1926 – CAICÓ ATRAVÉS DOS SEUS SERVIÇOS PÚBLICOS E PRIVADOS

Autor – Rostand Medeiros

Sabe-se que em toda aglomeração urbana, conforme avança o seu desenvolvimento ocupacional, vão surgindo diversos tipos de serviços públicos e privados que trabalham em prol das pessoas que ali vivem. Conhecer como era o funcionamento destes serviços, mesmo que de forma básica, faz com que exista a compreensão do dia a dia de uma cidade no seu passado (ou pelo menos de parte dela).

Até mesmo porque em muitos dos livros que tratam das histórias das cidades potiguares, encontramos mais à ação histórica de seus políticos, do que as características destas comunidades, ou o seu dia a dia.

Informações históricas de uma cidade não devem se restringir apenas a isso, até porque a história politica do Rio Grande do Norte é limitada quando se olha a competência de seus participantes, as suas qualidades pessoais, ou em relação as suas formações. O que vale na política do Rio Grande do Norte é somente o D.N.A. e o sobrenome.

Mas vamos ao que interessa.

Rotina

Ao lermos as velhas páginas do jornal “O Seridoense”, edição de 16 de julho de 1926, temos uma seção chamada “Informações”, que trata das repartições, atendimentos comerciais, dos profissionais liberais e outros serviços que existiam em Caicó, a principal cidade do Seridó Potiguar.

Na metade da década de 1920 do século passado o município de Caicó tinha uma população em torno de 25.000 mil habitantes, mas o núcleo urbano não tinha nem 8.000 almas. Apesar desta pequenez habitacional, Caicó já tinha um banco.

Aparentemente o tempo das velhas botijas para guardar valores estava acabando no Seridó. O fazendeiro e empreendedor Celso Dantas, além de possuir a única agência de automóveis da região, ainda tinha na sua agência bancária que representava o Banco do Brasil e o Banco de Natal na sua cidade e ficava localizado na então Rua Coronel Martiniano.

Se havia um banco, então havia muito dinheiro circulando. Se havia dinheiro, haviam bens patrimoniais sendo comparados e vendidos, então tinha que existir um cartório para sacramentar tudo. Este tabelionato ficava na Praça da Liberdade e o tabelião era o Sr. Elísio Dias de Medeiros.

Av. Seridó, centro e Caicó. Foto-José Eselino.

Se havia dinheiro e cartório certamente entre aqueles que tinham bens, uma hora ou outra haveria conflitos. Para dirimir problemas da elite local havia um juiz. Na época este era interino e o cargo estava entregue ao Dr. Eugenio Carneiro. Estranhamente o jornal “O Seridoense” não trás o endereço do Fórum, mas o da residência do ilustre magistrado.

Então ele despachava em casa?

Conflitos Jurídicos

Independente desta última questão, logicamente conflitos judiciais não existem sem os nobres advogados. Na Caicó de 1926, pelo menos listados neste jornal haviam quatro destes profissionais para resolver qualquer bronca.

Os ilustres doutores Pereira da Nóbrega (Praça da Liberdade), Renato Dantas (Rua Coronel Martiniano), Diógenes da Nóbrega (Rua Sete de Setembro) e Higyno Pereira (Rua Padre Sebastião) estavam a postos para defenderem o direito de quem lhes contratassem.

Nesta época de um Brasil extremamente agrário, uma grande demanda do judiciário de Caicó estava ligada a questão de terras. Eram comuns litígios para saber se uma fazenda tinha certo tamanho, ou sobre a divisão de terrenos em razão de uma partilha de propriedade. Então não é surpresa encontrar, logo após a lista de advogados, o nome do agrimensor local. Este era o Sr. Aureliano Gonçalves de Mello, que atendia em sua casa, na Rua Monte Petrópolis, número 11.

Prioridade na Saúde

Banco, dinheiro, cartório, justiça, advogados, divisão de terras poderiam ser sinônimos de problemas, stress, hipertensão, infarto, etc. Então seria hora de falar sobre os médicos e os boticários que atuavam na mais importante cidade do Seridó Potiguar.

Mas é aí que na nota do jornal surge algo muito interessante, pois em 1926, antes dos profissionais que cuidavam dos seres humanos, vem em destaque o nome do veterinário de Caicó. Estava esta função entregue ao Sr. Carlos Fonseca, residente a Praça da Independência, nº 26 e que, aparentemente, nem formado era. Comento isso, pois não aparece o tradicional “Dr.” dos bacharéis antes do seu nome. Se hoje certas “universidades” produzem uma enorme quantidade bacharéis que não sabem nada, naquele tempo no sertão, se um cidadão tinha um curso superior era para ser chamado de “Dotô”, pois realmente aprendia o que tinham estudado e, além do mais, havia pouca gente com nível superior. Mas para o Sr. Carlos Fonseca, se realmente ele não tinha curso superior, pelo menos para o jornal não fazia diferença.

Isso mostra que a saúde dos animais era mais importante do que a das pessoas na Caicó desta época?

Espero que não, mas a verdade é que o principal meio transporte ainda eram as alimárias e o gado vacum tinha vital importância na economia local.

Mas enfim, quem era que tomava conta da saúde do povo de Caicó nesta época?

Estão listados três médicos. Eram os doutores José da Silva Pires Ferreira, que tinha residência (e certamente o consultório) a Avenida Seridó, Aderbal de Figueiredo, que atendia a Rua Ferreira Chaves e Gil Braz de Figueiredo Araújo, na Praça da Matriz, em um “sobrado”.

Já as boticas, que nesta época já eram conhecidas como “pharmácias”, existiam duas, a “Nóbrega” e a “Gurgel”. O primeiro estabelecimento ficava na Rua Felipe Guerra e respondia pelo atendimento o “Pharmacêutico Chimico” Homero Nóbrega. O também “Pharmacêutico Chimico” José Gurgel de Araújo respondia pela outra farmácia, que ficava na Avenida Seridó. O jornal informava que ambos os estabelecimentos era abertos a qualquer hora do dia ou da noite.

Interessante era a atitude do dentista local, o Dr. Gorgônio Arthur, que atendia na Praça da Liberdade e tinha enorme confiança no que fazia, pois colocou textualmente no jornal que “garantia a qualidade dos seus trabalhos, de contrário não aceitaria pagamento”.

Falando com o Mundo e Diversão

Nesta época Caicó já se comunicava com o Mundo, mas não era pelo rádio. O serviço era feito pelas linhas da “Estação Telegraphica”, que ficava a Rua Coronel Manoel Gonçalves Valle e era comandada pelo habilidoso telegrafista era José Antunes Torres.

Outra forma de comunicação era a Agência dos Correios e Telégrafos, na Praça da Liberdade e era comandada Belmira Benigna Valle, a única mulher listada em todos estes serviços públicos e privados da cidade naqueles tempos.

Cidade calma, pacata e tranquila, é de se perguntar o que o caicoense fazia a noite.

A edição de 16 de julho de 1926 de “O Seridoense” aponta uma situação positiva e interessante. A biblioteca Olegário Valle, situada na Associação Educadora Caicoense, localizada na Praça do Rosário, estava aberta todas as noites, de 18 às 21 horas, com vasta quantidade de livros para aqueles que desejassem aprender algo mais.

Na listagem surge um interessante personagem, muito pouco abordado nas páginas dos jornais caicoenses da época. Os negros no Seridó são mais lembrados pelas suas comunidades afastadas e suas danças, tendo pouca representatividade na história da elite caicoense. Mas José Eselino era um negro que havia conseguido extrema respeitabilidade na Terra de Santana com um atelier de fotografias, que inclusive ilustram este artigo. Seu trabalho, que teria produzido mais de 10.000 fotos, é verdadeiramente excepcional e a ele se deve grande parte do conhecimento iconográfico desta cidade e de sua região.

Certamente havia bares, cafés e, obviamente, os ambientes voltados para o sexo pago. Estes locais “semi-públicos” eram de conhecimento geral, onde todo mundo sabia a sua finalidade, onde estavam localizados, quem trabalhava neles e quem frequentava. Salvo engano, um deles era chamado de “Cabaré de Pedro Casé”.

Mas isso não se publicava nos jornais locais.

E o Governo Para Cobrar

Por fim não podia deixar de faltar o governo.

O Federal era representado pela “Colectoria Federal”, a atual Receita Federal. Ficava localizada na Rua Ferreira Chaves, sendo o coletor Manoel Etelvino de Medeiros.

No jornal, a mais importante repartição pública do Estado era Mesa de Rendas, cujo titular era Jerônimo Xavier de Miranda.

Já que falamos de governo, o “Presidente da Intendência”, como era antigamente conhecido o cargo de prefeito das cidades brasileiras, era o Coronel Joel Damasceno e a tesouraria da Intendência de Caicó estava nas mãos do Sr. Tasso Dantas.

Centro de Caicó, década de 20 do século passado. Foto – José Eselino

Interessante notar que nessa época o governo, pelo menos até onde o informativo mostra, se fazia mais presente em Caicó para cobrar impostos.

Não podemos esquecer que a região ainda possuía uma grande produção algodoeira e evidentemente que estes produtos não poderiam sair da região sem pagar a parte que cabia ao governo.

Estes são alguns dados do dia a dia da principal cidade do Seridó Potiguar a oitenta e cinco anos atrás.

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

EXPEDIÇÃO FOTOGRÁFICA AS CAVERNAS POTIGUARES


Entrando no Mundo Subterrâneo

Meus amigos e amigas.

Existem pessoas que na busca de um local para desparecer, esquecer os problemas, relaxar, seguem para uma bela praia, um belo resort e outros locais paradisíacos.

Mas existem aqueles (poucos, muito poucos) que buscam o quente sertão nordestino para relaxar e curtir a bela natureza que Deus criou. Estes poucos, não satisfeitos com o calor de lascar que encontram, ainda inventam de entrar nas entranhas desta terra que o sol resseca sem clemência.

E o que buscam?

Apenas e tão somente visualizar a beleza natural existente em várias cavernas localizadas na região do Alto Oeste Potiguar.

E eu sou um deles. Pois sou “viciado em pedra”. Mas na pedra calcária que formam estas cavernas.

Entro nestas cavidades desde o final da década de 1980. Hoje já passei dos “enta”, tô gordo, a agilidade não é a mesma, mas continuo participando.

Nesta semana estive com o fotógrafo paraibano radicado no Rio Grande do Norte, especializado em cavidade naturais, Solon Rodrigues de Almeida Netto e os amigos Reginaldo Silva e Ciro Targino, todos membros da SEP – Sociedade Espeleológica Potiguar. Estivemos em várias cavernas próximas a fronteira cearense, em vários municípios.

Um abraço a todos.

Proteção e segurança em primeiro lugar

Nossa casa no meio da catinga

Beleza calcária

Grandes salões

Uma beleza diferente

Passagens difíceis

Para onde seguir?

Locais pouco visitados

Formações diferenciadas

Locais abertos, ou...

Bem apertadas.

Enquanto lá fora passa um estranho veículo...

Dentro das cavernas temos uma diferente fauna.

Com belezas rupestres

Descanso no meio da caatinga. Aqui quem manda é a natureza, pois estávamos a 12 quilômetros da habitação mais próxima

Sobre este acampamento, fazendo uma comparação bem distante (e muito mais confortável) dos acampamentos dos antigos cangaceiros, posso dizer que certamente os sons da natureza são iguais

Um oásis no sertão

Um agradecimento especial ao amigo Solon Rodrigues de Almeida Netto pela sessão destas fotos

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

O BELO E DESCONHECIDO MUNDO SUBTERRÂNEO POTIGUAR

ESTAS FOTOS FORAM FEITAS EM SUA MAIORIA PELO AMIGO SOLÓN RODRIGUES ALMEIDA NETTO, NAS NOSSAS VIAGENS AO REALIZAMOS UMA CONSULTORIA PARA O SEBRAE-RN. ESPERO QUE GOSTEM!

Estada.Nenhuma caverna que preste, se encontra a menos de 100 km de Natal.
Passagem Funda, Felipe Guerra-RN.
Gruta da Carrapateira.
Casa de Pedra, Martins-RN.
Gruta da Catedral ao meio dia.
Gruta dos Três Lagos. Aventura pura.
Fósseis.
Gruta dos Crotes. Dá para ver o porque do nome.
Gruta da Carrapateira.
Registro rupestre.
Túnel dos Bodes.
Lajedo da Tainá.
É em Bonito? Não, Felipe Guerra-RN.
Exemplo de fauna existente próximo as cavernas potiguares.

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados