1926 – CAICÓ ATRAVÉS DOS SEUS SERVIÇOS PÚBLICOS E PRIVADOS

Autor – Rostand Medeiros

Sabe-se que em toda aglomeração urbana, conforme avança o seu desenvolvimento ocupacional, vão surgindo diversos tipos de serviços públicos e privados que trabalham em prol das pessoas que ali vivem. Conhecer como era o funcionamento destes serviços, mesmo que de forma básica, faz com que exista a compreensão do dia a dia de uma cidade no seu passado (ou pelo menos de parte dela).

Até mesmo porque em muitos dos livros que tratam das histórias das cidades potiguares, encontramos mais à ação histórica de seus políticos, do que as características destas comunidades, ou o seu dia a dia.

Informações históricas de uma cidade não devem se restringir apenas a isso, até porque a história politica do Rio Grande do Norte é limitada quando se olha a competência de seus participantes, as suas qualidades pessoais, ou em relação as suas formações. O que vale na política do Rio Grande do Norte é somente o D.N.A. e o sobrenome.

Mas vamos ao que interessa.

Rotina

Ao lermos as velhas páginas do jornal “O Seridoense”, edição de 16 de julho de 1926, temos uma seção chamada “Informações”, que trata das repartições, atendimentos comerciais, dos profissionais liberais e outros serviços que existiam em Caicó, a principal cidade do Seridó Potiguar.

Na metade da década de 1920 do século passado o município de Caicó tinha uma população em torno de 25.000 mil habitantes, mas o núcleo urbano não tinha nem 8.000 almas. Apesar desta pequenez habitacional, Caicó já tinha um banco.

Aparentemente o tempo das velhas botijas para guardar valores estava acabando no Seridó. O fazendeiro e empreendedor Celso Dantas, além de possuir a única agência de automóveis da região, ainda tinha na sua agência bancária que representava o Banco do Brasil e o Banco de Natal na sua cidade e ficava localizado na então Rua Coronel Martiniano.

Se havia um banco, então havia muito dinheiro circulando. Se havia dinheiro, haviam bens patrimoniais sendo comparados e vendidos, então tinha que existir um cartório para sacramentar tudo. Este tabelionato ficava na Praça da Liberdade e o tabelião era o Sr. Elísio Dias de Medeiros.

Av. Seridó, centro e Caicó. Foto-José Eselino.

Se havia dinheiro e cartório certamente entre aqueles que tinham bens, uma hora ou outra haveria conflitos. Para dirimir problemas da elite local havia um juiz. Na época este era interino e o cargo estava entregue ao Dr. Eugenio Carneiro. Estranhamente o jornal “O Seridoense” não trás o endereço do Fórum, mas o da residência do ilustre magistrado.

Então ele despachava em casa?

Conflitos Jurídicos

Independente desta última questão, logicamente conflitos judiciais não existem sem os nobres advogados. Na Caicó de 1926, pelo menos listados neste jornal haviam quatro destes profissionais para resolver qualquer bronca.

Os ilustres doutores Pereira da Nóbrega (Praça da Liberdade), Renato Dantas (Rua Coronel Martiniano), Diógenes da Nóbrega (Rua Sete de Setembro) e Higyno Pereira (Rua Padre Sebastião) estavam a postos para defenderem o direito de quem lhes contratassem.

Nesta época de um Brasil extremamente agrário, uma grande demanda do judiciário de Caicó estava ligada a questão de terras. Eram comuns litígios para saber se uma fazenda tinha certo tamanho, ou sobre a divisão de terrenos em razão de uma partilha de propriedade. Então não é surpresa encontrar, logo após a lista de advogados, o nome do agrimensor local. Este era o Sr. Aureliano Gonçalves de Mello, que atendia em sua casa, na Rua Monte Petrópolis, número 11.

Prioridade na Saúde

Banco, dinheiro, cartório, justiça, advogados, divisão de terras poderiam ser sinônimos de problemas, stress, hipertensão, infarto, etc. Então seria hora de falar sobre os médicos e os boticários que atuavam na mais importante cidade do Seridó Potiguar.

Mas é aí que na nota do jornal surge algo muito interessante, pois em 1926, antes dos profissionais que cuidavam dos seres humanos, vem em destaque o nome do veterinário de Caicó. Estava esta função entregue ao Sr. Carlos Fonseca, residente a Praça da Independência, nº 26 e que, aparentemente, nem formado era. Comento isso, pois não aparece o tradicional “Dr.” dos bacharéis antes do seu nome. Se hoje certas “universidades” produzem uma enorme quantidade bacharéis que não sabem nada, naquele tempo no sertão, se um cidadão tinha um curso superior era para ser chamado de “Dotô”, pois realmente aprendia o que tinham estudado e, além do mais, havia pouca gente com nível superior. Mas para o Sr. Carlos Fonseca, se realmente ele não tinha curso superior, pelo menos para o jornal não fazia diferença.

Isso mostra que a saúde dos animais era mais importante do que a das pessoas na Caicó desta época?

Espero que não, mas a verdade é que o principal meio transporte ainda eram as alimárias e o gado vacum tinha vital importância na economia local.

Mas enfim, quem era que tomava conta da saúde do povo de Caicó nesta época?

Estão listados três médicos. Eram os doutores José da Silva Pires Ferreira, que tinha residência (e certamente o consultório) a Avenida Seridó, Aderbal de Figueiredo, que atendia a Rua Ferreira Chaves e Gil Braz de Figueiredo Araújo, na Praça da Matriz, em um “sobrado”.

Já as boticas, que nesta época já eram conhecidas como “pharmácias”, existiam duas, a “Nóbrega” e a “Gurgel”. O primeiro estabelecimento ficava na Rua Felipe Guerra e respondia pelo atendimento o “Pharmacêutico Chimico” Homero Nóbrega. O também “Pharmacêutico Chimico” José Gurgel de Araújo respondia pela outra farmácia, que ficava na Avenida Seridó. O jornal informava que ambos os estabelecimentos era abertos a qualquer hora do dia ou da noite.

Interessante era a atitude do dentista local, o Dr. Gorgônio Arthur, que atendia na Praça da Liberdade e tinha enorme confiança no que fazia, pois colocou textualmente no jornal que “garantia a qualidade dos seus trabalhos, de contrário não aceitaria pagamento”.

Falando com o Mundo e Diversão

Nesta época Caicó já se comunicava com o Mundo, mas não era pelo rádio. O serviço era feito pelas linhas da “Estação Telegraphica”, que ficava a Rua Coronel Manoel Gonçalves Valle e era comandada pelo habilidoso telegrafista era José Antunes Torres.

Outra forma de comunicação era a Agência dos Correios e Telégrafos, na Praça da Liberdade e era comandada Belmira Benigna Valle, a única mulher listada em todos estes serviços públicos e privados da cidade naqueles tempos.

Cidade calma, pacata e tranquila, é de se perguntar o que o caicoense fazia a noite.

A edição de 16 de julho de 1926 de “O Seridoense” aponta uma situação positiva e interessante. A biblioteca Olegário Valle, situada na Associação Educadora Caicoense, localizada na Praça do Rosário, estava aberta todas as noites, de 18 às 21 horas, com vasta quantidade de livros para aqueles que desejassem aprender algo mais.

Na listagem surge um interessante personagem, muito pouco abordado nas páginas dos jornais caicoenses da época. Os negros no Seridó são mais lembrados pelas suas comunidades afastadas e suas danças, tendo pouca representatividade na história da elite caicoense. Mas José Eselino era um negro que havia conseguido extrema respeitabilidade na Terra de Santana com um atelier de fotografias, que inclusive ilustram este artigo. Seu trabalho, que teria produzido mais de 10.000 fotos, é verdadeiramente excepcional e a ele se deve grande parte do conhecimento iconográfico desta cidade e de sua região.

Certamente havia bares, cafés e, obviamente, os ambientes voltados para o sexo pago. Estes locais “semi-públicos” eram de conhecimento geral, onde todo mundo sabia a sua finalidade, onde estavam localizados, quem trabalhava neles e quem frequentava. Salvo engano, um deles era chamado de “Cabaré de Pedro Casé”.

Mas isso não se publicava nos jornais locais.

E o Governo Para Cobrar

Por fim não podia deixar de faltar o governo.

O Federal era representado pela “Colectoria Federal”, a atual Receita Federal. Ficava localizada na Rua Ferreira Chaves, sendo o coletor Manoel Etelvino de Medeiros.

No jornal, a mais importante repartição pública do Estado era Mesa de Rendas, cujo titular era Jerônimo Xavier de Miranda.

Já que falamos de governo, o “Presidente da Intendência”, como era antigamente conhecido o cargo de prefeito das cidades brasileiras, era o Coronel Joel Damasceno e a tesouraria da Intendência de Caicó estava nas mãos do Sr. Tasso Dantas.

Centro de Caicó, década de 20 do século passado. Foto – José Eselino

Interessante notar que nessa época o governo, pelo menos até onde o informativo mostra, se fazia mais presente em Caicó para cobrar impostos.

Não podemos esquecer que a região ainda possuía uma grande produção algodoeira e evidentemente que estes produtos não poderiam sair da região sem pagar a parte que cabia ao governo.

Estes são alguns dados do dia a dia da principal cidade do Seridó Potiguar a oitenta e cinco anos atrás.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

1918 – APONTAMENTOS DE UM FARMACÊUTICO DO SERTÃO NORDESTINO SOBRE A PANDEMIA DE GRIPE ESPANHOLA

Engana-se quem pensa que a Gripe Espanhola atacou basicamente Natal. Conforme podemos ver na capa da edição do dia 7 de dezembro de 1918 do jornal O Município, de Jardim do Seridó, a peste também o interior potiguar. O artigo descrevendo essa doença nessa comunidade, assinado pelo farmacêutico Heráclio Pires Fernandes, está aqui reproduzido.

Rostand Medeiros – Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte

O blog TOK DE HISTÓRIA, sempre honrando e primando pela ideia de democratizar a informação histórica, trás para seus seguidores e visitantes uma interessante história envolvendo o farmacêutico Heráclio Pires Fernandes, da cidade potiguar de Jardim do Seridó, e a pandemia de gripe espanhola de 1918.

Na primeira página do jornal local O Município, edição de 7 de dezembro de 1918, utilizando os seus conhecimentos e observações Heráclio Pires apontou as alterações relativas a virulência da doença, mesmo achando que a doença não tinha a “a gravidade que muitos supõem”. Comentou as características e sintomas mais significativos da gripe espanhola, entre estes a alteração na cor e volume da urina dos atingidos. Entre outros apontamentos o farmacêutico jardinense criticou fortemente àqueles que vendiam remédios tidos como milagrosos no sertão e que a prática era antiga, que Heráclio apontou como sendo ainda das “eras do sertão colonial e semisselvagem”.

Na foto vemos os principais templos católicos de Jardim do Seridó. Com suas duas torres temos a Matriz de Nossa Senhora da Conceição e no alto o Santuário do Sagrado Coração de Jesus.

Trago agora esse interessante texto escrito há quase 102 anos e após discorro sobre a figura de Heráclio Pires Fernandes.

O Nosso estado Sanitário

A Influenza Espanhola

Parece querer assumir caráter epidêmico entre nós a terrível que de norte a sul do país faz vítimas diariamente e trás em sobressaltos as populações.

Depois de um primeiro assalto do mal em que foram atingidas algumas pessoas neste município, apenas alguns casos esporádicos e benignos registraram-se até bem pouco tempo; ultimamente, porém, uma recrudescência furiosa da terrível infecção, desta vez com um caráter mais sério, tem feito algumas vítimas entre nós, não sendo pequeno o número de pessoas acamadas em consequência dela. Mesmo assim não a motivos para alarma-se a população, pois, está provado que o mal não tem a gravidade que muitos supõem.

Revista Fon-Fon, 1917.

A gripe ou influenza é uma moléstia infectocontagiosa que vem acompanhada de fenômenos catarrais dos órgãos respiratórios, ou do tubo gastrointestinal; de ordinário, declara-se subitamente, não se podendo demonstrar a existência de um estado de incubação por quaisquer fenômenos subjetivos ou sintomas premonitórios.

A moléstia principia bruscamente, com febre elevada, cefaleia, dores articulares, calafrios, anorexia, prostração, insônia, tosse e perturbações broncas pulmonares ou gastrointestinais, conforme a forma patológica de que é acometido o individuo.

Como preservativo contra a terrível infecção bacilar, a ciência medica não conhece nenhum específico senão as rigorosas medidas de asseio reclamadas pela higiene e as preocupações que esta aconselha em casos de epidemia; uma vez acometido do mal, o doente deverá guardar o leito, observar dieta, alimentando-se de caldos e leite, não se expor as correntes de ar e evitar as bebidas frias, as frutas e as causas de fadiga moral ou física.

No passado chamava muito atenção dos visitantes de Jardim do Seridó, um coqueiral as margens do Rio Seridó.

Geralmente, ao manifestar-se a doença, com a elevação da temperatura, a urina do paciente torna-se logo vermelha e escassa; aqueles que quiserem observar uma boa dieta, não deverão deixar o leito e voltar as suas ocupações habituais antes que a febre tenha caído de todo e que a urina tenha retomado a cor habitual.

Com um bom regime, evita-se a mais perigosa de todas as complicações da influenza, que é a pneumonia bi lombar. Quando a influenza complica-se deste síndroma, a morte, por astenia cardíaca, é a regra em tais casos, pelo que, o célebre professor *luchard (primeira letra ilegível) sentenciou que “o mal é no pulmão e a morte no coração”.

A influenza é moléstia muito sujeita a recaídas pelo, que, é de alta conveniência que na convalescência, mesmo dos casos benignos, os doentes observem alguma cautela e um bom regime tônico, a que se deve chegar progressivamente.

Outro aspecto de Jardim do Seridó, considerada uma bela cidade do sertão potiguar.

A terapêutica medicamentosa da gripe ou influenza é bastante conhecida e limita-se ao emprego dos sudoríficos, antipiréticos, purgativos, antissépticos e diversas medicações que podem ser aplicadas sintomaticamente por pessoa capaz de dirigir o tratamento, evitando-se as doses e as garrafadas nauseabundas dos curandeiros e espertalhões – em sua maioria analfabetos – que vivem a explorar e iludir criminosamente a boa fé dos incautos, como se a medicina deixasse de ser uma ciência maneável somente pelos que a cultivam para ser um artifício bem visto ao alcance de qualquer ignorante ou mestre de bugigangas.

Muitas tem sido as vítimas dessa pratica arraigada em nossos sertões, de se confiar a saúde a um ente querido á inépcia de qualquer intitulado curandeiro, ou mercador de beberagens, para arruinar a saúde do próximo e auxiliar o processo patológico das entidades mórbidas.

Tempo é chegado de ir nosso povo se convencendo de verdades como esta e abandonar os hábitos e práticas esdrúxulas que remontam as eras do sertão colonial e semisselvagem e que não se coadunam com as conquistas da civilização hodierna.

Não vemos razão para o pânico de que muitos estão possuídos ante os pródomos da epidemia; antes aconselhamos nossos patrícios que se revistam da maior calma e procurem observar os concelhos que acima deixamos exarados.          

Heráclito Pires Fernandes

Quem Foi Heráclio Pires Fernandes?

Nasceu em 28 de junho de 1882 na fazenda Apertados, município de Jardim do Seridó, sendo filho de Manoel Heráclio Fernandes e Francisca Pires Fernandes. Seus irmão eram Maria Duquinha (casada com Quirino de Azevedo Maia), Primitiva (gêmea com Duquinha), Hercília, Silvino, Francisco e Isabel (casada com Alcebíades Medeiros).

Muito jovem ficou órfão do pai, mas teve a ajuda do tio, o juiz da cidade Manoel José Fernandes, que o indicou para servir como agente dos Correios e Telégrafos no ano de 1900, onde ficou cinco anos a frente da agência postal de Jardim do Seridó. Também foi proprietário de uma loja de tecidos.

Adorava música e se tornou regente da banda Euterpe Jardinense, uma das mais antigas em atuação no Seridó do Rio Grande do Norte e funcionando até hoje. Tempos depois deixou a banda e a sua terra para estudar em Recife, onde aproveitou para montar uma empresa de representações. No final do ano de 1923 foi diplomado farmacêutico pela Escola de Farmácia de Recife e no retorno a sua cidade abriu a Drogaria Pires, onde procurou atender a muitos jardinenses e seridoenses das cidades e comunidades próximas. 

Revista Fon-Fon, 1918.

Na sua cidade praticou muito a fotografia, chegando a ser representante da empresa americana de materiais fotográficos Kodak. Foi também colaborador da imprensa pernambucana, com uma  coluna no tradicional Jornal do Commércio de Recife, onde assinava como “Pedro Seridó”, e foi um dos fundadores do jornal O Município, junto com Antídio de Azevedo. Fundou o Grêmio Literário e Recreativo Jardinense e foi um dos primeiros proprietários de automóveis do Seridó, quando adquiriu um veiculo da marca Overland.

Casou em 29 de novembro de 1905 com Anísia de Azevedo Pires e do seu casamento gerou quatorze filhos – Manoel Heráclio Pires (comerciante residente em São Paulo), Paulo de Azevedo Pires (funcionário do IAPI – Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários), Natália Pires de Siqueira (esposa do juiz Oscar Homem de Siqueira), Maria Anísia Pires Lemos (casada com Raul Vidal Lemos), Albertina Pires Regalado Costa (casada com o jornalista Cristalino Regalado da Costa), Virginia Pires da Cunha (casada com Francisco da Cunha), Heráclio Pires Fernandes Junior (funcionário do Banco do Brasil), Constantino de Azevedo Pires (funcionário autárquico), Georgina de Azevedo Pires, Noêmizia (Ziza), Terezinha, Guiomar, Oswaldo e Inês.

Os últimos anos de sua vida passaram a viver em Natal, na Avenida Deodoro, onde faleceu aos 76 anos de idade, as cinco da manhã do sábado, 22 de março de 1958.

AS LEMBRANÇAS DE UM PATRÃO CHAMADO LUÍS DA CÂMARA CASCUDO

Rostand Medeiros – Escritor e sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte

Ela é morena, baixa, anda curvada pelos anos de trabalhos domésticos, limpezas e lavagens de roupas. Vive em uma pequena casa na Rua Alberto Maranhão, construída pelo seu pai a mais de cinquenta anos, quando o bairro do Tirol era um campo aberto, com poucas residências, sem a forte especulação e valorização imobiliária que ocorreria a partir da década de 1960. Como companhia, apenas uma irmã e sua nonagenária mãe.

Jornal Tribuna do Norte

Nos últimos anos, sua pele está curtida pelo excesso de sol que leva nos fins de semana, mas ao invés de ser em alguma atividade recreativa nas nossas belas praias, esta mulher labuta como vendedora ambulante na urbana praia do Meio, como forma de completar a mirrada pensão que recebe como aposentada pelo INSS.

A situação atual de Neuza Amaro Rodrigues não é muito diferente da vida de milhares de aposentados pelo país afora, que mesmo depois de toda uma vida de muito trabalho, necessitam buscar opções de remuneração para complementar sua renda e ter alguma condição para viver com o mínimo de dignidade no fim de suas vidas.

Neuza Amaro Rodrigues

Dona Neuza não sabe em que ano nasceu (ou não querer dizer?), sabe apenas que seu aniversario é comemorado (ou melhor, lembrado) no dia 6 de março. Ela não sabe ler, não sabe escrever, mas esta condição não foi um problema para que tenha trabalhado na residência da maior figura intelectual que surgiu neste estado, Luís da Câmara Cascudo.

Um Homem Simples

Apesar de afirmar não saber a sua idade, Dona Neuza acredita que tinha em torno de “uns vinte e sete anos” quando foi trabalhar no casarão da Avenida Junqueira Aires. Ela afirma que chegou à casa do folclorista através de uma agência de encaminhamento de empregos que existia na época, uma espécie de S.I.N.E. daquele período.

Luís da Câmara Cascudo

Mesmo não sendo uma pessoa com muita informação, Dona Neuza sabia que o seu novo patrão era um homem conhecido e famoso, mas para ela isto não criava nenhum tipo de intimidação e nem Câmara Cascudo demonstrava algum sinal de superioridade ou afetação pela posição que possuía no meio social e intelectual de Natal e do país. Ele sempre se portou como um homem simples, tranquilo, calmo e preocupado com a situação daqueles que trabalhavam na sua casa. Para Dona Neuza isto ficou claro nas inúmeras ocasiões em que ela presenciou o famoso folclorista, logo após ter acordado, perguntar a sua esposa, Dona Dhalia, “como estavam as empregadas”, “se estavam alimentadas” e “se estavam todas bem”. Por esta época, Dona Neuza não era única “secretária” na casa de Câmara Cascudo, ela dividia o trabalho com Francisca e Anália, esta última uma fiel empregada da família, já falecida.

Sua Principal Tarefa no Casarão

Segundo Dona Neuza seu trabalho na casa não incluía dormir na residência. Todos os dias ela acordava às cinco da manhã, se dirigia ao antigo mercado do centro da cidade (onde atualmente se encontra a agência do Banco do Brasil), para escolher e comprar as frutas preferidas de Cascudo (principalmente mamão e abacaxi) com o dinheiro que Dona Dhalia lhe entregava no dia anterior. Ela afirma que não possuía uma função especifica no trabalho diário na casa, podia fazer a faxina geral, lavar a roupa, ajudar no preparo dos alimentos e o que houvesse.

Escritório do folclorista

A limpeza do vasto e lotado escritório do folclorista era uma atividade bastante trabalhosa, além de ser uma das suas principais tarefas e durava toda uma parte do dia. Dona Neuza tinha que cuidadosamente retirar e limpar vários livros, objetos de decoração e “coisas de boi de reis” como se refere a objetos folclóricos que compunham parte do acervo pessoal do seu patrão.

A limpeza do escritório ocorria sempre pela manhã, quando Câmara Cascudo dormia, após toda uma noite de pesquisas, leitura e elaboração de ideias.

O Dia a Dia do Pesquisador e seus Charutos

Ela afirma que o folclorista sempre acordava entre onze e meio-dia, sendo uma das suas primeiras atividades “ir para os santos”, ou seja, dirigir-se a um oratório e pedir proteção aos santos de sua devoção. Depois almoçava, dando preferência a um prato denominado “pimentão cheio” e voltava para seus amados livros. Se não aparecia nenhuma visita, nem havia algum compromisso, o trabalho no escritório se prolongava por horas.

Durante o tempo que Dona Neuza trabalhou em sua casa, sempre viu, apesar da idade, Cascudo trabalhar só em seu escritório, sem a ajuda de ninguém, de forma silenciosa e calma.

Charutos comprados na “Casa dos Órixas”

Uma particularidade no famoso folclorista era o gosto que ele possuía pelos charutos. Afirma Dona Neuza que muitas vezes comprou caixas destes produtos na “Casa dos Orixás”, localizada na rua Princesa Isabel.

As Visitas ao Casarão da Junqueira Aires

Quando trabalhou para Câmara Cascudo, Dona Neuza afirma que ele já não viajava, em compensação muitas eram as pessoas que o visitavam, dos quais ela não conhecia ninguém e não sabia quem era famoso ou não. Normalmente, quando era uma visita rápida, cafezinhos e sucos eram servidos. Às vezes ocorriam festas de maior vulto, na qual o trabalho da casa era dividido entre as três “secretárias” e garçons eram contratados para servir os convidados. Quando ocorriam almoços especiais, Dona Dhalia pessoalmente era quem organizava tudo na mesa, a disposição de pratos, talheres e sempre com uma impecável toalha de mesa de renda branca do Seridó. A veneranda esposa de Cascudo punha em prática os aprendizados que recebera na década de 1920, na tradicional Escola Doméstica de Natal.

Casarão da Junqueira Aires

Sempre na época do natalício de Câmara Cascudo, em 30 de dezembro, este era visitado por variados grupos folclóricos, cantadores de viola e outros mestres das artes populares, que realizavam apresentações em sua casa, fato que trazia enorme satisfação ao pesquisador.

A Alimentação

Grande parte do trabalho de Dona Neuza era na cozinha da casa, onde o folclorista, além do “pimentão cheio”, sempre apreciava um belo prato de peixe, muito mais do que alguma iguaria a base de carne vermelha. Normalmente ele comia pouco, mas fazia questão de ter uma mesa farta, com diversos pratos, tal como se fazia nas antigas casas-grandes do litoral ao sertão.

Durante seu período de trabalho, ela nunca viu Câmara Cascudo ingerir, ou mesmo degustar, nenhuma espécie de bebida alcoólica e nem refrigerantes, sempre valorizando os sucos a base de frutas da época.

Apresentação folclórica na casa de Cascudo

O autor de “Dicionário do Folclore Brasileiro” possuía uma característica especial para Dona Neuza, tanto fazia que o visitante fosse rico ou pobre, poderoso ou um simples homem do povo, um letrado doutor, ou um analfabeto cantador de feira, todos eram igualmente recebidos com cortesia pelo seu patrão e sua família.

Lembra que todo fim de ano, além da remuneração normal, seu patrão fazia questão de reunir as empregadas para entregar uma gratificação extra, era “para as festas”.

A Saída do Casarão e as Lembranças do seu Patrão

Dona Neuza é uma mulher atenciosa, mas sempre com uma atitude simples, discreta, ostenta um sorriso tímido, se considera uma trabalhadora competente e faz questão de comentar o respeito e admiração que sentia pelo folclorista e sua família.

Encontro entre Câmara Cascudo e Frei Damião

Se defeitos o seu patrão possuía, e com certeza os possuía, pois Câmara Cascudo era humano, Dona Neuza não comentou. Seja pela sua origem, formação, ou consciência, esta senhora considera um sacrilégio comentar fatos negativos relativos a seus patrões, principalmente “quem lhe tratou tão bem”.

Depois de três anos trabalhando junto a Câmara Cascudo e sua família, esta profissional pediu demissão e foi trabalhar na empresa de vigilância “EMSERV”. Mesmo assim ainda realizou frequentes visitas ao casarão da Junqueira Aires, para conversar com Dona Dhalia.

Como já foi escrito anteriormente neste artigo, Dona Neuza é uma mulher que não sabe ler, nem escrever, nem isto a impediu de trabalhar para um homem que foi um prestigiado imortal da nossa Academia Norte-rio-grandense de Letras. Contudo, Câmara Cascudo não foi o único intelectual potiguar a ter os serviços de sua casa atendidos por esta senhora. O falecido poeta e advogado macauense Gilberto Edinor Cabral Avelino, que ocupou a cadeira número 35 de nossa Academia de Letras, cujo patrono foi Juvenal Antunes, conheceu os serviços de Dona Neuza, que inclusive continua até hoje realizando trabalhos domésticos semanais para a família deste saudoso imortal.

D. Neuza, uma pessoa tranquila

As discretas lembranças desta simples trabalhadora doméstica ajudam a compor um quadro que mostram um Luís da Câmara Cascudo, não como um inatingível homem de letras, no alto da sua intelectualidade, imortalizado por uma extensa e soberba obra sobre nossos costumes, lendas, histórias e outros variados assuntos. As lembranças de Dona Neuza mostram pequenos aspectos da vida pessoal, do dia a dia de um homem no limiar de uma vida de intensa produção pessoal, em seu lar, cercado de seus familiares, recebendo seus amigos, vivendo na sua provinciana cidade, longe dos grandes centros, sem pedantismos, tranquilo e sereno.

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados