AS CORES NA RAMPA E NA BASE DE PARNAMIRIM DURANTE A II GUERRA

page-10

Autor – Rostand Medeiros

A grande maioria dos potiguares e os entusiastas da história da aviação no Brasil sabem perfeitamente o significado de Rampa e da Base de Parnamirim.

A Rampa foi uma base de hidroaviões localizada no estuário do Rio Potengi, em Natal. Construída antes da Segunda Guerra Mundial foi utilizada durante este conflito principalmente como uma unidade de apoio a hidroaviões da Marinha dos Estados Unidos (U.S. Navy).

Área onde se localizava a antiga base de hidroaviões conhecida como Rampa, no Rio Potengi. É possível ver um hidroavião PBY Catalina pousado e amarrado – Fonte – Coleção do autor.
Já a Base de Parnamirim, ou Parnamirim Field, assim como a Rampa, foi primeiramente um empreendimento civil. No caso de Parnamirim era um campo de pouso desenvolvido por franceses na década de 1920, que foi se desenvolvendo conforme a importância estratégica de Natal crescia para a aviação civil a nível mundial.

Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial o antigo campo foi ocupado por forças militares dos Estados Unidos, que ali desenvolveram uma das maiores bases aéreas de apoio ao esforço de guerra aliado em todo o conflito. Lá existiam unidades tanto da U.S. Navy, como da USAAF – United States Army Air Force, a força aérea do exército dos Estados Unidos.

Visita a Natal do então presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt – Fonte – Coleção do autor.

Para o povo da terra estes dois locais são simplesmente a “Rampa” e a “Base” e a história destes locais está intrinsicamente ligada ao desenvolvimento de Natal.

Bom, quem está acostumado a ler sobre a história destes locais em inúmeros livros, trabalhos acadêmicos e outros tipos de publicações, está basicamente acostumado a ver a sua iconografia histórica através de fotos em preto e branco.

Tripulantes de um avião da marinha americana,utilizado na caça e destruição de submarinos inimigos. Tinham como base Parnamirim Field – Fonte – Coleção do autor.

Isso não significa que no período da Segunda Guerra não foram realizadas fotos coloridas destas unidades militares, de Natal, ou de outros pontos do Brasil. Ou estas fotografias foram feitas em pequenas quantidades, ou não aparecem muito para o público.

Recentemente obtive aceso as fotografias da Library of Congress (Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos) e descobri uma interessante coleção com mais de 1.600 imagens coloridas, em um período que compreende as décadas de 1930 e 1940, com muito material sobre a Segunda Guerra Mundial.

Ao observar as belas fotos, algumas com extrema nitidez, comecei a imaginar como nossos antepassados (no meu caso os meus avós maternos) viram ao vivo e a cores a movimentação militar aérea dos americanos em Natal e região. Daí eu me questionei quais daquelas fotos estaria mais próximo do que os natalenses da época tiveram oportunidade de ver?

Comecei então a classificar as imagens e trouxe para vocês um pouco do que seriam estes visuais.

Junto às fotos coloridas originais da época da Segunda Guerra Mundial, trago algumas fotografias atuais de aviões históricos que foram preservados, onde muitos dos exemplares apresentados estiveram na nossa região naquele período.

Ao clicar na foto você pode vê-la em um tamanho maior.

Vamos começar com fotos que mostram atividades similares as que ocorriam na base de hidroaviões da Rampa, no Rio Potengi.

A foto acima mostra o característico formato do hidroavião, ou “Aerobote”, PBY Catalina. Utilizado em missões de busca e destruição de submarinos, resgate de náufragos, esta aeronave se tornou um ícone da aviação mundial e foi utilizado pela FAB – Força Aérea Brasileira. Os primeiros Catalinas que chegaram a Natal pertenciam a esquadrilha VP-52 e amerrissaram no Rio Potengi poucos dias após ao ataque japonês a base aeronaval americana de Pearl Habor, em dezembro de 1941.

Aqui vemos uma rampa que servia, tal como a existente em Natal, para baixar e recolher hidroaviões da U.S. Navy da água. Na foto é possível ver detalhes da operação.

Detalhes da estrutura da fuselagem, da asa e dos motores do Catalina, em uma operação de abastecimento.

Forma de abastecimento do grande PBY Catalina.

Um provável teste de motores em um Catalina. Fico imaginando o nível de ruído dentro da cabina de pilotagem.

Linhas clássicas de um Catalina preservado na atualidade.

Agora vemos fotos coloridas que bem poderiam ser da base de Parnamirim, a “Parnamirim Field” dos americanos.

Aqui temos exemplares do quadrimotor Consolidated C-87 Liberator Express, uma versão de transporte do conhecido bombardeiro pesado B-24.

Tripulantes de aeronaves, membros da USAAF, recebendo instruções com seus tradicionais uniformes.

Fotografia atual de um caça monomotor P-40, com marcações da China Nacionalista. Construído em várias versões, foi igualmente utilizado pela FAB.

Um bimotor Douglas A-20C Havoc, em 1942. Este era um avião de ataque e bombardeiro médio que também veio a ser utilizado pela nossa FAB.

Um sargento da USAAF posando diante de um motor radial. Nas unidades militares aéreas dos Estados Unidos em Natal, a questão da manutenção das aeronaves era um dos pontos fundamentais das atividades dos militares ali baseados. Principalmente na questão da travessia do Atlântico Sul.

Era normal e aceito pelos comandos militares, que as tripulações pintassem o nariz dos aviões com imagens características, únicas e extremamente interessantes, que ficaram conhecidas como “Nose Art”. Era também aceito que estes aviões fossem batizados com nomes escolhidos pelos tripulantes. Para muitos membros da aviação americana dava azar não batizar o avião.

Eu acho que este tipo de aeronave, um avião de caça North American Aviation P-51 Mustang, não esteve em Natal. Mas decidi colocar a foto  pois ela é muito interessante.

Esta aparente confusão de aeronaves na porta de um hangar nos Estados Unidos, bem que poderia ser uma cena vista em “Paranamirim Field”, pois o tráfego aéreo era intenso.

Um caça bimotor Lockheed P-38 Lightning sobrevivente, clicado em um show aéreo nos Estados Unidos. Existem indicações que este tipo de aeronave esteve em Natal. Se for correto, a sua travessia em direção a África só poderia ser feita com uma escala na ilha de Ascensão. Esta é uma pequena porção de terra vulcânica no meio do Oceano Atlântico, pertencente ao britânicos, que também foi utilizada como ponto de apoio de aeronaves que seguiam de Natal em direção a África.

Outro avião que frequentou nosso espaço aéreo, considerado um clássico e que também fez parte do inventário da FAB – O North American B-25 Mitchell.

Este é outro clássico – o Douglas C-47 Dakota. Foi o verdadeiro “burro de carga” do transporte aliado durante a Segunda Guerra Mundial e fez parte da nossa FAB ao longo de décadas. Este é um C-47 conservado até os dias atuais.

Caças P-51 Mustang, dos primeiros modelos, provavelmente destinado aos ingleses.

Este é o conhecido caça monoplano Republic P-47 Thunderbolt, em um recente show aéreo. Construído aos milhares não tinha a mesma beleza esguia do P-51, mas era um verdadeiro tanque de guerra no ar. A nossa FAB utilizou este tipo de aeronave nos céus da Itália. Inclusive vale ressaltar que o Brasil foi o único país Latino-Americano a enviar tropas e aviões de combate que efetivamente participaram de um conflito em solo europeu.

Manutenção em um B-25.

Torre de metralhadoras dianteira de um B-24 conservado nos Estados Unidos.

Instrução a um grupo de pilotos do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, os conhecidos “Marines”, que lá possuem sua própria frota de aviões de combate. Natal não possuiu um grupo de aviação destes militares, mas havia uma unidade para proteção das áreas da U.S. Navy. Em Recife também havia um grupo destes militares.

Manutenção em motores.

B-25.

Embarcando para o voo.

Um bombardeiro pesado Consolidated B-24 Liberator. O projeto era simples no conceito, mas foi avançado para seu tempo. Muitos passaram por Natal em direção a África, mas igualmente muitos deles atravessaram o Atlântico saindo de Fortaleza.

Natal não teve muitos “Marines” e nem sequer planadores. Mas para cá vieram muitos jipes. Infelizmente o que transportou o presidente F. D. Roosevelt, durante a sua famosa visita a nossa cidade em 1943, se perdeu e já deve ter virado sucata.

Um belo B-25 muito bem conservado.

Um tripulante da USAAF e seus tradicionais óculos “Ray-Ban”.

Vários B-25 saindo da linha de montagem.

Um C-87 visto de frente.

Outro peso pesado da USAAF, o clássico bombardeiro quadrimotor B-17, ou Boeing B-17 Flying Fortress. Mais conhecido aqui como “Fortaleza Voadora” foi um avião que a FAB chegou a possuir algumas unidades baseadas em Recife. Um destes se espatifou estrondosamente em Cajupiranga, Parnamirim, no primeiro semestre de 1942.

Manutenção em um A-20.

Caminhões militares americanos. Muitos destes modelos circularam em nossa cidade.

O inconfundível B-17.

Manutenção de um C-87.

Quero deixar bem claro que nenhuma destas fotos coloridas possui ligação com a ação dos norte-americanos em Natal durante a Segunda Guerra Mundial.

Mas é quase certo que foi desta forma que milhares de pessoas desta terra viram esta época tão intensa e diferente.

FONTE – http://www.flickr.com/

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

Anúncios

10 opiniões sobre “AS CORES NA RAMPA E NA BASE DE PARNAMIRIM DURANTE A II GUERRA”

  1. Caro Rostand,

    Seu blog é simplesmente sensacional! Queria fazer um contato mais direto com vocÊ, mas não acho um e-mail seu aqui, vou colcoar o link do seu blog no meu novo livro que será lançdo no 2º semestre. Mande uma mensagem para o meu e-mail, gostaria de pedir autorização para uso de algumas fotos de seu acervo expostas aqui.
    Muito obrigado!

    João Barone

    Curtir

    1. Amigo João,
      Fico feliz pelo seu contato e pelo fato de você ter gostado do nosso trabalho no blog, onde busco democratizar a informação histórica aqui na nossa região.
      Neste sentido, o que você desejar utilizar em seu futuro trabalho literário está plenamente autorizado e me sinto honrado em poder lhe ajudar.
      Sou um admirador daquele período da história, tenho muito material arquivado e atualmente desenvolvo entrevistas junto aos que vivenciaram aquele período na minha cidade, com o intuito de preservar esta memória. Lhe convido a trocarmos mensagens sobre aquele período e o que você achar interessante.
      Fico duplamente honrado em saber que algo que produzi pode lhe ajudar de alguma forma.
      Adorei tanto o documentário “Um Brasileiro no Dia D”, como também a série que você apresentou no National Geographic e tenho seu livro “A Minha Segunda Guerra”. Todos são trabalhos que considero muito positivos para que aquele período não seja esquecido.
      Desde já me coloco a sua disposição para ajudar e deixo meus contatos via telefone.
      Um abraço,
      Rostand Medeiros
      Celulares – 84-9904 3153 (TIM) / 9140 6202 (Claro)
      Telefone comum – 84 – 3208 4021

      Curtir

  2. São partes raras da história deste país que sofre de amnésia coletiva de fatos reçentes. Logicamente que relembrados em blogs como o seu” tok de história” ou como o site “sentandoapua” do amigo Luis Gabriel. sendo este uma preciosidade histórica pelos cuidados com fatos e cronologias dos fatos..Eu sempre que posso em determinadas postagens onde identifico um leigo sobre a 2 guerra eu recomendo os dois..justo porque são apolíticos ,não se prendem a opnião do redator.como no blog de chico Miranda um anti getulista..acredito que historiadores não devem ter opnião própria e sim curiosidade pelos pormenores dos fatos,e contexto geral ou ambientação da época..joga-se as cartas os leitores que montem seu baralho.. parabéns….

    Curtir

  3. Parabéns pelo seu trabalho para a nossa história, pela participação do
    povo do nosso estado na segunda guerra. O senhor é um exemplo de pesquisador dedicado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s