REVOLTAS QUE LEVARAM A OUTUBRO DE 1930

Durante a campanha eleitoral de 1921, o jornal Correio da Manhã, na edição de 9 de Outubro, publicou uma carta manuscrita, atribuída ao candidato do governo, Arthur Bernardes, governador de Minas Gerais. Nela o ex-presidente da República Marechal Hermes da Fonseca era chamado de “sargentão sem compostura”, acusando o Exército de ser formado por elementos “venais”.

Arthur Bernardes

Arthur Bernardes negou veementemente a autoria da carta, vindo o mesmo periódico a publicar uma segunda carta, no mesmo tom da primeira, e como ela atribuída ao mesmo candidato. A comoção causada foi enorme, principalmente entre os militares, representados no Clube Militar, sob a presidência do próprio Marechal. Mais tarde seria descoberto que as assinaturas nas cartas eram forjadas.

Nas eleições de 1 de Março de 1922, Arthur Bernardes saiu-se vencedor, embora os resultados oficiais houvessem sido contestados pela oposição. Com o clima político tenso, em Pernambuco, o Exército foi chamado para conter rebeliões populares, descontentes com o novo Governo estadual.

Notícia da Prisão de Hermes da Fonseca

No dia 29 de Junho, Hermes da Fonseca telegrafou ao Recife, exortando os militares a não reprimirem o povo, sendo, por essa razão, preso no dia 2 de Julho e o Clube Militar, fechado.

A prisão de Hermes da Fonseca, a mais alta patente militar do país, e o fechamento do Clube Militar por decreto presidencial, foram percebidos como uma afronta aos militares do Exército. E ficaram ainda mais descontentes com a nomeação feita pelo presidente da República Epitácio Pessoa de um civil – o historiador Pandiá Calógeras – como Ministro da Guerra. Em todos os quartéis do Rio de Janeiro, se comentava que “a procissão ia sair”.

Detalhes da prisão de Hermes da Fonseca e manifestações de apoio reproduzidas no jornal "Diário de Natal" de 4 de julho de 1922

O movimento deveria se iniciar a partir do Forte de Copacabana, à uma hora da madrugada do dia 5 de Julho e se propagar pelas inúmeras unidades militares existentes.

Os “18 do Forte”

Comandava o Forte de Copacabana, na ocasião, o capitão Euclides Hermes da Fonseca, filho do marechal Hermes da Fonseca. No dia 4 de julho, Euclides exortou os seus comandados, tendo feito escavar trincheiras desde o portão do forte até ao farol, minando-se o terreno.

Entrda do Forte de Copacabana

Tendo sido estabelecido que o movimento se iniciasse à uma hora da madrugada do dia 5, à uma e vinte o tenente António de Siqueira Campos disparou um dos canhões, sinal combinado. A guarnição aguardou em silêncio a resposta de outras unidades, o que não aconteceu.

O Governo, informado do movimento, antecipara-se e fizera trocar os principais comandos militares da capital. Siqueira Campos, então, disparou contra o Quartel-General do Exército (no Campo de Santana, atual Palácio Duque de Caxias), o da Marinha (na Praça Barão de Ladário), o Depósito Naval e o Forte do Leme, matando quatro pessoas neste último. Outros autores afirmam que foram disparados tiros, ainda, contra a Fortaleza de Santa Cruz da Barra, em Niterói, e contra o Forte de São João, no bairro da Urca.

O caminho para o confronto na beira mar do Rio de Janeiro

Durante todo o dia 5, o Forte de Copacabana sofreu intenso bombardeio pela artilharia da Fortaleza de Santa Cruz. Na madrugada do dia 6, o Ministro da Guerra, Pandiá Calógeras, telefonou ao Forte, exigindo a rendição dos rebeldes. O capitão Euclides Hermes e o tenente Siqueira Campos permitiram, então, a saída de todos aqueles que não quisessem combater. Dos 301 homens da guarnição, saíram 272. Enquanto isso, os couraçados São Paulo e Minas Gerais, e um destróier posicionaram-se ao largo da ilha de Cotunduba, passando a bombardear o Forte. O Ministro Calógeras telefonou uma vez mais, passando Governo e rebeldes a parlamentar. Como consequência, o Capitão Euclides Hermes saiu ao encontro do Ministro no Palácio do Catete, onde recebeu voz de prisão. Encerrava-se o diálogo com um ultimato do Governo: ou os rebeldes se renderiam ou seriam massacrados.

Como o "Chicago Tribune" noticiou a revolta do Forte de Copacabana em 7 de julho de 1922. Atenção internacional para os problemas do Brasil

Sob o bombardeio naval, o tenente Siqueira Campos, pressionado pelos remanescentes da tropa, tomou a decisão suicida: não resistirão no Forte e nem bombardearão a cidade, como haviam chegado a ameaçar. Sairão em marcha até ao Palácio do Catete, combatendo.

Este seria um dos momentos mais dramáticos da história do Brasil.

Com um canivete, uma bandeira brasileira foi cortada em vinte e nove pedaços e distribuída entre os rebeldes. Um pedaço foi guardado para ser entregue ao capitão Euclides Hermes. Às 13 horas do dia 6 de Julho, iniciaram a marcha pela Avenida Atlântica. No meio do trajeto um número até hoje não determinado se rendeu ou debandou.

A caminho do confronto

Na altura do antigo Hotel Londres restava dezoito militares revoltosos, aos quais se juntou o Engenheiro Civil Octávio Correia, amigo do tenente Siqueira Campos.

Após alguns tiroteios, ao alcançarem a altura da antiga Rua Barroso, atual Siqueira Campos, os dez homens restantes, nove militares e o civil Correia, foram confrontados pela tropa legalista, que era integrada por cerca de três mil homens.

No confronto final, mesmo com tamanha desproporcionalidade, ocasionou um tiroteio que durou aproximadamente trinta minutos.

O jovem e idealista tenente Eduardo Gomes, ferido e aprisionado após o desproporcional combate

Dos insurgentes foram capturados, feridos, os tenentes Siqueira Campos e Eduardo Gomes, e dois soldados. Estes vieram a falecer posteriormente, no hospital, em consequência dos ferimentos recebidos. Todos os outros faleceram em combate.

Notícia do confronto no "Diário de Pernambuco"

Baixas confronto final – tenentes: Siqueira Campos – ferido a bala no abdômen, Eduardo Gomes – ferido a bala na virilha, Mário Carpenter, Nílton Prado, soldados Hildebrando Nunes, José Pinto de Oliveira, Manoel António dos Reis e
dois soldados não identificados, civil Octávio Correia.

Revolta de 1924

Os ecos da revolta do Forte de Copacabana seriam sentidos no meio da sociedade brasileira e logo novos problemas surgiriam.

A crise do governo agravou-se com a queda das exportações e a inflação, bem como com o movimento das classes operárias e dos jovens oficiais em contestação ao governo. O Brasil vivia em permanente decreto de estado de sítio, onde os direitos individuais eram extremamente restritos e uma nova revolta militar explode em 1924, em São Paulo.

Nota de 13 de julho de 1924, do jornal natalense "A Republica" sobre o movimento em São Paulo

Comandada pelo general reformado Isidoro Dias Lopes, foi deflagrada na cidade de São Paulo no dia 5 de julho de 1924, no 2º aniversário da Revolta do Forte de Copacabana. Os rebeldes exigem a renúncia de Arthur Bernardes, a convocação de uma Assembleia Constituinte e o voto secreto.

Esta crise teve como consequências a ocupação da capital paulista por vinte e três dias, forçando o então governador Carlos Campos a fugir para o interior do estado, depois de ter sido bombardeado a sede do governo paulista na época, o Palácio dos Campos Elísios.

Resultado dos bombardeios em São Paulo

A capital paulista foi bombardeada por aeroplanos governamentais e artilharia do Exército. Diante da situação os líderes da revolta abandonam a São Paulo nos primeiros dias de agosto de 1924, retornando o Presidente Carlos de Campos à capital paulista.

Os membros da revolta cruzam o interior do estado, juntando-se ao movimento militar organizado no Sul pelo capitão Luís Carlos Prestes, no início de 1925.   A duas colunas revoltosas se unem em Foz do Iguaçu e decidem seguir pelo interior do Brasil em uma marcha revolucionária, que entraria para a história como a Coluna Prestes.

Coluna revoltosa de São Paulo em Foz do Iguaçu

Este movimento político e militar desloca-se pelo Brasil até 1927, pregando reformas políticas e sociais e combatendo o governo do presidente Arthur Bernardes.

Sempre com as forças federais em sua perseguição, a coluna de mil e quinhentos homens entra pelo atual Mato Grosso do Sul, atravessa o Brasil até ao Maranhão, percorre o Nordeste e retorna a partir de Minas Gerais. Os homens de Prestes e Costa não conseguem derrubar o governo, mas adquire a reputação de invencibilidade adquirida durante a marcha vitoriosa de 25 mil quilômetros, aumentado assim o prestígio político dos integrantes da Coluna e reforçando as críticas contra as oligarquias e o sistema político vigente.

Antes da Hora

No período da história brasileira conhecida como “República Velha” (1889-1930), vigorava no Brasil a chamada “política do café com leite”, em que políticos de São Paulo e de Minas Gerais, se alternavam na presidência da república.

Washington Luís

O paulista Washington Luís, então sucessor de Arthur Bernardes na presidência, enfrenta o endividamento interno e externo e a retração das exportações. Alegando defender interesses do café, lança como candidatos à sua sucessão o governador de São Paulo, Júlio Prestes, e rompe a “política do café com leite”.

Em represália, o Partido Republicano Mineiro passa para a oposição e forma a Aliança Liberal, lançando a candidatura do gaúcho Getúlio Vargas à Presidência. Os políticos de Minas Gerais ficaram insatisfeitos com indicação de Júlio Prestes, pois esperavam que António Carlos Ribeiro de Andrada, que governava aquele Estado, fosse o indicado, de acordo com a “política do café com leite”, citada anteriormente.

Cartaz da campanha eleitora dos candidatos de oposição

Washington Luís conta com o apoio dos dirigentes de 17 estados que compunham o país na época. Entretanto três estados negaram o apoio a Júlio Prestes: Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba.

Em 20 de Setembro do mesmo ano, foram lançados os candidatos da Aliança Liberal às eleições presidenciais: Getúlio Vargas como candidato a Presidente e João Pessoa (Governador da Paraíba) como candidato a vice-presidente.

A candidatura e o programa da Aliança Liberal contavam com o apoio, além dos três governos estaduais citados, de partidos de oposição em vários estados, inclusive o Partido Democrático de São Paulo e o Partido Libertador do Rio Grande do Sul.

Getúlio Vargas. Acervo da Life Magazine

Apoiaram a Aliança Liberal intelectuais como José Américo de Almeida e Lindolfo Collor, Cordeiro de Farias, Eduardo Gomes, Siqueira Campos, João Alberto Lins de Barros, Juarez Távora e Miguel Costa, Juracy Magalhães e membros das camadas médias urbanas.

As eleições foram realizadas no dia 1º de Março de 1930 e deram a vitória a Júlio Prestes que obteve 1.091.709 votos contra apenas 742.794 dados a Getúlio. Ressaltando que Getúlio teve 100% dos votos no Rio Grande do Sul.

Estopim

A Aliança Liberal recusou-se a aceitar a validade das eleições, alegando que a vitória de Júlio Prestes era decorrente de fraude. Além disso, deputados eleitos em estados onde a Aliança Liberal conseguiu a vitória, não obtiveram o reconhecimento dos seus mandatos. A partir daí, iniciou-se uma conspiração, com base no Rio Grande do Sul e em Minas Gerais.

A conspiração sofreu um revés em Junho com o brado comunista de Luís Carlos Prestes que seria o comandante militar da revolução, mas dela desistiu para apoiar o comunismo. Logo em seguida outro contratempo: morre em acidente aéreo outro dos líderes, Siqueira Campos.

João Pessoa, então governador da Paraíba

Mas no dia 26 de Julho de 1930 vem ocorrer uma situação que mudaria todo o cenário político brasileiro.

João Pessoa, o então dirigente do executivo paraibano, foi assassinado pelo advogado João Dantas em Recife, por questões políticas e de ordem pessoal, servindo como estopim para a mobilização armada. João Dantas seria, logo a seguir, barbaramente assassinado, na Penitenciária de Recife.

Os aliados de João Pessoa não perdem tempo e atribuem motivos políticos ao crime.

Corpo do governador paraibano

As acusações de fraude, o descontentamento popular devido à crise económica causada pela grande depressão de 1929, a morte de João Pessoa e a rompimento da política do café com leite, foram os principais fatores, que criaram um clima favorável a uma revolução.

Nota sobre o assassinato de João Pessoa, publicado no jornal "A Republica", 28 de julho de 1930

Getúlio Vargas tentou várias vezes a conciliação com o governo de Washington Luís e só se decidiu pela revolução quando já se aproximava a posse de Júlio Prestes, que se daria em 15 de Novembro.

Aconteceu em Outubro

A revolução de 1930 iniciou-se, finalmente, no Rio Grande do Sul no dia 3 de Outubro, e se alastrou por todo o país. Oito governos estaduais no Nordeste foram depostos pelos tenentes, entre eles o de Juvenal Lamartine no Rio Grande do Norte.

No dia 10, Getúlio Vargas partiu, por ferrovia, rumo ao Rio de Janeiro.

Um fardado Getúlio assumindo o poder no Rio de Janeiro

Esperava-se que na divisa com o Paraná ocorresse uma grande batalha na cidade de Itararé, onde as tropas do governo federal estavam acampadas para deter o avanço das forças revolucionárias, lideradas militarmente pelo Coronel Góis Monteiro.

Porém em 12 e 13 de Outubro ocorreu o Combate de Quatiguá, próximo a divisa entre São Paulo e Paraná. Mesmo tendo sido muito pouco estudado, foi o maior combate desta Revolução.

Logo os generais Tasso Fragoso, Menna Barreto e o Almirante Isaías de Noronha, depuseram Washington Luís em 24 de outubro e formaram uma junta de governo.

Jornais que apoiavam o governo deposto foram empastelados, Júlio Prestes, Washington Luís e vários outros procedes da república velha foram exilados.

Ato final da Revolução de 1930; gaúchos amarram seus cavalos no obelisco do Rio de Janeiro.

Às três horas da tarde de 3 de Novembro de 1930, a junta militar passou o poder, no Palácio do Catete, a Getúlio Vargas, encerrando a chamada república velha. Consta que Getúlio vestiu farda militar pela primeira vez na vida, por sugestão de seus assessores, para incutir no povo a “aura revolucionária”.

Na mesma hora, no centro do Rio de Janeiro, os soldados gaúchos cumpriam a promessa de amarrar os cavalos no obelisco da Avenida Rio Branco, marcando simbolicamente o triunfo da Revolução de 1930.

Getúlio tornou-se Chefe do Governo Provisório com amplos poderes. A constituição de 1891 foi revogada e Getúlio governava por decretos.

Como o "The New York Times" estampou a posse de Getúlio Vargas em novembro de 1930

O novo presidente nomeou interventores para os Governos Estaduais, na maioria tenentes que participaram da Revolução de 1930.

– Texto originalmente proveniente dos sites http://www.sokarinhos.com.br e http://pt.wikipedia.org. Fotod Coleção Nosso Século, Editora Abril, 1980.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s