteriormente e que seria conhecido pelos indígenas que outrora habitaram a região.

Na minha singela opinião não sei qual é a mais interessante (Acho que as duas). Mas sei que o casarão do sítio São Vicente foi um dos locais atacado pelo bando do cangaceiro Lampião, quando de sua passagem pelo Rio Grande do Norte no ano de 1927. Eu conheci o São Vicente em 2010, quando percorri de motocicleta o mesmo caminho trilhado por Lampião no Rio Grande do Norte (Ver – https://tokdehistoria.wordpress.com/2011/08/15/trilhando-o-mesmo-caminho-de-lampiao-no-rio-grande-do-norte/ ).

1743446_507451706042097_386548270_n

Apesar da casa do Sabe Muito ser um local interessante, uma referência regional do poder que outrora os grandes fazendeiros possuíam no interior potiguar, infelizmente a antiga vivenda está fadada a se transformar em ruínas.

Recentemente, através do amigo Francisco Veríssimo de Souza Neto, da cidade de Apodi, tomei conhecimento que o jornalista Assis Oliveira, nascido em Caraúbas e há muitos anos morando na cidade de Corumbá, Mato Grosso do Sul esteve na sua terra depois de 16 anos de ausência. Entre os locais por ele visitados na sua cidade natal estava a interessante Casa do Sabe Muito. Acredito que aquilo que ele viu e fotografou, como um dileto filho da terra, deve tê-lo deixado muito triste. Pois eu que nem sou de lá, nem tenho sequer parentes na região, fiquei impressionado quando vi suas fotos (Que gentilmente ele cedeu para serem utilizados neste texto).

O local vem ruindo já há algum tempo. Blogs da região Oeste Potiguar apontam que parte do telhado caiu e o restante pode desabar durante o próximo inverno. Existe a afirmação que a estrutura é tombada pela Fundação José Augusto, hoje transformada em Secretaria Extraordinária da Cultura e pertenceria ao espólio do casal Joana Eulália de Oliveira e Jonas Armagíldo de Oliveira.

1234837_507461409374460_14250982_n

Mas o que fazer?

Esta situação de abandono e destruição lenta e paulatina destes patrimônios históricos não é exclusividade de terras potiguares. Pelo Brasil afora antigas casas grandes de fazendas históricas, igrejas seculares e até prédios públicos tombados estão vindo abaixo por falta de conservação. Sei que, diante da situação complicada que se encontra a agropecuária no Rio Grande do Norte, manter de pé uma casa destas não é fácil e nem barato. Não é a toa que o salvamento destes patrimônios por iniciativa privada são raros. Mas existem! (Ver – https://tokdehistoria.wordpress.com/2011/11/23/a-restauracao-do-engenho-machado-um-exemplo-a-ser-seguido/ ).

O que o poder público dentro das esferas federal, estadual e municipal pode fazer para salvar este patrimônio? Se ele já é tombado a nível estadual, pelo que percebi nada acontece.

Se ao menos a gestão turística governamental no Rio Grande do Norte fosse uma coisa levado a sério pelos gestores e houvesse sido desenvolvido na prática a integralização turística potiguar, a Casa do Sabe Muito poderia ser um ótimo ponto de apoio para os turistas que se deslocam de Natal para visitarem as belas pinturas rupestres localizadas no Lajedo Soledade. Este ponto de apoio s margens da RN-223 poderia ser associado a um museu que mostrasse a história e cultura da região.

Assis Oliveira no Sabe Muito
Assis Oliveira no Sabe Muito

Mas já que o turismo não anda lá estas coisas aqui no nosso estado e aproveitando a ideia da histórica casa ser um ponto de preservação da memória regional, creio que seria possível criar um projeto de recuperação e utilização pública. Mas com destinação prioritariamente educacional, com a finalidade principal de manter viva junto à comunidade caraubense, principalmente os mais jovens, a história da sua terra. Mas escrevo isso sem conhecer totalmente a atual realidade local.

Não tenho a ilusão que isto é fácil, Mas sei que só com a união da comunidade é que este patrimônio poderá ser salvo e melhor utilizado.

http://www.icemcaraubas.com/2011/08/casa-do-sabe-muito-um-potencial.html

http://alodudeviana.blogspot.com.br/2012/03/em-caraubas-fazendas-abandonadas.html

http://janduisemfoco.blogspot.com.br/2012/01/luta-para-conservar-casa-da-fazenda.html