FÓSSIL DO CÁUCASO REVELA NOVA FACE DA EVOLUÇÃO HUMANA

Capa da revista Science, com foto do novo crânio de Homo erectus. (Foto: © Guram Bumbiashvili/Georgian National Museum)
Capa da revista Science, com foto do novo crânio de Homo erectus. (Foto: © Guram Bumbiashvili/Georgian National Museum)

Herton Escobar / O Estado de S. Paulo

Cientistas anunciaram hoje a descoberta de um crânio hominídeo de 1,8 milhão de anos, praticamente completo e intacto, que poderá obrigá-los a redesenhar a árvore evolutiva da espécie humana. O fóssil foi encontrado nas colinas de Dmanisi, próximo às ruínas de uma cidadela medieval na Geórgia, e está sendo classificado pelos pesquisadores como Homo erectus – membros da linhagem que teria dado origem aos seres humanos modernos (Homo sapiens).

O crânio, descoberto em 2005, e sua mandíbula, escavada cinco anos antes no mesmo local, estão em excelente estado de conservação, com suas formas originais quase que totalmente preservadas, o que permitiu aos cientistas estudar os traços anatômicos do hominídeo com alto grau de detalhamento. “É uma descoberta extraordinária em vários aspectos”, disse a pesquisadora Marcia Ponce de Léon, da Universidade de Zurique, na Suíca, que assina o trabalho na revista Science com outros seis autores. “O estado de preservação é perfeito, sem deformações nem fragmentações.”

O fóssil, batizado apenas como “crânio #5″, tem uma caixa craniana surpreendentemente pequena (com 546 cm³, cerca de 1/3 do volume de um crânio humano moderno) para o período em que viveu, o que reforça a teoria de que o aumento de tamanho do cérebro não foi um pré-requisito para que nossos ancestrais humanos deixassem a África, por volta de 2 milhões de anos atrás. Já o rosto é surpreendentemente protuberante, com dentes e maxilares ainda bastante robustos, como os de chimpanzés ou de hominídeos mais primitivos, anteriores ao gênero Homo.

Outros quatro crânios encontrados em Dmanisi em anos anteriores e atribuídos ao mesmo período (1,8 milhão de anos atrás), porém, possuem características diferentes. E é daí que surge a proposta mais ousada do trabalho: de que fósseis desse mesmo período encontrados em outras partes do mundo (África e Ásia) e classificados como espécies diferentes de Homo (H. erectusH. habilis e H. rudolfensis) podem, na verdade, ser indivíduos de uma mesma espécie, que os autores do trabalho optam por chamar de Homo erectus – “porque é a linhagem mais bem definida à qual podemos nos referir”, segundo o antropólogo Christoph Zollikofer, também da Universidade de Zurique.

Escavações em Dmanisi.
Escavações em Dmanisi.

Se delimitar espécies já é algo problemático para os biólogos que trabalham com animais e plantas viventes, para os paleontólogos que trabalham com fósseis de plantas e animais extintos é muito mais complicado ainda. Para diferenciar uma espécie da outra é preciso contemplar a variabilidade genética e morfológica que existe dentro de cada uma delas, e para isso é preciso ter acesso a vários exemplares de uma mesma população; só que o registro fóssil é escasso. Por isso o sítio de Dmanisi é tão especial: ele permite, pela primeira vez, comparar a morfologia de vários indivíduos hominídeos que viveram num mesmo local, num intervalo de tempo muito curto. “É o primeiro lugar que nos permite contemplar e quantificar variações em uma população de hominídeos”, afirma Zollikofer. “Antes tínhamos apenas indivíduos; agora temos uma população”, completa Marcia.

Os pesquisadores fizeram uma comparação detalhada — usando, inclusive, técnicas de tomografia e computação 3D — entre os cinco crânios de Dmanisi e concluíram que a variabilidade morfológica observada entre eles é comparável à variabilidade que existe entre cinco indivíduos de uma população qualquer de chimpanzés, bonobos ou seres humanos modernos. Ou seja: eles são tão diferentes entre eles quanto você pode ser de qualquer outra pessoa sentada ao seu lado no metrô. Não só isso, mas é também compatível com a variabilidade observada entre fósseis de Homo erectusHomo habilis e Homo rudolfensis do mesmo período encontrados na África e na Ásia– o que abre a possibilidade de que esses fósseis não representam espécies diferentes, mas, na verdade, variações individuais entre membros de uma mesma espécie (a exemplo do que se observa hoje nos seres humanos modernos).

Em outras palavras, abre-se a possibilidade de juntar três galhos da árvore evolutiva humana em uma única ramificação. (Imagine que você está assistindo a um filme antigo com vários personagens que parecem ser pessoas diferentes, mas que na verdade são interpretadas por um único ator com maquiagens diferentes … é mais ou menos isso.)

Imagem computadorizada dos cinco crânios descobertos em Dmanisi (ordenados de 1 a 5). Crédito: M. Ponce de León e Ch. Zollikofer, Universidade de Zurique
Imagem computadorizada dos cinco crânios descobertos em Dmanisi (ordenados de 1 a 5). Crédito: M. Ponce de León e Ch. Zollikofer, Universidade de Zurique

“Essas diferenças entre fósseis que chamávamos de Homo erectus foi o que motivou subdividir o gênero em vários táxons — H. ergasterH. pekinensisH. javanensisH. heidelbergensis etc –, que hoje chamados de complexo H. erectus, a linhagem que antecedeu o Homo sapiens“, diz o pesquisador Fabrício Santos, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). “O fato de essa heterogeneidade ser encontrada em um só lugar agora sugere, de acordo com os autores, que esta variação deveria ser intraespecífica, representativa de uma única espécie muito heterogênea (muito mais do que a espécie humana hoje) no passado. Acho que é uma conclusão interessante e uma explicação possível, mas que ainda precisa ser corroborada por outros estudos, principalmente se encontrarem outro sítio paleontológico com variações parecidas, de diferentes épocas.”

Os pesquisadores acreditam que os cinco crânios pertencem a um homem idoso sem dentes, dois homens adultos, uma mulher jovem e um adolescente cujo sexo não pôde ser determinado, segundo informações divulgadas pela Science. As análises do terreno no qual os fósseis foram encontrados indicam que os cinco indivíduos morreram e foram fossilizados num intervalo curto de tempo, de apenas alguns séculos. Além dos crânios, foram encontrados vários fragmentos de ossos de outras partes do corpo, assim como centenas de fragmentos de ferramentas de osso e pedra que os hominídeos utilizavam no seu dia a dia. Também estão preservados em Dmanisi centenas de fósseis de animais carnívoros que conviveram com os seres humanos da época e podem ter sido tanto presas quanto predadores deles. “É uma cápsula do tempo de 1,8 milhão de anos”, diz o pesquisador David Lordkipanidze, do Museu Nacional da Geórgia, que dá uma ideia não só de como era a aparência dos hominídeos, mas de como eles viviam e como era o ambiente da época ao redor deles.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s