Arquivo da tag: Fotos Antigas

MARC FERREZ – FOTÓGRAFO DO BRASIL

13124808_879364235542990_8733572724777793182_n

Através da amiga e competente jornalista Zarife Assi, recebi pelo Facebook estas lindas fotos realizadas por Marc Ferrez (1843-1923). Este foi grande fotógrafo do século XIX em nosso país. Suas imagens formam o patrimônio visual de uma época de transformações no Brasil. Seus retratos de índios, escravos e indivíduos urbanos, são fortes e inesquecíveis e sua obra é considerada um dos mais ricos documentos visuais do período.

Marc_Ferrez_(c._1876)
Marc Ferrez em 1876 – Fonte – pt.wikipedia.org

Filho de franceses, Marc Ferrez ficou órfão aos 8 anos, em 1851, quando os pais morreram de maneira desconhecida, por envenenamento ou de febre amarela. Depois de uma temporada na França, com um casal amigo, voltou ao Brasil com 21 anos, já interessado em fotografia.

13138980_879363515543062_1662952154314902695_n

Aqui, especializou-se com profissionais experientes, até fundar, em 1867, um ateliê e sua própria marca, a Marc Ferrez & Cia. No ano seguinte, registrou as comemorações do fim da Guerra do Paraguai e começou a trabalhar para o governo.

13124625_879363615543052_6056365245508576695_n

A partir de 1872, passou a se apresentar como “fotógrafo da Marinha Imperial e das construções navais do Rio de Janeiro, tendo como especialidade vistas do Rio de Janeiro e arredores, em todas as dimensões a preços acessíveis”.

13173699_879364325542981_4119627672046034479_n

Ferrez percorreu todas as regiões do Brasil, em expedições governamentais e científicas. Ele documentou tudo o que podia: fazendas de café, árvores, plantas arquitetônicas, praias, praças, navios e pessoas que encontrava em suas andanças.

13100904_879364315542982_6069838404468530099_n

Ficou conhecido internacionalmente não apenas por suas panorâmicas, mas também pelas pesquisas na área da fotografia. Por exemplo, com equipamentos adaptados para operar dentro de embarcações. Ele era um apaixonado pelo Rio, que descrevia como “uma cidade de beleza luxuriante e risonha”, pelo Brasil e pelas câmeras e lentes.

13139358_879364288876318_7703379979976677401_n

A maioria dos fotógrafos da época vivia do trabalho com retratos. Ferrez chegou a fazê-los (Machado de Assis, Santos-Dumont, conde d’Eu, etc.), mas não era o que mais o atraía. Gostava mesmo de experimentar, registrar acontecimentos, transformações.

13179218_879363375543076_8177651899326224848_n

Outro obstáculo ao trabalho de Ferrez vinha da técnica: uma de suas especialidades, a foto panorâmica, exigia esforço imenso. Na segunda metade do século 19, a panorâmica era muito apreciada, mas poucos estavam dispostos a enfrentar as dificuldades operacionais e os elevados custos da produção desse tipo de fotografia.

prog_imginterna_1401172855

O processo fotográfico completo, mesmo de imagens em formato convencional, levava cerca de uma hora, para cada foto e o fotógrafo pensava muito, antes de tomar a decisão de uma foto.

MarcFerrez_Baia

Após a morte do fotógrafo, em 1923, o neto e historiador Gilberto Ferrez se dedicou ao estudo do acervo, o que contribuiu para sua divulgação no Brasil e no mundo. O conjunto da obra de Marc Ferrez mostra a vontade quase ufanista de documentar um país em formação, em vez de buscar o “pitoresco”, como faziam muitos na época. Suas imagens formam em nosso imaginário um retrato mais fiel do passado do Brasil.

FONTE – http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/marc-ferrez-fotografo-andarilho-480178.shtml

O BLOG DA PREFEITURA DE NATAL COPIOU DESCARADAMENTE A POSTAGEM DE MAIOR SUCESSO DO NOSSO TOK DE HISTÓRIA E NÃO DEU OS CRÉDITOS!

Página inicia das "200 fotos antigas de Natal"
Página inicia das “200 fotos antigas de Natal”

Este blog TOK DE HISTÓRIA foi criado em dezembro de 2010, com a utópica ideia de buscar democratizar a informação histórica, principalmente relativa ao Rio Grande do Norte, o meu estado.

Para nossa surpresa, mesmo sem maiores pretensões, esse nosso trabalho voluntário tem sido muito comentado e apreciado pela maioria dos que visitam esta página.

Mesmo escrevendo textos longos, com muitas fotos, fugindo ao padrão tradicional de blogs, em quatro anos de atividade já superamos mais de um milhão de visitantes. Se esse número é baixo, ou alto, pouco me importa. O que sinceramente me importa é saber que milhares de pessoas, muitas no exterior, descobrem informações interessantes sobre história.

As informações aqui contidas são para serem copiadas, expandidas e aproveitadas. Tenho percebido que a grande maioria daqueles que copiam nosso material colocam os créditos ao nosso TOK DE HISTÓRIA, fato que agradeço com imensa satisfação.

Evidentemente que nem todos agem da mesma forma.

Sobre a falta de ética de alguns, eu descobri algo que realmente me chamou atenção.

Através de vários amigos eu soube que o blog oficial da Prefeitura de Natal, intitulado “VIVER NATAL”, que na sua página inicial se autodenomina “Blog oficial da cidade do Natal, ligado as Secretarias de Comunicação e de Turismo”, copiou descaradamente parte de uma postagem publicada no TOK DE HISTÓRIA.

Esta nossa postagem se intitula401 FOTOS ANTIGAS DE NATAL”. (https://tokdehistoria.com.br/2013/10/03/401-fotos-antigas-de-natal/), tendo sido publicada inicialmente em 3 de outubro de 2013, onde o intuito foi fazer com que as pessoas conhecessem um pouco mais da história da capital potiguar através de sua iconografia.

Na época que publique a postagem “401 FOTOS ANTIGAS DE NATAL eu escrevi: “Para mim, diante do crescimento de Natal e pela falta de ação de muitos atores políticos, cada vez mais percebo a perda da percepção histórica de nossa população em relação a Natal. Esta situação em minha opinião gera muita coisa negativa, principalmente a falta de identidade com o lugar que se vive, a indiferença pelo seu futuro e a passividade diante de muitos descasos que aqui acontecem. Diante deste quadro, decidi utilizar meu espaço, criado em 2010, para expor o que era a cidade de Natal através de fotos”.

download

Já a postagem existente no blog da Prefeitura de Natal se intitula “200 FOTOS ANTIGAS DE NATAL” (https://vivernatal.wordpress.com/2014/01/30/200-fotos-antigas-de-natal/), estando assim descrita: “Dia 30 de janeiro: dia nacional da saudade, sendo assim o Viver Natal selecionou 200 fotos antigas de nossa cidade”.

Mas eles não apenas selecionaram as fotos, mas copiaram integralmente uma parte do texto da minha postagem original.

Se esse pessoal não possuiu capacidade nem para produzir um simples texto, imagina para fazer algo por esta cidade!

Além da cópia descarada e sem os devidos créditos ser uma intensa falta de ética, A existência destas “200 FOTOS ANTIGAS DE NATAL” aponta para algo interessante – Aparentemente a Prefeitura de Natal não possuiu em seus arquivos fotos antigas da cidade!

E se tem, falta comunicação entre os órgãos para a devida cessão de material!

Repito – o problema não está em baixar e publicar as fotos. O blog TOK DE HISTÓRIA é para isso mesmo. Já informei que tenho prazer em saber que este trabalho voluntário ajuda as pessoas.

Mas é estranho que aqueles que desenvolvem o blog “VIVER NATAL”, provavelmente nas dependências de um órgão da Prefeitura de Natal, do qual se espera a mais correta atuação no campo da ética, sigam desenvolvendo seu trabalho desta maneira.

Bem, se eles agem desta forma com o material desenvolvido em um simples blog, como no caso do TOK DE HISTÓRIA, como será com coisas mais importantes?

Como será que agem com o dinheiro público?

Sim, sobre dinheiro eu informo que ao desenvolver o TOK DE HISTÓRIA eu não aufiro um único centavo.

Estamos vivendo um momento de tensão política, em meio a muita roubalheira, falta de ética, falta de caráter por parte dos homens públicos, decrescença da população com seu líderes e fora uma grande quantidade de mazelas que a população sofre. neste contexto, uma situação destas parece algo sem importância. Mas talvez por deixarmos passar os pequenos erros é que estamos onde estamos!

Além disso, se eu atraso meus impostos com a Prefeitura Municipal de Natal vem a cobrança!

Pelo menos até a noite de 3 de março de 2015, nem pensar em créditos do TOK DE HISTÓRIA na página “200 FOTOS ANTIGAS DE NATAL”!

Rostand Medeiros – Responsável pelo blog TOK DE HISTÓRIA, escritor e pesquisador

401 FOTOS ANTIGAS DE NATAL

a (3)

Algum tempo atrás, aqui no nosso TOK DE HISTÓRIA, coloquei um post com 370 fotos antigas de Natal. Agora decidi ampliar a quantidade destas fotos no sentido de democratizar a informação, como sempre tenho feito neste nosso blog.

alfa (285)

A ideia é fazer com que as pessoas de nossa cidade conheçam um pouco mais da sua iconografia e sua história. Vale frisar que ao realizar este ato, eu não busquei e nem estou auferindo um único centavo com esta ação. Apenas levar a informação.  

Para mim, diante do crescimento de Natal e pela falta de ação de muitos atores políticos, cada vez mais percebo a perda da percepção histórica de nossa população em relação a Natal. Esta situação em minha opinião gera muita coisa negativa, principalmente a falta de identidade com o lugar que se vive, a indiferença pelo seu futuro e a passividade diante de muitos descasos que aqui acontecem. Diante deste quadro, decidi utilizar meu espaço, criado em 2010, para expor o que era a cidade de Natal através de fotos.

Americanos aproveitando Natal

Muitas fotos que aqui estão são oriundas dos livros do Prof. aposentado da UFRN, João Mauricio Fernandes de Miranda (mas não todas). Outras são do fotografo Jaeci Galvão, de seu filho Fred Galvão, outras são do IBGE, outras de livros editados pela Prefeitura de Natal, ou pelo Governo do Estado. Muitas estão na internet a anos. Outras são colocadas na internet pelo competente produtor cultural Dunga, outras são do grande amigo e Mestre Luiz G. M. Bezerra, outras são de Ricardo Sávio Trigueiro de Morais, do amigo fotógrafo Esdras Nobre e a maioria delas não tenho ideia de quem sejam os proprietários, ou melhor, os detentores dos direitos autorais. 

alfa (178)

Se houver qualquer dúvida sobre questões de referências, estou a disposição para ajudar. 

beta (12)

Para aqueles que me pedem para informar o nome dos locais e as datas das fotos, informo que eu não o fiz anteriormente, e nem agora, pois a ideia ao estimular a visualização deste material fotográfico é a de igualmente estimular a pesquisa, estimular a memória.

Uma boa sugestão para aqueles jovens que desejam aprender mais sobre estas fotos de Natal, é trazer seus parentes mais velhos para a frente do computador e aprender com quem sabe!

Muitas vezes seus parentes mais idosos não sabem manusear um computador, notebook, palmtop, tablet ou outras destas maravilhas modernas. Mas certamente eles vão saber muito destas fotos. E você jovem internauta, vai conhecer muita coisa de uma Natal que não existe mais! 

beta 1(1)

Vou contar dois casos que ocorreram comigo quando anteriormente coloquei um post similar no nosso TOK DE HISTÓRIA – Talvez a informação que vou passar não vá interessar, pode ser vista como piegas, mas pouco me importa – Tive a oportunidade de receber telefonemas e mensagens de professores de ensino fundamental e médio, de escolas da rede pública da Grande Natal, todos agradecendo a postagem das fotos. Estes professores me comentaram que estavam utilizando o material de forma extremamente positiva junto aos seus alunos. A maioria destes jovens humildes da nossa periferia, com poucas possibilidades de acesso a estes materiais e que estavam se encantando em conhecer a nossa História através destas fotos.

Em outra ocasião um cidadão me ligou para relatar que colocou estas fotos no seu computador e trouxe a sua idosa mãe para olhar. Ela é uma senhora com sérias debilidades provocadas pelo Mal de Alzheimer e seu filho imaginava assim lhe trazer boas recordações. O interessante é que ele me falou de algumas reações positivas de sua mãe diante das imagens antigas da sua cidade.

alfa (340)

Isto me deixou muito feliz, pois as vezes tenho a ideia que em Natal, a História desta cidade parece pertencer a uma elite. Uma elite carcomida, apoiada por uma classe política sem compromissos com a cultura, com a democratização do conhecimento e a preservação de nossa memória. É esse mesmo pessoal que se esconde atrás de uma série de titularidades, de cargos, de benesses e de outras coisas fúteis. Que muitas vezes destinam este conhecimento para uso exclusivo de grupos restritos.

beta 1(2)

Esta mesma elite e essa despreparada classe política, sem nenhuma piedade, destrói uma das coisas mais belas que esta cidade possui; uma grande parte da sua história. Ideias desastradas de desenvolvimento sem planejamento, sem planos de trabalho corretos, sem pensar no futuro, estão acabando com esta linda cidade. A minha cidade.

alfa (359)

Para minha surpresa o nosso blog “bombou” com esta postagem, que já estava na net fazia um tempo e não chamou tanta atenção, mas aí o Facebook fez o resto. 

beta 1(4)

Espero que ao trazer estas fotos eu possa contribuir, mesmo limitadamente, para ampliar este conhecimento, antes que ele se perca.
 
Rostand Medeiros – Escritor e pesquisador. (rostandmedeiros@gmail.com)

alfa (1) alfa (2) alfa (3)

alfa (4)

alfa (7)

alfa (8) alfa (9)

alfa (10)

alfa (11)

alfa (12) alfa (13) alfa (14) alfa (15) alfa (16) alfa (17)

corveta-Camacuã
alfa (18) alfa (19) alfa (20)

$T2eC16Z,!)8E9s4l8!d(BRcr)pI9Gw~~60_58

alfa (21) alfa (22)

$(KGrHqIOKioE5dTWDpq(BOflu)TJ,g~~60_57

alfa (23) alfa (24) alfa (25) alfa (26)

4ef4cf30e27fd6d5_large

alfa (27) alfa (28) alfa (29) alfa (30) alfa (31) alfa (32) alfa (33) alfa (34) alfa (35) alfa (36) alfa (37) alfa (38) alfa (39) alfa (40) alfa (41) alfa (42) alfa (43) alfa (44) alfa (45)

Gama 3 (3)

alfa (46) alfa (47) alfa (48) alfa (49) alfa (50)

Gama 3 (6)

alfa (51) alfa (52) alfa (53) alfa (54) alfa (55) alfa (56) alfa (57) alfa (58) alfa (59) alfa (60) alfa (61) alfa (62) alfa (63) alfa (64) alfa (65) alfa (66) alfa (67) alfa (68) alfa (69) alfa (70) alfa (71) alfa (72) alfa (73)

j

alfa (74) alfa (75) alfa (76) alfa (77) alfa (78) alfa (79) alfa (80) alfa (81) alfa (82) alfa (83) alfa (84) alfa (85) alfa (86) alfa (87) alfa (88) alfa (89) alfa (90) alfa (91) alfa (92) alfa (93) alfa (94) alfa (95) alfa (96) alfa (97) alfa (98) alfa (99) alfa (100) alfa (101) alfa (102) alfa (103) alfa (104) alfa (105) alfa (106) alfa (107) alfa (108) alfa (109) alfa (110) alfa (111) alfa (112) alfa (113) alfa (114) alfa (115) alfa (116) alfa (117) alfa (118) alfa (119) alfa (120) alfa (121) alfa (122) alfa (123) alfa (124) alfa (125) alfa (126) alfa (127) alfa (128) alfa (129) alfa (130) alfa (131) alfa (132) alfa (133) alfa (134) alfa (135) alfa (136) alfa (137) alfa (138) alfa (139) alfa (140) alfa (141) alfa (142) alfa (143) alfa (144) alfa (145) alfa (146) alfa (147) alfa (148) alfa (149) alfa (150) alfa (151) alfa (152) alfa (153) alfa (154) alfa (155) alfa (156) alfa (157) alfa (158) alfa (159) alfa (160) alfa (161) alfa (162) alfa (163) alfa (164) alfa (165) alfa (166) alfa (167)

Gama 3 (4)

alfa (168) alfa (169) alfa (170) alfa (171) alfa (172) alfa (173) alfa (174) alfa (175) alfa (176) alfa (177) alfa (179) alfa (180) alfa (181) alfa (182) alfa (183) alfa (184)

Gama 3 (1)

alfa (185) alfa (186) alfa (187) alfa (188) alfa (189) alfa (190) alfa (191) alfa (192) alfa (193) alfa (194) alfa (195) alfa (196) alfa (197) alfa (198) alfa (199) alfa (200) alfa (201) alfa (202) alfa (203) alfa (204) alfa (205) alfa (206) alfa (207) alfa (208) alfa (209) alfa (210) alfa (211) alfa (212) alfa (213) alfa (214) alfa (215) alfa (216) alfa (217) alfa (218) alfa (219) alfa (220) alfa (221) alfa (222) alfa (223) alfa (224) alfa (225) alfa (226) alfa (229) alfa (230) alfa (231) alfa (232) alfa (233) alfa (234) alfa (235) alfa (236) alfa (237) alfa (238) alfa (239) alfa (240) alfa (241) alfa (242) alfa (243) alfa (244) alfa (245) alfa (246) alfa (247) alfa (248) alfa (249) alfa (250) alfa (251) alfa (252) alfa (253) alfa (254) alfa (255) alfa (256) alfa (257) alfa (258) alfa (259) alfa (260) alfa (261) alfa (262) alfa (263) alfa (264) alfa (265) alfa (266) alfa (267) alfa (268) alfa (269) alfa (270) alfa (272) alfa (273) alfa (274) alfa (275) alfa (276) alfa (277) alfa (278) alfa (279) alfa (280) alfa (281) alfa (282) alfa (283) alfa (284) alfa (286) alfa (287) alfa (288) alfa (289) alfa (290) alfa (291) alfa (292) alfa (293) alfa (294) alfa (295) alfa (296) alfa (297) alfa (298) alfa (299) alfa (300) alfa (301) alfa (302) alfa (303) alfa (304) alfa (305) alfa (306) alfa (307) alfa (308) alfa (309) alfa (310) alfa (311) alfa (315) alfa (316) alfa (317) alfa (318) alfa (319) alfa (320) alfa (321) alfa (322) alfa (323) alfa (324) alfa (325) alfa (326) alfa (327) alfa (328) alfa (329) alfa (330) alfa (332) alfa (333) alfa (334) alfa (335) alfa (336) alfa (337) alfa (338) alfa (339) alfa (341) alfa (342) alfa (343) alfa (344) alfa (345) alfa (346) alfa (347) alfa (348) alfa (349) alfa (350) alfa (351) alfa (352) alfa (353) alfa (354) alfa (355) alfa (356) alfa (357) alfa (358) alfa z1 (1) alfa z1 (2) alfa z1 (3)

Gama 3 (2)

antigas (12) antigas (13) antigas (34) beta (2) beta (3)

Gama 3 (5)

beta (4) beta (5) beta (6) beta (7) beta (8) beta (9) beta (10) beta (11) beta (13) beta (14) beta 1(3) beta 1(5) Beta 3 (1) Beta 3 (2) Beta 3 (3) Beta 3 (4) Beta 3 (5) Beta 3 (6) Beta 3 (7) Beta 3 (8) Beta 3 (9) Beta 3 (10) Beta 3 (11) Beta 3 (12) beta 22 beta 23 (1) beta 23 (2) x

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

MINHA HOMENAGEM A RECIFE E OLINDA

Estas duas cidades são extremamente importantes na minha vida. Quem me conhece pessoalmente sabe da admiração que tenho por Pernambuco, seu povo e sua história, mas Recife e Olinda são especiais para mim.

Nada melhor do que trazer antigos postais e fotos destas duas maravilhosas cidades.

A ideia aqui não é fazer nenhuma postagem seguindo uma ordem cronológica rígida, ou utilizar esta iconografia para apontar algum fato específico, mas apenas homenagear estas cidades que escutam o baque solto do Maracatu.

Início do século XX, uma praça chamada Santos Dumont, onde os bancos sob as árvores frondosas eram mais importantes que o espaço dos automóveis. Não posso garantir que seja a atual praça Santos Dumont na Rua Couto Magalhães com a Rua Santos Dumont, perto do Estadio do Arruda.
Início do século XX, uma praça chamada Santos Dumont, onde os bancos sob as árvores frondosas eram mais importantes que o espaço dos automóveis. Não posso garantir que seja a atual Praça Santos Dumont na confluência das ruas Couto Magalhães com a Santos Dumont, perto do Estadio do Arruda.
A Praça da República. talvez hoje não seja tão movimentada como este cartão postal pintado a mão mostra, mas ainda mantém muito de sua beleza.
A Praça da República. talvez hoje não seja tão movimentada como este cartão postal pintado a mão mostra, mas ainda mantém muito de sua beleza.
Faculdade de Direito de Recife, onde muita gente do Nordeste buscava o conhecimento.
Faculdade de Direito de Recife, onde muita gente do Nordeste, muitos de Natal (entre estes Câmara Cascudo), buscavam o conhecimento.
A Estação Ferroviária Central de Pernambuco, ou apenas Estação Central do Recife, inaugurada em 1885 pela empresa inglesa Great Western, que na época tornou-se proprietária da E. F. Central de Pernambuco, que na época seguia para Jaboatão e depois foi sendo prolongada sucessivamente no sentido oeste do Estado.
A Estação Ferroviária Central de Pernambuco, ou apenas Estação Central do Recife, inaugurada em 1885 pela empresa inglesa Great Western, que na época tornou-se proprietária da E. F. Central de Pernambuco, que na época seguia para Jaboatão e depois foi sendo prolongada sucessivamente no sentido oeste do Estado.
Ponte Maurício de Nassau. Local extremamente histórico, esta ponte teve sua construção iniciada em 1640 pelo arquiteto Baltazar de Affonseca, por ordem do conde holandês Maurício de Nassau, feita em madeira, e inaugurada em 28 de fevereiro de 1644, sendo considerada a primeira ponte de grande porte do Brasil e a mais antiga da América Latina.
Ponte Maurício de Nassau. Local extremamente histórico, esta ponte teve sua construção iniciada em 1640 pelo arquiteto Baltazar de Affonseca, por ordem do conde holandês Maurício de Nassau, feita em madeira, e inaugurada em 28 de fevereiro de 1644, sendo considerada a primeira ponte de grande porte do Brasil e a mais antiga da América Latina.
Uma rua no centro de Recife, em um tempo onde carro não existia.
Uma rua no centro de Recife, em um tempo onde carro não existia. Essa não sei onde é.
Outra vista da faculdade de Direito
Outra vista da Faculdade de Direito, antiga Escola de Direito.
Cais 22 de Novembro, antigo Cais do Ramos ou do Colégio. Se não me engano hoje é o Cais da Regeneração.
Cais 22 de Novembro, antigo Cais do Ramos ou do Colégio. Se não me engano hoje é o Cais da Regeneração.
Casa de Banhos ficava no dique natural do Porto do Recife, onde atualmente se encontra o Parque das Esculturas de Francisco Brennand e o Farol do Recife. Foi construída em 1880 por Carlos José de Medeiros e no início do Século XX foi bastante frequentada pela sociedade recifense, que para ali se dirigia para tomar banho salgado em suas piscinas naturais. Era uma época onde o recato era muito intenso.
Casa de Banhos ficava no dique natural do Porto do Recife, onde atualmente se encontra o Parque das Esculturas de Francisco Brennand e o Farol do Recife. Foi construída em 1880 por Carlos José de Medeiros e no início do Século XX foi bastante frequentada pela sociedade recifense, que para ali se dirigia para tomar banho salgado em suas piscinas naturais. Era uma época onde o recato era muito intenso.
Olinda com sua bela paisagem, suas ladeiras, igrejas e seu casario.
Olinda com sua bela paisagem, suas ladeiras, igrejas e seu casario.
Ponte Buarque de Macedo, sobre o Rio Capibaribe, no centro do Recife. Liga os bairros do Recife e Santo Antônio, tendo sido inicialmente construída em madeira no ano de 1845.
Ponte Buarque de Macedo, sobre o Rio Capibaribe, no centro do Recife. Liga os bairros do Recife e Santo Antônio, tendo sido inicialmente construída em madeira no ano de 1845.
Rua do Sal.
Rua do Sol.
Rua da Aurora.
Rua da Aurora.
O belo Seminário de Olinda.
O belo Seminário de Olinda.
Como todo local deste nosso belo e desigual país, o passado de Recife e Olinda não tinha apenas belezas, mas também locais onde a vida era bem difícil. Sem identificação deste local.
Como todo local deste nosso belo e desigual país, o passado de Recife e Olinda não tinha apenas belezas, mas também locais onde a vida era bem difícil. Sem identificação deste local.
Início do século XX.
Início do século XX.
Recife e suas igrejas.
Recife e suas igrejas.
Edifícios dos banco River Plate e da Associação Comercial, no encontro das Avenidas Rio Branco e Marquês de Olinda.
Edifícios dos banco River Plate e da Associação Comercial, no encontro das Avenidas Rio Branco e Marquês de Olinda.
Uma enchente do Capibaribe, na Madalena.
Uma enchente do Capibaribe, na Madalena.
Carregamento de açúcar no porto do Recife.
Carregamento de açúcar no porto do Recife.
A Ponte 7 de setembro.
A Ponte 7 de setembro.
O Porto de Recife.
O Porto de Recife.
Uma outra vitra das docas de Recife, provavelmente entre a década de 1920 e 1930.
Uma outra vista das docas de Recife, provavelmente entre a década de 1920 e 1930.
Rua Duque de Caxias.
Rua Duque de Caxias.
Praça Arthur Oscar.
Praça Arthur Oscar.
Jangada que não existe mais.
Jangada que não existe mais.
Jangada e seus jangadeiros, atração da cidade na década de 1950.
Jangada e seus jangadeiros, atração da cidade na década de 1950.
Escultura do Barão do Rio Branco, obra do francês Felix Charpeutier, colocada ali em 1917, em bronze com uma altura de 2,5 metros e inaugurada sob um pedestal em pedra de 4,20 m, esculpido por Corbiniano Vilaça, em 19 de agosto do mesmo ano. Dando a obra uma altura de 7 metros. Foto da década de 1930.
Escultura do Barão do Rio Branco, obra do francês Felix Charpeutier, colocada ali em 1917, em bronze com uma altura de 2,5 metros e inaugurada sob um pedestal em pedra de 4,20 m, esculpido por Corbiniano Vilaça, em 19 de agosto do mesmo ano. Dando a obra uma altura de 7 metros. Foto da década de 1930.
Praça da Independência.
Praça da Independência.
O Grande Hotel.Parece que toda capital brasileira tinha o seu "Grande Hotel". Sei que existe o daqui de Natal e existe (ou existia?) um em Belém.
O Grande Hotel de Recife. Parece que toda capital brasileira tinha o seu “Grande Hotel”. Sei que existe o daqui de Natal e existe (ou existia?) um em Belém.
Sei que esta casa em formato de um navio ficava em Boa Viagem.
Sei que esta casa em formato de um navio ficava em Boa Viagem.
Praia do Pina e seus postes para os bondes elétricos.
Praia do Pina e seus postes para os bondes elétricos.
Praia de Boa Viagem na década de 1920.
Praia de Boa Viagem na década de 1920.
O Banco do Recife
O Banco do Recife
Avenida Alfredo Lisboa.
Avenida Alfredo Lisboa.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.