GAVRILO PRINCIP – HERÓI OU TERRORISTA?

Este é Gavrilo Princip, que em 28 de junho de 1914 disparou os tiros que mataram o arquiduque Francisco Ferdinando da Áustria e sua esposa Sofia, durante uma visita à capital bósnia de Sarajevo - Fonte - AP Photo/Historical Archives Sarajevo
Este é Gavrilo Princip, que em 28 de junho de 1914 disparou os tiros que mataram o arquiduque Franz Ferdinand da Áustria e sua esposa Sophie, durante uma visita à capital bósnia de Sarajevo 

HÁ 100 ANOS ELE DISPAROU OS TIROS FATAIS QUE PROVOCARAM A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Baseado no texto de Aida Cerzek, da Associated Press / Fotos  – AP Photo/Historical Archives Sarajevo

Passado um século ainda existe muita controvérsia sobre a figura Gavrilo Princip, um nacionalista sérvio de 19 anos, que matou a tiros o arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do império Austro-húngaro, e sua esposa Sophie, Duquesa de Hohenber, e com isso iniciou a Primeira Guerra Mundial.

Uma imagem de arquivo do dia 28 de junho de 1914 onde mostra o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono do Império Austro-húngaro, e sua esposa, deixando a prefeitura pouco antes de seu assassinato em Sarajevo. A cidade estava ensolarada e em clima de festa pela visita do arquiduque austríaco.
Uma imagem de arquivo do dia 28 de junho de 1914 onde mostra o arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do trono do Império Austro-húngaro, e sua esposa, deixando a prefeitura pouco antes de seu assassinato em Sarajevo. A cidade estava ensolarada e em clima de festa pela visita do arquiduque austríaco.

Logo após o ato de Gavrilo, o Império Austro-húngaro acusou o governo Sérvio de estar por trás do assassinato. Apoiado pela Alemanha, a Áustria-hungria atacou a Sérvia, mas seus aliados, o Império Russo e a França, entraram em sua defesa. Logo a Grã-Bretanha e o seu ainda grande e unido império se juntaram à luta. Em 1917 os Estados Unidos também entram no conflito.

Pouco antes da saída do carro levando os nobres austro-húngaros
Pouco antes da saída do carro levando os nobres austro-húngaros

Quando a matança em massa, conhecida na época como a Grande Guerra, terminou em 1918, havia ceifado cerca de 14 milhões de vidas – sendo 5 milhões de civis e 9 milhões de soldados, marinheiros e aviadores – e deixou mais de 7 milhões de inválidos.

Um suspeito, segundo a direita, é capturado pela polícia em Sarajevo logo após os disparos que assassinaram o arquiduque e sua esposa
Um suspeito, segundo a direita, é capturado pela polícia em Sarajevo logo após os disparos que assassinaram os nobres

Após o assassinato do príncipe e de sua esposa, Gavrilo Princip foi imediatamente preso e morreu na prisão meses antes do fim da guerra.

Os nobres austro-húngaros em seus respectivos caixões
Os nobres austro-húngaros em seus respectivos caixões

O fato aconteceu no dia 28 de junho, em Sarajevo, nos Balcãs, aonde o triste legado de Gavrilo vem sendo utilizado para atender determinadas agendas políticas, em uma região onde existem fumegantes rivalidades étnicas e religiosas.

Pistola F.N. modelo 1910, em calibre 9mm Curto (9X17), mais conhecido como 380 ACP. Essa arma tinha o número de série 19074 e foi uma das três pistolas que foram fornecidas aos implicados responsáveis por atentar  contra a vida do Arquiduque e que chegou às mãos de Gavrilo Princip, o autor dos disparos. Esta arma foi recuperada em 2004 e está exposta em um museu em Viena, no Heeresgeschichtliches Museum, na Áustria.
A primeira pistola na foto, de cima para baixo, é um modelo F.N. 1910, calibre 9 mm Curto (9X17), mais conhecido como 380 ACP. Essa arma possui o número de série 19074 e foi a que chegou às mãos de Gavrilo Princip, o autor dos disparos. Considerada perdida durante décadas, foi recuperada em 2004 e está exposta no Militärhistorisches  Museum, em Viena, na Áustria. As outras duas armas eram utilizadas pelos seus cúmplices. Pelo envolvimento das pistolas F. N. neste crime, eles ficaram popularmente conhecidas como “Mata Duque”.

Com o centenário do assassinato as velhas posições entrincheiradas estão ressurgindo e o jovem atirador vai continuar a ser um herói para alguns, ou um sórdido terrorista para outros.

 Como os assassinatos em Sarajevo repercutiram no jornal “A República”, o principal do Rio Grande do Norte em 1914. Percebam que a notícia sequer foi publicada na 1ª página, mas este fato ocorreu em praticamente toda imprensa brasileira, que só compreenderam a verdadeira dimensão e significado dos fatos em Sarajevo dias após o ocorrido

Como os assassinatos em Sarajevo repercutiram no jornal “A República”, o principal do Rio Grande do Norte em 1914. Percebam que a notícia sequer foi publicada na 1ª página, mas este fato ocorreu em praticamente toda imprensa brasileira, que só compreenderam a verdadeira dimensão e significado dos fatos em Sarajevo dias após o ocorrido

Naquela complicada parte do mundo o que existe em relação ao assassinato do nobre casal é mais uma questão de sentimentos em relação ao que ele fez, onde pouco entra os argumentos históricos sérios e isentos. Tanto que nos livros de história sérvios o assassinato perpetrado por Princip e seus companheiros é descrito em mais de 20 páginas, com o título de “O grande ato de libertação”.

Também no Militärhistorisches Museum de Viena se encontra preservado o veículo no qual os nobre foram assassinados em Viena.
Também no Militärhistorisches Museum de Viena se encontra preservado o veículo no qual os nobre foram assassinados.

Para os sérvios cristãos ortodoxos, Princip deve ser celebrado como alguém que viu a atual República da Bósnia e Herzegovina como sendo parte do território nacional sérvio. Quando a Iugoslávia se desfez em 1992, a mesma ideia inspirou os sérvios a entrarem em luta contra a decisão dos bósnios muçulmanos e croatas católicos de se declararem independentes. O resultado foi uma sangrenta guerra civil, com fortes contornos étnicos, em pleno limiar do século XX.

Cidadãos atravessam a rua em frente ao marco histórico onde herdeiro Austro-Húngaro ao trono, o arquiduque Franz Ferdinand e sua esposa Sofia foram assassinados em 28 de junho de 1914.
Cidadãos atravessam a rua em frente ao marco histórico onde herdeiro Austro-Húngaro ao trono, o arquiduque Franz Ferdinand e sua esposa Sophie foram assassinados em 28 de junho de 1914.

Um moderno e barulhento grupo de rock bósnio já escreveu uma canção sobre a manhã de sol em 1914, quando, de acordo com suas letras, Princip tornou-se um “herói para alguns, um criminoso para outros, enquanto, provavelmente, a sua alma ainda está vagando, em algum lugar no meio”.

Anúncios

Uma opinião sobre “GAVRILO PRINCIP – HERÓI OU TERRORISTA?”

  1. Prezado Prof. Rostand Medeiros,
    Faz alguns anos, em Viena, Áustria, visitei demoradamente o Militärhistorisches Museum e, ali, no último salão, encontrei as peças do magnicídio de Sarajevo, inclusive o uniforme do Arquiduque Franz Ferdinand de Habsburg, com o sangue coagulado no peitoral do dólmã perfurado por alguns projéteis da pistola automática belga Fabrique Nationale d´Armes de Guerre, calibre 9mm short, de Gravilo Princip, a qual não se encontrava naquele museu, como também não as roupas da Duquesa Sophie de Hohenberg, entretanto estava lá o automóvel com vários impactos perfurantes na lataria e nos coxins traseiros bem visíveis, como vieram à minha recordação quando vi as fotografias do seu trabalho, pelo qual o cumprimento.
    Atenciosamente,
    Lamartine Lima (i.G.H. Bahia).

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s