VIDA DE PESQUISADOR – UM RASTEJADOR DA HISTÓRIA QUE MUDOU A VISÃO DE UM PAÍS SOBRE UM DOS SEUS HERÓIS

David Humphreys Miller realizando seu trabalho junto ao filho adotivo do grande chefe índio Touro Sentado

AUTOR – ROSTAND MEDEIROS

Atualmente existe uma grande quantidade de livros lançados sobre o tema cangaço. Infelizmente a maioria do que surge não passa de lixo da pior qualidade. Mero ajuntamento de material já trabalhado, onde a utilização do “Ctrl V x Ctrl C” corre frouxo e a qualidade é rasteira, bem rasteira.

E qual seria a razão disso?

Simples, pois quase tudo que se relaciona com cangaço, Lampião e Cia. Ltda. vende bastante.

O problema é que são poucos os pesquisadores que se dedicam a sério a pesquisa de campo nesta área.

Está difícil ver gente ralando na estrada, comendo poeira do sertão, sentando com pessoas idosas, de ritmo lento, que são normalmente simples, bastante humildes, para passar às vezes horas e arrancar alguma, ou nenhuma, informação. Raros hoje em dia são os bons livros sobre o Cangaço.

Melhor o “Ctrl V x Ctrl C”.

Alguém pode me dizer, com razão, que pesquisa histórica não é só pesquisa de campo. Tem que haver muitas horas de escrivaninha para olhar livros, material escrito, dados coletados em arquivos, etc. Mas pela qualidade do que estou vendo por aí, acho que nem isto está mais acontecendo.

Aos doutos “pesquisadores” do cangaço, vou apresentar a história de uma figura desconhecida aqui no nosso Brasil, mas que possui na sua história de vida uma dedicação a pesquisa que é maravilhosa.

O resultado do seu trabalho mudou a percepção de um grande fato histórico de cunho militar, na nação mais militarizada do Planeta.

George A. Custer

Dificilmente quem já assistiu algum filme do gênero faroeste, deve ter deixado de ouvir, mesmo de relance, alguma referência sobre George Amstrong Custer.

Custer

Este foi um dos mais famosos oficiais do exército dos Estados Unidos, que além da exuberante cabeleira loira e do vasto bigode, possuía uma empáfia, uma ousadia e uma arrogância que, na opinião de muito dos seus pares, beirava a rebeldia.

Custer lutou na cruenta Guerra Civil Americana, onde se distinguiu na primeira batalha de Bull Runn. Em junho de 1863 tornou-se um general de brigada, o mais jovem general do exército da União, ou seja, o exército nortista. Depois conduziu habilmente uma brigada de cavalaria na famosa batalha de Gettysburg. Ele lutou na Virgínia e participou de combates ao lado do general Sheridan. Foi promovido a comandante de uma divisão em outubro de 1864, tendo derrotado no dia 9 de outubro o general Thomas L. Rosser, em Woodstock. O general Custer recebeu a bandeira confederada de trégua, esteve presente na rendição e entrega do exército sulista, ou Confederado, em Appomattox. Considerando sua juventude, foi um dos mais espetaculares militares nortistas da Guerra Civil.

Típica tropa nortista durante a Guerra Civil

Com o fim do conflito o governo americano pôde se dedicar à organização e a exploração econômica das terras que gradativamente eram conquistadas no oeste. A integração nos Estados Unidos se acentuou com a construção de ferrovias, que forçou a tomada de terras indígenas, cujas distintas tribos e nações, sem a menor sombra de dúvida, foram as maiores vítimas desta marcha migratória.

Na reorganização do exército dos Estados Unidos, Custer foi designado para uma unidade conhecida como 7ª Cavalaria, com a patente de tenente-coronel. Em 1867 ele foi submetido a uma corte marcial por indisciplina, mas em setembro de 1868 foi reintegrado, principalmente através dos esforços de Sheridan, de quem Custer sempre foi dos seus oficiais preferidos. Mesmo reabilitado, não deixou de ter problemas. No massacre contra os índios Cheyenne e seus aliados, na conhecida Batalha da Washita, ocorrida em novembro de 1868, Custer foi acusado de abandonar um pequeno destacamento de seus homens no campo da luta e estes foram aniquilados. Vamos encontrar o garboso oficial, em 1873, no então território de Dakota e no ano seguinte Custer comandou uma expedição militar para as montanhas Black Hill e participa da campanha contra a nação indígena Sioux.

Tropas de Custer na região das Black Hills em 1874, em foto de William H. Illingworth

Arrogância

Tal como ocorreu no Brasil, à tomada de terras dos indígenas nos Estados Unidos se deu através de um verdadeiro genocídio físico e cultural dos nativos, que gerou o extermínio de inúmeras tribos, em um claro exemplo histórico de limpeza étnica. Mas as tribos norte-americanas proporcionaram uma grande resistência à ocupação do homem branco. Lutaram como puderam, de maneira firme, com coragem, sem medo do confronto, nem de morrer pelas suas terras ancestrais.

Custer, sentado ao centro e seus batedores indígenas

Em 1876, na continuidade da campanha contra os Sioux, foi ordenado pelo general Alfred H. Terry que o 7º Regimento de Cavalaria de Custer marchassem de Bismarck para o rio Yellowstone.

No dia 25 de junho, na região do Rosebud, no sudeste do território de Montana, perto da fronteira com o Wyoming, Terry enviou Custer a frente das tropas do exército, com a intenção dele localizar o inimigo. Enquanto o general Terry marchava para unir-se a coluna sob o comando do general John Gibbon e atacarem juntos, Custer, seguramente desejoso de conquistar sozinho os louros da vitória, decidiu levar seu 7º Regimento para atacar o acampamento guerreiro que existia próximo ao rio Little Big Horn. Mas ele não percebeu a esmagadora superioridade numérica dos índios, ou nativos americanos.

Típico índio americano das planícies

Grandes encontros entre as várias nações indígenas eram ocorrências raras, pois além das velhas rivalidades, os problemas de abastecimento de alimentos eram grandes demais para as pessoas nômades. Mesmo assim estudiosos acreditam que as estimativas do número de Sioux e suas tribos aliadas que se reuniram no Vale do Big Horn pode ter totalizado entre 12.000 a 15.000 indivíduos, onde existiam provavelmente até 5.000 guerreiros.

A maioria destes eram Sioux sob o comando dos famosos Chefes Crazy Horse e de Touro Sentado. Mas havia Cheyennes tendo a frente os Chefes Duas Luas e Touro Branco. Também estavam presentes os Miniconjous, os Sans Arcs, os Brules, os Arapahos e outros grupos menores. O enorme acampamento se estendia por cerca de três quilômetros e foi sobre esta concentração de índios hostis que Custer foi ao ataque com cerca de 600 soldados, 44 índios contratados que serviam de guias e 20 civis contratados para diversas funções.

Região de Little Big Horn em 2010

Custer dividiu seu regimento – cerca de 600 homens – em três partes, onde duas frações ficaram sob o comando do major Marcus A. Reno e do capitão Frederick W. Benteen e o terceiro grupamento estava sob as ordens do próprio Custer. Esta última tropa seguiu em ataque direto contra os índios.

Tudo redundou em um extremo fracasso e todos os membros que seguiram ao lado de Custer foram mortos em batalha. Reno e Benteen, que não eram bestas, se mantiveram na defensiva e recuaram ante o avanço avassalador de milhares de guerreiros.

Até a chegada do general Terry a extensão da tragédia ficou desconhecida.

Criação de um Mito

Cerca de 260 soldados foram mortos pela arrogância e a incapacidade de Custer  e ninguém sabe qual foi o número de vítimas indígenas.

O local da batalha em 1879, onde era possível ver as ossadas dos cavalos mortos no combate

A Batalha do Little Big Horn ocorreu pouco mais de uma semana antes do primeiro aniversário da independência da nação. Evidentemente que as notícias do massacre de Custer chegaram às grandes cidades do leste dos Estados Unidos a tempo de estragar as celebrações.

O confronto foi importante na história americana e sua relevância vai muito além de seus resultados imediatos. Este foi o último incidente importante da resistência violenta por parte do índio americano contra o avanço da colonização branca nos Estados Unidos. Foi a única vez em que os índios superaram suas antigas rivalidades e conseguiram uma vitória completa, esmagadora.

Mesmo com toda resistência indígena, não demorou muito para que o resultado final dos confrontos contra os brancos fosse à rendição e o confinamento de vários grupos indígenas em reservas.

Custer e sua esposa

Logo após o combate, os amigos militares de Custer e sua viúva, Elizabeth Bacon Custer, ou “Libbie“, se adiantaram para defender a memória do comandante derrotado.

Em pouco tempo os comandantes Reno e Benteen foram acusados de não apoiarem corretamente o seu líder. Reno sentiu mais o golpe e sua carreira militar foi arruinada, tendo sido depois afastado do exército por embriaguez e conduta inconveniente para um oficial.

Libbie se esforçou para fortalecer a reputação e o nome do marido, foi autora de três livros sobre sua vida com Custer. Ficou famoso por partir para ataques nos tribunais e nos jornais, contra qualquer um que atentasse contra a capacidade militar do seu falecido marido na malfadada Batalha do Little Big Horn.

A sociedade americana por sua vez apoiava a criação do mito de Custer e não aceitava totalmente a sua derrota. Mas também não podemos esquecer que para os americanos do final do século XIX e início do seguinte, “um índio bom, era um índio morto”.

Um Grande Pesquisador

Mas ainda bem que existem os inconformados e David Humphreys Miller foi um desses.

David em suas entrevistas

Por alguma razão que não descobri, em 1935, quando ele tinha apenas 16 anos de idade e contando com o apoio da sua família, este jovem que não acreditava apenas em uma versão da história, começou um trabalho memorável.

Ele buscou se aproximar dos últimos 72 sobreviventes indígenas da Batalha de Little Big Horn. Sua intenção era coletar o que fosse possível de seus relatos sobre o grande combate. Além disso, por ser igualmente um exímio pintor e desenhista, o jovem David desejava persuadi-los a serem retratados por sua paleta e os seus pincéis.

Junto a um dos sobreviventes da grande batalha

Consta que em meio a Grande Depressão econômica, ocasionada pelo Crash da Bolsa de Valores de 1929, este jovem passou todo o verão daquele ano encontrando e fazendo amizade com esses guerreiros antigos.

Houve algumas dificuldades, pois os índios não falavam o idioma inglês e eram muito desconfiados. Para obter a verdadeira história, David entrevistou os antigos combatentes indígenas em sua própria língua. Isso o ajudou a se tornar seu amigo íntimo e pessoal.

No momento em que ele retornou de suas inúmeras viagens às reservas indígenas, David Humphreys Miller tinha uma história para contar. Ele capturou a história dentro da Batalha de Little Big Horn, mas não a história que foi escrita pelo homem branco.

As fotos mostram David aparentemente em franco contato com os antigos guerreiros

Além do mais não podemos esquecer que naquela primeira metade do século passado, os índios derrotados pelos brancos viviam esquecidos em reservas miseráveis, com em um padrão de vida paupérrimo, muitos tendo se tornado alcoólatras, sendo tratados como párias humanas. O jovem David teve a coragem de ir contra os preconceitos de sua sociedade e de sua geração para alcançar seus objetivos.

No entanto, a corajosa narração deste conto teve que esperar, porque além de ter uma história para contar, Miller teve uma guerra para lutar. Em 1942 ele foi para o serviço na Força Aérea do Exército dos Estados Unidos – USAAF, onde seguiu para o teatro de operações da China, servindo no 14º Army Air Corps, sob o comando do general Chanault, onde alcançou a patente de primeiro tenente.

Trabalho Reconhecido

Quando ele voltou, apenas cerca de 20 dos sobreviventes de Little Big Horn ainda estavam vivos.

Aqui ele se encontra com o índio Joseph White Cow Bull, que morreu em 1942. De acordo com o livro de David Miller “Custer Fall” este foi o índio que matou George Armstrong Custer

Ele continuou sua pesquisa e seu contato com os índios. Para continuar a dialogar com os poucos sobreviventes do Big Horn, consta que David aprendeu 14 línguas indígenas, começando com Lakota, a língua Sioux. Ele era conhecido entre as tribos como “Wasicu Maza”, o “Homem de Ferro Branco”.

Mesmo em meio a muita controvérsia e fortes críticas, em 3 de junho de 1948 David Miller organizou a última reunião dos sobreviventes do combate contra Custer. Eram apenas oito.

Depois de 22 anos de exaustiva pesquisa surgiu o livro da sua vida – “Custer’s Fall: The Native American Side of the Story”. Aqui a história foi contada a partir da perspectiva dos guerreiros, dos que ganharam a batalha, mas perderam a guerra. Não devemos esquecer que normalmente é o vencedor do conflito que narra como aconteceram os episódios militares. Após a publicação deste trabalho, editado até hoje, os conceitos sobre Custer mudaram totalmente.

Coleção de retratos pintados por Miller dos sobreviventes do combate que matou Custer

David Miller foi mais do que um artista, ele se tornou uma autoridade na história dos índios norte-americanos e da história ocidental. Ele é igualmente famoso nos Estados Unidos por seus retratos litográficos. Os 72 retratos dos rostos dos sobreviventes de Little Big Horn foram feitos entre 1935 e 1942, possuem um valor estimado de US$ 5 milhões e a sua coleção tem sido exibida em todos os Estados Unidos, em prestigiados museus e galerias.

Sua carreira se desdobrou para a de assessor técnico sobre assuntos indígenas em Hollywood e também na televisão. Seus retratos dos sobreviventes de Little Big Horn foram usados ​​para inspirar diretores de arte e figurinistas de filmes de faroeste. Perceberam que David era um artista notável, que não tinha sangue indígena, mas parecia ter uma afinidade natural com as tribos. Perceberam o quão útil ele poderia ser para a indústria cinematográfica e logo foi contratado como consultor. Miller trabalhou em 25 filmes, realizando atividades que iam desde treinador de diálogo, escritor e ocasionalmente ator.

David Miller

Em seus últimos anos David Miller e sua esposa, Jan, moravam no Rancho Santa Fé, Califórnia, onde ele continuou a escrever e pintar, até sua morte, em 21 agosto de 1992 com a idade de 74 anos.

Conclusão

Este artigo tem vários pontos para os “nobres” pesquisadores do cangaço para me criticarem.

Podem dizer que as situações são totalmente distintas, que as histórias são diferentes, as épocas idem, os países também. Que hoje em dia não existem quase pessoas que vivenciaram o cangaço para se entrevistar, que o que tinha de se procurar já foi encontrado e que o resto já se foi.

Podem até dizer que não tenho argumento, pois nunca lancei nenhum livro sobre cangaço. É verdade, sou autor de três livros, mas nada sobre o tema. Mas bem que já rodei por aí e várias publicações neste nosso Tok de História estão aí para provar.

 

No meu entendimento acredito que mesmo com todas as diferenças, ao vermos o exemplo de David, em relação a pesquisa sobre o cangaço o que falta por aqui é vontade de correr atrás.

Anúncios

4 comentários em “VIDA DE PESQUISADOR – UM RASTEJADOR DA HISTÓRIA QUE MUDOU A VISÃO DE UM PAÍS SOBRE UM DOS SEUS HERÓIS”

  1. Excelente artigo Rostand, concordo plenamente com você. Estou lendo o livro sobre “A morte de Lampião Passada a Limpo”, vejo que quase tudo que está escrito, já foi colocado em outros livros, ou seja, a morte de Virgulino continua um mistério.

    Curtir

  2. Espetacular artigo em uma busca de imagens dos nativos da América do Norte. Caiu como um tesouro esse artigo. PARABÉNS Rostand. COMO FAÇO PARA CONSEGUIR ESSE LIVRO ? ESTÁ SOMENTE EM INGLÊS ? Brinco com bonequinhos de cera de índios das planícies, cavalos, soldados e sempre assisti aos filmes com índios e via a estupidez de que os índios eram ignorantes, mendigos e tal. Com grande filme: Dança com Lobos ( assisti 12 x ) isso mudou. Me ajude cara em conseguir esse livro, plis. Já tenho o Enterrem Meu Coração Na Curva do Rio. Abraço !

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s