Imagens

GRANDE HOTEL – UM MARCO DE NATAL NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Um verdadeiro ícone do período da Segunda Guerra Mundial em Natal – Foto – Rostand Medeiros.

ROSTAND MEDEIROS – INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE -IHGRN

Antes mesmo de Natal se consolidar na segunda metade da década de 1920 como um importante ponto para a aviação mundial, o governador Juvenal Lamartine de Faria, que exerceu seu mandato entre 1928 a 1930, percebeu a necessidade de construir um hotel amplo e moderno, que atendesse as intensas transformações que o transporte aéreo projetava para o Rio Grande do Norte.

Planta original do Grande Hotel.

Na edição do jornal Diário de Natal, de 25 de novembro de 1948, na segunda página, encontramos um interessante relato da história do Grande Hotel, onde soubemos que o governador Lamartine chegou mesmo a adquirir um terreno na Ribeira para a construção de um hotel. Mas a sua deposição, como parte dos desdobramentos da Revolução de 1930 no Rio Grande do Norte, abortou essa ideia. Coube então ao Interventor Mário Leopoldo Pereira da Câmara a compra de um outro terreno. Este era localizado na esquina das Avenidas Duque de Caxias com Tavares de Lira, sendo fechado o negócio no dia 15 de outubro de 1935, quatorze dias antes desse político deixar o poder executivo estadual. O novo governador Rafael Fernandes de Gurjão deu prosseguimento a esse projeto. Vale ressaltar que por essa época algumas empresas aéreas já utilizavam a capital potiguar como escala em suas viagens ligando a Europa e os Estados Unidos até a América do Sul. Sendo constantes os pousos de hidroaviões no estuário do Rio Potengi e no Campo de Parnamirim, a vinte quilômetros do centro de Natal.

A partir de 1935 o arquiteto francês Georges Henry Mournier realizou os estudos e o projeto do Grande Hotel de Natal. Mournier chegou ao Brasil no dia 26 de outubro de 1927 e marcou sua carreira com inúmeras obras pelo Nordeste. Além do nosso Grande Hotel, esse francês foi o responsável em 1939 pelo projeto arquitetônico da Catedral Metropolitana de Fortaleza e do Cineteatro Pax, de Mossoró, construído no estilo Art déco. Coube a ele o projeto do Grande Hotel de Recife, do prédio da Prefeitura de Campina Grande, da urbanização do Parque Sólon de Lucena em João Pessoa, do Seminário de Garanhuns e outros mais[1].

Projeto da Escola de Aplicação do Instituto de Educação, em João Pessoa, Paraíba. Autoria de Georges Henry Mournier: Fonte – Revista O Cruzeiro, edição de 10 de dezembro de 1938, página 61.

Através do Decreto estadual nº 431, de 22 de fevereiro de 1938, o governador Rafael Fernandes contraiu um empréstimo para a conclusão da obra e o prédio foi inaugurado em maio de 1939. O total gasto na obra, segundo Itamar de Souza, foi de “1.607.856,500”. Mas o empreendimento só começou efetivamente a funcionar em setembro daquele ano[2].

Antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial, o bairro comercial mais importante de Natal era a Ribeira. Era nessa região que se concentravam os principais órgãos de governo, onde estavam as estações ferroviárias e o porto. As avenidas Duque de Caxias, Tavares de Lira, largas e arborizadas e as praças José da Penha e Augusto Severo compunham o quadro, que mudou radicalmente com a inauguração do Grande Hotel.

O hotel, que possuía 76 apartamentos, foi então arrendado ao comerciante Theodorico Bezerra, proprietário da empresa Theodorico Bezerra & Cia., e membro da Associação Comercial. Segundo relatos da época Theodorico era uma das pessoas que mais entendia de hotelaria em Natal. Em uma reportagem do Diário de Natal de 23 de janeiro de 1985, página 3, ao rememorar quase 50 anos de atividade do Grande Hotel, Theodorico Bezerra informou que fora proprietário do Hotel dos Leões, do Hotel Independência, do Palace Hotel e do Hotel Internacional.

Theodorico Bezerra no Congresso Nacional, quando exercia o cargo de deputado federal na década de 1950.

Na edição de 1938 do Almanak administrativo, mercantil, e industrial do Rio de Janeiro, ou Almanak Laemmert, um ano antes da inauguração do Grande Hotel, na sua página 762, encontramos a informação que Natal possuía nessa época oito estabelecimentos de hospedagem. Eram estes o Hotel Avenida (Rua Nísia Floresta, 223), o Hotel Internacional (de propriedade do Sr. David França, localizado na Avenida Tavares de Lira, 115), o Palace Hotel, (também de David França, na Rua Chile, 106), a Pensão Brasil (na Rua Senador José Bonifácio, ou Rua das Virgens, nº 168), a Pensão Familiar (de Maria Cabral, na Rua Junqueira Aires, 417), a Pensão Moderna (na Rua Senador José Bonifácio), Pensão Rio Branco (de Olívio Gonçalves Guerra, Avenida Rio Branco, 456) e a Pensão Natal (Avenida Rio Branco).

Em 1942 Newton Tornaghi, então oficial da Marinha do Brasil com o posto de Capitão-tenente e imediato da corveta Jaceguai, publicou na edição de 05 de maio do Jornal do Brasil um interessante texto sobre a Natal que ele conheceu antes e durante a Guerra. Mesmo com a localização privilegiada, Tornaghi apontou que já na época de sua inauguração surgiram dúvidas entre os natalenses do sucesso do Grande Hotel. Achavam que o movimento do porto e das aeronaves que por Natal passavam “não comportavam tão avançado empreendimento”. O oficial naval percebeu o hotel como “bem organizado, com construção moderna”, mas “um pouquinho menor que o nome apontava e um pouquinho maior do que a cidade se acostumou a vê-lo”.

Esse relato do Capitão Tornaghi foi confirmado em 1970 pelo jornalista Djair Dantas, que publicou em uma interessante reportagem a decadência do Grande Hotel naquele período. Ao entrevistar o antigo funcionário José Santana Sobrinho esse narrou que os dois primeiros anos foram difíceis, pois “o homem do interior, por exemplo, não queria nunca hospedar-se aqui”[3].

Mas tudo mudou quando os primeiros norte-americanos chegaram à cidade. Estes foram os técnicos da ADP, com a função especifica de trabalhar no desenvolvimento de Parnamirim Field e foi para o Grande Hotel que eles se dirigiram em busca de algum conforto. Para Newton Tornaghi, com a chegada da guerra o Grande Hotel transformou-se em um local interessante, onde “falava-se todos os idiomas”.

Engenheiros americanos e, talvez, militaresamericanos, no Grande Hotel: Fonte –http://macauemdia.blogspot.com/2012/03/natal-no-tempo-da-2-guerra.html

E o movimento no local era intenso. Em um artigo sem autor conhecido, encontramos o comentário que diante do surpreendente movimento de estrangeiros na cidade, o “Grande Hotel hoje deveria ser em duplica, ou triplicata, para atender aos hóspedes”. Logo o inglês, depois do português, passou a ser o idioma mais falado nas dependências do hotel, bem como nos bares, restaurantes, boates e no comércio local[4]. Para Lenine Pinto o lugar era o “Espelho da Ribeira”. Do seu mezanino, que se abria sobre o restaurante, uma pequena orquestra tocava valsinhas na hora das refeições. Além dos estrangeiros, grandes figuras de projeção nacional e da máquina governamental de Getúlio Vargas se hospedavam no Grande Hotel, inclusive altas autoridades militares como os Generais Eurico Gaspar Dutra e João Batista Mascarenhas de Morais. O Almirante Ary Parreiras, construtor da Base Naval de Natal, só se hospedava com a família e o General Gustavo Cordeiro de Farias ficava sempre no quarto 216[5].

Ao rememorar no Diário de Natal de 23 de janeiro de 1985 seus momentos no Grande Hotel, Theodorico lembrou que instalou no hotel um cassino “com todo tipo de jogo” e cravou que foi “nessa época que ganhei mais dinheiro aqui no hotel”. José Santana Sobrinho comentou a Djair Dantas que o nome da casa era Casino Natal e que para abrir esse negócio Theodorico fez uma parceria com um “italiano chamado Bianchi”. Esse não era outro se não Alberto Quatrini Bianchi, descendente de italianos nascido em Rio Claro, São Paulo, proprietário, ou arrendatário, de casinos e hotéis no Rio de Janeiro, Guarujá, Recife, Poços de Caldas, Ouro Preto, São Luís do Maranhão, Niterói e outros lugares. Para o ex-fotógrafo da Marinha dos Estados Unidos John R. Harrison, em seu livro Fairwing Brazil – Tales of South Atlantic in World War Two (Schiffer Publishing, 2014, Atglen, PA, USA) , na página 200, o Grande Hotel estava sempre cheio e seu proprietário utilizou de considerável perspicácia política para obter uma licença que permitisse o funcionamento de um cassino naquele local. Provavelmente foi Bianchi que conseguiu essa liberação junto aos políticos, pois conhecia bem “o caminho das pedras” entre essas pessoas. 

Para Clyde Smith o hoteleiro Theodorico Bezerra quase perdeu a concessão que possuía para gerir o principal hotel de Natal. E a investida partiu do General Antônio Fernandes Dantas, caicoense de nascimento, que substituíra Rafael Fernandes à frente do executivo potiguar em 9 de junho de 1943, mas Clyde não explica a razão. Esse autor norte-americano comentou que realmente Theodorico ganhou muito dinheiro com os militares do seu país naqueles anos e, apesar do Observador Naval da Marinha dos Estados Unidos haver conseguido informações que apontavam tendências pró-germânicas por parte de Theodorico, os norte-americanos sempre foram tratados corretamente naquele estabelecimento[6].     

Uma visita que verdadeiramente marcou o Casino Natal foi a do ator hollywoodiano ‎Humphrey Bogart. Ele passou por Natal entre novembro e dezembro de 1943 e esteve no casino na noite de 30 de novembro, uma terça-feira, na companhia de um coronel chamado Wallace Ford e outras autoridades americanas[7]. Santana lembrou que no Cassino Natal o pianista Paulinho Lyra dedilhava um piano novo em folha, que foi comprado ao médico Januário Cicco.

Após sua passagem por Natal, o ator Humphrey Bogart realizou uma apresentação para as tropas americanas estacionadas no Norte da África: Fonte – https://humphreybogartestate.tumblr.com/post/51455706393/humphrey-bogart-on-stage-during-an-uso-event-in

Protásio Melo comentou que ao redor do Grande Hotel, que ele denominava “Quartel General dos americanos”, podia-se ver todo tipo de comércio improvisado, vendendo todo tipo de coisa aos estrangeiros. Havia desde saguis, papagaios, corujas, periquitos, rendas do Ceará, facas de ponta vindas de Campina Grande e toda uma “cavalaria” de alimárias para serem alugados para passeios e fotos. Protásio narrou também que viu nas mesinhas do bar do hotel artistas cinematográficos como Joel McCrea, Buster Crabbe, Bruce Cabot e Martha Raye, nomes famosos de Hollywood nas décadas de 1930 e 1940[8].

Para José Santana Sobrinho o Grande Hotel era uma das grandes referências para os visitantes da cidade, se não a principal. Pessoas ilustres, mesmo sem se hospedarem, por ali passavam para tomar uma bebida. Foi o caso da Madame Chiang Kai-Shek, ou de Oswaldo Aranha, então Ministro das Relações Exteriores do Brasil.

Oswaldo Aranha, Ministro das Relações Exteriores do Brasil em grande parte do período da Segunda Guerra Mundial, esteve no Grande Hote. Fonte: – http://www.chumbogordo.com.br/13817-oswaldo-aranha-e-o-tempo-de-gigantes-na-politica-por-cesar-maia/

Por viver lotado, Santana lembrou que teve gente como o famoso jornalista David Nasser, ou Paschoal Carlos Magno, então diretor de teatro e futuro Chefe de Gabinete do Presidente Juscelino Kubitschek, que foram obrigados a dormir mal acomodados em sofás, ou embaixo de escadas, quando estiveram no Grande Hotel.

Devido a lotação Theodorico Bezerra, que ficou conhecido no Rio Grande do Norte como “o majó”, alugou apartamentos nas proximidades, principalmente nos Edifícios Bila e Varela, na Avenida Duque de Caxias. Para José Santana Sobrinho, devido a sua categoria, não dava para o Grande Hotel hospedar náufragos de navios torpedeados que apareciam “nus da cintura para cima” e eles eram enviados para esses anexos. Nesses locais também ficavam os passageiros dos hidroaviões Boeing 314 Clipper, da Pan American Airways, que pernoitavam em Natal, seguindo viagem para ou sul do Brasil, ou em direção aos Estados Unidos.

Os passageiros dos hidroaviões Boeing 314 Clipper, da Pan American Airways que pernoitavam em Natal se hospedavam no Grande Hotel, ou em seus anexos.

Se a vinda dos militares norte-americanos trouxe reais benefícios a membros da elite social natalense, seguramente um destes, ou o principal, foi Theodorico Bezerra.

Após o fim da Segunda Guerra, mesmo com o declínio econômico e financeiro que Natal sentiu com a saída das tropas estrangeiras, a projeção e referência do Grande Hotel na vida do povo natalense atingiu níveis interessantes. Um desses casos é o da praça diante do estabelecimento, que se tornou durante muitos anos uma espécie de rodoviária informal da cidade. Chamada de Praça José da Penha, antiga Leão XIII, era um local de muito movimento e central em relação ao comércio da época. Ali se concentravam pelo menos quatro linhas de ônibus para o interior. De quarta aos sábados, a partir das cinco da manhã, partia um veículo para Caicó. Já para Macaíba havia duas viagens por dia, todos os dias da semana. No caso de Nova Cruz a linha funcionava de quarta aos domingos, a partir de duas da tarde. Já para Ceará-Mirim tinha ônibus todos os dias às quatro da tarde[9].  

Theodorico Bezerra continuou como arrendatário por 48 anos, até 1987, quando não apenas seu antigo hotel, mas todo o bairro da Ribeira já viviam um franco declínio.

Nos dias atuais o prédio do Grande Hotel é utilizado pelo Juizado Especial Central da Comarca de Natal, antes conhecido como Juizado de Pequenas Causas. Mas existe a informação que em um futuro breve a justiça potiguar deixar de utilizar esse local.

E o que acontecerá com o velho Grande Hotel?

NOTAS



[1] Ver A Ordem, Natal, 26/12/1947, pág. 7.

[2] Souza, Itamar. Nova História de Natal, 2. Ed. – Natal-RN: Departamento Estadual de  – Imprensa, 2008. Páginas 306 e 307.

[3] Ver Diário de Natal, ed. 30/11/1970, pág. 3.

[4] Ver A Ordem, Natal ed. 15/06/1944, pág. 4.

[5] Pinto, Lenine. Natal, USA. 2. Ed – Natal-RN: Edição do autor, 1995. Páginas 135 e 136.

[6] Smith Junior, Clyde – Trampolim Para a Vitória. 2. Ed. – Natal-RN: Ed. Universitária, 1999, Páginas 107 e 108.

[7] Ver O Diário, Natal, Ed. 01/12/1943, pág. 2

[8] Revista Século, Fundação Cultural Padre João Maria, ano IV, nº 4, dez. 1999, pág. 23.

[9] Ver A Ordem, Natal, Ed. 22/05/1948, pág. 9.

Anúncios

BAILE DE MÁSCARAS

O jornalista e escritor Vicente Serejo – Foto: Alex Régis/ Tribuna do norte

Vicente Serejo

Jornalista e escritor

Publicado originalmente na Tribuna do Norte, edição de 8 de julho de 2019.         

Nenhuma instituição cultural do Rio Grande do Norte cuida para valer da história do seu povo. Nenhuma. Para citar uma exceção, seria a Universidade Federal que, embora sem muito fulgor, tem pelo menos editado e reeditados livros e estudos indispensáveis ao registro do nosso pensamento intelectual, ontem e hoje. As demais, lustram com o verniz da vaidade o bestunto e os egos, e nem notam que se transformaram em capitanias quando deveriam ser usinas de idéias.

Quase sempre louvaminheiras, levadas à feérica distribuição de berloques e medalhões, nossas instituições aceitaram viver como se tivessem donos, e hoje estão mergulhadas em velhos vícios. Perdemos o bonde de tudo quanto tem renovado o movimento cultural do Nordeste e do Brasil. O que conquistamos no passado, em cosmopolitismo, perdemos nas últimas décadas, ressalvadas as iniciativas individuais e pessoais de alguns teimosos no ofício da resistência.

Fomos arrojados, sim. Uma cidade do mundo. Desde as travessias marítimas e aéreas. Com Augusto Severo. Nos direitos da mulher, com Nísia Floresta. Na poesia de Ferreira Itajubá e Jorge Fernandes. Nas idéias de Henrique Castriciano para a educação feminina. No sertão de Eloy de Souza e Felipe Guerra. No olho antecipador de Joaquim Inácio de Carvalho. No gênio de Cascudo estudando o povo. No grito das vanguardas – a poesia concreta e o poema processo.

Como pensadores, mesmo numa província cercada destes morros, deste rio e deste mar, estivemos nas maiores e mais importantes coleções do pensamento intelectual brasileiro com os nossos nomes. Na Brasiliana e na Coleção Documentos Brasileiros, para citar as duas maiores:  Rodolpho Garcia, Aurélio Pinheiro, Câmara Cascudo, Jayme Adour, Garibaldi Dantas, Peregrino Júnior. Hoje, estamos confinados às nossas editoras particulares ou financiando a própria glória.

Nossa única biblioteca pública estadual está fechada há mais de dez anos. Nosso Teatro, tão nobre no afrancesamento de suas grades e seus lustres magistrais, fechou as portas há mais de cinco anos. A Fortaleza dos Reis Magos corre o risco de perder a solidão de sua beleza colonial cercada de um parque turístico modernoso. Não temos museus. Não temos casarões restaurados, nem monumentos preservados. E os que fazem o turismo dito cultural são jejunos intelectuais.

Sequer temos merecido o protesto genial, nascido, qual Fênix, das nossas próprias cinzas.  Teria sua beleza e espantaria o mundo. Perdemos a vida pacata, tangidos pelo falso progresso, e ganhamos a pasmaceira. Os improvisos substituíram as idéias e os sabidos tomaram o lugar dos sábios. Rasos em tudo, perdemos o engenho e a arte. Não somos usina. Somos de novo aquela aldeia de vaqueiros e pescadores, como um dia advertiu Edgar Barbosa. Sem ouro e sem fortuna.


NOTA – Meus sinceros agradecimentos ao jornalista Vicente Serejo pela cessão do texto de sua autoria para publicação em nosso TOK DE HISTÓRIA.

Fonte da foto da moldura – https://mercadonegroantiguidades.com.br/caneta-de-pena/