Arquivo da tag: ANÚNCIOS

QUANDO A PREOCUPAÇÃO ERA ENGORDAR

I0039507-18(04152x05234)

Pode parecer estranho em uma época onde o padrão de beleza feminino é a Gisele Bündchen (não para mim) e diante da verdadeira epidemia de obesidade que atinge a humanidade (entre eles eu), que houvesse uma época em que os jornais natalense publicavam anúncios de duvidosos remédios que prometiam engordar em tempo recorde.

Realmente no século passado a nossa população se sobressaia pelo excesso de pessoas magras. Na época da Segunda Guerra Mundial está comprovado que muitos dos nossos soldados tinham uma alimentação limitada na vida civil e ganhar uns quilinhos a mais era preciso.

Quem pesquisa jornais antigos encontra com perturbadora frequência a notícia de mulheres que morriam no parto. Logicamente que as más condições da saúde pública e da higiene sanitária nos hospitais explicam muito da razão desta situação, mas também as deficiências alimentares da época ajudaram a ceifar a vida de muitas mães de família.

Naquele tempo, uma mulher sem maior estrutura corporal, muito magra, era tida como “doente”, como não tendo as condições adequadas para procriar, de ser mãe. Visto ser este o papel principal das mulheres de uma época onde o mercado de trabalho feminino era limitadíssimo.

Na nossa sociedade muita coisa mudou para melhor neste tema. Certamente este anúncio publicado no jornal natalense “A República” em 3 de junho de 1939 deverá se tornar bem raro de ser repetido.

Rostand Medeiros

A PUBLICIDADE NOS JORNAIS DE NATAL A 100 ANOS

COMO ERA A PROPAGANDA NOS NOSSOS ANTIGOS JORNAIS 

Autor – Rostand Medeiros

Recentemente fiz uma pesquisa sobre os 100 anos da Liga de Ensino do Rio Grande do Norte para o Dr. Carlos de Miranda Gomes. Este grande advogado, é amigo do meu pai e da nossa família, a quem tenho muito apreço.

Para realizar este prazeroso trabalho me debrucei sobre jornais natalenses do mês de junho de 1911, exatamente há 100 anos passados. Enquanto buscava os dados da criação da Liga de Ensino, fui me deliciando com as velhas propagandas de uma cidade que tinha cerca de 25.000 mil habitantes, de poucos bairros, cheia de problemas ligados a saúde, mas de vida tranquila, onde o povo ainda andava no lombo de animais e haviam vários jornais para dar conta de tudo.

Uma olhadinha nestas propagandas ajuda a entender o que era um pouco desta Natal perdida no tempo.

Quando comento que a população da Natal de 1911 tinha inúmeros problemas com a saúde, é porque grande parte das propagandas dos jornais “A Republica” e “Diário do Natal” é sobre medicamentos e farmácias. Dos estabelecimentos que atendiam as mazelas da saúde da nossa gente escolhi duas boticas. Uma que mostra a do competente farmacêutico Joaquim Torres (acima) e outra da Farmácia Popular (abaixo).

Já as propagandas dos remédios têm para escolher a vontade. Estes anúncios apontam as virtudes dos produtos que curavam as verminoses, as coceiras e principalmente a tuberculose, a AIDS de 1911.  Muitos destes medicamentos vinham de fora, principalmente do Rio de Janeiro e Recife. Mas havia a “prata da casa”, como o “Antiasthmatico Torres”, produzido na botica do Sr. Joaquim Torres (abaixo).

Tinha espaço dedicado a remédios que chegaram as prateleiras das atuais farmácias (melhor, das “Drugstore”), como o Bromil.

Realmente a saúde na pequena Natal não era brincadeira. Não podemos esquecer os remédios que melhoravam e davam jeito em quase tudo; de resfriado a espinhela caída, todo tipo de verme, passando pela sífilis, gonorréia e muito mais. Vejam aqui alguns destes.

Mas está bom de remédios, boticas, boticários e doenças. Vamos a quem passava as receitas.

Percebi poucos, muito poucos anúncios de médicos enaltecendo suas especialidades. Ou eles eram realmente poucos, ou a saúde pública funcionava (Duvido), ou a concorrência das rezadeiras e raizeiros ainda era grande.

É bem verdade que havia poucos médicos e além do mais estes atendiam a quem pagava (afora quando algum deles era uma alma caridosa). Para os mais pobres o jeito era ir para as rezadeiras e o pessoal que trabalhava com plantas medicinais, que ainda resistem cem anos depois no populoso bairro do Alecrim.

Deixando as questões sociais da época de lado, vamos ao único anúncio de um “Dotô” que encontrei em junho de 1911 e o interessante é que este era um oftalmologista. Certamente seus serviços eram importantes porque se lia muito mais livros e jornais em 1911 do que agora. Sei que tô chutando, mas pode até ser.

Encontrei um anúncio com dois odontólogos e com uma propaganda bem interessante sobre um anestésico (abaixo).

Uma ocasião, conversando com uma idosa e muito lúcida senhora, da mais fina elite política da nossa terrinha, no alto dos seus bem vividos 95 anos, me comentou que uma amiga sua, lá pelos idos da década de 1930, comemorou muito quando arrancou o último dente e podia então usar a sua “chapa” sem problemas.

Os odontólogos da época, com seus poucos recursos, normalmente só tinham a horrível tenaz de arrancar molares e caninos, para passar a dor de dente dos natalenses.

Detalhe; creio que não era todo mundo que tinha gaita suficiente para pagar o tal anestésico vindo da Europa. Para a maioria das pessoas da Natal de 1911, arrancar dente era no cru, na força bruta, com o sangue espirrando para todo lado. Valha-me minha nossa Senhora!

Para estragar os dentes tinha de ter comida. Nesta época pré-supermercados, Shopping Centers e McDonald’s, a grande maioria dos natalenses comparavam mesmo era nas feiras livres. A do Alecrim já existia e, se não me engano, havia uma no Passo da Pátria.

Evidentemente que feira livre não precisava de anúncio em jornal. Mas encontrei o de uma “Mercearia”, na rua Frei Miguelinho, número 42, na Ribeira. Interessante era que o proprietário misturava comida com tinta e ferragens (abaixo). Numa época pré disseminação de geladeiras e congeladores, essa mistura não era, por assim dizer, a ideal. Apesar que até hoje eu acho que ainda existem locais por aí que misturam de tudo no mesmo ambiente.

Mas havia casas comerciais de exportação para o mercado estrangeiro, de produtos típicos de nossa região, conforme podemos ver no anúncio da empresa do pernambucano de descendência holandesa Julius von Sohsten, que tinha fortes ligações com o Rio Grande do Norte.

Julius von Sohsten era igualmente representante de empresas de transporte marítimo. Inclussive em nosso blog eu já fiz um artigo sobre uma empresa holandesa que ele representava (ver https://tokdehistoria.wordpress.com/2011/03/17/khl-ir-de-natal-para-a-europa-em-alto-estilo/).

Mas voltando para 1911, quando se tinha a informação que um navio atracaria em nosso complicado porto cheio de pedras na entrada, com destino ao exterior, o representante da mítica empresa “Lloyd Brasileiro” sapecava com antecedência um anúncio nos jornais , para que os exportadores se preparassem para mandar de tudo para os gringos. Veja abaixo um destes anúncios que, pelo menos nesta época, não eram muito comuns.

Já que comentamos sobre transporte marítimo, a mais importante forma de locomoção para longe da terra potiguar naquelas priscas eras, era através dos vapores de cargas e passageiros. Estes eram os anúncios mais visados e importantes nos nossos jornais. Pois era a hora de saber quando partir e de quem estava chegando.

Vejam abaixo um anúncio da então poderosa Lloyd Brasileiro, para chegadas e saídas de vapores do porto de Natal.

O navio era para ir para bem longe. Para quem ia para o interior, para o nosso sertão, o jeito ou era o trem, ou em lombo de animais.

Do transporte ferroviário trago duas informações sobre as principais empresas que atendiam o Rio Grande do Norte, a Estrada de Ferro Central e a The Great Western Railway Company Limited. Naquele junho de 1911, as empresas estavam tratando de situações relativas a desapropriação de terras e o cancelamento de horários de trens pela baixa quantidade de material a ser transportado. Detalhe; o destino ferroviário denominado “Independência” é a atual cidade paraibana de Guarabira.

 Como comentei anteriormente, um dos principais meios de transporte na época eram as alimárias.  Todos sabem que cavalo, burro e jumento não são iguais as motos CG-125 (Que substituiu a todos no sertão), onde é só colocar gasolina no tanque, dar no pedal e rodar. Tinham de botar comida, marcar e colocar remédios quando o animal ficava doente. Vejam o anúncio abaixo de uma loja de produtos veterinários de Recife, sendo divulgada na Natal de 1911.

Para andar em um cavalo alazão de porte, o condutor tinha de estar a altura, então a vestimenta era fundamental. E nesta época de poucas roupas no armário, que passavam do irmão mais velho para o mais novo, onde muitas eram feitas para as “quatro festas do ano”, as casas de vender tecidos tinham importância fundamental em nossa sociedade. Vejam esta que era instalada no bairro da Ribeira.

Se as lojas de tecidos tinham importância, os alfaiates então eram dos profissionais mais requisitados e respeitados na cidade. Como os da “Alfaiataria Fenix”, no centro da cidade.

Ninguém poderia sair de roupa nova pela antiga Natal, em cima de um cavalo ou burro e depois ficar com cheiro de curral. Isso valia tanto para homens como para mulheres (Sim, elas andavam no lombo de animais). Para isso a “Casa Londres” tinha como resolver este problema.

Esta loja vendia na Ribeira, toda uma gama de perfumes para homens e mulheres. Elas podiam dispor de produtos da afamada empresa “Coty” (Vejam no final do anúncio da casa comercial de Julius von Sohsten) e de outros tipos de perfumes, conforme vemos abaixo.

Para passear de cavalo era bom dar uma olhadinha na previsão do tempo, que diariamente saia no jornais. Havia na cidade uma estação meteorológica bem equipada. Vejam dois exemplos, que mostram em dias alternados, o tempo em junho de 1911…

Se dava para sair na rua, não é de hoje que as pessoas que podem gostam de ostentar relógios e joias.

O anúncio abaixo é de um “caixeiro viajante”, que aqui esteve em junho de 1911, vendendo todo tipo de joias, ouro e outras coisas cintilantes. É bem verdade que naquele tempo dava para circular pela cidade com pingentes, correntes e braceletes sem medo de ser roubado.

Como este comerciante ambulante chegou a nossa cidade eu não sei, mas certamente ele deve ter procurado algum dos locais de hospedagem existentes na Natal de junho de 1911. Vejam abaixo o que o afamado Hotel Internacional oferecia em termos de alimentação, bebidas e outros mimos vindos do exterior.

Mas vai que o cidadão, apesar de vender ouro, não quisesse gastar muito dinheiro, então o jeito era ir para a Pensão de seu João Santos.

E se ele estivesse pensando em vender seus brilhantes e reluzentes produtos em Macau, o negócio era ir para o estabelecimento de Dona Innocencia Cacho, que anunciava seus serviços no principal jornal de Natal.

Para acalmar a mente, a ideia comum na época era fumar. Para isso havia a fábrica de cigarros “Vigilante”, que provavelmente devido ao seu alto teor de nicotina, deixava o fumante “ligado”.

Não vi muitos anúncios sobre temas políticos, ao menos no mês de junho. Mas encontrei um anúncio da Liga Operária, mostrando que os trabalhadores potiguares a muito se organizavam.

Em uma época onde a saúde era precária, onde poucas mulheres trabalhavam, onde o tempo médio de vida das pessoas era de maneira geral era mais baixo, onde as incertezas eram muitas e a previdência pública ainda era um sonho (E ainda é!), havia o medo do desamparo financeiro com a morte de um chefe de família. Isso se reflete em muitos anúncios de empresas que negociavam “pensões vitalícias”, ou seja, aposentadoria. Todas as que vi eram de outros estados, principalmente do Rio de Janeiro e de São Paulo.

E, logicamente, como a coisa mais certa que temos depois de nascermos, as pessoas em junho de 1911 morriam. Vejam um anúncio da época.

Este artigo, mais visual que escrito, é uma maneira simples e direta de se conhecer através das propagandas dos jornais, um pouco da realidade da cidade do Natal a 100 anos atrás. Ele não mostra todos os aspectos da realidade da nossa cidade naquela época e nem era esta a minha intenção. Mas mostra o quanto de diferenças existem em relação ao nosso tempo.

Destas diferenças, a mais significativa em minha opinião, foi ter encontrado poucos anúncios de serviços advocatícios.

Será que éramos mais evoluídos e não sabíamos?

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

NOTÍCIAS SOBRE FUGAS DE ESCRAVOS NO RIO GRANDE DO NORTE

Autor – Rostand Medeiros

Falar sobre escravidão no Rio Grande do Norte é um assunto complicado. O problema surge tanto pelo limitado número de fontes existentes, quanto pelas ideias já arraigadas entre a nossa sociedade sobre tão espinhoso assunto.

Em uma recente ocasião, ao debater com um estudioso potiguar sobre a escravatura em terras potiguares, ele me transmitiu que em sua opinião, devido ao número limitado de escravos que aqui existiu, não teria ocorrido tantas violências contra estes. Segundo esta pessoa, no Rio Grande do Norte os senhores de terras eram diferentes dos “malévolos escravocratas do sul do país e da Bahia” e que, devido a este bom tratamento dispensado aos cativos, se criou por aqui uma certa “escravidão mansa”.

Tal ideia distorcida e a mim transmitida na atualidade, a muito já havia sido apontada pelo grande Joaquim Nabuco em sua obra “O Abolicionismo”, como um pensamento existente na sociedade brasileira que tivemos uma escravidão pacífica e ordeira, com um cativo generoso, dócil e passivo. Esta teoria teria como base a ideia da “ausência do preconceito racial entre brancos e negros” e que gerou no Brasil uma pretensa democracia racial.

Mas apesar desta situação, desta pretensa “mansidão” geradora de mitos em favor dos senhores de escravos em terras potiguares, isso não significa que aqui não ocorreram as mazelas provocadas por este sistema.

Poucos Escravos

Se analisarmos os resultados do censo demográfico de 1872, o primeiro realizado no país, comprovamos que o número do chamado “elemento negro” realmente não era muito representativo no Rio Grande do Norte. Nos resultados deste censo, em sua página 82, aponta que a população livre potiguar era de 220.959 pessoas e o número total de escravos chegava a meros 13.020. Tanto no sertão como no litoral o número de trabalhadores livres era mais elevado que o de escravos.

Censo de 1872 - Província do Rio Grande do Norte. Fonte- Arquivo IBGE

Para efeitos de comparação, segundo dados deste mesmo censo demográfico, em 1872 a Paraíba, na época Parahyba do Norte, tinha 21.296 cativos, para uma população de 376.226 habitantes. No Ceará foram contados 31.913 escravos para 721.686 pessoas livres e em Pernambuco havia 89.028 escravos para 841.539 habitantes não escravos.

Com o surgimento da grande e calamitosa seca ocorrida entre os anos de 1877 a 1879, que provocou sérios desarranjos em nossa agricultura e teve como uma de suas consequências, a venda de uma grande parte dos escravos potiguares para outras regiões do país, o número de cativos no Rio Grande do Norte e em outras províncias nordestinas diminuiu mais ainda.

Mas o universo do cotidiano destes escravos por aqui, que nunca foi “manso”, parece não ter se modificado com fim da seca, pois, segundo anúncios publicados em jornais da época, cativos buscavam fugir de seus senhores.

Através do apoio do amigo Celso Augusto Soares Antas, possuidor de uma bela coleção de antigos jornais potiguares, do seu escritório localizado no tradicional bairro carioca de Copacabana, me enviou dois raros anúncios que apresento em nosso trabalho, onde podemos conhecer um pouco mais do sofrimento dos nossos escravos.

O Fugitivo com um Chapéu de Couro

Na edição do jornal “O Brado Conservador”, publicado na cidade de Assú, no dia 23 de setembro de 1881, informa que na fazenda “Sant’Anna”, fugiu um escravo que atendia pela graça de Antônio.

“O Brado Conservador”, publicado na cidade de Assú, no dia 23 de setembro de 1881

Este cativo era “peça” que pertencia ao Senhor João pereira da Circuncisão e estava “alugado”, ao Senhor Francisco Xavier de Albuquerque Montenegro. Estes senhores tinham propriedade no lugar Ilha de São Francisco, em Macau.

O cativo Antônio, de “30 annos de edade, pouco mais ou menos”, é descrito primeiramente como “cabra”, que segundo a “Grande Enciclopédia Delta Larousse”, página 1.166, edição de 1978, designa “Descendente de mulato com negro; mulato escuro”. Na sequência o fugitivo teria “altura regular” (cerca de 1,70 m.), andava curvado, tinha o cabelo “carapinho” (daqueles que nascem espiralados desde a raiz), vestia camisa e calça brancas, de “algodão da Bahia”, e havia um toque sertanejo na sua indumentária, pois Antônio protegia a cabeça com um tradicional “chapéu de couro”.

Seu dono pedia que quem o capturasse o trouxesse para a fazenda Ilha de São Francisco, em Macau, ou na fazenda São Pedro, de propriedade do Senhor Honório Xavier da Cunha Montenegro, provavelmente irmão do Senhor Francisco Xavier. Estes ofereciam pela captura do fujão a quantia de 50$000 réis.

Em 1881, no vizinho Ceará  já existiam locais onde ocorriam manifestações em favor da libertação dos escravos e em 1884 esta torna-se a primeira província brasileira a abolir a escravidão. Não sei se o motivo da fuga de Antônio foi devido a ele ter conhecimento de notícias sobre pessoas que propagavam ideias de liberdade dos cativos na província vizinha. Pessoalmente acredito que esta fuga foi tão somente um puro desejo de liberdade.

Um Violeiro Que Enganou a Polícia em Natal

A segunda nota é igualmente do ano de 1881, mas do dia 29 de dezembro, dando conta que há quase dois anos, um cativo de nome Francisco estava foragido da então povoação de Luís Gomes, no extremo oeste potiguar. O dito escravo pertencia ao Senhor Álvaro de Almeida Cavalcanti, que aparentemente seria proprietário das terras da fazenda Lagoa de Cima, próximo a atual área urbana de Luís Gomes.

A descrição deste escravo (como o leitor pode ver no anúncio ampliado clicando na foto) é bem interessante. Francisco era um adulto de 44 anos, altura regular, bons dentes, etc. Mas salta aos olhos o termo “mãos bem pinta das de branco”. Creio que a nota queria dizer que, além das palmas das mãos de Francisco ser bem claras, não seriam mãos rudes, cheias de calos, de quem pegava todo o dia no cabo da enxada. Mas seriam mãos de quem tinha de ter destreza e apuro com ferramentas necessárias a função de um sapateiro, de um caldeireiro (certamente de um engenho de rapadura, onde ele deveria preparar e limpar a garapa da cana-de-açúcar para fazer a rapadura batida), e de um tocador de viola. Estas, segundo a antiga nota de “O Brado Conservador”, eram as aptidões do escravo fujão.

Consta que o fugitivo foi comprado pelo Senhor Álvaro três anos antes de sua fuga, no ano de 1877, em plena seca. Talvez seu antigo dono Francisco da Costa, se desfez da sua “peça” por dívidas contraídas no período da grande estiagem, ou porque seu escravo dava muito trabalho pela sua rebeldia.

Sabemos através da nota que Francisco não era aquele tipo de escravo destinado apenas a enxada e que certamente ele tinha capacidade de compreender a lógica escravocrata do mundo dos brancos. Pois em maio de 1881, um ano e três meses depois de fugir de Luís Gomes, ele esteve em Natal.

Na época a capital potiguar não tinha nem 20.000 almas, com estradas que faziam com que a tarefa de seguir para Luís Gomes não fosse uma viagem, mas uma jornada, quase uma expedição (atualmente esta cidade está distante de Natal, no asfalto, 444 quilômetros). Independente desta questão, consta que em Natal ninguém “reclamou” a sua pose e ele saiu livre.

Não é difícil imaginar como Francisco pode ter utilizado de uma boa “conversa” e, quem sabe, de alguns acordes da viola para convencer as autoridades que era um homem livre. Provavelmente a notícia da detenção de seu escravo deve ter chegado ao conhecimento de seu amo na povoação de Luís Gomes e este estava estampando nos jornais uma recompensa de 100$000 mil réis para que o levasse ao seu “Senhor” e 50$000 mil réis para quem o largasse em alguma cadeia.

Importância dos Anúncios

Estes anúncios seriam uma das poucas fontes para o conhecimento e o entendimento do cotidiano dos cativos.

Segundo o diplomata e historiador Alberto da Costa e Silva, que prefaciou o excepcional livro “O escravo nos anúncios de jornais Brasileiros do século XIX”, do sociólogo pernambucano Gilberto Freyre, este autor foi um dos primeiros “a alertar para a riqueza desses anúncios como fonte documental para nos aproximar do universo e do cotidiano dos escravos”. Neste livro Freyre utilizou estes anúncios para mostrar como se dava as relações entre os escravos e seus senhores, os tipos de ocupações que os cativos exerciam, a forma como estes escravos eram apresentados e outros pontos. Gilberto Freyre teria se debruçado nas páginas amareladas de jornais como Diário de Pernambuco (Recife), Jornal do Commercio (Rio de Janeiro) e teria conseguido reunir dez mil anúncios ao final de sua pesquisa.

O trabalho é realmente interessante e, ao longo de suas mais de 250 páginas, o leitor é transportado através dos anúncios para aquele universo de opressão que permeou a história do Brasil e até hoje sofremos as consequências.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.