Arquivo da tag: Dom Pedro II

UM NAUFRÁGIO NA COSTA BRANCA POTIGUAR – DESTAQUE NA INGLATERRA E AUSTRÁLIA

Imagem6 (2) - Copia
The Illustrated London News, edição de 26 de março de 1853 – Fonte – Google Books

Rostand Medeiros – Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte – IHGRN

A internet é um incrível ambiente onde é possível encontrar interessantes informações de natureza histórica. Para isso basta procurar!

Por esses dias venho pesquisando o interessante material da revista The Illustrated London News, disponíveis para consulta online na Google Book. É um material maravilhoso, com incríveis desenhos da metade do século XIX e interessantes histórias.

Mas o que o The Illustrated London News tem haver com um desastre naval ocorrido no Rio Grande do Norte em 1852?

Imagens de um Desastre Naval em Uma Distante Praia Potiguar

Houve um tempo, ainda quando a fotografia era embrionária, que surgiu a ideia de unir de forma ampla textos e imagens. E tudo começou a partir de uma revolucionária revista semanal londrina. Assim foi criado o The Illustrated London News, sendo tão somente a primeira revista de notícias semanal ilustrada do mundo.

Imagem6 (1)

Publicada primeiramente em um sábado, 14 de maio de 1842, esse semanário rapidamente conseguiu um imenso prestígio no Império Britânico e na Europa. Tudo que era ali publicado tinha imensa repercussão e ditou às regras de como seria o formato dos meios de comunicação impressos.

Percebi que o Império do Brasil raramente frequentava as páginas do The Illustrated London News. O que aparecia eram imagens da nossa luxuriante natureza, nossos conflitos internos e externos, da nossa infame escravidão e a curiosidade que despertava nos britânicos a família real brasileira. Onde vemos, por exemplo, a imagem dos jovens Dom Pedro II e da Imperatriz Tereza Cristina, publicado na edição desta revista de 11 de janeiro de 1845, na página 25.

Imagem6777

Fora destes temas eram raras as imagens do grande Brasil. Por isso a imagem que abre este artigo me chamou a atenção, até porque ela foi publicada com destaque.

Nela vemos um grupo de pessoas em meio a um tempo com pesadas nuvens, tentando salvar a carga de um barco encalhado em uma praia. A nave está sem os mastros e amarrada às árvores que estão na beira mar, mas dentro da linha d’água, sugerindo ser um manguezal. Neste resgate vemos típicas jangadas nordestinas, com vários homens negros e alguns poucos brancos com chapéus.

Existe uma explicação onde informa que a ilustração apresenta o desastre da barca inglesa Sir Fowell Buxton, na praia de “Capim Assú”, na costa nordeste do Brasil.

Mas onde seria “Capim Assú”?

Imagem0 (2)
Detalhe de um dos mapas publicados pelo comandante Manuel Antônio Vital de Oliveira, mostrando a região da Ponta do Tubarão e a praia do Capim Assú.

Então me lembrei dos detalhados mapas publicados pelo comandante Manuel Antônio Vital de Oliveira.

Este foi um oficial da Marinha Imperial Brasileira, que no comando do iate Paraybano realizou entre 1857 a 1859 um extenso trabalho hidrográfico no trecho entre o rio Mossoró, no Rio Grande do Norte, e a foz do rio São Francisco, entre Sergipe e Alagoas[1].

Em um dos mapas existentes neste trabalho encontramos a imagem detalhada da conhecida Ponta do Tubarão, uma área que atualmente preservada e pertence aos municípios potiguares de Macau e Guamaré, onde está apontada uma praia chamada “Capim Assú”.

Imagem2 - Copia - Copia
A mesma área em foto de satélite.

Descobri então que este acidente, que tanto chamou a atenção no exterior, aconteceu na costa do Rio Grande do Norte.

Costa de Muitos Naufrágios 

Era um tempo onde os barcos a vela singravam e dominavam os mares e a costa potiguar tinha uma intensa movimentação de embarcações. Nesse tempo os portos de Macau e Areia Branca eram bem mais conhecidos dos capitães dos barcos estrangeiros do que nos dias atuais e, como a forma de navegação era bem mais rudimentar e a costa potiguar sempre foi difícil mesmo, o número de barcos que se acidentaram no mar do Rio Grande do Norte parece ser bem expressivo, segundo fontes no exterior.

minnehaha-sailing-web
Imagem meramente ilustrativa – Fonte – https://artblart.com/2014/03/30/photographic-archive-the-gibson-archive-at-the-royal-museums-greenwich-rmg/

O interessante é que pesquisando nos jornais antigos publicados no Rio Grande do Norte, na maioria das vezes muitos destes acidentes mal foram comentados por aqui, ou se encontram totalmente desconhecidos.

Algumas vezes surgem pequenas peças, que trazem remotos ecos do passado e fazem parte de um quebra-cabeça bem complicado de se resolver.

a (1)
Crédito – Ana Sonehara Muller e Patrick Muller

Vejam esse exemplo – A garrafa verde das fotos é um modelo “Torpedo bottle” e as imagens me foram gentilmente cedidas pela amiga Ana Sonehara Muller. Ela e seu marido Patrick Muller comandam uma das mais bem sucedidas empresas nos ramos de turismo de mergulho no Brasil. Ana me contou que seu esposo realizou alguns mergulhos na costa potiguar, em frente à praia de Galinhos, mas em áreas onde não existem registros de naufrágios. Sem querer encontrou esta garrafa de vidro verde e fundo cônico como um torpedo. Certamente deve ser de algum outro navio, talvez inglês, que naufragou por lá. Mas qual e quando?

E vale frisar que casos como este que ocorreram com o amigo Patrick não são raros de acontecer na costa do Rio Grande do Norte.

a (2)
Crédito – Ana Sonehara Muller e Patrick Muller.

Já em relação ao caso da barca inglesa Sir Fowell Buxton, consegui algumas informações em arquivos no exterior.

Esta era uma nave nova, construída apenas dois anos antes, onde deslocava 450 toneladas, sendo registrado no porto de Londres e muito utilizado no transporte de imigrantes entre o Reino Unido e a Austrália.

O material do The Illustrated London News e outras fontes apontam que em 22 de outubro de 1852 o Sir Fowell Buxton partiu de Londres e seguiu para a cidade portuária de Plymonth, região de Devonshire. Logo, em 9 de novembro de 1852, uma terça feira, zarpou para aquela que seria sua última viagem.

Em Busca do Ouro

Os imigrantes que o Sir Fowell Buxton transportava para a Austrália eram pessoas que desejavam buscar novas oportunidades dentro daquilo que ficou conhecido como “Corrida do ouro australiana”.

PY8547
Típico barco de transporte de imigrantes para Austrália – Fonte – collections.rmg.co.uk

Em 1851 o minerador Edward Hargraves descobriu um “grão de ouro” em um poço de água perto de Bathurst, uma cidade no estado da Nova Gales do Sul, 200 km a Oeste de Sidney, a principal cidade australiana. Essa descoberta marcou o início da primeira corrida do ouro por lá e uma mudança radical no tecido econômico e social daquele país.

O local da descoberta de Hargraves recebeu mais de 1.000 garimpeiros em apenas quatro meses. Em um ano foram descobertos 26,4 toneladas (850,000 onças) de ouro no estado da Nova Gales do Sul. Mas isso foi só uma mera gota no oceano em comparação com o que se descobriu ouro no vizinho estado de Vitória.

Diante disso milhares imigrantes ingleses, escoceses, irlandeses, alemães, norte-americanos, chineses e de outras terras chegaram aos portos australianos na esperança de fazer uma fortuna com ouro, ou com novos negócios. 

2b_stvincent_1844
Partida de navio com imigrantes para a Austrália – Fonte – http://www.maritimetas.org/collection-displays/displays/over-seas-stories-tasmanian-migrants/journey-sailing-ship

Era um empreendimento pessoal muito arriscado, que muitas vezes só resultava em fracassos. Mas estes imigrantes aplicavam o que tinham nessa ideia, chegavam com toda sua vontade de trabalhar, com seus sonhos e acreditavam no sucesso. Somente em 1852, 370 mil imigrantes chegaram à Austrália e a economia da nação cresceu. A população total triplicou de 430 mil em 1851 para 1,7 milhões em 1871.

E como sempre aconteceu nestes casos na História mundial, quando a terra foi aberta para os novos colonos os povos indígenas acabaram sendo despojados de suas posses e removidos de suas terras ancestrais para reservas ou missões. Mas essa é outra história!

Desastre na Ponta do Tubarão 

No caso da barca inglesa Sir Fowell Buxton algumas fontes apontam que eram transportados um número de imigrantes que varia desde 230 a até 300 pessoas. Entretanto um documento oficial australiano mostra um número bem menor. Uma ata do Parlamento de Vitória, publicado em 1854, afirma que os sobreviventes que conseguiram chegar à Austrália eram 152, sendo 67 homens adultos, 31 mulheres e 54 crianças, isso sem contar a tripulação do barco acidentado.

Imagem5 (2)

A partida e grande parte da viagem foram sem maiores alterações, sendo essa barca comandada pelo capitão George Woodcock. Mesmo sem maiores detalhes, sabemos que o Sir Fowell Buxton se aproximou da costa brasileira enfrentando uma séria tempestade, que aparentemente rasgou suas velas e ele seguiu vogando para o norte do Cabo de São Roque, já na costa potiguar.

Na noite de quinta feira, 16 de dezembro de 1852, o barco inglês atingiu os chamados “Bancos da Tapioca”, que segundo o material do comandante Vital de Oliveira era outra denominação para a Ponta do Tubarão.

Imagem1
Região da Ponta do Tubarão nos dias atuais – Fonte – https://www.panoramio.com

No dia seguinte uma parte dos passageiros e da equipe de bordo desceu para as praias arenosas. Destes, por razões que não são explicadas, morreram três pessoas. Logo moradores da região vieram a bordo em jangadas, que são bem representadas no desenho que abre este artigo, e ofereceram ajuda. Os náufragos chamaram estes potiguares de “natives”.

DSCF3479
Vista do litoral a partir da Comunidade de Barreiras-RN – Crédito – Rostand Medeiros

Novamente recorro ao trabalho do comandante Vital de Oliveira, onde no detalhado mapa da área da Ponta do Tubarão é possível ver marcações apontando a existência de dois locais com habitações, Diogo Lopes e Barreiras. Estas são até hoje comunidades tradicionais de pescadores e certamente foram os antigos moradores destes locais que ajudaram os ingleses.

De alguma maneira foram desenvolvidas formas de comunicação entre os moradores da região e os sobreviventes, que então souberam o nome da praia onde estavam – Capim Assú.

No outro dia após o encalhe todos os passageiros e a tripulação deixou para trás o que sobrou do Sir Fowell Buxton, mas reclamaram nos seus relatos pela praia não possuir muitas árvores para proporcionar uma melhor proteção contra o sol forte. Certamente alguns abrigos rústicos foram criados para dar certo conforto as mais de 50 crianças e mais de 30 mulheres.

Imagem3
Região da Ponta do Tubarão nos dias atuais – Fonte – https://www.panoramio.com

Os pescadores entregaram aos estrangeiros alguns frutos locais que eles classificaram como sendo “cacau” e “sementes de melão”. Infelizmente não tenho a mínima ideia quais seriam estas frutas. Os ingleses tinham alguns biscoitos e receberam também peixes que o pessoal da região lhes cedeu, ou venderam. 

Os ingleses permaneceram em Capim Assú por uma semana e três dias, onde durante esse tempo retiraram a bagagem e o pessoal da região ajudou. Algumas pessoas ficaram feridas nesta tarefa e os ingleses afirmaram que muitas caixas foram abertas no porão pelos nativos. Mas eles não falam em roubo e não se fala em conflitos e confrontos. Ao contrário, os náufragos comentam que o tratamento recebido destes potiguares foi “correto”.

Ingleses em Macau

Os relatos nada comentam sobre a situação do casco do Sir Fowell Buxton e nem o que foi feito dele. O que deixa a ideia que sofreu perda total. Mas as fontes históricas informam que os sobreviventes foram transferidos para Macau nas “canoas”, certamente jangadas, dos pescadores.

Imagem8
Notícia do desastre em jornal inglês.

Macau era a cidade mais próxima e nesta comunidade os estrangeiros se alojaram em várias casas e foram alimentados com carne. Esse fato aponta que provavelmente começou a existir entre os moradores da pequena cidade e os ingleses uma forte aproximação, além de várias trocas comerciais de vários graus.

Durante mais de sessenta dias aquele numeroso grupo de estrangeiros vai viver em Macau. Esta era uma pequena comuna que 20 anos depois, segundo os dados do Censo de 1872, o primeiro realizado no Brasil, tinha meros 3.941 habitantes. O povo dessa cidade fez tudo que podia para apoiar e abrigar esses ingleses e eles recordaram disso imensamente agradecidos.

I0006031-2Alt=001657Lar=001049LargOri=003669AltOri=005795
Lista com alguns representantes estrangeiros no Brasil em 1851.

Foi em Macau que os sobreviventes escreveram para o cônsul inglês em Recife e certamente enviaram essa missiva através dos veleiros que seguiam até a capital pernambucana.

Mister Henry Augustus Cowper, o cônsul inglês em Pernambuco, chegou a Macau um mês e meio depois do acidente. Após se encontrar e conhecer a situação dos seus compatriotas, ele buscou reunir os mais de 150 estrangeiros e informou que eles deveriam ir com ele a Recife. Consta que ele buscou vários barcos que se encontravam em Macau para realizar o transporte, com as despesas pagas pelo governo de Sua Majestade.

www.bamfords-auctions.co.uk
Quadro com Mister Henry Augustus Cowper, o cônsul inglês em Pernambuco que esteve em Macau em 1853. Este quadro estava sendo anunciado em um site de leilões de obras de arte na Europa. Dizia que Mr. Cowper estava “fantasiado” de mexicano, país onde trabalhou depois de sua passagem pelo Brasil. Estranhamente o seu punhal e partes de sua roupa se parecem com o punhal e as vestes tradicionais dos vaqueiros nordestinos – Fonte – http://www.bamfords-auctions.co.uk

Quando muitos dos ex-náufragos já estavam embarcados, entrou pela foz do Rio Piranhas-Açu um barco trazendo o cônsul inglês lotado na cidade da Parahyba do Norte, atual João Pessoa, Mister Bonamy Mansell Power. Quando este se encontrou com seu colega Cowper, ordenou que os barcos com os ingleses seguissem sob seus cuidados para a Parahyba do Norte. É possível que algum documento perdido em algum arquivo possa explicar a razão desta mudança e desse aparente litígio. Mas eu nada consegui esclarecer sobre isso.

O interessante dos relatos dos náufragos é a total ausência de referências a atuação de autoridades brasileiras. Se existe o elogio aos “natives”, nada temos sobre a presença de quaisquer autoridades locais. Aparentemente estes, enquanto ficavam a ver a situação, deixaram àquela bronca “Para inglês resolver”.

sexta-6 maio 1853 Liberal Pernambucano P4 - Copia
Nota publicada em uma sexta feira, 6 de maio de 1853, no jornal Liberal Pernambucano.

Depois de dois meses e uma semana em Macau, os náufragos do Sir Fowell Buxton chegaram à Paraíba no dia 1 de março de 1853 em pequenas embarcações.

Enquanto isso, certamente através de cartas enviadas em algum barco que partiu de Macau, chegaram à Inglaterra as primeiras informações dos problemas do Sir Fowell Buxton e o que seus passageiros passavam na costa potiguar. Logo a sua saga estava nas páginas do The Illustrated London News, edição de 26 de março de 1853.

Mortos Pela Febre Amarela e o Fim Da Agonia

Aparentemente tudo se destinava a ter um final feliz para os náufragos.

Mas não foi bem assim!

Provavelmente Mister Bonamy Mansell Power não sabia, mas ele encaminhou seus compatriotas para a Paraíba, onde naquele momento se iniciava um forte surto de febre amarela. A mesma febre amarela que em pleno 2018 volta a assombrar os brasileiros.

Antonio_coelho_de_sa_e_albuquerque

Quando Antônio Coelho de Sá e Albuquerque, Presidente da Província da Paraíba entre 3 de julho de 1851 a 29 de abril de 1853, entregou seu cargo ao vice-presidente Flavio Clementino da Silva Freire, prestou conta da sua administração. Informou que em maio do ano anterior um forte surto de febre amarela se abateu sobre a cidade de Campina Grande, “tendo ceifado não pequeno número de vidas”,conforme podemos ver no texto abaixo.

000007 - Copia

Mas parece que a febre amarela não começou em maio de 1852, pois nada menos de treze dos ingleses desembarcados em 1 de março no porto de Cabedelo faleceram da doença. Estranhamente Antônio Coelho de Sá e Albuquerque não cita em seu relatório nada sobre essa febre amarela atacando em março e nem na área costeira, nem sequer uma única vírgula sobre a presença destes ingleses na Paraíba e muito menos sobre as mortes ocorridas com treze deles.

Sabemos que tantos ficaram doentes que um médico dinamarquês que morava por lá, Heinrich Krausse, tratou dos ingleses.  Com o passar do tempo e vivendo no Brasil, esse médico Krausse virou Henrique Krause e depois emigrou para Pernambuco.

ww-nla.gov.au
Barco chegando a Port Philip, Austrália – Fonte – ww-nla.gov.au

Enquanto alguns ingleses morriam, segundo os cronistas da época chegou a Parahyba do Norte um pequeno brigue inglês chamado Richard, que foi classificado pelas fontes antigas como “miserável”. Mesmo assim, aparentemente de forma emergencial, o cônsul Bonamy Mansell Power freta esse barco para levar os sobreviventes para a Austrália.

Os náufragos do Sir Fowell Buxton embarcaram no Richard em 1 de abril de 1853, quase quatro meses depois do desastre na praia de “Capim Assú”. Seguiram para Recife para o barco ser melhor preparado para a grande travessia.

Finalmente, depois de quase sete meses de agonia e ansiedade, aqueles imigrantes chegaram a Port Philip, Austrália, em uma terça feira, 5 de julho de 1853.

DSCF3492
Fonte – Rostand Medeiros.

NOTA

[1] Vital de Oliveira então publicou o livro de nome bem extenso denominado “Cartas da Costa do Brasil entre o rio Mossoró e o de S. Francisco do Nórte: levantadas por ordem do Governo Imperial sob a administração do Sr. Conselheiro José Maria da Silva Paranhos da Marinha nos annos de 1857 a 1859. Mandados publicar pelo Sr. Conselheiro Chefe de Esquadra Joaquim José Ignácio”. 

FONTES

http://oceans1.customer.netspace.net.au/austrun-wrecks.html

http://www.pbenyon.plus.com/Gazette/Gazette_Index.html
http://www.mareud.com/Timelines/1800-1899.htm
http://oceans1.customer.netspace.net.au/austrun-wrecks.html
http://ndpbeta.nla.gov.au/ndp/del/home
https://www.britannica.com/biography/Sir-Thomas-Fowell-Buxton-1st-Baronet

https://www.facebook.com/notes/ludovicus-instituto-c%C3%A2mara-cascudo/olhando-para-o-rio-potengi-c%C3%A2mara-cascudo/1143500852420568/

https://www.parliament.vic.gov.au/papers/govpub/VPARL1854-55NoA8.pdf

http://www.sunderlandships.com/view.php?a1PageSize=20&exact=1&year_built=&builder=&a1Order=Sorter_ship_list_bld_ref&a1Dir=DESC&a1Page=7&ref=158667&vessel=SIR+FOWELL+BUXTON

Anúncios

COMO O PARAGUAI PLANEJAVA LIQUIDAR O BRASIL

guerra-do-paraguai-1083175
A Batalha do Riachuelo, uma das mais importantes da Guerra do Paraguai | Crédito: Wikimedia Commons

Quando o ditador paraguaio declarou guerra a um país dez vezes maior, não foi loucura; ele tinha boas razões para acreditar na vitória

AUTOR – Fabio Marton

Fonte – http://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/ha-153-anos-solano-lopez-declarava-guerra-ao-brasil.phtml#.Wk63Ld-nHXN

Em 13 de dezembro de 1864, o Paraguai declarou guerra ao Brasil, iniciando o que seria o conflito mais sangrento da América Latina, em que mais de 300 mil vidas se perderiam dos dois lados, entre batalhas, fome e doenças. O Paraguai seria aniquilado na guerra: perdeu 75% de sua população adulta e reduziu seu papel geopolítico a pouco mais que um estado-tampão entre Argentina e Brasil, oscilando entre ser dominado politicamente por um ou outro.

l1chlqxugfwo2ltsxtvk
A batalha representada em obra de Pedro Américo

O ditador do Paraguai, Francisco Solano López, entrou na guerra conhecendo alguns fatos. A população do Brasil era dez vezes maior que a do Paraguai, cerca de 8 milhões de habitantes, contra 800 mil. A Argentina, forte aliada do Brasil, tinha cerca de 2,5 milhões. Ambos os países tinham acesso desimpedido ao Oceano Atlântico para comprar armas, navios e o que mais precisassem da Europa e dos Estados Unidos, enquanto o único acesso ao mar do Paraguai era por meio dos rios Paraná e Prata, cruzando o território argentino.

À primeira vista, e sabendo como a guerra terminou, López parece ter sido um louco suicida. Ele era impulsivo e autoritário. Mas suicida ele não era. E tinha um plano – ou pelo menos uma aposta. E, no seu jogo, conquistar acesso ao mar era fundamental.

Tríplice Aliança ao contrário

A primeira coisa sobre o plano de López é que ele não esperava ter de enfrentar Brasil, Uruguai e Argentina, situação que se consolidou com a criação da Tríplice Aliança, em 1º de maio de 1865. Ao contrário, esperava ter Uruguai e Argentina a seu lado e quem sabe unificar os 3 países ao fim da guerra e criar uma grande nação nas fronteiras do antigo vice-reino do Rio da Prata, do Peru à Patagônia. “López imaginava uma Tríplice Aliança ao contrário”, diz Francisco Doratioto, autor de Maldita Guerra e Osório.

Lopez1870
Francisco Solano López – Fonte – military.wikia.com

Os uruguaios eram aliados de López, e a guerra só começou, tecnicamente, porque o Brasil invadiu o Uruguai, em guerra civil desde 19 de março de 1863, em apoio ao ex-presidente Venâncio Flores e 1,5 mil voluntários do Partido Colorado, que desafiou o governo de Montevidéu, controlado pelo Partido Nacional (ou Blanco). Os brasileiros, que formavam um terço da população do Uruguai, apoiavam Flores e passaram a sofrer ataques dos partidários blancos. Em 30 de agosto de 1864, o Paraguai havia mandado um ultimato ao Brasil: invadir o Uruguai seria um ato de guerra.

O Brasil ignorou o ultimato e declarou guerra ao governo blanco em 10 de novembro de 1864, com o apoio tácito da Argentina. “Nem Argentina nem Brasil acreditavam que o Paraguai reagiria a um ataque ao Uruguai”, diz Moacir Assunção, autor de Nem Heróis, Nem Vilões: Curepas, Caboclos, Cambás, Macaquitos e Outras Revelações da Sangrenta Guerra do Paraguai. Mas López cumpriu a ameaça e atacou o Brasil. Não na fronteira com o Uruguai, mas em Mato Grosso, em dezembro de 1864.

López não contava só com o apoio dos blancos. Havia recebido promessas de Justo José Urquiza. Governador da província de Entre Rios, Urquiza era o maior proprietário rural da Argentina, presidente entre 1854 e 1860, e inimigo do presidente argentino, Bartolomé Mitre. O plano de López era invadir o país ao norte, juntar-se às forças de Urquiza ao sul e seguir para Buenos Aires. Se tudo funcionasse, os 3 aliados – Paraguai, Uruguai e Argentina – atacariam o Brasil.

hqdefault
A Batalha de Riachuelo

A mão (invisível) do Tio Sam

Além de Urquiza e dos blancos uruguaios, havia outro personagem soprando confiança nos ouvidos de López. Ninguém menos que os Estados Unidos da América. Segundo o livro de Moacir Assunção, “no Paraguai, o cônsul americano Charles Ames Washburn ofereceu apoio ao país contra o Brasil ainda antes da guerra e chegou a instigá-lo a iniciar o conflito”.

Washburn era cônsul desde 1861, ainda no governo do pai de Solano, Carlos Lopes. E o que ele prometia não era completamente infundado: Brasil e EUA andavam às turras desde o início da Guerra de Secessão (1861-1865). Os americanos unionistas, do Norte, viam os brasileiros como uma monarquia europeia implantada na América e um país profundamente escravocrata, ambas verdades que os brasileiros não gostavam de ouvir. Artigos na imprensa durante a guerra eram principalmente antibrasileiros, quando não idealizando López como um libertador republicano contra uma monarquia de escravos.

jn002104
Militar brasileiro Francisco do Rego Barros – Fonte – http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=64329

Já os brasileiros não ocultavam suas simpatias pelos confederados do Sul, escravocratas, agrários e aristocráticos como eles. Isso levou a alguns incidentes, em que brasileiros recebiam calorosamente os navios confederados, que atacavam navios unionistas na costa brasileira impunemente, enquanto os navios unionistas eram quase proibidos de frequentar portos do Brasil. Em 1864, o ataque de um navio unionista a um confederado em águas brasileiras quase comprometeu as relações diplomáticas.

Em duas ocasiões, Washburn quase fez com que sua promessa a López fosse cumprida. Quando a guerra começou, o diplomata estava em férias no seu país. Em 1866, o navio americano Shamokin tentou furar o bloqueio da Marinha brasileira e levá-lo a Assunção. O comandante prometeu que só seria interrompido “por força maior”, o que fez os brasileiros cogitarem abrir fogo.

jn004931
O brasileiro Symphonio dos Santos uniformizado para combater na Guerra do Paraguai – Fonte –

Washburn caíria em desgraça e seria torturado pelas forças de López, que havia ficado paranoico com a possibilidade de conspiração. Em 1868, outro navio foi enviado para retirá-lo – e, desta vez, falaram abertamente em guerra com os brasileiros. Em ambas as situações, os brasileiros engoliram seu orgulho, evitando o pior.

Blitzkrieg paraguaia

A aposta paraguaia não era apenas diplomática. O Exército paraguaio era muito maior que o brasileiro no começo da guerra. Os paraguaios tinham uma força de 64 mil homens, e os preparativos para a guerra começaram meses antes da declaração, enquanto as tensões entre Brasil e Uruguai se acumulavam. O Exército brasileiro tinha 18 mil efetivos, mal-armados e malvestidos, informações que os blancos uruguaios fizeram questão de levar ao ditador paraguaio. Segundo Doratioto, López queria fazer uma blitzkrieg do século 19. “Ele tinha um plano inteligente e bem estruturado. Era um ataque-relâmpago, uma coisa à frente do seu tempo.”

colerico1
Retirada da Laguna – Fonte – http://datasefatoshistoricos.blogspot.com.br/search?q=retirada+da+laguna&x=11&y=13

A blitzkrieg paraguaia também contava com outra manobra inteligente: fazer os brasileiros acreditarem que os paraguaios atacariam por outra região, causando um imenso problema logístico. A ofensiva em Mato Grosso envolveu duas colunas e 9 mil homens, que conquistaram cidades como Albuquerque, Coxim e Corumbá até abril de 1865. Os brasileiros esperavam um ataque à capital da província, Cuiabá, que nunca aconteceu. Sem estradas que chegassem à região, a contraofensiva brasileira levou de abril a dezembro de 1865 para se mover de Minas Gerais ao Mato Grosso. Quando finalmente alcançaram a província, os paraguaios simplesmente se retiraram – exceto de Corumbá, onde resistiram até junho de 1867.

Enquanto os brasileiros se perdiam no próprio Brasil, López preparava seu verdadeiro ataque. O Paraguai declarou guerra à Argentina em 18 de março de 1865. Em 13 de abril, um contingente enorme de tropas paraguaias – 37 mil homens – invadiu a província de Corrientes pelo rio Paraná. Com Corrientes capturada quase sem resistência, em maio, as tropas se dividiram. Cerca de 12 mil ficaram na cidade e 25 mil rumaram para o Rio Grande do Sul, onde tomaram São Borja, em 12 de junho, e Uruguaiana, em 5 de agosto. Era o plano de López em ação.

Le_capitaine_Moriz-e-Barros,_mort_au_bombardement_d'Itapiru
Antônio Carlos Mariz e Barros, comandante da corveta Belmonte em 1862, que visitou Natal e foi morto na Guerra do Paraguai.

Traição na Argentina

A primeira má notícia para López aconteceu no início da invasão à Argentina. Comandando as tropas para a retomada de Corrientes, apareceu ninguém menos que Justo José Urquiza. O caudilho havia feito promessas a López, mas havia recebido outra visita. O general e senador brasileiro Manuel Luís Osório, com quem teve uma conversa estratégica. “Os brasileiros compraram Urquiza”, diz Assunção.

Ele foi convencido por Osório de que lucraria muito mais apoiando Brasil e o governo argentino. Para a surpresa de López, o ex-presidente argentino conduziu suas tropas com rara ferocidade. A decisão de Urquiza também surpreendeu muitos argentinos, e vários desertaram a favor do Paraguai nos primeiros meses da campanha.

a-3
Guerra do Paraguai – Imagem meramente ilustrativa

De forma que, em 25 de maio de 1865, quando uma tropa argentina conseguiu reconquistar a cidade de Corrientes, a glória durou menos de 24 horas: os argentinos recuaram, deixando a cidade pronta para ser reconquistada pelos paraguaios. Ainda assim, López destituiu do comando o general Resquín, líder da invasão, que seria executado em janeiro de 1866.

Baixas de uma ditadura

O plano de López começou a naufragar, literalmente, no arroio Riachuelo, em 11 de junho de 1865. A ideia era tomar a esquadra brasileira, de 9 vapores, atacando-os por meio de abordagem – os soldados saltam para dentro do navio inimigo de forma a capturá-lo intacto. A chave do ataque era o fato de os navios brasileiros serem a vapor.
À noite, apagavam-se as caldeiras, acesas novamente de manhã. Levava uns 20 minutos até a água ferver e o navio estar em condições de se mover. Assim, os navios paraguaios – também a vapor, e em mesmo número que os brasileiros – poderiam se aproximar da frota nacional.

a-15
A guerra não era uma unanimidade no Brasil. Conflito armado entre militares e civis brasileiros, no período da Guerra do Paraguai.

Uma avaria, no entanto, atrasou o ataque. E aqui o autoritarismo político do Paraguai se mostrou uma desvantagem. “Ninguém ousava contrariar López, que havia ordenado um ataque para aquele dia”, diz Doratioto. Com medo do ditador, os paraguaios atacaram com dois navios a menos e só às 9h30, quando os barcos brasileiros estavam totalmente operantes. As abordagens foram repelidas a canhonaços. Ao fim do dia, a esquadra paraguaia jazia no fundo do rio Paraná. A Batalha de Riachuelo foi um desastre que isolou o país do resto do mundo.

Quando os paraguaios invadiram o Rio Grande do Sul, já era tarde para os blancos uruguaios. Em 20 de fevereiro de 1865, brasileiros e colorados haviam conquistado Montevidéu e Venancio Flores assumiu um governo pró-Brasil. Em 18 de agosto, duas semanas após tomar a cidade, os paraguaios se renderam em Uruguaiana, diante de dom Pedro II, Bartolomeu Mitre e Venâncio Flores.

Guerra-do-paraguai
Coronel Joca Tavares (terceiro sentado, da esquerda para a direita) e seus auxiliares imediatos, incluindo José Francisco Lacerda, mais conhecido como “Chico Diabo” (terceiro em pé, da esquerda para a direita). Imagem: Wikipedia, Domínio Público. In: Salles, Ricardo. Guerra do Paraguai: memórias & imagens. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 2003. ISBN 85-333-0264-9 (p.180)

Foi o fim da ofensiva do sul. Em 31 de outubro, as tropas paraguaias em Corrientes se retiraram. A partir daí, a guerra seria uma longa e agonizante defensiva para Solano López, culminando com a captura de Assunção, em 1º de janeiro de 1869. A fuga do ditador pelo interior do país acabou em 1º de março de 1870. Numa emboscada à última tropa paraguaia em Cerro Corá, o cabo brasileiro Chico Diabo atingiu o ditador com uma lança. Sem se render, López foi morto a balas ali mesmo.

O COMPASSO DO MUNDO: TUDO SOBRE A MAÇONARIA

Freemasonry-Masonic-Masonry
Fonte – https://openclipart.org/download/245371/Freemasonry-Masonic-Masonry.svg

Como a mais célebre sociedade secreta moldou a história dos últimos três séculos

AUTOR – Tiago Cordeiro

O primeiro presidente dos Estados Unidos, George Washington, era maçom. Depois dele, outros 16 líderes da nação mais poderosa do mundo também foram: a lista inclui John Edgar Hoover, diretor do FBI por 45 anos, e Harry Truman, o homem que autorizou o ataque com bombas atômicas sobre o Japão. Também fizeram parte da sociedade secreta dois políticos decisivos para a vitória aliada na Segunda Guerra Mundial, o presidente americano Franklin Delano Roosevelt e o primeiro-ministro britânico Winston Churchill. Eram maçons alguns dos mais importantes líderes da Revolução Francesa, como Jean-Paul Marat e La Fayette. O revolucionário italiano Giuseppe Garibaldi e os libertadores da América espanhola, o argentino José de San Martín e o venezuelano Simon Bolívar, também. O articulador da independência do Brasil, José Bonifácio de Andrada e Silva, pertencia à ordem, assim como o duque de Caxias e nosso primeiro presidente republicano, marechal Deodoro da Fonseca.

Freimaurer-sehendes-Auge-720x340
Fonte – http://xn--jl-3sulen-z2a.de/freimaurer-in-der-neuen-zuercher-zeitung/

Por tudo isso, não é exagero afirmar que o mundo em que vivemos foi definido por essa sociedade secreta, que por três séculos vem reunindo a elite política e militar (e cultural) do Ocidente em rituais cheios de códigos misteriosos.

Mas o que é maçonaria? Existem várias versões para a criação da organização. A mais confiável remete à Idade Média, quando o controle do comércio era feito pelas guildas, corporações de ofício que reuniam artesãos do mesmo ramo e funcionavam como um antepassado dos sindicatos. Um dos grupos mais poderosos era o dos pedreiros (em inglês, masons). Que era um trabalho de alto status então, pois eram responsáveis pela engenharia e pela construção de castelos e catedrais. Pedreiros tinham acesso aos reis e ao clero e circulavam livremente entre os feudos. Apelidados de free masons (pedreiros livres), se reuniam nos canteiros de obras e trocavam segredos da profissão. Um dos documentos mais antigos sobre essas guildas é a carta de regulamentos de Londres, 1356. Na época, era só um conjunto de regras para pedreiros. 

freimaurer
Fonte – https://www.star-of-africa.de/was-wissen-sie-%C3%BCber-freimaurerei/

Para se identificarem em locais públicos e evitarem o vazamento de suas conversas, criaram um sistema de gestos e códigos. Durante o Renascimento, os pedreiros livres ficaram na moda. Seus encontros passaram a acontecer em salões, chamados de lojas, que geralmente ficavam sobre bares e tavernas das grandes cidades, onde a conversa continuava depois. Intelectuais e membros da nobreza engrossaram a turma. Por influência deles, os debates passaram a abranger religião e filosofia. Em 24 de junho de 1717, numa reunião das quatro maiores lojas de Londres (então o maior centro maçom europeu), na taverna The Goose and Gridiron nasceu uma federação, a Grande Loja de Londres. Era o início oficial da maçonaria.

A Marselhesa

Em apenas três décadas, a organização já tinha se espalhado por toda a Europa ocidental e havia alcançado a Índia, a China e a América do Norte. Passou a ser conhecida, respeitada, mas, principalmente, temida. Não era para menos. Ficava difícil confiar em um grupo de homens ricos e poderosos, de diferentes áreas, que se reuniam a portas fechadas, usavam símbolos esquisitos (veja explicações ao longo da reportagem) e faziam juramentos de fidelidade à tal organização e ainda voto de silêncio. Também não ajudou muito o tanto de lendas que surgiu sobre a origem da maçonaria (em 1805, o historiador francês Charles Bernardin pesquisou 39 diferentes). Tinha para todos os gostos: alguns integrantes da ordem diziam que Noé era maçom, outros transformaram o rei Salomão ou os antigos egípcios em fundadores. Nem os templários escaparam (leia ao final). A Igreja Católica se incomodou tanto que, em 1738, divulgou uma bula papal atacando a ordem, que décadas depois foi perseguida pela Inquisição.

Mistérios revelados  Os principais símbolos da maçonaria

maconaria-670x421
Fonte – http://www.pnp900.de/freimaurerei.html

Compasso

Um dos instrumentos dos pedreiros. Representa a racionalidade científica. Por desenhar círculos perfeitos, também simboliza a busca pela perfeição moral

Esquadro

Outro instrumento da construção civil que lembra a capacidade transformadora do homem sobre a natureza. Seu ângulo reto é uma indicação para os homens de que eles devem ser honestos

Letra G

Vem de God, Deus em inglês. Os integrantes da fraternidade também o chamam de GAU, sigla para Grande Arquiteto do Universo

170228_Tomb_White_Header_R1a
Maçons ingleses – Fonte – http://www.freemasonrytoday.com/magazine

Olho

Geralmente representado dentro de um triângulo, tem o mesmo significado da letra G. É Deus, que tudo vê

Triângulo

Refere-se ao lema liberdade, igualdade e fraternidade, às virtudes fé, esperança e caridade, e nascimento, vida e morte. Por isso, os maçons também fazem três pontos em suas assinaturas

Martelo

Pequeno, simboliza o trabalho dos pedreiros que inspiraram a fraternidade, e também a força material que muda o mundo. É usado pelo grão-mestre durante as cerimônias

Sol/Lua

Como o chão de mosaico preto e branco (veja no rodapé da reportagem), usado nas lojas, simboliza a dualidade entre bem e mal, espírito e corpo, luz e trevas.

MasonicTemple-9
Templo maçônico da Filadélfia (EUA) construído em 1873 – Fonte – https://pamasonictemple.org/temple/

Além do sigilo, o que perturbava era a atitude sempre à frente de seu tempo. Setenta anos antes da Revolução Francesa, esses homens cultos e influentes já defendiam a liberdade, a igualdade e a fraternidade. Tratavam-se sem distinção e aceitavam todos os credos religiosos, uma atitude tremendamente avançada para a época. Os ateus, porém, eram barrados. Não formamos uma religião, mas somos um grupo de pessoas religiosas.

Nosso lema é fazer os homens bons ficarem melhores, diz o maçom paulistano Cassiano Rampazzo, advogado de 35 anos. Com ele concorda a historiadora mineira Françoise Jean de Oliveira, coautora do livro O Poder da Maçonaria. A maçonaria não é religião, não tem dogmas. É um grupo que defende a liberdade de consciência e o progresso. Isso não quer dizer que cada participante possa agir como bem entende. Ao entrar na ordem, o membro é instruído sobre a moral universal, um conjunto de virtudes obrigatórias, como bondade, lealdade, honra, honestidade, amizade, tranquilidade e obediência, diz Françoise.

barkerville_masons
Membros de uma loja maçônica no oeste canadense em 1890 – Fonte – http://freemasonry.bcy.ca/textfiles/history.html

A falta de preconceito se restringia a diferenças políticas e religiosas. A fraternidade vetava analfabetos, deficientes e homens que não se sustentavam. As mulheres até hoje não são bem-vindas (com exceção da França).

Além disso, no passado como no presente, só entra na ordem quem for convidado e passar por uma avaliação rigorosa: nada de gente indiscreta, protagonistas de escândalos, bêbados, brigões e adúlteros notórios.

Ainda assim, para os aprovados, a maçonaria foi a primeira entidade a funcionar de acordo com os preceitos da democracia moderna. Eles estimulavam debates abertos, em que todos podiam participar, além das eleições livres e diretas. Nada disso estava na moda no século 18. E, muito por influência dos próprios maçons, tornou-se corriqueiro no século 21, afirma o historiador alemão Jan Snoek, professor da Universidade de Heidelberg e especialista no assunto.

1500-Freimaurer-in-der-Hamburger-Michaeliskirche
Grande ritual maçônico em Hamburgo, Alemanha – Fonte – http://www.abendblatt.de/hamburg/article109558266/1500-Freimaurer-bei-Ritual-im-Michel.html

Assim, nada mais natural que os líderes da Revolução Francesa de 1789 aderissem à maçonaria. Nos anos que antecederam a queda do Antigo Regime, os adeptos se multiplicaram. A influência foi tanta que uma canção composta e cantada na loja de Marselha foi batizada de A Marselhesa e transformada no hino do país. Nem todos os ideólogos da revolução foram maçons. Marat e La Fayette eram, Robespierre e Danton, não. Mas, entre os inimigos da monarquia, mesmo quem não participava da ordem tinha sido influenciado por suas ideias, afirma o historiador americano W. Kirk MacNulty, maçom há mais de 40 anos.

Nas verdinhas

Além de divulgar ideias que atraíam a elite progressista de seu tempo, a maçonaria era também um espaço propício à conspiração política. Ao ingressar na ordem, os integrantes prometiam (e até hoje prometem) não divulgar seus segredos e nem mesmo revelar a nenhum profano (como são chamados os não iniciados) o que é dito nas reuniões.

Was-ist-Freimaurerei-1200x440
Trajes maçônicos – Fonte – al-prudens.de

As lojas maçônicas eram o lugar ideal para membros da elite de diferentes pensamentos políticos se encontrarem, diz o pesquisador Jesus Hortal, reitor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Além disso, quanto mais a maçonaria era acusada de ser um local de conspiração política, mais ela era procurada por conspiradores. A proteção das lojas ajudou a garantir o sucesso de um dos movimentos históricos mais influenciados pela organização: a independência americana, episódio que muitos historiadores chamam de revolução maçônica.

Grandes maçons – Algumas figuras centrais que se juntaram à ordem

image
George Washington – Fonte – https://www.star-of-africa.de/was-wissen-sie-%C3%BCber-freimaurerei/

George Washington (1732-1799)

Juntou-se bem jovem, enquanto ainda era soldado do Exército britânico, em 1752. Ocupado com sua luta, nunca foi muito ativo. Recusou o cargo de Grande Mestre na Virgínia em 1777, para se dedicar à luta contra a dominação britânica. Deram o cargo mesmo assim, sem seu consentimento, em 1788. Washington gostava do programa iluminista dos maçons, e também do fato de, nos EUA, serem menos anticlericais que na Europa. 

Voltaire (1694-1778)

O filósofo iluminista atacava a monarquia francesa e defendia princípios maçons. Acabou sendo iniciado em uma loja de Paris em abril de 1778, só dois meses antes de morrer. Voltaire, que tinha 83 anos, entrou no local apoiado no braço do americano Benjamin Franklin.

Goethe_(Stieler_1828)
Johann Wolfgang von Goethe – Fonte – https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0e/Goethe_%28Stieler_1828%29.jpg

Goethe (1749-1832)

O escritor e poeta alemão foi aceito em uma loja de Weimar em 1780. Escreveu vários poemas em homenagem à maçonaria. Os mais famosos são A Loja Maçônica e Symbolum (composto quando seu único filho, Auguste, foi iniciado).

Mozart (1756-1791)

O compositor austríaco entrou para a ordem em Viena, aos 28 anos. Compôs várias peças para serem executadas durante cerimônias maçônicas. Sua última ópera, A Flauta Mágica, tem tantas referências à ordem que Mozart foi acusado de revelar segredos maçons.

Gustave Eiffel (1832-1923)

Além de projetar a Torre Eiffel, em Paris, o engenheiro francês desenhou a Estátua da Liberdade, enviada como presente de comemoração dos 100 anos da independência americana . O projeto foi executado em parceria com o escultor Frederick Bartholdi (1834-1904), que também era maçom.

download
Charles Lindbergh – Fonte – https://www.usnews.com/photos/famous-freemasons?slide=8

Charles Lindberg (1902-1974)

O aviador foi aceito por uma loja de Saint Louis em 1926. No ano seguinte, tornou-se o primeiro homem a fazer um voo solitário transatlântico sem escalas. Durante a viagem, ele teria levado consigo um distintivo com os símbolos da régua e do compasso.

Buzz Aldrin (1930)

O segundo homem a pisar na Lua em 1969, após Neil Armstrong, pertence a uma loja maçônica no Texas. Queria ter levado um anel maçom de seu avô para a Lua, mas o perdeu antes da viagem. Mas ninguém sabe se ele teria mesmo levado uma bandeira com símbolos da ordem para lá.

Benjamin Franklin, um dos grandes responsáveis pela criação dos Estados Unidos da América, era grão-mestre (o líder máximo na hierarquia) na Filadélfia e responsável pela publicação no país do livro Constituições, escrito pelo britânico James Anderson em 1723 e considerado a declaração de princípios da entidade. O líder dos rebeldes, George Washington, e o principal autor da Declaração de Independência, Thomas Jefferson, também eram membros ativos, assim como um terço dos 39 homens que aprovaram a primeira Constituição do país. Os três usaram seus contatos com as maçonarias de outras nações, em especial da Inglaterra, para garantir o sucesso da rebelião.

Beschürzte-Brüder-Freimaurerei
Trajes maçônicos na Europa – Fonte – http://www.katholisches.info/2013/04/freimaurer-suchen-neuen-grosmeister-geht-es-logen-wirklich-nur-um-ethik-oder-auch-um-politik/

Há quem diga que a nota de 1 dólar, com seu olho solitário, é inteiramente marcada por símbolos maçons o olho, por exemplo, simbolizaria Deus (leia sobre os símbolos no decorrer da reportagem), coisa que os autores da cédula nunca confirmaram. Reza a lenda que George Washington teria vestido um avental da ordem durante a inauguração da capital, em 16 de julho de 1790, batizada em sua homenagem. Ele ainda teria orientado os engenheiros a encher a cidade de símbolos secretos da entidade. Por exemplo: algumas pessoas identificam o desenho de um compasso unindo a cúpula do Capitólio, a Casa Branca e o Memorial Thomas Jefferson.

Pelo mundo

No século 19, a maçonaria deu outras provas de sua capacidade de mudar a história. Por volta de 1810, um grupo de defensores da unificação italiana se reuniu com o nome de Carbonária. Inspirado nas estratégias e na hierarquia maçons, a sociedade secreta, que continuou atuante até 1848, tentava estimular uma rebelião espontânea dos trabalhadores, que implantariam os ideais liberais. Dois dos maiores heróis da construção da Itália unificada participaram desse grupo e depois foram aceitos pela maçonaria. Um deles, Giuseppe Mazzini (1805-1872), acabou rompendo com os maçons por acreditar que a ordem mais debatia que agia. Outro, Giuseppe Garibaldi (1807-1882), seria mais tarde condecorado o primeiro maçom do novo país.

c6024050e3c3f577421fa4c7390b8a91
Giuseppe Garibaldi – Fonte – https://br.pinterest.com/pin/116038127878095348/

Depois de participar de um levante malsucedido em Gênova, Garibaldi fugiu para o Rio de Janeiro em 1835. Encontrou um grupo de carbonários exilados que mantinha contatos com a maçonaria brasileira. Através deles conheceu o maçom Bento Gonçalves, o líder da Revolução Farroupilha. Em 1840, Garibaldi instalou-se no Uruguai, onde se tornou oficialmente participante da sociedade secreta. Quando morreu, em seu país, deu nome a lojas no Uruguai, Brasil, França, Estados Unidos, Inglaterra e Itália. Nas décadas seguintes, os democratas italianos de esquerda, cujos integrantes cerrariam fileiras na maçonaria, se destacaram pela defesa do sufrágio universal, da educação gratuita de qualidade e da independência do Estado com relação à Igreja.

É fácil entender como Garibaldi se tornou maçom na América do Sul. Desde o começo do século 19, a ordem cresceu a ponto de ser fundamental para a independência dos países da região. Nos países de língua espanhola, um dos precursores do pensamento pela soberania foi o venezuelano Francisco de Miranda (1750-1816), que, depois de participar da Revolução Francesa, foi iniciado na maçonaria por George Washington. Miranda fundou uma loja em Londres, batizada de Gran Reunión Americana.

csm_freimaurer_logo_mauer_715_pixabay15_4490d3245b
Fonte – http://www.idea.de/gesellschaft/detail/ezw-die-freimaurer-in-deutschland-legen-zu-92634.html

Ali, atuou na formação de três libertadores da América: o chileno Bernardo O’Higgins (1778-1842), o venezuelano Simon Bolívar (1783-1830) e o argentino José de San Martín (1778-1850). Eles frequentavam a mesma loja, Latauro, com sede em Cádiz, Espanha, e filiais latino-americanas. Seus membros se denominavam cavaleiros da razão e previam a independência, o fim da escravidão e a proclamação de repúblicas. Estima-se que a iniciação de Bolívar tenha ocorrido na Europa, entre 1803 e 1806. San Martín, adepto desde 1808, fundou lojas no Chile, no Peru e na Argentina (que já abrigava casas maçônicas desde 1775). O’Higgins frequentava a de Mendoza.

Em terras brasileiras

A fraternidade existia em nosso país desde o início do século 19 e contava com confrades de altos cargos da colônia. Entre os maçons decisivos para a separação de Portugal estava José Bonifácio de Andrada e Silva (1763-1838). A ideia de conceder o título Defensor Perpétuo e Imperador do Brasil ao príncipe herdeiro da coroa portuguesa surgiu na própria Latauro, mesmo lugar que organizou as primeiras festas de rua pela independência, no Rio, em 12 de outubro de 1822.

Brasil maçonaria
Fonte – http://robertomacom.blogspot.com.br/2015_02_01_archive.html

O envio de emissários às grandes províncias brasileiras para articulação da Independência foi organizado pelo Grande Oriente do Brasil, a federação maçônica nacional fundada em 17 de junho do mesmo ano, de onde José Bonifácio foi grão-mestre. Em 2 de agosto de 1822, o próprio dom Pedro I entrou para a entidade, sob o codinome Pedro Guatimozim, uma homenagem ao último rei asteca. Apenas três dias depois de iniciado, ele já tinha sido alçado a mestre. Mais dois meses e já era o grão-mestre do país. Passados apenas 17 dias da promoção, Pedro, já imperador, abandonou a fraternidade e proibiu suas atividades no Brasil. A melhor explicação dos especialistas para a atitude é a insatisfação do monarca com uma entidade onde a hierarquia era submetida a regras e podia ser questionada.

Em 1831, de volta legalmente à ativa, após a renúncia de dom Pedro e seu retorno a Portugal, a maçonaria brasileira se multiplicou. Em 1861, a ordem se mobilizou em apoio ao movimento abolicionista. No Ceará, lojas se reuniram para comprar e libertar escravos. Eusébio de Queiroz (1812-1868), que batizou a lei que proibia o tráfico de escravos, era maçom. O visconde do Rio Branco (1819-1880), abolicionista e chefe de Gabinete Ministerial entre 1871 e 1875, foi grão-mestre. Quando a Lei Áurea foi assinada pela princesa Isabel (1846-1921), em 1888, o presidente do Conselho de Ministros era o grão-mestre João Alfredo Correa de Oliveira (1835-1919). Das lojas também veio o apoio à mudança no regime de governo. Em 1889, a República foi proclamada pelo confrade marechal Deodoro da Fonseca (1827-1892), que formou um ministério só com maçons. Dos 12 chefes de Estado até 1930, oito eram maçons; dos 17 governadores de São Paulo durante a República Velha, 13 pertenciam à ordem.

689769-entenda-os-significados-dos-simbolos-maconicos
Fonte – http://www.mundodastribos.com/entenda-os-significados-dos-simbolos-maconicos.html

Caça aos bruxos

A partir de 1930, com a ascensão de Getúlio Vargas (1882-1954) ao poder, a maçonaria brasileira passou a ser estigmatizada. Os delírios do integralista Gustavo Barroso (1888-1959), de que a entidade unira-se ao judaísmo para controlar a humanidade, faziam sucesso. O mesmo surto ocorreu em outros países. Na União Soviética, Leon Trótski (1879-1940) denunciou um suposto complô maçom-judaico para dominar o planeta. Adolf Hitler (1889-1945), que dizia que a maçonaria era uma arma dos judeus, mandou fechar todas as lojas alemãs, prendeu líderes e, em 1937, organizou a Exposição Antimaçônica. Aberta em Munique pelo ministro da propaganda, Joseph Goebbels, a mostra reunia peças de lojas invadidas. Na Espanha, em 1940, o general Francisco Franco (1892-1975) proibiu a existência dos grupos e condenou seus membros a seis anos de prisão.

Nem só a perseguição fez organização perder poder. A maçonaria não se adaptou aos novos tempos, diz Françoise Souza. Ela foi poderosa enquanto era um local único de reunião de pessoas. Com a consolidação da sociedade civil, surgiram outros espaços associativos, como partidos, sindicatos e organizações não governamentais. Além disso, causas clássicas da maçonaria, como a liberdade religiosa, viraram direitos. Mas ainda existem locais onde a segurança e a valorização da liberdade de expressão são fundamentais. É o caso de Israel. Em Jerusalém, as lojas reúnem cristãos, judeus e muçulmanos, que conversam abertamente, trocam experiências e sabem que podem confiar uns nos outros, afirma o historiador Jan Snoek. Em lugares assim a maçonaria continua, como era em suas origens, uma organização inovadora.

Fundadores legendários  Estes seriam os primeiros maçons, segundo as lendas

Adão

Alguns integrantes da ordem defendem que Deus foi o primeiro maçom afinal (como um bom pedreiro) ele construiu o mundo inteiro em seis dias. Para outros, esse cargo cabe a Adão. Ao ser expulso do paraíso, ele teve de encontrar uma forma de construir abrigo. Seus ensinamentos teriam sido levados adiante por seu filho Caim.

Noé

De acordo com a Bíblia, depois de construir um barco e escapar do grande dilúvio com um casal de cada espécie animal, Noé precisou começar tudo do zero. Para alguns maçons, isso faz dele um pioneiro na arte da construção logo, um fundador da maçonaria.

Egípcios

Só mesmo grandes engenheiros seriam capazes de construir as pirâmides do Egito antigo. Por isso, não falta quem diga que entre os egípcios também estavam os primeiros maçons. Por essa versão, eles teriam criado ritos ocultos, os mesmos que teriam usado na construção da Grande Pirâmide de Quéops.

Hiram Abiff

Segundo a Bíblia, o rei Salomão teria contratado um outro rei, chamado Hiram Abiff, para ser o engenheiro-chefe de seu templo. De acordo com a maçonaria, Hiram foi morto por funcionários que queriam roubar os segredos de Salomão. Assim, Hiram acabou virando um mártir e também um exemplo de discrição.

Pitágoras

Além de fundador da Matemática como disciplina de estudos, o grego fundou a escola pitagórica, que tratava seus seguidores como uma irmandade sem superiores e seguia rígidos princípios religiosos e de comportamento. Assim, não é difícil entender a ligação que fizeram entre ele e a maçonaria.

Templários

Os sobreviventes da poderosa ordem, destruída em 1312 a mando do papa Clemente V, teriam continuado a se reunir em segredo até voltar a público em 1717, na forma da maçonaria. Algumas palavras em código dos maçons seriam inspiradas nas senhas usadas pelos templários.

SAIBA MAIS:

►A Maçonaria Símbolos, Segredos, Significado, W. Kirk MacNulty, Martins Fontes, 2007
►Arquivos Secretos do Vaticano e a Franco-Maçonaria, José Ferrer Benimeli, Madras, 2007
►O Poder da Maçonaria, Françoise Jean de Oliveira e Marco Morel, Nova Fronteira, 2008

Fonte – http://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/o-compasso-do-mundo-tudo-sobre-a-maconaria.phtml#.WL39T4WcHIW

AS 3 PRIMEIRAS FOTOGRAFIAS DO BRASIL – LOUIS COMPTE, JANEIRO DE 1840

Paço Imperial, Janeiro de 1840.
Paço Imperial, Janeiro de 1840.
Chafariz do Mestre Valentim, Janeiro de 1840.
Chafariz do Mestre Valentim, Janeiro de 1840.
Cais do Rio de Janeiro. Em  janeiro de 1840
Cais do Rio de Janeiro. Em janeiro de 1840

FONTE – https://www.facebook.com/DPedroIIdoBrasil?pnref=story

MUSEU IMPERIAL ARREMATA RETRATO INÉDITO DO IMPERADOR D. PEDRO II DURANTE LEILÃO EM PARIS

Retrato de d. Pedro II, 1841- Fonte - http://www.museuimperial.gov.br/
Retrato de d. Pedro II, 1841- Fonte – http://www.museuimperial.gov.br/

A Sociedade de Amigos do Museu Imperial arrematou um retrato inédito do imperador d. Pedro II durante leilão realizado no dia 19 de junho na Casa Collin Du Boccage, em Paris. O desenho, crayon sobre papel, medindo 21,5 x 16,8cm, retrata o segundo imperador do Brasil de perfil, em traje civil, portando insígnia e placa da Imperial Ordem do Cruzeiro do Sul. A obra, sem assinatura, traz a inscrição: “1841” e “D´après nature”.

A obra pertenceu à coleção da família real francesa e, muito provavelmente, foi oferecida no leilão por herdeiros da princesa d. Isabel de Orleans e Bragança, bisneta de d. Pedro II, e condessa de Paris por casamento com Henrique de Orleans, chefe da casa real francesa.

Maurício Vicente Ferreira Junior, diretor do Museu Imperial, e que arrematou o retrato por telefone, afirma que “as características da obra sugerem que o retrato tenha sido produzido como um estudo para a elaboração de uma medalha ou moeda, não executadas, no contexto celebrativo da coroação e sagração do jovem imperador, em 1841.

A oferta da peça em leilão foi informada ao Museu Imperial pelo Setor Cultural da Embaixada do Brasil na França, que ainda acompanhou toda a operação desde Paris. 

FONTE – http://www.museuimperial.gov.br/imprensa/novidades-imperiais/5472-museu-imperial-arremata-retrato-in%C3%A9dito-do-imperador-d-pedro-ii-durante-leil%C3%A3o-em-paris.html 

SOCIEDADES SECRETAS NO BRASIL – O LADO OCULTO DO PODER

A depiction of a ritual taking place in a masonic lodge, New York, circa 1900. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)
Ritual maçônico em New York, cerca de 1900. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)
Como organizações que existiam à margem da vida pública do Brasil ajudaram a moldar os destinos do país desde seu nascimento

TEXTO Paulo Rezzutti

Fonte – http://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/acervo/sociedades-secretas-brasil-lado-oculto-poder-806578.phtml#.VX9J_vlVikp

Às vésperas da Independência do Brasil, dom Pedro I enviou de São Paulo uma carta ao seu amigo e ministro José Bonifácio. No final, cravou um pedido misterioso: “Recomende-me aos senhores nossos II e CC (…)”.

Essa simples frase, cheia de pontos em formatos estranhos, revela o contato estreito do então príncipe regente, a pouco tempo de virar o primeiro governante do Brasil independente, com duas sociedades secretas operantes durante o processo histórico que culminou no 7 de Setembro. Os três pontos, cada um no que seria um vértice de uma pirâmide, antecedidos por duas letras “i”, são ainda hoje utilizados por membros da Maçonaria e significam “irmãos”. Se essa primeira sociedade permanece conhecida no mundo inteiro, a seguinte, que se revela nas duas letras “c” seguidas por quatro pontos em forma de cruz, que significavam “camaradas”, foi uma ordem secreta 100% brasileira que teve vida efêmera. Tratava-se do “Apostolado da Nobre Ordem dos Cavaleiros da Santa Cruz”, ou, simplesmente, Apostolado.

A Maçonaria e o Apostolado na independência

Dom Pedro foi iniciado na Maçonaria em 2 de agosto de 1822, adotando o nome de Guatimozin, o último imperador asteca que tentou resistir aos invasores espanhóis. Nesse período, a partir de 1821, com a campanha de emancipação política do Brasil, as lojas existentes começaram a ter um papel político mais vigoroso, embora já existissem registros de atividades maçônicas no Brasil desde o século 18. Em 1822, durante o processo da Independência, foi criado o Grande Oriente do Brasil, ou Brasiliano, conforme ata de 17 de junho, com o qual a Maçonaria brasileira libertou-se e tornou-se independente do Grande Oriente Lusitano.

sociedades1-avh134

Inspirado pelos ventos da Revolução Francesa, da independência da América do Norte e das Guerras Napoleônicas, que varreram por algum tempo da Europa o absolutismo, a Maçonaria brasileira tentava atrair o então príncipe regente. Se alguns elementos maçônicos sonhavam com a implantação da República no Brasil, a maioria achava que a independência definitiva de Portugal se daria de maneira menos traumática se contasse com a simpatia de dom Pedro, por isso buscou envolvê-lo na causa.

Apenas com a intenção de ilustrar ainda mais o texto e trazer mais informações aos nossos leitores sobre como a maçonaria era perseguida no passado, vejam este texto do jornal natalense
Apenas com a intenção de ilustrar ainda mais o texto e trazer mais informações aos nossos leitores sobre como a maçonaria era perseguida no passado, vejam este texto do jornal natalense “A República”, de 20 de junho de 1940.

Foram os maçons, capitaneados por Joaquim Gonçalves Ledo e José Clemente Pereira, presidente do Senado da Câmara do Rio de Janeiro, que se movimentaram para dissuadir dom Pedro de cumprir as ordens das Cortes Portuguesas, que solicitaram o retorno dele à Europa em 1821. Inclinado a respeitar as diretrizes das Cortes, o príncipe regente foi convencido pelo movimento de Ledo e Pereira, que conseguiram a adesão de representantes de Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Bahia ao pedido para que não deixasse o Brasil, levando ao Dia do Fico, em 9 de janeiro de 1822. Em 13 de maio, a Maçonaria concedeu a dom Pedro o título de “Protetor e Defensor Perpétuo do Reino Unido do Brasil”, o qual o príncipe declinou parcialmente, aceitando apenas o de “Defensor Perpétuo”.

O Apostolado da Ordem dos Cavaleiros de Santa Cruz foi fundado por José Bonifácio em 1822, com o objetivo de defender a integridade do Brasil e lutar por sua independência. Porém o propósito primordial era combater o grupo de Gonçalves Ledo, que, se a princípio havia aceitado a monarquia constitucional como caminho rápido para a separação, acalentava o sonho republicano.

Tanto a Maçonaria como o Apostolado acabaram sendo, cada um a seu tempo, fechados por ordem de dom Pedro. Mas a influência das duas sociedades secretas no processo político da Independência é inegável. Das reuniões do Apostolado entre janeiro e março de 1823, como mostram as atas reunidas no Acervo Histórico do Museu Imperial, em Petrópolis, há debates de artigos que seriam apresentados ao projeto da Constituição do Império em setembro pelo deputado Antônio Carlos, irmão de Bonifácio.

O escritor Luiz Gonzaga da Rocha, presidente do Tribunal Distrital de Justiça do Grande Oriente do Distrito Federal e autor de A Bucha e Outras Reminiscências Maçônicas, afirma que as sociedades secretas perderam poder. “A Maçonaria exerce pouca ou quase nenhuma influência na sociedade brasileira”, diz. Segundo Rocha, isso ocorre devido ao baixo índice de inserção social e ao fato de a sociedade estar afastada do cenário político-econômico-social e das discussões das questões de interesse nacional.

A ação da Bucha

“É a polícia, ninguém se mexa!”, disse, triunfante, o subdelegado Armando Pamplona para um bando encapuzado. Eram os anos finais da Primeira Guerra, e Pamplona buscava espiões alemães. Certa noite, passando a altas horas pelo antigo prédio do Liceu de Artes e Ofícios em São Paulo, notou uma estranha movimentação. Diversos senhores com ar misterioso tomavam carros de luxo estacionados nas redondezas do edifício. Decidido, o subdelegado resolveu montar uma campana para descobrir do que se tratava.

A persistência deu resultado. Certa noite, por volta das 9 horas, vultos suspeitos se esgueiravam para dentro do edifício. Já passava das 10 horas quando o movimento terminou. O subdelegado chamou seus homens e invadiu o local. Pamplona deve ter achado esquisito aqueles homens trajando mantos e faixas bordadas. Uns traziam no peito uma âncora verde, símbolo da esperança, outros um coração vermelho, lembrando a caridade, alguns, a cruz azul da fé.

O subdelegado estava radiante com a perspectiva de ter “explodido” um ninho de perigosos espiões. Mas qual não foi sua surpresa quando os membros da assembleia, perplexos diante daquela invasão, começaram a tirar os capuzes. Armando reparou que os rostos eram familiares: ele conhecia pessoalmente alguns daqueles senhores, outros de vista, outros por fotos em jornais. Estavam no salão o governador do estado, Altino Arantes, diversos políticos paulistas, mineiros, cariocas e gaúchos, além de inúmeros professores das Faculdades de Direito, de Medicina e Politécnica, assim como o secretário de Segurança Pública, Elói Chaves, chefe de Pamplona. Invertendo a ação, Chaves deu ordem de prisão ao subdelegado e a seus homens.

Naquela mesma noite os policiais invasores foram juramentados e ameaçados severamente pelas altas personalidades ali reunidas. Assim terminou a grande noite do subdelegado Pamplona; em vez de uma batida e a prisão de espiões, a fama e a glória estampadas nos jornais matutinos, ele acabou se tornando, à força, membro juramentado da Bucha, a sociedade secreta que, para muitos, por quase cem anos ajudou a governar os destinos do Brasil.

Em 11 de agosto de 1827, o imperador dom Pedro I assinou a lei que criava os cursos jurídicos no Brasil. Ela previa a instalação de duas faculdades, uma em Recife e outra em São Paulo. A paulista foi a primeira a entrar em funcionamento. Instalada em parte do antigo Convento de São Francisco, as arcadas do velho claustro se tornaram sinônimo da recém-instalada academia. A lei de 11 de agosto também institucionalizou os Cursos Anexos, espécie de preparatório que capacitava os jovens a prestarem os exames de admissão à faculdade.

31st May 1913:  Certificate of the High order of the Freemasons of 33rd rite in Scotland written in German. In English the document goes in to state, 'In the name and under the auspices of the temporarily United Sovereign Sanctuaries of the Ancient & Primitive Rite of Masonry in & for Great Britain and Ireland and in & for the German Empire.  (Photo by Hulton Archive/Getty Images)
31 de maio de 1913: Certificado da Alta Ordem dos Maçons Livres, do Grau 33, do Rito Escocês. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)

Júlio Frank

Nos Cursos Anexos, houve, entre tantos outros, dois importantes mestres estrangeiros de índole liberal: o professor de aritmética, o italiano Líbero Badaró, assassinado por suas ideias em 1830, e o alemão Johann Julius Gottfried Ludwig Frank, ou Júlio Frank, como era conhecido no Brasil. Frank, nascido em 1808, havia estudado na Universidade de Göttingen, mas não chegou a se formar. Teve que sair da cidade por causa de dívidas contraídas e veio parar no Brasil. Tentou se estabelecer no Rio de Janeiro, depois no interior de São Paulo, e por fim na capital.

Frank morreu de pneumonia em 1841 e, como não era católico, seu corpo teria de ser sepultado no Cemitério dos Aflitos, local que recolhia indigentes, criminosos mortos na forca e escravos. Um ultraje para o venerado mestre. Os estudantes, em revolta, resolveram enterrar seu professor na própria escola. Seu túmulo, em um dos pátios, é venerado pela tradição acadêmica da faculdade até hoje.

Inspirado nas Burschenschaften, ou Confrarias de Camaradas, instituições acadêmicas alemãs, Frank teria tido, durante uma reunião com o estudante Vicente Pires da Mota e o secretário de Governo da província de São Paulo, Pimenta Bueno, a ideia de criar uma associação similar na Academia de Direito. Segundo o escritor Luiz Gonzaga da Rocha, “a Bucha tinha por objetivo a filantropia e, ainda, ressaltar a função social do advogado no seio da sociedade paulistana e brasileira, por extensão”.

Controle

Os integrantes da Bucha, Bucha Paulista, ou B. P., como passaria a ser chamada aBurschenschaft da Academia de Direito de São Paulo, eram escolhidos pela sua inteligência e lisura de caráter. Na faculdade, a ordem era composta de Catecúmenos, Crentes e Doze Apóstolos; fora, por Chefes Supremos e Conselho dos Divinos. A estrutura da sociedade, com o passar dos anos, transcendeu os velhos muros da academia e passou a permear a política nacional, envolvendo a estrutura burocrática do Estado.

Os antigos alunos da São Francisco que pertenciam à Bucha e ocupavam posições nas diversas esferas do poder nacional acabaram favorecendo outros membros da organização na distribuição de cargos governamentais. O historiador Luis Fernando Messeder dos Santos, autor da dissertação de mestrado A Burschenschaft e a Formação da Classe Dirigente Brasileira na República Velha, afirma a respeito: “Percebe-se o fortalecimento da atuação da organização na década de 1870, quando alguns dos que iriam ocupar a ‘suprema magistratura’ do país durante a Primeira República estudaram na mesma turma”.

Durante o Império, entre os “bucheiros”, havia políticos, artistas e intelectuais destacados, como Castro Alves, Álvares de Azevedo, o Barão do Rio Branco, o Visconde de Ouro Preto, entre outros. Após a queda do Império, em 1889, foi instituída uma comissão, apelidada de Comissão dos Cinco, encarregada do anteprojeto da Constituição Republicana. Dos cinco membros da comissão, três eram conhecidos bucheiros: Saldanha Marinho, Américo Brasiliense e Santos Werneck.

Embora os ideais liberais levados para as Arcadas por Líbero Badaró e Júlio Frank tenham servido de norte para a criação da Bucha, inspirando seus membros a lutarem pelo abolicionismo e pela República, à medida que os ardores juvenis arrefeciam e seus integrantes passavam a pertencer ao establishment, alguns transformaram-se em conservadores, defendendo a monarquia e a escravidão.

Na República Velha, acredita-se, não havia ministro, juiz ou mesmo candidato à presidência da República que tomasse posse, ou fosse indicado, sem prévia deliberação do Conselho dos Divinos. A filantropia inicial, a ideia de ajuda mútua, acabou se corrompendo e desaguou no franco favorecimento para obtenção de cargos públicos. Segundo o professor Miguel Reale, em suas memórias: “Como toda sociedade secreta, [a Bucha] logo se degenerou em cadeia de privilégios, que começava na faculdade pela seleção dos catedráticos e terminava nos acordos ‘café com leite’ entre ex-alunos de São Paulo e Minas Gerais, sob a batuta do Senador [do Rio Grande do Sul] Pinheiro Machado, também diplomado pelas Arcadas, e que, sutilmente, preferia ser a eminência parda dos eventos republicanos”.

Conchavos

Nos primeiros 40 anos da República, do governo dos militares Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto à política do café com leite, bacharéis formados por uma das duas academias de Direito e membros da Bucha destacaram-se como ministros ou chefes do Executivo. Dos 14 presidentes eleitos da República Velha, oito eram da sociedade: Prudente de Morais, Campos Sales, Rodrigues Alves, Afonso Pena, Venceslau Brás, Artur Bernardes, Washington Luís e Júlio Prestes, que não chegou a ser empossado por causa da Revolução de 1930.

Quando a Bucha foi fundada, no início da década de 1830, também surgiu outra instituição, a Sociedade Filantrópica, que prestava ajuda a presos e órfãos. Desde então, a sociedade secreta da Faculdade de Direito sempre esteve ligada a um “braço” público. Na década de 1910, um deles, a Liga Nacionalista, aglutinou em sua direção membros da Faculdade de Medicina e da Escola Politécnica. Estas possuíam também suas próprias organizações estudantis: a Jungenschaft (União da Mocidade), na Medicina, fundada em 1913, e a Landmannschaft (sociedade das pessoas de um mesmo campo), na Politécnica, de 1895. O intercâmbio de alunos de Direito entre São Paulo e Recife acabou por ocasionar a criação de um braço da Bucha em Pernambuco, a sociedade Tugendbund (União e Virtude).

Com a Revolução de 1930, que pôs fim à República Velha, chegou ao poder Getúlio Vargas. Data daí o declínio da Bucha. Adhemar de Barros, interventor do estado de São Paulo, teria colocado as mãos em uma lista parcial de membros da Bucha no final dos anos 30 e se apressou a apresentála a Getúlio. Segundo o político Carlos Lacerda, o presidente leu atentamente a lista e a devolveu para Adhemar, dizendo: “Não se pode governar o Brasil sem essa gente, o senhor que entre para aBurschenschaft”.

“Forças ocultas”

Em 1931, quase cem anos após a criação da Bucha, foi fundada a Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo pelo diplomata José Carlos de Macedo Soares. Segundo Afonso Arinos de Melo e Franco, Macedo Soares teria sido o último chefe daquela sociedade secreta, e a associação seria a sucessora final da Bucha.

Mas, e nos dias de hoje, a Bucha ainda existe? Segundo o historiador Pedro Brasil Bandecchi, em 1961, “Jânio Quadros teria se referido à Bucha quando falou de forças ocultas para justificar sua renúncia”. O atual presidente da Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da USP, José Carlos Madia de Souza, afirma que, em 13 anos como presidente da entidade, jamais teve conhecimento da continuidade da existência ou da atuação da Bucha.

sociedades5-avh134

sociedades4-avh134

Já o jornalista e escritor Fernando Jorge, ex-aluno da São Francisco e antigo vice-presidente da Academia de Letras da faculdade, na década de 1950, é de opinião contrária: “Na minha época achava curioso o costume de alunos mais velhos se encontrarem ao redor do túmulo do Júlio Frank. Alguns diziam que era ritual da Bucha. Anos mais tarde, na década de 80, Bandecchi, numa conversa comigo e com o historiador Leonardo Arroyo, afirmou categoricamente que a Bucha ainda existia”.

Em 2006, a comunidade da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo foi surpreendida com cartazes nos corredores de suas unidades. Nele, uma certa sociedade E.S.P.A.R.T.A. anunciava a comemoração de seus 50 anos de existência.

A E.S.P.A.R.T.A., segundo rumores, seria um ramo da Burschenschaft e teria surgido em 1956. Diferentemente dos famosos guerreiros que morreram na Batalha das Termópilas defendendo sua terra da invasão persa, essa sociedade secreta era composta de menos que 300 membros. Por ano, supostamente seriam recrutados 20 alunos. Metade deles, indicados por membros antigos e que ficariam “em observação” por um ano. Cinco vagas seriam reservadas para pessoas que solicitassem sua entrada na sociedade. As demais era reservadas para filhos de antigos membros.

sociedades6-avh134

Nascida na Guerra Fria, o período histórico de 1945 a 1991 marcado por disputas estratégicas e conflitos indiretos entre Estados Unidos e a extinta União Soviética, a E.S.P.A.R.T.A. – sempre supostamente – contaria com um projeto de poder denominado Jano, nome do deus romano representado por duas ou mais faces, cada qual olhando para uma direção. Preparando-se para dois cenários mundiais distintos, um com o socialismo como vencedor e outro com o capitalismo, a sociedade teria formado duas elites para que seus interesses sobrevivessem em qualquer cenário.

Entre seus membros, estariam proeminentes figuras acadêmicas, como Perseu Abramo, Florestan Fernandes e Fernando Henrique Cardoso, os dois primeiros fundadores do PT, e o último, do PSDB. Juntos, esses partidos têm se mantido há 20 anos no poder. Seus políticos, em alguns momentos, uniram-se a uma causa comum, como quando o então líder sindical Lula apoiou a campanha política de FHC para o Senado, em 1978, chegando, até, a representá-lo em alguns comícios.

SAIBA MAIS

Livros

A Bucha e Outras Reminiscências Maçônicas. Londrina, Luiz Gonzaga da Rocha, A Trolha, 1999

A Sombra de Júlio Frank. Afonso Schmidt, Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da USP, 2008

A REVOLTA DOS MUCKERS – MESSIANISMO E SANGUE NO SUL DO BRASIL

Esta é a única foto do casamento é a única que os pesquisadores  apontam como autêntica de João Jorge Maurer e Jacobina Mentz
Esta é a única foto do casamento é a única que os pesquisadores
apontam como autêntica de João Jorge Maurer e Jacobina Mentz

Fonte – http://noitesinistra.blogspot.com.br/2013/10/o-massacre-dos-muckers-e-as.html 

A chamada Revolta dos Mucker foi um conflito regional que aconteceu, ao final do século XIX, em São Leopoldo (atual Sapiranga), na então Província do Rio Grande do Sul, no Brasil. Os Muckers foram um grupo de imigrantes alemães envolvidos em um movimento messiânico liderado por Jacobina Mentz Maurer e seu marido, João Maurer. A expressão mucker, em alemão, significa falso santo em tradução ao português.

Na época do conflito dos Mucker, Sapiranga chamava-se localidade do “Padre Eterno”. Quase não se falava português na região, sendo o idioma corrente o chamado baixo-alemão ou Plattdeutsch, sendo também muito difundido o dialeto da província alemã do Hunsrück.

Um pequeno núcleo, formado por comerciantes e “pré-industriais” do calçado formava a classe economicamente dominante no município. O campesinato, dedicado à policultura, inicialmente de subsistência, formava, nos tempos primevos da formação da cidade – bem como de toda região – a massa dos imigrantes. Sua vida era duríssima, como mesmo narram os antigos moradores da região. As promessas do Império Brasileiro, particularmente da corte de Dom Pedro II, não tinham sido cumpridas. Os colonos haviam sido jogados – pelo menos este era seu ponto de vista – numa terra inóspita; nenhuma ajuda do governo lhes foi dada. Ademais, o desbravamento do Vale dos Sinos teve que ser feito a ferro e fogo pelos colonos, como narra Josué Guimarães em seu famoso romance.

Esta seria outra foto de jacobina, mas aparentemente não existe confirmação.
Esta seria outra foto de jacobina, mas aparentemente não existe confirmação.

Por outro lado, havia um forte sentimento de “traição” entre a massa dos colonos em relação particularmente àqueles que prosperaram economicamente. Uma parcela importante dos primeiros imigrantes alemães, que chegaram ao Brasil em 1824, instalando-se em São Leopoldo e depois na capital, Porto Alegre, acabou formando uma “elite” teuto-brasileira. Era uma comunidade que produzia até uma imprensa própria, em idioma alemão, que formou intelectuais do gabarito de Carlos Von Koseritz, o qual escreveu vários artigos sobre a guerra no Deutsche Zeitung.

A “elite” sapiranguense – se é que pode dizer que havia uma “elite” no Padre Eterno – era ligada às igrejas históricas, basicamente metade católico-romana, e a outra parte protestante, pertencente ao que vem a ser hoje a IECLB, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. É do caldo de conflitos entre os camponeses pobres e empobrecidos e as elites que nascem as condições da explosão do movimento dos “Mucker”.

Messianismo

A jovem Jacobina, desde criança entrava em momentos de transe e conseguia diagnosticar doenças, apresentava-se como a própria encarnação de Cristo, prometendo estabelecer a Cidade de Deus.

De acordo com um artigo escrito por Marinês Andrea Kunz e Roswithia Weber, à Revista Brasileira de História & Ciências Sociais no ano de 2012, a família de Jacobina tivera problemas de ordem religiosa na Alemanha, pois, adepta do grupo pietista da Igreja Luterana, não se conformava com as novas orientações da instituição, quanto à linha adotada, e acusava-a de desviar-se dos ensinamentos bíblicos. Libório Mentz, avô de Jacobina, coordenou o grupo descontente, que se mudou para o povoado de Tambach, onde fundaram nova igreja e não permitiam que seus filhos frequentassem a escola. Nesse período, o patriarca e a família emigraram para o Brasil.

Em Novo Hamburgo , ele construiu uma igreja e organizou um coral, participando, assim, ativamente das atividades religiosas da comunidade, sem envolver-se em novos conflitos.

O pai de Jacobina, André Mentz, faleceu quando ela tinha nove anos, deixando a mãe com oito filhos. De sua família, somente o irmão Francisco não foi adepto dos Mucker. Quando criança, Jacobina chegou a frequentar aulas por um ou dois anos, sendo alfabetizada de forma rudimentar em alemão. A língua portuguesa, no entanto, ela não falava nem entendia.

Jacobina casou-se com João Jorge Maurer, em 26 de abril de 1866, em Novo Hamburgo. O noivo, filho de imigrantes alemães, nascera no Brasil.

O Morro Ferrabraz fica localizado ao norte do centro da cidade de Sapiranga e é formado por rochas de origem vulcânica e sedimentar, contando com uma altitude até 630 metros ao nível do mar possui uma fauna e flora abundante, sendo considerado como patrimônio natural e área de interesse cultural e histórico desde 8 de outubro de 1987 pela lei municipal 1400/87.
O Morro Ferrabraz fica localizado ao norte do centro da cidade de Sapiranga e é formado por rochas de origem vulcânica e sedimentar, contando com uma altitude até 630 metros ao nível do mar possui uma fauna e flora abundante, sendo considerado como patrimônio natural e área de interesse cultural e histórico desde 8 de outubro de 1987 pela lei municipal 1400/87.

Após o casal viver um ano em casa da mãe de Jacobina, eles mudaram para Sapiranga, junto ao morro Ferrabraz, onde Maurer havia comprado um lote de terras. Ele trabalhava como agricultor e como marceneiro, para sustentar a família. O casal teve seis filhos, sendo que a última nasceu em maio de 1874, ou seja, próximo ao último combate, que ocorreu em 2 de agosto, ocasião em que a criança morreu.

João Jorge conheceu o curandeiro Buchhorn, do qual aprendeu o ofício. A partir daí, em 1868, passa a atender os doentes em sua própria casa. Em 1872, ele já era conhecido na região, de modo que recebia clientes até de Pelotas, Rio Grande e Porto Alegre. Com ervas, preparava remédios que eram comprados pelos doentes, os quais pagavam em dinheiro, em mantimentos ou em produtos agrícolas, conforme suas condições financeiras.

Inicialmente Jacobina apenas ajudava ao marido no tratamento dos doente, algumas vezes ela lia trechos da Bíblia para os enfermos como forma de conforto. Jacobina também sofria com constantes demais e até sonambulismo, o que levou muitas pessoas a pensarem que ela teria algum poder sobrenatural de vidência. Com o passar do tempo começaram a ser realizadas seções na casa de Jacobina e João, onde a bíblia era lida e interpretada livremente.

Aspecto de uma comunidade rural no Rio Grande do Sul, no final do séc. XIX. Neste caso é uma foto antiga da cidade de Gramado. Fonte - Memorial da História do Brasil - Facebook
Aspecto de uma comunidade rural no Rio Grande do Sul, no final do séc. XIX. Neste caso é uma foto antiga da cidade de Gramado. Fonte – Memorial da História do Brasil – Facebook

A partir de 1866, o movimento começou a ganhar força e a organizar-se. Seguindo princípios morais muito restritos, rapidamente este grupo entrou em conflito com o resto da comunidade. Os Mucker, assim designados pelos seus opositores que os acusavam de falsidade, entraram em choque aberto com os spotters, ou debochados, quando decidiram retirar as suas crianças das escolas comunitárias. Os atritos levaram à prisão dos líderes do movimento pela polícia local e uma libertação logo a seguir, a pedido do presidente da Província do Rio Grande do Sul.

Nesse conflito haviam basicamente três grupos envolvido, os Muckers, a parte da sociedade relacionada a igreja católica local e o grupo relacionado a igreja luterana local. Tanto padre como pastor uniram forças, e em seus sermões negavam a legitimidade do grupo de Jacobina e João Maurer, atribuindo a eles características malditas. É obvio que isso inflamou os ânimos e o Muckers não ficaram calados perante tais agressões.

Os Mucker, cada vez mais crentes no carácter messiânico de Jacobina, passaram a atacar aqueles que se opunham ao movimento: eles incendiaram a casa de Martinho Kassel, dissidente do movimento, levando à morte da sua esposa e filhos; pelo mesmo meio, mataram os filhos de Carlos Brenner, comerciante; e executaram, por fim, um tio de João Maurer, que se opunha abertamente ao movimento.

Repressão

Acirrados pela profecia de que quem acreditasse em Jacobina se tornaria imune à morte, os Mucker entram em confronto com forças policiais, deficientemente comandadas pelo coronel Genuíno Olímpio Sampaio, a 28 de Junho de 1874. A crença dos revoltosos ficou ainda mais acesa perante a derrota que infligiram aos militares: trinta e nove baixas, contra seis entre os Mucker.

Documento de época narrando os fatos relativos aos Muckers
Documento de época narrando os fatos relativos aos Muckers

A 18 de Julho, o mesmo coronel cercou a casa onde o grupo religioso se mantinha, matando dezesseis Mucker que aceitaram a sua sorte, esperando a sua breve ressurreição. Jacobina conseguiu, contudo, fugir com alguns seguidores, um dos quais alvejou Genuíno Sampaio, que faleceu no dia seguinte em consequência da hemorragia.

Houve outro ataque, inconclusivo, a 21 de Julho. A 2 de Agosto, Carlos Luppa, um dissidente Mucker traiu o grupo, levando os soldados até ao morro Ferrabraz onde Jacobina se escondia com o restante de seus seguidores. Assim que foram descobertos, foram chacinados.

Sobreviveram alguns Mucker que tiveram de aguentar a perseguição da justiça por oito anos e, depois, a forma negativa como eram vistos pelo resto da população. Alguns estiveram, posteriormente, envolvidos na Guerra dos Canudos.

Como pudemos ver no texto acima nem todos os integrantes desse movimento foram mortos. Alguns deles mudaram de região e iniciaram vida nova em outro lugar.

Os Muckers no Vale do Taquari

Passados 24 anos depois do assassinato da líder do movimento, um grupo de seguidores que havia se refugiado no interior da cidade de Marques de Souza era dizimado.

O livro Os Mucker do padre jesuíta Ambrosio Schüpp, o primeiro a ser escrito sobre o episodio mucker, era abertamente contra Jacobina e seus seguidores e alimentou muito das idéias que a região adotou e preservou sobre o conflito.
O livro Os Mucker do padre jesuíta Ambrosio Schüpp, o primeiro a ser escrito sobre o episodio mucker, era abertamente contra Jacobina e seus seguidores e alimentou muito das idéias que a região adotou e preservou sobre o conflito.

Alguns sobreviventes do massacre no Morro Ferrabraz mudaram-se para outras localidades, entre esses estão os que haviam se refugiado na localidade denominada Picada May, hoje pertencente ao município de Marques de Souza. Nesse distrito, em 26 de dezembro de 1897, foi encontrada morta em casa a mulher do colono Albino Schroeder.

Houve forte boato de que os Muckers teriam cometido o crime. O subdelegado interrogou os acusados e, como não encontrou provas, eles retornaram para casa. No dia 3 de janeiro de 1898, um grupo de colonos linchou os suspeitos, entre os quais Jacó Gräbin e seus filhos Jacó e Adão, Filipe Noé e Luiz Künzel. Era o fim dos Muckers. Uma semana depois, eles foram sepultados em vala comum próximo ao rio Forqueta. Anos mais tarde, Schroeder, no leito de morte, confessou que assassinara a esposa e inocentou os Muckers.

Passado mais de um século, descendentes dos Muckers relembram o fato que, por muito tempo, foi mantido como tabu. Na divisa entre Marques de Souza e o município de Travesseiro, separados pelo rio Forqueta, em um cemitério abandonado ainda restam três sepulturas de integrantes da seita. Um deles é o de Jakob Fucks – o Jacó das Mulas –, que havia fugido para a região juntamente com João Jorge Maurer, Pedro Arend, João Daniel, Henrique e Jacó Noé, Nicolau Fuchs e Daniel Arend.