Arquivo da tag: El Pais

19 ÂNFORAS COM 600 QUILOS DE MOEDAS ROMANAS SÃO ENCONTRADAS NA ESPANHA

1461842532_524900_1461842838_album_normal
Fonte – http://forum-numismatica-notafilia.com/viewtopic.php?t=5289

Moedas de bronze foram depositadas em urnas no século IV d.C. e aparentemente eles foram deliberadamente escondidas em um espaço subterrâneo

 Em um comunicado emitido pelo Ministério da Cultura da Comunidade Autónoma da Andaluzia, Espanha, foi informado que na última quinta-feira (16/06/2016), durante a realização de obras de canalização no Parque El Olivar Zaudín, na região da vila de Tomares, a 10 quilómetros de Sevilha, foram acidentalmente descobertas 19 ânforas, com 600 quilos de moedas de bronze romanas dos século III ou IV, depois de Cristo, no tempo dos romanas na Península Ibérica.

ng6625255
Fonte – http://www.dn.pt/artes/interior/encontrados-600-quilos-de-moedas-romanas-em-sevilha-5149491.html#media-1

O comunicado aponta que uma das primeiras hipóteses para a existência deste tesouro seria que este conjunto de moedas deveria fazer parte do pagamento dos soldados romanos na região. Possivelmente este número de moedas deveria estar sob a supervisão de funcionários da administração pública das estruturas municipais do Império Romano no Bajo Guadalquivir. Ainda segundo o comunicado este raro conjunto de numismática “é um documento único de primeira ordem do período romano tardio na província de Sevilha e até agora não tem paralelo na história da Espanha”.

monedasromanas4_47903779
Fonte – http://www.dn.pt/artes/interior/encontrados-600-quilos-de-moedas-romanas-em-sevilha-5149491.html#media-1

Ana Navarro, diretora do Museu Arqueológico de Sevilha diz que a descoberta das moedas foi partilhada com os arqueólogos italianos, ingleses e franceses. Todos estão de acordo: trata-se de um dos mais importantes achados do período romano mais importantes. 

As moedas romanas foram depositadas em urnas, ou seja, em alguns recipientes que deliberadamente foram escondidos em um espaço subterrâneo. E ali permaneceram por 17 séculos.

1461842532_524900_1461846369_album_normal
Fonte – http://forum-numismatica-notafilia.com/viewtopic.php?t=5289

Dez destes recipientes partiram-se durante as obras (foram as máquinas que as desenterraram). As restantes nove estão seladas. São menores do que aqueles que se usavam para transportar água ou azeite esclareceu, onde foram depositados os achados. “Usavam-se para transportar outras mercadorias. O que surpreende é que se utilizassem para guardar dinheiro”, afirmou ao jornal espanhol El Pais.

As moedas são de bronze e algumas podem ter um banho de prata. O anverso mostra as efígies de imperadores como Constantino, Diocleciano e Maximiano, mas pode haver outros imperadores, pois as moedas ainda não foram catalogadas.

Cada uma das moedas pesa entre oito e dez gramas. São de bronze e algumas estão banhadas a prata. Pelo aspeto, sem desgaste, nunca foram usadas. Ana Navarro diz tratar-se de milhões de euros, na moeda de hoje, mas arqueologicamente o seu valor é incalculável.

1461842532_524900_1461842716_album_normal
Fonte – http://forum-numismatica-notafilia.com/viewtopic.php?t=5289

Como explicado para a mídia por Ana Navarro, diretora do Museu Arqueológico de Sevilha, no reverso de muitas moedas foram encontradas várias alegorias romanas, como algumas que representam a abundância. Sobre o local onde foram armazenadas e a razão, exige um exame mais detalhado.

Fonte – http://www.nationalgeographic.com.es/historia/actualidad/unas-obras-en-tomares-sevilla-sacan-a-la-luz-19-anforas-con-600-kilos-de-monedas-romanas_10326

http://www.dn.pt/artes/interior/encontrados-600-quilos-de-moedas-romanas-em-sevilha-5149491.html

 

 

 

A HISTÓRIA DA FOTO DE FAROL MAIS FAMOSA DO MUNDO

Foto -  Jean Guichard -Fonte - https://iconicphotos.wordpress.com/2013/12/17/a-storm-at-la-jument/
Foto – Jean Guichard -Fonte – https://iconicphotos.wordpress.com/2013/12/17/a-storm-at-la-jument/ CLIQUE PARA AMPLIAR AS FOTOS

Como foi feita essa foto?

Morreu o faroleiro atingido pela onda?

Eu me fiz esta pergunta na primeira vez que vi em um cartaz esta imagem impressionante. Então eu vi a foto centenas de vezes, em centenas de lugares diferentes, como é seguro que você também já viu: esta foto é uma das mais vendidas em lojas de pôsteres de decoração e de lembranças na Europa.

O farol é chamado La Jument e é um dos mais espetaculares faróis da costa francesa. Fica a dois quilômetros ao largo da ilha de Ouessant e foi construído entre 1904 e 1911 para sinalizar um baixio rochoso muito perigoso, local de vários naufrágios.

A história da foto ocorreu em 21 de dezembro de 1989. O fotógrafo francês Jean Guichard, especializado em imagens de faróis, voou de helicóptero até La Jument em um dia de forte tempestade procurando a imagem perfeita dessas gigantescas ondas do Atlântico batendo contra a estrutura do farol.

No interior, o faroleiro Theophile Malgorn, que na época tinha cerca de 30 anos, ouviu o helicóptero passando repetidas vezes e pensou que algo de errado estava acontecendo; Talvez o piloto estivesse tentando entrar em contato visual com ele devido algum naufrágio, ou outro tipo de acidente. E em um movimento Malgorn abriu a porta para ver o que estava ocorrendo.

fONTE - www.liveinternet.ru
fONTE – http://www.liveinternet.ru

Toda a ação durou apenas alguns segundos. Guichard viu o homem na porta e o instinto de fotógrafo disse-lhe que havia uma composição perfeita: um homem e uma incrível força da natureza. Ele começou a fotografar no momento que uma nova e gigantesca onda de maré começou a abraçar com toneladas de fúria a estrutura do farol. Naquele momento, o faroleiro Malgorn, junto às dobradiças da porta, ouviu um trovão seco, algo com uma força brutal (o impacto da onda de frente do farol) e sabia que tinha cometido um erro terrível. Tão rápido quanto ele abriu, ele fechou a porta, apenas um milésimo de segundo antes da onda varrer tudo. Ele ficou vivo por um verdadeiro milagre.

Guichard conseguiu sete fotos sequenciadas através do motor da câmera que o tornaria e, em 1990, obteve o prêmio World Press Photo.

O faroleiro Theophile Malgorn ainda vive na ilha de Ouessant e não gosta de falar sobre a foto que o tornou famoso. Ele comentou com amigos que ficou muito na época porque ele havia sido colocado em uma situação de risco mortal irresponsavelmente e além de tudo visando uma questão comercial; Por profissionalismo ele saiu para ver o que estava acontecendo com aquele helicóptero que circulava o farol e aquilo quase lhe custou a vida. Mas, logo depois o fotógrafo Guichard foi visitá-lo em sua casa e lhe presenteou com uma foto autografada do “momento decisivo”, como dizia Cartier Bresson – e se tornaram bons amigos.

O último faroleiro deixou La Jument em 26 de Julho de 1991. Desde então o farol opera de forma automática. Theophile Malgorn atualmente possue a função de telecontrolador do farol de Creac’h Lighthouse, também em Ouessant.

Vizinhos muitas vezes o veem passeando com seus cães ao longo da trilha que existe na costa da ilha, olhando para o mar selvagem batendo nas falésias, observando a forma escura dos faróis, onde ele passou em sua juventude inúmeros momentos de solidão em uma úmida, sala escura, enquanto lá fora o mar tentava derrubar a estrutura que o protegia.

fONTE - www.jean-guichard.com
fONTE – http://www.jean-guichard.com

Os faroleiros franceses como Theophile Malgorn são (ou eram) pessoas muito especiais. Solitários, tinham todo o tempo do mundo para escrever, pintar ou esculpir. Filósofos de uma vida que poucos seriam capazes de suportar em dias de informações instantâneas.

É por isso que atualmente estes homens acham difícil se adaptar a uma vida sedentária, controlando um farol na frente de um computador, em uma sala limpa, aquecida, depois de terem sido os últimos em um mar romântico; filósofos solitários, a cada noite com as luzes acesas, salvando vidas de marinheiros anônimos que nunca iriam conhecê-los ou lhes agradecer pelo seu trabalho. 

Autor – Paco Nadal

Fonte – http://blogs.elpais.com/paco-nadal/2015/04/-historia-foto-farero-faro-la-jument.html