40 ANOS DO TRÁGICO INCÊNDIO DO EDIFÍCIO JOELMA

Edifício Joelma após a tragédia - Fonte - http://www.saopauloantiga.com.br/
Edifício Joelma após a tragédia – Fonte – http://www.saopauloantiga.com.br/

Era uma manhã sexta-feira, 1 de fevereiro de 1974, com chuva fina, que aconteceu a tragédia do Edifício Joelma. Este ficava localizado no nº 225 da Avenida Nove de Julho, Praça da Bandeira, região Central da cidade de São Paulo, cuja população assistiu, horrorizada, seu pior incêndio.

Tudo ficou impresso de maneira intensa, em um momento da história que marcou a capital paulista. O alastramento do fogo, o pânico dos que não conseguiam sair, os atos de heroísmo, a calma que salvou vidas, o intenso trabalho dos bombeiros que combateram as chamas e realizaram salvamentos por mais de dez horas. Entre os milhares de curiosos que lotavam as ruas do centro, muitos solidários, paravam para rezar pelos que estavam no Joelma, alguns traziam cartazes pedindo calma aos que estavam no prédio e pedindo para não saltarem. 

Fonte - http://www.saopauloantiga.com.br/
Fonte – http://www.saopauloantiga.com.br/

Ficaram marcantes as cenas de pessoas que se atiravam ao solo para fugir do fogo. Em uma época onde na cidade de Natal não havia shopping centers, os cinemas Nordeste e Rio Grande, com seus filmes infantis, era uma grande pedida para um final de período de férias. Pessoalmente ainda me recordo, mesmo sendo na época um garoto de sete anos, destas cenas sendo erradamente passadas no extinto “Canal 100”, antes dos filmes que assistia na companhia da minha mãe e a minha irmã.  

O edifício Joelma era um empreendimento novo, inaugurado em 1971, tinha vinte e cinco andares. O subsolo e o térreo eram destinados à guarda de registros e documentos; entre o 1° e o 10° andares, ficavam os estacionamentos e, do 11° ao 25°, as salas de escritórios. O expediente já havia começado para os funcionários do Banco Crefisul de Investimentos, que ocupava os 25 andares do prédio.

Fonte - http://www.saopauloantiga.com.br/
Fonte – http://www.saopauloantiga.com.br/

Consta que algumas pessoas testemunharam que por volta das 8h30min, ao passarem pelas calçadas da Avenida Nove de Julho e da Praça da Bandeira, notaram sinais de fumaça que saia das janelas do edifício Joelma. A perícia apontou que por volta das 08h50min um funcionário ouviu um ruído de vidros sendo quebrados, proveniente de um dos escritórios do 12º andar. Foi até lá para verificar e constatou que um aparelho de ar condicionado estava queimando. Em seguida foi correndo até o quadro de luz daquele piso para desligar a energia, mas ao voltar encontrou fogo seguindo pela fiação exposta ao longo da parede. O funcionário correu para apanhar o extintor portátil, mas ao chegar não conseguiu mais adentrar a sala, devido à intensa fumaça. As cortinas se incendiaram rapidamente e o incêndio começou a se propagar pelas placas inflamáveis do forro. Então ele subiu as escadas até o 13º andar, alertou os ocupantes e ao tentar voltar ao 12º pavimento, encontrou densa fumaça e muito calor. A partir daí o incêndio, sem controle algum, tomou todo o prédio. As salas e escritórios no Joelma eram divididos por paredes divisórias de compensado, muitos móveis de madeira, pisos de carpete, cortinas de tecidos e forros internos de fibra sintética, condição que muito contribuiu para o alastramento incontrolável das chamas.

Em meia hora, as chamas tomaram conta de quatro andares. A alta temperatura e a fumaça tornaram impossível a circulação pelas escadas do edifício. Logo, o pânico e a histeria tomou conta das pessoas. Contrariando as recomendações, alguns se arriscaram e se salvaram usando os elevadores, já que o prédio não possuía escadas de incêndio. Foram feitas várias viagens com os elevadores enquanto o oxigênio permitiu, salvando dessa forma muitas pessoas. Uma ascensorista, na tentativa de salvar mais vidas, prosseguiu, mas como a fumaça havia piorado, ficou sem oxigênio e acabou falecendo no 20º andar. Os elevadores foram utilizados até a parada completa do sistema elétrico.

Helicóptero UH-1H da FAB na cena da tragédia do Joelma - Fonte - www.saopauloantiga.com.br
Helicóptero UH-1H da FAB na cena da tragédia do Joelma – Fonte – http://www.saopauloantiga.com.br

Com a lembrança ainda viva do incêndio do Edifício Andraus, ocorrido em 24 de fevereiro de 1972 na cidade de São Paulo, quando muitos foram salvos pela ação de helicópteros, algumas pessoas no Edifício Joelma tentaram subir até o topo do prédio. Helicópteros foram acionados para auxiliar no salvamento, mas não conseguiram pousar no teto do edifício, pois este não era provido de heliporto.

Os bombeiros, muitos deles sem equipamentos básicos de segurança, como máscaras de oxigênio, decidiram entrar no prédio para o resgate, tentando alcançar aqueles que haviam conseguido chegar ao topo do edifício. Foram apenas parcialmente bem sucedidos; a fumaça e as chamas já haviam vitimado dezenas de pessoas. Alguns sobreviventes, movidos pelo desespero, começaram a se atirar do edifício, gerando imagens terríveis e impressionantes. Nenhum sobreviveu. 

Salto para a morte no Joelma - Fonte - terror-sobrenatural.blogspot.com
Salto para a morte no Joelma – Fonte – terror-sobrenatural.blogspot.com

No caso do Joelma um conjunto de fatores tornou as condições ainda mais desesperadoras, os hidrantes do prédio não funcionavam, as mangueiras dos carros dos bombeiros não tinham pressão suficiente para alcançar todos os andares. 

Por volta de 10h30min da manhã o fogo já havia consumido praticamente todo o material inflamável no prédio. O incêndio foi finalmente debelado com a ajuda de 12 auto bombas, 3 auto escadas, 2 plataformas elevatórias e o apoio de dezenas de veículos de resgate. Às 13h30min, todos os sobreviventes haviam sido resgatados. Dos aproximadamente 756 ocupantes do edifício, 191 morreram e mais de 300 ficaram feridos. A grande maioria das vítimas era formada por funcionários do Banco Crefisul de Investimentos.

O laudo pericial do Instituto de Polícia Técnica sobre o incêndio foi concluído em março de 1974,  reabrindo o debate sobre a revisão do Código de Obras de São Paulo. Em vigor desde 1934, um tempo em que a cidade tinha 700.000 habitantes, prédios de poucos andares e não havia a quantidade de aparelhos elétricos da década de 1970. Este código nunca havia passado por um exame que o adequasse às novas condições da cidade e melhorasse seu sistema de prevenção e combate a incêndios.

Fonte - www.estadao.com.br
Fonte – http://www.estadao.com.br

A investigação sobre as causas da tragédia, concluída e encaminhada à justiça em julho de 1974, apontava a Crefisul e a Termoclima, empresa responsável pela manutenção elétrica, como principais responsáveis pelo incêndio. Afirmava que o sistema elétrico do Joelma era precário e estava sobrecarregado. O resultado do julgamento foi divulgado em 30 de abril de 1975: Kiril Petrov, gerente-administrativo da Crefisul, foi condenado a três anos de prisão. Walfrid Georg, proprietário da Termoclima, seu funcionário, o eletricista Gilberto Araújo Nepomuceno e os eletricistas da Crefisul, Sebastião da Silva Filho e Alvino Fernandes Martins, receberam condenações de dois anos. Não sei se estas pessoas cumpriram suas penas.

Ocorreram muitas tragédias entre no meio da grande tragédia. Uma das que mais impressionou foi a morte de treze pessoas que tentaram escapar por um elevador, não conseguindo, e morrendo carbonizadas em seu interior. Devido ao estado dos cadáveres ninguém foi identificado, pois naquela época ainda não existia a análise de DNA, sendo então enterrados lado a lado no Cemitério São Pedro, localizado na Av. Francisco Falconi, 837, Vila Alpina e deram origem ao mistério das Treze Almas.

Placas e Cartazes com Agradecimentos pelas Graças Alcançadas junto aos Túmulos das "Treze Almas" no Cemitério São Pedro - Fonte - http://www.alemdaimaginacao.com/
Placas e Cartazes com Agradecimentos pelas Graças Alcançadas junto aos Túmulos das “Treze Almas” no Cemitério São Pedro – Fonte – http://www.alemdaimaginacao.com/

Esta situação gerou um caso de religiosidade popular, muito conhecido em São Paulo, pois a estes treze corpos são atribuídos milagres, ficando conhecidas como as treze almas não identificadas. Ao longo dos anos as sepulturas sem nomes atraem centenas de curiosos. Ao lado das sepulturas, foi construída a “Capela das Treze Almas”, onde diariamente muitos visitantes fazem suas preces agradecendo à Deus pelas graças alcançadas e também fazendo seus pedidos.

Após o incêndio, o prédio ficou interditado para obras por quatro anos. Com o fim das reformas, em outubro de 1978, foi rebatizado de Edifício Praça da Bandeira.

O antigo Joelma nos dias atuais - Fonte - Wikipedia
O antigo Joelma nos dias atuais – Fonte – Wikipedia

Com o tempo surgiram rumores estranhos envolvendo o Edifício Joelma e uma estranhíssima coincidência.

Funcionários revelam já terem presenciado aparições de espíritos, ouvido gritos e vozes, além de terem visto fenômenos estranhos como faróis de carros vazios acenderem e apagarem. A fama de que o local seria mal-assombrado aumentou ainda mais após a divulgação de que o terreno teria sido palco de assassinatos, no acontecimento trágico o qual ficou conhecido como “Crime do Poço”.

Casa original onde ocorreu o terrível "Crime do Poço" - Fonte - http://www.alemdaimaginacao.com/
Casa original onde ocorreu o terrível “Crime do Poço” – Fonte – http://www.alemdaimaginacao.com/

Consta que no ano de 1948, o professor de química orgânica da USP – Universidade de São Paulo, Paulo Ferreira de Camargo, de 26 anos, morava junto com a mãe Benedita e as irmãs Cordélia e Maria Antonieta em uma casa no centro da cidade de São Paulo. No dia 4 de novembro Camargo assassinou a tiros a sua mãe e as duas irmãs e enterrou os corpos em um poço que mandara construir dias antes no quintal da casa em que moravam. O estranho desaparecimento das três mulheres o levou a ser o principal suspeito do triplo homicídio. No momento em que a polícia começou a escavar o poço, Paulo pediu para ir ao banheiro da casa. Ele então se suicidou com um tiro no coração. O crime abalou a população de São Paulo e ficou conhecido como “O Crime do Poço. O lugar ganhou então a fama de mal-assombrado. Por isso, a numeração da rua foi modificada quando vinte e seis anos mais tarde, no lugar da casa, foi construído o Edifício Joelma.

Fontes –http://www.alemdaimaginacao.com/Noticias/Os%20Misterios%20do%20Joelma.html

http://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,fogo-no-joelma-40-anos-da-tragedia-que-marcou-sp,9669,0.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Edif%C3%ADcio_Joelma

Anúncios

5 opiniões sobre “40 ANOS DO TRÁGICO INCÊNDIO DO EDIFÍCIO JOELMA”

  1. Muito bom o blog, fui funcionario do Crefisul logo no inicio, quando ainda era no 19 andar do Edifício Itália, ombanco cresceu muito rápido,Quando mudaram p,o Joelma, eu já tinha saído,, mas morreram muitos amigos, infelizmente. Se precisar de detalhes é só contatar.abs. Emanoel Delfino

    Curtir

    1. Delfino,
      Obrigado pela sua mensagem.
      Aquilo foi uma tragédia terrível. Ao relembrar aquele episódio, apenas busquei indiretamente relembrar as pessoas que isso pode acontecer de novo se as medidas corretas não forem efetivadas nos milhares de edifícios que temos no país.
      Um abraço.
      Rostand

      Curtir

  2. procure informações, sobre quais medida foram tomadas nesses 4 anos de reforma, para o edifício se tornar um dos mais seguro de SP se no projeto inicial foram apontados varias falhas.sou estudante de TST.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s