SANGUE E DOR NO SERIDÓ – O RADICALISMO POLÍTICO NAS ELEIÇÕES POTIGUARES DE 1934

 

9-12-1934
Diário de Notícias – Rio de Janeiro – 9 de dezembro de 1934

Autor – Rostand Medeiros

É inegável que todo a política brasileira mudou com a revolução deflagrada em 7 de outubro de 1930 e no Rio Grande do Norte não foi diferente.

Na época o governador potiguar era Juvenal Lamartine de Faria e, poucos dias depois da eclosão da conhecida “Revolução de 30”, ele foi deposto por uma junta formada por militares do Exército em Natal e seguiu para o exílio na França. Outros políticos partiram rumo ao Rio de Janeiro e outros permaneceram por terras potiguares. Mas para sobreviver na nova arena política, estes últimos procuraram se integrar à nova ordem vigente[1].

ALDO (101) - Copy
Juvenal Lamartine de Faria em 1935 – Fonte – Rostand Medeiros

A mesma junta militar que depôs Juvenal Lamartine empossou no cargo de interventor federal no Rio Grande do Norte o advogado paraibano Irineu Joffily[2]. A posse de Joffily deu início a um período de reorganização política, em meio a uma extrema desorganização administrativa e desconfianças com o fato do advogado ser oriundo de outro estado[3].

Como resultado Joffily ficou pouco mais de três meses respondendo pelo executivo potiguar. A ele seguiu-se três militares que ocuparam a interventoria. Estes foram Aluísio de Andrade Moura (primeiro tenente do Exército, que ficou no cargo de 29 de janeiro a 31 de julho de 1931), Hercolino Cascardo (capitão tenente da Marinha, de 31 de julho de 1931 a 11 de julho de 1932) e Bertino Dutra da Silva (também capitão tenente da Marinha, que governou de 1 de junho de 1932 a 2 de agosto de 1933). Todos estes militares de carreira tiveram uma fraca atuação a frente do executivo potiguar, o que só contribuiu para a descontinuidade administrativa e a instabilidade política local.

IMG_20150819_190954035_HDR
O advogado paraibano Irineu Joffily 

Enquanto isso, em face da crise econômica que existia no Brasil e dos conflitos internos dentro do governo Vargas, a situação política nacional deteriorou-se. Muitos dos revolucionários de 1930 estavam insatisfeitos com a falta de reformas sociais abrangentes, grandes latifundiários do café e industriais paulistas ficaram inconformados com a perda de poder e outros grupos políticos exigiram eleições. Como consequência destas situações, no dia 9 de julho de 1932 eclodiu em São Paulo a chamada Revolução Constitucionalista.

Após 87 dias de combate, com a morte de cerca de 2.200 pessoas, este movimento revolucionário foi derrotado pelo governo federal, mas conseguiu forçar Vargas a convocar uma Assembleia Nacional Constituinte. As eleições para formar a composição desta assembleia foram realizadas no dia 3 de maio de 1933 e esta foi oficialmente instalada em 15 de novembro do mesmo ano[4].

Preparação do Palco

Ainda em janeiro de 1933, diante das possibilidades políticas que surgiram no cenário local, o ex-governador (período de 1924-1927) e ex-senador potiguar (1928-1930) José Augusto Bezerra de Medeiros, fundou o Partido Popular do Rio Grande do Norte, cujos participantes ficaram conhecidos como “Populistas”[5].

ALDO (101)
José Augusto Bezerra de Medeiros – Fonte – Rostand Medeiros

A criação desta agremiação política tinha a intenção de reunir as lideranças políticas do velho Partido Republicano Federal (PRF), os chamados “Perrepistas”, ou “Perrés”, que eram os participantes do sistema político destroçado em 1930.

Com a movimentação dos opositores para a criação do Partido Popular, diante da clara inaptidão dos interventores militares no executivo potiguar e da grande turbulência política existente, Getúlio Vargas decidiu colocar no comando do Governo do Rio Grande do Norte um filho da terra e civil.

Em 2 de agosto de 1933 tomava posse como novo interventor federal o advogado Mário Leopoldo Pereira da Câmara. Este era de Natal, tinha então 41 anos, era alto funcionário do Ministério da Fazenda, estando em 1933 na função de oficial de gabinete do Presidente Getúlio Vargas. Além de tudo isso Mário Câmara era considerado uma pessoa de confiança de Getúlio. Ele tinha raízes familiares tradicionais no Rio Grande do Norte e era visto pela elite local como o típico exemplo de um jovem “de boa família” que havia seguido para o Rio de Janeiro e tinha conseguido vencer na então Capital Federal.

25-10-1935
Mário Leopoldo Pereira da Câmara em outubro de 1935 – Fonte – Rostand Medeiros

Em um primeiro momento a sua nomeação como interventor foi muito bem recebida pela matreira e tradicional classe política potiguar. O Presidente Vargas tencionava com a indicação de Mário Câmara aproximar-se do grupo liderado por José Augusto, buscando garantir o controle da política do Rio Grande do Norte pelo governo revolucionário e preparando o terreno para a vitória dos governistas nas eleições para a Assembleia Estadual Constituinte, que seria realizada em 14 de outubro de 1934. Nesta ocasião os eleitores potiguares escolheriam seus representantes, os quais caberiam definir o futuro governador.

Mas os políticos tradicionais rejeitaram essa aproximação, pois temiam uma subordinação do Partido Popular ao controle de Mário Câmara. O fracasso do acordo entre populistas e o interventor levaram as duas forças políticas a disputarem a eleição de 1934[6].

cafe-filho-brescola
João Café Filho

Naquele pleito Mário Câmara concorreu pelo Partido Social Democrático do Rio Grande do Norte (PSD), fundado em 26 de junho de 1934, que se aliou ao Partido Social Nacionalista do Rio Grande do Norte (PSN), liderado por João Café Filho, constituindo assim a Aliança Social. Seu grupo político ficou conhecido popularmente como “Maristas”, por serem seguidores de Mário Câmara.

Já o candidato escolhido pelos membros do Partido Popular foi o médico Rafael Fernandes Gurjão. Nascido em 1891 na cidade de Pau dos Ferros, era ex-deputado federal e estadual e principal líder da política mossoroense naquela época[7].

Esse confronto entre “Populistas” e “Maristas” se caracterizou pela participação dos atores como ferrenhos adversários, o que gerou um extremo radicalismo e alto grau de violência.

9-5-34
Nota sobre o falecimento do coronel Francisco Pinto em Apodi, publicado no jornal natalense “A República”, edição de 9 de maio de 1934, página 4.

Para o leitor ter uma ideia da situação conflitante, em maio de 1934, seis meses antes da eleição, era assassinado na cidade de Apodi o coronel Francisco Ferreira Pinto, principal chefe oposicionista daquela cidade[8].

Ganhar de Qualquer Forma

Mário Câmara utilizou a máquina estatal para impor medidas visando ganhar as eleições de 1934, muitas delas totalmente arbitrárias.

Foram criados 32 cartórios eleitorais e nomeados pessoas da confiança do interventor para administrá-los. Houve o aparelhamento do Tribunal de Justiça do Estado, com a nomeação de dois novos desembargadores.

DSC09089
Notícia sobre o tiroteio em Parelhas

Já na área de segurança pública o interventor substituiu o tenente do Exército Ney Peixoto, comandante da Polícia Militar, por este ter vínculos com o Partido Popular. Por esta mesma razão foram substituídos muitos delegados em várias cidades do interior e oficiais militares acabaram remanejados para vários pontos do estado. Outra ação nesta área foi o recrutamento de grande número de homens para a Polícia Militar, muitos destes vindos de fora do Rio Grande do Norte[9].

I0019976-3Alt=005378Lar=004177LargOri=005569AltOri=007170
Outra nota em jornal carioca sobre o tiroteio em Parelhas

Com o início dos comícios e caravanas pelo interior do estado o clima político ficou cada vez mais agitado e ocorreram cenas de violência em diversos municípios[10].

Em 13 de agosto, quando era realizado um comício do Partido Popular na cidade seridoense de Parelhas, houve discussões entre membros de ambas as facções, resultando em tiroteio com o saldo de um morto e dois feridos.

18-10-1934 (2)
Diário de Notícias – Rio de Janeiro – 18 de outubro de 1934

Enquanto a campanha se desenrolava, em outubro de 1934, José Augusto, envia um documento ao Supremo Tribunal Eleitoral relatando o clima político existente no Rio Grande do Norte, fazendo inúmeras denúncias de irregularidades e solicitando a presença de tropas federais a fim de garantir as eleições. Mas o Supremo Tribunal Eleitoral decidiu que seria a polícia estadual que deveria garantir o pleito. Em contrapartida, para evitar prisões e salvaguardar a integridade física dos membros do Partido Popular, o Supremo Tribunal Eleitoral concedeu um grande número de Habeas corpus para seus candidatos.

No dia 14 de outubro são realizadas as eleições no mesmo clima de tensão que a antecedeu. Os jornais ligados aos partidos publicaram diversas matérias com mútuas e fortes acusações. Tanto o Partido Popular, quanto a Aliança Social, encaminham recursos ao Tribunal Eleitoral denunciando o uso de violência contra os seus respectivos partidários.

18-10-1934 (1)
Diário de Notícias – Rio de Janeiro – 18 de outubro de 1934

Somente um mês e dez dias depois do pleito é divulgado o resultado das eleições, com fragorosa vitória do Partido Popular. Os “Maristas” então partem para o contra ataque e solicitam ao Tribunal Eleitoral a impugnação de várias urnas no interior. Os magistrados acatam e ficou decidido que eleições suplementares seriam realizadas em 39 seções eleitorais, em 23 municípios, no período de 3 a 28 de fevereiro de 1935. Uma verdadeira bagunça!

Diante desse quadro assustador, na virada do ano de 1935 continuaram ocorrendo vários conflitos no interior do Rio Grande do Norte. O Partido Popular novamente requisita tropas federais e desta vez o Tribunal Superior Eleitoral defere o pedido. Tropas do Exército guarnecem Natal, mas não conseguem impedir a violência no interior.

É quando a região do Seridó vai testemunhar violências que marcaram sua história!

Trazendo o Terror

No município de Jardim do Seridó, mais precisamente na fazenda Sombrio, morava o fazendeiro Felinto Elysio de Oliveira Azevedo. Homem muito respeitado na sua região e de família tradicional, sendo bisneto de Antônio de Azevedo Maia, o fundador de Jardim.

FELINTO ELÍSIO DE OLIVEIRA AZEVEDO
O coronel Felinto na juventude – Fonte – http://www.construindoahistoria.com.br/2011_08_01_archive.html

Conhecido por todos como coronel Felinto Elysio, nasceu em 29 de novembro de 1852 e estava na política desde os 18 anos, quando o Brasil ainda era um Império. Neste período assumiu o comando do Partido Conservador e foi eleito deputado provincial por duas legislaturas. Em 1889, após a Proclamação da República, foi deputado estadual por sete vezes, presidiu a Assembleia Legislativa e por duas vezes governou interinamente o Rio Grande do Norte. Felinto Elysio era, naquele início do ano de 1935, incontestavelmente a principal liderança política de Jardim do Seridó, o principal representante do Partido Popular na sua área e deputado eleito pela Constituinte.

Jardim do Seridó ainda não havia sentido a mão forte do aparato de segurança de Mário Câmara. Afora algumas intimações para comparecimento na delegacia, nada que alterasse a rotina da cidade havia ocorrido. Mas no final da manhã do dia 16 de janeiro de 1935, uma volante policial passou por Jardim em um caminhão e seguiu para o Sombrio, cerca de 18 quilômetros de distância. Consta que a guarnição era comandada pelo tenente Oscar Matheus Rangel, junto com o sargento Milton Campos, cabo Manoel Feitosa e outros doze soldados. Existe a informação que Felinto Elysio já sabia da vinda desta força, mas continuou nas suas atividades normalmente.

FELINTO ELÍSIO DE OLIVEIRA AZEVEDO 2
Felinto Elysio na época dos acontecimentos – Fonte – http://www.construindoahistoria.com.br/2011_08_01_archive.html

Após os militares passarem pela porteira da propriedade, aberta por um soldado, estes seguem para casa grande. Ao se encontrarem com o idoso fazendeiro, eles pedem armas agindo agressivamente e o coronel Felinto nega possuir algum arsenal. Naquele momento, de forma violenta e covarde, o idoso é empurrado e jogado ao chão. Na sequência o respeitado fazendeiro é praticamente arrastado para uma casa onde existia uma máquina a vapor e ali é sumariamente surrado com a parte lateral da lâmina de um facão de cortar capim e terríveis golpes de virola[11].

O drama só cresceu quando uma filha de Felinto, portadora de distúrbios mentais, diante do que faziam com seu pai começou a dar um ataque após o outro e tentou agredir os militares. O pai, impotente, ficou desesperado!

FAZENDA SOMBRIO
Fazenda Sombrio, palco dos tristes episódios – Fonte – O coronel Felinto na juventude – Fonte – http://www.construindoahistoria.com.br/2011_08_01_archive.html

Após largarem o velho fazendeiro em um canto qualquer, este veio praticamente se arrastando e arquejando para sua casa. Enquanto isso os policiais começaram a buscar armas nos cômodos do casarão antigo, onde desarrumaram o quarto do fazendeiro e de sua esposa, Dona Verônica, que, por sorte, não estava na casa e teve várias roupas espalhadas.

Consta que, mesmo depois de tudo que passou, Felinto Elysio ainda mandou fazer um café para a corja fardada. Mas talvez pensando que o café estivesse envenenado no bule, eles recusaram a oferta.

19-2-1935 (3)
Tenente Oscar Matheus Rangel em foto de fevereiro de 1935

Sem encontrar nenhuma arma na propriedade, a malta de celerados fardados deixou o lugar. Mas deixaram aquilo que realmente trouxeram – o terror.

“Não viemos prendê-lo, viemos matá-lo”

Em pouco mais de um mês após o triste episódio na fazenda Sombrio, a crise potiguar, que já era então notícia constante nos jornais, ganha novamente as manchetes.

15-2-1935

Em 13 de fevereiro de 1935, dias antes das eleições suplementares que ocorreriam em Acari, por volta das quatro horas da tarde, na fazenda Ingá, zona rural desta bela cidade seridoense, o engenheiro agrônomo Octávio Lamartine de Faria, filho do ex-governador Juvenal Lamartine, chegou a principal vivenda da propriedade na companhia de um vaqueiro de sobrenome Medeiros.

Consta que Octávio Lamartine vinha da propriedade Caiçarinha. Quando saltou do seu cavalo e notou que um caminhão com vários homens se aproximava.

Otávio Lamartine
O engenheiro agrônomo Octávio Lamartine de Faria

Alguns empregados, ao perceberem que os visitantes eram policiais, lhe aconselharam a sair da casa e assim evitar desacatos. Octávio então pediu a sua tia Francisca Dantas que cuidasse de seus três filhos menores[12].

Ele ficou ao lado de sua esposa Maria Dinorah Cavalcanti Lamartine de Faria e foi a ela que o engenheiro agrônomo pediu que fosse buscar uma cópia de um Habeas-corpus preventivo, concedido pela Corte de Apelações, para mostrar aos “homens da lei” que ele poderia ficar livre[13].

DSC00479
Histórica fazenda Ingá, Acari, Rio Grande do Norte – Fonte – aryssonsoares.blogspot.com

Ao invés de fugir, ou de se munir de uma pistola, de um rifle, ou de um fuzil, Octávio Lamartine se muniu de um documento judicial. Consta que ele ainda estava vestido com sua armadura de couro tradicional dos vaqueiros nordestinos e aguardou os policiais no alpendre de sua casa.

O caminhão parou na porteira e de lá desceu uma volante policial sob o comando do mesmo tenente Oscar Rangel que atacou o coronel Felinto em Jardim do Seridó. Este vinha acompanhado dos sargentos José Galdino de Souza, José Albuquerque dos Santos e mais oito soldados[14].

Cópia de DSC01411
Outra foto de Octávio Lamartine

Octávio foi ao encontro destes e lhes disse que estava munido de um documento que o impedia de ser preso. Ao que o tenente Rangel lhe respondeu com frieza e determinação – “Não viemos prendê-lo, viemos matá-lo”.

Consta nos jornais da época que Dona Dinorah implorou que não acabassem com a vida de seu marido. O tenente mandou que os soldados a afastasse e este teria dito de forma autoritária para ela “Viemos somente matar seu marido. Arrede-se![15].

I0022091-3Alt=005103Lar=003955LargOri=005273AltOri=006804
Foto do cadáver de Octávio Lamartine e publicada em jornais do Rio de Janeiro

Aparentemente, mesmo antes de Dona Dinorah ser retirada do local, Rangel atirou com uma pistola “Mauser” contra o agrônomo, que faleceu com um tiro que lhe atingiu o braço e o pescoço. Não consta que Octávio Lamartine afrontou os policiais, ou que tenha pedido misericórdia. Ele simplesmente foi assassinado!

Depois do crime os matadores fardados retornaram ao caminhão, que já tinha feito a manobra para sair daquele local e mantinha o motor em funcionamento. Ao saírem da propriedade Rangel e seus homens explodiram em fortes aplausos e vivas ao governo Mário Câmara. Depois seguiram para Acari, Parelhas e finalmente Caicó, onde estavam aquartelados.

I0026456-3Alt=005180Lar=003603LargOri=004804AltOri=006907
Missa para Octávio Lamartine, ocorrida no Rio de Janeiro e mandada rezar pelo seu primo José Augusto Bezerra de Medeiros.

Aquela morte covarde, numa incursão realizada a pretexto de busca e apreensão de armas, causou uma grande comoção e indignação no Rio Grande do Norte, com forte repercussão na imprensa de todo Brasil e na Assembleia Nacional, no Rio de Janeiro. O corpo do agrônomo Octávio Lamartine foi depois transportado para Natal, onde seu enterro foi acompanhado por uma grande multidão[16].

Foi aberto um inquérito sob o comando do bacharel Ezequias Pegado, mas logo a peça foi acusada de ser tendenciosa a favor de Mário Câmara e seu governo.

I0022863-3Alt=005075Lar=003898LargOri=005198AltOri=006767

O tenente Rangel só seria pronunciado, juntamente com os sargentos Albuquerque e Galdino, em 4 de maio de 1935. Depois o tenente e os dois sargentos foram presos e ficaram aguardando julgamento no quartel da polícia em Natal[17].

Mudanças Políticas

Mas voltando para as questões políticas da época.

O resultado das eleições de fevereiro de 1935 só foi divulgado no início de abril do mesmo ano, quando a Aliança Social elegeu quinze deputados, contra dez do Partido Popular. Mas a decisão ainda precisava ser deliberada pelo Supremo Tribunal Federal no Rio.

18-10-1934

Em meio a muitas denuncias de violência em todo Rio Grande do Norte e diante do grande número de votos anulados, o Supremo só anunciou o resultado no dia 16 de outubro de 1935 e, por unanimidade, foi proclamada a vitória do Partido Popular, que elegeu quatorze deputados estaduais contra onze da Aliança Social, e três (José Augusto, Alberto Roselli e José Ferreira de Souza) dos cinco deputados federais. Com esta maioria, o Partido Popular elegeria o governador e os senadores federais ligados ao seu partido.

Sentindo-se inseguros no estado, ou desejando evitar deserções, os mandatários e deputados eleitos pelo Partido Popular seguiram para a cidade de João Pessoa e “pediram asilo” ao interventor paraibano Argemiro Figueiredo. Ali ficaram até o final de outubro, quando a assembleia potiguar se reuniu em Natal para eleger o futuro governador.

ALDO (82)
O médico Rafael Fernandes Gurjão – Fonte – Rostand Medeiros

Mesmo com tantos problemas Mário Câmara não desistiu. Com o apoio de Café Filho ele lançou a sua candidatura para governador. Mas, diante da derrota que se pronunciava, terminou retirando sua candidatura e lançando o seu primo Elviro Carrilho no seu lugar. Sem maiores surpresas, este foi derrotado por Rafael Fernandes.

Mário Câmara deixou o Rio Grande do Norte, tendo antes transmitido as responsabilidades do executivo potiguar para o coronel Liberato Barroso, do Exército Brasileiro.

Memória Dolorosa que Persistiu

Mas como ao longo de sua história a classe política potiguar pouco se caracterizou pela inteligência, logo após a posse de Rafael Fernandes foi iniciado um forte processo de perseguição política e administrativa, atingindo pesadamente grande número de funcionários públicos de todos os níveis da administração estadual. Foram substituições que atingiram desde os prefeitos, delegados de polícia, aos mais simples funcionários. Estas ações só serviram para acirrar os ânimos, a raiva e a revolta.

Rangel
Da esquerda para direita vemos os sargentos José Galdino de Souza, José Albuquerque dos Santos e o tenente Oscar Matheus Rangel, na época em que eram procurados em todo Brasil.

Uma parte dos demitidos do serviço público se transformou facilmente em conspiradores e insufladores da revolta dos militares descontentes que serviam no 21º Batalhão de Caçadores, então a principal unidade do Exército Brasileiro em terras potiguares. Isso tudo ajudou para que no dia 23 de novembro de 1935, eclodisse a Intentona Comunista em Natal.

O tenente Rangel e os sargentos Albuquerque e Galdino aproveitaram a ocasião e, temporariamente, se tornaram comunistas. Eles estiveram à frente de uma coluna de combate vermelhas que seguiu para o interior do Rio Grande do Norte, mas foi desbaratada por grupos opositores. Logo forças federais entraram em território potiguar e o movimento foi debelado. Apesar de toda repressão o comandante do grupo de policiais espancadores do coronel Felinto e assassino de Octávio Lamartine, simplesmente sumiu com seus dois colegas de farda.

25-5-1943
Captura de Rangel noticiada em um jornal carioca, dia 25 de maio de 1943.

Agora aqueles três fugitivos não estavam somente implicados em assassinato, eles eram também comunistas. Isso significava muitos outros problemas, além de um maior número de policiais caçando-os. Em março de 1936 foi anunciado nos jornais que Rangel, Albuquerque e Galdino estariam no interior de São Paulo, mas eles não foram capturados[18].

Oscar Matheus Rangel só seria preso oito anos depois, em 19 de maio de 1943. Até 1946 os ex-sargentos Galdino e Albuquerque continuavam foragidos[19].

A notícia da surra no velho coronel Felinto Elysio e o assassinato de Octávio Lamartine causaram extremo impacto na região do Seridó e deixaram marcas profundas na memória local.

DSC00471
Placa existente na fazenda Ingá – Fonte – aryssonsoares.blogspot.com

Em 2004 realizei uma pesquisa sobre temas que abrangiam o cangaço e o coronelismo no Seridó, mais precisamente nas áreas rurais das cidades de Carnaúba dos Dantas, Acari e Jardim do Seridó. Na ocasião entrevistei várias pessoas na faixa de 83 a 96 anos, onde a maioria destes havia trabalhado principalmente como pequenos agricultores.

DSC01273-001
José Augusto Bezerra de Medeiros, em sua última visita a região de Acari, visitando o monumento criado em memória de Octávio Lamartine – Fonte – Luiz G. M. Bezerra

Ao conversarmos sobre a história da região, me chamou atenção como a história da surra no coronel Felinto e a morte de Octávio eram recorrentes. Mesmo em 2004, passados 69 anos daqueles episódios, a violência policial praticada contra aqueles homens respeitados ainda impressionava aquelas pessoas simples[20].

NOTAS


 

[1] Seridoense de Serra Negra do Norte, Juvenal Lamartine de Faria foi eleito para governar o Rio Grande do Norte entre os anos de 1928 e 1931. Era considerado um homem culto, estudioso, atualizado, com muita capacidade administrativa. Durante seu governo criou o Aero Clube do Rio Grande do Norte, implantou campos de pouso no interior, abriu estradas, foi pioneiro dos direitos femininos, fazendo aprovar a primeira legislação estadual que concedia o direito de voto à mulher. Seu governo ficou marcado na memória potiguar pelo combate ao banditismo e ao cangaço, mas com tremendos excessos realizados por policiais. Sua personalidade autoritária contribuiu para o crescimento da oposição, principalmente nos redutos locais, sendo seu principal oponente o jornalista e advogado trabalhista João Café Filho. Juvenal Lamartine foi deposto em 5 de outubro de 1930 e permaneceu na Europa até o ano de 1933.

[2] Compunham a junta militar que depôs Juvenal Lamartine os coronéis Luís Tavares Guerreiro, Abelardo Torres da Silva Castro e o tenente-coronel Júlio Perouse Pontes.

[3] Antes de ser interventor no Rio Grande do Norte, Irineu Joffily exercia o cargo de Secretário de Segurança Pública da Paraíba.

[4] Ver http://www.dhnet.org.br/memoria/1935/livros/homero/cap_2_1.htm

[5] José Augusto Bezerra de Medeiros nasceu na Cidade do Príncipe (Caicó) aos 22 de setembro de 1884, sendo seus pais o Prof. Manuel Bezerra de Araújo e D. Cândida Olindina de Medeiros. Bacharelou-se em 1905 em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Recife. Professor de História e Geografia no Ateneu Norte-riograndense em Natal. Juiz de Direito da Comarca de Caicó, de março de 1912 a abril de 1913. Deputado Estadual, Deputado Federal por 05 legislaturas, Governador do Estado, Senador da República por duas vezes. Conquistou e honrou títulos honoríficos de instituições estrangeiras e nacionais. Dirigiu as revistas A Educação (1922 a 1924) e Revista Brasileira de Educação (1929 a 1930). Colaborou como redator em diversos jornais. Intelectual, escreveu várias obras. Dentre elas: Pela Educação Nacional – 1918, A Representação Profissional nas Democracias – 1933, Famílias Seridoenses – 1940, O Sal e o Algodão na Economia Potiguar – 1946, Seridó – 1954 e Amaro Cavalcanti – 1954. Faleceu no Rio de Janeiro no dia 28 de maio de 1971. Fonte – http://jotamaria-oficinamecanica.blogspot.com.br/2010/05/estatua-de.html

[6] Ver http://www.rn.anpuh.org/evento/veeh/ST02/Os%20decaidos%20de%201930%20Jose%20Augusto%20Bezerra%20de%20Medeiros%20e%20a%20reconfiguracao%20politica%20do%20Rio%20Grande%20no%20Norte%20pos-revolucao.pdf

[7] Em 1934 o Rio Grande do Norte tinha alistado quase 48.000 eleitores, que deveriam escolher através do voto direto cinco representantes para a Câmara Federal e vinte e cinco para a Câmara Estadual. Naquela eleição, apesar de não conseguirem êxito, outras duas organizações partidárias concorreram ao pleito. Foi o Partido União Operária Camponesa do Brasil, com representantes do Partido Comunista do Brasil (PCB), e a Ação Integralista Brasileira (AIB). Este último partido possuía seções em diversos estados do país, era de inspiração fascista, nacionalista, anticomunista e tinha como chefe nacional Plínio Salgado. Seu lema era “Deus, Pátria e Família”.

[8] Francisco Ferreira Pinto nasceu na cidade de Apodi, no dia 17 de abril de 1895. Era filho  de Cassimiro Ferreira Pinto e Vicência Gomes de Oliveira. Foi agricultor, comerciante e político. Nesta última atividade chegou a participar da Intendência Municipal, foi deputado estadual e foi o primeiro administrador de Apodi com o título de prefeito em 1928. Foi um político de grande prestígio em toda a região e bastante conhecido no Estado, pelo seu trabalho e dinamismo. Conseguiu importantes melhoramentos para sua terra. Chico Pinto. Por isso, despertou  nos seus adversários em Apodi  os sentimentos de inveja e perseguição, o que motivou a trama de sua morte com o objetivo de ganharem a eleição de 1934 em Apodi e no Estado. No dia 02 de maio daquele ano foi assassinado no seu próprio lar quando se preparava para dormir. Apesar do acontecimento, o Partido Popular ao qual ele pertencia, foi vitorioso em Apodi e no Rio Grande do Norte. O lamentável episódio teve grande repercussão no Rio Grande do Norte. Em frente à Prefeitura Municipal existe uma pequena estátua em homenagem a Francisco Ferreira Pinto. Fonte – http://tudodeapodi.blogspot.com.br/2010/10/biografia-de-chico-pinto.html

[9] Ver ARAÚJO, M. de F. D.; ALVES, J. da S.; ARAÚJO, Q. L. R. de; SILVA, F. M. da e ARAÚJO, S. M. de. As violentas eleições de 14 de outubro de 1934. História do RN n@ WEB [On-line]. Available from World Wide Web: URL: www.seol.com.br/rnnaweb

[10] Ver http://www.dhnet.org.br/memoria/1935/livros/homero/cap_2_1.htm

[11] Esta era um tipo de açoite, normalmente feito de pneus de caminhão, que se tornou o instrumento de tortura preferido para desferir surras homéricas e massacrar os adversários de Mário Câmara. Normalmente estas torturas eram praticadas pela verdadeira súcia de canalhas que vestiu de forma desonrosa a farda da Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte. Mas é importante registrar que a virola como instrumento de tortura em terras potiguares não foi algo criado no governo de Mário Câmara, seu uso era muito anterior.

[12] Octávio Lamartine de Faria tinha 31 anos quando foi assassinado. Nascido em Acari, Rio Grande do Norte, era filho de Juvenal Lamartine de Faria e Silvina Bezerra de Araújo Galvão. Havia se formado pela Escola Agrícola de Lavras, Minas Gerais, e em 1925 fez uma especialização na Universidade de Geórgia, Estados Unidos. Entre 1928 ne 1930 foi Diretor do Serviço de Algodão do Rio Grande do Norte.

[13] Maria Dinorah Cavalcanti Lamartine era filha do Advogado potiguar Francisco Ivo Cavalcanti.

[14] Nesse tempo os sargentos Galdino e Albuquerque eram respectivamente delegados em Parelhas e Acari.

[15] Na década de 1990 eu visitei esta propriedade e tive oportunidade de ver um orifício redondo, com certas dimensões, na porta da casa grande da fazenda Ingá, que segundo as pessoas que moravam no local teria sido provocado pelo projetil que matou Octávio Lamartine.

[16] Ver jornal “Correio da Manhã”, Rio de Janeiro-RJ, edição de terça-feira, 19 de fevereiro de 1935, pág. 2.

[17] Ver jornal “Correio da Manhã”, Rio de Janeiro-RJ, edição de terça-feira, 7 de maio de 1935, pág. 3.

[18] Ver periódico “O Jornal”, Rio de Janeiro-RJ, edição de domingo, 23 de março de 1936, pág. 6.

[19] Existem duas versões para a prisão de Oscar Rangel. Uma é fornecida pelo jornal natalense “A República”, onde soubemos que Rangel se encontrava em Salvador, na Bahia, atuando na Polícia Civil daquele estado como o “Agente Valdemar”. Outra é fornecida pelo periódico carioca “O Jornal”, onde Rangel, igualmente com o nome de Valdemar, era um simples lavrador na localidade de Pirituba, município de Mundo Novo, centro da Bahia, onde mantinha uma vida classificada como “exemplar”. Ambas as versões afirmam que ele não reagiu a sua prisão. Rangel foi condenado a 30 anos de cadeia pelo assassinato de Octávio Lamartine. Ver jornal “A República”, Natal-RN, edição de terça-feira, 1 de junho de 1943, pág. 2 e ver igualmente o periódico “O Jornal”, Rio de Janeiro-RJ, edição de terça-feira, 25 de maio de 1943, pág. 8.

[20] Ver http://www.construindoahistoria.com.br/search/?q=Felinto&x=0&y=0 e Ver – SPINELLI, José Antônio. Getúlio Vargas e a Oligarquia Potiguar: 1930/1935.Natal, EDUFURN, 1996

 

 

Anúncios

8 comentários em “SANGUE E DOR NO SERIDÓ – O RADICALISMO POLÍTICO NAS ELEIÇÕES POTIGUARES DE 1934”

  1. O extraordinário pesquisador e historiador nordestino Rostand Medeiros, mais uma vez, levantou dados importantes do passado do seu estado, o Rio Grande do Norte.
    Certa vez, no interior da Bahia, ouvi contar que o ex-tenente Oscar Rangel, que teria sido preso em Piritiba-BA, e ficado na cadeia de Jacobina-BA, ali havia afirmado, antes de seguir para Salvador-BA, que o assassinato do filho do governador Juvenal Lamartine se deveu a vingança por um fato acontecido contra o irmão do militar, e este, depois de apenado, morreu sem cumprir a sentença, por haver sofrido o rompimento de um aneurisma do arco da artéria aorta.
    Outro acontecimento ocorrido naquela década conturbada de 1930, foi em São Paulo do Potengi-RN, no meio de uma feira local, quando a polícia, predisposta politicamente, procurava desarmar um fazendeiro, filho do pecuarista Paulo (?) Mangabeira, quem estava na barbearia, com metade do rosto ensaboado, quando ouviu disparos e foi informado que o seu primogênito havia sido baleado, e pulou da cadeira, sacou o revólver e enfrentou à bala um sargento, um cabo e dois soldados, que haviam atirado no seu herdeiro, estabelecendo-se um curto tiroteio, no fim do qual estavam mortos o filho e o pai com metade da barba feita, mais o sargento e o cabo… Assim ouvi contar, e gostaria de saber a verdade do fato.

    Curtir

  2. Aproveito este espaço para retificar o nome do fazendeiro no meu comentário acima: ARTHUR MANGABEIRA. Agradeço alguma informação sobre aquele lamentável acontecimento.

    Curtir

    1. Esse crime do Major Arthur Mangabeira e seu filho Gervásio Mangabeira, foi encomendado por lideranças políticas da Família Pereira de São Tomé, seus inimigos políticos.

      Curtir

      1. Prezado Lenilson Dantas,
        Muito agradecido pelo seu interesse em prestar a informação sobre o caso Arthur Mangabeira.
        Atenciosamente, o
        Lamartine Lima

        Curtir

  3. Parabéns pela matéria histórica de há muito escondida nos escaninhos oficiais.

    Em que pese o relato supra, o meu avô contava que Octávio estava com sua filha Jurema Lamartine no colo quando deu para alguém segurá-la, e já portava o ‘Salvo Conduto’. Ademais, até hoje, temos desmedida curiosidade, para de fato saber quem deu às ordens, se Café Filho ou outrem … Polícia só cumpre ordem. Não pensa! Quem de fato ordenara??

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s