O NAUFRÁGIO DO SÃO LUIZ

NO RIO GRANDE DO NORTE ESTÁ UM DOS MELHORES LOCAIS

PARA MERGULHOS EM NAUFRÁGIOS DO BRASIL

Autor – Rostand Medeiros

Recentemente um dos mais importantes e emblemáticos naufrágios ocorridos na costa potiguar completou 100 anos. Acredito que vale a pena conhecer esta história pois o assunto é praticamente desconhecido fora do círculo de pessoas que praticam mergulho, caça submarina ou tem o privilégio de viverem nas praias de Rio do Fogo, Zumbi, Pititinga e Maracajaú.

O cargueiro São Luiz – Fonte http://www.naufragiosdobrasil.com.br

Na noite de 11 de janeiro de 1911, uma quarta feira, o cargueiro São Luiz, pertencente à Companhia Comércio de Navegação, com uma tripulação de 43 homens, tendo Luís Germano de Andrade como seu comandante, bateu em algo que não estava marcado nas cartas de navegação e começou a ter os porões alagados.

Em nota publicada no jornal “A Republica” do dia 13 de setembro, a tripulação tentou levar a grande nave de 378 metros de comprimento em direção ao litoral, mas a quantidade de água que entrava apontou para o comandante Germano de Andrade que deveria dar a ordem de “abandonar o navio” e assim foi feito.

No ponto amarelo a localização aproximada do local do afundamento do São Luiz. Localização através da tese de mestrado de José Garcia Junior. Fonte – Google Earth

Todos os tripulantes embarcaram em escaleres de salvamento, armaram as velas e a pequena flotilha seguiu para o porto de Natal, por mais de 30 milhas náuticas em direção sul, aonde chegaram depois das cinco da tarde e de navegarem por mais de quinze horas.

Nota de “A Republica”

Na mesma nota publicada no jornal “A Republica”, o comandante Germano de Andrade afirmou que o São Luiz bateu em um “corpo até agora desconhecido dos navegantes” e ele teve de prestar esclarecimentos ao dirigente da Capitania dos Portos em Natal, o capitão tenente Hormidos M. de Albuquerque.

Uma Costa Difícil

Segundo o jornal o “Diário de Natal” a notícia do afundamento do São Luiz rapidamente se espalhou pela capital potiguar, que então tinha uma população de pouco menos de 30.000 habitantes. Consta que várias pessoas seguiram para o cais do porto na intenção de saber detalhes do sinistro, saber o nome correto do navio e ajudar de alguma forma. Esta atenção dispensada por parte da população local se devia a importância que o tráfego marítimo tinha nesta época, pois os navios de transporte de passageiros e de carga eram a principal forma de ligação da população potiguar com outras partes do país e de escoamento das mercadorias aqui produzidas.

Como saiu a notícia no “Diário de Pernambuco”

Um acidente como o ocorrido com o navio São Luís, o maior cargueiro brasileiro da época, era motivo de extrema preocupação por parte da elite política e empresarial local. O porto de Natal já era conhecido como um local problemático para ser adentrado, com um histórico de encalhes e batidas de navios em pedras existentes na sua entrada.

A própria Marinha do Brasil tinha consciência desta situação. No relatório que o vice-almirante Alexandrino de Alencar apresentou ao presidente Nilo Peçanha em abril de 1910, na sua página 54 apontava a necessidade da Capitania dos Portos de Natal possuir um rebocador para “a fiscalização de 160 milhas de costa e prestação de socorros por ocasião de sinistros que são frequentes”. Inclusive o relatório afirma que neste mesmo ano o paquete inglês Italian Princes havia encalhado na área sob a jurisdição desta Capitania.

O São Luiz repousado no fundo do mar. Foto – Ary Amarante Fonte – http://www.aryamarante.com.br/

Se para as empresas de navegação já era complicado entrar no principal porto da costa potiguar, a notícia que o maior cargueiro brasileiro afundou devido a um “corpo até agora desconhecido dos navegantes” não ajudava em nada ao Rio Grande do Norte.

Local Não Marcado

Realmente, ao analisarmos o livro “Roteiro da Costa do Brasil – Do Rio Mossoró ao Rio S. Francisco do Norte”, escrito  em 1864 pelo geógrafo e militar Manuel Antônio Vital de Oliveira, em suas páginas 25 a 34, onde o autor descreve a costa entre a Ponta do Calcanhar ao Cabo São Roque, não existe nenhuma referência a alguma concentração de rochas na área onde afundou o São Luiz.

Evidentemente que o livro de Vital de Oliveira foi escrito 47 anos antes do afundamento, mas não encontrei outras referências que indicassem que este obstáculo a navegação fosse conhecido em 1911.

Âncora do São Luiz Foto – Ary Amarante Fonte – http://www.aryamarante.com.br/

Mas a pedra onde o São Luiz bateu já era conhecida e denominada pelos pescadores da região como Risca do Zumbi. Já para a Marinha do Brasil esta situação era impraticável.

A perda do maior cargueiro a navegar com a bandeira brasileira fez com que a Força Naval enviasse do Rio de Janeiro para a costa potiguar o cruzador torpedeiro Tamoyo, da classe Tupy. Em maio de 1911 o navio de guerra de 86 metros de comprimento e com 10 canhões de vários calibres, estava na Risca do Zumbi realizando medições para colocar aquela desconhecida rocha nos mapas navais e ela deixar de ser uma informação exclusiva dos pescadores da região.

Cruzador torpedeiro Tamoyo Fonte – http://www.naviosbrasileiros.com.br

Foi realizado o trabalho que consistiu de levantamento exato das coordenadas, profundidade, extensão aproximada do obstáculo e outras informações. Foi apurada pela tripulação do cruzador torpedeiro Tamoyo que a latitude seria 5°19′ 22″ S e a longitude – 35°13’00” W. Já a extensão do obstaculo era de uma milha náutica, seu comprimento de 4 milhas e posicionamento de Nordeste a Sudoeste. Foi apontado que estava a 11 milhas de Rio do Fogo e a profundidade na parte mais rasa  foi estimada como sendo de 4 braças. Neste caso uma braça equivale a seis pés (1,82 metros), o comprimento de corda que um homem consegue estender com os dois braços abertos. A corda é jogada ao mar para se calcular a profundidade.

Informação oficial sobre a Risca do Zumbi

Segundo informações obtidas de quem conhece o local, a profundidade varia de 11 a 15 metros, onde normalmente a água é bem transparente e existem fortes correntezas. A Risca é uma espécie de “mesa”, onde na base existem cavernas e passagens subaquáticas. Fotos publicadas na internet apontam ser este local um ponto de interessante beleza.

Segundo a ótima tese de mestrado de José Garcia Junior, “Inventário das espécies de peixes da costa do estado do Rio Grande do Norte e aspectos zoogeográficos da ictiofauna recifal do Oceano Atlântico” (UFRN, 2006), a Risca  do Zumbi está na posição geográfica 5°10′ 24.0” S – 35º 11′ 29.30” W e o local onde repousa os restos do São Luiz está na posição 5°16′ 21.5″ S – 35°09’27.5″ W, o que aponta uma distância aproximada de doze quilômetros em direção sul a partir do ponto de choque. Vale uma comparação das coordenadas antigas conseguidas pelo pessoal do Tamoyo e as novas coordenadas conseguidas certamente com GPS.

O São Luiz Ontem e Hoje

A história do navio de carga e passageiros São Luiz tem início em uma quarta feira, 13 de setembro de 1882, no estaleiro da empresa D & W Henderson Ltd, da cidade escocesa de Glasgow, quando ele tocou as águas do Rio Clyde e foi batizado como S. S. Nubia.

Outra vista da parte frontal do São Luiz. O peixe no detalhe é um Frade, também conhecido em nossa região como Enxada. Seu nome científico é Pomacanthus paru. Foto – Ary Amarante Fonte – http://www.aryamarante.com.br/

A nave então pertencia a empresa de navegação Anchor Line’s e iniciou viagens para a Índia, mais precisamente para o porto de Bombaim. Depois de 24 anos de trabalho na Europa, foi vendido para a Companhia Comércio de Navegação, empresa de transporte marítimo com sede no Rio de Janeiro e batizado São Luiz. O navio desenvolvia 14 nós de velocidade, tinha uma largura de 40 metros e um calado de 29 metros.

Interior do navio Foto – Ary Amarante Fonte – http://www.aryamarante.com.br/

O São Luiz está localizado em um ponto entre as praias de Zumbi e Rio do Fogo, esta região por sua vez fica a cerca de 70 quilômetros de distância de Natal por estradas asfaltadas. Segundo as pessoas que conhecem o local, a profundidade onde o São Luiz está varia de 20 a 29 metros, sendo este um dos mais belos naufrágios do Brasil.

Como podemos ver nas belas fotos de Ary Amarante, a proa (parte frontal) ainda está parcialmente inteira e encontra-se adernada a bombordo (lado esquerdo do navio). Pelas belas fotos podemos ver que é possível adentrar o seu interior e percorrer alguma extensão do casco.

Maquinário do São Luiz Foto – Ary Amarante Fonte – http://www.aryamarante.com.br/

As fotos mostram que a visibilidade da água é fantástica, certamente com mais de 30 metros.

Atualmente, segundo o que soube através de nativos da bela praia de Rio do Fogo, o mergulho nos destroços do São Luiz está totalmente proibido, inclusive para mergulhadores profissionais e empresas ligadas ao turismo de mergulho. Aguarda-se que o IDEMA, órgão do governo estadual potiguar, normatize as atividades na área. O problema é que enquanto isso não acontece, devido a falta de fiscalização, mergulhos clandestinos e depredações vão acontecendo no centenário navio naufragado.

A Dona do Navio e Sua Ligação com o Rio Grande do Norte

A proprietária do navio São Luiz era a Companhia de Comércio e Navegação. Fundada em 23 de setembro de 1905, era classificada como Empresa de Sal e Navegação, onde possuía um inventário respeitável de navios de cabotagem, grandes armazéns e também negociava com sal.

Propaganda da Companhia Comércio e Navegação em 1911

Sua frota possuía naves com nomes intrinsecamente ligados ao Rio Grande do Norte, como os navios Assu, Natal , Mossoró e Pirangy. A explicação para a adoção destes nomes tão potiguares foi que durante a criação da Companhia de Comércio e Navegação, o patrimônio de quatro empresas compôs o capital da nova companhia. Entre estas estava a Empresa de Sal e Navegação, que além de cinco vapores, participou na composição com importantes e vastas propriedades para a exploração da indústria salineira e imóveis situados em Macau e Mossoró. Uma destas salinas era chamada “Julião” e ficava na área territorial de Macau.

– GOSTARIA DE AGRADECER AO MERGULHADOR, INSTRUTOR E FOTÓGRAFO ARY AMARANTE  PELA CESSÃO DAS BELAS FOTOS QUE ILUSTRAM ESTE ARTIGO.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

Anúncios

4 opiniões sobre “O NAUFRÁGIO DO SÃO LUIZ”

  1. Rapaz, que blog interessante! Se o cabra não tiver cuidado passa o dia todinho aqui! Muita coisa interessante para quem gosta de História. Quanto mais a gente olha mais vontade dá de ver mais. Parabéns.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s