UMA MÚMIA EGÍPCIA QUASE VAI PARA O LIXO EM PARIS

momie_ta-iset_de_rueil-malmaison31318_0

A Fundação do Patrimônio da França lançou uma campanha de angariação de fundos para conseguir mais de 15 mil euros para a urgente reparação de uma múmia encontrada no ano de 2001.

De acordo com moradores da comuna de Rueil-Malmaison (no departamento de Hauts-de -Seine, a oeste da capital francesa), a história é digna das mais fantásticas lendas egípcias. Aparentemente em 2001, uma mulher desconhecida chegou a um local onde são colocados recipientes para reciclagem e perguntou a pessoas que trabalham nesta área onde poderia jogar alguns pacotes volumosos, dentre estes um bem alongado. “É um morto?” Alguém brincou. “Não, é uma múmia”, ela disse.

Decidiram chamar o pessoal do Museu do Louvre e estes determinaram que a descoberta era real, sendo uma legítima múmia egípcia que remonta há mais de dois mil anos. No pequeno caixão de madeira clara, com o comprimento 92,5 centímetros, a radiografia revelou um esqueleto bem preservado e envolto em ataduras. Algumas inscrições funerárias permitiram aos egiptólogos até mesmo dar um nome a esta garota que devia pertencer à classe média : Ta- Iset , que significa em honra da deusa Isis.

webMOMIE-TA-ISET-DE-RUEIL-MALMAISON313191

Quem a possuiu ao longo dos anos e por que se livraram dela? Quem a trouxe para a França e quando? Estes são alguns dos mistérios que cercam a mortalha venerável do que aparentemente é uma menina de quatro ou cinco anos de idade, que nasceu entre o final do período ptolomaico, a chegada dos romanos no Egito (século III aC – primeiro século dC), nas margens do Nilo.

De acordo com as especulações dos historiadores, este tesouro poderia ter vindo do Egito através do general Noël Varin-Bey (1784-1863), um oficial de Napoleão Bonaparte, que serviu durante duas décadas ao serviço do vice-rei do Egito, Mehmet Ali. Consta que o militar francês ajudou a fundar em Giza uma escola de cavalaria e tornou-se general do exército egípcio. Ao retornar a França em 1857, o já veterano Bey se estabeleceu na região de Rueil-Malmaison, trazendo Iset Ta como uma lembrança de sua longa estadia no antigo país dos Faraós. Em seguida, seus herdeiros, sem saber o que fazer com lembrança tão excêntrica tentaram se livrar dela.

ng2930184

Agora cabe ao Centro de Pesquisa e Restauração dos Museus da França (C2RMF ) baseados em Versalhes, a restauração da múmia. A restauração da tem um custo de 15.450 euros, a maior parte suportada pelo governo (9.000 euros). O restante montante deverá ser financiado pela população, impulsionada pela Fundação do Patrimônio da França, através da internet, quando a história ficou conhecida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s