A TRISTE SITUAÇÃO DA CASA GRANDE DO ENGENHO GUAPORÉ – LUGAR DE MUITAS HISTÓRIAS

Uma Casa Que Marca a Paisagem e a História de Ceará-Mirim – O Médico e a Filha do Barão – A Energia do Seu Proprietário – A Razão do nome Guaporé – Nilo Pereira e o Casarão – Decadência e Recuperação – Nova Decadência – Ocupação dos Artistas – A Visita do GRUPO TOK DE HISTÓRIA a Esse Local 

Rostand Medeiros – IHGRN e GRUPO TOK DE HISTÓRIA

Quem segue em veículo pela rodovia RN-064, que liga as cidades potiguares de Touros a Ceará-Mirim, ao se aproximar dessa última e se descortina uma bela paisagem, com a cidade de Ceará-Mirim como destaque. Logo depois os ocupantes do carro começam a visualizar uma grande e interessante casa à esquerda. Já quem se encontra em alguns lugares na zona urbana de Ceará-Mirim também tem condições de visualizar essa mesma casa com seus dois pavimentos, uma porta principal, várias janelas e ausência de alpendre na parte frontal.

Casa grande do engenho Guaporé, Ceará-Mirim, Rio Grande do Norte – Foto – Ricardo Morais.

Essa casa antiga, uma referência na paisagem de Ceará-Mirim, se encontra solitariamente em uma grande área aberta e quem se aproxima do lugar percebe, pela imponência da estrutura, que seus antigos proprietários eram ricos proprietários rurais. Principalmente para os que gostam de temas históricos, sem maiores problemas aquele velho casarão desperta, tal qual um imã, o desejo de ir lá, fazer fotos e conhecer mais sobre o local. Estamos falando da casa grande do engenho Guaporé, elemento típico de moradia do patriarcado rural de Ceará-Mirim, que surgiu na segunda metade do século XIX, com a ampliação da produção açucareira.

Foto – Ricardo Morais.

Recentemente, com os amigos Jerônimo Tinoco, German Zaunseder e Ricardo Morais, que juntos fazemos parte do GRUPO TOK DE HISTÓRIA, decidimos visitar esse interessante local.

Enérgico e Atuante

A casa grande do engenho Guaporé foi edificada em data incerta, mas as fontes de época que pesquisei apontam que seu dono foi Vicente Ignácio Pereira.

Nasceu em Natal no dia 3 de maio de 1833, sendo filho de Joaquim Ignácio Pereira e Ana Maria de Jesus. Vicente foi o segundo potiguar formado em Medicina, assumiu a vaga de deputado provincial, foi 1º Vice-presidente do Rio Grande do Norte e durante o período da calamitosa e tristemente famosa estiagem que arrasou o Nordeste entre 1877 até 1879, ocupou por curto período a governadoria estadual.

Vicente Ignácio Pereira (1833 – 1888), do livro Natureza e história do Rio Grande do Norte – Primeiro tomo (1501 – 1889), de João Alves de Melo, Imprensa Oficial, Natal-RN,1950, pág. 519.

Luís da Câmara Cascudo informou que por ter uma ação bastante enérgica e enfrentar os atrasados métodos administrativos da sua época, Vicente Ignácio arranjou muitas inimizades durante seu período de governo. Eu tive a oportunidade de ler sobre isso com mais detalhes nos jornais antigos, mas vejamos o que Cascudo escreveu:

Foto – Ricardo Morais.

Enfrentou o comodismo, a afilhadagem, o desperdício, demitindo inúteis cortando despesas, dispensando comissões, fiscalizando, direta e pessoalmente, todos os serviços. A rapidez de suas decisões estarrecia à lentidão do tempo. De pronto, multiplicou os recursos alimentares, enviando socorros para as regiões assoladas, exigindo a caridade produtiva, fazendo trabalhar a massa de retirantes em vez de fornecer víveres (Ver Uma História da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte – Fundação José Augusto, Natal-RN, 1972, págs. 441 e 444).

Essa característica enérgica do dono da casa grande do engenho Guaporé, talvez possa ser explicada por experiências anteriores durante a sua formação acadêmica e sua vivência fora do Rio Grande do Norte.

Ainda em 1855, quando ele tinha 22 anos e era estudante do 2º ano da Faculdade de Medicina da Bahia, seguiu para o sul daquele estado com o intuito de combater uma grande epidemia de cólera. Vicente Ignácio esteve junto com professores, colegas e o pessoal médico da Marinha, que na época também era conhecida como Armada Imperial.

Foto – Ricardo Morais.

Mesmo sem conseguir maiores detalhes desse trabalho, sabemos que esse grupo de atendimento esteve em comunidades localizadas entre os municípios baianos de Camamu, Ilhéus e Porto Seguro (Ver Falla Recitada na Abertura da Assembleia Legislativa da Bahia pelo Presidente da Província o Doutor Álvaro Tibério Moncorvo e Lima. Em 14 de Maio de 1856, pág. 125).   

Conforme podemos ver na nota acima, publicada no jornal carioca Correio da Tarde, de 28/12/1859, pág. 3, naquele mês Vicente Ignácio se formou em Medicina e logo no ano seguinte entrou para o então Corpo de Saúde do Exército Brasileiro, onde recebeu a patente de 2º tenente cirurgião.

Membros do antigo Corpo de Saúde do Exército.

No seu tempo como militar mereceu destaque a sua participação em uma comissão formada por militares da Marinha e do Exército do Brasil, com o objetivo de demarcar a fronteira com o Peru e que deveria contar com a participação de autoridades daquele país vizinho. Para a época, com suas condições limitadas em relação a transportes, higiene, saúde, conhecimento das áreas de levantamento, dos contatos com os indígenas e outros problemas, fazia com que a realização desse tipo de missão fosse classificada como de extremo risco. Vale frisar que nesse tempo o Estado do Acre não fazia parte do território brasileiro.

Conforme podemos ver na próxima nota, em 5 de outubro de 1861 foi publicado no jornal carioca Correio Mercantil, e Instructivo, Político e Universal (pág. 2) que a canhoneira Iguatemi partiu no dia 18 de setembro de Recife e navegou até Belém, capital do Pará, sob o comando do capitão tenente José Costa e Azevedo, o chefe da comissão. Após a chegada no Pará os militares deveriam seguir até a fronteira peruana.

Talvez para alguém que mora no Rio Grande do Norte e desconheça a região amazônica, pode parecer estranho que uma comissão de militares brasileiros para chegar na área da fronteira com o Peru, tenha que passar por Belém e seguir, ou “descer”, até a fronteira. Mas os Rios Amazonas e Madeira são totalmente navegáveis nesse trecho por centenas de quilômetros, alcançando o Rio Guaporé. Até hoje existe uma linha de navegação entre Belém e Porto Velho, capital de Rondônia, que leva de seis a oito dias de viagem (ver – https://www.rome2rio.com/pt/map/Rond%C3%B4nia/Bel%C3%A9m#r/Ferry )

Diário do Rio de Janeiro, 19 de outubro de 1861, pág. 1.

O interessante da participação de Vicente Ignácio foi que, segundo as datas dos jornais, ele foi convocado para participar dessa comissão após a mesma ter chegado em Belém. Como ele estava no Rio de Janeiro, onde o porto era muito movimentado, é provável que tenha embarcado em algum veleiro ou vapor que seguiu para o norte e tenha chegado a Belém. Mas se assim fez, foi em vão, pois o certo é que no final de dezembro a comissão de limites com o Peru ficou paralisada por problemas com os peruanos. Finalmente, no dia 20 fevereiro de 1862, foi publicado no jornal carioca Correio Mercantil, e Instructivo, Político e Universal (pág. 2) que deveriam ficar na região apenas o comandante da comissão e um oficial de sua escolha. Aí não me restam dúvidas que o escolhido não foi Vicente Ignácio, pois ele foi transferido para o Rio Grande do Norte em maio de 1862.

Detalhe – A comissão de limites com o Peru só concluiu seus trabalhos em 1866, em meio a Guerra do Paraguai, que começaria em dezembro de 1864 e se prolongaria até março de 1870.

Correio da Tarde, Rio de Janeiro, 17 de maio de 1862, 1ª pág.

O Barão

Em 14 de fevereiro de 1863 Vicente Ignácio casou com Isabel Duarte Xavier Varela, filha de Manoel Varela do Nascimento, um rico proprietário rural da região de Boca da Mata, futura Ceará-Mirim, e senhor da casa grande do engenho São Francisco. Segundo Olavo Medeiros Filho, foi Isabel Duarte que trouxe para essa união metade das terras de um sítio denominado Ilha Bela, avaliado em vinte contos de réis (ver Os Barões de Ceará-Mirim e Mipibu, Fundação Guimarães Duque, Coleção O Mossoroense, Série C, Vol. 1410, Mossoró-RN, 2005, pág. 30).

Mas o presente do pai de Isabel foi logo trocado por uma propriedade denominada Bonito, que na sequência foi rebatizada como Guaporé, onde foi construída a casa grande que visitamos. Acredito que a denominação surgiu das marcantes lembranças fixadas na mente do seu novo dono, quando este percorreu a região amazônica, mesmo sem saber se o mesmo navegou por este grande rio, situação que considero improvável.

Manoel Varela do Nascimento, o Barão de Ceará-Mirim. O quadro do Barão e da Baronesa de Ceará-Mirim foram pintados em 1866 pelo pintor alemão Johann Brindsell, ou João Brindseil, como ele ficou conhecido durante o tempo em que esteve entre o Ceará e o Rio Grande do Norte.

No ano seguinte após seu casamento, Vicente Ignácio assumiu uma vaga de deputado provincial filiado ao Partido Liberal e deixou as fileiras do Exército. Acredito que essa situação evitou a sua ida para a Guerra do Paraguai.

Bernarda Varela Dantas, a Baronesa de Ceará-Mirim.

Onze anos depois do casamento com Isabel Duarte, o seu sogro Manoel Varela do Nascimento se tornou o primeiro potiguar a ser agraciado com um título nobiliárquico, com o título de Barão de Ceará-Mirim.

Talvez pela história do Barão ser extremamente marcante nessa região, sua figura é muito associada a casa grande do engenho Guaporé e pouco se comenta sobre Vicente Ignácio Pereira. Percebo que isso é algo tão forte, que em uma ocasião escutei de uma pessoa que desconhece a história à afirmação que esse homem poderia ser enquadrado como “um cidadão que casou com a filha do Barão e se deu bem na vida”. Mas essa afirmação está bem distante da verdade, além de ser algo leviano.

Foto – Ricardo Morais.

Sobre a casa grande do Guaporé, segundo todas as fontes que li, até agora não se sabe a data concreta da sua fundação, nem mesmo se foi edificada após o casamento de Vicente e Isabel e a troca de propriedades, ou poderia existir antes. Entretanto, a primeira notícia que consegui sobre o engenho Guaporé foi publicada inicialmente no Jornal de Recife e republicada no Rio de Janeiro, na segunda página de O Globo – Órgão dos Interesses do Commercio, da Lavoura e da Industria, de 31 de dezembro de 1876. Conforme podemos ler abaixo, essa nota comenta sobre a boa qualidade das terras em Ceará-Mirim e da produção do engenho Guaporé.

Entretanto, segundo Gilberto Osório de Andrade, no texto O ciclo da cana-de-açúcar no Rio Grande do Norte (Revista GeoInterações, Assú, v.4, n.1, p.62-66, jan/jun. 2020. ISSN 2526-3889) a progressão do ciclo de desenvolvimento da cana-de-açúcar no Rio Grande do Norte no final dom século XIX não foi constante. Segundo o autor o “efeito da concorrência do algodão e dos derradeiros esforços de reanimação da pecuária”, contribuíram para isso. Andrade aponta que entre 1894 e 1910, o município de Ceará Mirim figurou em quinto lugar no quadro geral da receita dos municípios potiguares, mesmo assim o chamado Vale do Ceará-Mirim fabricava 60% do açúcar de todo o Rio Grande do Norte.

Festas e Mortes

Essa casa grande, que tanto chama atenção e se destaca na paisagem de Ceará-Mirim a mais de um século e meio, também ficou famosa por suas festas e a qualidade da sua decoração.

O escritor e jornalista ceará-mirinense Nilo de Oliveira Pereira, neto de Vicente Ignácio, nasceu em 11 de dezembro de 1909 no engenho Verde Nasce, mas informou que passou parte de sua infância no velho casarão do engenho Guaporé. Tanto assim que no jornal natalense A República, edição de 8 de novembro de 1939 (págs. 3 e 4), Nilo publicou um interessante texto intitulado “Guaporé”, que depois foi transcrito para seu livro Imagens do Ceará-Mirim (Natal: Imprensa Universitária, 1969). Nesse trabalho o autor traz informações sobre uma recepção que ocorreu naquela casa ao então Bispo de Olinda Dom José Pereira da Silva Barros, ocorrida em agosto de 1882. Esse evento foi detalhado por Luiz Carlos Lins Wanderley em um livreto lançado em 1887.

Décadas depois Nilo Pereira escreveu no jornal natalense O Poti (ed. 31/03/1974, pág. 11) as seguintes lembranças sobre a velha casa do Guaporé – Ainda encontrei a casa com seus vestígios de mansão patriarcal, no melhor sentido da aristocracia canavieira, em que o seu passado esplende como uma página magnífica da própria história da Província. Meu avô paterno, Vicente Inácio Pereira, fez do Guaporé um exemplar do estilo afrancesado que tanto encantou.

Mas também nesse lugar de festas e luxo, vidas findaram sua existência no plano terreno.

O proprietário Vicente Inácio e Isabel tiveram cinco filhos, três garotos (Vicente, Fausto e Olímpio) e duas meninas (Isabel e Maria Cristina). Infelizmente no dia 5 de novembro de 1878, as 5 da manhã, o casal pranteou na casa grande do engenho Guaporé a morte de Maria Cristina, de 13 anos de idade (Correio de Natal, 16/11/1878, pág. 1). Vicente Inácio também ali faleceu aos 55 anos, no dia 22 de novembro de 1888. Já em 5 de junho de 1931, aos 82 anos, Isabel Duarte partiu. Segundo André Felipe Pignataro, Presidente da Academia Ceará-mirinense de Letras e Artes – ACLA, essas duas mortes causaram uma enorme comoção em toda Ceará-Mirim.

Decadência e Recuperação

Já antes do falecimento de Isabel Duarte, o engenho Guaporé estava em decadência no sentido de produção açucareira e sua casa grande seguia no mesmo rumo. Nilo Pereira, em seu texto de A República de 1939, comentou sobre o estado de abandono em que a casa grande se encontrava naquela época.

Foto antiga da casa grande do engenho São Francisco.

Quando Nilo Pereira revisitou a casa grande do Guaporé, é provável que aquelas terras já fizessem parte do inventário da Usina São Francisco, que passou a atuar com mais força na década de 1940, sua direção comprou velhos engenhos na região e cuja sede funcionava na antiga casa do Barão de Ceará-Mirim. A Usina São Francisco era um dos maiores complexos industriais existentes no Rio Grande do Norte daquele tempo e uma evolução na produção açucareira no Vale do Ceará-Mirim.

Foto – Ricardo Morais.

Aparentemente durante esse período a casa grande do Guaporé ficou subutilizada, ou simplesmente abandonada. Mas na década de 1970, segundo uma notícia publicada no Diário de Natal (ed. 09/01/1975, pág. 5), a direção da Usina São Francisco doou a velha residência ao Governo do Estado do Rio Grande do Norte. O ato foi realizado por Geraldo José de Melo, então diretor geral da Usina São Francisco e, segundo a nota, tinha “o objetivo de ser recuperada e transformada num ponto de atração turística na região”. 

Três anos depois foi informado que a Fundação José Augusto teria um aporte de 18 milhões de cruzeiros para investir na preservação do patrimônio histórico e cultural do Rio Grande do Norte e desse dinheiro 3 milhões e 200 mil seriam destinados a restauração da casa grande do Guaporé (Diário de Natal, ed. 27/04/1978, pág. 8).

Foto – Ricardo Morais.

A obra foi inaugurada em março de 1979 pelo então governador Tarcísio de Vasconcelos Maia, poucos antes de entregar o executivo potiguar ao seu primo Lavoisier Maia Sobrinho. Nilo Pereira comentou que José Ferrão Castelo Branco, então técnico do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, foi a pessoa que mais batalhou por essa reforma.

Quatro anos depois aconteceu no Guaporé uma interessante solenidade. Em agosto de 1983, quando o município de Ceará-Mirim completou 125 anos de emancipação política, foi realizada uma festa na velha casa grande do engenho Guaporé. Sabemos que o então prefeito Roberto Varela esteve presente, bem como Nilo Pereira, que relembrou a história da casa, de sua família e o pianista Orione de Almeida tocou sua partitura intitulada “Velho Solar” (Diário de Natal, ed. 09/08/1983, pág. 2)

Foto de 1984 do interior da casa do Guaporé. Foto de Sebastião Lucena, inserido no livro “Viagem-memória de Nilo Pereira: do Ceará Mirim ao Recife e do Recife ao Ceará-Mirim”, de Helicarla Nyely Batista de Morais, EDURF, 2011.

Sabemos que ainda na década de 1980 foi criado no velho casarão um museu, que inicialmente recebeu a denominação de “Museu do Açúcar”, sendo inaugurado com a presença de Nilo Pereira. Em 16 de dezembro de 1988, o casarão do Guaporé foi tombado pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, através de um pedido do Conselho Estadual de Cultura. Na sequência, não sei se antes ou após o falecimento de Nilo Pereira, ocorrido em 23 de janeiro de 1992, o museu foi denominado com o nome desse jornalista e escritor. O autor dessas linhas visitou esse local na juventude e realmente era bastante interessante e funcionou até o ano de 2001.

Nova Decadência

Com o tempo, mesmo oficialmente tombado, a casa grande do Guaporé foi abandonada. O mato começou a crescer ao seu redor, portas e janelas foram roubadas e o casarão começou a se deteriorar pelo abandono e descaso do poder público.

O professor Jeronymo Tinoco, tradutor e intérprete do GRUPO TOK DE HISTÓRIA, no salão principal da casa grande do Guaporé – Foto – Ricardo Morais.

No carnaval de 2017 o artista plástico natalense Fabio di Ojuara, junto com outros artistas locais, que se autodenominaram “Guerreiros do Guaporé”, realizaram uma ocupação artística no antigo casarão para chamar atenção para seu estado de abandono. O nosso grupo realizou uma limpeza do local e desenvolveu nas suas paredes interessantes pinturas artísticas (ver – http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/artistas-ocupam-casara-o-guapora/376244). Apesar da bela iniciativa e atuação de Fabio di Ojuara e de outros artistas, aparentemente as autoridades não se sensibilizaram e nada de concreto aconteceu para mudar a situação do casarão do Guaporé.

German Zaunseder e Jeronymo Tinoco, do GRUPO TOK HISTÓRIA – Foto – Ricardo Morais.

Quando os membros do GRUPO TOK DE HISTÓRIA chegaram a esse antigo local, tão importante para a identidade de Ceará-Mirim, foi um grande impacto o estado em que o casarão atualmente se encontra. Ele está aberto, extremamente sujo, muito mato ao redor, com janelas e portas faltando e até as telhas estão sendo retiradas. Adentramos apenas no salão inicial, percebemos o estado deplorável no seu interior e ficamos fotografando a área.

Percebemos em nossa visita que se algo REALMENTE não for feito, cada vez a recuperação daquele interessante local se tornara muito mais difícil.

—————————————————————————————

Agradecimento – A André Felipe Pignataro, Presidente da Academia Ceará-mirinense de Letras e Artes – ACLA, pelos apontamentos históricos em relação ao Barão de Ceará-Mirim. Ao Professor Jeronymo Tinoco pela revisão do texto. Meu muito obrigado!

—————————————————————————————

O GRUPO TOK DE HISTÓRIA é formado por pessoas interessadas em conhecer, pesquisar e democratizar as informações históricas, de forma independente e séria. Para isso, o GRUPO TOK DE HISTÓRIA surge como um projeto sob a personalidade jurídica da SEPARN, que, além das linhas próprias de pesquisa, para aprofundar e democratizar a nossa história, oferece consultorias em levantamentos históricos e genealógicos, incluindo biografias.  Para nos conhecer melhor, siga-nos no instagram tokdedistoria e no blog https://tokdehistoria.com.br/



FOTOS DE RICARDO MORAIS, APRESENTANDO OUTROS LOCAIS LIGADOS A HISTÓRIA DA PRODUÇÃO CANAVIEIRA EM CEARÁ-MIRIM.

500 ANOS DA CACHAÇA NO BRASIL

cachaca (1)
Fonte – http://revistasaboresdosul.com.br/quem-descobriu-a-cachaca/

A cachaça é testemunha das transformações sociais e econômicas por que o Brasil passou

Ela praticamente nasceu junto com o Brasil e tornou-se a mais nacional das bebidas. Em cinco séculos de História, serviu como combustível para os bandeirantes suportarem as longas e insalubres viagens aos sertões, foi utilizada como moeda de troca de escravos na África, desencadeou revoltas contra a Coroa portuguesa e tornou-se símbolo de nacionalidade em momentos políticos e culturais importantes, como a Independência do país e a Semana de Arte Moderna de 1922. Sim, estamos falando da cachaça, que completa 500 anos este ano.

Os documentos são esparsos, mas, de acordo com os especialistas, os primeiros goles da branquinha foram dados a partir de 1516 em algum engenho construído na feitoria de Itamaracá, em Pernambuco. A cana-de-açúcar já tinha chegado ao país alguns anos antes, em 1504, pelo fidalgo português Fernando de Noronha, que recebeu a concessão da ilha, batizada posteriormente com o seu nome, para a exploração do pau-brasil.

foto_fazenda
Um antigo engenho no Nordeste do Brasil – Fonte – http://www.aguadoce.com.br

“A cachaça foi uma das protagonistas da civilização do açúcar, que marcou um dos mais importantes períodos do desenvolvimento econômico do Brasil Colônia, principalmente no tempo das capitanias hereditárias. Pode-se dizer que, historicamente, a cachaça foi testemunha ocular das transformações econômicas vivenciadas pelo Brasil”, diz o engenheiro Jairo Martins Costa, especialista no assunto e autor do livro Cachaça – O Mais Brasileiro dos Prazeres. Segundo ele, a cultura do açúcar, e por consequência da cachaça, começou bem antes da expedição do colonizador Martim Afonso de Souza no litoral paulista, em 1532.

Além de pesquisas arqueológicas conduzidas por universidades na Bahia e Pernambuco em antigos engenhos de açúcar, um documento da alfândega de Lisboa aponta o pagamento de imposto sobre um carregamento de açúcar, vindo de Pernambuco, datado de 1526. “É a prova de que a produção começou muito antes de São Vicente.

cachaca
Escravos moviam as moendas que produziam o caldo que, fermentado, gerava a cachaça, um dos principais produtos de exportação do Brasil colonial. – Fonte – www2.uol.com.br

O que aconteceu a partir de 1532 foi a forte expansão da civilização do açúcar”, diz Costa, lembrando uma frase do folclorista Câmara Cascudo no seu livro Prelúdio da Cachaça: “onde mói o engenho, destila o alambique”.

CACHAZA

Alguns mitos se esvaem ao estudar a história da branquinha. Um deles é que a bebida teria sido descoberta por acaso por escravos durante o processo de fermentação da canade-açúcar. A evaporação do caldo teria condensado ao bater no teto do engenho e daí teria nascido o nome “pinga”.

Segundo os estudiosos, não foi bem assim. As primeiras produções foram planejadas pelos colonizadores. Uma evidência é que o nome mais aceito para cachaça vem do espanhol “cachaza”, uma bagaceira de baixa qualidade produzida pelos ibéricos a partir das borras de uva. “Os europeus já dominavam as técnicas de destilação havia muito tempo, produzindo bebidas como a bagaceira. Como não tinham uvas aqui, improvisaram uma bebida com o resíduo da cana”, explica Silva.

curiosidades-historia-cachaca-middas-cachaca
Fonte – http://www.middascachaca.com.br/news/curiosidades-historia-cachaca.html

A bagaceira, junto com o vinho português, foi um dos motivos para uma rebelião de produtores de cachaça ocorrida no Rio de Janeiro no século 17. Com a Popularização da bebida, em 1635 a Coroa baixou uma lei proibindo o comércio de aguardente, para não concorrer com a bagaceira e o vinho portugueses. A lei não pegou muito e a pinga continuou sendo produzida em larga escala, inclusive para o mercado externo. Em Angola, que também era uma colônia portuguesa, chegou a ser utilizada durante muito tempo como moeda de troca pelos traficantes de escravos. 

Em 1647 foi criada a Companhia Geral de Comércio, uma empresa portuguesa que passou a ter o monopólio da venda de diversos produtos nas colônias, inclusive asbebidas alcoólicas. Por aqui, porém, a cachaça continuava fazendo enorme sucesso, mesmo sendo vendida clandestinamente. Os fazendeiros, longe de agir por debaixo dos panos, não escondiam sua atividade e eram, inclusive, respeitados na sociedade em quer viviam.

REVOLTA E PAZ

A relativa paz durou até 1659, quando o governo português fechou novamente o cerco, dessa vez com repressão e destruição de alambiques. No ano seguinte, vereadores do Rio de Janeiro propuseram liberar a bebida.

curiosidades-historia-cachaca-middas-cachaca-2
Fonte – http://www.middascachaca.com.br

Diante da recusa, alambiqueiros lideraram uma rebelião – que ficaria conhecida como Revolta da Cachaça – e tomaram o poder da cidade durante cinco meses. A Coroa conseguiu acabar com a rebelião e retomar o poder no Rio de Janeiro, mas os revoltosos conseguiram uma importante vitória: em 1661, a rainha de Portugal, a regente Luísa de Gusmão, autorizou a produção e o comércio da aguardente no Brasil, mediante o pagamento de impostos. Nessa época, o açúcar brasileiro começava a sofrer forte concorrência com o produzido pelos holandeses nas Antilhas, de qualidade superior.

Além do açúcar, a cana levada pelos holandeses após sua expulsão do Brasil, em 1654, deu origem a uma bebida que é considerada “filha” da cachaça: o rum.

Depois da liberação pela rainha, surgiram várias regiões produtoras de aguardente, de norte a sul do Brasil. A cidade de Paraty, no litoral sul do Rio de Janeiro e um dos principais portos do Brasil Colônia, chegou a concentrar mais de cem alambiques a partir de 1700. Parte da produção seguia para Minas Gerais pela Estrada Real, durante o Ciclo do Ouro. Outra parte era escoada para o resto do Brasil e outros países da Europa e África.

04
Fonte – http://velhobarreirodiamond.com.br/mobile/historia

“Se você falar da história de Paraty, vai ter de citar a cachaça. E se falar da história da cachaça, vai ter de citar Paraty”, diz Lúcio Gama Freire, 43 anos, presidente da Associação dos Produtores e Amigos da Cachaça de Paraty. A bebida da região era tão famosa que, durante muito tempo, era comum as pessoas pedirem uma “parati” quando queriam um simples copo de aguardente, tanto na Colônia como na Corte.

UFANISMO

“Com o aprimoramento da produção a partir do século 17, aumentou o número de consumidores, e a cachaça passou a ter importância econômica. O ápice do prestígio ocorreu no século 19, quando se transformou em símbolo de brasilidade”, diz o empresário Leandro Dias, CEO da Middas Cachaça, marca que atende o segmento de luxo.

“Deixar de bebê-la era considerado atitude antipatriótica, pois o Brasil vivia o período das lutas da Independência”, completa Leandro. Um brinde com a caninha passou a ser sinônimo de nacionalismo. Diz-se que dom Pedro I teria brindado a Independência do Brasil com um cálice de cachaça artesanal.

Main
Fonte – http://www.bestday.com.br/Editorial/Cachaca-Patrimonio-Cultural/

Um século depois, em 1922, jovens intelectuais repetiriam o gesto na Semana da Arte Moderna, em São Paulo. Os modernistas consideravam a bebida um símbolo líquido do país. O casal Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral gostava de divulgar a culinária brasileira e a cachaça em Paris. Levavam a bebida em frascos de perfume na mala para não haver problemas ao entrarem na França. Nas reuniões oferecidas a amigos parisienses, costumavam servir caipirinha e feijoada.

BEBIDA FINA

Após vencer o estigma de “bebida barata servida em balcão de botequim”, a cachaça voltou às altas rodas nas últimas décadas, em especial por causa da produção de cachaças artesanais. Além das de Paraty, ganharam fama as bebidas produzidas em estados como Pernambuco, Ceará e, principalmente, Minas Gerais. Nas montanhas de Minas, a cachaça ganhou status principalmente pelas cachaças produzidas em cidades como Januária e Salinas, no norte do Estado.

capa-post-blog
Os rótulos das garrafas de cachaça são um caso à parte no design brasileiro e, principalmente, para a história do país, que contavam a personalidade da bebida e o cotidiano da época – Fonte – http://kiwipropaganda.com/blog/2013/01/21/rotulos-de-cachaca-e-a-historia-do-brasil/

Salinas, que até hoje abriga várias destilarias de qualidade, é terra natal de um dos grandes personagens da história da cachaça brasileira, Anísio Santiago. Produtor da cachaça mais famosa do país, a Havana, Anísio era um tipo excêntrico que raramente saía de sua fazenda. Até morrer, em 2002, costumava pagar seus empregados e outras despesas com garrafas de sua preciosidade, disputadas por apreciadores e colecionadores da bebida. Os descendentes de Anísio, morto em 2002, assim como outros produtores em todo o Brasil, continuam a produzir e escrever a história da bebida brasileira que, como registrou o historiador Gilberto Freyre, “vem dos mais velhos dias do Brasil”.

LIVROS

Cachaça – O Mais Brasileiro dos Prazeres, Jairo Martins da Silva, Editora Anhembi-Morumbi, R$ 59

Prelúdio da Cachaça, Luis da Câmara Cascudo, Global Editora, R$ 42

AUTOR – Marcus Lopes

FONTE – http://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/terra-brasilis/500-anos-da-cachaca-no-brasil.phtml#.V2WbLvqZH3M