Arquivo da tag: Sudene

FOTO HISTÓRICA DA SEMANA – BOB KENNEDY EM UM CANAVIAL DE CARPINA, PERNAMBUCO, EM NOVEMBRO DE 1965.

Robert Francis Kennedy, apelidado de Bobby, ou Bob, e também RFK, foi procurador-geral dos Estados Unidos de 1961 até 1964 tendo sido um dos primeiros a combater a Máfia, e Senador por Nova Iorque a partir de 1965. Ele foi um dos dois irmãos mais novos do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, e também um dos seus mais confiáveis conselheiros, Robert Kennedy acompanhou ativamente com o presidente a crise dos mísseis cubanos e fez uma importante contribuição no movimento pelos direitos civis dos afro-americanos. Era católico como o irmão.

Segundo Vandek de Souza, do Diário de Pernambuco, em novembro de 1965 Bob Kennedy esteve no Nordeste do Brasil. Foi à Zona da Mata pernambucana, na cidade de Carpina, onde da janela da Cooperativa Mista de Trabalhadores Rurais fez um discurso defendendo “a urgente organização dos trabalhadores em sindicatos e associações” para “tornar possível a reforma agrária”. Caminhou pelos canaviais ao lado do padre Crespo. Conversou com camponeses, perguntando se eles recebiam o salário mínimo, e até repreendeu o proprietário José Jaime Coutinho, por interferir na conversa: “O diálogo é comigo”. Depois veio ao Recife, onde discursou no Centro da cidade e na SUDENE, nesta ordem. “O progresso de toda a América Latina repousa, em larga escala, no progresso do Brasil. E o futuro do Brasil, por seu turno, depende do Nordeste, que é um país dentro de um país”, afirmou na SUDENE.

Esteve em Natal, onde foi recebido pelo Governador Aluízio Alves. Circulou junto com sua esposa Ethel e Aluízio em um jipe pelas ruas da cidade, enquanto era acompanhado e ovacionado de maneira intensa pelos natalenses. Aqui inaugurou na Cidade Alta a praça que até hoje leva o nome do seu irmão, bem como o Instituto Presidente Kennedy. Na inauguração desse último local havia um palanque bem fraquinho e que não ajudaria a propagar seu discurso. Sem muitas delongas subiu junto com a esposa e Aluízio em um dos telhados do Instituto e de lá falou a vontade.

Três anos depois Robert Kennedy anunciou a sua campanha para ser nomeado candidato à presidência pelo Partido Democrata. Kennedy vence as primárias do estado da Califórnia e o sonho de ser Presidente dos Estados Unidos se tornava possível. Mas no dia 5 de junho de 1968, o senador e pai de 10 filhos (sua mulher Ethel estava grávida do 11º), foi gravemente ferido por dois disparos na cabeça em um hotel em Los Angeles, onde comemorava os resultados das eleições da prévia dos Democratas. O assassino era um palestino imigrante de nome Sirhan Bishara Sirhan. Bob Kennedy morreu no hospital na manhã do dia seguinte, 6 de Junho, estando sua esposa Ethel ao seu lado. Tinha apenas 42 anos.

Anúncios

VERGONHA PARA O RN – DESMONTE DA COLEÇÃO MOSSOROENSE OCORREU NA MANHÃ DESTA QUARTA

Foto: Marcos Garcia/Arquivo
Foto: Marcos Garcia/Arquivo

GRANDE PERDA PARA CULTURA POTIGUAR

Na manhã desta quarta-feira, 17, teve início o desmonte das publicações da Coleção Mossoroense. Os livros estavam em uma casa na Rua Dona Francisca Rodrigues dos Santos, no bairro Aeroporto.

A Fundação Vingt-um Rosado suspendeu as atividades por tempo indeterminado. Há quase três anos, a instituição não teve um único repasse e decidiu pelo encerramento.

No último mês de maio, a Fundação emitiu nota onde explica que “diante das condições de extrema dificuldade de funcionamento e falta de apoio a esta entidade cultural nos últimos tempos” tomou esta medida.

De acordo com o editor da Coleção Mossoroense, Caio Cesar Muniz, desde agosto de 2012, que a Fundação não recebia repasse dos órgãos governamentais, pois a fundação é uma instituição sem fins lucrativos.

“A Fundação tinha um convênio com a Prefeitura de Mossoró para ajudar a mantar a estrutura do órgão. Mas, desde agosto de 2012, não recebemos mais nenhum repasse e ficamos à míngua e nessa situação que culminou na suspensão das atividades”, comentou Caio.

download (1)

Entidades de classes se reuniram para tentar encontrar uma solução no último dia 2 deste mês. No encontro, o diretor-executivo da Fundação, Dix-sept Rosado Sobrinho, disse que a principal dificuldade sentida no momento diz respeito à falta de um prédio para abrigar todos os títulos pertencentes à coleção.

Nesta reunião, ficou decidido que uma das medidas será a convocação de uma audiência pública para discutir sobre o assunto com a Prefeitura de Mossoró, o Governo do Estado do Rio Grande do Norte e Universidades.

O restante do acervo será enviado para o Museu do Sertão, onde 95% dele já está no local. Os dois funcionários também foram dispensados.

A Coleção Mossoroense foi criada em 30 de setembro de 1949 por Jerônimo Vingt-un Rosado Maia, ao longo dos seus quase 64 anos de existência, a Coleção foi mantida também pela Fundação Guimarães Duque, esta vinculada à antiga ESAM – Escola Superior de Agronomia de Mossoró, e a partir de 1995 um grupo de intelectuais mossoroenses criou a Fundação Vingt-un Rosado, que passou a assumir os destinos da editora.

download

Neste mais de meio século, a Coleção Mossoroense alcançou a incrível marca de mais de 4.500 títulos publicados no país, levantamento realizado pelo jornal O Estado de S. Paulo em março de 2003, o que lhe rendeu o posto de editora com a maior quantidade de títulos editados no Brasil. Também é considerada a editora que possui a maior bibliografia sobre as secas do Brasil, especialmente do semiárido do Nordeste.

Vingt-un Rosado, o editor, em tempos difíceis, chegava a tomar dinheiro emprestado de agiotas para garantir a publicação de algumas obras, mas ainda assim, graças à sua obstinação, conseguiu, em sua época, convênios com instituições como Sudene, Dnocs, CNPq, Petrobras, entre outras.

Vingt-un Rosado faleceu em 12 de dezembro de 2005.


NOTA DESTE BLOG – Apesar do nome Coleção Mossoroense, na opinião do responsável pelo blog TOK DE HISTÓRIA, o pior neste caso não é esse patrimônio em termos de livros, que agora estão seguindo de um canto, para outro. O pior é o fato de não mais existir um local onde uma pessoa com um bom material escrito, mas poucos recursos financeiros, poderia ver suas folhas se transformarem em um livro, uma brochura, uma plaquete. Perdemos a editora do povo de Mossoró, do povo do sertão! Triste!


Fontes – http://omossoroense.uol.com.br/index.php/universo/recitanda/50605-a-maior-colecao-de-titulos-publicados-no-pais-pode-fechar

http://www.defato.com/noticias/48565/entidades-buscam-alternativas-para-colea-a-o-mossoroense

http://www.defato.com/noticias/48199/sem-repasse-ha-quase-3-anos-fundaa-a-o-vingt-um-rosado-suspende-atividades-por-tempo-indeterminado