O CANGACEIRO ANTÔNIO SILVINO NA SERRA DOS CANAVIAIS – UM DOS CAPÍTULOS DO MEU NOVO LIVRO

No último dia 16 de junho de 2012, um sábado, no Tropical Eco Resort, em São José de Mipibu ocorreu o lançamento do nosso mais novo livro.

Nosso novo trabalho.

Intitulado “Fernando Leitão de Moraes – Da Serra dos Canaviais à Cidade do Sol” foi um trabalho biográfico que buscou registrar a trajetória de um pernambucano nascido na região da Zona da Mata Norte, que escolheu Natal para viver e aqui criou raízes.

Trabalho simples, mas feito com esmero e dedicação, fruto do reconhecimento do meu trabalho anterior sobre o criador do Grupo Santa Clara/Três Corações, esta nova atividade nós levou a conhecer a região da cidade pernambucana de Macaparana, um belo e pouco conhecido local.

Estive na região em cinco ocasiões, sempre sendo muito bem acolhido, realizando os levantamentos necessários para a realização do nosso trabalho.

O convite para o lançamento do livro no éltimo dia 16 de junho de 2012

Por estar em um local onde existem elevações com mais de 800 metros de altitude, decidi criar o termo “Serra dos Canaviais”, fato desconhecido das maravilhosas pessoas desta região.

No artigo a seguir, uma adaptação do terceiro capítulo do nosso novo livro, trago um relato dos contatos ocorridos entre o famoso cangaceiro Antônio Silvino e antepassados do nosso biografado na região de Macaparana.

A ideia de se inserir os acontecimentos relativos a Antônio Silvino neste trabalho se deveu as lembranças da infância de Fernando Leitão de Moraes,

A passagem do bando deste famoso cangaceiro pela região da antiga Macapá, onde ocorreram combates que marcaram a memória local. Quem contava essas histórias ao nosso biografado era seu pai, Durval, sempre na casa do Sítio Gitó, no alto da Serra do Pirauá, acompanhado da plateia formada pelos filhos, parentes e moradores.

Aqui nosso biografado junto a sua irmã Creusa de Moraes Cavalcanti e sua sobrinha Creusa Olívia, defronte a casa centenária de seu avô, João Leitão de Melo, no Sítio Esquecido, atualmente na área rural da cidade pernambucana de São Vicente Ferrer. Tenho uma enorme gratidão a Dona Creusa e a sua filha pelo apoio nesta pesquisa. Foto – Rostand Medeiros

Foi realmente uma experiência interessante, que culminou com a festa de lançamento, de caráter privado e distribuição do livro dirigida aos cerca de 350, convidados que estiveram presentes na comemoração do 80º aniversário de Fernando Leitão de Moraes.

Neste trabalho biográfico contei com o total apoio de seus familiares, principalmente seus filhos Fernando Junior, Hermano da Costa Moraes e Fabiano Moraes, a quem agradeci diretamente na dedicatória de “Fernando Leitão de Moraes – Da Serra dos Canaviais à Cidade do Sol”.

A PRESENÇA DO CANGACEIRO ANTÔNIO SILVINO NA REGIÃO DE MACAPARANA

Antônio Silvino nasceu em no dia 2 de novembro de 1875, na Fazenda Colônia, zona rural de Afogados da Ingazeira, Pernambuco. A principal causa da sua entrada no cangaço, em 1896, foi a intenção de vingar a morte de seu pai. Lutou ao lado de seu tio, Silvino Aires de Alencar, e depois assumiu a chefia do grupo quando Aires foi morto, em 1900, em um combate na Paraíba, contra o tenente Luís Mansidão.

Antônio Silvino

Antônio Silvino foi o mais famoso cangaceiro do Nordeste brasileiro antes de Lampião. Foi rotulado de “Rifle de Ouro”, “Rei do Cangaço” e, durante 16 anos, ficou conhecido como “Governador do Sertão”.

As ocorrências envolvendo esse famoso cangaceiro, parentes e amigos da família do nosso biografado se deram entre os anos de 1904 e 1908, quando o bandoleiro e seus homens rondaram a região em vários momentos, atravessando impunemente a fronteira entre a Paraíba e Pernambuco.

Em 1904, a pequena Macapá continuava na sua missão de apoiar os que por ali passavam com destino a São Vicente e Timbaúba, em Pernambuco, ou a Umbuzeiro, já na Paraíba.

Visão atual da cidade de Macaparana, Pernambuco, antiga Macapá. Foto – Rostand Medeiros

No lugar, prosperava o comerciante Manoel Francisco de Paula, conhecido como Manoel Belo, dono de um sortido armazém, daqueles que vendiam de tudo um pouco, que ficava ao lado da igreja. Era tido como um homem rico e também acumulava a função de delegado.

No dia 22 de outubro de 1904, segundo o jornal recifense “A Provincia”, edição de quinta-feira, 27 de outubro de 1904, p. 1-2, por volta das sete horas da noite um grupo de dez homens fardados chegou a Macapá supostamente conduzindo um preso. Mas o soldado de plantão reconheceu que o detido era o famigerado cangaceiro “Cocada”, parceiro de Antônio Silvino, e foi feito refém naquele momento, sendo obrigado a levar o bando à casa do subdelegado da povoação.

Diante da autoridade, Silvino, que usava uniforme com divisas de Sargento, informou que o seu negócio naquele lugar era com o comerciante Manoel Belo.

Foi, então, conduzido à residência do dono do armazém, onde fez inúmeras ameaças. Os cangaceiros levaram dinheiro, peças de tecidos, rifles e outros produtos. Segundo o jornal, foi o soldado refém quem conseguiu convencer Antônio Silvino a não levar Manoel Belo em troca de seis contos de réis.

Antiga casa de Manoel Belo, em Macaparana – Foto Rostand Medeiros

Após essa primeira abordagem, o bando ainda atacou outras casas comerciais. Levou, inclusive, todo o dinheiro do posto de arrecadação fiscal que ali existia, deixando o povoado às onze horas da noite, depois de quatro horas de terror.

Ainda de acordo com o periódico, depois de saírem da cidade, os cangaceiros se dirigiram ao Engenho Macapá; às cinco horas da manhã, seguiram para o Engenho Bonito, de João do Rego Cavalcanti, e depois para o Engenho Santa Tereza, de Francisco Prefeito de Albuquerque Maranhão, quando tomaram a direção de Bom Jardim. O jornal não informa se eles atacaram esses locais nem fornece maiores detalhes sobre o percurso.

A primeira página da edição de “A Provincia” de terça-feira, 1 de novembro de 1904, traz uma extensa reportagem sobre o ataque do bando de Antônio Silvino a Macapá, fazendo sérias acusações a proprietários rurais da região de fornecerem apoio ao cangaço[1].

Outro caso envolvendo Antônio Silvino não está ligado diretamente a Macapá, mas a um parente de Fernando Moraes, o fazendeiro e comerciante Joaquim Tavares Vieira de Melo.

Ele era conhecido na família Leitão como “Quincas Tavares” ou “Tio Quinca”, a quem a mãe do nosso biografado, Izabel de Andrade Melo, muitas vezes mandou Fernando Moraes e seus irmãos pedirem a bênção. Fernando lembra-se dele como sendo um homem alto e forte.

Joaquim casou em 25 de novembro de 1886 com Leonor Ferreira Gomes de Andrade. Era tido como um homem de grande poder aquisitivo e possuía uma imponente casa numa localidade conhecida como Poço Comprido, onde exercia liderança política.

Ao lado do casarão ficava seu armazém, com farto sortimento de Mercadorias[2].

Quincas Tavares tinha, em casa, um verdadeiro arsenal de rifles e farta munição. Um dia, estava limpando sua coleção, quando uma pessoa passou e lhe indagou qual era o motivo de possuir tantas armas. Certamente confiando no potencial bélico do qual dispunha, proclamou, aos quatro cantos, que “ali Antônio Silvino não teria vez”.

Sem nenhum aviso, Silvino chegou a Poço Comprido para tomar satisfações com Joaquim.

Visão atual do Distrito de Pirauá – Foto – Rostand Medeiros

Surpreendido, o comerciante clamou pela vida. O chefe cangaceiro declarou que Joaquim estava preso e que sua liberdade custaria muito caro. Foi quando o detido se lembrou do comerciante e amigo Gonçalo José de Medeiros, que morava no povoado de Pirauá, já na fronteira com a Paraíba, argumentando com Antônio Silvino que certamente seu camarada teria condições de pagar pelo resgate.

Antes de seguir para Pirauá, o armazém de Quincas Tavares foi saqueado, suas armas e munições foram tomadas e muitos mantimentos foram espalhados na principal rua do lugarejo para que fossem recolhidos pelos mais pobres.

Casa do major Gonçalo José de Medeiros, em Pirauá, na fronteira entre Pernambuco e Paraíba, para onde Antônio Silvino e seu bando levaram Joaquim Tavares Vieira de Melo como refém. Foto – Rostand Medeiros

Em Pirauá, Major Gonçalo, como era conhecido o mais importante comerciante local, disse a Silvino que possuía apenas duzentos mil réis e que daria todo aquele dinheiro para que seu amigo fosse solto pelo bando. Antônio Silvino, irritado com o baixo valor oferecido pelo prisioneiro, respondeu que a liberdade de Joaquim valia dois contos de réis.

Diante do impasse, o chefe cangaceiro decidiu partir pela estrada que segue para a região do Sítio Gitó, já na Paraíba. Segundo uma das versões da história, Silvino iria levar seu prisioneiro para ser morto embaixo de uma frondosa cajazeira que ficava à beira da estrada.

Apesar das ameaças, o experiente cangaceiro percebeu que matar aquele homem não lhe traria nada de valor, além de problemas e perseguições. O melhor era receber os duzentos mil réis do

Major Gonçalo e evitar mais essa morte nas suas costas.

Ameaçou, então, um camponês que passava, exigindo que ele trouxesse o dinheiro que o comerciante de Pirauá havia oferecido em troca da vida de Joaquim.

Depois de receber e contar as notas, soltou seu prisioneiro.

Quase um ano depois do ataque a Macapá, Antônio Silvino e seu bando fariam um assalto a um engenho cujo proprietário era uma pessoa ligada a membros da família Moraes.

O fazendeiro Manoel Inácio de Andrade Lima. Fonte: Arquivo de José Inácio Moraes Andrade

Manoel Inácio de Andrade Lima era o senhor do Engenho Mirador, próximo à cidade de Bom Jardim, Pernambuco. Era uma terra poderosa, rica, com grandes áreas de plantações de cana-de-açúcar.

O motivo da visita do chefe cangaceiro seria uma vingança.

Em uma ocasião anterior, Silvino havia mandado um mensageiro pedir dinheiro ao dono do Engenho Mirador. Era uma das famosas solicitações de Antônio Silvino, que descaradamente alegava que não podia trabalhar por causa da perseguição do governo à sua pessoa. Então, argumentava que, como não queria roubar, apenas “pedia aos amigos”.

Manoel Inácio se recusou a atender não apenas a este, mas a vários outros pedidos feitos pelo cangaceiro. O problema era que o bandido não se esquecia dessas negativas e, quando tinha oportunidade, saía para cobrar o que havia pedido ou para gerar um prejuízo de grande porte.

Antônio Silvino, movido pela vingança, mandou seus cangaceiros abaterem a tiros de rifle todo o gado do Mirador e destruírem a casa-grande do engenho, principalmente seus móveis. Antes de deixar o local, gritou para os moradores: “Não é para aproveitar nem o couro dos bichos mortos!”.

O prejuízo – associado ao trauma do ataque dos cangaceiros – foi tão intenso que Manoel Inácio de Andrade Lima decidiu vender o Engenho Mirador e se mudar para uma propriedade próxima ao povoado de Poço Comprido. Começou a plantar outras culturas agrícolas, mas não prosperou. Então, vendeu a gleba e arrendou o Engenho Paquevira, nos arredores de Macapá, que pertencia à Senhora Maria Borba, mãe do futuro governador pernambucano Manuel Borba.

Xilogravura com a figura de Antônio Silvino

Somente dez anos depois do ataque de Antônio Silvino, o fazendeiro Manoel Inácio pôde se recuperar financeiramente. Ele comentava com seus descendentes que “valia mais a pena ser arrendatário plantando cana-de-açúcar do que ser proprietário de uma terra e plantar outras culturas”[3].

Existe, ainda, um último e importante caso envolvendo um membro da família Moraes e o cangaceiro Antônio Silvino: o do Bacharel Francisco Porfírio de Andrade Lima.

Sobre esse personagem, utilizamos o ótimo trabalho de pesquisa genealógica desenvolvido por José Ignácio de Andrade Lima. Segundo o estudioso, Porfírio nasceu em 1863 e se formou Bacharel em Direito pela tradicional Faculdade do Recife no ano de 1887.

O Bacharel Porfírio foi casado com Cândida Rosa Albuquerque de Morais, que faleceu em 4 de agosto de 1920, quando Porfírio era Juiz de Direito em Timbaúba. A união gerou quatorze filhos, entre eles, Ana de Moraes Andrade, de quem falaremos adiante.

Francisco Porfírio de Andrade Lima. Fonte: Acervo fotográfico da Fundação Joaquim Nabuco, Recife, Pernambuco

Ainda sobre Porfírio, sabemos que ele foi um dos fundadores da Loja Maçônica “Obreiros do Porvir”, da cidade de Nazaré, e que foi avô materno de Jarbas de Andrade Vasconcelos, ex-governador e atual senador pernambucano[4].

Em 1912, Francisco Porfírio era Chefe de Polícia em Pernambuco, cargo que pode ser comparado ao atual Secretário de Segurança do estado. Junto com o Bacharel Hercílio de Souza, então Secretário de Justiça, elaborou um plano que poderia ajudar a acabar com as ações do cangaceiro Antônio Silvino.

A ordem para esse projeto partiu do governador pernambucano na época, o General Emídio Dantas Barreto, que esteve à frente do Poder Executivo do estado entre 1911 e 1915[5].5

Capturar Antônio Silvino era uma das mais importantes demandas na área de Segurança Pública do governo pernambucano naqueles tempos.

Há anos o famoso chefe do cangaço dominava os sertões de Pernambuco, da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Agindo com extrema mobilidade, Silvino não reconhecia a existência de fronteiras, mas as polícias estaduais – fracas, despreparadas e pouco numerosas – ainda tinham o agravante de não poderem cruzar os limites entre os estados.

Mensagem do governador pernambucano lida na Assembleia Legislativa do estado, em 1913, mencionando a reunião interestadual organizada por Porfírio. Fonte: Arquivo do autor

Percebendo que isoladamente as polícias não resolveriam a questão, Francisco Porfírio, mais conhecido na família Moraes como Dr. Chico Porfírio, concluiu, junto com Hercílio de Souza, que apenas a união de esforços dos governos estaduais e de seus aparatos de segurança pública poderia resolver o caso Antônio Silvino.

Foram enviadas mensagens para os governos dos estados da Paraíba, Rio Grande do Norte e do Ceará solicitando a presença de representantes em Recife para uma reunião que ocorreria no dia 25 de novembro de 1912.

O chamado foi respondido positivamente.

Da Paraíba, seguiu o administrador público e folclorista José Rodrigues de Carvalho. Do Rio Grande do Norte, veio o poeta, educador e escritor Henrique Castriciano de Souza e, do Ceará, seguiu para a importante reunião o escritor José Getúlio da Frota Pessoa[6].

Apesar da maioria dos respeitáveis representantes estaduais serem homens mais ligados à pena, utilizada para desenvolver poesias e textos literários, a reunião seguiu o caminho para o qual havia sido planejada. Os assuntos versados foram a criminalidade e a repressão ao banditismo, especialmente o caso Antônio Silvino.

Durante nossas pesquisas contamos com o apoio do pastor, pesquisador e professor Geraldo Batista (na cabeceira da mesa), que aqui está junto a Fernando Leitão de Moraes (a direita do Prof. Geraldo) e o autor deste trabalho (de camisa azul). Mestre Geraldo é uma grande figura humana, sempre disposto a ajudar, sendo imensamente devotado a Deus, a instrução e a história do seu lugar.

Ao final do encontro, foi realizado um festivo e concorrido almoço na conhecida “Pensão Landy”, à Rua Benfica, no centro da “Veneza brasileira”.

Henrique Castriciano de Souza retornou ao Rio Grande do Norte a bordo do paquete “Ceará”, da Companhia de Navegação Lloyd Brasileiro, em 3 de dezembro, sendo recebido no porto pelo governador Alberto Maranhão. No entanto, Castriciano não adiantou quase nada aos jornais da capital potiguar, visto que a reunião tinha “caráter reservado”.

Logo o periódico “A Republica” estampava um editorial no qual apontava que;

“Graças às medidas de vigilancia e perseguição postas em prática pelo Governo do Estado, agora mais efficazes com o acordo firmado em Pernambuco, os bandos de malfeitores acossados pelas polícias dos Estados compromettidos nessa obra saneadora dentro em breve terão desapparecido. Antonio Silvino, de todos os bandidos o mais sagaz, não escapará as deligencias inteligentemente combinadas, para extirpar do seio sertanejo, a sua mais profunda raiz do banditismo”.[7]

Cada estado participante do convênio idealizado por Porfírio deveria criar condições para ampliar o combate aos cangaceiros de Silvino. No caso do Rio Grande do Norte, o governador Alberto Maranhão atendeu ao que havia sido acordado e anunciou que ampliaria o efetivo do Batalhão de Segurança.[8]

Após a reunião dos governadores, a atuação de Antônio Silvino aparentemente se tornou extremante limitada, apesar de não haver indícios deste cangaceiro ter associado o enfraquecimento do seu poder à ação administrativa tocada pelo Dr. Chico Porfírio.

Sobre a captura de Antônio Silvino em 1914.

Ainda que o esforço de Porfírio tenha colhido bons resultados, ele não testemunharia, como Chefe de Polícia, a captura de Antônio Silvino, pois já havia deixado o cargo. Em seu lugar, assumiu o Bacharel Joaquim Maurício Wanderley.[10]10.

No dia 27 de novembro de 1914, dois anos depois da assinatura do convênio firmado entre os quatro estados nordestinos, o procurado chefe do cangaço foi capturado. Mas não por uma força conjunta interestadual, e sim por uma volante da polícia pernambucana comandada pelo militar Theophanes Ferraz Torres.[11]

O fato se deu em uma propriedade denominada Lagoa da Laje, na época pertencente territorialmente ao município pernambucano de Taquaritinga do Norte.

Notícia do jornal “Diário de Pernambuco”, informando a liberdade de Antônio Silvino.

Ferido, Antônio Silvino foi enviado a Recife. Depois, foi julgado e condenado a trinta e nove anos e quatro meses de reclusão em regime fechado. Ele só seria libertado em 13 de março de 1937, mediante um indulto assinado pelo então presidente Getúlio Vargas.

O temido cangaceiro permaneceu vinte e três anos, dois meses e dezoito dias na prisão. Faleceu em 28 de julho de 1944, em extrema pobreza, morando de favor na casa de uma prima na cidade de Campina Grande, Paraíba.


[1] As edições do jornal “A Provincia” aqui mencionadas se encontram na Hemeroteca do Arquivo Público do Estado de Pernambuco, na Rua do Imperador D. Pedro II, 371, Bairro de Santo Antônio, no Centro de Recife (PE).

[2]Poço Comprido, que tem mais de 120 anos, teve como um de seus fundadores justamente Joaquim Tavares. Quando era criança, ele tomava banho, junto com alguns amigos, em um poço construído na horizontal, uma espécie de canaleta para escoar a água, que ficou conhecido como Poço Comprido. O local ficava a cerca de três quilômetros da casa de seus pais, que residiam na Serra do Aburá. Quando casou, Joaquim construiu uma casa ao lado do poço e lá foi morar com sua esposa – daí surge o povoado. Informação gentilmente cedida por Creuza Olívia de Moraes Cavalcanti, de Macaparana, sobrinha De Fernando Leitão de Moraes.

[3] Manoel Inácio era o bisavô de José Inácio Moraes Andrade, sobrinho do nosso biografado, que ouviu a narrativa do caso contada pelo seu pai, José Inácio Filho.

[4] Em uma nota publicada no Jornal do Commercio (Recife, 17 jun. 2000), o ex-governador de Pernambuco e atual senador Jarbas Vasconcelos recordou que, pelo fato de seu avô ser Chefe de Polícia, a sua mãe, Dona Áurea de Andrade Vasconcelos, nasceu no mesmo prédio que abrigava, no ano de 2000, a Direto ria de Polícia Civil, na Rua da Aurora. Como os governadores pernambucanos residiam no primeiro andar do Palácio das Princesas, o avô do senador Jarbas morava no primeiro andar do prédio de sua repartição, mantendo no térreo o gabinete onde trabalhava.

[5] Emídio Dantas Barreto nasceu em Bom Conselho, Pernambuco, em 1850. Era militar, participando da Guerra de Canudos como Tenente-coronel; foi um dos primeiros a publicar registros sobre o acontecimento, narrando sua experiência no livro ”Última Expedição a Canudos”, lançado em 1898. Foi Ministro da Guerra no governo Hermes da Fonseca, depois governador e senador de Pernambuco. Além da carreira militar e política, Dantas Barreto redigiu obras científicas, estudos militares e romances históricos, deixando extensas informações sobre campanhas militares do seu período. Morreu no Rio de Janeiro, em 1931, aos 81 anos de idade.

[6] Segundo as amareladas páginas do jornal “A Republica”, que constam no Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte e no Arquivo Público do Rio Grande do Norte, em 1912, Henrique Castriciano de Souza respondia pelo cargo de Procurador Geral

do Estado.

[7] Em 1912, os termos “cangaço” e “cangaceiro” não eram muito utilizados pela imprensa nordestina. Eram mais comuns os vocábulos “banditismo”, “facinorosos” e “bandoleiros”. O texto é uma reprodução idêntica à redação da época.

[8] Esse aumento de efetivo foi publicado no jornal “A Republica”, em 18 de dezembro de 1912, através do Decreto Estadual nº 279. Interessante é notar a diferença de rendimento entre esses militares. Enquanto o capitão recebia 350$000 réis de gratificação mensal, aos soldados eram destinados apenas 5$000 réis. Para maiores detalhes, ver “A Republica”, edição de 22 de janeiro de 1912, p. 3.

[10] Não sabemos a razão de sua saída do governo.

[11] Ferraz Torres nasceu em 27 de dezembro de 1894, na cidade pernambucana de Floresta, e tinha o posto de Alferes em 1914. Ficou conhecido pelos combates, na década de 1920, contra Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

Anúncios

28 opiniões sobre “O CANGACEIRO ANTÔNIO SILVINO NA SERRA DOS CANAVIAIS – UM DOS CAPÍTULOS DO MEU NOVO LIVRO”

      1. Caro Rostand Medeiros, sou Normando Pereira de Lira, fiquei bastante comovido ao lê esta grandiosa obra biográfica publicada na Internet, por você. Parabéns. Ela fala da Família Borba, Andrade e Pereira da qual sou membro. Como também, do Sítio Aburá, Poço Cobrido, Timbaúba, pois foi lá que nasci e vivi até os 12 anos. Vindo para João Pessoa, onde vivo até hoje. Tenho 60 anos, sou servidor público moro no bairro do Bessa.

        Curtir

    1. LIGEIRA APRECIAÇÃO: Como membro, com muita honra, da histórica Família LEITÃO DE MELO, lemos, com enorme satisfação, as informações sobre os nossos antepassados,radicados na “Serra dos Canaviais”,há longo tempo. Nosso avô paterno, JÚLIO LEITÃO DE MELO, irmão de João Leitão de Melo,nasceu em dezoito de julho de 1882,tornando-se pastor evangélico há exatamente cem anos,em quatro de agosto de 1912,por ocasião da organização da Igreja Evangélica de Monte Alegre,depois transferida para o Povoado de Pirauá.Residiu no interior paraibano e, posteriormente,se radicou em Caruaru.Viveu 80 anos,deixando um verdadeiro exemplo de honradez,retidão de caráter e confiança inabalável em Deus,em meio às adversidades inevitáveis da vida.O Prof.Geraldo Batista o conheceu de perto e pode comprovar a veracidade de nossas palavras.
      Como adquirir o seu precioso documentário ?
      Atenciosamente,
      Júlio Leitão de Melo Neto,pastor congregacional.
      Rua Francisco Ernesto do Rêgo,2429-Jd.Paulistano
      58.415-285 Campina Grande, PB.

      Curtir

      1. Boa Noite! Sabe me dizer se Júlio Leitão de Melo e João Leitão de Melo tinham uma irmã cujo nome era Maria Leitão de Melo? Obrigada.

        Curtir

  1. Caro Rostand Medeiros, sou natural da Serra do Aburá e quando criança ouvi esta história de Antonio Silvino em Poço Comprido, pelas palavras de Luiz Tavares, filho de Antonio Tavares, parente de Joaquim Tavares. Sou professor de Geografia em São Paulo e fiquei contente lendo algo feito por gente nossa. Espero contactar a partir de agora. Grato Francisco.

    Curtir

    1. Amigo Francisco,
      Eu é que lhe sou grato por saber que o nosso material lhe trouxe lembranças positivas da região de Macaparana, uma bela terra que conheci e da qual guardo maravilhosas lembranças.
      Me coloco a sua disposição para contatos, deixando a sua disposição o meu e-mail e meus telefones.
      Telefones – 84-9904 3153 (TIM) / 9140 6202 (CLARO) / 8724 9692 (Oi)
      Email – rostandmedeiros@gmail.com

      Curtir

    1. Olá amiga Berta,
      Satisfação pelo seu contato.
      Em relação ao seu pedido eu não tenho como lhe ajudar, pois fiquei com poucos exemplares deste trabalho, que realizei de forma profissional.
      Mas o próprio biografado, Fernando Leitão de Moraes, uma maravilhosa figura, tem como lhe ajudar.
      Lhe sugiro entrar em contato com ele.
      Seu Fernando tem uma profundo respeito por suas origens em Macaparana, Pirauá e região e adora manter contatos com pessoas que tem origem na região.
      Seus contatos são 84 – 3642 2328 e 9988 7349. Ou através de sua esposa, Dona Rita Espínola, outra pessoa fantástica, cujo e-mail é rita_espinola@hotmail.com
      Espero que esta mensagem possa te ajudar,
      Um abraço e mande notícias.
      Rostand Medeiros

      Curtir

  2. Bom dia!caro amigo gostei muito das linhas que acabo de ler,pena que o comeco da vida de antonio Silvino foi tao distorcido por algumas pessoas,como dizer que o pai dele era bandido,o pai (batistao)era juiz de paiz,e foi morto sim em afogados da ingazeira pois tinha optado a fovor de uma pessoa em uma disputa de terras,o problema e justamente certos historiadores procurarem fonte palidas e toscas sem se preocupar de procurar os familiares e pessoas da regiao,qualquer coisa disponha e muito bonita a obra parabens.

    Curtir

  3. MEU CARO ESCRITOR,PARABÉNS, SOU DE MACAPARANA NASCI NO ENGENHO CONCEIÇÃO E GOSTARIA DE SABER SE O SENHOR E NATURAL DE MACAPARANA.

    Curtir

    1. Olá Arnaldo, desculpe a demora no contato.
      Olhe, eu não sou de Macaparana, mas estive lá em várias ocasiões para desenvolver esta pesquisa meu amigo.
      Agradeço a sua mensagem.
      Forte abraço.
      Rostand

      Curtir

  4. Felicitações ao Sr Rostand. Antônio silvino, frequentador assíduo dos brejos da vila Chã do Rocha Orobó PE, e Natuba PB. sendo amigo daquela gente e íntimo de alguns proprietários. com muitos feitos da estória cangaceira, do Guaraní PE ao riacho de Natuba PB passando por Chã do Rocha divisa estadual.

    Curtir

  5. Antônio Leitão de Melo

    Eu fiquei encantado com a biografia, sou neto de Joaquim Tavares Vieira de Mello.
    Nascido no engenho Massaranduba.
    Meus parabéns pelo trabalho.
    Abraço.

    Antônio

    Curtir

  6. Parabéns por mais um documentário precioso, resgatando fatos importantes que ocorreram na abençoada Terra dos Canaviais, berço dos nossos antepassados.

    Curtir

  7. Boa noite!

    Sou neta de Ananias Batista Cordeiro de Lima, primo legítimo de Antonio Silvino. Como posso saber sobre os pais e irmãos dele para que eu possa chegar aos meus avôs, Ana Morais e Paulino Morais?

    Curtir

  8. O conhecimento e a facilidade em descrever os fatos, nos faz concentrar nos fatos até então desconhecido pela nova geração.Parabéns,eu como da Família Medeiros oriunda de Jardim do Seridó com ramificações em Parelhas,Csicó no RN, e Santa Luzia, na PB fico orgulhoso,com o brilhantíssima do parente.

    Curtir

  9. bom dia, belisimo trabalho, tem muitas historia de antonio silvino aqui na minha regiao, sao jose do sabugi pb, em uma pasagem do bando por aqui morerao 2 cangaseiros em comfronto com a policia, os cangaseiros enterarao os 2 cangaseiros em uma fazenda aqui na regiao, ate hoje tem as 2 cruzes.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s