1640-A MAIOR BATALHA NAVAL OCORRIDA NOS MARES BRASILEIROS

Vroom_Hendrick_Cornelisz_Dutch_Ships_Ramming_Spanish_Galleys_off_the_Flemish_Coast_in_October_1602
E FOI FINALIZADO DEFRONTE A BAÍA FORMOSA E COM DESDOBRAMENTOS NA FOZ DO RIO CEARÁ-MIRIM

Quando o Rei Sebastião de Portugal morreu em 1578, Felipe II da Espanha o sucedeu no trono em Lisboa. De 1580 a 1640, os dois reinos peninsulares foram unidos sob a Coroa Espanhola. Com esta união os holandeses passaram a sofrer sanções comerciais de Felipe II, Rei da Espanha, uma vez que desde 1568 os Países Baixos lutavam pela sua independência frente ao domínio espanhol.

Entre os portugueses e holandeses, que mantinham, até então, boas relações comerciais. No caso da América portuguesa, os holandeses eram os responsáveis pelo refino e distribuição do açúcar produzido na colônia, que era então o principal produto de exportação. Os portugueses, por sua vez, recebiam em seus portos os produtos trazidos pelos navios holandeses.

Portugal, que dependia dos produtos negociados com os holandeses, reagiu às sanções impostas e obteve, junto ao governo espanhol, uma trégua em 1609 que perdurou até 1621, episódio que ficou conhecido como a Trégua dos Doze Anos.

Zeeslag_bij_Duinkerken_18_februari_1639_(Willem_van_de_Velde_I,_1659)

Beneficiados com a trégua, os holandeses já participavam do financiamento de engenhos de açúcar e estavam cada vez mais interessados na América portuguesa.

O fim da trégua em 1621 coincidiu com a fundação da Companhia das Índias Ocidentais, associação de mercadores que tinha por objetivo resguardar o comércio nas regiões que mantinham negócios com os Países Baixos. Para isto, a companhia foi autorizada pelo governo a conquistar terras, esta “… seria responsável pelo governo local, criando instituições e firmando acordos com os principais homens das áreas incorporadas”. 

Os Primeiros Ataques ao Brasil

Já em maio de 1624, a Companhia das Índias Ocidentais liderou uma invasão à Bahia, capital da América portuguesa. Com uma frota composta de 26 navios e 500 canhões, os holandeses iniciaram sua invasão. Mas, um ano após terem chegado, foram expulsos, sem grandes dificuldades.

Planta_da_Restituição_da_BAHIA,_por_João_Teixeira_Albernaz

Outro ataque na América portuguesa foi planejado para 1630. Desta vez a capitania escolhida foi a de Pernambuco, considerada a mais rica produtora de açúcar no mundo. Os holandeses já conheciam Pernambuco, pois muitos lá residiam e negociavam.

Conseguiram conquistar as vilas de Olinda e Recife, mas o mesmo não ocorreu com a zona rural. Liderados por Matias de Albuquerque, os lusos brasileiros ofereceram forte resistência.

Para vencer essa resistência, os holandeses realizaram vantajosos acordos em que prometiam investir na formação de novas lavouras e na construção de engenhos. Com isso, os proprietários de terras pernambucanos passaram a apoiar a entrada dos holandeses no Brasil. A partir daquele momento, os holandeses não só se concentraram em dominar terras pernambucanas. Ao longo do tempo, expandiram a sua dominação para outras regiões açucareiras do nordeste. Além da capitania de Pernambuco, os holandeses ocuparam, sobretudo, as capitanias de Itamaracá, da Paraíba e do Rio Grande, futuro Rio Grande do Norte.

Engenho na Paraíba na época da invasão holandesa
Engenho na Paraíba na época da invasão holandesa

Os holandeses construíram diversos engenhos e financiaram novas plantações. Além disso, algumas cidades coloniais ganharam reformas e construções que deram uma nova aparência ao espaço colonial nordestino.

Conde Nassau 

Tempos depois foi nomeado para o cargo de governador das dominações holandesas no Brasil o conde João Maurício de Nassau (em holandês – Johan Maurits van Nassau-Siegen), que chegou ao Recife em janeiro de 1637.

No período em que governou o Brasil-holandês, entre 1637 a 1644, Nassau procurou estabelecer uma administração eficiente e um bom relacionamento com os senhores de engenho da região. Desse modo, foi colocado a disposição dos proprietários de engenho recursos financeiros para serem utilizados na compra de escravos e de maquinário para o fabrico do açúcar.

Nassau também criou órgãos de representação municipal, a fim de estimular a participação política da população nas decisões de interesse local. Durante seu governo, as vilas de Recife e Olinda passaram por um intenso processo de urbanização e melhoramentos que mudaram completamente a paisagem local.

Maurício de Nassau
Maurício de Nassau

Mas Nassau também era um militar e os holandeses não haviam se esquecido da derrota na Bahia em 1625. Em 8 de abril de 1638, o conde João Maurício de Nassau, à frente de uma esquadra de 30 barcos e no comando de 3.600 soldados e 1000 índios tapuias, tentou tomar Salvador. Além de não conquistar seu objetivo, a missão sofreu inúmeras perdas.

Mesmo com estas perdas e derrotados na tentativa da conquista, a expedição fora rentável em termos de pilhagem dos engenhos de açúcar do Recôncavo e pelo apresamento de boa quantidade de escravos para serem revendidos no Recife.

Prevendo novos ataques por parte dos espanhóis/portugueses, o conde de Nassau, com os poucos recursos de que dispunha, junto com o comando do almirante Willem Corneliszoon Loos, trabalha no sentido de aumentar a sua frota naval com a contratação de barcos mercantes particulares, que vinham buscar açúcar no Recife.

Demonstração de Força

Em 10 de janeiro de 1639, uma segunda-feira, surgiu diante das praias calientes de Olinda e Recife as velas da uma grande armada que zarpara de Lisboa a 8 de setembro de 1638 e se reunira nas ilhas de Cabo Verde a uma outra armada, esta castelhana.

Porto de Recife
Porto de Recife

Esta respeitável concentração de velas e canhões era comandada por Dom Fernando de Mascarenhas, o primeiro conde da Torre, antigo governador de Ceuta e Tanger, que desde 8 de junho de 1618 fora nomeado encarregado do governo geral do Brasil. Mas o conde não veio ao Recife para atacar, era apenas numa demonstração de força.

Permaneceu com a esquadra parada até o meio dia, seguindo então viagem para Salvador, sempre à vista do litoral. O conde desejava que os holandeses saíssem para o combate, mas sem sucesso.

Nos meses seguintes os informantes de Nassau e a captura de correspondência portuguesa, mostraram a Nassau as penosas circunstâncias materiais e morais da armada e das más relações do conde da Torre com o governador em Salvador, que o acusava de covardia por não ter atacado imediatamente as naves de guerra do Brasil holandês.

Para se ter uma ideia dos problemas deste grupo, da saída da frota de Lisboa, da passagem por Cabo Verde e Recife, até a chegada a Salvador, morreram quase 2.000 homens, a grande maioria acometidos de doenças. Salvador quase entrou em colapso por receber mais de 7.000 homens.

O que veio a seguir foi pior. Por quase um ano ficou a armada do conde da Torre fundeada nas águas da baía de Todos os Santos, com a maior parte dos seus homens recolhidos ao Hospital da Misericórdia e a outros conventos de Salvador, padecendo os rigores da epidemia, desnutrição provocada pela escassez de alimentos, doenças venéreas e outros males. Cada dia a morte ia ceifando mais vidas dos membros da esquadra. Não fosse a vinda de reforços do Rio de Janeiro e de Buenos Aires, a frota teria perdido sua capacidade de combate.

Arcabuzeiro holandês
Arcabuzeiro holandês

E nesse espaço de tempo, Mauricio de Nassau e o almirante Willem Corneliszoon Loos, que não eram idiotas para aceitarem combates apenas com inúteis demonstrações de força, vão reforçando a sua frota, ampliando o número de canhões em suas naves, acumulando pólvora e mandando os homens afiarem as suas espadas.

Problemas ao Zarpar de Salvador

Finalmente, depois de solucionar inúmeros problemas, a armada do conde da Torre, devidamente embandeirada e recebendo salvas dos canhões dos fortes de Salvador, levanta âncoras em 19 de novembro de 1639 e segue para o norte.

Apesar de suas perdas, na partida da Bahia a esquadra luso-espanhola não era um grupo qualquer. Ampliada pelos reforços, era uma frota constituída de 77 naves, sendo 30 galeões, 34 navios mercantes, 13 navios menores, 4.000 marinheiros e 10.000 soldados. Alguns estudiosos apontam que esta frota era composta de 82 naves.

Logo ao sair de Salvador, o Conde da Torre tem contra si o primeiro e grande aliado dos holandeses, o deus Éolo (o deus dos ventos, filho de Zeus), que lhe envia o vento norte e com ele uma violenta tempestade. Durante seis semanas esteve a esquadra à deriva, com o peso dos seus galeões e navios transporte, impossibilitada de seguir sua rota em busca de Pernambuco.

zeeslag

Quando se pensava que a situação iria mudar, eis que de repente todas as forças da natureza se unem e a corrente se transforma em vento sul, mas com tamanha violência que arrasta toda a formidável armada para muito além da Paraíba, impedindo assim que os seus navios chegassem ao Recife.

Com a enorme esquadra toda desbaratada, em formação aberta e desarrumada, o conde da Torre faz o retorno e vem em busca do porto de Pernambuco.

Neste meio tempo, em 1º de janeiro de 1640, parte do Recife ao encontro conde da Torre o almirante holandês Willem Corneliszoon Loos. O holandês tem o vento norte por aliado, que vão ajudar a sua frota de 41 navios e 2.800 soldados, este sob as ordens do major Pierre Legrand.

Um engenho de açucar tocado por escravos negros, a casa grande do dono das terras e uma capela, cenário típico do Nordeste do Brasil holandês.
Um engenho de açucar tocado por escravos negros, a casa grande do dono das terras e uma capela, cenário típico do Nordeste do Brasil holandês.

Logo a maior batalha naval já ocorrida nas costas brasileiras terá início.

Uma Batalha Naval em Quatro Atos 

Na manhã do dia 12 de janeiro, uma quinta-feira, foram avistados os barcos luso-espanhóis na altura da praia do Pau-Amarelo, onde estes pretendiam desembarcar parte de sua infantaria. Pelas três da tarde, as naus holandesas, tomando a dianteira em direção dos barcos adversários.

Iniciaram o bombardeio dos galeões a três milhas de mar aberto, entre a ilha de Itamaracá e a praia de Ponta de Pedras. Durante três horas o fogo intenso dos canhões escureceu os céus.

A nau do almirante Willem Corneliszoon Loos partiu ao encontro da capitânia do conde da Torre e de outros quatro galeões que a rodeavam, sendo recebida por sucessivas salvas de canhões e de mosquetes. Neste momento, o almirante holandês vem a ser ferido gravemente por um canhonaço, tendo o seu ombro sido arrancado do seu corpo. Vem em seu socorro o vice-almirante Jacob Huygenszoon, procurando evitar a abordagem em face de inferioridade numérica dos holandeses no confronto.

A capitânia holandesa, com seu agonizante comandante, rompe o cerco dos galeões espanhóis, retira-se do cenário da luta e vai à busca do porto de Itamaracá, onde o corpo do almirante falecido vem a ser sepultado com todas as honras.

À noite, os canhões silenciam. No estado maior holandês é escolhido o vice-almirante Jacob Huyghensz como novo comandante da esquadra.

A Batalha Continua

O combate tem sequência na manhã do dia 13 de janeiro, entre a foz do rio Goiana e o atual território da Paraíba, prolongando-se o combate até o cair da noite. Neste dia perderam-se uma nau holandesa e dois barcos mercantes adversários.

Storck,_Four_Days_Battle

Os barcos holandeses, por serem menores levam vantagem na refrega sobre os galeões, graças à extrema perícia de seus pilotos e marinheiros que, fazem círculos em torno daquelas pesadas naus, causando-lhes danos irreparáveis, como descreve com precisão Gaspar Barlaeus (1647) – “Nestas batalhas, ostentaram-se várias virtudes Assim, a perícia náutica soube utilizar a vantagem dos ventos e as marés. O arrojo, travando-se com inimigos mais poderosos, envolveu-se nos mesmos riscos que ele. Preferiu a prudência militar queimar e submergir as naus adversas a capturá-las e conservá-las não sem dispêndio público. Pugnou heroicamente a fidelidade, a constância, o esforço. A moderação ficou satisfeita com debandar o adversário, que era impossível abater com tão pequena força. A clemência salvou os inimigos próximos da perdição. Manifestou-se mais de uma vez a amizade, socorrendo os companheiros em perigo. Uma entusiástica pressa, que não consentia folga aos desígnios do inimigo, acometeu-lhe reiteradamente as naus apercebidas para pelejar, mas movendo-se tardiamente”.

Na manhã de 14 de janeiro novamente se defrontam as duas esquadras, defronte ao Cabo Branco, localizado atualmente na capital paraibana.

Os holandeses aproveitaram-se do vento desfavorável que dificultava as manobras da frota luso-espanhola, tendo os holandeses perdido a nau Zwaan (Cisne) que leva junto consigo, de encontro aos arrecifes, a nau do vice-almirante português Antônio da Cunha Andrade, com 240 marinheiros, quatro frades, dois capitães, dois alferes e um médico.

Calculava-se em 30.000 florins conseguida pelos holandeses neste barco. Sendo desde prata amoedada, lavrada e em barra, feita no navio, fora um colar de ouro e outros objetos subtraídos pelos marinheiros.

mapa que mostra a costa paraibana e potiguar durante a ocupação holandesa. Na base do quadro vemos reproduções dos combates navais.
mapa que mostra a costa paraibana e potiguar durante a ocupação holandesa. Na base do quadro vemos reproduções dos combates navais.

O conde Maurício enviou como prisioneiro para a Holanda o do vice-almirante Andrade, considerado homem de inteligência cultivada e caráter afável, julgando pudesse ser útil à Companhia detê-lo ali algum tempo.

Prisioneiro no Recife o comandante português fez entrega da sua espada ao Conde de Nassau este, por sua vez, em um dos seus retratos, conservado no Castelo de Vianen, pintado por autor desconhecido em 1640, tem nas mãos aquela espada, onde se lê, gravado na lâmina, o nome Antônio.

O Combate Chega ao Litoral Potiguar

Os dias 15 e 16 de janeiro foram todo de calmaria, “em que as duas frotas se tornaram joguete das ondas e não consentiam ser governadas pelas velas e lemes”.

Imagem de Frasz Post, mostrando o que importava no Brasil para os holandeses
Imagem de Frasz Post, mostrando o que importava no Brasil para os holandeses

Porém a quarta refrega entre as duas armadas veio acontecer no dia 17, na costa do Rio Grande do Norte; “no inicio da ação, a esquadra holandesa rompeu pelo meio da espanhola com tal destreza que logrou a vantagem dos ventos do mar ficando a frota inimiga a sota-vento da nossa”.

A área onde ocorreu este combate é defronte a área onde atualmente se localiza o município de Baía Formosa. Por volta das nove da manhã as duas esquadras entraram em alcance de tiro e os canhões começaram trovejar. O ataque cerrado dos barcos holandeses contra a capitânia espanhola aniquilou completamente a capacidade de resistência da esquadra do Conde da Torre. O combate só se encerrou no final da tarde.

Não consegui maiores detalhes em águas potiguares. Tudo indica que diante das derrotas anteriores, ação dos ventos, limitação de água potável e mantimentos, os luso-espanhóis buscavam evitar prolongar o combate e se salvar.

Uma parte dos seus navios foi em busca da costa potiguar, aonde vieram ancorar defronte a foz do rio Ceará-Mirim. Ali desembarcaram uma força que varia (dependendo da fonte) entre 1.300 a 2.000 soldados, sob o comando do pernambucano Luís Barbalho Bezerra.

Aqui tem início uma saga inigualável, uma grande marcha de resistência, séculos antes da marcha da Coluna Prestes.

Típico militar holandês
Típico militar holandês

Luís Barbalho achava-se exatamente no Rio Grande do Norte, em pleno território holandês, a mais de 2.400 quilômetros da Bahia e da proteção de tropas amigas. Mesmo com um longo caminho de retorno, em nem um instante este pernambucano de Olinda, nascido em 1584, pensou em entregar-se, e sem hesitação resolveu dá início a sua terrível marcha.

Recebendo amigavelmente mantimentos nas terras que lhe eram favoráveis, tomando-os à força e queimando o que não podia levar das povoações hostis, ia marchando Luís Barbalho para o sul com infinita cautela, utilizando táticas de guerrilha, procurando evitar sempre um recontro com tropas holandesas.

Em Pernambuco, os holandeses souberam de sua empreitada e enviaram uma coluna em sua perseguição. Foi então que Luís Barbalho Bezerra desenvolveu raras qualidades estratégicas, de vez em quando sumindo na floresta e logo depois caindo com um raio sobre a coluna holandesa para a molestar e desaparecer imediatamente.

Em Goiana, Pernambuco, teve de se bater com um grupo composto de quinhentos e trinta holandeses e seus aliados. Derrotou-os e prosseguiu na sua marcha até o rio de São Francisco. Atravessou-o e achou-se enfim no território português, onde podia ser apoiado. A perseguição holandesa também parou ali.

Estava terminado um dos mais brilhantes feitos de combate daquele tempo. Tendo a sua célebre retirada sido elogiada pelos próprios escritores holandeses.

O Fim da Esquadra

Mas voltado para a dispersa e desmantelada esquadra luso-espanhola.

Após deixar a costa potiguar, os barcos portugueses seguiram dispersos em busca ou do mar das Antilhas, ou do arquipélago dos Açores. Já o conde da Torre seguiu no seu retorno ao porto de Cádiz e com o que sobrou dos barcos espanhóis.

Antigo Castelo de Keulen, atual Fortaleza dos Reis Magos, Natal, Brasil
Antigo Castelo de Keulen, atual Fortaleza dos Reis Magos, Natal, Brasil

Depois de um descanso na foz do rio Potengi, defronte ao Castelo de Keulen, a nossa gloriosa Fortaleza dos Reis Magos, os barcos holandeses retornaram a Recife no dia 1º de fevereiro de 1640, onde foram recebidos com grandes festas e alaridos.

A vitória sobre a armada do conde da Torre tornou-se um feito de justificável orgulho para o conde de Nassau, que, pelejando em posição de inferioridade, no que diz respeito ao número de barcos de sua esquadra e de soldados, alcançou a vitória. Consta que as suas perdas se limitaram a dois navios e 106 homens.

Na Holanda foi mandado cunhar uma medalha comemorativa à vitória alcançada sobre os luso-espanhóis, com a esfinge do conde de Nassau e, no seu reverso, uma representação da batalha com a seguinte inscrição: Deus abateu o orgulho do inimigo em 12, 13, 14 e 17 de janeiro de 1640.

A sorte dos que ficaram, porém, até hoje extasia aos que, mesmo passados tantos anos, leem as crônicas daqueles dias.

Fonte – http://www.old.pernambuco.com/diario/2003/11/03/especialholandesesf186_0.html

Bibliografia

SANTIAGO, Diogo Lopes. História da Guerra de Pernambuco. Apresentação de Leonardo Dantas Silva. Estudo introdutório de José Antônio Gonsalves de Mello. Recife: FUNDARPE; Diretoria de Assuntos Culturais, 1984. (Coleção Pernambucana; 2fase, v. 1). p. 129.

BARLAEUS, Gaspar. História dos feitos, recentemente praticados no Brasil. Tradução de Cláudio Brandão; Apresentação de Leonardo Dantas Silva; Prefácio de José Antônio Gonsalves de Mello. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1980. XIII, 410 p. il. 60 gravuras, reproduzidas em fac-símile da ed. de Amsterdam de 1647, 27 assinadas por Frans Post (1645). (Coleção Recife; v. 4). P. 168

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Tempo de Jornal. Apresentação e organização Leonardo Dantas Silva. Recife: FJN, Ed. Massangana, 1998. 320 p. (Documentos, n.45). Inclui bibliografia. P. 73

W-TJEN, Hermann. O domínio colonial holandês no Brasil. Tradução de Pedro Celso Uchoa Cavalcanti. São Paulo: Companhia Editora Nacional,1938. (Brasiliana, v. 128).p. 161.

STRAATEN, HARALD S. VAN DER. Brazil a destiny. Haia, 1984

NETSCHER, P.M. Os holandeses no Brasil. São Paulo, 1942

OLIVEIRA LIMA, M. de. Pernambuco seu desenvolvimento histórico. Organização e apresentação de Leonardo Dantas Silva. Prefácio de Gilberto Freyre. 3. ed. fac-similar. Recife: FJN, Ed. Massangana 1997. XXVIII, 342 p. il. (Descobrimentos, n. 9).

Anúncios

5 opiniões sobre “1640-A MAIOR BATALHA NAVAL OCORRIDA NOS MARES BRASILEIROS”

  1. Excelente artigo sobre a guerra, apenas um lembrete os pernambucanos, em geral, ainda hoje lamentam o fim do domínio holandês. Esta cultura passada entre nós ainda hoje já foi alvo de pesquisas do governo holandês.

    Curtir

  2. Sou possuidor de um belissimo mapa de litoral de itamaraca e olinda, pintado pelo holandes gaspar barleus datado do ano 1640 em perfeito estado de conservacao, estou pretendendo vender mais nao tenho nocao de valor.contato 81 997272221

    Curtir

  3. Nos livros de historia de Rocha pombo escritor portugues de 1889.a esguadra holandesa ficou bastante abalada e enfraquecida dando oportunidade as forças de terra para sitear e render os holandeses atraveis de guerrilhas de asalto por todo pernambuco em portugal foi comunicado como parte da misão comprida. pelo conde da torre. com meritos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s