AFUNDAMENTO DO LUSITÂNIA – 100 ANOS DE MISTÉRIO

O Lusitânia, unindo pelo mar a Grã-Bretanha e os Estados Unidos
O Lusitânia, unindo pelo mar a Grã-Bretanha e os Estados Unidos – CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR

ROSTAND MEDEIROS

Ele era inconfundível com seu enorme tamanho e suas quatro chaminés. Era rápido, luxuoso, confortável, motivo de orgulho dos britânicos e foi considerado supremo na sua categoria; mas afundou em apenas 18 minutos. E não estamos falando do transatlântico Titanic!

Lusitania-40

Esta é a história do transatlântico Lusitânia, que no próximo dia 7 de maio completa 100 anos do afundamento deste monstro de aço de 44.000 toneladas, que guarda enormes semelhanças com a tragédia do Titanic (incluindo compartilhar histórias semelhantes de coragem e covardia de alguns passageiros). Ambos foram considerados como “inafundáveis”, em arrogante e imprudente desafio ao destino e ambos acabaram no fundo do mar, arrastando com eles grande parte de sua tripulação e seus passageiros.

Conspiração? 

Em 15 de abril de 1912, o RMS Titanic afundou algumas horas depois de colidir com um gigantesco iceberg, causando 1.514 mortes, gerando rios de tintas em páginas de jornais e de livros (e muita celuloide) para contar sua história. Já o RMS Lusitânia afundou três anos depois, em 7 de maio de 1915, matando 1.195 pessoas, incluindo 128 passageiros norte-americanos e 121 crianças e bebês que estavam a bordo.

Afundamento do Lusitânia em 7 de maio de 1915
Afundamento do Lusitânia em 7 de maio de 1915

O Lusitânia soçobrou perto da costa sul da Irlanda, depois de ser atingido por um único torpedo disparado do submarino alemão U-20, em um episódio que, de acordo com algumas evidências, pode-se ver o lado negro de uma possível trama orquestrada pelo Almirantado Britânico, ansioso para trazer o relutante povo dos Estados Unidos para entrar no banho de sangue da Primeira Guerra Mundial.

2072834638_extras_albumes_0

Uma das pessoas que suspeitam da existência deste enredo é o escritor Erik Larson, autor do livro “In the Garden of Beasts”, que acaba de lançar na Espanha o livro “Lusitania” (Editora Ariel), uma reconstrução histórica extraordinária e emocionante da última viagem do transatlântico que pertencia a companhia de navegação Cunard Lines, de Liverpool. Larson coloca uma luz sobre a tragédia, trazendo as histórias dos passageiros, sobre quem era William Thomas Turner, o capitão do Lusitânia, a personalidade de Walther Schwieger, comandante do submarino e muito mais.

Lusitania-23

O autor aponta que se não houve uma conspiração neste caso, a ação do Almirantado Britânico foi muito negligente e quase criminosa. As autoridades britânicas não conseguiram (ou não quiseram) proteger o navio. Mas se houve alguma trama em relação ao afundamento do Lusitânia, esta estratégia não funcionou, pois os Estados Unidos só entraram de fato na Primeira Guerra Mundial dois anos após o naufrágio. Inclusive quando o presidente Wooldrow Wilson fez seu famoso discurso ao Congresso americano, pedindo uma declaração de guerra, nem sequer mencionou o caso Lusitânia.

O então Primeiro Lorde do Almirantado, Winston Churchill, seria o vilão oculto da história do afundamento do Lusitânia?

LOcal do afundamento do Lusitânia
Local do afundamento do Lusitânia

Para o autor do livro “-É difícil dizer. Nenhum documento aponta diretamente a culpa para Churchill, ou para o Almirantado”. No entanto, permanece o mistério do porque as autoridades navais britânicas permitiram que o Lusitânia seguisse seu rumo sem escolta (embora destróieres estivessem disponíveis em um porto próximo), sabendo que os alemães estavam com um submarino caçando na área da rota do transatlântico e sem tentar desviar o navio para outra rota mais segura?

A carnificina da Primeira Guerra Mundial só veria a participação americana em 1917.
A carnificina da Primeira Guerra Mundial só veria a participação americana em 1917.

O autor comenta que “-As provas de negligência são irrefutáveis, mas não é uma prova absoluta de alguma conspiração”.

18 Minutos

Sabemos que três meses antes da tragédia os alemães tinham declarado qualquer embarcação como um alvo legítimo e estabelecido um bloqueio com seus submarinos em torno de Grã-Bretanha e Irlanda.

Lusitania-14

Mas o Lusitânia era um belo e magnífico navio, capaz de navegar a 25 nós (50 mph) e deixar para trás, em princípio, qualquer submarino da época que buscasse persegui-lo submerso. Aparentemente esta situação criou um certo excesso de segurança e conforto por parte do seu capitão William Thomas Turner.

Em 17 de abril de 1915, o Lusitânia deixou o porto de Liverpool em sua viagem transatlântica de número 201, chegando a Nova York no dia 24 de abril sem nenhum problema. 

O aviso oficial emitido Pela Embaixada da Alemanha imperial sobre a viagem em Lusitânia .
O aviso oficial emitido Pela Embaixada da Alemanha imperial sobre a viagem em Lusitânia .

Nesta ocasião a Embaixada da Alemanha Imperial decidiu avisar aos passageiros do transatlântico para não navegarem de retorno a Europa naquela nave, diante da possibilidade de afundamento por ataque de um submarino do seu próprio país. Foram colocados anúncios com este aviso em 50 jornais americanos, incluindo os de Nova York. O alerta levou a alguma agitação na imprensa e preocupou os passageiros do navio e a tripulação. Mas o Lusitânia partiu em 1 de maio de 1915, do Pier 54, porto de Nova Iorque. 

Por volta das 13:40 da tarde de 7 de maio de 1915, em meio a um mar liso e com a costa sul da Irlanda à apenas 11 milhas de distância, o Kapitänleutnant Walther Schwieger viu por meio do periscópio do U-20 um grande navio transatlântico de passageiros a vapor que avançava diretamente para seu ponto de disparo.

Lusitania-05

A partir de uma distância estimada em cerca de 700 a 800 metros, Schwieger reconheceu navio como sendo o Lusitânia e disparou um único torpedo. Vários passageiros viram o torpedo deslizar na água, como um letal peixe prateado seguindo para o barco. Houve reações que foram do extremo alarme a total descrença. Este bateu no lado estibordo, quase diretamente abaixo da ponte. Após explosão inicial houve uma segunda e poderosa explosão, possivelmente causada pela concentração de pó de carvão, ou uma explosão de caldeira, ou de munições. Na ocasião o Lusitânia transportava em seus porões 1.250 caixas de granadas de artilharia e 4.200 caixas de munição para fuzis do exército britânico.

O certo é que a segunda explosão foi tão grande que Schwieger ficou surpreso, pois dificilmente um único dos seus torpedos poderia arrastar para o fundo algo das dimensões do Lusitânia.

I0021836-2Alt=002254Lar=001445LargOri=004301AltOri=006708

Todos a bordo do navio atingido foram inevitavelmente afetados, principalmente pela segunda e mais poderosa explosão. De um buraco na lateral do navio, descrita como tendo o tamanho de uma casa, surgiu uma enorme nuvem de fumaça. O Lusitânia estava condenado.

O escritor Erik Larson descreve o caos que foi para os passageiros embarcarem nos botes salva-vidas, muitos dos quais não puderam ser utilizados, enquanto outros, ou por negligência, ou pânico, desceram para o mar descontrolados, vazios, ou sobrecarregadas. As pessoas caiam na água e tentavam nadar para agarrar-se ao que podiam. Ao todo, apenas seis dos 48 botes salva-vidas foram lançados com sucesso.

Lusitania-08

O comandante Schwieger observava a tragédia de maneira privilegiada através do seu periscópio. A cena era tão chocante que ele decidiu sair do local, recusando-se a lançar um segundo torpedo que teria amplificado a carnificina. A sua tripulação, porém, ficou exultante ao saber que tinham afundado o Lusitânia, um símbolo de poder britânico no mar.

Diferentemente do Titanic, no caso do Lusitânia não houve uma orquestra tocando para acalmar a todos até o momento final e o fim foi bem rápido. Depois de 18 minutos do torpedeamento o Lusitânia desapareceu completamente. No ponto onde o orgulhoso navio havia desaparecido ficou para trás um rastro de corpos humanos, incluindo muitos que flutuavam com coletes salva-vidas e pereceram pela hipotermia.

Cartão postal sobre o afundamento do Lusitânia
Cartão postal sobre o afundamento do Lusitânia

Mesmo o afundamento tendo ocorrido de forma tão rápida, sinais de rádio pedindo socorro foram emitidos. Entretanto a ajuda demorou muito para chegar ao local. Vele ressaltar que (e esse é outros dos pontos que apontam para uma conspiração) o cruzador britânico HMS Juno captou a mensagem de socorro e deixou sua ancoragem em Cork Harbour para prestar assistência. Apenas uma hora após partir para o local do naufrágio, o vaso de guerra deu meia-volta para seu porto de origem: o governo britânico informou depois que não queria correr o risco de perder qualquer um de seus navios de guerra.

Dos 1.959 passageiros e tripulantes do Lusitânia sobreviveram apenas 764. Mais de 600 corpos de vítimas jamais foram encontrados.

O Lusitânia navegando na mesma área onde seria afundado em 1915
O Lusitânia navegando na mesma área onde seria afundado em 1915

Segundo o escritor Erik Larson a história dos passageiros é extremamente rica e diversificada, que incluiu desde um médium espírita, uma atriz, o Rei de Champagne francês, um representante da rica família Vanderbilt (que o destino havia sido salvo da morte no Titanic e que morreu afogado no Lusitânia depois de oferecer seu colete salva-vidas para uma mulher) e até mesmo três espiões alemães! Estes últimos viajavam como passageiros clandestinos, mas foram descobertos e trancados em uma cabine (onde morreram miseravelmente).

Uma sobrevivente em estado de choque
Uma sobrevivente em estado de choque

Entre os passageiros que cancelaram a viagem de última hora no Lusitânia (e eles sempre existem nestas tragédias) uma foi Lady Cosmo Duff-Gordon, que sobreviveu ao naufrágio do Titanic.

A tragédia não deixou de ter um fino traço da mais pura ironia britânica; diferentemente dos dias atuais, quando tragédias aéreas geram milionários processos judiciais pelas mortes ocorridas, em 1915 a empresa Cunard concedeu aos sobreviventes da tragédia, “pelo resto de suas vidas”, 25% de desconto em futuras viagens nos navios da empresa.

Artefatos de Guerra

O naufrágio causou um clamor internacional, especialmente na Grã-Bretanha e em todo o Império Britânico, assim como nos Estados Unidos, considerando que 128, de 139, cidadãos norte-americanos a bordo do navio perderam suas vidas.

Lusitania-13

Em 8 de maio um porta-voz alemão, publicou uma declaração na qual o ataque ao Lusitânia “foi realizado porque havia contrabando de artefatos de guerra”, e também porque o navio “foi classificada como um cruzador auxiliar”. Nesta lógica tirana a Alemanha tinha o direito de destruí-lo, independentemente de quaisquer passageiros a bordo. O porta-voz alemão disse ainda que as advertências dadas pela Embaixada da Alemanha antes de sua viagem informavam a existência de “zonas de guerra”, aliviado Alemanha de quaisquer responsabilidades pelas mortes dos cidadãos americanos a bordo. O porta-voz finalizou referindo-se as munições e materiais de guerra declarados no manifesto de carga do Lusitânia e disse que “navios desse tipo” poderiam ser apreendidos e destruídos ao abrigo das regras de Haia.

Lusitania-19

O Lusitânia foi de fato oficialmente listado como um navio de guerra auxiliar. Sua carga tinha incluído material de guerra, que foi abertamente listadas como tal em seu manifesto de carga. No dia seguinte ao naufrágio, o conceituado jornal “The New York Times” publicou detalhes completos de carga militar do navio. Um membro da Cunard Lines, negou a acusação de que ela carregava munições pesadas, mas admitiu que o navio estava carregando apenas “munição de armas de pequeno calibre”. O fato é que o material bélico transportado pelo Lusitânia não foi informado aos passageiros e nem dado conhecimento ao público britânico na época. 

Os britânicos, muito através de sua imprensa, pressionaram os americanos a declararem guerra contra a Alemanha. No entanto, o presidente norte-americano Wooldrow Wilson se recusou a agir.

Pour le Mérite

No inquérito pós-naufrágio o capitão William Thomas Turner recusou-se a responder algumas perguntas alegando “sigilo em tempo de guerra”. Até hoje o governo britânico continua a manter secretos alguns documentos relativos aos últimos dias da viagem, incluindo sobre alguns dos sinais transmitidos entre o Almirantado e o Lusitânia . Os registros que estão disponíveis ao público se encontram muitas vezes faltando páginas que são consideradas pelos pesquisadores como críticas para a solução desta questão.

O homem que afundou o Luzitânia, o  Kapitänleutnant Walther Schwieger - Fonte - www.advanceddivermagazine.com
O homem que afundou o Luzitânia, o Kapitänleutnant Walther Schwieger e sua Blue Max no pescoço – Fonte – http://www.advanceddivermagazine.com

O Kapitänleutnant Walther Schwieger continuou sua carreira como comandante de submarinos e afundou outro transatlântico quatro meses depois da tragédia do Lusitânia. Neste caso a nova vitima foi o britânico RMS Hesperian, que por um toque macabro do acaso transportava um caixão contendo o corpo de um rico passageiro canadense que morreu afogado no afundamento do Lusitânia e a família desejava enterrá-lo em Montreal…

O capitão alemão foi condecorado com a medalha Pour le Mérite, a famoso “Blue Max”, mas não sobreviveu à guerra. Ele e sua tripulação pereceram a bordo do submarino U-88, em 5 de setembro de 1917, quando bateram em uma mina marítima.  Já o famoso U-20, que sob o comando de Schwieger conseguiu afundar 37 navios e danificar dois, acabou sua carreira encalhado na costa dinamarquesa por um erro na bússola e o capitão foi obrigado a destruir parte da nave com explosivos.

Lusitania-17

Para o escritor Erik Larson o que tornam as histórias de barcos tão especiais é porque existe algo muito romântico sobre o mar e os perigos de viajar por todo o oceano. Comenta que “-Essas histórias nos levam de volta a um momento em que viagens deste tipo nunca deixavam de ser uma aventura, com um elevado risco de catástrofe, como no caso do Titanic”. 

Na atualidade o naufrágio do Lusitânia encontra-se tombado para estibordo,em um ângulo de aproximadamente 30 graus, submerso a 91 metros de profundidade, a 11 milhas (18 km) ao sul do farol em Kinsale. 

FONTES – Texto produzido a partir da reportagem realizada pelo jornalista de Jacinto Antón, do jornal espanhol El Pais e disponível em – http://cultura.elpais.com/cultura/2015/04/04/actualidad/1428141723_569128.html

http://en.wikipedia.org/wiki/RMS_Lusitania

FOTOS, SALVO QUANDO INDICAÇÃO EM CONTRÁRIO – http://www.photoship.co.uk/

Anúncios

4 opiniões sobre “AFUNDAMENTO DO LUSITÂNIA – 100 ANOS DE MISTÉRIO”

  1. Prezado Rostand
    A guerra acabou em 8/5/45, na Europa, mas continuou no Oriente. No dia 4/7/45 o Cruzador “Bahia”, fundeado próximo aos Rochedos de São Pedro e São Paulo – servindo de base para os aviões americanos que vinham da Europa – explodiu. Em 5 minutos, de uma tripulação de 382 homens, 346 morreram. O fato foi atribuído a “incidente de tiro”. No entanto, reputo o naufrágio ao submarino alemão U-530. Sou autor do livro “O Porto Distante”, sobre jovens marinheiros na guerra, culminando com a tragédia. No livro explico porque os americanos encobriram esse crime.
    Perguntem a qualquer jovem o que foi o “Titanic” e ele comentará. No entanto, ninguém sabe do nosso “Titanic”.
    O livro está a disposição através do e-mail paivap50@gmail.com
    Um abraço
    Paulo

    Curtir

  2. O lusitania era inmenso como ele afundou tao rapido assim.sera que foi porque as maquinas continuarao ligadas fazendo o navio continua navegando e afundando au mesmo tenpo?

    Curtir

    1. Pelo q li em outro site, sim, estava ligada e o navio estava totalmente desgovernado. Não houve tempo para medidas de contenção como teve no Titanic, adorar desde ter navegado um certo tanto ainda.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s