CEGO ADERALDO – O CANTO SOLITÁRIO DO NORDESTE

Os cantadores violeiros e repentistas do Nordeste são a maior, mais espontânea, mais pura e mais apaixonante reserva da poesia do Brasil. Cego Aderaldo, o mais famoso patriarca de todos eles, atualmente com 92 anos de idade está morrendo mais de solidão do quê de velhice.

Aderaldo Ferreira de Araújo completa agora 74 anos de escuridão. Nasceu no Crato, Ceará, entre os Canaviais do Cariri, entre caboclos beliciosos e ágeis. Como diria o poeta Jáder de Carvalho.

Aos 18 anos quando trabalhava de folguista no motor de descaroçar algodão tomou um copo d’água com corpo quente e seus olhos explodiram no mesmo instante. Três meses depois morria ali a mãe, um ano depois o pai e ele ficou só no mundo.

Sua família passou a ser a escuridão porque ainda hoje dialoga na eternidade de sua noite. Com vergonha de pedir esmola tornou-se cantador.

Cheguei aos 18 anos

perdendo a vista a clareza

não posso enxergar os campos

os quadros da natureza

até de vista tocou-me

esse quinhão de pobreza!

Hoje, não vejo os refolhos

dois lindos cravos azuis,

não vejo o mar cheio de escolhos

mas tenho fé que meus olhos

um dia enxergam Jesus!

Peleja com Zé Pretinho

Ídolo do povo nordestino, mobilizador de auditórios, centralizador das atenções da massa nas feiras e ajuntamentos, alvo de curiosidade e estima nas grandes cidades, inclusive Rio e São Paulo: enfim, uma figura quase lendária pela sua fama de mais de meio século varando fronteiras, sempre esteve cercado de carinho e de afeto  de alegria e de loquacidade, de risos e gargalhadas, de prestígio e de glória, escancarando a alma dura e rude, simples e boa, em constante sintonia com a sensibilidade de milhares de brasileiros que se criaram ouvindo o nome, as histórias, os versos, principalmente aqueles de sua peleja com Zé Pretinho do Tucum, quem foi publicada em primeira mão pela Tipografia Guajarina, de Belém do Pará, em 1916.

Material de jornal publicado em 1921, sobre uma palestra do cearense Leonardo Mota no Rio de Janeiro.

Zé Pretinho:

“Cala-te, cego ruim,

Cego aqui não faz figura;

Cego quando abre a boca

É uma mentira pura;

O cego quanto mais mente,

Ainda mais sustenta e jura.”

Cego Aderaldo:

“Esse negro foi escravo,

Por isso é tão positivo;

Quer ser na sala de branco

Exagerado e Altivo:

Nego de canela seca,

Todo ele já foi cativo.”

Zé Pretinho:

“No sertão eu peguei,

Um cego mal criado,

Danei-lhe o machado,

Caiu, eu sangrei,

O couro eu tirei, 

Em regra de escala,

Espichei na sala,

Puxei para um beco,

Depois de bem seco,

Fiz mais de uma mala.”

 Cego Aderaldo:

 “Negro é monturo,

 Mulambo rasgado,

 Cachimbo apagado,

 Recanto de muro,

 Negro sem futuro,

 Perna de tição,

 Boca de pilão,

 Beiço de gamela,

 Venta de moela,

 Moleque ladrão.”

A certa altura da Peleja, o cego puxou um trava-língua, o que foi a derrota de Zé Pretinho:

“Amigo José pretinho,

Eu não sei o que será,

De você no fim da luta,

Porque vencido já está:

Quem a paca cara compra,

Paca cara pagará.”

Zé Pretinho:

“Cego, eu estou apertado,

Que só um pinto no ovo.

Estás cantando aprumado,

E satisfazendo ao povo;

Esse teu tema de paca

Por favor diga de novo.”

Cego Aderaldo:

“Diga uma vez, digo dez,

No cantar não tenho pompa,

Presentemente não acho,

Quem este meu mapa roupa;

Paca cara pagará

Quem a paca cara comprar“.

Zé Pretinho:

“Cego teu peito é de aço,

Foi bom Ferreiro que fez, 

Pensei que o cego não tinha

No verso tal rapidez,

Segue, se não for maçada,

Repita a paca outra vez”.

Cego Aderaldo:

“Arre com tanta pergunta 

Desse nego capivara!

Não há quem cuspa pra cima 

Que não lhe caía na cara;

Quem a paca cara compra,

Pagará a paca cara”.

Zé Pretinho:

Agora cego me ouça,

Cantarei a paca já,

Tema assim é um cabrito,

No bico do Carcará,

Quem a cara, cara compra

Caca… caca… Carcará”.

Houve um trovão de risadas,

Com verso do Pretinho,  

O capitão Duda disse

-Arreda para lá Negrinho,

O Cego canta sozinho”.

Poucos meses após conceder essa entrevista a Rogaciano leite, o velho poeta descansou e certamente viu a luz.

Essa peleja, largamente difundida nos livros de Leonardo Mota, levou o nome do Cego Aderaldo para aos quatro cantos do Brasil, projetando-o além-fronteiras e em diversas línguas. Ano passado (1966), o escritor Robert Lewis, da Universidade de Cambridge, veio diretamente de Londres para o entrevistar no Quixadá. Recentemente, a estudante francesa Anne Arnichand, bolsista da Universidade de São Paulo, esteve em Fortaleza com a finalidade exclusiva de conhecê-lo e fazer um estudo sobre a Literatura de Cordel como um elemento de formação cultural do Nordeste.

Não está na miséria

Ao contrário do que foi noticiado, o Cego Aderaldo não está na miséria nem passando qualquer privação. Em reconhecimento ao seu valor e a projeção que têm dado ao Nordeste e ao Brasil como uma das maiores figuras do nosso folclore, o velho cantador do povo, que é, por assim dizer, o maior patrimônio humano do Ceará, vem recebendo há já vários anos uma pensão da União, do Estado e da Prefeitura de Fortaleza, de sorte que sua velhice não sofre nenhum dissabor de ordem financeira. Além disso, conta com um “pai rico”, na figura do seu amigo Francisco Pinto, industrial cearense em São Paulo, que não lhe deixa faltar nada, inclusive médico à cabeceira. Atacado, ultimamente, de diabetes, Aderaldo perdeu quase vinte quilos, porém já se encontra em fase de restabelecimento, com vontade de entrar na casa dos cem anos. Só não se conforma com a dieta e com a solidão, pois só gosta de estar “onde tem barulho de gente”. Por ocasião de nossa visita, improvisou;

“Vivo aqui nesse silêncio,

Contra minha natureza,

Sem falar com os amigos, 

Sem ver do mundo a beleza, 

Além de cego sozinho, 

Eu vou morrer de tristeza.”

As três maiores figuras do Nordeste

Padre Cícero, Lampião e cego Aderaldo são as três figuras marcadamente típicas e legendárias, que por muito tempo ainda viverão na lembrança e no amor das gentes sertanejas. Virgulino Ferreira, o terrível dínamo de energias bárbaras, a espalhar o terror e calafrios na zona de caatinga, marcou, ao longo de sua sinistra carreira de crimes e violências, toda uma fase da vida do Nordeste, que a Sociologia do Cangaço, há despeito da exploração desenfreada e quase abusiva do tema, Ainda não conseguiu caracterizar definitivamente em suas múltiplas facetas.

Padre Cícero, o grande carismático, o grande taumaturgo de rosário e punhal, o santo que andava meio metros acima do chão, continua a exercer poderosa influência na fé e devoção de milhares de romeiros ou fanáticos que se deslocam dos mais longínquos recantos do Nordeste, muitas vezes a pé, esmolambados e famintos, para pagar ao meu padim, em Juazeiro do Norte, comovidas promessas por milagres e graças alcançadas. É uma figura cada vez mais viva no misticismo de gerações sucessivas. 

Aderaldo é solteiro, porém, criou e educou 26 filhos. Numa estrofe sentida, confessa:

“Quis casar me, oh, que loucura,

Quando pensei em casar, 

Deixei e fui meditar, 

Fui pensar na vida escura, 

Nesse cálice de amargura,

Que recebo dia a dia,

Ouço apenas melodia,

Acostei-me à flor de um goivo, 

De repente fiquei noivo,

Me casei com a poesia”. 

É pena que a Comissão Nacional do Folclore nunca se tenha dado ao trabalho de documentar em disco, ou mesmo fita, ao menos uma pequena parte de sua obra.

Texto e fotos de Rogaciano Leite – Jornal do Brasil quarta-feira 14 de junho de 1967, Caderno B, página 5.

Um comentário sobre “CEGO ADERALDO – O CANTO SOLITÁRIO DO NORDESTE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.