Arquivo da tag: Cotidiano

A DESCOBERTA DA AUTOBIOGRAFIA DO PRIMEIRO GRANDE CRAQUE DO FUTEBOL BRASILEIRO

QUANDO PAPEL VELHO VALE MUITA COISA

Quem primeiro divulgou foi o jornalista Juca Kfouri, na sua coluna do jornal “Folha de São Paulo”. Depois a TV GLOBO divulgou no Esporte Espetacular do último domingo, da forma mais capenga que se pode imaginar.

Em todo caso é uma extremamente interessante para quem é interessado e apaixonado pela história de maneira geral.

Cesar Oliveira é um editor de livros sobre futebol e comanda um site interessante sobre o nobre esporte bretão (www.livrosdefutebol.com), consta que o mesmo herdou a biblioteca de Milton Pedrosa, o organizador da pioneira coletânea “Gol de Letra- Futebol na literatura brasileira” Lançado em 1968, este raro livro é uma primorosa seleção das melhores crônicas do futebol brasileiro, escritas por gênios como Vinicius de Moraes, Nelson Rodrigues, Sergio Porto, Fernando Sabino, Mario Filho, Carlos Heitor Cony, Armando Nogueira, Carlos Drummond de Andrade, Aparício Torelli (Barão de Itararé), Coelho Netto, Graciliano Ramos, Henrique Pongetti, José Carlos de Oliveira, José Lins do Rego, Mario de Andrade, Max Valentim, Oswald de Andrade, Paulo Rónai, Thomas Mazzoni, e outros.

Pareciam apenas papéis velhos, esquecidos, aparentemente sem valor. No meio do calhamaço, melhor, verdadeiro catatau de papéis velhos, o editor Oliveira encontrou uma pasta rosa, onde haviam 135 páginas datilografadas com o texto original e autobiográfico escrito por Arthur Friedenreich, o primeiro grande craque das massas alucinadas pelo futebol no Brasil.

Arthur Friedenreich

E não era só. No meio do material de Milton Pedrosa estavam cem fotos Arthur Friedenreich, todas inéditas, algumas com mais de cem anos, todas em perfeito estado de conservação. Tudo devidamente autorizado para publicação, com a assinatura da viúva do craque, Dona Joana Friedenreich.

Quem foi Arthur Friedenreich?

Ele foi tão somente a primeira grande lenda do futebol brasileiro.

Simples assim?

Certamente.

Arthur Friedenreich, ou El Tigre, ou Fried, como era conhecido, viveu entre 1852 e 1969, era filho de um imigrante alemão, alto, daqueles branquelos, com olho verde, com uma moreníssima brasileira, que trabalhava como empregada doméstica e era uma mulher conhecida por ser reservada.

Um dado interessante é que o craque manteve uma positiva relação com Charles Willian Miller, o inglês que trouxe o futebol ao Brasil foi um de seus mentores.

Charles Willian Miller

Segundo os textos escritos pelo próprio jogador “Fui aperfeiçoando meus recursos olhando Charles Miller, chutando a redonda sob seu olhar, que foi assim como o meu professor primário no futebol. Mas coube a Hermann Friese, que fora campeão no futebol alemão, me ensinar o secundário e o superior. Com ele, comecei a subir a ladeira e cheguei à efetivação no nível mais alto do futebol.

Herman Friese foi, junto com Miller, um dos pioneiros da criação do futebol brasileiro. Havia nascido em Hamburgo, Alemanha e falecido em São Paulo, teria sido o primeiro estrangeiro a jogar no Brasil foi juiz de futebol e técnico, sendo o primeiro treinador oficial de Friedenreich.

Herman Friese

Friedenreich foi também o primeiro grande nome da Seleção Brasileira. Em 1919, no Campeonato Sul-Americano, a atual Copa América, que foi disputada nas Laranjeiras, no estádio do Fluminense, para um público de 35.000 pessoas, quando o futebol era muito mais violento que hoje, e não havia o temido cartão vermelho.

Estádio das Laranjeiras, 29 de maio de 1919

O craque marcou o gol que valeu o primeiro título importante de nosso futebol, contra o Uruguai. Nascia ali a idolatria em torno do nome dele. Ele foi carregado pelas ruas do Rio de Janeiro e suas chuteiras ficaram expostas numa joalheria na Rua do Ouvidor, a principal do comercio carioca no início do século. Foi a primeira manifestação da massa em torno de um jogador de futebol.

Friedenreich Junto a Seleção Brasileira. Ele está agachado, ao centro

O editor César Oliveira comentou sobre este jogo que “Segundo os cronistas da época, o Uruguai batia muito no time do Brasil. Houve duas prorrogações, e as seleções jogaram 150 minutos. Friedenreich, mesmo sem dois dentes na boca, porque um uruguaio tinha acertado ele, conseguiu marcar o gol do título”.

Tesouro

Segundo César de Oliveira “Herdei da família do jornalista Milton Pedrosa, de cujos filhos sou amigo, o acervo da Editora Gol”, uma editora criada exclusivamente para lançar títulos exclusivamente sobre o futebol, mas que faliu e daí se explique o porque de  Milton Pedrosa não ter lançado este tesouro.

"El Tigre" em ação

Depois de 41 anos perdidas no acervo da família do autor de “Gol de Letra- Futebol na literatura brasileira”, esses documentos são parte da memória do futebol brasileiro. César de Oliveira  considera que estes documentos precisam e devem ser cuidadas por entidades dedicadas à preservação de iconografia histórica. Com profissionais gabaritados que cuidem delas, limpem, restaurem, preservem, arquivem, indexem e abram para consulta pública”, diz, se colocando-se aberto a negociações: “Quero ter certeza de que serão bem tratadas.”

O editor disse não acreditar que a biografia tenha sido escrita por Friedenreich, mas por um dos primeiros repórteres envolvidos com o futebol, que assinava com o pseudônimo de Paulo Várzea. “O livro tem característica de um jornalista com textos bom de ler sobre fatos do cotidiano”, afirma, confidenciando que Friedenreich é apresentado como uma criança que não gostava de ir à aula e preferia jogar bola.

Uma lenda que foi desmitificada pelo texto encontrado, dizia que Friedenreich teria feito mais de 1.300 gols em sua carreira, numa época que não havia uma divisão clara entre profissionais e amadores. Na verdade, ele marcara “apenas” 550 tentos de forma oficial. Mas, considerando os números de jogos, Arthur Friedenreich alcançou uma média de gols por partida melhor que a do próprio Pelé.

Este verdadeiro tesouro arqueológico deve se transformar em um interessante livro em pouco tempo. Mesmo sendo adorado pelo público da sua época, existem poucos registros de sua trajetória esportiva ou pessoal de Arthur Friedenreich. Por esta razão o achado do editor carioca César Oliveira se torna ainda mais raro e especial.  O editor está em busca de patrocinadores para lançar o livro em 2012, quando se comemoram os 120 anos de nascimento do jogador e pretende resguardar os originais.

Fontes

http://blogdojuca.uol.com.br/2011/07/preciosidade/

http://pt.wikipedia.org

http://globoesporte.globo.com/programas/esporte-espetacular/noticia/2011/07/tesouro-do-futebol-editor-encontra-autobiograifa-de-arthur-friedenreich.html

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

AS IMAGENS NAS PAREDES DAS ANTIGAS CASAS DO SERTÃO

Autor – Rostand Medeiros

Sempre que viajo ao sertão gosto de observar os costumes, o modo de vida, a forma como o sertanejo interage com o Mundo.

Aguço meus sentidos principalmente quando estou nos sítios, nos rincões, nas pequenas ou grandes propriedades rurais, sejam nas modernas ou nas antigas, com seus sótãos, suas grossas paredes e histórias.

Fique bem claro que ao fazer estas observações, nunca faço de modo pedante, superior, tipo “o cara da capital que olha de cima”, mas apenas pela ideia de poder ainda observar os últimos resquícios do velho sertão, que muda cada dia, cada vez mais rápido.

Não sou contra a evolução, o progresso, apenas tenho a utopia de ver o que Câmara Cascudo e Mario de Andrade viram em sua viagem pelo sertão, ou ver os costumes que Oswaldo Lamartine observou e transmitiu magistralmente.
Sei que agora, o que existe, é somente uma pálida visão deste antigo sertão.

Observei que mesmo nos sítios mais distantes, no interior das casas sertanejas, a velha iconografia existente nas paredes destas casas, está cada vez mais difícil de ser observada.

As figuras atualmente mostradas são muito distintas das imagens que os sertanejos orgulhosamente apresentavam, com sua variedade de contrastes, suas figuras santificadas, suas simpatias e outros temas. Sobram imagens inúmeras outras bandas de um forró de qualidade duvidosa, ou imagens de ídolos do futebol e da televisão.

Não que a figura santificada tenha deixado de existir, mas o espaço diminuiu e muito. Os políticos ainda se fazem presentes, mas diferente do passado, mais na época de eleição.

Neste sentido, no jornal “A Republica”, de 13 de março de 1923, em um artigo intitulado “A Iconographia Sertaneja”, já se apontava as mudanças da percepção iconográfica do sertanejo potiguar de então.

Naquele tempo, junto com a imagem do santo de devoção, já havia a figura do político. Entre as imagens mais vistas, até nas “mais humildes choças”, estava o retrato de Augusto Severo, depois as figuras de Pedro Velho, Ferreira Chaves e uma ou outra de Alberto Maranhão.

A figura do ex-senador Almino Afonso, outrora muito popular, estava deixando de ser vista. Fato semelhante ocorria com a figura do velho chefe político de Mossoró, Almeida Castro.

O retrato de Augusto Severo ainda era popular em 1923, devido à mitificação da sua figura como o “grande herói potiguar dos ares”. Em relação à ainda estarem fixados nas paredes sertanejas, as figuras da decadente oligarquia Maranhão e seus aliados, pode-se explicar no sentido que estas figuras políticas estavam, naquele período, deixando o cenário do poder, para a ascensão de José Augusto Bezerra de Medeiros e Juvenal Lamartine de Faria. Deve-se levar em conta que as informações naquele tempo demoravam muito a chegar aos rincões do nosso Estado.

Papa Leão XIII

Chama a atenção no artigo, o fato do autor comentar existirem muitas fotos do Papa Leão XIII e poucas dos seus sucessores, Pio X e Bento XV. Provavelmente isto se devia ao sucesso que este Papa obteve junto ao clero nordestino. O Papa Leão XIII ficou conhecido pelas suas doutrinas econômicas, nas quais ele argumentava a falha do capitalismo e do comunismo. Ficou famoso como o “papa das encíclicas”. A mais conhecida de todas foi a “Rerum Novarum”, de 1891, sobre os direitos e deveres do capital e trabalho. Ele introduziu mudanças fortes no pensamento social católico, que alcançaram o sertanejo de outrora e fizeram a sua figura ser um sucesso nas casas do sertão nordestino.

Outro ponto tocado pelo autor foi o fato de, em meio a um Brasil efervescente de revoltas e revoluções, não haver encontrado a foto de um “agitador das massas”, mostrando o conservadorismo das populações interioranas.

Já o santo mais visto nas casas não poderia ser outro que não São José, principalmente pela sua relação com o dia 19 de março, o dia decisivo, o dia da verdade, o dia quando o agricultor sabe se vai ter ou não chuvas, se o seu ano está salvo ou perdido. A figura deste santo existia em quadros de todos os tamanhos e formatos. Nossa Senhora, sobre qualquer invocação, era sempre muito popular.

Em um sertão de poucas letras, de poucos livros, onde as figuras ditas “letradas”, eram praticamente invisíveis nestes lares. O autor afirmou ter encontrado, em apenas uma casa, a figura do poeta Olavo Bilac.

Nos locais que moravam as pessoas mais idosas, ou que um venerável idoso era o comandante deste lar, era normal as imagens de D. Pedro II, com sua respeitável barba branca, e a da “Redentora”, a princesa Isabel.

Uma surpresa; Segundo o autor de “A Iconographia Sertaneja” neste época a figura do padre Cícero Romão Batista era extremamente popular no sertão, com muito prestígio e enorme influência. Para ele era difícil alguém de fora fazer até uma simples crítica ao “Padim Ciço do Joazeiro”.  Contudo, apesar de todo o prestígio do cura cearense poucas eram as imagens deste “santo” nas casas sertanejas visitadas.

Antigamente, ao se entrar em uma casa no sertão, era fácil conhecer o pensamento político, o santo de sua devoção e outras características. Hoje é diferente.

As duas fotos que apresento, foram conseguidas no interior da Paraíba, em duas localidades distintas e bem pequenas, próximas as fronteiras com o Ceará e Pernambuco. Foram as imagens que considerei mais bonitas e originais.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

VOCÊ QUER SABER SOBRE SEUS ANTEPASSADOS?

Você gostaria de saber informações sobre seus antepassados? Sobre sua árvore genealógica, então deve entra no endereço http://www.familysearch.org/eng/default.asp (inglês) ou https://new.familysearch.org/pt/action/unsec/welcome (português) e iniciar uma busca.

A “Family Search International” é considerada a maior organização que trabalha o tema da genealogia em todo o mundo.  Sua principal ferramenta consiste no site FamilySearch.org, que oferece acesso gratuito a imagens digitais de registros genealógicos em todo o mundo. É uma grande coleção de registros, recursos e serviços projetados para ajudar as pessoas a aprender mais sobre sua história familiar.

A “Family Search” foi criada em 1894, em Salt Lake City, nos Estados Unidos, primeiramente como Genealogical Society of Utah (GSU), um dos segmentos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Igreja Mórmon), que até hoje administra esta organização em mais de 110 anos de trabalho em prol da genealogia em todo o Planeta.

A “Family Search International” começou a utilizar a microfilmagem para seus registros genealógicos em 1938 e a imagem digital de registros em 1998. Estas imagens, que abrangem famílias de mais e100 países, estão armazenadas no Granite Mountain Records Vault. Este é um grande arquivo, escavado profundamente no subsolo, próximo ao Cnyon Little Cottonwood, próximo a Salt Lake City.

Granite Mountain Records Vault

Nestas instalações, ideais para criar um ambiente controlado para o armazenamento de longo prazo e apto a resistir até mesmo a ataques atômicos. Lá estão mais de 2,4 milhões de rolos de microfilme, que equivalem a mais de 3 bilhões de páginas de registros familiares e todo ano mais 40.000 rolos de microfilme são incorporados ao acervo.

Mas para que os Mórmons tem todo este trabalho, quando a maioria dos nomes  registrados, que estão guardados e disponibilizados no site da“Family Search International”, não são de membros de sua igreja?

Os membros de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias acreditam que o rastreamento da linhagem de uma família é essencial, pois as famílias são destinadas a ser a força central de nossas vidas e que as relações familiares são destinadas a prosseguir para além desta vida. Isso independente de questões religiosas, politicas, de origem étnica, etc.

Os arquivos no subsolo

Não se acanhe nobre leitor de tentar saber um pouco mais sobre suas raízes. O fato de viver na América do Sul, ser brasileiro e nordestino não é problema para utilizar esta maravilhosa ferramenta e conhecer mais sobre seus antepassados.

Boa Sorte.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

PRECONCEITO E RACISMO CONTRA NORDESTINOS – FATO ANTIGO

ATÉ MÁRIO DE ANDRADE JÁ SE POSICIONOU CONTRA ISSO

Autor – Rostand Medeiros

Existe muita coisa de boa e de ruim do ser humano, mas certamente uma das piores é o preconceito e o racismo em relação as suas origens. E você só sabe como funciona este tipo de situação, e o quanto isso é perverso, apenas no dia que sente.

Em relação a este assunto, existe um movimento ocorrendo em São Paulo, terra maravilhosa e de muita gente boa, que revela uma situação triste e complicada.

Há um ano teve início um abaixo assinado divulgado na internet, do chamado “Movimento São Paulo para paulistas” http://tudoporsaopaulo2010.blogspot.com/

Sou uma pessoa que se impressiona muito com o preconceito e com o racismo, pois durante mais de dez anos trabalhei como Guia de Turismo em Natal, onde conheci e fui alvo de preconceito e racismo pelo fato de ser nordestino.

Ser nordestino, viver no Nordeste, me causa muito orgulho. Neste sentido os fatos que infelizmente tive o desprazer de presenciar foram mais amargos ainda, pois ocorreram na minha própria terra.

Lembro-me que, talvez devido ao fato de ter a pele clara, sempre me diziam que eu “-Não parecia com um nordestino!”. Na mesma hora eu respondia; “-Mas para você, como se parece um nordestino?”.  Daí, primeiramente, vinha a cara de surpresa, o risinho torto e sem graça, os olhos procurando algo perdido no espaço e as respostas mais ouvidas foram “-Ah, sei lá!”.

Quando havia alguma coisa errada na rua, como por exemplo, uma pessoa que jogava um papel na calçada, não faltava a sentença; “-Mas como nordestino faz besteira!”.

Outra coisa triste eram as comparações. Nunca consegui compreender como alguém gasta tanta grana para viajar, vem para outras cidades e, ao invés de curtir, fica ridiculamente fazendo comparações desairosas e negativas sobre o lugar visitado.

Ouvi muitas vezes a máxima que na nossa terra “só havia gente feia”. Afirmavam que sua região de origem do turista era diferente, pois lá o povo não era tão “misturado”. Misturado?

E por aí seguia.

Não vale nem a pena rememorar tais episódios de forma específica. Nem listar de forma ridícula “de qual estado vem os turistas mais racistas”, pois durante todo este tempo de luta no turismo, estes fatos negativos foram poucos.

Essa é a nossa unica imagem quando se fala em Nordeste?

Mas, infelizmente ocorreram e o ruim é que dá uma raiva difícil de esquecer!

Coisa Antiga

Mas voltando ao caso do triste e vergonhoso movimento paulista. O pior é que este tipo de preconceito, de racismo contra os nordestinos, não é novidade.

Anteriormente, principalmente para fugir da seca, o pobre sertanejo da nossa região seguia para o norte do país, para a Amazônia em busca do sonho da borracha e da terra cheia de florestas e rios. Mas houve o momento em que o destino mudou e no final da década de 1920 teve início o movimento de migração de nordestinos em direção a São Paulo. Logo começaram as críticas contra a chegada destas pessoas.

Em 1929 havia a ideia que nordestinos “desocupados e preguiçosos” eram trazidos para São Paulo para “vadiarem” na grande metrópole. Mas ouve vozes em contrário. Uma delas veio de um paulista de renome, ninguém menos que Mário de Andrade.

Em um artigo originalmente publicado em março de 1929, no jornal paulista “Diário Nacional”, tendo sido reproduzido integralmente no jornal natalense “A Republica”, no dia 7 de abril de 1929, o autor de “Turista Aprendiz”, mesmo iniciando o artigo afirmando que não iria “entrar nessa discussão sobre imigração nordestina”, faz uma defesa do trabalhador da nossa região que estava no seu estado.

Mário de Andrade

TRABALHADOR NORDESTINO

Mário de Andrade

Não pretendo entrar nessa discussão sobre imigração nordestina, que anda ascendendo ardores por aí. Discussão que deu lugar a patriotismos regionalistas muito detestáveis. Antipatrióticos.  E me parece que mal colocada. Excetuada alguma nota rara de visão exata (Amadeu Amaral, Antonio Bento de Araújo Lima), o problema foi tratado debaixo de uma mentalidade capitalista e não propriamente econômica.

Ainda outra coisa que ninguém distinguiu foi entre “proletário” nordestino e “desocupado” nordestino. Homem do campo. Homem da cidade. Em todas as cidades deste mundo se ajunta sempre uma população mariposa. A cidade atrai. Uma gente fraca, e o que é pior, dotada de todas as “habilidades” que a fraqueza engendra, vem chamada por esta atração. E fica por aí, na barra da saia da cidade, mariposando, vivendo de expedientes, na folga dos biscates. De fato essa gente vadia. E “vadeia” que no Nordeste significa brincar, cantar, dançar, se divertir.

E essa psicologia romântica do verbo “vadiar” nos da bem um elemento pra aquilatar da capacidade do homem do povo nordestino. Não se pode chamar de “vadiação” ao caso do individuo que vai pra city das cidades, a espera e trabalho. Muito menos ao fato do sertanejo na seca, rodeado pelo gado, estar esperando a hora de queimar o xiquexique pra criação comer. Esse mesmo homem é capaz de agüentar léguas a pé e tem capacidade física formidável. Basta ver o que é um samba ( ), um coco violento, durando a noite, para saber do que são capazes fisicamente os homens e mulheres nordestinos. A própria condição da vida nordestina em certas zonas, a do gado, a da carnaúba, é que obriga a longas estiagens de trabalho econômico. Porem, no vale do Assu, (carnaúba) pór exemplo, se diz que não tem noite sem samba. O proletário exerce nas noites a atividade que não teve por onde exercer durante o dia. E por isso o verbo “vadiar” mudou de sentido lá. Significa o brinquedo: o exercício às vezes duma fadiga inclemente, prodígio de esforço físico e habilidade. Ora o brinquedo é sempre uma transposição de atividades que não podem ser exercidas.

Porem não quero negar a existência do desocupado urbano nordestino. Existe como existe em S. Paulo, em Montevidéu, em Paris. E a psicologia do desocupado, do homem… da fuzarca, é a mesma por toda parte. Os agentes em busca de colonos pras fazendas não se dão ao trabalho de dias inteiros através do sertão, arrebanhando gente. Chegam nos portos e pegam as mariposas do biscate. Está claro que virá muito colono ruim assim. Mariposa não se transforma em proletário do dia pra noite Mas também sei de fazendeiro que coloniza a propriedade só com nordestinos. Porem não fia em agente. Manda, mas é o próprio sertanejo nordestino que já tem na fazenda, trabalhador, colono excelente, buscar os conhecidos dele, lá de Catolé do Rocha, de Martins, do Seridó, gente boa.

Descendente de índio ou africano o proletário nordestino conserva disso a psicologia de quem foi muito dominado e abatido. É manso. É bem mandado. É de uma obediência servil. Vive no Nordeste uma diferenciação de classes que me chocou. Às vezes me feriu mesmo. Não é a toa que nos últimos tempos está se dando uma recrudescência no emprego da expressão “senhor de engenho”. No geral iniciativa do proletário é circunscrita ao mínimo possível pelo “seu doutor”, que significa homem de gravata. Também pra explicar a psicologia do cangaceiro nordestino, o argumento dele se revoltar contra as injustiças da justiça me parece fácil por demais. Há sem duvida no cangaceiro um fundamento mais secular de revolta contra a injustiça social das classes. E contra a escravidão que, se perdeu a base de compra e venda, não perdeu o sentido de obediência e mando.

Quanto ao argumento que o proletário nordestino raro enriquece aqui, é argumento capitalista e não econômico.

Malfadado por uma terra que acumula omissões, o homem do povo nordestino se rege pelo “primo vivere”. É a psicologia da fome, mais dramática que condenável. Quando vem pro sul ganha fácil. Então se deslumbra. Vê tudo fácil, gasta, não amontoa. Fenômeno perfeitamente explicável em quem atinge terras de aventura capitalista. Se deu na Califórnia e no Alasca. No sul da África. Na Argentina e Brasil. Em S. Paulo, terra de aventura, tem centenas de estrangeiros que fazem o mesmo. Antes e depois de ricos. Porque a riqueza não justifica, os luxos rastaqüeras. Mas nós não censuramos o senhor conde Matarazo que esbanja um trust num monumento tumular ridículo. Porem por causa do proletário nordestino não se adaptar desde logo a mania de ajuntar ouros… a Prefeitura abre portãozinho  para quanto ricaço esbanje chique. Pelo menos que soubesse abrir portões maravilhosos, que nem os que a gente encontra em cemitérios nordestinos, o de Arez, o de Goianinha, o de Augusto Severo, por exemplo. Portões que nordestino fez. Mas os nossos problemas não tratam de civilização, de cultura, de economia. Se resumem a cócegas de capitalização.

O mais engraçado é que todos acabaram reconhecendo que o proletário é excelente. Porquê e praquê tanta birra então? Nós vivemos no geral suspeitos às franjas dos problemas brasileiros. Em vez de atacarmos diretamente os problemas, vivemos desbastando as superfícies dum instrumento malfeito. É o que o caracteriza, desde a Monarquia, a desídia nossa.

(Do “Diário Nacional”, de São Paulo)

O Conhecimento de Mário de Andrade Sobre o Nordeste

Percebemos que os apontamentos do escritor Mário de Andrade neste artigo certamente surgiram a partir das experiências do autor nas suas duas viagens pelo Norte e Nordeste do Brasil. Nestas aventuras etnográficas, Mário desejava conhecer o Brasil e o povo brasileiro. Elege o Norte e o Nordeste como regiões privilegiadas do que deveria visitar e realiza seus objetivos em duas distintas viagens de estudo e pesquisa.

Mário pesquisando o Brasil

Na sua segunda viagem ele demora-se no Nordeste em trabalho de coleta de documentos musicais, conhecendo músicas de “feitiçaria”, cocos, danças dramáticas, romances, cantos de trabalho. Quando esteve no Rio Grande do Norte no final de 1928, conheceu muita coisa na companhia de intelectuais locais, registrou em fotos as paisagens, a arquitetura, o sertão e a população dos locais visitados.

Mário de Andrade passa a escrever no jornal “Diário Nacional” a partir de 1927, onde publica a maior parte de sua produção, entre críticas, contos, crônicas e poemas, até 1932, quando o jornal é fechado. O “Diário Nacional” era o órgão noticioso do Partido Democrático, agremiação política a qual Mário de Andrade era filiado. Respondia pela redação do periódico Sérgio Milliet, Antônio Carlos Couto de Barros e Amadeu Amaral.

É Combatido

Percebo que este preconceito, este racismo regionalista existente no Brasil, só tende a crescer na medida em que crescem as nossas eternas e futuras crises econômicas, políticas, sociais, morais, éticas, etc., etc. É como uma espécie de válvula de escape para superar as frustrações de um momento.

Ainda bem que vivemos em uma democracia, onde todos tem o direito de manifestarem as suas ideias e por sorte existem pessoas que não se conformam com as ações preconceituosas e racistas, como a realizada pelo “Movimento São Paulo para paulistas”. Uma manifestação interessante sobre este movimento veio do jornalista Paulo Henrique Amorim, que mostra de forma clara e inteligente o que pensa quem cria este tipo de coisa.

Veja o link; http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2010/11/08/o-que-pensa-quem-quer-sp-so-para-paulistas/

Ainda bem que depois de um ano ativo, pelo menos até a manhã de 24 de maio de 2011, o triste movimento “Movimento São Paulo para paulistas”, possuía 1849 assinaturas.

E, infelizmente, Também Existe Aqui

Como já senti o preconceito e o racismo pelo simples fato de ser de onde sou, é inevitável que dentre todas estas ações preconceituosas e racistas existentes por aí,  a que me chama mais a minha atenção é o que ocorre contra estrangeiros.

No passado muitos imigrantes vindos de outros países sofreram inúmeras formas de racismo ao desembarcarem no “grande país tropical”.

Assim ocorreu quando japoneses chegaram a mais de 100 anos e se tornaram alvo de fortes críticas e perseguições. Ou como aconteceu com os sírios e libaneses, que aqui eram chamados pejorativamente de “Turcos”. Ou com os “branquelos” alemães. No topo da lista não podemos esquecer os portugueses, que vinha da “terrinha” para serem alvos de eternas piadas.

Mesmo a distante China, que nem tinha tantos imigrantes no Brasil em épocas passadas, ficou conhecido como o país onde tudo que não prestava era mandado para lá. Era o famoso “Vai prá China!”, que tinha o mesmo significado de “Vai para aonde o diabo te carregue”.

Afora que, tudo que é mal feito em termos de produtos manufaturados vem do Paraguai e também da China.

E por aí vai.

Mas o irônico é que as piadas com os portugueses e a mania de se mandar tudo que não presta para a China diminuíram na medida que estes países ganharam mais prestígio no cenário mundial.

Será que estas manifestações de preconceito e racismo é algo inerente ao DNA de todos os seres humanos que vivem na Terra?

Não sei, mas como existem quase 2.000 pessoas que assinam este tipo de manifesto público, infelizmente, em nossa querida Natal, igualmente existe preconceito e racismo.

No caso potiguar, os preconceitos e os racismos são múltiplos. Focados muitas vezes em quem tem mais que outros, na cor da pele, onde mora, qual seu sobrenome, a sua família, de onde se vem e outros mais.

Por aqui eu percebo que uma das coisas que mais incomoda muita gente é a miscigenação dos estrangeiros na “Capital Espacial do Brasil”.

Devido ao fato dos estrangeiros se casarem com potiguares morenas, de origem humilde, oriundas do interior, ou da Zona Norte de Natal, se diz que eles “só gostam de negas”.

Se você que está lendo este artigo e, por acaso, acha que não existe preconceito e racismo em Natal, é porque você é igual aos que participam do “Movimento São Paulo para paulistas” e devia assinar o manifesto.

Siga estas ideias

P.S.- Segundo site http://preconceitoouracismo.zip.net/, a diferença entre preconceito e racismo é a seguinte;

Preconceito: Atitude discriminatória que baseia conhecimentos surgidos em determinado momento como se revelassem verdades sobre pessoas ou lugares determinados. Costuma indicar desconhecimento pejorativo de alguém ao que lhe é diferente.

Racismo: É a tendência do pensamento, ou do modo de pensar em que se dá grande importância à noção da existência de raças humanas distintas e superiores umas às outras. Onde existe a convicção de que alguns indivíduos e sua relação entre características físicas hereditárias, e determinados traços de caráter e inteligência ou manifestações culturais, são superiores a outros.

Mas para mim é tudo terrível e sofremos da mesma maneira.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

MEU NOVO LIVRO – “JOÃO RUFINO – UM VISIONÁRIO DE FÉ”

Há quase dois anos, após o lançamento do meu primeiro livro “Os Cavaleiros dos Céus – A Saga do Voo de Ferrarin e Del Prete”, fui contatado sobre a possibilidade de desenvolver a biografia de um homem da cidade de São Miguel, no extremo oeste do Rio Grande do Norte. O mais interessante sobre ele foi que um dia ele teve um sonho e conseguiu realizá-lo.

Capa do nosso novo livro

O nome deste cidadão é João Alves de Lima, mais conhecido na sua região como João Rufino e seu sonho foi criar uma empresa com muita fé trabalho e luta, sempre tendo muita devoção a Deus.

A princípio, em 1959, o nome deste sonho foi “Café Nossa Senhora de Fátima, depois se transformou em “Café Santa Clara” e desde o início de 2010 passou a ser conhecido como 3Corações.

Para quem não sabe, hoje o Grupo 3Corações é tão somente a maior empresa de café do Brasil e um e das maiores neste ramo em todo o mundo. Escrever sobre João Rufino, este grande potiguar, é para mim um grande motivo de orgulho.

Tive o privilégio de conhecer um ser humano especial, que nasceu em uma região do Rio Grande do Norte tão pouco conhecida dos habitantes da capital e tão cheia de coisas positivas. Mesmo João Rufino tendo dado o pontapé inicial para a criação desta grande empresa, mesmo que este empreendimento tenha se desenvolvido em uma região onde não se encontram plantações de café, nem para serem fotografadas, este homem é basicamente lembrado e reconhecido em sua comunidade pela sua enorme capacidade de trabalhar, pelos seus gestos de bondade, pela sua religiosidade, sua caridade, pelo apoio aos necessitados, pela amizade, carinho pela natureza e, principalmente, pela enorme dedicação aos que o cercam.

Igreja matriz

Percebi que o fato de João Rufino nunca se gabar do que possui, do que construiu ou do que seus filhos desenvolveram é o que mais chama a atenção no povo da Serra de São Miguel em relação à sua pessoa, à sua família.

Para a gente do lugar, eles continuam a ser as mesmas pessoas.

Não mudaram, não alteraram seu comportamento nem a maneira de tratar a todos. João Rufino e seus familiares, apesar de todo o sucesso, de ganharem o mundo, continuam a ser simplesmente micaelenses.

E ser de São Miguel, do extremo oeste do Rio Grande do Norte, é ser diferente. Distante dos grandes centros de decisões regionais, fincado no alto de uma grande serra, o povo dessa região possui antes de tudo um forte sentido de independência, de muito orgulho do seu lugar, de suas origens, da beleza de sua terra e da sua força. Isso tudo é associado a uma grande valorização do sentido de honra, de dever cumprido, de gratidão e respeito.

Praça principal de São Miguel

Foi desta terra que veio João Rufino.

A sua vida de luta é um exemplo. Como poderemos conhecer em sua história, não faltaram coragem, determinação, força de vontade e perseverança para trabalhar e vencer.

Antes de tudo, seu maior desejo foi dar as melhores condições para que seus filhos tivessem um futuro melhor. Com exceção disso, praticamente tudo o que ele quis conquistar foi desapegado de ambição material.

João Rufino sempre teve a saudável pretensão de desenvolver um produto de qualidade. “Abençoado”, como ele diz. Um café que todos gostassem, que indicasse a sua vontade de acertar junto à sua comunidade, de se mostrar competente e ser reconhecido por isso. Era mais a motivação de proporcionar algo bom do que o simples desejo de desenvolver um produto para ter condições de “possuir”.

Essa sua falta de ambição pelos bens materiais levantou diversas críticas de concorrentes. Alguns chegaram até a lhe chamar de louco por distribuir parte do seu produto gratuitamente.

O que o povo da região não percebia era que o seu método estava à frente do seu tempo, se considerarmos as características comerciais do início da década de 1960, quando o caderninho com as contas dos clientes era a prática normal. Apesar disso, ele nunca se importou com a opinião dos outros e ainda realizava seu trabalho sempre dotado de muita fé.

Durante nossas pesquisas

Mesmo com o fato dos empreendimentos tocados pelos seus filhos estarem em um patamar que João Rufino nunca imaginou alcançar, ao visitar algumas das unidades fabris do atual Grupo 3 Corações percebe-se nitidamente que a mesma filosofia de trabalho criada por ele em 1959 é seguida até hoje pelos mais de 4.000 colaboradores da empresa.

Depois de muita pesquisa, muita estrada, muita gravação, muita digitação e muita satisfação pelo trabalho realizado, no próximo dia 23 de abril, feriado de sábado de aleluia, a cidade de São Miguel reviverá sua história de força e beleza registrada em imagens e palavras em um grande evento denominado “São Miguel, Minha Terra”.

Convite para o evento "São Miguel Minha Terra"

Às 19h, acontecerá o coquetel de lançamento do nosso livro “João Rufino, um visionário de fé”, com sessão de autógrafos. O livro conta com 270 fotos, em 382 páginas e conta com uma tiragem de 8.000 exemplares, impressos na Halley Gráfica e Editora, de Teresina, Piauí.

Sobre os trabalhos técnicos deste livro; a coordenação editorial é de José Correia Torres Neto e a revisão de textos de Kaline Sampaio de Araújo. O projeto gráfico e diagramação inicialmente foi de José Carlos Santos e depois assumido pela Promosell Comunicação da cidade de Fortaleza. Coube ainda a Promosell Comunicação a elaboração da capa (http://www.promosell.com.br/). Já o tratamento de imagens ficou a cargo do competente fotografo Cláudio Pedroso (http://claudiopedroso.fot.br/). Finalmente a consultoria editorial e gráfica ficou a cargo de Kelly Mota.

Após ocorrerá a abertura da Exposição Fotográfica “São Miguel, Minha Terra”. São mais de 300 fotos ilustrarão a história de São Miguel nesta exposição fotográfica. É um verdadeiro presente para a cidade. Inspirada no nosso livro “João Rufino, um visionário de fé”, a exposição exibe vários painéis de fotos restauradas; todas provenientes do acervo pessoal da família, de amigos e de historiadores. A exposição também estará aberta ao público durante o domingo, dia 24, das 10h às 22h.

Finalmente, para abrilhantar o evento, o grande amigo de São Miguel, o cantor Raimundo Fagner, fará um show na Praça de Shows Pedro Rufino a partir das 22h. Os micaelenses vão cantar juntos em homenagem à São Miguel e se emocionar com os versos do renomado artista. A página oficial deste cantor na web já informa sobre o show (Ver http://www.fagner.com.br/).

Durante a elaboração deste trabalho tive oportunidade de conhecer o quanto este ícone da Música Popular Brasileira gosta de São Miguel. Juntamente com José Gaudêncio Torquato, o cantor Raimundo Fagner é um dos prefaciadores deste livro.

O nosso biografado entre seus prefaciadores. Vemos Fagner, João Rufino e José Gaudêncio Torquato.

Para aqueles que lá estiverem vai ser uma grande celebração.

Como Pedro Lima coloca em relação ao seu pai João Rufino, “ele nunca perdeu a inocência nem a fé na vida e nas pessoas”.

Por esta e inúmeras outras razões, obrigado por ter tido a oportunidade de conhecê-lo e de ter tido a honra e o privilégio de escrever sobre sua vida.

Rostand Medeiros

Natal, 14/04/2011

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados

MASSACRES NO RIO GRANDE DO NORTE – JÁ VIMOS ESSE TIPO DE DESGRAÇA

Autor – Rostand Medeiros

Diante da terrível tragédia ocorrida na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, na manhã desta última quinta-feira, quando aquele ex-aluno invadiu o prédio e matou 11 jovens, passei a me questionar, como milhões de brasileiros, a razão deste massacre.

Massacre do Realengo

O negócio foi tão sério, que até nossa forte presidenta extravasou sua emoção e chorou em público. Como pai, senti um forte aperto no coração pelos pais das vítimas do massacre do Rio.

Dilma chora pelos jovens mortos no Rio

Em meio a estes pensamentos, me lembrei de que o Rio Grande do Norte deve ser o único estado brasileiro que possui um feriado (comemorado em 3 de outubro), onde se relembra as vítimas de dois massacres ocorridos durante a ocupação holandesa desta parte do país.

Mas outros fatos tenebrosos ocorreram na terra potiguar e não faz muito tempo.

O Terror em uma Fazenda de Cruzeta

Amigos e amigas, eu confesso que pelejei, pelejei, mas não consegui chegar a saber o ano que aconteceu o fato que vou narrar. Mas acredito que este triste episódio se desenrolou entre o final da década de 1960 e o início da década seguinte.

No Sítio Margarida, localizado a poucos quilômetros da cidade potiguar de Cruzeta (220 km de Natal), por volta das três da manhã, o agricultor José Emídio se levantou para ordenhar algumas vacas.

Enquanto isso na sua casa um dos seus cinco filhos, que acredito ter sido o mais novo, chorava pedindo para mamar.

Emídio teria dito a sua mulher que realizasse o desejo da criancinha. Mas Severina Maria da Conceição, provavelmente impaciente, respondeu imprudentemente que “-Deixasse chorar, pois o filho não é seu”.

Os mortos e o assassino de Cruzeta

Aparentemente calado como estava, calado Emídio ficou. Remoeu o ódio da traição dentro do peito e tomou uma decisão fatídica.

Foi à cozinha, pegou um facão amolado e, sem maiores considerações, gritarias, ou choradeiras típicas de quem é traído, matou todo mundo que estava dentro da simples vivenda.

Consta que José Emídio desconfiava que fosse traído pela esposa. Na sua concepção de homem “macho”, a afirmativa de Severina selou sua vida e de seus filhos.

Além de Severina, a crueldade de José Emídio deixou sem vida Manoel, Josenir, Francisco, Josileide e Josemar. Este último era o mais velho, tinha oito anos e ainda foi socorrido com vida para o hospital da cidade de Currais Novos, aonde veio a falecer. No total foram seis pessoas eliminadas.

O cordel sobre o caso

Segundo o cantador “Craúna do Norte”, autor do cordel “O Bárbaro Acontecimento das Mortes em Cruzeta”, assim ocorreu o enterro;

Oh que cena comovente

Em lembrar os funerais

Um caixão grande na frente

E cinco pequenos atrás

Reinava um certo mistério

Em rumo ao cemitério

Morada do desengano

E a multidão que seguia

Quem visse não choraria

Só se fosse desumano

A princípio José Emídio quis negar a polícia, mas depois confessou tudo.

Não tenho maiores informações sobre este caso.

O Monstro de Capim Macio

Corria o ano de 1975. Eu não tinha nem dez anos de idade e até mesmo pelo meu então curto tempo de vida, eu não poderia saber maiores detalhes.

Mas me lembro do clima de medo e de surpresa que se instalou entre meus familiares e de como eu ia dormir assustado com as histórias do “Monstro de Capim Macio”. Esta figura era, no meu pensamento de criança, um ser enorme, demoníaco, que poderia chegar a qualquer momento e me levar da casa dos meus pais.

Área de Ponta Negra, década de 1970, próximo a Capim Macio

No dia 8 de agosto, na área de Capim Macio, então um lugar onde ainda se encontravam granjas, havia uma propriedade que pertencia a uma professora alemã chamada Ruth Carolina Marta Loomam. Ela morava com sua mãe Alexe Flena Maria Reymann, de 60 anos, com suas duas filhas, Carla, de 13 anos e Anthonieta, de 11 anos e ainda a empregada doméstica de nome Ana Lídia, então com 14 anos, e que estava grávida.

E havia o caseiro. Ele se chamava José Vilarim Neto, com 25 anos, sendo descrito como um homem baixo, moreno, taciturno, mas prestativo e considerado um bom ajudante de serviços pesados.

Nesta noite, por motivos até hoje desconhecidos, Vilarin adentrou a casa e começou uma orgia de sangue. Matou as pequenas Carla e Anthonieta, a avó e a empregada Ana Lídia. Para realizar sua crueldade, ele utilizou um rifle calibre 22. Consta que teria praticado necrofilia com uma das meninas.

Segundo a reportagem do jornal Diário de Pernambuco, de 8 de maio de 1980, feito isso Vilarin foi ao quintal da casa e cavou um grande buraco, onde pretendia colocar os corpos. Mas a professora chegou com sua filha mais nova, Astrid. Vilarin tentou matar a dona da granja, desferindo dois disparos que lhe atingiram o maxilar e o ombro.

Mesmo ferida, a professora Ruth partiu para cima de Vilarim e, com mais força física, conseguiu desarmar o assassino, entrou na casa, se trancou e ele fugiu.

Ruth e Astrid buscaram ajuda e foram encaminhadas para o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel.

Vilarim passou a ser caçado. A capital potiguar estava estupefata com a crueldade do evento e ele passou a ser denominado como “O Monstro de Capim Macio”.

Dias depois Vilarim foi capturado em uma granja próximo a Macaíba. Depois de algemado não explicou o motivo para a matança, não falava coisa com coisa e parecia desnorteado. Os jornais deram muitas páginas para este assunto e Natal ficou aliviada com a captura da “fera”.

Foi uma chacina sem precedentes na história policial da capital potiguar. Segundo o jornal Diário de Natal, na edição de domingo, 10 de agosto de 1975, Vilarim não era mais o caseiro de Ruth. Mas o jornal não aponta se o fato de Vilarin não ser mais funcionário da professora seria uma possível razão para ele ter cometido os nefastos crimes.

Quase cinco anos depois Vilarin sentou no banco dos réus, sendo acusado da prática de quatro homicídios, necrofilia e lesão corporal.

Capim Macio na atualidade

Depois de 12 horas no plenário do júri, “O Monstro de Capim Macio”, então com 29 anos de idade, foi condenado a 132 anos de prisão e mais 2 anos de medida de segurança. Consta que esta foi a maior sentença já aplicada na história da justiça criminal do Rio Grande do Norte.

O jornal pernambucano anteriormente citado informa que Vilarim ouviu sua sentença na maior indiferença e não comentou nada com os jornalistas.

Vilarin e Capim Macio (atualmente uma área superpovoada), foram durante muito tempo nomes que evocavam terror e medo.

Não tenho ideia do que ocorreu com as sobreviventes deste trágico episódio e nem com o “Monstro”.

Noite de Terror na Periferia de Natal

Da mesma forma como ocorreu em Cruzeta, seria uma boataria que ascenderia o estopim de uma noite de sangue em 1997.

Ele era um rapaz de baixa estatura, de complexão forte, que vivia em Santo Antônio dos Barreiros (hoje conhecida como Santo Antônio do Potengi). Um tranquilo distrito da cidade de São Gonçalo do Amarante, a 11 quilômetros de Natal.

“Neguinho de Zé Ferreira”

Seu nome era Genildo Ferreira de França, mais conhecido como “Neguinho de Zé Ferreira”. Consta que em 1990 Genildo serviu o Exército, salvo engano no Batalhão de Engenharia de Natal, onde se destacou e recebeu prêmios pela sua perícia como atirador. Afirma-se que devido a este período passado no meio militar, Genildo tinha uma grande idolatria por armas de fogo e militaria.

Considerado um bom rapaz, era casado e tido como um exemplar pai de família. Após sair do Exército montou um barzinho utilizando um dos cômodos de sua casa.

Neste meio tempo sofreu uma grande decepção, quando seu primeiro filho morreu atropelado.

Não sei se foi devido a este fato, mas logo ele se separou da primeira mulher. Contudo existe uma certeza por parte daqueles que o conheceram que, após estes acontecimentos negativos, Genildo passou a apresentar sutis sinais de perturbação. Entre estes, comentava que um dia iria se vingar do motorista atropelador.

O templo católico do lugar

Para muitos ele ainda tentou dar um rumo na sua vida. Casou pela segunda vez com Mônica Carlos de França.

Mas o casamento não deu certo. Havia muita briga e ele agredia a nova mulher constantemente. Em certo momento Genildo afirmou que Mônica, para tentar forçar uma separação, dizia a amigos que teria flagrado o marido na cama com um homem. Ele culpava os parentes de sua mulher, que estariam espalhando a acusação que ele era homossexual e assim apressar a separação do casal. Logo a boataria correu solta na pequena comunidade de 5.000 habitantes e Genildo era apontado na rua.

Estava montado o palco da desgraça.

Genildo começa a planejar tudo em detalhes, onde desejava exterminar pelo menos 20 pessoas.

Muito do que ele ganhava em seu comércio servia para comprar armas e munições. Logo era dono de um revólver da marca Rossi, calibre 38, niquelado e equipado com um potente silenciador. Além desta arma, ele tinha uma pistola da marca Taurus, no calibre 7,65 m.m. e muita munição.

Revólver 38 e silenciador

Na noite de 21 para o dia 22 de maio de 1997, Genildo começou a sua vingança.

Antes de começar a matança encontrou Francisco de Assis Ramos dos Santos, e uma adolescente chamada Valdenice e os obrigou a acompanhá-lo em vários crimes.

A primeira vítima foi a esposa Mônica, que levou três balaços. Por causa do silenciador instalado no cano do revólver, ninguém na comunidade ouviu nada e a matança continuou.

Chamou o taxista Francisco Marques Carneiro, com a desculpa de realizar um trajeto até Natal. Em um local afastado matou o motorista e passou a utilizar o veículo para praticar várias mortes. Segundo Valdenice houve farto consumo de maconha durante os assassinatos.

Maquiavélico, Genildo utilizou de vários artifícios para atrair suas vítimas. Em um disse que era para realizar algum serviço. Em outro foi um convite para beber. Teve ainda o chamado para uma farra em um cabaré. Consta que perto de amanhecer o dia ele dispensou os pretextos e entrava nas casas atirando sem piedade. Ao matar o trabalhador rural Edilson Nascimento, disse aos gritos que o fazia para mostrar que não era homossexual.

Existe uma versão que durante a noite ele parou certo cidadão e colocou a arma na sua cabeça, mas ao reconhecê-lo o dispensou. Afirmou que não lhe matava “- Pois ele não lhe havia caluniado”.

Na época a imprensa comentou que em meio a selvagem matança, uma guarnição da Polícia Militar foi chamada para prestar socorro a uma das vítimas. Logo houve o encontro dos policiais com Genildo e este não titubeou, matou o sargento comandante da viatura, feriu um dos policiais e se apossou de uma submetralhadora modelo PM-12. Em relação a este caso existem controvérsias. Para alguns o sargento estaria de folga e foi no local saber o que acontecia, armado com um revólver e em trajes civis e foi morto. Para outros ele estaria em uma parada de ônibus e foi morto. Independente da versão, aparentemente foi com a morte do sargento que a notícia chegou a capital e outros policiais foram deslocados para a região.

Conforme o dia amanhecia, a polícia ia tomando conhecimento da dimensão da tragédia que se desenrolava, na medida que encontrava mais corpos. Logo a imprensa acordava Natal com a notícia do massacre.

Recordo-me perfeitamente de estar naquela manhã no bairro da Ribeira, em Natal, resolvendo alguma coisa. Dentro do meu carro escutava tranquilamente alguma rádio FM. Quando estava parado em um semáforo, percebi que o motorista do lado estava visivelmente impressionado com algo que estava sendo transmitido no seu rádio. Ele percebeu que eu lhe observava e me perguntou se eu estava ouvindo “-O que acontecia em São Gonçalo?”. Eu disse que não e ele me falou para sintonizar na faixa AM.

Quase não pude acreditar o que era transmitido pelo meu surrado “Roadstar Cara Preta”, através do plantão policial da extinta Rádio Cabugi.

Na área do massacre, em certo momento Genildo passou a levar como refém a sua própria filha, Gislaine, de apenas cinco anos.

Creio que por volta das nove da manhã, depois de 12 horas de mortandades, o cerco apertou e os policiais encurralaram Genildo na empresa Cerâmica Potengi. Sem saída ele mandou que Valdenice fugisse com sua filha. Depois teria dado um tiro no próprio peito. Para as autoridades ele foi morto pela ação policial.

Assim terminou um dia de fúria, com um total de 15 mortos.

Velório de duas das vítimas de Genildo

A tragédia se transformou em um grande espetáculo da mídia e diferentes razões para a ação de Genildo foram levantadas pelos jornalistas e especialistas. Igual como ocorre atualmente no caso da escola do Rio.

Até mesmo um documentário sobre o massacre em Santo Antônio do Potengi foi criado. Dirigido pelos potiguares Mary Land Brito e Fábio DeSilva, “Sangue do Barro” fez parte da consagrada série Doc Tv.

Os que conhecem a mente humana afirmam que nunca se sabe onde outro psicopata pode aparecer e realizar suas ações maléficas.

Esperemos que daqui prá frente isso seja coisa do passado.

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados

LOTERIAS – UMA VELHA PRÁTICA

Rostand Medeiros – Escritor e sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte

Li em um site uma situação interessante; “Por toda parte do mundo onde existem cidades com populações grandes o bastante para suportar uma cadeia ou um tribunal, tem também uma casa lotérica”.

Realmente as loterias estão aí fazendo parte do nosso dia a dia a muito tempo, como mostram estes cartazes da década de 1930.

Para quem não joga nada (meu caso), as casas lotéricas são sinônimos de pagamento de todo tipo de conta e muitas vezes só escuto falar destes locais quando bandidos entram armados de 38 e praticam assaltos. Mas, como agora é moda em Natal, logo vão começar a explodir estes ambientes.

Eu não sabia, mas formas primitivas de sorteios existiam entre muitos povos antigos, entretanto foi no ano de 1538, na França, que o governo promoveu sorteios e concursos em prol de cofres públicos.

No nosso país a primeira loteria foi criada em Minas Gerais em 1784 e rapidamente as loterias se disseminaram. O governo colonial e, depois da independência, o nosso império, concediam o direito de realização de sua exploração preferencialmente às Santas Casas, aos orfanatos e aos hospitais para evitar abusos, mas também a particulares.

Somente depois de sessenta anos de criação da primeira loteria no país, foi promulgado pelo imperador D. Pedro II, o decreto nº 357, de 27 de Abril de 1844, que regulamentou o funcionamento desta atividade.

No século XX as loterias se aperfeiçoaram e grande parte da administração desta atividade era feita por particulares, selecionados por concorrência pública e o prazo de duração da concessão era normalmente de cinco anos.

Esta situação perdurou até 1961, quando o então presidente Jânio Quadros, que de besta não tinha nada, determinou que apenas e tão somente o Governo da União seria o único a legislar sobre o sistema de sorteios e a Caixa Econômica Federal ficou designada como exploradora exclusiva das loterias.

Recentemente a loteria da Caixa completou 40 anos. Dizem que ela se tornou uma importante fonte de recursos para programas sociais e assistenciais do governo federal, mas nunca conheci ninguém que me disse que fiscalizou isso, ou viu a cor deste dinheiro.

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados

KHL – IR DE NATAL PARA A EUROPA EM ALTO ESTILO

Rostand Medeiros – Escritor e sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte

Natal hoje tem voo internacional para a Europa, o que é uma maravilha. Mesmo este voo não alcançando muitas cidades do velho continente, ninguém discute a enorme vantagem de se pegar um avião Airbus ou Boeing, jatos de alto padrão de segurança e conforto, para depois desembarcar em oito ou dez horas no seu destino. Às vezes é necessário sair de Natal e “descer” para Recife, Salvador, São Paulo, pegar uma conexão e atravessar o Atlântico. Dá um pouco mais de trabalho, mas se chega com enormes vantagens.

Não se pode desprezar a evolução das coisas, mas nada impede dar uma olhada no passado, para saber como nas primeiras décadas do século XX  um abonado natalense seguia para a Europa. Esta pessoa poderia até pegar algum barco de carga em Natal e se virar com o que houvesse. Mas o melhor era seguir para Recife, onde navios de grandes empresas de navegação e as melhores rotas, estavam disponíveis.

Propaganda do Lloyd Holandês publicada em Natal no ano de 1914.

No passado, os navios de passageiros brasileiros, os conhecidos navios de “Linha”, ou “Paquetes de Cabotagem”, pertencentes principalmente a Companhia Costeira e do Lloyd Brasileiro, serviam como o principal elo entre as capitais localizadas na costa do Brasil e os rios da região amazônica. Quem daqui seguia para a escala em Recife, pegava um destes barcos e na capital pernambucana fazia uma transferência para navios que impressionavam pelo tamanho, qualidade, conforto e detalhes.

Uma destas empresas que ligavam a região Nordeste com a Europa, era conhecida como Lloyd Holandês, ou Koninklijke Hollandsche Lloyd, que tinha a sigla KHL. Esta empresa era representada em Recife pelo pernambucano de descendência holandesa Julius von Sohsten, que tinha fortes ligações com o Rio Grande do Norte, já tendo possuido na nossa cidade uma casa de comércio no bairro da Ribeira.

A KHL foi fundada em 1899, destinada a levar gado e outras mercadorias entre Amsterdam e a América do Sul, principalmente a Argentina. Devido à proliferação da febre aftosa no vizinho platino, a empresa passou a trabalhar com transporte de passageiros e carga. Seus navios levavam desde passageiros de alto poder financeiro, a pobres imigrantes desejosos de tentar uma nova vida no hemisfério sul.

Viajar de navio, com a brisa soprando, a paisagem mudando como um filme, era uma situação bem interessante. Mas as viagens eram bem demoradas, bem ao estilo da velocidade em que o mundo vivia na época.Naqueles tempos a quantidade de passageiros transportadas dentro de um navio destes mal chegavam a 1.500 pessoas. As naves eram decoradas com extremo luxo e bom gosto, tinha em seus salões obras de artistas famosos e muito requinte.

A empresa KHL chegou a criar em Amsterdam um local de hospedagem exclusivo para seus passageiros, e não apenas os mais ricos utilizavam este serviço. Este era o Lloyd Hotel, que foi concluído em 1921 e que custou oito vezes mais do que o planejado.

De certa forma este hotel foi utilizado como alojamento temporário para imigrantes, cuja a maioria era formada por judeus pobres da Europa Oriental, que fugiam de perseguições tanto na Alemanha, como na União Soviética. Estas naves partiam em média a cada vinte dias da Holanda e, enquanto aguardavam o momento do embarque, os passageiros ficavam no hotel.

Entre os navios da KHL, que faziam a escala de Recife, estavam o SS Frisia, o SS Gelria, o SS Zaanland e o SS Tubantia.

O SS Zaanland tinha 7.995 toneladas de peso, quase 135 metros de comprimento, foi lançado em 1910 e continuou em serviço na KHL até março de 1918. Durante a Primeira Guerra Mundial os norte-americanos o arrendaram e ele foi transformado em transporte de tropas. Voltou a servir a KHL até 1935.

O SS Frisia tinha um porte de 7.400 toneladas, divididos em quase 130 metros de comprimento, com uma velocidade de até 13 nós e transportava 1.000 passageiros. Foi construído em 1909 e sua viagem inaugural começou em Amsterdan, depois seguiu para Boulogne, Plymouth, La Coruña, Lisboa, Las Palmas, Recife, Salvador, Rio de Janeiro, Santos e Montevidéu.

Já o SS Gelria foi construído em 1913, deslocando 13.868 toneladas de porte bruto, em um comprimento de 170 metros. Tinha alojamentos para quase 1.500 pessoas. Foi vendido em 1935 a uma empresa italiana e foi utilizado como navio transporte de tropas na guerra da Abissínia e, ocasionalmente, como um navio hospital. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi tomada pelos alemães quando a Itália se rendeu e usado como um navio-hospital. Acabou sendo capturado por um submarino britânico em 1944 e levado para Alexandria, no Egito.

Mas de todos estes navio que aportavam no Nordeste, o que teve a pior sorte foi o SS Tubantia. Era uma nave  com dimensões e características semelhantes ao SS Gelria. Foi lançado ao mar em 1913, mas na madrugada do dia 16 de março de 1915,  na costa holandesa,  foi atingido por torpedos do submarino alemão UB-13 e afundou. Três navios responderam aos pedidos de socorro e todos a bordo foram salvos. Durante a Primeira Guerra Mundial a Holanda ficou neutra e seu serviço de transporte de passageiros e carga continuou, mas não para este navio. Foi a maior nave de um país neutro torpedeada e destruída neste grande conflito.

Devido às consequências do conhecido crash da bolsa de Nova York, em 1929, associada ao alto custo do Hotel Royal, fez com que a KHL fechasse suas portas e uma nova empresa de navegação foi criada.

Não tenho maiores dados relativo a frequência com que os membros da sociedade potiguar utilizavam estes navios em viagens a Europa. Mas é normal vermos notas nos antigos jornais natalenses, onde pessoas da elite local faziam questão de anunciar que partiam, ou retornavam da Europa em naves da KHL.

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados

O CARNAVAL ESTÁ CHEGANDO

Rostand Medeiros – Escritor e sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte

Relembrando o Lança Perfume

Consta que foi no início do século XX que a empresa Rhodia da Argentina começou a fabricar um desodorante aromatizado, composto quimicamente por éter, clorofórmio, cloreto de etila e uma essência perfumada. Essa mistura era colocada em tubos de latão sob forte pressão e quando entrava em contato com o ar, evaporava rapidamente.

No Brasil a ideia de quem importou este produto para o carnaval, era repetir nos salões da elite o que acontecia nas ruas, quando os foliões mais humildes jogavam águas perfumadas uns nos outros. Rapidamente aceito nas festas de carnaval de todo o país, servia para aromatizar as batalhas de confete, os corsos e os bailes carnavalescos. Nos nobres salões de momo, o lança perfume serviu para aproximar as pessoas, onde alguém lançava a substância em outra pessoa, dando a sensação fria e perfumada. Isso se tornou um símbolo do carnaval, principalmente o carioca e ninguém pensava em inalar o produto.

Nos carnavais que se seguiram o lança perfume virou uma praga de norte a sul do Brasil. Nos salões eram travadas verdadeiras batalhas de esguichos, sem distinção de sexo e sem maiores consequências graves. O produto era vendido em lojas de brinquedos, ou em bazares de produtos carnavalescos, onde era encontrado junto com mascaras e serpentinas.

Mas com o tempo o pessoal começou a inalar e a situação começou a virar um problema.

Como os jornais viam um típico usuário de lança perfume.

Após algumas mortes por inalação excessiva, associada à embriaguez, ou casos de pessoas que morreram em quedas devido ao estado de alteração produzido pelo lança perfume, o polêmico jornalista carioca Flavio Cavalcanti inicia uma campanha pela proibição do produto. Flavio se tornou conhecido pela sua maneira de falar agressivamente na extinta TV Tupi e de tirar e colocar os óculos constantemente. Sua campanha moralizadora é bem aceita pelo não menos polêmico Jânio Quadros, que em 1961 era o presidente do Brasil. Logo um decreto acabou proibindo a importação do produto para o Brasil.

O lança perfume é considerado uma droga, onde o seu uso ou porte pode levar à prisão por posse ou tráfico. Apesar de não causar dependência física, não significa que deixe causar problemas. Depois de absorvidos pela mucosa pulmonar, suas substâncias são levadas para o sistema nervoso central, fígado, rins, medula óssea e cérebro, causando neste último o bloqueio da transmissão nervosa. Quando inalado acelera a frequência cardíaca, podendo o coração chegar até 180 batimentos por minuto. Tem capacidade de destruição de células do cérebro, pode levar o usuário a ter desmaios ou em caso extremos até à morte através de parada cardíaca.

Fonte-Livro “100 anos de propaganda”, pág. 35, Abril Cultural.

O RICO MANUEL MACHADO E A SUA VIÚVA

Rostand Medeiros – Escritor e sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte

DSC01546
Amélia Duarte Machado, a viúva Machado.

No início do século XX, o comerciante Manuel Machado, nascido em Portugal era o homem mais rico de Natal. Consta que sua prosperidade econômica vinha principalmente do seu comércio.

Pela propaganda que vemos mais adiante, dá para ver que ele trabalhava com importação e exportação de uma grande gama de produtos, muitos de primeira necessidade, e ainda tinha uma participação em negócios marítimos.

Logicamente que apenas esta propaganda não explica o poder econômico deste comerciante. Aparentemente são os investimentos em terras, onde ele tinha muita visão na hora das aquisições, que fez aumentar seus rendimentos. Era casado com a natalense Amélia Duarte Machado, que lhe proporcionou uma longa união, mas que não deixou filhos.

Manuel Machado faleceu na metade da década de 1930 e começa uma interessante história envolvendo a sua mulher, que passa a ser conhecida apenas como a Viúva Machado.

DSCF0421.JPG

Ela se torna muito rica, que vive de uma polpuda renda deixada pelo espólio do marido. Mas que ao invés de abrir seu suntuoso palacete (construído em 1910) para a provinciana sociedade natalense, localizado próximo a Igreja do Rosário, ela se fecha em sua residência. Consta que ela recebia poucas visitas, saia muito pouco de casa (até porque tinha uma igreja na porta) e ainda sofria de uma estranha doença, onde se comentavam que suas orelhas eram muito grandes.

Daí as pessoas de Natal associavam este estranho fato ao de não ter filhos, dela ser viúva e diziam que isto tudo seria um “castigo divino”. Outros comentavam que a Viúva Machado teria realizado um “pacto com o cão” para ficar rica e agora pagava pelos seus erros com esta doença.

I0024628-17(02113x02908)

Em meio à ignorância reinante, as pessoas tolas e invejosas perceberam que a Viúva Machado, talvez para compensar a ausência de filhos naturais, adorava conviver com crianças dos poucos amigos e dos seus parentes.  Não demorou muito e se espalhou na cidade ela comia o fígado (ou o “fígo”) de crianças. Consta que Amélia teria sido até mesmo agredida verbalmente e sido alvo de chacota publicamente.

Muitas mães de Natal, ao longo de muitos anos, aproveitaram a deixa para espalhar o terror entre seus rebentos, dizendo que se eles não se aquietassem, “a Viúva Machado vinha comer seu fígado, para evitar que suas orelhas crescessem”. A coitada da viúva passou a ser conhecida como “papafigo” e isso só aumentou seu isolamento. Amélia Duarte Machado faleceu no início da década de 1960.

Se é verdade essa história das alterações em suas orelhas, provavelmente ela sofria de uma rara doença denominada Síndrome de Treacher Collins. Esta nada mais é que um distúrbio genético que gera defeitos no crânio e nas características faciais do seu portador. Descrita em 1900 pelo cirurgião inglês Edward Treacher Collins, esta doença afeta o tamanho e o formato das orelhas, pálpebras, maças do rosto, maxilar inferior e superior. A Síndrome de Treacher Collins pode ser grave em alguns casos e a maioria dos que são afetados não possuem problemas mentais.

DSCF0427

Pessoalmente acredito que além de sua rara doença, Amélia Duarte Machado padeceu de duas enfermidades típicas existentes entre a sociedade de Natal; a inveja e a eterna mania de dar conta da vida alheia.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

ANÚNCIO DE UM CAVALO PERDIDO EM ASSU NO ANO DE 1878

Rostand Medeiros – Escritor e sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte

Ninguém discute o quanto é ruim e complicado o roubo de algum bem, principalmente de algum veículo. Chegar em um estacionamento e não encontrar seu carro e sua moto é complicado, situação que a cada dia se torna mais comum.

No longínquo ano de 1878, quando veículos automotores ainda não circulavam no Rio Grande do Norte, era a perda, ou o roubo, de um cavalo, um burro ou de um jumento, que tirava o sono dos potiguares.

Na notícia que segue, com a indicação do jornal, vemos o desespero do Sr. Luís José Soares de Macedo, de Açu, em busca do seu cavalo que tinha “de 4 para 5 eras”, ou seja seu animal tinha de 4 a 5 anos de vida. No anúncio, em destaque, aparece a marca ferrada do animal, a única forma de provar que o animal pertencia ao Sr. Luís Macedo.

Não podemos que em 1878 ocorria uma das mais terríveis secas já presenciadas no nordeste brasileiro. Iniciada em 1877 e encerrada em 1879, esta seca desarranjou totalmente a economia das províncias nordestinas. Provavelmente o Sr. Luís Macedo pode ter sido vítima de roubo.

© 2010 Copyright Tok de História Todos os direitos reservados