Arquivo da tag: Arqueológia

PINTURAS PRÉ-HISTÓRICAS SÃO ENCONTRADAS ÀS MARGENS DO RIO SÃO FRANCISCO

30nov2016-a-fpi-fiscalizacao-preventiva-integrada-do-rio-sao-francisco-descobriu-desenhos-pre-historicos-ineditos-em-sitios-arque
Fiscais encontraram pinturas rupestres às margens do rio São Francisco, em Alagoas – Fonte – Divulgação/Ministério Público de Alagoas

Pinturas rupestres de povos que viveram às margens do rio São Francisco na pré-história foram descobertas nessa terça-feira (29) em uma região rural do município de Olho D’Água do Casado, no sertão alagoano. As imagens estavam em rochas em três pontos diferentes e foram achadas durante uma força-tarefa de vários órgãos que investiga e previne irregularidades na região ribeirinha.

dscf0017
O belo Rio São Francisco – Foto Rostand Medeiros

As imagens estão localizadas dentro do território do assentamento Nova Esperança. A maioria das pinturas é de formas geométricas. Ao lado dos desenhos, há alguns pequenos buracos no chão, que devem ser espécies de pilões cavados com intuito de amassar sementes para produção de tinta.

Segundo a arqueóloga Rute Barbosa, do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), não é possível definir há quanto tempo as pinturas foram feitas. “Sabemos que se trata de sítios arqueológicos relacionados a povos que habitaram o baixo São Francisco na pré-história, mas não temos o período exato”, disse.

2
Entre os sertanejos, as imagens são conhecidas como ‘letreiro de caboclo brabo’ – Fonte – Divulgação/Ministério Público de Alagoas

Ao todo, o Instituto já possui mais de 300 sítios arqueológicos na região do Baixo São Francisco. Entre os sertanejos, as imagens são conhecidas como “letreiro de caboclo brabo”. As imagens dão indícios de que vários povos passaram pelo local, mas apenas pesquisas mais detalhadas podem confirmar a hipótese.

Ocupação antes de Cristo

A arqueóloga conta que descobertas já realizadas garantem a presença de comunidades há pelo menos 3.500 anos na região. “O registro mais antigo até o presente momento encontrado em Alagoas foi localizado no sítio arqueológico ‘São José 2’, no município de Delmiro Gouveia [sertão alagoano], onde foram encontrados 29 esqueletos humanos, além de outros artefatos líticos e cerâmicos, com datação aproximada de 3.500 AP [anos presentes]”, afirmou.

3
A região tem presença de comunidades há pelo menos 3.500 anos – Fonte – Divulgação/Ministério Público de Alagoas

Barbosa ressalta a nova descoberta vai ajudar nas pesquisas sobre como era a vida pré-histórica na região. “Estamos ampliando o conhecimento sobre o homem na pré-história, seus costumes e modos de viver. Os sítios encontrados contribuirão nesse sentindo, dão maiores subsídios para o aprofundamento dessa compreensão”, disse.

Com a descoberta das novas pinturas, haverá agora o início uma série de ações do setor público. “O Iphan irá registrar o sítio arqueológico e pretende desenvolver, a curto prazo para região, um projeto de educação patrimonial junto a comunidade local. É necessário um trabalho de conservação nesses sítios e iremos trabalhar nisso”, explicou.

a-536
Foto – Rostand Medeiros

Barbosa ressalta a nova descoberta vai ajudar nas pesquisas sobre como era a vida pré-histórica na região. “Estamos ampliando o conhecimento sobre o homem na pré-história, seus costumes e modos de viver. Os sítios encontrados contribuirão nesse sentindo, dão maiores subsídios para o aprofundamento dessa compreensão”, disse.

Com a descoberta das novas pinturas, haverá agora o início uma série de ações do setor público. “O Iphan irá registrar o sítio arqueológico e pretende desenvolver, a curto prazo para região, um projeto de educação patrimonial junto a comunidade local. É necessário um trabalho de conservação nesses sítios e iremos trabalhar nisso”, explicou.

4
As imagens estavam em rochas em três pontos diferentes das margens do rio – Fonte – Divulgação/Ministério Público de Alagoas

Segundo o Ministério Público Estadual, as pinturas sofrem com a ameaça da degradação do homem. Em um dos sítios arqueológicos visitados, o MP encontrou um desenho coma palavra “Erica”, ao lado das rochas com os desenhos e gravuras.

Outro problema seriam as queimadas, que soltam fuligem que podem encobrir e até mesmo apagar os desenhos. A força-tarefa encontrou vários locais com vegetação queimada durante a visita aos sítios.

Autor – Carlos Madeiro -Colaboração para o UOL, em Maceió

Fonte – http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2016/11/30/pinturas-pre-historicas-sao-encontradas-as-margens-do-rio-sao-francisco.htm

Anúncios

19 ÂNFORAS COM 600 QUILOS DE MOEDAS ROMANAS SÃO ENCONTRADAS NA ESPANHA

1461842532_524900_1461842838_album_normal
Fonte – http://forum-numismatica-notafilia.com/viewtopic.php?t=5289

Moedas de bronze foram depositadas em urnas no século IV d.C. e aparentemente eles foram deliberadamente escondidas em um espaço subterrâneo

 Em um comunicado emitido pelo Ministério da Cultura da Comunidade Autónoma da Andaluzia, Espanha, foi informado que na última quinta-feira (16/06/2016), durante a realização de obras de canalização no Parque El Olivar Zaudín, na região da vila de Tomares, a 10 quilómetros de Sevilha, foram acidentalmente descobertas 19 ânforas, com 600 quilos de moedas de bronze romanas dos século III ou IV, depois de Cristo, no tempo dos romanas na Península Ibérica.

ng6625255
Fonte – http://www.dn.pt/artes/interior/encontrados-600-quilos-de-moedas-romanas-em-sevilha-5149491.html#media-1

O comunicado aponta que uma das primeiras hipóteses para a existência deste tesouro seria que este conjunto de moedas deveria fazer parte do pagamento dos soldados romanos na região. Possivelmente este número de moedas deveria estar sob a supervisão de funcionários da administração pública das estruturas municipais do Império Romano no Bajo Guadalquivir. Ainda segundo o comunicado este raro conjunto de numismática “é um documento único de primeira ordem do período romano tardio na província de Sevilha e até agora não tem paralelo na história da Espanha”.

monedasromanas4_47903779
Fonte – http://www.dn.pt/artes/interior/encontrados-600-quilos-de-moedas-romanas-em-sevilha-5149491.html#media-1

Ana Navarro, diretora do Museu Arqueológico de Sevilha diz que a descoberta das moedas foi partilhada com os arqueólogos italianos, ingleses e franceses. Todos estão de acordo: trata-se de um dos mais importantes achados do período romano mais importantes. 

As moedas romanas foram depositadas em urnas, ou seja, em alguns recipientes que deliberadamente foram escondidos em um espaço subterrâneo. E ali permaneceram por 17 séculos.

1461842532_524900_1461846369_album_normal
Fonte – http://forum-numismatica-notafilia.com/viewtopic.php?t=5289

Dez destes recipientes partiram-se durante as obras (foram as máquinas que as desenterraram). As restantes nove estão seladas. São menores do que aqueles que se usavam para transportar água ou azeite esclareceu, onde foram depositados os achados. “Usavam-se para transportar outras mercadorias. O que surpreende é que se utilizassem para guardar dinheiro”, afirmou ao jornal espanhol El Pais.

As moedas são de bronze e algumas podem ter um banho de prata. O anverso mostra as efígies de imperadores como Constantino, Diocleciano e Maximiano, mas pode haver outros imperadores, pois as moedas ainda não foram catalogadas.

Cada uma das moedas pesa entre oito e dez gramas. São de bronze e algumas estão banhadas a prata. Pelo aspeto, sem desgaste, nunca foram usadas. Ana Navarro diz tratar-se de milhões de euros, na moeda de hoje, mas arqueologicamente o seu valor é incalculável.

1461842532_524900_1461842716_album_normal
Fonte – http://forum-numismatica-notafilia.com/viewtopic.php?t=5289

Como explicado para a mídia por Ana Navarro, diretora do Museu Arqueológico de Sevilha, no reverso de muitas moedas foram encontradas várias alegorias romanas, como algumas que representam a abundância. Sobre o local onde foram armazenadas e a razão, exige um exame mais detalhado.

Fonte – http://www.nationalgeographic.com.es/historia/actualidad/unas-obras-en-tomares-sevilla-sacan-a-la-luz-19-anforas-con-600-kilos-de-monedas-romanas_10326

http://www.dn.pt/artes/interior/encontrados-600-quilos-de-moedas-romanas-em-sevilha-5149491.html

 

 

 

POR QUE OS EUROPEUS DESENVOLVERAM PELE CLARA E TOLERÂNCIA A LACTOSE?

(FOTO: EDDY VAN 3000 / FLICKR / CREATIVE COMMONS)
(FOTO: EDDY VAN 3000 / FLICKR / CREATIVE COMMONS)

Os distúrbios alimentares não são tão recentes. Um estudo, que analisou os genomas de 101 eurasiáticos que viveram na Idade do Bronze – o primeiro período após a Idade da Pedra -, revelou que cerca de 90% da população era intolerante à lactose na idade adulta.

A mesma pesquisa também sugere algumas possibilidades sobre a as características dos europeus modernos. Segundo os cientistas, os olhos azuis, por exemplo, são originados por caçadores do período Mesolítico (10.000 – 5.000 a.C.).

Um grupo de humanos saiu da África e povoou a Europa. Hoje seus descendentes ainda estão lá e são reconhecíveis por algumas características muito distintas: eles têm pele clara, uma gama de cores de olhos e cabelos e quase todos podem beber leite tranquilamente. Mas de onde vieram essas características tão específicas?

Um pouco de história

A Idade do Bronze (cerca de 3,000 – 1,000 a.C.) foi uma época de grandes avanços. Sempre que uma cultura desenvolvia um conjunto de tecnologias novo, eles eram capazes de crescer e dominar outros povos (bem como em Age of Empires).

O estudo descobriu que a distribuição geográfica de variações genéticas no início da Idade do Bronze era bem diferente da atual, mas ao final parecia muito semelhante, sugerindo um nível de migração muito alto nesse período.

Um povo muito importante no desenvolvimento de novas tecnologias e da genética na Idade do Bronze foi os Yamnayas. Ao comparar o DNA de eurasiáticos da Idade do Bronze, como os Yamnayas, e os agricultores neolíticos, os pesquisadores descobriram que a maioria tinha fortes ligações genéticas.

Mas como traços que eram raros ou inexistentes em nossos ancestrais africanos se tornaram tão comum na Europa?

Olhos claros

A equipe de pesquisa também estudou o DNA de vários caçadores que viveram na Europa antes da Idade do Bronze. O resultado revelou que eles tinham uma combinação de características muito marcante: pele escura com olhos azuis.

Os olhos azuis dessas pessoas – e dos muitos europeus modernos que os têm – são graças a uma mutação específica perto de um gene chamado OCA2. Como nenhuma das amostras Yamnayas têm essa mutação, é provável que os europeus modernos tenham adquirido esse traço a partir desses caçadores europeus do Mesolítico (10.000 – 5.000 a.C).

Armas da Idade do Bronze - Fonte - ieeeufabc.org
Armas da Idade do Bronze – Fonte – ieeeufabc.org
Pele clara
A pele clara foi muito rara no Mesolítico, mas presente na grande maioria das civilizações da Idade do Bronze, tanto na Europa, quanto na Ásia. Como ambas as áreas receberam um fluxo significativo de agricultores do Oriente Médio durante este tempo, pode-se especular que as mutações surgiram no Oriente Médio.
Tolerância a lactose
Outra característica que é quase universal nos europeus modernos (mas não em todos) é a capacidade de digerir a lactose no leite na idade adulta. Como gado e outros animais foram produzidos na Eurásia ocidental desde muito tempo, pode-se dizer que tal mutação já estava difundida desde a Idade do Bronze.

Curiosamente, a civilização com as maioria dos indivíduos com esta mutação era a Yamnaya. Os resultados sugerem que a mutação pode ter se originado onde hoje é a Ásia e entrou na Europa com o Yamnaya.

Texto – FERNANDO BUMBEER

Fonte – http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Arqueologia/noticia/2015/06/por-que-europeus-desenvolveram-pele-clara-e-tolerancia-lactose.html

ARQUEÓLOGOS BRITÂNICOS MAPEIAM CIDADE MEDIEVAL SEM FAZER ESCAVAÇÃO

141203071610_muralha

Usando modernas técnicas de varredura, especialistas britânicos conseguiram produzir um mapa detalhado de uma cidade medieval sem precisar escavar o local.

As técnicas revelaram uma rede de edifícios que se ergueram em um local do século 11 conhecido como Old Sarum, no condado de Wiltshire, na Inglaterra.

Old Sarum foi originalmente uma fortaleza da Idade do Ferro, criada por volta de 400 AC e ocupada pelos romanos após a conquista da Grã-Bretanha em 43 DC.

O sítio arqueológico é o ponto original da cidade de Salisbury, que fica a pouco mais de 3,5 km de distância. Ao longo dos séculos, romanos, normandos e saxões deixaram suas marcas no local.

A pesquisa da Universidade de Southampton revelou uma série de grandes estruturas, possivelmente de defesa, com grandes áreas ao ar livre, possivelmente para reunir pessoas ou estocar recursos.

Vista do local atualmente.
Vista do local atualmente.

A pesquisa se concentra nas muralhas do interior e exterior do que teria sido o forte.

“Os arqueólogos e historiadores sabiam há séculos que havia uma cidade medieval em Old Sarum, mas até agora não havia nenhum mapa adequado do sítio”, disse o diretor do setor de serviços de prospecção arqueológica da universidade, Kristian Strutt.

“Nossa pesquisa mostra onde estão localizadas as construções individuais. A partir disso podemos ter uma imagem detalhada do plano urbano dentro dos muros da cidade.”

As técnicas modernas utilizadas para o levantamento do terreno incluíram magnetometria, resistência de terra, radar de penetração no solo e tomografia de resistividade elétrica, que utiliza eletrodos para sondar o subsolo.

Fonte – BBC

ARQUEOLOGIA NA BAHIA

Lagoa da Velha: pinturas rupestres agora examinadas - Foto - SECULTBA
Lagoa da Velha: pinturas rupestres agora examinadas – Foto – SECULTBA

Edição 215 – Janeiro de 2014 – FONTE – http://revistapesquisa.fapesp.br/2014/01/13/arqueologia-na-bahia/

Por meio de escavação iniciada em novembro de 2012 no sítio arqueológico Lagoa da Velha, no município de Morro do Chapéu, na Bahia, arqueólogos e antropólogos esperam entender melhor como viviam os habitantes daquela região há milhares de anos. As escavações integram um programa de pesquisa e manejo de sítios de arte rupestre da Chapada Diamantina, realizado pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural em parceria com o Departamento de Antropologia da Universidade Federal da Bahia. Originária de bacia sedimentar, com 1,6 bilhão de anos, a Chapada Diamantina é uma das mais ricas regiões do Brasil em cavernas, pinturas rupestres e fósseis animais e vegetais. Na primeira etapa do projeto, os pesquisadores mapearam 67 sítios de pinturas rupestres, onde encontraram objetos lascados que podem dar novas pistas sobre os hábitos dos povos antigos daquela região. A segunda etapa, lançada em julho do ano passado, prevê, além das escavações, a identificação e o estudo das pinturas e gravuras rupestres encontradas. O sítio de Lagoa da Velha faz parte da mesma formação geológica que abriga a serra das Paridas, em Lençóis, onde os pesquisadores já haviam encontrado pinturas rupestres de animais, vegetais, formas geométricas e humanas, feitas com pigmentos vermelhos e amarelos.

AS BELEZAS DO PARQUE NACIONAL VALE DO CATIMBAU, EM BUÍQUE, PERNAMBUCO

Vale do Catimbau-PE (1)

Este material foi gentilmente cedido pelo Professor Arnaldo Vitorino, da cidade pernambucana de Santa Cruz do Capibaribe, que visitou este local com amigos e trouxe estas fotos maravilhosas. Ele inclusive colocou algumas dicas que reproduzimos em nosso blog. Parabéns Vitorino!

Vale do Catimbau-PE (12)

Localizado a 283 km da capital de Pernambuco, Recife, o Vale do Catimbau é um complexo de Serras, Vales e Rochas do agreste e do sertão. Possui 62.300 hectares de terra, o Vale preserva uma das últimas áreas de Caatinga.

Vale do Catimbau-PE (16)

Catimbau, em Tupi, significa “Cachimbo pequeno apagado, práticas de feitiçaria e lugar de cobras” Tudo isso numa só palavra. O Vale do Catimbau foi nomeado Parque Nacional Catimbau pelo IPHAN em 2002 através do decreto 913/12.

Vale do Catimbau-PE (23)

É considerado uma área de extrema importância Biológica, Geográfica e Arqueológica. A região possui registros de pinturas rupestres e artefatos que datam de um período de, pelo menos, 6.000 anos.

Vale do Catimbau-PE (20)

O Parque Nacional Catimbau é o segundo maior do país, perdendo apenas para a Serra da Capivara, no Piauí.

Vale do Catimbau-PE (21)

Possui terras nos municípios de Buíque, estendendo-se por áreas semi-áridas de Tupanatinga, Inajá e Ibimirim, já em plena Microrregião do Sertão do Moxotó.

Vale do Catimbau-PE (14)

O Parque possui dezenas de Serras, vales, rochas das mais variadas formas e cores, além de uma grande riqueza de escrituras rupestres, histórias das tribos indígenas da região assim como seus cemitérios espalhados por todo o vale e vestígios de suas práticas ritualísticas.

Vale do Catimbau-PE (24)

O parque possui só na região de Buíque, cerca de 10 trilhas ecológicas onde, Turistas e Excussões pedagógicas podem percorrer, com ajuda de guias locais qualificados, boa parte do parque e conhecer maravilhas e surpresas exóticas que essa região indígena oferece.\

Vale do Catimbau-PE (10)

Próximo ao parque está localizado a Vila Do Catimbau, formada por remanescentes de tribos indígenas que viveram na região, possui uma infra estrutura muito básica para acomodar os visitantes do Vale.

Vale do Catimbau-PE (5)

Na Vila do Catimbau podemos encontrar a Associação dos Guias do Vale do Catimbau , é com eles que devemos nos informar e realizar as atividades no Parque Nacional, ao lado podemos encontrar lojinhas de conveniência, assim como uma Pousada e Restaurante Do Vale do Catimbau.

Vale do Catimbau-PE (8)

Chegando à pousada, é só procurar por Dona Zefinha, a proprietária, o lugar é muito aconchegante, e dispões de ótimas refeições regionais. O Acesso ao Vale do Catimbau, para quem vai de Carro particular é fácil e bem sinalizado, porém para quem vai de transporte coletivo é preciso ir para Buique, centro, e seguir no emocionante “Pau de Arara” até a Vila do Catimbau. Dicas: Para quem vai de carro particular, não deixe de dar uma paradinha no Caminho para conhecer as cidades de Pesqueira, Arcoverde.

Vale do Catimbau-PE (7)

Vale do Catimbau-PE (18)

Vale do Catimbau-PE (22)