DE DRONE SOBRE O VELHO BAIRRO DA RIBEIRA, O RIO POTENGI E O PRÉDIO HISTÓRICO DA RAMPA

Parceria Positiva Entre o GRUPO TOK DE HISTÓRIA e IMAGEM & POESIA

RIO POTENGI.
PRÉDIO HISTÓRICO DA RAMPA, ANTIGA ESTAÇÃO DOS HIDROAVIÕES DA PAN AMERICAN AIRWAYS NO FINAL DA DÉCADA DE 1930 E SEDE DA NAVAL AIR FACILITY NATAL, DA US NAVY, DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. FOI TAMBÉM ÁREA DE RECREAÇÃO DOS OFICIAIS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA EM NATAL, DURANTE A DÉCADA DE 1950. RECENTEMENTE FOI RECUPERADO PELO GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
PORTO DE NATAL
ANTES DA POPULARIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO, O PORTO DE NATAL ERA O PRINCIPAL LOCAL DE LIGAÇÃO DOS NATALENSES COM OUTRAS REGIÕES DO BRASIL E DO MUNDO.
O CANTO DO MANGUE.
DECOLAGEM DE UM HIDRO MARTIN PBM-3 MARINER, VISTO PELOS ARCOS DA RAMPA, NO RIO POTENGI VISTA NO CANTO DO MANGUE, O ANTIGO E TRADICIONAL ATRACADOURO DOS PESCADORES NATALENSES.
ESCADARIAS DO ANTIGO E TRADICIONAL CAIS DA TAVARES DE LIRA, NA RIBEIRA, SITUAÇÃO ATUAL (ACIMA) E NA DÉCADA DE 1940 (ABAIXO).
RUA CHILE

A PRISÃO DE JUAREZ TÁVORA PELOS POTIGUARES NO PIAUÍ

Autor – Rostand Medeiros

Nos últimos dois anos, em razão da pesquisa do meu livro “João Rufino-Um visionário de fé”, estive várias vezes na cidade de São Miguel (RN).

Nesta pitoresca localidade, seguramente um dos seus principais acontecimentos históricos ocorridos durante o século XX, foi a passagem no ano de 1926 do grande grupo revolucionário que ficaria conhecido como “Coluna Prestes”.

Juarez Távora

Durante a pesquisa que realizei nos velhos jornais do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, percebi o quanto a passagem deste grupo foi marcante nos vários estados da região Nordeste onde eles estiveram. Conhecidos em sua época como “Revoltosos”, os membros deste grupo tinham como uma de suas principais lideranças um cearense chamado Juarez Távora. Este fazia parte da revolta desde o seu início, mas foi preso no Piauí. E quem o prendeu foram policiais potiguares que estavam neste estado ao lado da “legalidade”, ou do governo, para combater a “revolta”.

Lendo as páginas dos jornais antigos percebi uma história pouco conhecida.

Os Revoltosos e Juarez Távora

Sem nenhuma dúvida a Coluna Prestes foi um dos movimentos militares mais importantes da história do Brasil no século XX. Era formada por militares que tinham como objetivo derrubar do seu cargo o então presidente da República, Arthur Bernardes.

Para muitos os revoltosos buscavam a queda de Bernardes em nome da solução dos problemas sociais que afetavam a chamada República Velha. Para outros o movimento rebelde, não obstante seu espetacular deslocamento pelo interior do Brasil, no fundo não passava de uma ação conservadora e elitista, por ter sido criado no interior das academias militares do Exército Brasileiro, ambiente onde proliferava o pensamento positivista oriundo das ideias do francês Augusto Comte.

Independente desta questão, desde 1922, principalmente os tenentes do Exército conspiravam contra o governo e chegaram a realizar ações, como a Revolta do Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, que foram violentamente reprimidas.

O garboso oficial Távora

Já Juarez do Nascimento Fernandes Távora nasceu na fazenda do Embargo, no município de Jaguaribemirim, atual Jaguaribe (CE), no ano de 1898. Estudou na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, graduando-se aspirante a oficial em 1919. Participa das várias revoltas militares do período. Foi preso e julgado, tendo sido condenado a três anos de prisão. Acabou perdendo sua patente no Exército e daí desertou. Participou da rebelião em São Paulo de 1924, onde morreu seu irmão Joaquim Távora. Diante da derrota neste estado Juarez segue com seus comandados em direção ao Paraná e se junta a coluna de revoltosos sob o comando do capitão Luís Carlos Prestes, que vinham do Rio Grande do Sul onde igualmente promoveram revoltas.

Luís Carlos Prestes

Com a unificação dos grupos rebeldes estes saíram a pé e a cavalo pelo país afora. Ocorreram apoios por parte da sociedade e os combatentes utilizavam a tática da “guerra em movimento”, para combater as tropas governamentais que não lhes davam trégua.

Durante o trajeto dos revoltosos o militar cearense foi um dos seus principais líderes, fazendo parte de seu Estado Maior.

Envio dos Potiguares e o Tiroteio em Flores

As forças do governo perseguiam fortemente os revoltosos. O presidente Bernardes solicitou a participação de forças de vários estados para engrossarem o combate aos homens de Prestes. Haviam forças policiais estaduais, onde se tinha a ideia que estes elementos possuíam um melhor conhecimento do terreno a ser percorrido no combate aos revoltosos. Mas no caso do então Regimento de Polícia Militar do Rio Grande do Norte, a solicitação de Bernardes ao mandatário do executivo potiguar na época, José Augusto Bezerra de Medeiros, foi de enviar um contingente da nossa polícia ao Maranhão.

Membros da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, diante do antigo quartel próximo ao centro de Natal

Segundo o jornal “A Republica”, o principal de Natal na época, as cinco da tarde do dia 14 de dezembro de 1925 partia do porto de Natal no vapor “Pará”, uma companhia composta de quase 100 homens, comandados pelo capitão Apolônio Seabra de Melo e mais cinco oficiais. Dias depois a tropa policial potiguar chegou ao Maranhão e se uniu aos homens do 29º Batalhão de Caçadores do Exército, que igualmente haviam saído de Natal. No dia 25, em plena comemoração natalina, a tropa seguiu primeiramente para Caxias e depois o seu destino foi a cidade de Flores, atual Timon, na fronteira do Piauí, próximo a Teresina.

Quando as tropas das duas instituições militares baseadas em Natal chegaram a Flores, a capital do Piauí sofria um cerco por parte dos revoltosos desde o dia 23 de dezembro e a ação das forças potiguares, juntamente com outras unidades do Exército e de policíais estaduais, era romper as linhas de Prestes.

Na noite de ano novo na pequena Flores, os policiais potiguares foram severamente atacados pelos rebeldes. No livro “História do Batalhão de Segurança”, de Rômulo C. Wanderley (1969 – págs. 60 a 69), segundo o relato do então aspeçada (patente atualmente extinta) Pedro Silvio de Moraes, em meio a uma forte chuva e trovoadas ocorreu este combate, que se prolongou até às dez horas da manhã do dia seguinte e os rebeldes chegaram a utilizar armas automáticas.

A refrega foi violenta. Do lado potiguar caiu ferido o cabo Dário Correia e morreu varado por vários balaços o 2º sargento Augusto Azevedo de Souza. Este foi postumamente promovido a 2º tenente. Neste mesmo combate, segundo uma nota publicada em “A Republica”, de 20 de janeiro de 1926, intitulada “Em defesa da legalidade”, o jovem Elias Ferreira de Mello, cabo do 29º Batalhão de Caçadores e natural da então Vila da região seridoense de Parelhas, foi promovido por bravura.

Notícia sobre a luta na cidade de Flores, hoje Timón, no Maranhão

O cerco a Teresina durou nove dias e se prolongou até 1 de janeiro de 1926.

A Prisão de Juarez Távora

Consta no livro de Rômulo C. Wanderley que após o tiroteio, Juarez Távora foi fazer um reconhecimento do terreno e teria se equivocado na direção de onde estavam seus comandados. Como consequência teria se encontrado com uma tropa legalista potiguar, comandada pelo cabo José Paulino de Medeiros. Diante da surpresa e na eminência do confronto, Távora se entregou sem resistência.

Na edição de 22 de fevereiro de 1926, o jornal recifense “A Provincia” transcreveu um artigo do padre, jornalista, escritor e membro da Academia Carioca de Letras, o cearense Assis Memória, sobre uma visita que fez ao conterrâneo Juarez Távora. Este era prisioneiro da Marinha na Ilha das Cobras, no Rio de Janeiro e comentou com o padre que foi detido nas margens do rio Parnaíba.

Texto do Padre Assis Memória sobre Távora

No livro “A Coluna Prestes no Piauí” (2009), o jornalista piauiense Chico Castro defende outra tese: Juarez Távora não foi capturado, ele se entregou. Para o autor, em uma entrevista a Agência Senado quando do lançamento do seu livro, comentou que “A elucidação da suposta prisão de Juarez Távora é importante porque, a partir desse episódio, a Coluna Prestes perdeu forças e, ao invés de avançar para o norte do Brasil, recuou em direção à Bolívia para o exílio. No livro eu contesto a versão do próprio Juarez, de que ele foi preso. Na verdade ele praticamente se entregou”.

Logo após sua prisão Juarez Távora foi enviado para São Luís, capital do Maranhão, para embarcar em um navio em direção a então Capital Federal, o Rio de Janeiro.

No livro Rômulo C. Wanderley, João Paulino comentou que durante o trajeto o prisioneiro se manteve imperturbável e com exceção de um copo de leite não aceitou alimento algum. Durante o trajeto o Capitão Apolônio Seabra teria conversado com Juarez, buscando demovê-lo de sua luta e voltar ao Exército. Mas este pediu ao capitão para “não estragar suas palavras”, pois ele era “um idealista” e assim morreria.

Foto pouco conhecida de Juarez Távora detido, provavelmente em São Luiz. O militar sorridente ao seu lado não foi indentificado, mas pode ser o cabo João Paulino que o deteve.

Em São Luís, o prisioneiro Távora embarcou no vapor “Rodrigues Alves”, junto com o companheiro de revolta e igualmente membro do Estado Maior revoltoso, o capitão Paulo Krugger da Cunha Cruz, capturado no Maranhão. Segundo nota do jornal recifense “A Notícia”, de 18 de janeiro de 1926, estes prisioneiros de alto valor para o Exército estavam incomunicáveis, sob escolta de militares do 21º Batalhão de Caçadores, comandados pelo capitão Leal Ferreira.

Nota sobre a passagem de Távora e Paulo Krugger por Recife

O Que Ocorreu Depois

Depois da prisão de Juarez Távora a Coluna Prestes seguiu pelo Piauí, sempre perseguidos pelas tropas legalistas. Passaram pelos municípios de Altos, Alto Longá, Campo Maior, Castelo, Piripiri, Pedro II, Valença, Oeiras, Picos, Pio IX, Simões, Jaícós e Uruçui. Depois seguiram para o Ceará e adentraram no Rio Grande do Norte pelo município de São Miguel, na sequência estiveram na cidade de Luís Gomes e seguiram para a Paraíba.

Em 1927 a Coluna Preste se dissolve depois de percorrer mais de 24.000 quilômetros. Muitos dos seus participantes, que ficaram ao lado de Luiz Carlos Prestes até o fim, conseguiram asilo político por parte do governo da Bolívia.

Depois de sua captura, Juarez Távora foi enviado ao Rio de Janeiro, onde ficou prisioneiro na ilha de Trindade e depois na ilha das Cobras. Deste local conseguiu fugir e viajou com uma identidade falsa para o Uruguai. Ele continuou na sua luta pela revolução e se dirigiu para o Nordeste. Na região começou as articulações com as forças políticas e militares, onde ele comandaria a conhecida Revolução de 30 entre os nordestinos.

À exceção de Prestes, os outros integrantes da Coluna mais tarde estariam aliados a Getúlio Dorneles Vargas, no golpe de 1930. Consta que Prestes, após receber dinheiro de Lindolfo Collor e Osvaldo Aranha para organizar forças que participariam do golpe de 1930, tomou outro caminho. Foi para Moscou, onde passou a integrar os quadros da Internacional Comunista.

Mas isso é outra história.

Ele retornou ao Brasil na ilegalidade e com identidade falsa. Aqui organizou uma tentativa fracassada de golpe comunista em 1935.

Já os policiais do Rio Grande do Norte desembarcaram em Natal, mais precisamente no Cais da Tavares de Lira, no dia 25 de fevereiro de 1926, em meio a um grande júbilo por parte das autoridades e do povo da cidade.

© 2011 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados

É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de
comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

1918 – QUANDO A GRIPE ESPANHOLA ATACOU NATAL

O PIOR É QuE 102 ANOS DEPOIS O DRAMA PODE SE REPETIR COM O NOVO CORONAVÍRUS VINDO DA CHINA

Rostand Medeiros – Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte – IHGRN

– Texto originalmente publicado originalmente no jornal Tribuna do Norte em 14 de fevereiro de 2008, publicado pela primeira vez no TOK DE HISTÓRIA em 19/03/2011 e revisado em 19/02/2020.

Em 1918, a pequena Natal seguia sua vida tranquila, em meio a um mundo que há quatro anos se esmagava em uma guerra com um nível de crueldade até então nunca testemunhado.

Tribuna do Norte, edição de 14 de fevereiro de 2008.

Os natalenses acompanhavam a Primeira Guerra Mundial através dos jornais locais, que traziam cotidianamente notícias dos combates, histórias pitorescas de soldados e da incrível ação das novas armas como os aviões e os submarinos. Apesar do natalense ler sobre o conflito, este se mantinha distante, sem alterar o dia a dia da cidade.

Esta sensação foi alterada quando navios brasileiros foram torpedeados por submarinos alemães e o país declarou guerra a este país em 26 de outubro de 1917.

Em todo país cresce o ufanismo e o orgulho de participar da “Grande Guerra”. O presidente Wenceslau Brás decide compor uma frota de navios da marinha de guerra, para ajudar no esforço dos aliados.

Somente sete meses depois, em maio de 1918, parte do Rio de Janeiro a pomposa frota naval, batizada de DNOG (Divisão Naval de Operações de Guerra). Em julho, esta frota composta de oito navios aporta no rio Potengi e a cidade se encanta com o aparato militar. Teve recepção, missa campal e até hino de Palmyra Wanderley para os combatentes que iam para além mar, foi declamado.

Após a partida da DNOG em direção à África, os quase 29.000 habitantes da capital voltaram ao seu ritmo tradicional e tranquilo.

Aparentemente pouca gente em Natal prestou a mínima atenção quando o jornal A República publicou na sua edição de terça-feira, 24 de setembro de 1918, uma pequena nota intitulada “Influenza”. Esta dava conta que o ministro do exterior, Nilo Peçanha, havia recebido a notícia que vários marinheiros da DNOG morreram em consequência da “influenza” ou “gripe espanhola”.

A Primeira Morte

Após a primeira notícia, começam a chegar novas informações que deixavam claro que uma epidemia estava crescendo pelo mundo afora, tornando-se o que a ciência classifica de pandemia, uma doença em escala global.

No Rio de Janeiro, ainda na segunda quinzena de setembro de 1918, após a chegada de navios de carreira, com passageiros infectados, começam a ocorrer às primeiras mortes no país.

Foto de um hospital de emergência durante a epidemia de gripe de 1918, em Camp Funston, Kansas, Estados Unidos. 

Logo depois, em 30 de setembro, A República informa que havia diversos casos da “influenza” em Recife, então a doença começa a ser mais destacada nos jornais da nossa capital. Estes reproduziam não medidas profiláticas, ou algum tipo de preparação para enfrentar a doença, mas informes de autoridades médicas, que buscavam amenizar os efeitos da gripe, classificando-a de uma “gripe comum”.

De forma geral a imprensa local não anunciava com mais ênfase o alastramento da gripe espanhola, noticiava-se com mais destaque o início do primeiro campeonato potiguar de “Foot boll”.

Mas gradativamente a situação vai mudando.

Quem lê os jornais do período, percebe como aos poucos a gripe espanhola entra no cotidiano da população de Natal. Praticamente de uma hora para outra surgem nas páginas de anúncios dos jornais inúmeras propagandas de remédios, tais como a “Kolyohimbina”, “Puritol”, ou o “Balsamo Philantropico”, que prometiam a “cura milagrosa contra o mal espanhol”.

Se tornaram frequentes em Natal a reprodução no jornal A República de notícias sobre a Gripe Espanhola em outros estados brasileiros.

Aparentemente, a primeira morte em decorrência da gripe espanhola ocorrida em Natal foi a do comerciante cearense Mozart Barroso, a bordo do navio “Pará”, que estava ancorado no porto da cidade. Em A República, na edição de 15 de outubro, informa que o falecimento ocorreu devido a uma “moléstia” contraída em Recife, vindo a falecer o comerciante em decorrência da viagem.

Se Mozart Barroso morreu ou não da gripe espanhola, os jornais não esclarecem. Entretanto, quatro dias depois, o respeitado médico Januário Cicco escreve em “A Republica”, uma coluna visando “auxiliar na defesa da saúde publica contra a epidemia de gripe ou influenza espanhola, que celeremente se disseminou por toda parte”.

Jornal A República de 1 de outubro de 1918, descrevendo a chegada da Gripe Espanhola em Recife e o que se sabia dos meios de prevenção.

O Dr. Januário recomendava então o uso da “quinina”, informando ter distribuído pelas farmácias da cidade, comprimidos deste produto. Este médico solicitava que “os poderes competentes”, ordenassem aos funcionários da Inspetoria de Higiene que fossem visitar as “choupanas dos mais pobres, distribuindo quinina, aconselhando a melhorar os aspectos de higiene, escolher uma alimentação sadia, beber água de procedência e evitar aglomerações”.

Enquanto isso chegava notícias que no Rio de Janeiro, a 19 de outubro, fora decretado um feriado de cinco dias de duração, na tentativa de se evitar aglomerações e o pânico. Em 21 de outubro morreria o primeiro doente na cidade de São Paulo. Até dezembro de 1918, entre 12.000 a 17.000 pessoas, morreriam na então capital federal e entre 5.400 e 12.300 sucumbiriam em São Paulo.

Nem é preciso dizer que o primeiro campeonato de futebol do estado do Rio Grande do Norte foi adiado.

O Medo se Propaga

Engana-se quem pensa que a Gripe Espanhola atacou basicamente Natal. Conforme podemos ver na capa da edição do dia 7 de dezembro de 1918 do jornal O Município, de Jardim do Seridó, a peste também o interior potiguar.

Em meio à apreensão causada pelo alastramento da gripe, o comércio se adequava como podia a triste novidade. A farmácia Torres anunciava que por 1$800 (um mil e oitocentos réis) era vendido um preservativo que poderia ser utilizado no ato sexual, mesmo em meio ao surto de gripe, “prevenindo pessoas que dele fazem uso com vantagem”. Para outras atividades a situação era mais complicada; a fábrica de gelo da Força e Luz, a única da cidade, parou suas atividades durante a ocorrência do surto.

Surgem boatos que os soldados do 40º Batalhão de Caçadores, a unidade do Exército Brasileiro existente em Natal na época, teriam contraído a doença em larga escala, mas estes boatos não tinham fundamento.

Percebe-se pelos jornais que setores da sociedade passam a cobrar dos órgãos governamentais uma maior atenção com as questões de higiene pública, onde surgem cobranças para a extinção de lamaçais existentes nas ruas da cidade, ou contra o abate de animais em residências, além da providência de se enterrar com urgência as carcaças. A 23 de outubro, a diretoria do Colégio da Conceição decidiu encerrar o ano letivo, “sem entrega de diplomas e sem festas”, devido à “epidemia”.

Conforme o medo do alastramento da doença crescia, medidas profiláticas eram recomendadas, com algumas ações que pareciam saídas de algum tratado de bruxaria; lavagens intestinais com água morna, chá de pimenta d’água com duas gotas de glicerina, ou tomar um vidro de magnésia fluida, com vinte gotas de “briônia” e dez gotas de “tintura de beladona”.

O interior não se mostrava imune aos efeitos da pandemia, de Areia Branca vinha à notícia que a gripe havia atacado a cidade. De Nova Cruz, Mario Manso, o Presidente da Intendência (cargo que atualmente equivale ao de prefeito), informava que se recuperava da gripe. Já o Intendente de Mossoró, Jerônimo Rosado, informava que 38 pessoas morreram na cidade.

As Ações do Governo

O governo estadual não se pronunciava sobre a crise. Apenas em 1º de novembro, o então governador potiguar, Ferreira Chaves, anuncia através do jornal “A Republica”, que estava “agindo para acudir a pobreza desta cidade”, organizando na Escola Frei Miguelinho uma comissão de apoio, que visava fornecer alimentação aos necessitados no bairro.

Este trabalho estava sob a direção do diretor da Inspetoria de Higiene, o Doutor Calistrato Carrilho, com a participação do professor Luís Soares, então diretor da escola “Frei Miguelinho”, do Padre Fernando Nolte, do Dr. Antônio Soares, do Tenente João Bandeira e do Senhor Laurentino de Moraes, contando com o apoio dos escoteiros. Desta comissão o governo criou então um Posto de Assistência do Alecrim, onde trabalhavam os médicos Varela Santiago e Marcio Lyra. A missão do Posto era fornecer remédios, alimentos e até mesmo querosene para iluminação.

Em meio aos carcomidos exemplares que restam dos antigos jornais natalenses na atualidade, chama a atenção um aviso publicado, pela Inspetoria de Higiene, no início de dezembro de 1918, intitulado “A Influenza Espanhola, Conselhos ao povo”, onde entre outras coisas, solicitava “evitar aglomerações, não fazer visitas, evitar toda fadiga e excesso físico”.

Um indício de como estava à situação no bairro do Alecrim é apontada pela própria comissão, que em média atendia a um número superior de 350 pessoas por dia. Escoteiros percorreram diversas ruas do bairro, para entregar alimentos e remédios nas casas dos que não tinham sequer condições de se deslocarem para o colégio “Frei Miguelinho”.

As ações então cresciam; no bairro das Rocas, as “Damas de Caridade”, grupo ligado a Igreja Católica, atuavam neste bairro no apoio principalmente às famílias dos pescadores. De barco seguiu para as Praia de Muriú, Praia de Maracajaú, Farmacêutico Floriano Pimentel, com vários medicamentos. Os cinemas Royal e Polytheama, que estavam sem exibições cinematográficas desde outubro, foram rigorosamente desinfetados.

Outra notícia, sem detalhes estatísticos ou maiores referências, da conta que o governador Ferreira Chaves buscava atender, com as mirradas condições do tesouro estadual, os inúmeros pedidos das cidades e vilas do interior para o combate a pandemia.

As Mortes

Apesar da assistência oferecida, o número de mortos crescia na cidade. Discretamente, nas notas diárias dos jornais, surgem diversas notas de falecimentos, atribuindo abertamente a gripe espanhola à causa da morte de diversas pessoas, envolvendo principalmente representantes das classes menos abastardas da cidade.

São inúmeros os informes, tais como o do funcionário da Estrada de Ferro Central, José Calazans Carneiro, que perdeu dois filhos menores de idade. Já o capitão da polícia, Abdon Trigueiro, Sargento da polícia Othoniel Trigueiro. Ou o falecimento de Alfredo Costa, serralheiro da Ferrovia Great Western, que deixou numerosa família e a comerciário da empresa A. dos Reis & Cia., Miguel Medeiros, que morreu nas dependências do Hospital Juvino Barreto e foi enterrado no cemitério do Alecrim.

Sem maiores dados é temerário afirmar se a classe mais abastarda da cidade na época, foi ou não atingida diretamente pela pandemia de gripe espanhola. Entretanto, entre os inúmeros necrológicos publicados no período temos os casos de falecimento do desembargador Vicente Lemos, ou do Comerciante Alexandre de Vasconcelos, Professor Tertuliano da Costa Pinheiro. Contudo, em nenhum dos necrológicos das pessoas mais bem posicionadas socialmente, não consta à mínima referência que a causa de alguma destas mortes tenha sido atribuída à gripe espanhola.

É na tradicional mensagem ao Congresso Legislativo do estado, lida no dia 1 de novembro de 1919, que o governador Ferreira Chaves deixa transparecer que a gripe espanhola deixou marcas em todas as camadas sociais de Natal. Ele afirma que a pandemia, “mesmo não sendo tão mortífera como em outros lugares, roubou-nos muitas vidas preciosas e pesou cruelmente sobre todas as classes da sociedade”.

O Fim do Pesadelo. Ou Não?

No mês de dezembro de 1918, da mesma forma abrupta que este pesadelo chegou a Natal, ele estava deixando a nossa terra.

No dia 11 de dezembro, a Inspetoria de Higiene considerava praticamente extinta o surto de gripe espanhola em Natal.

Do interior do Rio Grande do Norte chegam notícias do declínio dos surtos de gripe espanhola em Natal. De Lajes, o Intendente Felix Teixeira informava o recuo da doença e agradecia o apoio do governador Ferreira Chaves.

Inaugurado em 9 de setembro de 1909 pelo então governador Alberto Maranhão, o Hospital de Caridade Juvino Barreto, atual Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), era a unidade de referência para atendimento hospitalar em Natal no ano de 1918.

No dia 15 de dezembro o governo decidiu encerrar as atividades do Posto de Assistência do Alecrim, o principal da cidade. Ao final houve homenagens, festas e comemorações para a Inspetoria de Higiene, aos que trabalharam e mantiveram ativo o Posto de Assistência do Alecrim e aos escoteiros, sendo todos recebidos com honras pelo mandatário estadual no palácio do governo.

Segundo informou o professor Luís Soares, em trinta dias de atividades, o Posto atendeu nada menos que 10.814 pessoas. Os escoteiros visitaram neste período 169 casas, atendendo 135 doentes que não puderam nem mesmo se deslocar para o local de assistência.

Soldados da Força Expedicionária Americana vítimas da gripe espanhola no US Army Camp Hospital no. 45 em Aox-les-Bains, França. Calcula-se que só no Brasil morreram 300.000 pessoas devido a Gripe Espanhola, ou cerca de 10% de nossa população na época. Hoje seriam algo em torno de 20 milhões de vítimas fatais.

Infelizmente os jornais da época não explicam com maiores detalhes estes dados estatísticos. Não sabemos se destas 10.814 pessoas, todas estavam doentes, ou o grau de virulência a que foram submetidos e, principalmente, em nenhuma linha é divulgado quantos morreram neste período. Em Natal se repetiu o mesmo que ocorreu em outras partes do país; as autoridades deliberadamente escamotearam os dados sobre a doença.

Para uma cidade onde a população girava em torno de 29.000 pessoas, um surto epidêmico que leva ao atendimento de 10.814, mostra a dimensão do problema que foi a gripe espanhola. Para efeito de comparação, segundo o Censo 2007, o número de habitantes de Natal neste período, equivale atualmente à cidade de João Câmara.

Se, aparentemente, o número de mortos desta pandemia em Natal e no Rio Grande do Norte não foi tão grande, qual fator teria ajudado aos potiguares em relação a outras áreas do Mundo? Seriam os ventos que sopram no litoral, ou o clima seco do sertão?

O certo é que tivemos muita sorte, pois a gripe espanhola ceifou mais de 50 milhões de pessoas em todo planeta. Proporcionalmente na história da humanidade, nada foi mais terrível que esta pandemia. Este número é superior a soma de todos os soldados mortos em combate durante a Primeira e Segunda Guerra Mundial, Guerra da Coréia e Guerra do Vietnã.

Foto da atual problemática envolvendo o novo surto de o Coronavírus originário da China e denominado oficialmente pela Organização Mundial de Saúde como COVID-19 – Fonte – https://exame.abril.com.br/mundo/coronavirus-supera-sars-na-china-e-se-aproxima-do-brasil/

O interessante desse texto é que na sua primeira publicação, nas páginas da Tribuna do Norte, ele não foi criado porque havia na época algum grande surto viral e nem imaginava que algo pudesse acontecer pelos anos seguintes. Mas em 2011, quando um vírus chamado H1N1, ou gripe A, se propagou desde o México e assustou o planeta, decidi publicar esse texto pela primeira vez no nosso TOK DE HISTÓRIA. Logo esse surto desapareceu e ouve alívio geral. Quando publiquei esse texto em 2011 eu encerrava com um questionamento “Assim percebemos que a questão não é saber se vai haver ou não outra pandemia, mas quando?”.

Passados nove anos dessa publicação, eu sei a resposta!

Estamos novamente a volta de uma nova pandemia com o Coronavírus originário da China e denominado oficialmente pela Organização Mundial de Saúde como COVID-19 . Apesar do número de mortos ser pequeno o COVID-19 é extremamente virulento e está deixando o mundo em um intenso estado de alerta. Afetando primeiramente a China.

Parece que vamos conviver com esses surtos com maior frequência que imaginei !

© 2008-2011-2020 Copyright Tok de História

Todos os direitos reservados