O PREFÁCIO DE RAIMUNDO FAGNER NO LIVRO “JOÃO RUFINO – UM VISIONÁRIO DE FÉ”

Hoje vou trazer a vocês o prefácio feito pelo cantor Raimundo Fagner em nosso livro “João Rufino, um visionário de fé”. Grande figura humana, extremamente acessível e simpático, Fagner comentou principalmente sua relação com a cidade de São Miguel, no Rio Grande do Norte, seus amigos e de como conheceu João Rufino e seu trabalho.

No início da década de 1980, praticamente todo brasileiro conhecia e cantarolava as músicas do talentoso cearense Raimundo Fagner. Músicas como “Mucuripe”, “Canteiros”, “Ave Noturna” e tantas outras se tornaram grandes clássicos da MPB.

Este formidável intérprete, nascido em Fortaleza e registrado na cidade cearense de Orós com o nome de Raimundo Fagner Cândido Lopes, o mais jovem dos cinco filhos do Senhor José Fares e de Dona Francisca, é, antes de tudo, um homem extremamente simples, que um dia conheceu e gostou da pacata cidade de São Miguel, onde seu caminho cruzou com o de João Rufino e seus filhos.

João Rufino e Fagner

No mesmo período do sucesso inicial de Fagner, circulava em Natal uma história – quase uma “lenda urbana” – dizendo que ocasionalmente o famoso cantor estava na cidade potiguar de São Miguel, na fronteira com o Ceará. Falava-se que ele caminhava pela cidade de chinelos, bermuda, camiseta, jogando bilhar e conversando despreocupadamente com os amigos; que o cantor era bem tratado pela população micaelense, mas não havia assédio à estrela da MPB e nem ele, Fagner, fazia questão de se apresentar como tal. Era apenas um cearense de Orós, cidade que fica a cerca de setenta quilômetros de São Miguel, que vinha visitar os amigos potiguares e sentir o clima ameno da serra.

Essa história se propagou muito pela capital potiguar. Certamente ela foi alimentada pelo pouco conhecimento da população natalense em relação a São Miguel e pelos mais de quinhentos quilômetros de distância que separam as duas cidades.

Mas a história não era “lenda urbana”, era real.

Antes mesmo de alcançar a fama, Fagner estudava, em Fortaleza, com os filhos do comerciante micaelense Manuel Carvalho. Em uma determinada ocasião, os rapazes trouxeram o amigo para São Miguel. Daí o cantor criou pela cidade um “amor à primeira visita”.

Mesmo com suas músicas estourando nas rádios de todo o Brasil, Fagner continuou visitando frequentemente a cidade serrana, andando pelas calçadas, conversando com amigos, tocando violão e jogando sinuca.

Para conhecerem melhor esta história, leia o que o próprio cantor escreveu no seu prefácio.

MINHA HISTÓRIA COM SÃO MIGUEL

Perto da nossa casa morava uma família da cidade de São Miguel, no Rio Grande do Norte. Os três filhos desta residência eram Vicente, Adalberto e Nenéo (Manuel Carvalho Filho), todos meus amigos de bairro. Nenéo estudava comigo, na mesma sala de aula do Colégio da Piedade, e era também meu companheiro no time de futebol.

Nesta mesma época veio morar na casa de Seu Manoel Carvalho seu conterrâneo Clovis Fernandes, que já era conhecido como um craque. Logo entre nós se criou uma forte amizade movida à bola e não demorou muito para que eles me convidassem a conhecer sua terra natal.

Na cidade, o que primeiro me chamou a atenção foi a receptividade dos micaelenses. O clima serrano era muito frio, bem diferente do que eu estava acostumado no nosso sertão nordestino, sem contar com a liberdade de ir e vir que a comunidade proporcionava a um adolescente da minha época.

Além disso, se jogava muito futebol e logo me encaixei no time local. Já no primeiro jogo ganhamos de uma equipe da cidade de Alexandria e marquei presença com o gol da vitória, fazendo meu nome junto à rapaziada.

Tudo neste primeiro encontro foi muito marcante e se estabeleceu dentro mim uma relação muito próxima com as pessoas do lugar, principalmente com Seu Manuel Carvalho, a quem todos chamavam carinhosamente de Tinéo.

Raimundo Fagner em um evento em São Miguel. A sua direita se encontra o amigo Manuel Carvalho

Com o tempo a família dele foi deixando Fortaleza, mas minha amizade com o velho continuava a mesma e, em alguns momentos, eu procurei lhe ajudar com seus negócios em Fortaleza. Passamos a ter uma relação sincera de pai e filho.

Toda a oportunidade em que eu voltava à serra me hospedava em sua casa, na Praça Sete de Setembro. Recebia toda a atenção de sua esposa Cristina e das pessoas da família – Zefinha, Maria, Manoela e seu fiel escudeiro Juarez, que igualmente nos acolhia no Sítio do Riacho Fundo.

Os meus laços com a cidade vão se estreitando, tendo como referências, além da família de Tinéo e do amigo Clovis, as famílias de Zé Torquato, de Hesíquio Fernandes e tantos outros amigos que fui fazendo na região, desde a zona urbana até as pessoas nos sítios mais distantes.

Neste ambiente, onde ainda existia muita camaradagem e diversão, havia a preocupação de todos em relação ao desenvolvimento da cidade e seu entorno. Chamavam-me a atenção principalmente as condições das estradas para encarar a subida da serra, muito difícil na época das minhas primeiras visitas. Procurava me informar sobre como poderia ajudar, junto à comunidade, na busca de soluções para este e outros problemas.  

Ao longo do tempo, já como profissional da música e conhecido em Natal, nos contatos junto aos políticos locais, não perdia a oportunidade de solicitar um olhar mais generoso para São Miguel, causando surpresa em relação à minha ligação com a cidade serrana – tão distante e desconhecida dos habitantes da capital potiguar.

Essa preocupação junto à comunidade me proporcionou um dos momentos mais felizes que tive, ao receber o título de cidadão norte-rio-grandense das mãos do então governador José Agripino Maia, que me fez a entrega da honraria na cidade de Pau dos Ferros. A solenidade, que contou com uma grande presença de deputados, vereadores e lideranças políticas, só não ocorreu em São Miguel pelas dificuldades naturais de levar toda essa gente para cima da serra.

Minha relação com São Miguel foi crescendo ao ponto de levar vários amigos para conhecerem aquele lugar que me era familiar. Apesar das grandes dificuldades, devido aos inesquecíveis atoleiros na subida da serra que ligava São Miguel à cidade de Pereiro (CE), todos voltavam com a melhor impressão daquele povo. Coincidentemente, meu parceiro musical da época, o arquiteto Ricardo Bezerra, era casado com uma filha do micaelense Wilson Dias, o que facilitou a ida de novos amigos a São Miguel.

Outro fato de grande importância foi quando levei em duas oportunidades o então governador do Ceará, Ciro Gomes, para visitar a cidade. Nestas visitas solicitei, junto com a comunidade, que ele construísse a estrada ligando Pereiro a São Miguel, um grande sonho do povo da serra. Ciro cumpriu sua palavra, realizando esta grande obra, e a população micaelense retribuiu à altura. Na primeira campanha de Ciro à presidência da República, São Miguel foi o município onde ele teve o maior número de votos em termos proporcionais de todo o Brasil, o que lhe deixou muito feliz.

Em Fortaleza me criei no bairro de Fátima. Minha família frequentava a igreja de Nossa Senhora de Fátima e eu nasci no dia 13 de outubro, dia dedicado à santa. Em São Miguel, coincidentemente, eu tomava um café chamado Nossa Senhora de Fátima, de propriedade de Seu João Rufino, a quem via passar constantemente na rua, sempre uma pessoa querida e reverenciada pela sua simplicidade, religiosidade e alto astral.

A nossa convivência na cidade era muito harmoniosa, e o trabalho que Pedro, Paulo e Vicente – “os meninos de Seu João Rufino” – faziam com o café do pai já era uma referência de seriedade na comunidade. Desde jovens eles já despertavam respeito e confiança com o compromisso de tocar aquele negócio, que naquele momento já se chamava Café Santa Clara.   

Fagner, João Rufino e José Guadêncio Torquato na época da propraganda.

Certo dia, meu compadre Zé Gaudêncio me falou sobre a possibilidade de apoiar a entrada do Café Santa Clara no estado do Ceará através de um trabalho publicitário. Não tive dúvida alguma de que era o momento adequado de retribuir o carinho e a confiança que aqueles jovens depositavam em mim. Apesar de nunca ter veiculado minha imagem a qualquer tipo de produto, o convite não me parecia especificamente um negócio, mas sim um pedido familiar, e tudo foi feito espontaneamente. Surgiu daí uma relação fraterna de amizade e parceria que mantemos até hoje e se estende à nossa Fundação Raimundo Fagner.

O início destes trabalhos era o que faltava para que eu passasse a conhecer com mais proximidade a extraordinária figura de Seu João, o nosso biografado.

O que você vai ler aqui neste livro incrível é uma história real, mas que bem poderia servir para o roteiro de um grande filme de sucesso. Se é que não será!

A vida deste ser humano sublime só nos renova a crença em Deus e na sabedoria do trabalho do homem. No caso de Seu João Rufino, devemos ressaltar a enorme capacidade de vencer com seu próprio esforço e dedicação em fazer o bem.

Se algo de excepcional aconteceu na minha vida sem que eu houvesse imaginado, está escrito neste livro, no capítulo que generosamente é dedicado a mim, me fazendo parte desta história que me enche de orgulho, tornando cada vez mais fortes os meus laços com a família Alves de Lima e a minha história com a cidade de São Miguel. 

 Raimundo Fagner

O autor, Fagner e a amiga Norlândia Souza. Esta jovem, juntamente com outros amigos, participaram da entrega de mais de 9.000, dos 10.000 exemplares impressos do livro "João Rufino-um visionário de fé", na região de São Miguel. Fato este inédito em todo Rio Grande do Norte.

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

Anúncios

5 opiniões sobre “O PREFÁCIO DE RAIMUNDO FAGNER NO LIVRO “JOÃO RUFINO – UM VISIONÁRIO DE FÉ””

  1. O seu livro foi privilegiado com a participação do cantor Raimundo Fagner.

    Nesse Brasil quem não o admira? Um velho seguidor de Luiz Gonzaga, apaixonado pelo trabalho do rei do baião.

    Ver-se que mesmo sendo rico e famoso cantor, Raimundo Fagner aparenta ser um homem humilde e amigo dos amigos.

    Eu não quero dizer que sem ele você não teria feito um bom lançamento do seu livro, mas, com certeza, com a participação de Raimundo Fagner, sem dúvida, dobrou a consagração.

    Sou um dos admiradores do cantor Raimundo Fagner.

    José Mendes Pereira

    Curtir

  2. se o Brasi tivese outros joaos alves de limas o Brasil era outro junior. osasco. mais sou filho de sao migue e conheco esta Istoria linda de vida que e um esemplo para todos miqueelences e brasileiros

    Curtir

  3. E O BRASIL DE TODOS NÓS, PARABÉNS SR. JOÃO RUFINO, PELA HISTÓRIA POR FAZER PARTE DESTA HISTÓRIA, E POR TER UM GRANDE BRASILEIRO E CEARENSE COMO FAGNER, EM SEU LIVRO. UM GRANDE ABRAÇO DO TAMBÉM CEARENSE DE TAMBORIL – CEARÁ. CESÁRIO OLIVEIRA.

    Curtir

  4. Amo Sao Miguel meu maior sonho e morar nessa Cidade vivo em Fortaleza o desgosto de minha vida….Junior Lay Low…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s