NO TEMPO EM QUE A PALAVRA VALIA MAIS QUE UMA ASSINATURA – A HISTÓRIA DO MILITAR QUE VOLTOU PARA O CAMPO DE PRISIONEIROS NA ALEMANHA, DEPOIS DE VISITAR A MÃE NO SEU LEITO DE MORTE NA INGLATERRA

Robert-Campbell
O capitão do Exército Britânico Robert C. Campbell – Fonte – http://blogs.canoe.com/parker/tag/robert-campbell/

Autor – Rostand Medeiros 

Historiadores apontam que foi na Primeira Guerra Mundial que se registrou de maneira inédita o extremo uso da mecanização dos armamentos. Neste trágico momento da história mundial, os novos e sofisticados aparatos bélicos criaram inéditas condições de combate, que resultaram em um exponencial aumento no número de mortos.

Entretanto, em meio a este verdadeiro e frio “moedor de carne humana” que se tornou aquele conflito, autores sugerem que ali foram testemunhados pela última vez, com maior expressividade nas histórias dos conflitos bélicos da humanidade, exemplos ligados a certos aspectos de compromissos de honra, condutas positivas, gestos de fidalguia e alguma humanidade entre combatentes adversários.

First-World-War_2703919b
Primeira Guerra Mundial – Fonte – http://www.telegraph.co.uk/history/world-war-one/10382727/BBC-announces-2500-hours-of-First-World-War-programmes.html

A história a seguir seria um destes exemplos.

De Combatente a Prisioneiro 

O capitão do Exército Britânico Robert C. Campbell estava lotado no 1º Batalhão do East Surrey Regiment quando teve início o conflito na Europa. Ele desembarcou no porto de La Havre, na França, e seguiu para uma posição perto do Canal Mons-Condé, no noroeste daquele país, perto da fronteira franco-belga e se envolveu em uma série de combates que ficou conhecido como Batalha das Fronteiras.

A unidade militar de Campbell estava defendendo o flanco esquerdo do exército francês contra os alemães que avançavam, quando a sua tropa foi atacada em 23 de agosto de 1914. Durante este combate o jovem capitão de 29 anos foi atingido por estilhaços de artilharia, tendo ficado com um braço quebrado e sido gravemente ferido na cabeça. Na sequência foi capturado.

article-2410059-1B99B042000005DC-96_634x402
Reprodução de combate na Batalha das Fronteiras – Fonte – https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_military_engagements_of_World_War_I

Campbell foi transferido para um hospital militar na cidade de Colônia, onde foi tratado dos seus ferimentos antes de ser enviado para o campo de prisioneiros de guerra em Magdeburg, na Saxónia, Alemanha, onde ficou detido com cerca de 900 outros oficiais britânicos e franceses.

Com o passar dos meses, apesar das cicatrizes e algumas sequelas no braço, Campbell se recuperou e seguia suportando o tédio, a privação e o abuso no cativeiro. Tudo isso era aliviado com a chegada de cartas e encomendas vindas de casa.

images008 [1600x1200] KENT MEN [1600x1200].jpg.opt221x342o0,0s221x342
Durante a Primeira Grande Guerra, cerca de 170.000 britânicos foram feitos prisioneiros pelos alemães. Um cartão posta, ou uma carta era geralmente a única ligação entre o prisioneiro e sua família em casa – Fonte – http://www.worldwar1postcards.com/ww1-prisoners-of-war-postcards.php
Era uma verdadeira tábua de salvação tornada possível graças aos esforços heroicos e incansáveis do Comitê Internacional da Cruz Vermelha. 

Algo Quase Fictício 

Mas em 1916, Campbell recebeu uma carta com uma triste notícia: sua tia Gladys lhe escreveu informando que a sua mãe Louise estava com câncer e tinha muito pouco tempo de vida.

O capitão inglês estava longe de sua casa e de sua amada mãe, mas decidiu realizar uma desesperada tentativa para tornar possível uma visita, hoje vista como algo quase fictício: Campbell decidiu escrever uma carta para o Kaiser Wilhelm II, o então Imperador alemão e Rei da Prússia, pedindo-lhe por motivos humanitários uma permissão especial para ir a Inglaterra visitar sua mãe pela última vez e lhe dizer adeus.

Kaiser Wilhelm II.
Kaiser Wilhelm II – Fonte – Verlag von Gust. Liersch & Co. Berlin S.W.

O comandante do campo de prisioneiros de Magdeburg parece ter sido naquele momento um homem extremamente compreensivo diante da situação, pois ele enviou a carta de Campbell através da cadeia de comando militar do exército germânico, com sua própria recomendação de urgência e emitindo a opinião que deveria ser concedido o pedido de liberdade condicional temporária.

Contrariando quaisquer expectativas de êxito, surpreendentemente o soberano alemão respondeu positivamente à petição, permitindo ao capitão Campbell duas semanas para visitar a sua mãe em Gravesend, no condado de Kent, situado no sudeste da Inglaterra.

7eb0fe5a058497f389823419ba0a3a0e56421c30
Gravesend, condado de Kent, sudeste da Inglaterra – Fonte – http://www.bbc.co.uk

O Kaiser Wilhelm II tinha apenas uma condição: Para ser liberado Campbell deveria dar a sua palavra de cavalheiro e oficial do Exército Britânico que voltaria para o campo de prisioneiros após terminada a visita.

Robert Campbell deu sua palavra ao Imperador.

Um Homem de Palavra

O notável exemplo de honestidade em tempo de guerra foi descoberto pelo historiador inglês Richard Van Emden, como parte de uma pesquisa para o seu livro “Meeting the Enemy: The Human Face of the Great War”, não lançado no Brasil.

pd-Sp-An_20131011133531154112-300x0
Fonte – http://www.bbc.co.uk

Segundo o pesquisador e escritor inglês, a incrível história veio à tona após pesquisar a correspondência entre o Foreign Office, o Ministério das Relações Exteriores britânico, com os seus homólogos alemães. Segundo Van Emden o único vínculo que havia na licença do capitão Campbell era apenas a sua “palavra” como um oficial do exército, pois não foi encontrado a assinatura do militar inglês no acordo em nenhum papel. 

Os Arquivos Nacionais britânicos também contém documentos que mostram o envolvimento da Embaixada dos Estados Unidos na Alemanha para levar a bom termo o acordo entre a as autoridades alemãs e inglesas. Vale ressaltar que os Estados Unidos só entrariam em combate na Primeira Guerra em 1917.

article-0-1B99923D000005DC-841_634x322
Evidência: Uma nota encontrada no Arquivo Nacional Britânico revela quando o capitão Campbell esteve de volta a sua casa para “licença de duas semanas de ausência” – Fonta – http://www.dailymail.co.uk/news/article-2410059/WW1-soldier-Captain-Robert-Campbell-freed-prison-camp-dying-mother-kept-promise-return.html#ixzz4CWVVtXkr

Além dos dias de licença, os alemães concederam ao capitão Campbell dois dias em cada sentido para sua viagem até Gravesend. E assim – em 5 de novembro de 1916 – o inglês seguiu de trem pela Alemanha para a neutra Holanda, onde em Rotterdam atravessou de barco o Canal da Mancha e chegou na casa de sua espantada mãe em 7 de novembro.

Controvérsias

Vale ressaltar que o governo britânico desaprovou completamente aquela liberdade condicional, assim como alguns oficiais servindo na Frente Ocidental e souberam do caso.

article-2410059-1B9990FD000005DC-673_634x499
Esta nota oficial da Embaixada dos Estados Unidos em Londres mostrou o acordo entre Campbell e os alemães foi realizado via os americanos – Fonte – http://www.dailymail.co.uk/news/article-2410059/WW1-soldier-Captain-Robert-Campbell-freed-prison-camp-dying-mother-kept-promise-return.html#ixzz4CWYiZFrw

Para os militares britânicos que lutavam nas trincheiras, a ideia de prometer algo ao Kaiser Wilhelm II era algo que, independente da razão, não merecia ser mantido. Tanto assim que um caso semelhante ao do capitão inglês nunca mais voltou a acontecer. 

O governo britânico soube pela primeira vez da liberdade condicional de Campbell em 6 de novembro, quando ele já estava a caminho de casa, por meio de um telegrama da embaixada americana em Berlim, que retransmitia uma mensagem do governo alemão.

article-2410059-1B99D280000005DC-265_634x455
Tropa: Capitão Campbell estava entre os militares Aliados capturadas logo no início da guerra – Fonte – bhttp://www.dailymail.co.uk/news/article-2410059/WW1-soldier-Captain-Robert-Campbell-freed-prison-camp-dying-mother-kept-promise-return.html#ixzz4CWazGwVj

Enquanto Campbell ainda estava com sua mãe em Gravesend, os alemães, usando novamente os diplomatas americanos como intermediários e citando a liberdade condicional de Campbell, pediram aos britânicos a permissão para organizar a liberdade temporária do prisioneiro de guerra Peter Gastreich, de 25 anos de idade, detido na Ilha de Man, cuja mãe também estava morrendo. Infelizmente o Departamento de Guerra britânico não respondeu com a mesma fidalguia e Gastreich continuou detido.

Para o escritor Richard Van Emden os militares britânicos da época não poderiam reconhecer a liberdade condicional do capitão Campbell como um precedente para tais concessões. Ademais eles não foram consultados antes da licença ter sido concedida a este oficial pelo Governo Alemão e não teriam aceitado tal proposta se ela fosse feita antecipadamente, comentou o pesquisador.

c29a82b2508c6b97e88532ac60d754d6
Mapa do trajeto do prisioneiro inglês – Fonte – http://storage.torontosun.com

Para muitos ingleses na época era quase inacreditável que o capitão Campbell fosse capaz de retornar. Mas a decisão de voltar para Alemanha era uma questão de foro pessoal. Então, fiel à sua promessa ao soberano alemão, Campbell voltou para o campo de prisioneiros em Magdeburg.

Em fevereiro de 1917, quando o capitão inglês ainda estava na prisão, sua mãe faleceu. 

Escapando Novamente e Tocando a Vida 

Mas isso não é o fim da história. 

Consta que muitos dos companheiros de Campbell no campo de prisioneiros de guerra em Magdeburg teriam desprezado seu ato, depois dele haver conseguido um verdadeiro golpe de sorte para sair da miséria que eles ainda eram obrigados a suportar.

POW BORDER x.jpg.opt880x551o0,0s880x551
Um cartão fotográfico real dos prisioneiros britânicos que chegam em um acampamento alemão sem nome – Fonte – http://www.worldwar1postcards.com/ww1-prisoners-of-war-postcards.php

Aparentemente, como uma espécie de compensação pela sua atitude, além de obedecer ao preceito que os prisioneiros de guerra são obrigados a tentar escapar de seus inimigos para ocupar o máximo de seus recursos humanos, Campbell imediatamente começou a trabalhar em uma fuga.

Pelos próximos nove meses este militar e outros prisioneiros cavaram um túnel para fora do campo e conseguiram escapar. De acordo com o autor Van Emden, Campbell foi recapturado perto da fronteira holandesa e voltou para Magdeburg, onde passou um ano em cativeiro antes do fim da guerra.

The_Royal_Observer_Corps,_1939-1945._CH8215
Na foto vemos um posto de observação do Royal Observer Corps (ROC) durante a Segunda Guerra Mundial, igual aos que o capitão Robert Campbell comandava na Ilha de Wight. Na foto em um posto do ROC, vemos a esquerda, usando um telefone de peito, P.C. “Lofty” Austin, um ex-representante comercial e ex-jogador de futebol do Tottenham Hotspur, que relata aos seus superiores as informações coletadas por seu colega C.E. “Smudge” Smith, que trabalha em um instrumento de plotagem em Kings Langley, Hertfordshire, Inglaterra Fonte – https://en.wikipedia.org/wiki/Dowding_system#/media/File:The_Royal_Observer_Corps,_1939-1945._CH8215.jpg

Campbell esteve no Exército Britânico até 1925, depois se mudou para a Ilha de Wight, no Canal Inglês. Quando a Segunda Guerra Mundial eclodiu em 1939 ele se realistou e serviu como observador-chefe do Royal Observer Corps na região onde morava. Seu trabalho era observar, registrar e informar a passagem das formações de aviões de combate da Luftwaffe que se dirigiam para a Inglaterra.

O capitão Robert C. Campbell morreu na Ilha de Wight aos 81 anos, em 1966, 50 anos depois da promessa feita ao Kaiser Wilhelm II.

Muitas pessoas podem ver esta história como sendo um exemplo nobre e galante de “convivência positiva” entre beligerantes. Mas é possível que outros observem de uma forma totalmente diferente. 

Certamente a história do capitão do Exército Britânico Robert Campbell é um reflexo delirante de certas atitudes pré-guerra e códigos de conduta que, em 1916, já tinham sido pisoteados na lama das trincheiras, massacrados na terra de ninguém e envenenados por nuvens de gás mostarda.

Bem como também não havia neste caso nenhuma qualidade redentora no ato do Kaiser Wilhelm II. Provavelmente foi apenas mais um capricho autoindulgente de um homem mimado, emocionalmente instável e impetuoso. 

Quanto a Robert Campbell eu fiquei feliz ao descobrir que ele conseguiu ver sua mãe antes de morrer. Era importante para ele e para ela.  

FONTES –

http://historiasdelahistoria.com/2016/06/10/soldado-regreso-al-campo-prisioneros-tras-visitar-madre-moribunda-la-gran-guerra

http://www.kentonline.co.uk/gravesend/news/an-officers-promise-to-the-5506/

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2410059/WW1-soldier-Captain-Robert-Campbell-freed-prison-camp-dying-mother-kept-promise-return.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_das_Fronteiras

Anúncios

2 opiniões sobre “NO TEMPO EM QUE A PALAVRA VALIA MAIS QUE UMA ASSINATURA – A HISTÓRIA DO MILITAR QUE VOLTOU PARA O CAMPO DE PRISIONEIROS NA ALEMANHA, DEPOIS DE VISITAR A MÃE NO SEU LEITO DE MORTE NA INGLATERRA”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s