O MOTIM DO NAVIO BOUNTY

Em 28 de abril de 1789, os homens a bordo do Bounty, um navio da marinha britânica comandado pelo tenente William Bligh, realizaram um lendário motim. Depois de passar vários meses idílicos na ilha do Taiti, esses homens queriam estabelecer uma colônia no Pacífico Sul.

Rostand Medeiros – IHGRN 

A cerca de 2.000 km a sudeste da paradisíaca Taiti existe uma ilha vulcânica onde vivem menos de 50 habitantes, com eletricidade limitada, um barco que quatro vezes por ano liga essa ilha a Nova Zelândia. Nesse isolado lugar, seus habitantes comem frutas, legumes plantados por eles mesmo e frutos do mar pescados ao redor da ilha. Suas casas não têm portas de entrada e todas estão cobertas de árvores e plantas e até existe uma escola para alunos até os 12 anos de idade, que em 2021 tinha três alunos matriculados. Não há eletricidade na ilha das dez da noite às seis da manhã, quando o único gerador é desligado para economizar diesel. O serviço Wi-Fi e celular só recentemente se tornou disponível, mas os moradores sempre se comunicaram entre si e com o mundo exterior via rádio VHF. Os raríssimos visitantes devem ficar nas casas das famílias locais, pois não há resorts, hotéis, restaurantes ou bares.

A Ilha Pitcairn atualmente.

Apesar de todas as limitações para os mais exigentes, esse lugar possui uma história notável. Estou falando da Ilha Pitcairn, uma pequena possessão inglesa na parte sul do Oceano Pacifico, cujos habitantes são principalmente descendentes diretos dos notórios amotinados que em 1789 assumiram o comando do navio de guerra britânico Bounty.

Viagem ao Paraíso

O navio deixou a Grã-Bretanha em 23 de dezembro de 1787, sendo comandado por William Bligh, um tenente da Royal Navy (Marinha Real Britânica) com larga experiência em navegação. Nessa Jornada o Bounty seguiu sem a proteção de outro navio britânico, até mesmo porque sua missão era pacífica – coletar fruta-pão em uma ilha no Oceano Pacífico. 

Uma réplica do Bounty.

Essa era uma fruta tropical com sabor de figo, nutritiva, saborosa e a Coroa britânica viu na fruta-pão uma ração barata para suprir os seus escravos nas plantações de cana-de-açúcar nas Índias Ocidentais Britânicas, região também conhecida como Antilhas Britânicas.

A bordo da embarcação seguiram quarenta e seis homens, incluindo dois botânicos, e a viagem foi bastante complicada. Após fracassar em tentar cruzar a ponta sul da América do Sul, no terrível Cabo Horn, Bligh decidiu seguir navegando até a África, passando pelo Cabo da Boa Esperança, o que estendeu bastante o trajeto. A tripulação sofreu na luta contra o mar agitado e ventos contrários, enquanto sobrevivia de biscoitos cobertos de larvas e carne salgada. Finalmente, em 26 de outubro de 1788, o Bounty chegou ao Taiti e o impacto entre a marujada foi total. 

A ilha era tão celestial quanto a tripulação imaginava e eles aproveitaram ao máximo. Os britânicos foram recebidos de maneira amigável pelos taitianos, recebendo frutas deliciosas, negociando com eles e até sendo convidados para ir às suas casas. Não demorou e os marinheiros logo estabeleceram vínculos com as belas mulheres da ilha, trocando com elas favores sexuais por determinados objetos, onde o principal eram pregos e ferramentas feitas de ferro.

Consta que em uma ocasião Bligh colocou diante de um nativo vários objetos, de diferentes materiais, inclusive moedas de ouro e prata. Então os britânicos se espantaram com os olhos cobiçosos do haitiano em um prego de ferro. Para os nativos o ouro e a prata nada significavam, mas ferramentas feitas de ferro era algo inexistente no seu belo paraíso, sendo altamente necessário e extremamente valioso, pois com essas ferramentas eles poderiam construir com mais facilidade, por exemplo, barcos para pescar. E não havia nenhum problema de preconceito que suas mulheres se entregassem aos estrangeiros em troca desses artefatos.

Transporte de fruta-pão.

Como o navio estava atrasado em sua viagem, eles chegaram ao Taiti em um momento que as plantas de fruta-pão não estavam prontas para serem cultivadas, obrigando a permanência dos estrangeiros por quase seis meses. Mas os marinheiros não reclamaram!

Durante o dia, a tripulação colhia a fruta-pão e cuidava das plantas em uma área de plantação especial, preparando-as para a viagem. Já a noite eles se divertiam, com a farra correndo frouxa. Vale ressaltar que o pessoal do Bounty não foram os primeiros a se “deliciarem” com aquele paraíso e sofreram as consequências. Mais de 40% dos tripulantes foram tratados contra moléstias sexualmente transmissíveis, introduzidas no Taiti por exploradores britânicos e franceses anos antes.

A beleza e a alegria do povo taitiano.

Os britânicos rapidamente se tornaram “nativos”, fazendo tatuagens, brincando e dançando. Apenas Bligh, determinado a enviar sua carga para as Antilhas Britânicas o mais rápido possível, não foi seduzido. 

O Motim

O tenente Bligh era bastante conhecido por ser um disciplinador ferrenho, que tinha fama de intimidar seus homens e frequentemente, por qualquer pequena falha, mandava baixar o chicote no lombo da rapaziada. Ele foi ficando cada vez mais chateado com a falta de disciplina de sua tripulação e os excessos de liberdades. Que eram aproveitados até por outros superiores, como o imediato Fletcher Christian.

Uma parte preservada de Moorland Close, onde nasceu Fletcher Christian.

Este era um jovem de 23 anos, originário do noroeste da Inglaterra, vindo de uma família de passado nobre, com muitas terras, mas que se encontrava no final da década de 1780 completamente falida. Fletcher havia entrado na marinha com 17 anos, onde serviu em dois navios de guerra, tendo viajado até a Índia. Depois ele decidiu se juntar à frota mercante britânica e solicitou uma vaga a bordo do navio Britannia, cujo comandante era William Bligh, que havia sido dispensado da Marinha Real e era agora um capitão mercante. Fletcher serviu de forma satisfatória sob as ordens de Bligh em duas viagens, quando este foi reincorporado a Royal Navy e informado da missão do Bounty. Bligh então convidou Fletcher para ir na viagem.

De volta ao Taiti – Como tudo que é bom dura pouco, em 4 de abril de 1789, o Bounty partiu para as Antilhas Britânicas.

Deixar o Taiti foi muito doloroso para a maioria dos marinheiros, que mais uma vez precisaram conviver e enfrentar um Bligh autoritário. E nesse recomeço de navegação o comandante parecia que queria descontar os meses de idílio da tripulação na base do chicote e do cacete. As punições eram mais severas do que haviam sido antes e ocorrendo por faltas ridiculamente simples.

O Bounty.

Parecia que Bligh tinha um prazer especial em humilhar os oficiais que aproveitaram os prazeres do Taiti, principalmente Fletcher. A situação foi seguindo para um ponto bastante complicado e em ebulição permanente.

Três semanas depois de deixar o Taiti, o comandante acusa Fletcher de ter roubado cocos do suprimento do navio. Para dar o exemplo, Bligh fez de seu imediato um bode expiatório, punindo-o na frente de toda a tripulação. Embora a verdadeira causa do motim ainda seja debatida pelos historiadores, parece claro que essa acusação foi o golpe final, a gota d’água que faz o vaso transbordar. Para um Fletcher cansado de ser menosprezado e massacrado pelo seu comandante, o caminho a seguir era o da radicalização.  

O motim do Bounty e Bligh preso. Gravura de Hablot Knight Browne – Fonte – https://voyage.aprr.fr/autoroute-info/la-mutinerie-de-la-bounty.

Durante as primeiras horas de 28 de abril de 1789, o imediato e uma parte dos homens agiram. Fletcher e outros membros da tripulação se armaram com mosquetes e invadiram a cabine do comandante. Após o acordaram aos tapas e o prenderam com cordas, Fletcher teria dito a Bligh “Estou no inferno com você há meses”. O motim aconteceu muito rapidamente e aparentemente sem aviso prévio e, embora houvesse um núcleo duro de amotinados centrado em Fletcher, outros simplesmente se viram involuntariamente envolvidos pelos eventos.

Então veio o caos. A tripulação do navio se dividiu em duas facções: uma leal a Bligh, a outra determinada a desertar. Os vinte e três amotinados isolaram o capitão e dezoito outros homens em um barco a remo, mas equipado com duas pequenas velas, algumas rações, um cronômetro e um sextante para ajudar na navegação. Logo as duas embarcações se afastaram definitivamente. 

Um motim é algo muito sério no meio naval, mas Fletcher conseguiu adeptos que não tiveram medo de ir adiante na ação. Porque isso aconteceu?

Maus tratos e castigos físicos pesados, além da indiferença dos oficiais pelos subalternos era algo muito comum em navios da armada britânica. Os homens tinham de aguentar a rígida disciplina, pois as implicações de uma deserção individual, ou de um motim coletivo, eram bastante complicadas. Depois de tomar o Bounty, voltar ao país natal era a certeza de ter um encontro com o carrasco e à forca. Mesmo com essas implicações, eles foram em frente.

Talvez esse rompimento total com a Grã-Bretanha possa ser melhor compreendido no que significava ser um marinheiro nessa nação e nesse período. 

Imagem do Século XIX mostrando o mitim do Bounty.

Provavelmente a única vantagem em ser um “homem do mar” era poder conhecer um mundo diferente e deixar para trás um império onde os menos favorecidos eram tidos como algo próximo do nada. As condições de vida nas ilhas britânicas para os mais pobres eram aterradoras. Havia uma realeza distante do povo, com uma casta de nobres que tratava os menos abonados da mesma maneira como havia acontecido no período medieval. A educação e o atendimento médico, salvo raras exceções, só existia para aqueles que podiam pagar. Não podemos esquecer que o espectro terrível da fome pairava sobre a cabeça dos britânicos pobres e praticamente não existia nenhuma perspectiva de mudança para essa gente. E os marinheiros estavam incluídos entre eles.

O Bounty e o pequeno barco de Bligh se afstam. Pintura de Peter jackson – Fonte – https://fineartamerica.com/featured/mutiny-on-the-bounty-peter-jackson.html

Mas quando esses mesmos marinheiros encontraram uma realidade bem diferente, onde a natureza exuberante oferecia de graça iguarias que nutriam facilmente suas necessidades alimentares, em meio a um clima fantástico, onde poderiam ter um pedaço de terra para viver sem dever a ninguém e, como ponto fundamental, existirem belas e exóticas mulheres totalmente disponíveis, tomar o Bounty talvez valesse o risco. 

Em Busca de Uma Ilha

Fletcher e sua tripulação, que incluía alguns reféns ainda leais a Bligh, desejavam estabelecer uma colônia. 

Nosso conhecimento desta parte da história é baseado no relato escrito pelo amotinado James Morrison, companheiro do imediato do Bounty e um escritor atento e capaz. Examinando os livros de Bligh deixados a bordo, Fletcher encontrou uma referência a uma descoberta ocorrida anos antes, quando o capitão inglês James Cook esteve na ilha de Tubuai, cerca de 640 quilômetros ao sul do Taiti.

Vista atual da Ilha de Tubuai, na Polínésia Francesa. Foto realizada de uma ilha vizinha – Fonte – https://en.wikipedia.org/wiki/Tubuai

Demorou um mês para os rebelados chegarem a essa ilha e ao aportarem encontraram um grupo de nativos hostis. Houve conflito e os locais levaram a pior. Apesar disso, Fletcher achou que Tubuai era um local adequado para estabelecer um assentamento permanente. Ele determinou que, após uma breve estada, eles navegariam para o Taiti para obter animais e suprimentos e trazer seus ex-parceiros e amigos polinésios de volta à ilha.

Os rebeldes encobriram seu motim e mentiram sobre sua missão porque tinham certeza de que os líderes taitianos, que tinham boas relações com a Grã-Bretanha, se recusariam a ajudá-los ao saber o que havia acontecido. Os britânicos então retornaram a Tubuai com trinta taitianos. 

O Bounty no Taiti. Quadro de Harry Scott Tuke – Fonte – https://www.mutualart.com/Artwork/HMS-Bounty-off-Tahiti/37F3361B96E62572DC0F1855683BDCC1

Mas os rebelados não eram figuras fáceis de serem conduzidos naquela nova situação, principalmente em meio a uma vida em um local isolado, com uma selva infestada de piolhos e mosquitos e com guerreiros empunhando lanças nas proximidades. Além disso, a preguiça e indolência de muitos dos amotinados não ajudava em nada a coletividade. Hostilidades com os taitianos e as divisões dentro da tripulação pioravam dia a dia. A tentativa de se estabelecer em Tubuai durou apenas dois meses e meio e fracassou.

Quando voltaram ao Taiti, Fletcher e seu grupo descobriram que sua mentira havia sido descoberta. Cientes de que corriam o risco de serem pegos pelos tribunais britânicos se ficassem parados, Fletcher então decidiu seguir viagem. Uma proporção das armas, munições e outros suprimentos foram divididos entre os britânicos que ficaram na ilha e os que deixaram o Taiti.

Zarparam no Bounty nove amotinados (Fletcher Christian, Edward Young, John Mills, Isaac Martin, William Brown, William McCoy, John Adams e John Williams), cinco homens polinésios, um menino, doze mulheres e uma menina.

Com a partida do navio, todos os vestígios de Fletcher Christian e seus seguidores desapareceram.

A Caixa de Pandora

Enquanto isso, Bligh e seus seguidores continuaram sua jornada frenética pela salvação. 

Primeiro eles foram para outra ilha em Tonga, onde rapidamente a deixaram após o encontro hostil com seus ocupantes, que apedrejaram e mataram o contramestre do navio. No retorno da navegação descobriram que as rações estavam diminuindo. A tripulação então decidiu seguir para uma colônia holandesa em Timor, a mais de 6.700 quilômetros de distância. Depois de uma viagem tumultuada de quarenta e sete dias, eles desembarcaram no assentamento holandês de Coupang, na ilha de Timor, e expuseram o motim à Coroa.

Comandante Willian Bligh.

Aquele foi um feito notável de marinharia, que até hoje é tido como uma das mais incríveis navegações a vela já registradas, onde Bligh mostrou suas habilidades de comando, impondo uma extrema disciplina em relação ao racionamento de mantimentos e a conduta do grupo. Após aportarem, mesmo com a ótima acolhida por parte dos holandeses, alguns marinheiros morreram. Os que sobreviveram seguiram tempos depois para Batávia (atual Jacarta) e depois chegaram à Grã-Bretanha em 14 de março de 1790.

“Perdi o Bounty”, escreveu Bligh à esposa. E completou: “Minha conduta foi exemplar e mostrei a todos que, devoto como era, desafiei todos os inimigos que queriam me prejudicar.” Como seria normal nessas circunstâncias, o antigo comandante do Bounty foi levado à corte marcial por ter abandonado seu navio. Após um julgamento que chamou bastante atenção no Reino Unido, William Bligh foi absolvido das acusações e reincorporado às suas funções.

Uma réplica do barco que salvou William Bligh e seus seguidores – Fonte – https://www.classicboat.co.uk/articles/captain-bligh-replicas-race-head-to-head/

A Royal Navy decidiu então partir para dar o troco nos amotinados. Em 7 de novembro de 1790 é enviada ao Pacífico Sul a fragata Pandora, armada com 24 canhões e sob o comando do capitão Edwards, um carniceiro muito pior do que Bligh. Sua missão era simples – capturar os amotinados e enviá-los para serem julgados.

Doze dos amotinados, juntamente com quatro tripulantes que permaneceram leais a Bligh, estavam no Taiti, muitos deles tendo filhos com mulheres locais. Apenas dois deles haviam morrido na bela ilha. Charles Churchill foi assassinado em uma briga com Matthew Thompson, que por sua vez foi morto pelos polinésios, que consideravam Churchill seu rei.

O Pandora chegou ao Taiti em 23 de março de 1791 e logo três amotinados se renderam sem problemas. Edwards então despachou equipes de busca para reunir o restante. A essa altura, alertados sobre a presença dos militares, os outros homens do Bounty, fugiram para as montanhas, mas em duas semanas todos foram capturados. Esses catorze homens foram trancados em uma cela de prisão improvisada, medindo 3,5 por 4,5 metros, que ficou conhecida como “Caixa de Pandora”. Certamente nessa hora muitos deles se arrependeram de não terem seguido com Fletcher, mesmo que fosse para o fim do mundo, pois literalmente estavam no inferno.

Em 8 de maio de 1791, o Pandora deixou o Taiti e, posteriormente, passou três meses visitando ilhas no Sudoeste do Pacífico em busca do Bounty e dos amotinados restantes. Consta que, além de alguns mastros descobertos na Ilha de Palmerston, nenhum vestígio do navio rebelde foi encontrado.

No seu caminho para Europa, em 29 de agosto de 1791, o Pandora afundou na Grande Barreira de Corais, ceifando a vida de 35 homens de sua tripulação e quatro prisioneiros, que se afogaram algemados. Salvaram-se 89 tripulantes e dez dos detidos, que foram retirados da “Caixa de Pandora” nos momentos cruciais do naufrágio por pena dos marujos do navio, mas não do comandante Edwards, que se recusou a ordenar a libertação dos prisioneiros. O certo é que esse grupo de náufragos se reuniu em uma pequena ilhota de areia e sem árvores, junto com quatro barcos salva vidas. Eventualmente 78 homens que estavam a bordo do Pandora voltaram para casa e setembro de 1792. O capitão Edwards e seus oficiais foram exonerados de suas funções militares, mas depois foram reincorporados e eventualmente ele chegou ao posto de almirante.

Já os dez prisioneiros que voltaram foram julgados em meio a uma forte atenção da imprensa e do povo britânico. Quatro dos amotinados foram absolvidos e outros seis condenados à morte por enforcamento. Na sequência, três dos seis condenados receberam o perdão do rei e os três restantes, Thomas Burkett, John Millward e Thomas Ellison, foram enforcados em 29 de outubro de 1794. Dos homens que receberam o perdão do rei, o aspirante Peter Heywood se beneficiou muito de suas influentes conexões familiares. 

Os membros da tripulação do Bounty foram enforcados nos mastros de navios, como mostra a gravura acima – Fonte – https://www.history.com/news/navy-bread-and-water-ban-sailor-punishment

Em um primeiro momento a opinião pública britânica tratou William Bligh como herói, sendo ele sempre ovacionado nas ruas e salões. Logo foi promovido pela Marinha. Mas em pouco tempo, quando a família de Fletcher Christian começou a agir, isso começou a mudar.

Embora incapazes de negar o papel de Fletcher como instigador do motim a bordo do Bounty, seus parentes trabalharam duro para sugerir que o abuso constante de Bligh aos oficiais e a tripulação acabou levando ao motim. Edward Christian, irmão mais velho de Fletcher e um inteligente advogado, fez isso publicando as atas dos procedimentos da corte marcial, com um apêndice contendo ‘Um relato completo das verdadeiras causas e circunstâncias dessa situação infeliz”. 

Na época da corte marcial dos amotinados do Bounty na Grã-Bretanha, o comandante Bligh estava no mar, dirigindo uma segunda expedição para trazer fruta-pão para as Índias Ocidentais e, portanto, não conseguiu se defender dos ataques de Edward Christian e do dano que isso causou à sua reputação. Ele provavelmente recebeu informes sobre o caso, mas só quando voltou para ao seu país Bligh avaliou completamente o estrago feito a sua reputação e o quanto o sentimento público havia mudado contra ele.

O almirante William Bligh em 1814, pintura de Alexander Huey – Fonte – https://pt.wikipedia.org/wiki/William_Bligh#/media/Ficheiro:WilliamBligh.jpeg

Ao longo da segunda metade de 1794, Bligh reuniu material, testemunhas e em dezembro publicou sua refutação das acusações de Edward Christian em “Resposta a certas afirmações”. Mesmo se esforçando bastante para lavar sua honra, mesmo tendo conseguido chegar a almirante, Bligh entrou para a História como um despótico comandante de embarcação, cuja ação foi decisiva para a deflagração do motim do Bounty, sendo ele retratado como um total canalha.

E assim continua até hoje!

Pitcairn

Quando o Bounty partiu do Taiti pela última vez em setembro de 1789, ele navegou para o sudeste, longe do principal grupo das Ilhas da Sociedade para encontrar uma ilha remota e desabitada para estabelecer um assentamento. Após um período de buscas sem sucesso – durante o qual navegaram até o arquipélago tonganês – mais uma vez, os livros deixados a bordo forneceram um possível local para procurar. 

Pitcairn retratada no Século XIX.

Em um relato da viagem de 1767, feito pelo comandante britânico Philip Carteret, que navegou ao redor do mundo no navio de guerra Swallow, Fletcher encontrou uma referência a uma ilha que Carteret chamou de Pitcairn. A referência era que a posição da ilha havia sido identificada incorretamente por meio de um erro de navegação, pois o experiente e competente capitão James Cook não conseguiu encontrá-la em suas viagens.

Fletcher raciocinou que Carteret havia cometido um erro ao calcular a longitude da ilha, mas que a latitude que ele registrou para Pitcairn provavelmente estava correta. Ele decidiu navegar para leste seguindo exclusivamente essa latitude, até que finalmente avistou a ilha em 23 de janeiro de 1790. 

Como Carteret havia pensado, não havia um ancoradouro seguro em Pitcairn. Após um desembarque cauteloso, o grupo realizou uma busca no lugar. As investigações mostraram que era realmente desabitado, tinha água fresca, solo bom e vegetação exuberante. Muito em breve os amotinados começaram a levar para terra tudo que eles achavam que poderiam precisar. 

Em 1940, o infame motim inspirou Charles Nordhoff e James Norman a escrever o romance Bounty Trilogy , ilustrado por NC Wyeth. A cena acima é do momento que o navio é queimado.

Na sequência, para esconder todas as evidências de sua existência na ilha, atearam fogo no navio. Ele logo afundou no que hoje é conhecido como “BountyBay”. Da mesma forma, ao construir suas casas, eles as localizaram em um setor com densa vegetação e assim torná-las invisíveis para qualquer navio que pudesse se aproximar da ilha. Além disso, confiaram na costa escarpada para dissuadir uma investigação mais detalhada.

Embora há muito desabitada, havia amplos sinais de que antigos polinésios viveram na ilha. Os novos colonos descobriram gravuras rupestres e um local onde a pedra para ferramentas havia sido extraída, bem como muitas plantas alimentícias tipicamente cultivadas pelos polinésios.

Ao estabelecer o assentamento, os amotinados dividiram a ilha entre si e cada europeu tinha uma mulher para morar. Esse arranjo deixou apenas três mulheres polinésias como parceiras para os seis homens taitianos, levando a ciúmes violentos que logo foram exacerbados pela morte da parceira do amotinado John Williams, os taitianos culpavam os britânicos por terem abusado das mulheres, a quem tratavam como objetos sexuais.

Quando Williams tirou outra mulher daqueles que viviam com os taitianos, estes decidiram matar os europeus e se livrar de sua servidão. Infelizmente para eles, as mulheres avisaram os amotinados e dois dos homens foram mortos, estabelecendo assim o fim da violência. Em 1793, no entanto – apenas três anos depois de se estabelecerem na ilha – cinco dos amotinados, incluindo o líder Fletcher Christian, foram mortos quando os taitianos restantes se levantaram novamente. Mas sua vitória durou pouco e eles, por sua vez, foram mortos pelas mulheres em vingança pela morte de seus maridos britânicos.

Após esses assassinatos, a vida na ilha permaneceu relativamente estável até 1799, quando o amotinado William McCoy se suicidou pulando no mar de um penhasco. Ainda naquele mesmo ano, Edward Young e John Adams mataram Matthew Quintal depois que ele os ameaçou e suas famílias. É provável que o isolamento tenha gerado entre esses homens episódios prolongados de paranoia.

Quando Edward Young sucumbiu a um ataque de asma em 1800, o amotinado John Adams foi deixado como o último homem de pé, para se tornar o improvável patriarca de um assentamento de mulheres e crianças. Adams havia sido listado no Bounty como Alexander Smith (um ardil comum de marinheiros que já haviam desertado).

A âncora do Bounty, recuperada na década de 1960.

Após a violência da primeira década de colonização e agora encontrando-se responsável pela comunidade, Adams voltou-se para a religião. Entre os livros que foram trazidos para a ilha, ele encontrou um livro de orações, que usou para incutir pelo menos os princípios básicos do cristianismo na pequena comunidade.

Dezoito anos após a chegada do Bounty em Pitcairn, em 6 de fevereiro de 1808, o isolamento do grupo foi finalmente rompido quando o baleeiro americano Topaz parou por dez horas na ilha. Consciente de seu status de amotinado, Adams permaneceu em terra, mas a tripulação do Topaz ficou surpresa quando uma canoa remou da costa carregando vários jovens e ficou maravilhada quando eles saudaram o navio em inglês. Muito em breve, o capitão do Topaz , Mayhew Folger, percebeu que havia descoberto a casa dos amotinados do Bounty e finalmente resolveu o mistério do que aconteceu com Fletcher Christian e seu navio. 

Seis anos depois, em 17 de setembro de 1814, navios de guerra britânicos Briton e Tagus, comandados por Sir Thomas Staines e Philip Pipon, chegaram inesperadamente à ilha Pitcairn. 

Encontro de Sir Thomas Staines e Philip Pipon com John Adams e outros moradores de Pitcairn em 1814.

Um homem velho e alquebrado, embora orgulhoso de sua comunidade, veio até eles. Era John Adams, o único inglês sobrevivente do motim do Bounty a estar vivo em Pitcairn. Junto a ele estava o filho de Fletcher, a primeira criança a nascer na ilha, que em 1814 tinha 25 anos de idade. Staines e Pipon ficaram igualmente impressionados com o estado da comunidade, com a influência religiosa que Adams exercia sobre o grupo de pouco mais de 40 pessoas e com a maneira tranquila e inteligente de agir do velho patriarca. Staines, ao relatar a visita ao Almirantado britânico, recomendou que Adams permanecesse em Pitcairn para o bem das pessoas sob seus cuidados. Adams faleceu em 1829.

Jornal carioca O Cruzeiro, edição de 30 de outubro de 1889, informando sobre o centenário da revolta do Bounty.

A Ilha Hoje

Navios de guerra britânicos tornaram-se visitantes regulares e, com o tempo, os Pitcairners recorreram aos comandantes visitantes para governar as disputas locais, levando Pitcairn a se tornar um Protetorado da Grã-Bretanha em 1838. Hoje essa isolada ilha é um território britânico ultramarino.

Em meados do século XIX, com uma população com cerca de 200 habitantes e após uma série de secas que arruinaram as colheitas, os líderes da ilha começaram a procurar um local maior para reassentamento da comunidade. Após discussões com as autoridades britânicas, em 1856 toda a população foi removida para a Ilha Norfolk.

Desde seus primeiros dias, Norfolk tinha sido um assentamento de condenados e, embora todos os prisioneiros tivessem sido removidos antes da chegada dos Pitcairners, a infraestrutura da prisão e outros edifícios permaneceram totalmente intactos e alguns deles logo foram ocupados por famílias Pitcairner. Hoje, uma grande porcentagem da população da Ilha Norfolk ainda traça sua história até Pitcairn.

E o que aconteceu com a Ilha Pitcairn? 

Alguns anos após a mudança para a Ilha Norfolk, várias famílias optaram por retornar ao antigo lar, estabelecendo a base da população que continua a viver por lá. 

O filho de Fletcher, a primeira criança nascida na ilha.

Em 1998 Pitcairn voltou às manchetes no mundo todo. Um clérigo visitante acusou Shawn Christian, de 19 anos – filho de Steve e Olive, e descendente da 8ª geração de Fletcher, por abusar sexualmente de sua filha de 11 anos. Shawn não negou as acusações, em vez disso, afirmou que ele e a menina estavam “apaixonados”. Eventualmente, um processo foi aberto acusando treze homens de abuso infantil, assédio sexual, agressão e estupro, seis dos quais acabaram presos.

Após o escândalo, os moradores de Pitcairn não estavam particularmente arrependidos. Eles, mesmo para repúdio de milhares de pessoas pelo mundo afora, acham o que aconteceu entre Shaw e sua filha algo “normal”. O escândalo confirmou a muitos moradores que eles não queriam ser incomodados pelo mundo exterior. 

Localização da Ilha de Pitcairn.

Nos dias atuais Pitcairn enfrenta os problemas de uma população pequena e envelhecida, com um número cada vez menor de ilhéus disponíveis para realizar o trabalho rotineiro e pesado de viver em uma ilha remota no Pacífico. Só o tempo dirá se eles são capazes de mudar as coisas, mas o futuro certamente está cheio de desafios.

——————————————————————————————————————–

FONTES

https://www.nationalgeographic.fr/histoire/la-veritable-histoire-des-revoltes-du-bounty

https://voyage.aprr.fr/autoroute-info/la-mutinerie-de-la-bounty

http://whalesite.org/pitcairn/1815

https://en.wikipedia.org/wiki/Mayhew_Folger

https://archival.sl.nsw.gov.au/

http://www.sea.museum/2019/06/14/a-mutiny-and-a-mystery-what-happened-to-fletcher-christian-and-the-bounty-mutineers

DE POBRE ABANDONADO A RICO ESCRITOR – JACK LONDON PREDESTINADO A NUNCA ENVELHECER

Fonte – https://www.designdoescritor.com/single-post/2018/11/27/De-pobre-abandonado-a-rico-Escritor—Jack-London-predestinado-a-nunca-envelhecer

Um extremista, radical e pesquisador, Jack London nunca foi destinado a envelhecer. Em 22 de novembro de 1916, London, autor de Chamado Selvagem, morreu aos 40 anos. Sua curta vida foi controversa e contraditória.

Nascido em 1876, o ano da Batalha de Little Bighorn e da morte do general George Amstrong Custer, o escritor prolífico morreria no ano em que John T. Thompson inventou a submetralhadora. A vida de London personificava a frenética modernização dos Estados Unidos da América entre a Guerra Civil e a Primeira Guerra Mundial. Com sua sede de aventura, sua história de sucesso e suas ideias políticas progressistas,os seus escritos espelhavam a transformação do poder global urbano-industrial. 

Com um olhar atento e um senso inato, London reconheceu que um crescente número de leitores do país estava pronto para um tipo diferente de escrita. O estilo precisava ser direto,robusto e vívido. E ele tinha um forte atrativo para os leitores americanos, que eram propensos à nostalgia criativa. Notavelmente, as suas histórias endossavam reciprocidade, cooperação, adaptabilidade e determinação. Em seu universo fictício, lobos solitários morrem e machos alfas abusivos nunca vencem no final.  

Local de Memória de London

O Parque Histórico Estadual Jack London, de 566 hectares, fica no coração da região vinícola de Sonoma Valley, a cerca de 100 quilômetros ao norte de San Francisco, em Glen Ellen, Califórnia. 

Originalmente essa terra era o local do Beauty Ranch, onde Jack London buscava realizar pesquisas em agricultura científica e na criação de animais, mas também servia para suas inspirações. “Eu saio do meu lindo rancho”, escreveu London. “Entre minhas pernas está um lindo cavalo. O ar é vinho. As uvas são vermelhas com chamas de outono. Do outro lado da montanha Sonoma, neblinas do mar estão volteando. O sol da tarde arde no céu sonolento. Eu tenho tudo para me fazer feliz por estar vivo”.


Parque Histórico Estadual Jack London – Fonte – http://jacklondonpark.com/jack-london-docent-beauty-ranch.html

A variada paisagem bucólica do parque ainda exala essa mesma vibração cativante. Os terrenos oferecem quase 47 quilômetros de trilhas, bosques de sequoias, prados, vinhedos, paisagens deslumbrantes, um museu e exposições. Uma recompensa idílica da paisagem intocada do norte da Califórnia está em plena exibição. Para um viajante em busca de uma fuga distintamente pastoral, fortificada com uma dose rústica da história cultural da Califórnia, o Parque Histórico Estadual Jack London é um local intenso. Também não faz mal o fato do parque estar rodeado por uma infinidade de importantes vinícolas do mundo.

Início Difícil

London cresceu nas ruas mais agitadas de San Francisco e Oakland, em uma família de trabalhadores. Sua mãe era uma espiritualista, que ganhava uma vida conduzindo sessões e ensinando música. Seu padrasto era um veterano incapacitado da Guerra Civil, que trabalhava como fazendeiro, merceeiro e vigia noturno. O provável pai biológico de London, um astrólogo viajante, saiu abruptamente do local antes da chegada do futuro autor.


London aos nove anos de idade com seu cachorro Rollo, 1885 – Fonte – https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/32/Jack_London_age_9_-_crop.jpg

Quando criança London trabalhava na fazenda, vendia jornais, entregava gelo e levantava pinos em uma pista de boliche. Aos 14 anos ele ganhava dez centavos por hora como operário de uma fábrica de conservas. As miscelâneas e o tédio da vida de trabalho eram sufocantes para um garoto durão, mas imaginativo, que descobrir ao tesouro de livros na Biblioteca Livre de Oakland. Obras de Herman Melville,Robert Louis Stevenson e Washington Irving fortificaram-no para as perigosas delícias da orla de Oakland, onde se aventurou aos 15 anos de idade.

Usando seu pequeno veleiro,o  “Razzle-Dazzle”, para pescar ostras e vendê-las a restaurantes e bares locais, ele passou a ganhar mais dinheiro em uma única noite, do que ele poderia trabalhar um mês inteiro na fábrica de conservas. Aqui, na orla decadente entre um submundo de vagabundos e delinquentes, ele rapidamente se juntou a uma tripulação mal-humorada de marinheiros e perdulários. 

O roubo, o deboche e a camaradagem eram totalmente estimulantes – pelo menos por um tempo. Mas London queria ver mais do mundo. Então ele embarcou em uma expedição de caça às focas a bordo da escuna “Sophia Sutherland”  e viajou pelo Oceano Pacífico até o Japão e as Ilhas Bonin. Ele retornou a San Francisco,trabalhou em uma usina de juta como um aquecedor de carvão, depois partiu para andar nos trilhos, onde caminhou por toda a América e viveu um tempo para a vagabundagem. Tudo antes dos 20 anos de idade.

“Eu nasci na classe operária”,lembrou ele, “e eu estava agora com dezoito anos, abaixo do ponto em que comecei. Eu estava no porão da sociedade, nas profundezas subterrâneas da miséria. Eu estava no abismo, no abismo, na fossa humana, na desordem e no cemitério da nossa civilização. Eu estava com medo de pensar”. Ele então resolveu parar de depender de sua força muscular e se tornar um “comerciante de cérebros”.

De volta à Califórnia, London matriculou-se no ensino médio e ingressou no Partido Trabalhista Socialista. Em 1896 ele entrou na Universidade da Califórnia, em Berkeley, onde durou um semestre antes do seu dinheiro acabar. Em seguida, em julho de 1897, fugiu para o Klondike, Alasca, quando teve a chance de se juntar à famosa “Corrida do Ouro”. Ele passou onze meses mergulhando na vibração sublime das terras do norte, com seu elenco único de garimpeiros e viajantes.


London tinha apenas 21 anos quando desembarcou no Alasca em 1897 para encontrar sua fortuna em ouro – Fonte – https://truewestmagazine.com/jack-londons-alaska/

Os silvestres congelados proporcionavam a paisagem agourenta que inflamava suas energias criativas. “Foi no Klondike que me encontrei”, disse London. “Lá ninguém fala muito. Todo mundo pensa. Lá você tem sua perspectiva. Eu tenho a minha”. 

Em 1899 ele havia aperfeiçoado seu ofício e grandes revistas começaram a abocanhar suas histórias vigorosas. Quando se tratava de evocar sensações elementares, ele era um perito literário. Se você quiser saber como é congelar até a morte, leia a história contida em Para fazer fogo.Se você quiser saber como é um trabalhador de fábrica se transformar em uma máquina, leia O Apóstata. Se você quiser saber como é sentir o êxtase da vida em seu corpo, leia Chamado Selvagem. E se quiser saber como é viver livre ou morrer, leia Koolau,o Leproso.

A publicação de suas primeiras histórias do Klondike lhe garantiu uma vida de classe média segura. Em 1900 ele se casou com sua ex-professora de matemática Bess Maddern e eles tiveram duas filhas. A aparição de Chamado Selvagem em 1903 fez do autor de 27 anos de idade uma enorme celebridade. Revistas e jornais frequentemente publicaram fotografias mostrando sua aparência robusta, que exalava um ar de vitalidade juvenil. Suas viagens, ativismo político e proezas pessoais contribuíram bastante para os repórteres políticos e colunistas de fofocas.

Intelectual Intenso

London se tornou subitamente um ícone da masculinidade e um importante intelectual público. Ainda assim, a escrita continuou sendo a atividade dominante de sua vida. O novelista E. L. Doctorow descreveu-o apropriadamente como “um grande palavrão do mundo,física e intelectualmente, o tipo de escritor que foi a um lugar e escreveu seus sonhos nele, o tipo de escritor que encontrou uma ideia e girou sua mente sobre isto”.

Em suas histórias, London simultaneamente ocupa perspectivas opostas. Às vezes, por exemplo, o darwinismo social parece ultrapassar o seu igualitarismo declarado, mas em outro trabalho (ou mais tarde no mesmo) seu idealismo político se reafirmará,apenas para ser desafiado novamente mais tarde. 

London flutua e se contradiz,fornecendo uma série de pontos de vista que mudam dialeticamente e que resistem à fácil resolução. Ele foi um dos primeiros escritores a enfrentar seriamente, embora nem sempre com sucesso, as multiplicidades singulares do modernismo. A raça continua sendo um tópico agitado nos estudos sobre London. Angustiantemente, como outros intelectuais importantes do período,suas visões raciais foram moldadas pelas teorias predominantes do racismo científico, que falsamente propagavam uma hierarquia racial e valorizavam os anglo-saxões.

Ao mesmo tempo ele escreveu muitas histórias que eram antirracistas e anticoloniais e que exibiam caracteres não brancos excepcionalmente capazes. Earle Labor, estudioso de Jack London e seu biógrafo oficial descreve as visões raciais do autor como”um feixe de contradições”, e suas inconsistências na raça certamente exigem um exame minucioso.


Eu estava na porta aberta”, detalhe de uma fotografia de Jack London de seu livro de memórias 
A Estrada (1907)  – Fonte – https://publicdomainreview.org/2016/11/22/astral-travels-with-jack-london/

Uma curiosidade insaciável impeliu London a investigar e escrever sobre uma ampla gama de tópicos e questões. Muito do seu trabalho menos conhecido permanece altamente legível e intelectualmente envolvente. O Tacão de Ferro (1908) é um romance despótico, pioneiro, que prevê a ascensão do fascismo nascido a partir da desigualdade de renda do capitalismo. Esse romance, o mais explicitamente político do autor, foi um precursor crucial para o livro de George Orwell com 1984, e Sinclar Lewis com Não vai acontecer aqui.

Dada a turbulência econômica dos últimos anos, os leitores do O Tacão de Ferro compreenderam prontamente a representação londoniana de uma oligarquia totalitária que constitui “nove décimos de um por cento” da população dos Estados Unidos, detentora de 70% da riqueza total do país.

Seus colegas socialistas criticaram o livro quando ele saiu, porque a utopia coletivista do romance leva 300 anos para surgir – não exatamente a revolução que os compatriotas radicais de London imaginavam. Um realista político, neste caso, ele reconheceu como os mestres capitalistas eram realmente arraigados, astutos e venais.

O Problema do Álcool e Viagens

Jack London também produziu uma exposição do mercado literário em seu romance de 1909,  Martin Eden, que critica a loucura da celebridade moderna. Intimamente modelado em sua própria ascensão ao estrelato, a história traça a ascensão de um autor aspirante que, depois de escrever sobre sua saída da classe trabalhadora e alcançar renome, descobre a complexidade estética em um mundo inclinado ao brilho e ao lucro. Tematicamente, o romance antecipa O  Grande Gatsby, de Fitzgerald e sempre foi uma espécie de clássico underground entre os escritores, incluindo Vladimir Nabokov, Jack Kerouac e Susan Sontag.

London se tornou ainda mais pessoal em seu livro de memórias confessional de 1913,  Memórias de um alcoólico – John Barleycor, onde ele relata o significado pesado que o álcool – personificado como John Barleycorn – desempenha em sua vida. London parece ciente de que abusa de álcool com muita frequência, mas também proclama que continuará a beber quando necessário. Para muitos esse livro é um estudo de caso clássico de negação pessoal, enquanto outros o veem como uma descida existencial e honesta em direção à essência da autoconsciência. 

O problema com John Barleycorn para London (e o resto de nós) é que ele dá e tira. A bebida abre caminho para a camaradagem, oferece um antídoto à monotonia da vida e aumenta as aventuras do ser exaltado. Mas o preço é a debilidade, a dependência e um desânimo niilista que ele chama de “lógica branca”. Notavelmente desprotegida e franca,London revela como a difundida disponibilidade de bebida cria uma cultura de vício.

Como jornalista os artigos de London sobre política, esportes e guerra frequentemente apareciam nos principais jornais. Especializado em fotografia documental e fotojornalismo,tirou milhares de fotografias ao longo dos anos, desde as favelas do lado leste de Londres, até as ilhas do Pacífico Sul. Em 1904 viajou como correspondente de guerra na Coréia para relatar a Guerra Russo-Japonesa.

No ano seguinte London comprou o primeiro pedaço de terra em Glen Ellen, Califórnia, que acabaria se tornando o seu Beauty Ranch. Naquele mesmo ano ele também embarcou por um tour de palestras socialista em todo o país.

London e Charmian Kittrege – Fonte – https://www.lpm-blog.com.br/?tag=jack-london

Depois do colapso do seu casamento, em 1904, London casou com Charmian Kittrege, o epítome da progressista “New Woman” — atlética e independente —com quem teve um caso durante o seu primeiro casamento. Eles permaneceriam juntos até a morte de London.

Após a publicação de dois romances que se tornariam clássicos,  O Lobo do Mar e Caninos Brancos, London começou a projetar seu próprio veleiro de 45 pés, o Snark. Em 1907 partiu para o Havaí e os mares do sul com sua esposa. Uma série de doenças tropicais iria aterrá-lo em um hospital australiano, quando ele foi forçado a terminar a viagem no mês de dezembro seguinte. Embora ele projetasse enorme energia pessoal e carisma, Jack London teve problemas frequentes de saúde ao longo dos anos e seu consumo excessivo de bebidas e cigarros, associados a uma dieta ruim, só pioraram as coisas.

O Fim

London estava bem à frente no jogo imobiliário em 1905, quando começou a comprar terras agrícolas exaustas ao redor de Glen Ellen. Sua intenção era restaurar a terra usando métodos agrícolas inovadores, como terraços e fertilizantes orgânicos. Hoje,docentes conduzem turnês mostrando as práticas agrícolas progressistas e agrícolas sustentáveis ​​de London.

O chalé do autor foi meticulosamente restaurado. O espaço de trabalho, a escrivaninha e a maior parte da mobília é original. A arte e os acessórios de London estão expostos. Os visitantes podem aprender muito sobre a vida repleta de ação de London e a sua visão agrária. “Eu vejo a minha fazenda”, declarou ele, “em termos do mundo e do mundo em termos da minha fazenda”.


London, com um porquinho, seis dias antes de morrer, como retratado em O Livro de Jack London (1921) por sua esposa Charmian London – https://publicdomainreview.org/2016/11/22/astral-travels-with-jack-london/

Mas London tirou um tempo de sua fazenda para excursões prolongadas. Em 1911, ele e sua esposa dirigiram uma carroça de quatro cavalos em uma viagem de quase 2.500 quilômetros pelo Oregon. Em 1912 eles navegaram de Baltimore para Seattle, passando pelo temível Cabo Horn como passageiros a bordo do navio “Dirigo”.

No ano seguinte, London passou por uma apendicectomia, e os médicos descobriram seus rins gravemente doentes. Semanas depois a nova casa da fazenda de London, apelidada de Wolf House, foi incendiada pouco antes de sua construção ser concluída. Construída a partir de rochas vulcânicas nativas, era para ser o cume rústico do Beauty Ranch e o avatar arquitetônico de Jack London. Ele ficou arrasado com o fogo e prometeu reconstruir o local, mas nunca teria a chance.

Fotografias tardias mostram London desengonçado e notavelmente inchado – efeitos de seus rins doentes. Apesar de sua saúde se deteriorar, ele continuou produtivo e também permaneceu politicamente engajado. 

Nos últimos dois anos de sua vida ele sofreu crises de disenteria, distúrbios gástricos e reumatismo. Ele e sua esposa fizeram duas viagens de recuperação prolongadas para o Havaí, mas London morreu no Beauty Ranch em 22 de novembro de 1916 de intoxicação urêmica e um provável derrame cerebral. Em 18 anos, ele escreveu 50 livros, 20 deles romances.