QUANDO O EXÉRCITO BRASILEIRO FOI DERROTADO NO SERTÃO NORDESTINO

Em 1955 Um Oficial do Exército Brasileiro Escreveu em Uma Revista Ligada ao Meio Militar um Contundente Texto Sobre a Dura Realidade das Derrotas Sofridas Pelo Exército Brasileiro em Momentos da Guerra de Canudos. Esse Texto Foi em Parte Baseado Nas Experiências e Memórias do Pai do Autor, o General Leandro José da Costa, Ex-Combatente Daquele Cruel Conflito.

A EPOPEIA DE CANUDOS

Autor – Major Orosimbo Costa

Fonte – Revista do Clube Militar, Nº 135, Janeiro/Fevereiro de 1955, Págs. 33 a 39.

Segundo uma reportagem da revista O Cruzeiro, de 5 de dezembro de 1953, pretende o Serviço de Obras Contra as Secas transformar, dentro de pouco tempo, o antigo arraial de Canudos, em um açude.

“Um desaparecimento que não há de ser muito sentido”. “Canudos indo, vai fazendo pouca falta, ninguém há de chorar”. Assim se expressa o repórter.

Palpita-nos não ser este o sentir de muitos brasileiros, que considerarão tal ato, caso se execute e sejam quais forem as razões de ordem técnica invocadas pelos engenheiros encarregados dessa tarefa, como mais um atentado ao nosso já precário patrimônio histórico.

A Campanha de Canudos, como muitos outros episódios da nossa história, é desconhecida da maioria dos brasileiros. (1)

Razão teve o sr. Viriato Corrêa quando disse que “a não ser a tão falada viagem de Cabral, a restauração pernambucana, o martírio de Tiradentes, a transmigração da família real portuguesa, o 7 de setembro, a Guerra do Paraguai, o 13 de maio, a Proclamação da República, mais uma ou outra data culminante, e isso mesmo mal e muito mal, tudo mais se desconhece, quando não seja totalmente, de tal maneira que é o mesmo que desconhecer” (2).

Entretanto, essa memorável Campanha ainda não foi definitivamente escrita nem está instalada no lugar de realce que merece na História. Mais de meio século faz que teve fim tão cruenta luta, já sendo possível, portanto, imparcialmente, estabelecer a sua verdadeira significação. Ainda há (em 1955) remanescentes, integrantes das tropas do governo (3), cujos depoimentos poderiam ser aproveitados para a total reconstituição dessa guerra horrenda. das mais ferozes que se tem notícia, sendo impossível determinar de que lado havia mais intrepidez e energia: se o jagunço obstinado, fanático, indiferente à sua sorte, ou a soldadesca desvairada, infrene, com um só pensamento: matar, destruir aquele reduto sinistro!

Euclides da Cunha assim retratou o defensor do arraial (Canudos — Diário de uma expedição — pág. 95): “Tem a mais sólida, a mais robusta têmpera essa gente indomável! Os prisioneiros feitos revelam-na de uma maneira expressiva.

Ainda não consegui lobrigar a mais breve sombra do desânimo em seus rostos, onde se desenham privações de toda a sorte, a miséria mais funda; não tremem, não se acobardam e não negam as crenças mantidas pelo evangelizador fatal e sinistro (4) que os arrastou a uma desgraça incalculável.

Mulheres aprisionadas na ocasião em que os maridos caíam mortos na refrega e a prole espavorida desaparecia na fuga, aqui têm chegado — numa transição brusca do lar mais ou menos feliz para uma praça de guerra, perdendo tudo numa hora — e não lhes diviso no olhar o mais leve espanto e em algumas mesmo o rosto bronzeado de linhas firmes é iluminado por um olhar de altivez estranha e quase ameaçadora”. (5)

As dúvidas e enigmas dessa Campanha, precisam ser elucidados.

O fracasso da expedição Moreira César repercutiu em todo o Brasil como um desastre nacional. Divulgou-se insistente boato de que Antônio Conselheiro era um insurreto político monarquista. Espíritos exaltados depredaram a redação dos jornais restauradores e assassinaram o proprietário de um deles, o coronel Gentil de Castro.

Enquanto tais rumores eram propalados pela nação, no teatro de operações considerava o citado escritor (6): “Não é possível que a munição de guerra daquela gente seja só devida à deixada pelas expedições anteriores. A nossa esgota-se todos os dias; todos os dias entram comboios carregados e, no entanto, já nos falta às vezes.

Como explicar essa prodigalidade enorme dos jagunços?

Não nos iludamos. Há em toda esta luta uma feição misteriosa que deve ser desvendada”.

E mais adiante (pág. 101):

“O general Artur Oscar, restabelecido agora de ligeira enfermidade, acaba de mostrar-me alguns tipos de balas caídas nos tiroteios da noite. São de aço, semelhantes às das Manulicher, algumas, outras completamente desconhecidas. São inegavelmente projetis de armas modernas que não possuímos. Como as possuem os ” jagunços “?

Mas, o que mais espanta e impressiona, é o elevado grau de instrução militar que possuíam aqueles sertanejos. A disciplina era rígida, utilizavam com perícia as suas armas, eram mestres na camuflagem, sabiam aproveitar o terreno para observar e atirar seus movimentos eram coordenados, construíam abrigos que cercavam com obstáculos (7), e também empregaram minas!

O arraial surpreendeu ao observador esteta (8):

“Nada que recorde o mais breve, o mais simples plano na sucessão de humílimos e desajeitados casebres. Ausência quase completa de ruas, em grande parte substituídas por um dédalo desesperador de becos estreitíssimos, mal permitindo, muitos, a passagem de um homem. As vezes cinco ou seis casas alinham-se como que numa tentativa de arruamento, mas logo adiante em ângulo reto com direção daquelas, alinham-se outras, formando martelo e dando ao conjunto uma feição indefinível… “

Poucas ruas e estreitíssimas, simples passagens muitas vezes sem saída, casas sem alinhamento, quintais de umas confinando com frentes de outras, cumieiras para todas as direções, um verdadeiro labirinto. Dava a impressão de que os casebres haviam sido construídos ao acaso, segundo a fantasia de cada um.

Fatal engano! Nos primeiros assaltos à cidadela, os invasores foram exterminados. Desnorteados naquele estranho dédalo, eram inexoravelmente eliminados, sem que o defensor se expusesse.

E então compreendeu-se o porquê de tão fantástico traçado: obedecia a um meticuloso plano de defesa. Cada casa era um reduto. Cavada no interior desta e junto à parede, a moderníssima “toca de raposa”; rente ao chão, uma seteira facilitava ao ocupante da “toca ” tiros precisos. Os tetos eram uma maciça camada de cerca de 20 centímetros de argila e ramos de icó, à prova de estilhaços e talvez tiros de pequeno calibre de artilharia.

Nas elevações que circundavam o arraial, um traçado de trincheiras com excelentes posições para atiradores, enfiavam as vias de acesso.

Um sistema de postos avançados bem organizados, constante movimento de patrulhas e eficiente serviço de espionagem, completam o quadro de conhecimentos que possuíam os jagunços.

Simplesmente espantoso!

Mas, perguntamos nós, quem os instruiu?

Quem os ensinou a utilizar o armamento de repetição (Comblains e Manulichers) abandonado pela expedição Moreira César e que não lhes era familiar? (9) Quem os adestrou nos exercícios de maneabilidade, no aproveitamento do terreno, na ocupação de uma posição e seu abandono no momento preciso, na organização de um plano de fogos? Monarquistas, como se propalou? Militares egressos das Forças Armadas, como alguns alvitram? Estrangeiros? Ou os próprios chefes jagunços? (10)

Estes eram muitos, notáveis, e com funções bem definidas: João Abade, comandante em chefe; Pajeú, subcomandante; Chico Ema, chefe do serviço de espionagem; Macambira, especialista em emboscadas; Joaquim Tranca pés, mestre em golpes de mão; Chiquinho, João da Mota, Pedrão, Estevão, comandantes de setores de vigilância: e mais, Vilanova, Joaquim .Macambira, Manoel Quadrado, José Felix, José Venâncio, Lalau, Raimundo Boca-Torta, Norberto, Quimquim de Coiqui, Antônio Fogueteiro, José Gamo, Fabricio de Cocobocó (ou Cocorobó), António Beato (11).

Enquanto aqueles rudes sertanejos revelavam modelar organização, o que constitui mistério profundo, as forças regulares, em deplorável contraste, demonstravam evidente incapacidade para fazer a campanha.

Uma lástima: quadros sem preparação profissional, tropa completamente bisonha, ausência absoluta do que hoje chamamos apoio logístico.

A organização militar no Brasil era, na época, deficientíssima.

Canhão Whitworth 32 ou “Matadeira”, como se encontrava na região de Canudos na décxada de 1940.

Aliás, para sermos mais precisos, as Forças Armadas do país nunca mereceram, no passado, a devida atenção dos governos. As nossas guerras externas foram feitas com Exércitos improvisados. Assim foi em 1851 contra Oribe e Rosas, em 1864 contra o Uruguai e em 1865 contra o Paraguai.

Após esta última campanha, as Forças Armadas caíram em franca depressão e profunda apatia. Tudo foi feito liara se esquecer aqueles anos de sofrimento.

A época da proclamação da República, o efetivo do Exército era de pouco mais de 12.000 homens!

 Com o advento das ideias positivistas, o ensino militar tornou-se científico-filosófico. Foi a época dos oficiais “bacharéis em ciência”.

Floriano Peixoto, para enfrentar a revolta de Custódio de Melo, em 1893, viu-se na contingência de organizar os célebres “batalhões patrióticos”.

É fácil, pois, imaginarmos a constituição das expedições que foram lançadas contra Canudos.

O comandante da quarta expedição, general Artur Oscar de Andrade Guimarães, ainda considerava ato vergonhoso o combater-se abrigado (12).

No terreno da tática foi um desastre: operações sem planejamento, marchas desordenadas, sem segurança e informações, processos antiquados de combate.

Habitante de Canudos na década de 1940.

No terreno dos serviços, uma miséria; tudo faltou: víveres, munições, transportes. O estado de penúria chegou a tal ponto que foram obrigados a abater os bois de tração de um célebre canhão Calibre 32 (material de artilharia de costa), inútil trambolho. Certo dia só havia farinha e sal, para os doentes. Ficou estabelecida a “defesa individual”: penetravam os soldados na caatinga à procura da caça exígua e raízes dos vegetais da região. “Uma raiz de umbu era um regalo raro, de epicurista”. E para completar tal quadro, até água faltou.

Entretanto, o comandante Artur Oscar estabeleceu postos de suprimentos em Queimadas, Monte Santo, mas os comboios chegavam com irregularidade e reduzidíssimo e as rações, muitas vezes, não deram nem para um dia. Eram os jagunços os responsáveis… (13)

Quanto aos feridos, não sendo possível mantê-los na frente, urgia evacuá-los; mas, como? De que jeito transportá-los?

Defensor de Canudos, capturado por soldados.

Seguiram de qualquer maneira para Monte Santo e desta localidade para Queimadas, ponto terminal da estrada de ferro. Uns, montados em muares ou cavalos, outros, os mais graves, conduzidos em redes, a maioria a pé, arrastando-se miseravelmente pela estrada.

Era um desfile macabro; cada um por si, nada de cooperação; se algum infeliz caía extenuado, ali ficava, estirado na margem do caminho implorando, em vão, por auxílio; e ali morria, ficando insepulto.

E essas levas se transformavam em feras odiosas: maculavam a água das cacimbas que seria forçosamente utilizada por outros companheiros, atacavam sertanejos indefesos, saqueavam e destruíam os miseráveis casebres.

Região de Canudos na década de 1940.

Para completar este quadro moral, verificaram-se vários pedidos de reforma, e Unidades chegavam desfalcadas, bem desfalcadas, na Zona de operações, Brigada Girard. por exemplo, que iria reforçar as tropas de Artur Oscar, chegou em Canudos sob o comando de um major! (14)

Finalmente, no setor técnico, a mesma deficiência: o general Artur Oscar foi obrigado a organizar, em Queimadas e Monte Santo, campos de instrução, linhas de tiro, para instruir os seus soldados, em sua quase sua totalidade, recrutas. Mas, foi mesmo em Canudos, no duro embate com os jagunços, que eles se adestraram, apreenderam os duros processos do combate que, afinal, eram certos.

Quando se resolveu atacar o arraial de Canudos, comandava o 3° distrito militar (Salvador), o General Frederico Sólon. Tendo recebido ordem do governo central para auxiliar o governador do Estado naquela empresa, propôs a este, doutor Luiz Viana, após cuidadoso exame da situação, que se enviasse a Canudos uma forte expedição O governador discordou; considerava o movimento um simples motim, facilmente sufocável por qualquer elemento armado. (15)

É provável que tenha havido entre as duas autoridades acalorada discursão; o fato é que o general Sólon, pouco tempo depois, era transferido…

A política, pois, saiu vencedora dessa polêmica e, sem mais delonga, tratou-se de enviar ao arraial sublevado, um destacamento de 100 homens que, sob o comando do tenente Manoel da Silva Pires Ferreira, partiu de Juazeiro na noite de 12 de novembro de 1896; mas não passaram de Uauá, vilarejo distante de Canudos cerca de 40 quilômetros, onde na madrugada de 21 foram atacados.

Protegidos pelas casas, os soldados resistiram; seu armamento mais moderno, enquanto os jagunços utilizavam armas antiquadas de carregar pela boca, que logo abandonaram, preferindo a arma branca.

Após quatro horas de luta, os jagunços abandonaram o arraial.

Artilharia na Guerra de Canudos.

Fosse seguido o alvitre do general Sólon e a história de Canudos se encerraria com esta expedição. Os jagunços estavam praticamente desarmados e não resistiriam à perseguição que o tenente não pôde realizar, por falta de homens e meios, sendo obrigado a retroceder para Juazeiro, onde chegou após quatro dias de marchas forçadas.

Nova expedição foi organizada; compõe se de 560 homens, inclusive 14 oficiais e 3 médicos. Seu comando foi confiado ao major Febrônio de Brito e, além do armamento individual, conduziram duas metralhadoras Nordenfelt e dois canhões Krupp.

Febrônio de Brito seguiu pelo eixo Queimadas — Monte Santo — Estrada do Cambaio, lutando com toda sorte de dificuldades.

Região de Canudos na década de 1940.

Na travessia do Cambaio tiveram o primeiro combate com os jagunços. Vencedores, progrediram até às orlas de Canudos, onde estacionaram extenuados. Ao amanhecer do dia seguinte, 19 de janeiro de 1897, foram violentamente atacados pelos conselheiristas que, à noite, sorrateiramente, haviam ocupado suas posições. Na primeira trégua o comandante Brito examinou a situação e concluiu não poder prosseguir na luta por falta de munição. Dada a precariedade de transporte, deixara em Queimadas e Monte Santo, grande parte dela.

Exposta a situação aos oficiais, decidiu-se pela retirada, mas em boa ordem. Não a conseguiram. Obrigados a atravessar uma garganta, aí foram intensamente hostilizados com pedras! E durante quase todo o percurso a Monte Santo, sofreram pertinaz perseguição do inimigo.

Tal remate aguçou a cólera das autoridades. Ninguém acreditava que umas duas dezenas de miseráveis jagunços pudessem derrotar uma tropa federal. Consequência: Febrônio de Brito foi submetido a Conselho de Guerra e condenado (16).

Ruínas da igreja de Canudos em 1893 – Fonte – http://osertanejosdecanudos.blogspot.com.br

Uma terceira expedição foi organizada: quatro batalhões de infantaria, uma bateria de artilharia, um esquadrão de cavalaria e um contingente da polícia baiana, num total de 1.500 homens aproximadamente, bem armados e municiados. Escolheu-se para comandá-la, o nome militar mais em evidência na época: o coronel António Moreira César, uma figura que, no governo de Floriano Peixoto se notabilizara pelas mais condenáveis e odiosas violências contra mulheres, crianças c cidadãos indefesos.

Este comandante escolheu o itinerário Queimadas — Monte Santo — Cumbe — Rosário — Rancho do Vigário — Angico — Morro da Favela. Estabeleceu-se em Queimadas a primeira base de operações e em Monte Santo, a segunda, sob o comando do coronel Souza Meneses.

Sem um reajustamento, sem um plano, sem uma ideia, e após marchas forçadas, Moreira César lançou toda a sua infantaria contra Canudos, atacando por dois lados opostos. Os batalhões se defrontaram no arraial e então foi a confusão, a balbúrdia, o pandemônio. O comandante tentou retomar sua tropa e expondo-se foi ferido, vindo a falecer no dia seguinte. Seu substituto, o coronel Tamarindo, tentou executar uma retirada, mas foi mal sucedido. Ninguém obedecia mais. A soldadesca estava alucinada, apavorada!

Antigo cruzeiro de Canudos na década de 1940.

Foi uma fuga desordenada. Abandonaram tudo; armamento, material, munições, feridos, até o cadáver do comandante!

Os que chegaram em Monte Santo, não encontraram ninguém; todos havia fugido, abandonando o posto. O sargento auxiliar não pudera reter ninguém para ajudá-lo a transportar os mantimentos para um local seguro. O farmacêutico da povoação, um civil, foi quem destruiu parte da munição, deixando alguma, para não despertar suspeita aos jagunços.

Assim, esta terceira expedição só teve um fito: armar e municiar o inimigo.

Cerimônia na Canudos de 1940.

Sob o comando do general Artur Oscar de Andrade Guimarães foi, finalmente, organizada uma expedição poderosa; chegou a ter efetivo de 10.000 homens, e dela participaram quatro generais, 20 batalhões de infantaria, 1 regimento e 2 destacamentos de artilharia 1 regimento e parte de outro de cavalaria, além de elementos das policias da Bahia, São Paulo, Pará e Amazonas.

Não cabe aqui a descrição das ações desta expedição, feita com todos os detalhes por Euclides da Cunha, que a acompanhou como repórter de um jornal paulista.

No dia 5 de outubro de 1897, após quase um ano de lutas, caiu a cidadela de Canudos cujos defensores resistiram “até o esgotamento completo”, “Fato raro na História: o reduto de Canudos não se rendeu”.

A antiga Canudos.

O aspecto atual de Canudos é contristador — miséria e desolação completas. E naquela cidadela, palco de um drama de extraordinário heroísmo, naquele chão, muda testemunha de um poema de bravura que estarrece, de uma insana resistência que nos deixa atônitos, naquele pedaço de terra brasileira onde foi vivido o trágico episódio que ” é a afirmação eloquente da prodigiosa energia da nossa raça”, nem um monumento, nem um bronze comemorativo, nem mesmo uma simples placa a lembrar a ocorrência. E, dentro de pouco, um lençol de água cobrirá os vestígios — se os houver — do famoso arraial, e depois — o esquecimento. Breves referências ficarão nos livros escolares — e nada mais.

Enquanto os brasileiros demonstram essa indiferença pelo seu passado, os americanos, num excesso de senso histórico, transformaram a casa do assassino de um chefe de Estado em museu (17).

A guerra de Canudos teve a feição de um cataclisma nacional; movimentou tropas de norte a sul do país, e na última expedição estiveram empenhados dez mil homens, talvez mais.

É um episódio que deverá ser colocado no devido plano; seus despojos, se ainda houver, deverão ir para os mostruários dos nossos museus; o local onde outrora se erigiu o célebre arraial, deverá merecer a atenção da Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, atualmente empenhada num plano de restauração, conservação e proteção do seu acervo.

NOTAS

——————————————————————————————————————–

(1) Entretanto, teve um cronista do quilate de um Euclides da Cunha, cujo livro “Os Sertões”, já na sua 22ª edição (em 1955), foi traduzido para o espanhol, para o alemão, para o sueco e para o dinamarquês. É, pois, uma obra de repercussão internacional e ocupa limar de destaque em todas as bibliotecas públicas e particulares, mas que, acreditamos, muito pouca gente leu.

(2) Balaiada.

(3) Um deles é o meu pai, o general reformado Leandro José da Costa, possivelmente o único sobrevivente do 16º Batalhão de Infantaria, que me relatou passagens inéditas da expedição Artur Oscar.

(4) Refere-se a Antônio Conselheiro.

(5) Observação registrada nove dias antes do aniquilamento total do arraial, após quase um ano de luta!

(6) Obra citada — pág. 98.

(7) A falta de arame farpado, utilizavam material muito melhor e abundante na região: xique-xique, mandacarus, juremas, palmatória, macambiras, etc., que transformavam numa espécie de redes extensíveis.

(8) Obra citada – pág. 107.

(9) As suspeitas do gen. Artur Oscar eram infundadas; nenhum armamento especial foi encontrado em poder dos conselheiristas: na verdade, antes da apreensão do material de Moreira César, eles utilizavam velhas espingardas, bacamartes, garruchas, clavinas, armas brancas, e mesmo bestas. Quem os armou foi mesmo o governo, por intermédio do cel. Moreira César.  

(10) Essa Informação e quo os supostos ex-jagunços Ciriaco e Pedrão deviam fornecer ao autor da reportagem a que aludimos no começo destas linhas.

(11) “Os Sertões” — 22. ª edição — pág. 177.

(12) Chegamos à Favela a 27 do mês de junho, tendo antes, no lugar Pitombas, sofrido dos jagunços cobardes que nunca souberam se bater a peito nus como os soldados leais… (Parte do gen. Artur Oscar ao ministro da guerra).

(13) Chegou a tais extremos essa situação que o ministro da guerra, marechal Carlos machado Bittencourt decidiu pessoalmente dirigir esses serviços, seguindo para a zona de guerra.

(14) Na Campanha do Contestado observou-se o mesmo “fenômeno”. Conta-nos Crivelaro Marcial o caso de um Regimento que em vez de um coronel era comandado por um major, cujo batalhão fora conduzido por um tenente.

(15) Uma das curiosas características desse episódio da nossa História éque do começo no fim da Campanha não se deu ao jagunço o seu devido valor; sempre o subestimaram.

(16) Só em revisão de processo da 3.ª expedição é que consegui ser absolvido.

O MILAGRE DO NATAL DE 1914

OS INUSITADOS ACONTECIMENTOS DA CONFRATERNIZAÇÃO NATALINA ENTRE INIMIGOS DURANTE A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

O milagre do Natal de 1914
O milagre do Natal de 1914

Tudo teve início quando foram assassinados em Sarajevo, na Sérvia, o herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, o arquiduque Francisco Ferdinando e sua esposa Sofia. A ação foi realizada por um estudante, mas toda trama fora criada por um membro do governo sérvio. Em 28 de julho, a Áustria-Hungria declarou guerra à Sérvia. Grã-Bretanha, França e Rússia se aliaram aos sérvios; a Alemanha, aos austro-húngaros. Tinha início a Primeira Guerra Mundial, conhecida então como Grande Guerra.

Na sequência o mundo viu um ataque alemão inicial através da Bélgica em direção a França. Este avanço foi repelido no início de setembro de 1914, nos arredores de Paris pelas tropas francesas e britânicas, na chamada Primeira Batalha do Marne. Os aliados empurraram as forças alemãs para trás cerca de 50 km. Os germânicos seguem para o vale do Aisne, onde prepararam suas posições defensivas.

Um infogr´´afico pyublicado na primeira página do jornal recifense Diário de Pernambuco, explicando sobre a nova guerra na Europa
Um infográfico publicado na primeira página do jornal recifense Diário de Pernambuco, explicando sobre a nova guerra na Europa

As forças aliadas não foram capazes de avançar contra a linha alemã e a luta rapidamente degenerou em um impasse. Nenhum dos lados estava disposto a ceder terreno e ambos começaram a desenvolver sistemas fortificados de trincheiras. Isso significou o fim da guerra móvel no oeste.

Em novembro daquele ano existia desde o litoral do Mar do Norte, até a fronteira suíça, todo um grande complexo de trincheiras, ocupado em ambos os lados por milhares de soldados em posições defensivas.

O uso de trincheiras caracterizou a Primeira Guerra Mundial
O uso de trincheiras caracterizou a Primeira Guerra Mundial

A utilização de trincheiras não era nenhuma novidade em guerras. A novidade era a extensão, a dimensão destes sistemas de defesa, a quantidade de homens que as utilizavam e o uso massivo da artilharia e do fogo de metralhadoras.

Logo se percebeu que os soldados não tinham muito para onde ir. Cara a cara, a poucos metros um dos outros, agachados em suas trincheiras, os homens esperavam o momento oportuno para ir de granada de mão, matando aqueles do outro lado. Outras pessoas como eles. A compaixão tinha desaparecido da terra e deu lugar a uma hostilidade implacável.

Quando não era o combate a rotina era apenas ficar nas suas trincheiras esperando e observando as ações do inimigo, mas com cuidado, pois um franco atirador a espreita poderia matar qualquer um. De vez quando cada lado tentava um ataque, que normalmente era infrutífero e ainda ocasionava muitas mortes, principalmente aos atacantes.

Trincheira britânica em pleno momento do combate
Trincheira britânica em pleno momento do combate

Os homens estavam enfiados dentro de tuneis e buracos lamacentos, tiritando de frio, fedendo, com piolhos espalhados pelo corpo todo. O mau cheiro imperando devido às latrinas descobertas e os corpos em decomposição atraindo milhares de ratazanas. Eles comiam pessimamente e a higiene era sofrível. Afora tudo isso ainda havia a tensão de repente levar um tiro, ou uma granada de um canhão cair dentro de sua trincheira.

O entusiasmo inicial e o orgulho dos soldados de ambos os lados há muito havia se esvaído. Em dezembro o moral das tropas já despencara e logo o último mês de 1914 se aproximava do seu fim.

O Carisma da Época do Natal

Para a maioria dos soldados ingleses, franceses, belgas e alemães envolvidos no conflito e vindos das camadas sociais mais simples de suas nações, as razões deles estarem combatendo eram um tanto quanto distantes e difusas.

A espera em uma trincheira francesa
A espera em uma trincheira francesa

Muitos desejavam estar em suas casas, junto as suas famílias, aproveitando o Natal.

Consta que em praticamente toda a chamada Frente Ocidental, dos dois lados das trincheiras, próximo ao Natal chegaram para os soldados saudosos e tristes as tão esperadas cartas vindas de seus lares.

Em vários locais da Frente Ocidental, depois de dias de chuva e frio, a manhã de 24 de dezembro surgiu com um belo céu azul e o sol brilhante. Na véspera daquele Natal as trincheiras estavam mais animadas.

Então chegou a noite de 24 de dezembro. A artilharia ficou em silêncio e logo a coisa toda começou devagar, espontaneamente, em vários locais e discretamente.

O Milagre

Várias testemunhas concordam que, na maioria dos casos, foram os alemães que começaram por colocar velas em suas trincheiras e em árvores de Natal, em seguida iniciaram canções de Natal (Stille Nacht, Heilige Nacht), criando um efeito mágico no espaço aberto entre as duas trincheiras inimigas, a chamado de terra de ninguém.

Consta que em um dos locais, um cantor alemão declamou de forma magistral canções natalinas, sendo entusiasticamente aplaudido e seguido em sua canção por soldados de ambos os lados. Animados, muitos os soldados franceses subiram nos parapeitos de suas trincheiras aplaudindo. Logo pediram para o alemão bisar a música.

Essas músicas lembravam aos soldados de ambos os lados que este período tinha um forte sentido simbólico, onde todos preferiam estar em casa. Logo percebiam que eles não eram tão diferentes.

Soldados alemães do 134 Regimento da Saxônia e os soldados britânicos do Real Warwickshire Regiment se reúnem na terra de ninguém em 26 de dezembro de 1914
Soldados alemães do 134 Regimento da Saxônia e os soldados britânicos do Real Warwickshire Regiment se reúnem na terra de ninguém em 26 de dezembro de 1914

Os inimigos continuaram gritando saudações de Natal. Em seguida houve excursões discretas pela terra de ninguém. Após as saudações iniciais pequenos presentes foram trocados, tais como alimentos, tabaco, álcool, botões, chapéus e até guirlandas.

Milagrosamente durante o início das confraternizações, poucos soldados foram mortos por forças opostas. Os soldados britânicos e alemães descobriam ter mais em comum entre si que com seus superiores – instalados confortavelmente bem longe da frente de batalha. Já franceses e belgas eram menos afeitos a tomar parte no clima festivo. Seus países haviam sido invadidos (no caso da Bélgica, 90 por cento de seu território estava ocupado), para eles era mais difícil apertar a mão do inimigo.

Não há dúvida de que para estas confraternizações ocorrerem no Natal de 1914, as canções devem ter desempenhado um papel importante, como uma espécie de gatilho gerador do contato. Não devemos esquecer que o canto é um elemento essencial no processo de fusão de grupo. Todos eram homens que sofriam e estavam longe de suas famílias. A partir desse momento, a confraternização se tornou possível.

Enterros

A trégua permitiu também o recolhimento de corpos de soldados mortos, o que certamente deve ter melhorado e muito a respiração de todos. Serviços conjuntos de sepultamentos foram realizados.

Encontro para o enterramento nas trincheiras
Encontro para o enterramento nas trincheiras

No ótimo site http://militanciaviva.blogspot.com.br encontramos uma interessante narrativa relativa àqueles encontros tão inusitados. Na noite do dia 24, em Fleurbaix, na França, uma visão deixou os britânicos intrigados: iluminadas por velas, pequenas árvores de Natal enfeitavam as trincheiras inimigas. A surpresa aumentou quando um tenente alemão gritou em inglês perfeito: “Senhores, minha vida está em suas mãos. Estou caminhando na direção de vocês. Algum oficial poderia me encontrar no meio do caminho?” Silêncio. Seria uma armadilha? Ele prosseguiu: “Estou sozinho e desarmado. Trinta de seus homens estão mortos perto das nossas trincheiras. Gostaria de providenciar o enterro”. Dezenas de armas estavam apontadas para ele. Mas, antes que disparassem um sargento inglês, contrariando ordens, foi ao seu encontro. Após minutos de conversa, combinaram de se reunir no dia seguinte, às 9 horas da manhã.

No dia seguinte, 25 de dezembro, ao longo de toda a frente ocidental, soldados armados apenas com pás escalaram suas trincheiras e encontraram os inimigos no meio da terra de ninguém. Era hora de enterrar os companheiros, mostrar respeito por eles – ainda que a morte ali fosse um acontecimento banal.

O capelão escocês J. Esslemont Adams organizou um funeral coletivo para mais de 100 vítimas. Os corpos foram divididos por nacionalidade, mas a separação acabou aí: na hora de cavar, todos se ajudaram. O capelão abriu a cerimônia recitando o salmo 23. “O senhor é meu pastor, nada me faltará”, disse. Depois, um soldado alemão, ex-seminarista, repetiu tudo em seu idioma. No fim, acompanhado pelos soldados dos dois países, Adams rezou o pai-nosso. Outros enterros semelhantes foram realizados naquele dia, mas o de Fleurbaix foi o maior de todos.

Relatos de Dias Fantásticos

Mesmo com as restrições para o uso de câmeras nas trincheiras, logo alguém estava fotografando e estas fotos que sobreviveram até nossos dias são um documento pungente daqueles dias incríveis.

Soldados britânicos da  Northumberland Hussars , 7 ª Divisão e alemães reunidos em terra de ninguém durante a trégua não oficial
Soldados britânicos da Northumberland Hussars , 7 ª Divisão e alemães reunidos em terra de ninguém durante a trégua não oficial

Ao redor da cidade belga de Ypres, no início da manhã de 25 de dezembro, os britânicos ouviram cânticos de Natal vindo das posições inimigas e também das trincheiras francesas e, em seguida, descobriram que árvores de Natal haviam sido colocadas ao longo das trincheiras alemãs. Lentamente, colunas de soldados alemães surgiram a partir de suas trincheiras e avançaram desarmados e chamando os ingleses para vir e confraternizar.

O Capitão inglês Bruce Bairnsfather, que na vida civil era humorista e cartunista de sucesso, que servia no  Real Warwickshire Regiment, comentou que trocou suvenires com um capitão alemão e viu um dos seus comandados, barbeiro na vida civil, cortando o cabelo de um alemão, que docilmente se ajoelhou enquanto seu inimigo passava uma afiada tesoura a centímetros de sua jugular.

O incrível do fato é que a trégua informal propagou-se para outras áreas. Em muitos setores a tranquilidade só durou essa noite, mas em algumas áreas durou até o ano novo, e outras chegaram inclusive até o mês de fevereiro.

No dia 29 de dezembro de 1914, o jornal natalense A Republica publicou uma pequena nota sobre o fato
No dia 29 de dezembro de 1914, o jornal natalense A Republica publicou uma pequena nota sobre o fato

Alguns soldados relataram os acontecimentos em diários. Edward Hulse, um tenente inglês dos Scots Guards, com 25 anos de idade, escreveu no diário de guerra do seu batalhão: “Nós iniciamos conversações com os alemães, que estavam ansiosos para conseguir um armistício durante o Natal. Um batedor chamado F. Murker foi ao encontro de uma patrulha alemã e recebeu uma garrafa de uísque e alguns cigarros e uma mensagem foi enviada por ele, dizendo que se nós não atirássemos neles, eles não atirariam em nós”. Consequentemente, as armas daquele setor ficaram silenciosas àquela noite. Em diversas partes do front os soldados trocaram cartas para serem entregues a familiares e amigos que viviam em cidades e vilarejos que estavam em conflito.

Sem pensar em se matarem, dava até tempo para uma pelada.

Há muitas histórias de partidas de futebol entre as forças inimigas. Há cartas que confirmam que em Wulvergem, na Bélgica o jogo foi só pelo prazer da brincadeira, ninguém prestou atenção no resultado. Mas houve também partidas “sérias”, com direito a juiz e a troca de campo depois do intervalo. Numa delas, que se tornou lendária, os alemães derrotaram os britânicos por 3 a 2, a partida foi encerrada depois que a bola – esta de verdade, feita de couro – furou ao cair no arame farpado.

Outra nota trazendo detalhes do acontecimento publicado no Brasil, então um país neutro
Outra nota trazendo detalhes do acontecimento publicado no Brasil, então um país neutro

Nas áreas onde a confraternização não progrediu tanto, temos o relato de Alfred Anderson, um marceneiro escocês, que faleceu em 2005, com 109 anos, sendo considerado a última testemunha da Trégua do Natal de 1914. Eis o seu relato na manhã do dia 25 de dezembro;

“Lembro-me do silêncio, o som estranho de silêncio. Só os guardas estavam de plantão. Fomos todos para fora e fiquei escutando. E, claro, pensando nas pessoas em casa. Tudo o que eu tinha ouvido durante dois meses nas trincheiras era o assobio das bombas, zunido das balas, metralhadoras e vozes distantes dos alemães. Mas havia um silêncio enorme naquela manhã. Nós gritamos Feliz Natal, embora ninguém se sentisse alegre. O silêncio terminou no início da tarde e a matança começou de novo. Foi uma curta paz em uma guerra terrível.”

O episódio mais famoso destas confraternizações foi provavelmente os encontros ocorridos na área das trincheiras existentes na planície de Courcy, ao oeste da cidade francesa de Reims, com as tropas do Regimento de Infantaria 74 (francês) e do 7º de Caçadores (alemão).

Reações Oficiais e as Notícias da Trégua Chegam em Casa

Em Wijtschate, na Bélgica, uma pessoa em particular também ficou muito irritada com toda esta situação. Lutando ao lado dos alemães, o jovem cabo austríaco Adolf Hitler queixava-se do fato de seus companheiros cantarem com os britânicos, em vez de atirarem neles.

Uma trincheira alemã
Uma trincheira alemã

Ele não era o único. Dos quartéis-generais, os senhores da guerra mandaram ordens contra qualquer tipo de confraternização. Quem desrespeitasse se arriscava a ir à corte marcial. A ameaça fez os soldados voltarem para as trincheiras. Durante os dias seguintes, muitos ainda se recusavam a matar os adversários. Para manter as aparências, continuavam atirando, mas sempre longe do alvo. Na noite do dia 31, em La Boutillerie, na França, o fuzileiro britânico W.A. Quinton e mais dois homens transportavam sua metralhadora para um novo local, quando de repente ouviram disparos da trincheira alemã. Os três se jogaram no chão, até perceberem que os tiros eram para o alto: os alemães comemoravam a virada do ano.

As reações à trégua de Natal vieram de várias fontes. Os Governos aliados e o alto-comando militar reagiram com indignação (principalmente entre os franceses). O Comandante-em-chefe britânico, Sir John French, possivelmente tinha previsto a suspensão das hostilidades no Natal quando emitiu uma ordem antecipada alertando suas forças para um provável aumento da atividade alemã durante o Natal: ele, portanto, instruiu seus homens para redobrar o estado de alerta durante esta época.

Quase imediatamente à trégua, as mensagens enviadas chegaram para os familiares e amigos daqueles servindo no front através do método usual: cartas para casa. Estas cartas foram rapidamente utilizadas por jornais locais e nacionais, incluindo alguns na Alemanha.

No Daily Mirror
No Daily Mirror

Apesar da censura e posterior destruição de muitas das fotos tiradas durante o evento, algumas chegaram até Londres e foi estampado na primeira página de muitos jornais, incluindo o Daily Mirror, intitulado “Um grupo histórico: os soldados britânicos e alemães fotografados juntos” em 08 de janeiro de 1915.

Nas cartas para casa, os soldados na linha de frente foram praticamente unânimes em expressar seu espanto com os eventos do Natal de 1914.

O que chama atenção nas fotos destes encontros é a ausência do armamento e a descontração
O que chama atenção nas fotos destes encontros é a ausência do armamento e a descontração

Um jornal alemão reproduziu o sentimento de um cabo que enviou uma carta a sua família em Colônia: “Aquele foi um dia de paz na guerra; é uma pena que não tenha sido a paz definitiva”.
Já um jornal britânico transmitiu como o cabo John Ferguson viu a tréguas no seu setor: “Nós apertamos as mãos, desejando Feliz Natal e logo estávamos conversando como se nos conhecêssemos há vários anos. Nós estávamos em frente às suas cercas de arame e rodeados de alemães – “Fritz” e eu no centro, conversando e ele, ocasionalmente traduzindo para seus amigos o que eu estava dizendo. Nós permanecemos dentro do círculo como oradores de rua. Logo, a maioria da nossa companhia, ouvindo que eu e alguns outros havíamos ido, nos seguiu… Que visão – pequenos grupos de alemães e ingleses se estendendo por quase toda a extensão de nossa frente! Tarde da noite nós podíamos ouvir risadas e ver fósforos acesos, um alemão acendendo um cigarro para um escocês e vice-versa, trocando cigarros e souvenires. Quando eles não podiam falar a língua, eles tentavam se fazer entender através de gestos e todos pareciam se entender muito bem. Nós estávamos rindo e conversando com homens que só umas poucas horas antes estávamos tentando matar!”

Conclusão

Nos anos subsequentes os oficiais ordenaram bombardeios de artilharia na véspera da festividade para assegurar-se de que não houvesse mais tanto congraçamento no meio dos combates. Mesmo assim ainda aconteceram encontros amigáveis entre soldados, mas em uma escala muito menor que em 1914.

Nos anos seguintes a duração da Primeira Guerra Mundial, que só se encerrou em 1918, sempre próximo ao Natal, os comandantes aumentavam a ação da artilharia para evitar as confraternizações
Nos anos seguintes a duração da Primeira Guerra Mundial, que só se encerrou em 1918, os comandantes aumentavam a ação da artilharia sempre próximo do Natal para evitar as confraternizações

Este fato incrível, inclusive pouco comentado em livros e jornais norte-americanos, é incrível em muitos aspectos, principalmente quando analisamos a própria estrutura básica da existência do sistema militar.

Uma guerra não é uma brincadeira. Ali não existem mocinhos e bandidos como no cinema. Ali se estar para matar e morrer.

Foram mais de 16 milhões de mortes e 20 milhões de feridos durante a Primeira Guerra Mundial
Foram mais de 16 milhões de mortes e 20 milhões de feridos durante a Primeira Guerra Mundial

Uma das funções básicas das forças militares é ser capaz de usar a violência organizada contra os adversários, onde a chave para o seu desempenho positivo se baseia na obediência inquestionável as ordens emanadas dos oficiais, mesmo que muitos destes sejam completamente incompetentes.

Por causa da morte de outros seres humanos, as tarefas militares não são facilmente realizadas por muitas pessoas. Para preparar o elemento vindo do meio civil, estes são submetidos a um forte treinamento intensivo, doutrinação profunda e isolamento em um ambiente militar, tornando-o duro e preparado para matar.

Recente cerimônia para comemorar o Milagre do Natal de 1914, que no próximo ano completa seu centenário
Recente cerimônia para comemorar o Milagre do Natal de 1914, que no próximo ano completa seu centenário

Quando imaginamos toda a estrutura deste sistema no início do século XX, em meio a uma guerra ampla e tecnologicamente mortal, percebemos que a ocorrência daqueles episódios em 1914, foi um verdadeiro milagre.

Fonte – Parte das informações coletadas no site http://militanciaviva.blogspot.com.br