A ARTE DE FRANS POST

Quando se fala em pintura holandesa, a associação imediata da memória é a nomes como Rembrandt, Van Dyck e Van Gogh. Quem se aprofundou um pouco mais no assunto, pode ainda se lembrar de Vermeer, Pieter Claesz e Frans Hals. Não é pra menos. Afinal, qualquer lista séria de maiores pintores da história tem necessariamente de incluir pelo menos 3 desses grandes mestres holandeses.

Entretanto, o mais importante pintor holandês de todos os tempos – pelo menos para a história brasileira – é pouco conhecido por estas bandas. Ele se chama Frans Post.

Frans Post
Frans Post

Post era um sujeito meio azarado. Se tivesse nascido um século antes ou um século depois, Post talvez conseguisse marcar seu nome como um dos grandes mestres da pintura universal. Mas Post teve a má fortuna de nascer em pleno século XVII, justo na época em que a pintura flamenca despertava para o mundo como uma das melhores escolas do planeta. Quem saía de seus países para comprar um quadro na região de Flandres, buscava um Rembrandt ou um Vermeer, mas certamente não um Post. Pra piorar, olhando-se ao redor ainda havia gente como Velásquez na Espanha e Rubens na Bélgica. Certamente, não era um cenário promissor para um pintor em início de carreira.

Como Post não tinha como bater todos esses mestres jogando no campo deles, resolveu radicalizar. E a oportunidade surgiu em 1636, quando um jovem membro e ambicioso membro da nobreza flamenca resolveu “fazer a América”. Seu nome era Maurício de Nassau.

Nassau tinha participado com sucesso de algumas campanhas militares durante a Guerra dos 30 anos, entre Espanha e Holanda. Por causa disso, recebeu um convite da Companhia das Índias Ocidentais: ir ao Brasil administrar as possessões neerlandesas no Novo Mundo. Como a grana era boa, Nassau não pensou duas vezes: se mudou de mala e cuia para o Recife.

Aristocrata refinado, Nassau tinha uma cultura diferenciada. Não queria vir à América apenas a passeio. Queria transformar o lugar por onde passaria. E, claro, registrar em gravuras e quadros os feitos que realizaria como governador-geral das possessões holandesas. Foi aí que entrou Post. Como nenhum dos grandes mestres holandeses se dispunha a atravessar o Atlântico para vir a este fim de mundo, Post enxergou uma fantástica janela de oportunidade. Vindo com Nassau, seria o primeiro pintor a desembarcar no Novo Mundo. Ainda que não fosse o mais sublime dos artistas holandeses, Post estaria na privilegiada posição de ser o primeiro – e, até então, único – a registrar as paisagens desta terra inexplorada. Em outras palavras, se Post não podia ser o melhor, pelo menos seria o pioneiro em alguma coisa. Juntou suas coisas e veio ao Brasil.

Com um pincel na mão e várias idéias na cabeça, Post meteu o pé no barro. Andou por todo o litoral e interior sob domínio holandês, fazendo gravuras e pintando quadros do que via. Infelizmente, Post tinha a mania feia de não datar a maioria de seus quadros, o que torna difícil saber com precisão a ordem cronológica de sua obra. Mesmo assim, a maioria dos especialistas crava que Vista de Itamaracá foi a primeira delas. Não só isso. Foi a primeira pintura realizada nas Américas.

Vista de Itamaracá
Vista de Itamaracá

Apesar de ter pintado aproximadamente cento e cinquenta quadros, são poucos – talvez 10 – aqueles que Post pintou durante sua estada no Recife. A imensa maioria foi pintada depois de sua partida. O que conduz à seguinte pergunta: por que a produção de pinturas dos domínios holandeses foi mais profícua com Post já na Europa do que quando ainda estava no Novo Mundo?

A resposta é simples: dinheiro. Pelo contrato firmado, todas as obras que Post pintasse durante sua estada no Recife seriam de propriedade de Nassau. Por conta disso, Nassau não ficou com mais do que 10 quadros de seu pintor oficial. Quando voltou à Holanda, munido da memória e de registros em gravuras, Post desceu o pau a pintar tudo o que vira naquela terra exótica. Como era o único a ter pisado em solo brasileiro, o valor de sua obra cresceu à medida que aumentava o fascínio das altas classes européias por aquela terra distante e exótica. Hoje, há obras dele espalhadas por diversos museus europeus. Além daVista de Itamaracá, localizada na Mauristhuis, em Haia, há no Louvre, por exemplo, há o famoso Carro de Bois:

Carro de Bois
Carro de Bois

Já no Metropolitan de Nova Iorque, há Paisagem Brasileira:

Paisagem brasileira
Paisagem brasileira

Felizmente, para quem quiser conhecer mais a fundo a obra de Post, não é necessário atravessar o Atlântico ou viajar para os Estados Unidos. A maior parte de seu acervo encontra-se aqui mesmo. No Instituto Ricardo Brennand, no Recife, é possível ver dezessete de suas obras, entre elas uma do restrito rol das pintadas aqui no Brasil, Forte Frederick Hendrick:

Forte Frederick Hendrick
Forte Frederick Hendrick

Agora que a alta do dólar tornou proibitivas as viagens ao exterior, não custa nada pesquisar um pouco os lugares no Brasil onde existem obras desse verdadeiro pioneiro da pintura americana. É pintura de primeira, com o bônus de aprender um pouco de história no pacote.

Fonte – logdomaximus.com/2013/08/19/a-arte-de-frans-post/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s