NOITE DOS OVNIS: CASO COMPLETA 30 ANOS SEM TER MISTÉRIO DESVENDADO

www.jws.com.br2
Fonte – http://www.jws.com.br2

Trinta anos depois, a ‘Noite dos Ovnis’ se mantém como um dos maiores mistérios ufológicos do Brasil. 

No dia 19 de maio de 1986, vinte e um pontos luminosos foram vistos no céu de São José dos Campos (SP). Cinco caças da Força Aérea Brasileira (FAB) foram enviados para ‘combater’ os alvos, que segundo relatos documentados oficialmente pelo governo, mudavam de localização em alta velocidade. O G1 conversou com os envolvidos no episódio – o controlador de voo falou pela 1ª vez publicamente sobre o assunto.

Naquela noite, o controlador de voo Sérgio Mota da Silva avistou os pontos luminosos no céu. Eles foram detectados pelo radar da torre de comando do aeroporto de São José. Quando Silva percebeu o primeiro ponto, acionou o piloto Alcir Pereira da Silva, que passava pela rota dos objetos em viagem com o então presidente da Embraer, Ozires Silva.

jornal_valeparaibano
Jornal da época trazia observação como manchete (Foto: Reprodução/TV Vanguarda)

Alcir pilotava um Xingu, em viagem de Brasília para São José dos Campos. No áudio da conversa daquela noite, divulgado 28 anos mais tarde, Alcir avisa que se aproximaria do “alvo”, mas ao chegar ele muda de localização em alta velocidade.

Depois da primeira tentativa de alcançar os objetos, a Força Aérea mobilizou cinco aeronaves oficiais da frota de defesa para perseguirem as luzes. Foram cerca de 4 horas de ‘perseguição’.

Apesar da repercussão do assunto na época, com declarações da Aeronáutica e capas de jornais, os documentos e áudio que traziam detalhes do episódio conhecido como ‘Noite dos Ovnis’ foram considerados confidenciais pelo governo por quase três décadas e a investigação foi inconclusiva.

O único registro fotográfico do evento, de um fotojornalista de São José dos Campos, foi confiscado pela Nasa – esse material nunca foi recuperado. “À época um cientista que se dizia da Nasa foi ao jornal recolher o negativo desse material para análise. Era o único registro que tínhamos do que aconteceu naquela noite. Eles nunca devolveram esse material ou apresentaram um parecer sobre o que a análise das imagens”, contou o fotógrafo Adenir Brito.

Apesar de não ter os filmes originais das fotos, ele guarda o registro do que foi publicado em preto e branco na edição do jornal do dia 20 de maio de 1986(veja abaixo)

final
Fotos publicadas no Jornal Valeparaibano em 1986 (Foto: Arquivo pessoal/Adenir Britto)

Envolvidos

Três décadas após a noite emblemática, o G1 reuniu relatos dos três personagens centrais desta história.

O evento marcou a carreira do controlador de voo Sérgio Mota, hoje com 59 anos. À época ele recebeu ordem de seu comando para que não tocasse no assunto com colegas ou desse entrevistas. Hoje, desligado da FAB, ele comenta pela primeira vez o evento e o descreve como surpreendente.

Ele contou que na época a chefia passou aos subordinados que os pontos avistados eram de uma guerra eletrônica – mas ele contesta. “Nesses eventos, possíveis inimigos usam aparelhos para confundirem o radar, colocando pontos de luz. Eles se confundem com aviões e bagunçam o controle do espaço aéreo. Apesar da explicação, esses pontos não poderiam ser vistos por olhos humanos, diferente do que aconteceu naquele dia” explicou.

controladorr
Sérgio Mota na torre de controle em São José (Foto: Arquivo Pessoal/Sérgio Mota)

A vivência, no entanto, não foi o bastante para que ele acreditasse em ‘vida além da Terra’. “Eu não sei o que houve aquele dia. A rapidez, o número de pontos, não sei dizer o que foi aquilo. Mas não acredito em alienígena, quem sabe quando ele chegar para mim e se apresentar com RG, aí eu acredite”, brincou.

Ovnis1986_05

Outra peça importante no quebra-cabeça do mistério é Ozires Silva, que também é cético quanto à presença de extraterrestres naquela noite, mas guarda incertezas sobre o que aconteceu. “Claro que pode haver vida fora da Terra. Mas que nós possamos nos comunicar com eles e eles se comunicarem conosco me parece muito pouco viável. As distâncias no espaço sideral são de tal ordem que é muito difícil haver comunicações entre planetas, mesmo do Sistema Solar.”, disse.

Apesar de não constar nos relatórios oficiais, Ozires conta que dividiu a tarefa de pilotar a aeronave naquela noite com Alcir Pereira. Para Alcir, aquele 19 de março também é uma incógnita. “Eu fui piloto por muitos anos e nunca tinha visto algo como aquilo. Era ágil demais, impossível que houvesse um humano dentro dela. Eu não sei se era disco, mas era um brilho muito forte”, relembrou.

Mistério

Para o consultor da revista UFO, Renato Mota, o aparecimento foi o maior contato de vida inteligente fora da Terra com humanos. “São 130 milhões de estrelas. Achar que só a Terra é habitada é egoísmo. Hoje a questão não é mais se existe vida fora da Terra, já sabemos. A questão agora é quando eles vão se apresentar”, defendeu.

efeitotemporal.blogspot.com.br
Onde tudo aconteceu – Fonte – efeitotemporal.blogspot.com.br

Segundo Mota, as respostas apresentadas pelos órgãos oficiais sobre a ‘Noite dos Ovnis’ são suposições. “Não podia ser estrela porque estrelas não podem ser captadas por radares; guerras de luz não podem ser vistas pelos olhos humanos. Não há nada que responda isso a não ser que foi um contato. Para mim esse é um mistério resolvido, eram naves de civilizações avançadas”, definiu.

Para o astrofísico da Universidade do Vale do Paraíba (Univap), Oli Luiz Vors Júnior, não há comprovação científica que afirme que há vida fora da Terra e que a explicação para a noite de 19 de maio foi a passagem de um cometa.

“Quando entra na atmosfera, [o cometa] esquenta e emite luz. Isso explica os pontos brilhantes e a detecção pelo radar, já que tem massa. O número pode ser explicado pelos meteoros que acabam acompanhando o cometa”, explicou.

Confidencial

À época do fato, o então Ministro da Aeronáutica, brigadeiro Octávio Júlio Moreira Lima, disse em entrevista coletiva com os pilotos que o fato seria apurado pelo órgão. O resultado foi um dossiê mantido sob sigilo desde 1986 e divulgado apenas em 2014.

observacao_em_sao_jose
Documentos confidenciais divulgados pela FAB (Foto: Arquivo Nacional)

Na oitivas, os pilotos confirmam que viram pontos de luz no céu, que mudavam de cor e se movimentavam em alta velocidade. O dossiê com título “Possível Aparecimento de Ovni em São José dos Campos e Anápolis” concluiu que “os fenômenos eram sólidos e refletem de certa forma inteligências, pela capacidade de acompanhar e manter distância dos observadores”.

Os relatórios fazem hoje parte do acervo do Arquivo Nacional, sendo o segundo material mais acessado do acervo, atrás apenas dos relatórios da ditadura militar. Pela busca, todos os arquivos foram digitalizados e em 2014 o acesso tornou-se possível pelo site.

7d88c4_f483f0bb9abd42e5aea1fb660ee0898f

Inconclusivo

G1 procurou o Comando da Aeronáutica para saber, 30 anos depois, sobre as respostas para a ‘Noite dos Ovnis’.
O órgão explicou por meio de nota que “não dispõe de estrutura e de profissionais especializados para realizar investigações científicas ou emitir parecer a respeito desse tipo de fenômeno aéreo”. Informou ainda que toda vez que algum objeto voador não-identificado é visto, é elaborado um relatório em registro público.

Fonte –

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s