AFUNDAMENTO DO “AFONSO PENA” NO ATLÂNTICO SUL

A ACADÊMICA E MÉDICA PARAIBANA EUDÉSIA VIEIRA E A SUA EXPERIÊNCIA NO AFUNDAMENTO DO “AFONSO PENA” EM 1943

Autor – Rostand Medeiros

Aos 49 anos de idade, a médica paraibana Eudésia de Carvalho Vieira, mãe de cinco filhos, realizava, em pleno período de vigência da Segunda Guerra Mundial, uma viagem de navio entre Recife e o Rio de Janeiro. Era o dia 2 de março de 1943 e este tipo de viagem estava se tornando muito perigosa devido à ação de submarinos alemães e italianos que até aquela data já haviam afundado vinte e sete navios brasileiros e levado a morte várias pessoas.

Mas a Doutora Eudésia precisava seguir para o sul do país, até porque este era o único meio de ligação eficaz entre a então Capital Federal e a Região Nordeste.

Navio de Cabotagem “Aspirante Nascimento”. O transporte marítimo era o principal meio de contato entre as capitais brasileiras. Fonte-http://www.portogente.com.br 

Segundo artigo publicado na Revista do Sindicato Nacional dos Oficiais da Marinha Mercante – SINDMAR – ANO VI – Nº 21 – Agosto/2005, na primeira metade do século passado, a principal via para movimentação de cargas e passageiros no Brasil era a marítima. Como hoje, onde 95% das mercadorias importadas e exportadas são transportadas pelo mar, apesar da Marinha Mercante brasileira ser responsável apenas por 4% desse total, o tráfego marítimo na década de 30 do século passado era muito utilizado.

A razão era simples: as rodovias, quase inexistentes na época, e as ferrovias, completamente obsoletas, dependiam de investimentos do governo. O transporte aéreo também não era muito utilizado pelo alto custo financeiro. Por isso, as comunicações se faziam ao longo da costa por meio da navegação de cabotagem e de longo curso e a nossa Marinha Mercante exercia um papel fundamental para a economia nacional.

Uma Mulher Corajosa

Já que a paraibana Eudésia de Carvalho Vieira, uma mulher disposta, corajosa e batalhadora, tinha de seguir em um navio, em meio a submarinos espreitando como lobos ferozes, ela via aquele momento como mais um outro desafio, em meio a tantos que enfrentou no seu passado.

Nascida no dia 8 de abril de 1894, na povoação de Livramento, no município de Santa Rita, fez seus estudos primários em uma escola particular na então cidade da Parahyba, atual João Pessoa. Recebeu o diploma de professora pública e iniciou a carreira do magistério dando aulas particulares. Só em 1915, através de concurso público, ingressou no magistério oficial. Casou-se em 1917, nascendo desse casamento 14 filhos, dos quais apenas cinco sobreviveram. Foi professora pública em várias escolas primárias da Paraíba e já casada, decidiu ser médica, contrariando a vontade do marido e enfrentando todos os obstáculos e preconceitos da época.

Eudésia foi à única mulher numa turma de homens a receber o grau de doutora e a primeira paraibana a conquistar o título pela Faculdade de Medicina de Recife. Na provinciana capital paraibana instalou um consultório em sua residência, a Rua Duque de Caxias, onde passou a atender e dedicar-se à sua clientela, fazendo da medicina o seu apostolado. Foi Assistente Social da Penitenciária Modelo, sendo muito querida pelos presidiários. Além de Professora e médica, atuou como jornalista e poetisa. Ingressou no Instituto Histórico e Geográfico Paraibano em 3 de junho de 1922.

Um Navio venerável

Apesar de ser um momento negativo para se encontrar no alto mar, o navio em que a paraibana Eudésia seguia era o confiável Afonso Pena.

O “Afonso Pena”

A tradicional nave fora construído em 1910 no estaleiro Workman, Clark & Co., de Belfast, na Irlanda do Norte. Foi entregue no mesmo ano a companhia de navegação Lloyd Brasileiro, sendo registrado no Rio de Janeiro e batizado como “Afonso Pena”, em homenagem ao ex-presidente brasileiro Afonso Augusto Moreira Penna.

Apesar de ter 33 anos singrando os mares, o navio era uma nave ainda respeitável. Tinha mais de 110 metros de comprimento, 15 metros de largura e quase 5 metros de calado. Fora todo construído em casco de aço, para o transporte de carga e de passageiros. Possuía um motor a vapor e podia transportar mais de 250 passageiros em três classes distintas, em várias cabines.

Havia partido dias antes de Manaus, tendo feito escalas em Belém, São Luís, Fortaleza, Recife e transportava 242 tripulantes e passageiros.

O “Afonso Pena” havia saído de Recife em um comboio escoltado por vasos de guerra. Mas desde o dia anterior a embarcação estava navegando de forma solitária e o clima de medo e apreensão no navio onde estava a Dra. Eudésia havia crescido.

Comboio

Aconteceu que o comboio se separou em duas rotas distintas, onde uma parte seguiria para Maceió e outra em direção a África do Sul. Mas o Capitão de Longo Curso da Marinha Mercante, Euclides de Almeida Basílio, alegou que iria por outra rota em direção ao Rio de Janeiro, por não conhecer aquela que o comboio seguiria. Ele era um homem experiente, veterano da Primeira Guerra Mundial e detentor da “Medalha da Vitória”, segundo consta no Diário Oficial da União, de 5 de maio de 1934, na página 6.

Falou-se que o fato de não estar mais no comboio não teria tanto problema por ser uma semana de lua nova, onde a escuridão poderia proporcionar, junto com a ordem de não acender luzes a bordo, uma maneira da nave de passageiros e carga não ser vista através do periscópio de um submersível.

Mas a atitude de seguir sozinho fez o “Afonso Pena” se tornar um alvo fácil.

O Atacante

Enquanto isso, na costa do estado da Bahia, o Regio Sommergibile “Barbarigo”, um submarino italiano da classe “Marcello”, estava espreitando o fundo do mar feito um tubarão de aço.

Torre do “Barbarigo”, mostrando desenhos com as silhuetas de navios atacados e afundados pelos italianos

Estes submersíveis eram construídos na cidade de Monfalcone, sendo considerados os melhores modelos que a marinha italiana possuía no seu inventário durante a Segunda Guerra Mundial. Foram completadas onze unidades, que podiam alcançar até 100 metros de profundidade operacional máxima, com velocidade que variava de 19 a 8.5 nós. Eram tidos como confiáveis, robustos, manobráveis e transportavam 59 toneladas de combustível, sendo por esta razão designados como submersíveis oceânicos.

Revista italiana com os feitos do “Barbarigo”

Inicialmente eram utilizadas no Mediterrâneo, depois algumas unidades foram transferidas para a base de Betasom, uma unidade de submarinos italianos em Bordeaux, França, dentro da área de ocupação alemã naquele país.

Estando atuando na Marinha da Itália (ou Regia Marina) desde 1938, a carreira do “Barbarigo” foi considerada pelos italianos positiva no desenrolar do conflito. Esta era a sua décima missão de guerra e a segunda patrulha de caça e destruição de navios aliados no Atlântico Sul, próximo a costa brasileira.

O submarino embandeirado em dia de festa

O “Barbarigo” havia saído do porto de La Pallice, na cidade francesa de La Rochelle, no dia 24 de janeiro de 1943, sob o comando do tenente Roberto Rigoli.

No dia 24 de fevereiro o submarino italiano atacou próximo ao Arquipélago de Fernando de Noronha o cargueiro espanhol “Monte Igueldo”, afundando-o. Ocorre que hidroaviões norte-americanos testemunharam o ataque do “Barbarigo” e o atacaram impiedosamente com três bombas. Estas aeronaves eram modelos Martim PBM-3 Mariner, pertencentes ao esquadrão VP-74 da Marinha dos Estados Unidos, com base em Natal, Rio Grande do Norte, mais precisamente na área da “Rampa”, no Rio Potengi.

Um Martim PBM-3 Mariner do esquadrão VP-74, da Marinha dos Estados Unidos

Por sorte o tenente Rigoli conseguiu fugir e seguiu em direção sul, onde pretendia atacar navios que estivessem na região próxima ao Arquipélago dos Abrolhos, onde seu caminho cruzaria com o do “Afonso Pena”.

Tem Início a Matança e o Heroísmo

No começo da noite do dia 2 de março de 1943, uma terça feira, a cerca de 250 quilômetros de Porto Seguro, o tenente Rigoli e sua tripulação haviam diminuído a marcha do “Barbarigo” e acompanhavam um lento navio que se deslocava a no máximo 10 nós de velocidade. O destino do “Afonso Pena” estava selado.

Dezessete dias depois do afundamento do navio brasileiro, o jornal “Poughkeepsie New Yorker”, do estado de Nova York, edição do dia 19 de março, trás na sua primeira página uma reportagem exclusiva sobre o afundamento do “Afonso Pena”. Foi a paraibana Eudésia de Carvalho Vieira quem fez um sucinto relato para este jornal sobre o terror que aconteceu no Atlântico Sul.

Tripulação do “Barbarigo” em patrulha no Atlântico Sul

Na cama de um hospital de Salvador, Eudésia afirmou que estava no seu camarote quando sentiu a vibração da nave com o impacto do torpedo. Depois escutou um forte grito de uma mulher e logo outros passageiros estavam em pânico, pois o “Afonso Pena” começou a afundar. Para ela o caminho mais rápido para fora foi através de uma vigia, através da qual foi puxada. Mas em meio ao pandemônio formado, Eudésia bateu a cabeça e sofreu um severo corte. Daí ela e seus salvadores correram ao redor do convés tentando encontrar salva-vidas, ou entrar em alguma baleeira. Ela afirmou ao jornalista que pulou no mar ao lado de uma balsa (raft, em inglês). Alguns homens já estavam no pequeno barco salva-vidas e um deles lhe colocou um pano em volta da sua cabeça, que sangrava muito.

Em busca de alvos no horizonte

Mas o triste nesta história é que, mesmo de forma lenta, o “Afonso Penna” não parou. Continuou navegando, adernando e afundando.

Segundo o artigo publicado na Revista do Sindicato Nacional dos Oficiais da Marinha Mercante – SINDMAR – ANO VI – Nº 21 – Agosto/2005, o Capitão de Longo Curso João Batista Rodrigues, anotou no Livro de Registro de Histórias da Marinha Mercante, arquivado na biblioteca do SINDMAR, que o “Afonso Pena” afundou de proa (parte dianteira do navio), a cerca de três milhas da balsa onde ele se encontrava, ou seja, a mais de cinco quilômetros e meio de distância.

Um artigo exclusivo do uniforme da tripulação do “Barbarigo”

Provavelmente as máquinas do navio não pararam após o impacto do torpedo. Havia uma ordem para no caso de uma emergência, o oficial encarregado, antes de subir, deveria parar o motor sob a sua responsabilidade, para que a hélice não colhesse náufragos ou baleeiras em caso de torpedeamento. Mas isso não foi feito e várias pessoas e balsas foram sugadas para próximo a grande hélice em movimento e estraçalhadas.

Durante o trajeto final do “Afonso Pena”, já ferido de morte, o tenente Rigoli trouxe o “Barbarigo” para a superfície e isto foi presenciado pela paraibana Eudésia.

Tenente Roberto Rigoli. Sob suas ordens o “Barbarigo” atacou o “Afonso Pena”

O radiotelegrafista do navio, Pedro Mota Cabral, de forma extremamente heroica, em nenhum momento da tragédia deixou de enviar mensagens para chamar reforços e socorro. Os italianos temendo a presença de aviões, abriram fogo com o canhão dianteiro e silenciaram a estação de rádio, matando seu operador.

Segundo o Capitão Batista, provavelmente devido ao cabo de apito ter ficado preso, o “Afonso Pena”  submergiu apitando, tal como um grito de desespero.

Salvamento em Meio a Tubarões

Nesse meio tempo o “Barbarigo” desceu para as profundezas e se foi. No meio da noite escura, ao redor do sinistro, ficaram tentando se salvar mais de uma centena de pessoas.

Documento da Marinha dos Estados Unidos, informando sobre os ataques do “Barbagiro”na costa brasileira. As datas dos afundamentos apresentadas no documento não estão corretas.

Eudésia e o Capitão Barbosa, mesmo feridos, assustados e molhados, estavam em relativa segurança nas balsas. Ao passo que muitas das 240 pessoas que estavam a bordo do “Afonso Pena” não tiveram a mesma sorte. Estes eram principalmente os passageiros da terceira classe e os foguistas do porão, que tinham alguns lances de escada para subirem e se salvarem. Entre estes se encontrava a família Duarte, de Belém do Pará. José Duarte Junior, sua esposa Maria Duarte Brandão, e seus filhos Ester, Sidônio e Guilherme, afundaram junto com o “Afonso Pena”.

A médica paraibana informou a imprensa norte-americana que viu aterrorizada a presença de tubarões próximos a concentração de balsas, que buscavam ficar juntas enquanto o mar as levava em direção a costa baiana. Eudésia também viu um casal com colete salva-vidas passar pela sua balsa, ambos mortos e abraçados.

Resgate no mar durante a Segunda Guerra Mundial

Durante dois dias eles vagaram, até que um navio-tanque da marinha norte-americana avistou alguns dos sobreviventes e passou a resgatá-los.

No momento de embarcar, ela caiu e um desconhecido oficial americano pulou na água para ajudá-la, enquanto membros da tripulação abriam fogo com rifles e metralhadoras contra tubarões que circulavam nas proximidades.

Morreram 33 tripulantes e 92 passageiros, num total de 125 pessoas. Muitas balsas que não foram resgatadas pelo navio americano conseguiram chegar as praias de Porto Seguro. Houve 117 sobreviventes.

Esquecimento

No outro dia o submarino “Barbarigo”, cujo lema era “Chi teme la morte, non è degno di vivere!” (Quem teme a morte, não é digno de viver!), conseguiu mais um tento com o afundamento do navio norte-americano S.S. Staghound, um cargueiro tipo “Liberty Ship”. Depois de três vitórias no Atlântico Sul, a nave italiana voltou para sua base.

“Barbarigo” retornando da costa brasileira

Mas sua carreira teria um fim até hoje desconhecido. Ainda em 1943, no dia 16 de julho, o submarino partiu em direção ao Japão e jamais foi visto novamente. Acreditasse que tenha sido afundado na área da Baía de Biscaia, próximo a Espanha, por ação de forças aliadas na caça de submarinos. Mas até hoje o fato não foi devidamente comprovado.

O lema do “Barbarigo”

Não consegui maiores informações sobre o Capitão João Batista Rodrigues, mas a paraibana Eudésia continuou o seu sacerdócio na medicina e desenvolvendo novos trabalhos literários, um deles narrando suas experiências no torpedeamento do “Afonso Pena” e em 1974 recebeu o título de cidadã Benemérita da Paraíba. Faleceu no dia 16 de julho de 1981, em João Pessoa .

No artigo publicado na Revista do Sindicato Nacional dos Oficiais da Marinha Mercante temos a informação que 927 pessoas morreram em navios brasileiros durante a Segunda Guerra Mundial, entre tripulantes e passageiros e 21% da frota brasileira foi a pique nesse período.

O estrago só não foi pior devido ao esforço da Força Naval do Nordeste, que participou junto com a Marinha dos Estados Unidos, na proteção de 575 comboios, escoltando mais de três mil navios.

A Marinha Mercante, seus tripulantes e passageiros, foram os brasileiros que mais sofreram e tiveram o maior número de vítimas durante a Segunda Guerra, mas pouco são lembrados nos dias atuais.

Fontes:

http://en.wikipedia.org

http://bloggerdocma.blogspot.com

http://www.sindmar.org.br/

http://www.sbhe.org.br/

Livro – O Brasil na Mira de Hitler, Roberto Sander, 2007, pág 138.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s